BRASEIRO CONVIDA NELSON SARGENTO PARA SHOW EM CURITIBA

O projeto Sesi Música promove ação para amantes do samba e do choro 

O Sesi Música, iniciativa do Sesi Cultura Paraná, promove o show “Braseiro convida Nelson Sargento” no dia 26 de outubro, às 20h horas, no Teatro Campus da Indústria, em Curitiba.

No show “O samba de Nelson Sargento”, o grupo curitibano Braseiro convida o multiartista carioca Nelson Sargento para participar de um encontro inesquecível no qual darão destaque às composições do sambista.

A banda curitibana Braseiro é formada por amantes do Samba e do Choro. A proposta do grupo é defender as composições de sambistas da cena local, sem deixar de lado os compositores consagrados que permeiam as rodas de vários locais do Brasil. Valorizando a identidade da raiz, o grupo formado por Jonas Lopes (cavaquinho e bandolim), Luiz Ivanqui (violão 7 cordas), Otávio Augusto (sopros), Ricardo Salmazo (percussão) e Otto Lenon (percussão), nesta edição conta também com a participação de Roseana Santos (voz) e Luís Rolim (percussão) e tem por intuito buscar a sonoridade do samba mais tradicional, como a dos regionais que fizeram história na música brasileira em outros tempos. Os integrantes são ativos dentro da cena do samba em Curitiba e contribuem com a disseminação do estilo musical, buscando propagar a filosofia do samba, em especial, na capital paranaense.

O carioca Nelson Sargento faz parte da história viva do samba brasileiro, juntamente com Riachão (BA) e Hermínio Bello de Carvalho (RJ), seu Nelson está entre os consagrados sambistas da velha guarda que ainda encontra-se vivo. Além de ser considerado um dos maiores nomes da escola de samba carioca da Mangueira.

Nascido em 1924, Nelson Sargento é um multiartista, atuante até os dias de hoje. Cantor, compositor, escritor, pintor, músico, ator, artista plástico e pesquisador, ele já participou de longas e curtas-metragens, escreveu e lançou dois livros, desenvolve seu trabalho como artista plástico por meio dos conhecimentos adquiridos em seu trabalho de pintor e pedreiro, ofício que exerceu por muitos anos, além de compor e musicar canções que ficaram consagradas nacional e internacionalmente.

Nelson Sargento mudou-se para o morro da Mangueira quando tinha aproximadamente dez anos e, morando lá, conheceu Cartola e Nelson Cavaquinho – que o ensinaram a tocar violão e que, no futuro, seriam seus parceiros de composição. Entrou para a ala de compositores da Mangueira e compôs canções como “Falso Amor Sincero”, “Vai dizer a Ela” (com Carlos Marreta), “Nas Asas da Canção” (com Dona Ivone Lara) entre outros. Sua composição de maior sucesso, “Agoniza Mas Não Morre”, foi gravada por Beth Carvalho e tornou-se um hino de resistência da cultura do samba carioca. Em 2017 teve seu show “Nelson Sargento com Vida” eleito como melhor show nacional por votação popular, segundo o Guia da Folha de São Paulo.

SERVIÇO
SESI MÚSICA APRESENTA:
Braseiro convida Nelson Sargento
Data: 26 de outubro
Horário: 20h
Duração: 60 minutos
Classificação: livre
Valor: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)
Local: Teatro Campus da Indústria
Endereço: Av. Com. Franco, 1341 – Jardim Botânico, Curitiba
Página do evento, aqui

Mais informações:
www.sesipr.com.br/cultura /
www.facebook.com/sesiculturapr

SESI CULTURA – Foi em 2008 que a Regional Paraná do Serviço Social da Indústria inaugurou uma área especificamente dedicada ao desenvolvimento de ações culturais ancoradas nas diretrizes previstas na Declaração Universal dos Direitos do Homem, como a diversidade, a pluralidade e a autonomia. Desde então, o Sesi Cultura Paraná tem promovido o acesso à cultura com foco em programas de formação artística e cultural, investindo em processos criativos, formação de plateia para todas as linguagens e na formação e desenvolvimento cultural com vocação local. O Circuito Cultural Sesi, o Festival Sesi Música, os Núcleos Criativos do Sesi, o Zoom Cultural, os Programas Sesi Música, Sesi Arte, Sesi Audiovisual e Sesi Artes Cênicas são exemplos de programas desenvolvidos pela Gestão Cultural do Sesi. De 2008 até 2017, mais de um milhão de espectadores tiveram acesso à cultura por meio de cerca de 8,4 mil ações culturais realizados pelo Sesi Paraná. Todas essas ações sempre tiveram como objetivo o acesso ao bem cultural para o trabalhador da indústria, seus dependentes e para a comunidade de uma forma geral, além da difusão da arte em todas as suas manifestações, valorizando a diversidade e a pluralidade do povo brasileiro.

ESCRITORES DA COLEÇÃO GERAÇÃO PR10 PARTICIPAM DE DEBATE SOBRE PROCESSO CRIATIVO

Os encontros acontecem no Solar dos Guimarães e leituras de trechos das obras e distribuição gratuita dos livros que integram a série. 

A Kafka Edições, em parceria com a Fundação Cultural de Curitiba (FCC), promove a partir do dia 11 de outubro uma série de conversas com os escritores da Coleção Geração PR10, lançada no início deste mês. As obras, viabilizadas por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba – Mecenato Subsidiado, retratam a produção literária paranaense após 2010. Os encontros terão mediação do escritor e editor Paulo Sandrini e acontecem no Solar dos Guimarães. 

Os bate-papos começam com Carol Sakura, autora de A Batida dos dias, que na sexta-feira (11/10), debaterá a construção de sua narrativa a partir de elementos oníricos e cotidianos. Com uma potente reflexão diante de um caráter social opressor, sobretudo no que diz respeito às mulheres, a escritora busca compreender o mundo frente ao olhar para si. 

Na quarta-feira (16/10), Jonatan Silva, autor de Histórias mínimas, e Guylherme Custódio, autor de Contos do microcosmo, conversam a respeito do retrato minimalista como metáfora do absurdo cotidiano. Ambos os livros dialogam por meio de textos concisos, mas cuja profundidade ganha contornos imensos. Na sexta-feira (18/10) é a vez de João Paulo Partala e André Knewitz, autores de 14 Corpos de João e Maria e Zumbido, respectivamente, debatem a relação social entre os corpos e a narrativa como forma de combate. 

A Coleção 
A Coleção Geração PR10 é o registro das inquietações e das impossibilidades do sujeito contemporâneo diante do outro. Os seis livros que formam a série criam um importante mosaico de um mundo fragmentado e díspar. “A ideia é fazer com que essa coleção irradie os autores como novos nomes e que continue uma batalha da Kafka Edições em revelar uma ficção que busca desafiar a linguagem”, explica o editor Paulo Sandrini, responsável pela curadoria da coleção Geração PR10, juntamente com Fernando Koproski. 

Com a coleção Geração PR10, a Kafka Edições faz um mergulho denso no conto paranaense em suas novas formas e temáticas, mas sem perder de vista o diálogo com o que é produzido na literatura brasileira e internacional. As seis obras condensam um espírito combativo, experimental e altamente criativo das novas vozes da literatura do Paraná. 

Serviço 
Bate-papo Coleção Geração PR10 

Carol Sakura
Data: 11 de outubro
Horário: 19h 

 
Jonatan Silva e Guylherme Cusatódio
Data: 16 de outubro
Horário: 19h 


João Paulo Partala e André Knewitz
Data: 18 de outubro
Horário: 19h 

Local: Solar dos Guimarães
Endereço: Rua Mateus Leme, 66 – Centro – Curitiba 

TEATRO DO SESC DA ESQUINA RECEBE CONCERTO DUO SIEMPRE NUEVO COM HELENA HOZOVÁ

Atração da República Tcheca reúne os violonistas Matěj Freml e Patrick Vacík com a soprano Helena Hozová em apresentação inédita em Curitiba; Com entrada franca, os ingressos podem ser retirados no SAC do Sesc da Esquina 

Com entrada gratuita, o Sesc PR promove na próxima quarta-feira (16/10) o concerto Duo Siempre Nuevo com Helena Hozová, reunindo os renomados violonistas da República Tcheca, Matěj Freml e Patrick Vacík. O duo se apresenta a partir das 20h, com a soprano Helena Hozová, com repertório de obras de compositores espanhóis e tchecos. Os ingressos são gratuitos, limitados e podem ser retirados antecipadamente no SAC do Sesc da Esquina. 

O duo de violões clássicos Siempre Nuevo foi formado em 2007 por Freml e Patrick Vacík. Ambos estudaram na Alemanha onde receberam as suas primeiras aulas de música de câmara com os professores Thomas Müller-Pering e Mathis Christoph. Em 2008, o duo venceu sua primeira competição internacional na Itália. Desde então, os jovens artistas têm sido regularmente convidados para diferentes concertos e festivais, tanto na República Tcheca como na Alemanha, Itália, Polônia e Eslováquia. Um marco importante na carreira deste conjunto foi o convite para a Feira Internacional de Música em Xangai 2010. 

O Duo Siempre Nuevo também desenvolveu projetos como “Guitarra Cantante”, com a cantora mezzo-soprano Barbora Polášková e “4 + 2”, com o quarteto de cordas Époque Quartet. Já lançaram três CDs: First Steps (2010), Domenico Scarlatti: Sonatas (2012) e o último Guitarra Cantante (2017). 

Neste concerto, que já passou por Belo Horizonte, o duo será acompanhado pela soprano Helena Hozová, nascida na República Tcheca. A cantora lírica estudou no Conservatório Pardubice, na Academia de Música e Artes Cênicas Janáček, em Brno, e na Universidade de Música Carl Maria von Weber, em Dresden (Alemanha). 

Helena já interpretou os papéis de Tatyana (Eugene Onegin), Popelka (Comédia de Martin na Ponte), Luigia (Le convenienze ed inconvenienze tearali de Donizetti) ou First Witch (Dido e Enéias de Purcell) como integro da Ópera de Câmara da Academia Janáček. A cantora ainda colaborou com a Filarmônica da Morávia Olomouc, a Filarmônica da Câmara Pardubice, a Filarmônica Bohuslav Martinu, a Filarmônica da Câmara da Boêmia do Sul e o Ensemble Barocco Sempre Giovane. 

Em 2010, juntamente com a violonista Irena Sedláčková, Helena fundou o Duo Nana, com foco na música contemporânea tcheca. Duo Nana é membro da Associação Tcheca da Música de câmara de violão. Atualmente, Helena Hozová se concentra principalmente na música antiga. 

Peças Musicais previstas: 
1. Leoš Janáček – Folk ballads (Seleção) 
2. Enrique Granados – Danza Española: “Oriental” 
3. Antonín Dvořák – Gypsy songs (Seleção) 
4. Milan Tesař – Suita Karussell 
5. Manuel de Falla – Siete canciones populares Españolas (Seleção) 

Serviço:
Concerto Duo Siempe Nuevo com Helena Hozová 
Quando: 16 de outubro de 2019 (quarta-feira) | 20h 
Local: Teatro do Sesc da Esquina (Rua Visconde do Rio Branco, 969 – Mercês, Curitiba) 
Duração do espetáculo: 50 min. 
Classificação etária: Livre 
Entrada Franca – ingressos são limitados e podem ser retirados no SAC do Sesc da Esquina

AJUDE A LEVAR O ESPETÁCULO COMA (DA CIA DE TEATRO INDEPENDENTE DE CURITIBA) PARA DUQUE DE CAXIAS/RJ!!!

A Cia Teatral Pathos foi selecionada para o Festival Nacional de Teatro de Duque de Caxias!!!  O espetáculo “Coma” foi um dos 4 projetos vindos de fora do estado do Rio de Janeiro para compor a mostra adulta no Festival. A equipe está muito orgulhosa pela seleção, mas para participar do festival, a companhia precisa de ajuda. Para bancar a viagem. E pra isso você pode colaborar a partir de R$10,00. 

A apresentação será no dia 9 de outubro, às 19h, no Teatro Raul Cortez na cidade de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Para a cia é uma honra imensa ter essa oportunidade. Mas, por ser uma CIA independente de Curitiba, eles estão sem condições de arcar com a viagem – sem qualquer patrocínio ou ajuda de custos. O festival também não pôde disponibilizar recursos para as companhias, porque é mais um lugar de resistência no meio artístico.

Então qualquer valor que você puder contribuir, será super bem vindo!!! O site é fácil de usar, é seguro e sigiloso, você nem precisa se expor, inclusive. Mas você pode doar e concorrer: as doações serão recompensadas com sorteio de ensaios fotográficos das fotógrafas Celine Liris, Lis Guedes e Larissa Pereira. O sorteio do ensaio fotográfico com a Larissa Pereira será feito no dia da apresentação, dia 09/10, e o ensaio será feito até o dia 12/10, porque ela vem de São Paulo para fazer o trabalho.

A intenção da cia é sair de Curitiba/PR na madrugada do dia 08/10 com 2 carros para chegar em Duque de Caxias a noite, lá eles descansam e se  apresentam no dia seguinte e voltam no dia 10 ou 11/10. A ficha técnica da cia tem 8 pessoas, além de equipamentos grandes e pesados de cenário, por isso não compensa ir de avião ou ônibus. Basicamente eles vão gastar apenas com o combustível e pedágio. E, isso, nos dois carros totaliza uma média de R$2200,00 de ida e volta nesse trecho de +/- 850km. No Catarse eles pedem R$2500,00 por causa da taxa de 13% do Catarse (R$325 retirados desse valor total). Confira todas as informações detalhadas do projeto no site Catarse, aqui.

Você também pode entrar em contato com a Cia Teatral Pathos e pedir a conta bancária pra depósito direto, já que o Catarse demora 10 dias para entregar a grana. No site você também pode parcelar, então ficam disponíveis as opções!

A estadia da trupe não está inclusa no orçamento: eles estão vendo esta questão estadia em Duque de Caxias-RJ com alguns amigos, mas se você tem  ou sabe quem tem uma casa disponível pelas redondezas pra oferecer pra cia por 3 noites, entre em contato!! Obrigado por toda a ajuda!!! Viva o teatro!!!

COMA

Se você ainda não assistiu o espetáculo COMA, que estreou em Novembro de 2018 no LabCom/PUCPR, trate de assistir as próximas apresentações na sua cidade, porque é uma peça muito especial feita de coração. Com presença confirmada no Festival de Teatro de Pontal do Paraná/PR!!

SINOPSE:
COMA é o 4° espetáculo autoral da CIA Teatral Pathos. A peça trata sobre questões de opressão no cotidiano que permeiam e atingem a todos de maneira brutal. Situações ligadas ao trabalho em análogo a escravidão e ao abuso de poder são alguns dos temas abordados pela CIA em sua montagem.

FICHA TÉCNICA:
Texto, direção e concepção: Elton Meduna
Elenco: Alini Maria, Arthur Augustus, Celine Liris, Elton Meduna e Victor Dezute.
Operação de luz e som: Aly Chaves
Fotografia: Lis Guedes e Larissa Pereira
Realização: CIA Teatral Pathos

LETÍCIA SABATELLA INTERPRETA CANÇÕES NA MOSTRA “A ARTE DE SER VOCÊ”

Exposição comemora os 14 anos da Clínica Graf Guimarães

A Clínica desde seu início se caracterizou por oferecer os melhores e mais modernos tratamentos para seus pacientes. Ao completar 14 anos de renova mais a vez adquirindo um equipamento mais eficaz e seguro para rejuvenescimento, cicatrizes de acne e remoção da tatuagens. 

Para chamar a atenção sobre a ampla realização de procedimentos por profissionais sem o devido conhecimento, formação e habilitação, a segunda edição da exposição “A arte de ser você” reúne, na próxima quarta-feira (2), em Curitiba, obras de artistas plásticos paranaenses que abordam os excessos em procedimentos estéticos. 

A Clínica Graf Guimarães é quem sedia a mostra para comemorar os 14 anos de atuação em Curitiba. 

A atriz Letícia Sabatella participa da abertura, interpretando diversas canções, entre elas da cantora francesa Édith Piaf. “Os procedimentos estéticos são cada vez mais procurados. Há procedimentos que são feitos sem responsabilidade, conhecimento, formação e habilitação para isso. Eles colocam em risco, inclusive, a saúde do paciente”, explica Christine Graf Guimarães, dermatologista que trabalha com transplante capilar desde 2001 e uma das artistas que exibirá suas telas. 

A mostra tem a curadoria de Márcia Elisa de Campos Graf e as pinturas, esculturas e jóias artesanais expostas são assinadas por Alfi Vivern; Alan Max Gonzáles Groth; Ana Isis Ribas; Célia Figueiredo; Christine Graf Guimarães; Eduardo Bragança; Lisiani Serea; Lys Áurea Buzzi; e Rosângela Grafetti.

Christine Graf Guimarães e Letícia Sabatella

Serviço:
A arte de ser você, segunda edição
Onde: Avenida Senador Souza Naves, 1013 – Alto da XV, Curitiba
Quando: quarta-feira, 2 de outubro, abertura às 19 h com Letícia Sabatella. A mostra segue até novembro.
Quanto: gratuito
Página do evento, aqui

EVENTO: LITERATURA, PASSADO EM PROSA – O SILÊNCIO DO VAMPIRO

O ciclo de bate-papos PASSADO EM PROSA, com os autores da Coleção A Capital e em parceria com o SESI Cultura, continua na terça-feira, 8 de outubro, das 19:00 às 20:00, em Curitiba, com o escritor e jornalista, pós-graduado em Cinema e Mestre em Letras, Luiz Andrioli, autor, entre outros, de “O circo e a cidade, histórias do grupo circense Queirolo em Curitiba” (Coleção A Capital) e “Laçador de cães”.

O estudo é realizado por meio da crítica ao discurso jornalístico sobre o escritor Dalton Trevisan, utilizando-se de fontes de imprensa e referências bibliográficas. Dalton Trevisan é conhecido pela concisão de suas palavras. Ele também se nega, há décadas, a dar entrevistas ou declarações para a imprensa. Mesmo assim, os jornais não deixam de comentar seus livros. “O silêncio do vampiro” analisa de que forma a produção do contista aparece na mídia. Em algumas situações, os jornalistas buscam na própria obra do autor as respostas necessárias e verossímeis. Em outros momentos, é a interpretação a partir das palavras do escritor que preenche as lacunas. Em ambas as formas, a discussão aqui proposta aponta que o silêncio de Dalton Trevisan é uma estratégia literária em nome da imortalidade pretendida pelo Vampiro de Curitiba.

Serviço:
EVENTO: LITERATURA, PASSADO EM PROSA – O SILÊNCIO DO VAMPIRO
Local: Centro Cultural Sesi Heitor Stockler De França na Av. Mal. Floriano Peixoto, 458, Centro, Curitiba
Data: Terça-feira, 8 de outubro, das 19:00 às 20:00 
Entrada gratuita. 
Página do evento, aqui
Organização: Factum Pesquisas Históricas

fonte 

TURNÊ ‘AVE LAB’ ESTREIA EM CURITIBA COM CANTORA IRIA BRAGA E MULTINSTRUMENTISTA DIOGO BURKA

Diogo Burka e Iria Braga – Foto: V. Pedrassoni

O show de abertura da turnê paranaense acontece nesta sexta-feira (27), na Praça Santos Andrade, durante a 38ª Semana Literária SESC 

Nesta sexta-feira (27), às 18h, a 38ª Semana Literária SESC apresenta o show de estreia da turnê “AVE LAB”, com a cantora e atriz, Iria Braga e o multinstrumentista, Diogo Burka, a partir das 18h. A entrada gratuita. 

Idealizado por Iria Braga, “AVE LAB” traz a proposta de conexão com artistas de todo o mundo com o propósito de romper as fronteiras a partir da música. Em 2018, na Argentina, o primeiro encontro e turnê foi com o pianista, Juan Barallobres.

“Descobrir a narrativa musical do repertório de um show como o ‘AVE LAB’ é um fascínio. Desta vez, com o Diogo Burka, nós reunimos compositores que admiramos no Paraná. E claro, neste encontro, a fusão com as nossas canções”, explica a cantora com mais de 20 anos de carreira. 

Após voltar da Argentina, a curitibana Iria Braga e o londrinense, Diogo Burka, se encontraram em 2018, no norte paranaense, onde ficaram imersos ao longo de duas semanas no estúdio Plugue para a escolha do repertório. 

“A criação é compartilhada. Não se trata apenas de reproduzir um repertório e sim, aproximar mundos. Fazer parcerias inusitadas e se abastecer de ideias nestes encontros, é uma trajetória que alimenta e norteia as fronteiras do meu novo álbum”, revela Iria Braga. 

Em “AVE LAB”, o show apresenta as experimentações de ritmos e possibilidades sonoras a partir da fusão entre a música orgânica e recursos eletrônicos como sintetizadores e loop station. 

“A Iria traz a bagagem cênica do palco de forma complementar a extensão vocal efêmera muito própria dela. Então, a nossa identificação foi instantânea. Eu apresentei as multifaces da sonoridade no meu trabalho solo e a ‘ave’ ganhou asas”, brinca o multinstrumentista, Diogo Burka. 

Iria Braga completa neste ano, 22 anos de carreira. Ao longo de quatro anos, transmitido pela Paraná Educativa, ela foi âncora dos programas, “É-Cultura” e “Palco”, um desafio que rendeu o título de ser considerada uma das principais porta-vozes da cultura no sul do país. 

No palco, entre os anos de 2014 e 2018, esteve em turnê de shows e divulgação do seu primeiro álbum homônimo, com arranjos e direção de Oliver Pellet. Com turnês nacionais e internacionais, e indicações a prêmios de música e teatro, o novo álbum da cantora deve ser lançado em 2020. 

Diogo Burka é compositor, produtor e multinstrumentista. Além de acompanhar a cantora em “AVE LAB”, o artista lançou recentemente “Cais” seu primeiro álbum, com o qual também está em turnê nacional.

O artista ganhou reconhecimento do público, após sua participação como baixista, na banda Cluster Sisters, no programa “Superstar”, da Rede Globo. Além da banda, Burka também integra as bandas, Mama Quilla, Salte e o Trio Mambembe. 

Após o show em Curitiba, o projeto musical “AVE LAB” será apresentado em Ponta Ponta Grossa (28) e ao longo de outubro, o Circuito SESI realiza nas cidades de Santo Antônio da Platina (01), Londrina (02), Arapongas (03) e São José dos Pinhais (04). Encerrando a turnê, a apresentação acontece em Curitiba (06), na Casa Quatro Ventos. 

LINKS IRIA BRAGA
SPOTIFY: http://bit.ly/IRIABRAGA
YOUTUBE: http://bit.ly/CANALIRIABRAGA

LINKS DIOGO BURKA 
YOUTUBE: http://bit.ly/CANALDIOGOBURKA

SERVIÇO:
SHOW “AVE LAB – SHOW COM IRIA BRAGA E DIOGO BURKA”
Quando: 27 de setembro (sexta)
Horário: 18h
Onde: Praça Santos Andrade, 50 – Centro de Curitiba
Informações: (41) 3259-1350
Classificação: Livre para todos os públicos 
EVENTO GRATUITO
Página do evento, aqui

FICHA TÉCNICA
Coordenação Geral: Iria Braga
Voz: Iria Braga
Guitarra, baixo, teclado e programações: Diogo Burka
Assessoria de Imprensa, mídias sociais e arte digital: Lucas Cabaña
Produção e logística: Fuá Produções 
Apoio: Don Max e Veg Veg

KAFKA EDIÇÕES LANÇA COLEÇÃO DE LIVROS COM NOVAS VOZES DA LITERATURA PARANAENSE

As seis obras da coleção Geração PR10 serão lançadas no dia 9 de outubro no Hangar – Casa do Ócio e condensam um olhar provocativo e reflexivo sobre o cotidiano, o absurdo e a incomunicabilidade. 

A Kafka Edições lança no dia 9 de outubro, a partir das 19h, no Hangar- Casa do Ócio, a coleção Geração PR10, viabilizada por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba – Mecenato Subsidiado. Pensada como um recorte da produção literária no estado após 2010, a série retrata a renovação da literatura paranaense e, em simultâneo, celebra uma poética distinta e em diálogo com nomes como Manoel Carlos Karam, Wilson Bueno, Paulo Leminski e Jamil Snege. 

Os seis livros de contos que integram a coleção Geração PR10, ainda que diversos entre si, se assemelham pela linguagem provocativa e pela exploração de novos terrenos em termos de forma. Gravitando entre o real e o absurdo, são obras que permeiam temas e situações em consonância com os nossos tempos e que lançam um olhar singular sobre questões do cotidiano. “A ideia é fazer com que essa coleção irradie os autores como novos nomes e que continue uma batalha da Kafka Edições em revelar uma ficção que busca desafiar a linguagem”, explica o editor Paulo Sandrini, responsável pela curadoria da coleção Geração PR10, juntamente com Fernando Koproski. 

Em 14 Corpos de João e Maria, João Paulo Partala se debruça sobre a morte e a invisibilidade social, esmiuçando as contradições das condições da sociedade e a banalidade da vida. São textos que, por meio de um olhar arguto e de uma narrativa cheia de agudezas, traça uma linha limite entre o sujeito e o mundo, perpetuando a tradição de Camus no tratamento ao outro, mas também revelando eco da crônica diária. Partala cria um universo em que o trágico e o humor negro precisam coabitar. 

A Batida dos dias, de Carol Sakura, busca no onírico a possibilidade de refletir sobre o concreto. Seus personagens estão em becos sem saída, envoltos em alguma névoa de instabilidade e insegurança. Os relatos dão conta da opressão, velada – ou revelada – em relação sobretudo às mulheres. Com uma prosa pausada e reverencial, a escritora faz uma literatura centrípeta: olha para si para poder compreender o que está além dos seus próprios domínios. 

Deslocamentos 
Meio paranaense, meio finlandês, Sérgio Lutav é um maringaense que vive há alguns anos em Helsinque e seu livro Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos reflete a ideia do não-lugar: o ser para não estar. Sua narrativa é um tratado sobre o deslocamento e o sentir-se deslocado, sobre o não pertencer. Lutav faz uma simbiose entre os olhares fantásticos de Kafka e de Cortázar, uma amálgama que, à primeira vista, pode soar desconexo, mas que, em realidade – e lá se vão os conceitos de real! –, tem muito a dizer sobre o autor e também sobre o leitor. Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos é uma metáfora poderosa sobre o estrangeiro – aquele que, como diziam os Titãs, não é de lugar nenhum. 

Nas narrativas de Contos do Microcosmo, Guylherme Custódio usa a concisão para falar de temas que nos afligem constantemente. Seus contos são como elefantes na sala: tratam da complexidade das relações e das contradições do comportamento humano. Através desse espelho partido, Custódio relata o inesperado, o absurdo do real e o isolamento. São relações e vidas frustradas como uma condição inerente aos homens e mulheres, como se a perda da inocência fosse uma prerrogativa à vida adulta. 

Em Histórias mínimas, Jonatan Silva eleva o absurdo às últimas consequências. São personagens e situações dilacerados pela guerra e pela violência do cotidiano. Como uma metáfora sobre o caos, o livro dilata a inconstância e a vulgarização da vida – em uma espécie de olhar microscópico sobre o mundo. Histórias mínimas esboça a ideia de fronteiras sem limites e diálogos silenciosos, como se a comunicação entre os diferentes se tornasse, mais e mais, uma impossibilidade diante do abismo. 

Zumbido, de André Knewitz, é – como o próprio título sugere – uma alegoria sobre a vida nas cidades e seu ambiente castrador. Como ponto de contato entre os textos que formam o livro, personagens silenciados diante dos zumbidos provocados por aqueles que têm voz. Nessas relações de poder, Knewitz mistura as singelezas do tentar se encontrar e a dor de se saber importante. São gentes como o camponês no conto “Diante da lei”, de Kafka, que, apesar de consciente da impossibilidade, guarda dentro de si a esperança de um dia entrar nos espaços sagrados. 

Diálogos 
Para além das questões formais, os seis livros da Geração PR10 tratam do sujeito diante das impossibilidades e da necessidade de buscar uma alternativa para contrapor um cenário de tempo fechado, onde todos estão dançando em campo minado. São imagens corrosivas, e também corroídas, que pela sua estranheza e realidade convidam o leitor à reflexão e ao olhar mais profundo sobre os caminhos que o mundo está tomando. “São visões de mundo que trazem questionamentos, mas não respostas”, comenta Sandrini. 

Por outro lado, a Geração PR10 é também uma discussão sobre o espaço urbano e suas diferentes configurações. Algumas obras falam de uma Curitiba que não é cantada na literatura. “A gente vê muitas vezes os escritores querendo fazer de Curitiba o seu espaço, mas qual é a cidade nesses textos? Não é necessariamente uma Curitiba periférica, miscigenada, de uma população negra muitas vezes subalterna e oprimida”, comenta Sandrini, que cita 14 Corpos de João e Maria como um exemplo dessa vastidão de viagens por essa outra Curitiba, a do sujeito que vive as mazelas da periferia. 

Com a coleção Geração PR10, a Kafka Edições faz um mergulho denso no conto paranaense em suas novas formas e temáticas, mas sem perder de vista o diálogo com o que é produzido na literatura brasileira e internacional. As seis obras condensam um espírito combativo, experimental e altamente criativo das novas vozes da literatura do Paraná. 

Serviço 
Lançamento da Coleção PR10 – Kafka Edições
Quando: 9 de outubro
Horário: a partir das 19h
Endereço: Hangar – Casa Do Ócio – Alameda Dr. Muricy, 1091 – São Francisco, Curitiba – PR
Entrada: gratuita – os livros serão vendidos a R$20 por exemplar (a coleção completa por R$ 80)
Página do evento, aqui

COM FESTA-SHOW NO ORNITORRINCO, ROSEANE SANTOS BRINDA SEU PRIMEIRO ÁLBUM

A cantora se apresenta no bar Ornitorrinco (Benjamin Constant, 400, Centro de Curitiba) sexta 27 de setembro, acompanhada do Bailinho Perdido, com repertório variado e muitas surpresas; festa marca o final da campanha de financiamento coletivo de Fronteiriça, em fase de finalização.

Quem é fã de música brasileira tem um convite duplo para este final de setembro: na próxima sexta-feira, a cantora Roseane Santos comanda o baile no palco do Ornitorrinco e ainda chama amigxs, admiradoras e admiradores para colaborarem na reta final da campanha de financiamento do seu álbum Fronteiriça, que se encerra na próxima segunda-feira, dia 30. 

Reta final >
O disco reúne 10 canções, dentre textos escritos pela própria artista e parcerias com amigas e amigos artistas da música, teatro, literatura e dança (como Luciano Faccini, Leonarda Glück, Ary Giordani, Francisco Mallmann, Bia Figueiredo e Ana Modesto). A banda tem André Garcia no violão, guitarra e arranjos-base, Gabriela Bruel na percussão, Daniel D’Alessandro na bateria, Victoria Vilandez no contrabaixo e Luciano Faccini no clarinete, violão, efeitos, ambientações, direção artística — ao lado da própria Rose — e produção musical em parceria com Leonardo Gumiero, além de várias participações especiais. Quem assina a arte é Thalita Sejanes e a produção executiva é de Moira Albuquerque. 

Com apoio do Colégio Medianeira em suas fases iniciais, o projeto encerra na próxima segunda-feira (30) a campanha de financiamento coletivo para contemplar despesas finais de mixagem, masterização, lançamento e remuneração da equipe (12 profissionais, entre músicos, designer e produtores). 

Ainda dá tempo!
As contribuições partem de R$ 15 e oferecem diversas recompensas, como ingressos para shows de FRONTEIRIÇA, download de faixas exclusivas antes do lançamento oficial e convites para o evento de audição das músicas com toda a equipe. 

> confira a página da campanha do Benfeitoria www.benfeitoria.com/fronteiricaroseanesantos 

> saiba mais sobre a música de Roseane Santos: 
www.soundcloud.com/roseane-santos/ 

O baile da Rose >
Na festa de sexta, Rose estará à frente do Bailinho, com Kelvin de Souza, Luciano Faccini, Acácio Guedes, Daniel D’Alessandro, Gabriela Bruel e Má Ribeiro, além da convidada mais que especial, Victoria Vilandez. Uia! No repertório, canções autorais – mas o material do disco fica para o lançamento  –, muito Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga, João do Vale, Chico César, Gilberto Gil, Efigênia Rolim e ainda um monte de surpresas. Compareça! O baile começa a partir das 20h. 

Serviço: 
Roseane Santos + Bailinho Perdido no Ornitorrinco!
Sexta-feira, 27 de setembro 
Das 20h às 00h
Ornitorrinco Bar > Rua Benjamin Constant, 400, Centro 
Entrada > R$ 10 
Página do evento, aqui

FLIBI, A FESTA LITERÁRIA DA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ

A Biblioteca Pública do Paraná realiza entre os dias 22 e 26 de outubro a terceira edição da Flibi, a Festa Literária da Biblioteca. Dalton Trevisan é o autor homenageado do evento, que neste ano conta com mais de 40 convidados e 50 atrações gratuitas — entre palestras, debates, oficinas, exposições, sessões de cinema, atividades para crianças e apresentações de música e teatro. Pela primeira vez, as ações acontecem também fora da BPP, nos espaços culturais de Curitiba mantidos pelo Governo do Estado e em outros cinco municípios do Paraná (Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel e Foz do Iguaçu). Marçal Aquino, Eliane Robert Moraes, Paulo Cesar de Araújo, Luci Collin e André Sant’Anna são alguns dos convidados já confirmados na festa.

Serviço
Flibi 2019
De 22 a 26 de outubro, na Biblioteca Pública do Paraná e em diversos espaços culturais de Curitiba, Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel e Foz do Iguaçu
Entrada franca
Mais informações: (41) 3221-4911

Saiba mais: https://bit.ly/2kSGQk8

fonte: Jornal Cândido