ESTUDANTES DE JORNALISMO DA PUCPR VALORIZAM MANIFESTAÇÃO AFRO-BRASILEIRA EM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

O enredo é formado por dois grupos, o do Rei do Congo e o da Rainha da Ginga e remonta o período da escravidão. Foto por: Julia Favaro

O projeto tem como objetivo registrar jornalisticamente os aspectos históricos da manifestação afro-brasileira da Congada Ferreira da Lapa

Uma pesquisa realizada pelos estudantes da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Ema Cristina, Giovanna Rell, Hanna Siriaki, Igor Arendt e Julia Favaro identificou que a manifestação afro-brasileira da Congada Ferreira da Lapa é desconhecida por 61% dos respondentes em uma amostra de 383 participantes de diversas regiões do país.

A Congada Ferreira está localizada na Lapa-PR e é composta principalmente pela própria família Ferreira, justamente pelo fato dessa tradição ser passada de geração a geração. Atualmente ela é formada por mais de 40 integrantes, composto pelo grupo da dança e músicos. Não se sabe ao certo a data efetiva de seu início, mas estima-se que em 2020 a Congada complete 200 anos.

Giovanna Rell, uma das integrantes do grupo, explica que a escolha do tema surgiu após a realização de outros trabalhos relacionados à temática da cultura negra durante a graduação. “Identificamos o quanto esse tema não tem a representatividade que deveria e por isso, decidimos trabalhar com a congada e lutar por sua valorização”, afirma.

“Para valorizar a Congada estamos realizando uma produção jornalística transmídia que refere-se a um processo de narrativa construído através de diversas plataformas e múltiplos canais. Cada uma delas tem como propósito acrescentar algo de novo à narrativa da plataforma principal, contribuindo com novos elementos e tornando o enredo mais rico. Para tornar nosso projeto uma narrativa transmídia elaboramos um fotolivro, documentário fragmentado, ação na ONG De Mãos Unidas, infográfico 360º e interação via Instagram”, explica Hanna Siriaki, integrante da equipe.

Segundo o atual Embaixador e representante da Congada Ferreira da Lapa, Ney Ferreira, participante desde os seus seis anos de idade a tradição é passada de geração em geração: “Tudo começou com meus bisavós, avós, pais, irmãos mais velhos e hoje eu, um dos mais novos a assumir o grupo. Eu era Conguinho quando virei Embaixador e logo após passei a gerenciar tudo, mesmo tendo todos os outros irmãos mais velhos que não quiseram assumir”.

De acordo com o historiador Geraldo Silva é importante ressaltar que a congada surgiu em um período em que havia o controle dos portugueses católicos, o que justifica a presença de São Benedito, que recebe homenagens na apresentação.

“O elemento central é o santo católico, mas convém observar que há uma junção de elementos culturais, como o vestuário, coroas e demais acessórios, remetem à representação das cortes europeias e por isso, há no processo todo uma mistura”, afirma.

A Congada e seu rico enredo foi muito prestigiada por toda a população da Lapa e cidades no entorno. Após o momento de auge e encanto passar, os representantes ficaram por 17 anos longe de suas tradições. Graças aos esforços dos membros do último reinado a Congada voltou a se reunir e deu continuidade às encenações.

É possível acompanhar o desenvolvimento do projeto no Instagram @herdeirosdocongo, Facebook e no site www.herdeirosdocongo.com

DEPOIS DO NÃO: PROJETO TRANSMÍDIA DISCUTE O ASSÉDIO CONTRA MULHERES JORNALISTAS EM CURITIBA

Um produto realizado por estudantes de jornalismo da PUCPR tem como foco combater o assédio

Depois do não é assédio, é violência, não se cale! Para empoderar mulheres jornalistas, fortalecer a representatividade feminina na mídia e combater o assédio no mercado de trabalho, o projeto Depois do Não é uma Grande Reportagem Transmídia (GRT) que reúne relatos de mulheres jornalistas que sofreram assédio no exercício de sua profissão e superaram tal violência. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) foi produzido pelos estudantes de Jornalismo, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Erica Hong, Mateus Bossoni, Sarah Lima, Thais Camargo e Yasmin Soares, com orientação da professora Criselli Montipó.

De acordo com dados do Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2010, as mulheres tendem a receber salários menores e a serem excluídas dos cargos de maior prestígio e remuneração. Na pesquisa Mulheres no Jornalismo Brasileiro, realizado pela Gênero e Número e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), dentre as entrevistadas, 65% declararam haver mais homens em cargos de poder. “Elas não tinham cargos importantes, faziam o cafézinho ou atendiam na recepção”, relata uma das personagens da GRT.

De acordo com informações dos Relógios da Violência, do Instituto Maria da Penha, a cada um segundo uma mulher é assediada no Brasil. A pesquisa nacional do DataFolha Assédio sexual entre as mulheres, de 2017, aponta ainda que 42% das mulheres entrevistadas declararam já haverem sido vítimas de assédio sexual. Nas redações, a situação não é diferente, 73% das mulheres entrevistadas também pela pesquisa Mulheres no Jornalismo Brasileiro afirmaram já ter escutado comentários ou piadas de natureza sexual sobre uma mulher ou mulheres no seu ambiente de trabalho.

Campanhas como #JornalistasContraoAssédio e #DeixaElaTrabalhar trouxeram o tema do assédio à tona, inclusive o fato de que as mulheres jornalistas relatam sobre esses casos, mas não os que acontecem com as próprias profissionais. “É uma coisa horrível. Te envergonha e você não sabe do porquê acontece. Me questiono até hoje, poderia ter feito várias coisas, contado, denunciado, pedido ajuda, mas não consegui. Hoje peço para que todas denunciem, mas não sei se teria coragem. Na teoria é uma coisa, na prática, quando você passa por uma situação dessas, é outra totalmente diferente”, declara J. C., personagem do projeto.

Os dados apontam a urgência e a importância do tema. “É preciso combater o assédio contra as mulheres em todas as profissões. O Depois do Não busca apresentar o relato das vítimas como forma de manifesto e compartilhar histórias entre as profissionais para incentivar o empoderamento, além de influenciar para que outras jornalistas possam ser ouvidas e denunciem seus casos”, afirma Sarah Lima, uma das estudantes que integra a equipe do TCC.

Serviço:
Site: www.depoisdonao.com.br 
Instagram: www.instagram.com/depoisdonao/   
Facebook: www.facebook.com/depoisdonao/  
Youtube: www.youtube.com/channel/UCI85Y0p1ci1Uq1aSwmEr0Dg  
Evento: Roda de Conversa: “O seu não: assédio contra mulheres jornalistas no mercado de trabalho”
Data: 20 de novembro de 2018
Horário: 9h às 11h
Local: PUCR-PR, Auditório Newton Stadler (Bloco 5 – Vermelho)
Endereço: Rua Imaculada Conceição, 1155, Prado Velho, Curitiba – PR
Entrada: Franca