SEXTA E SÁBADO ::: 2ª FEIRA DE LIVROS E DISCOS ERVA DOCE DOCERIA BAR

Nesta sexta-feira, dia 22 de junho, a partir das 14h, a Erva Doce Doceria Bar promove sua 2ª Feira de Livros e Discos! Com livros e discos a partir de R$3,00. A doceria serve comidinhas maravilhosas, chope artesanal e bebidinhas quentes! A feira começa sexta-feira às 14h e vai até às 22h. A música ao vivo rola a partir das 20h30 (de sexta) com Caratuva Choro Trio. A FEIRA CONTINUA sábado a noite, das 18h às 22h. A Erva Doce Doceria Bar fica na rua Paula Gomes, 380, Centro de Curitiba. Entrada gratuita! Venha curtir com a gente e aproveitar nossos mega descontos!!!

A feira é uma parceria entre a doceria mais charmosa do centro de Curitiba e a a Loja das Pulgas, Amigo Animal, a Cia Contágio (de teatro), o blogue FATO Agenda e a BrutaFlor_Arte.

Livros
Livros de todos os tipos: literatura brasileira, universal, coletâneas, livros técnicos, livros infantis em inglês, revistas e gibis. Livros a partir de R$3,00 – pra todo mundo sair carregado de livros da feira!

Discos
No acervo, mais de 800 discos de vinil com até 30% em descontos. Três caixas de “3 discos por R$10,00”. Discos de rock, samba, mpb, música erudita, discos compactos.

Vale lembrar que a Loja das Pulgas comercializa as doações da Associação do Amigo Animal – associação sem fins lucrativos que abriga mais de 1000 cachorros resgatados (em Curitiba e região) e os encaminha vacinados, castrados e desverminados para adoção responsável. Então as vendas das feiras vão contribuir com esse trabalho!

Local: Erva Doce Doceria Bar
Uma doceria charmosa no centro boêmio da cidade! Com doces, pizzas, chope artesanal e bebidinhas doces. A doceria tem um teatro dentro ainda, um lugar que vale muito a pena conhecer!

Caratuva Choro Trio
Música ao vivo confirmado na 2ª Feira De Livros E Discos Erva Doce Doceria Bar!!! Chorinho por conta CARATUVA CHORO TRIO, apresentação a partir das 20h30.

Serviço:
2ª FEIRA DE LIVROS E DISCOS ERVA DOCE DOCERIA BAR
Datas: 22 de junho, sexta-feira, a partir das 14h às 22h. Sábado a noite: das 19h às 22h
Local: Rua Paula Gomes, 380, São Francisco, Centro de Curitiba
Página do evento, aqui
Informações sobre a feira: (41) 99745-5294
Fanpage: Erva Doce Doceria Bar
Fanpage: Loja das Pulgas
Fanpage: BrutaFlor_arte
Associação do Amigo Animal: www.amigoanimal.org.br

Produtos da Loja das Pulgas no MercadoLivre, aqui. Alguns discos da loja, aqui

POETA CURITIBANO FERNANDO KOPROSKI PASSA A LIMPO SUA TRAJETÓRIA EM PEQUENO DICIONÁRIO DE AZUIS

Volume celebra as mais de duas décadas dedicas aos versos com poesia completa e fortuna crítica.

Fernando Koproski é um dos nomes mais importantes da literatura brasileira dos últimos anos. Poeta, tradutor, prosador e letrista de rock e música popular, o curitibano completa em 2018 mais de duas décadas dedicadas aos versos e, para celebrar esse momento, publica Pequeno dicionário de azuis.

O volume reúne toda a poesia de Koproski a partir de 1995, com o debut em Manual de ver nuvens, e se debruça sobre clássicos do universo koproskiano como Nunca seremos tão felizes como agora (2009) e Tudo que não sei sobre o amor (2003), que contém CD gravado em parceria com o músico Luciano Romanelli.

A poesia de Koproski transpira musicalidade e ritmo, não é à toa que muitos dos seus versos foram transformados em canções por nomes como Beijo AA Força, Carlos Machado, Casca de Nós e Alexandre França. Para o lançamento, que acontece no dia 26 de junho, às 19h30, no bar Ornitorrinco, o autor irá ler seus poemas acompanhado pelo guitarrista Mario Vizioli. No dia 27 de junho, o poeta apresenta o mesmo número para estudantes do Ensino Médio da rede pública de educação de São José dos Pinhais, Biblioteca Scharffenberg de Quadros.

Beleza áspera
Muito além que um apanhado da trajetória autoral de Koproski, Pequeno dicionário de azuis presenteia o leitor com poemas inéditos, fortuna crítica e entrevistas, somando 660 páginas. Para o escritor, em tempos de e-books e outras plataformas para se fazer e divulgar literatura, o papel ainda é fundamental para que se passe a limpo uma carreira prolífera como a sua. “Gosto de livros, cresci lendo e me apaixonando por livros reais, com ossatura forte de papel, livros com musculatura de papel e nervos de papel. E por isso, era natural sonhar em fazer um livro real. Livros virtuais não me atraem, acho eles sem graça”, comenta.

A poesia de Fernando Koproski é de uma beleza áspera, quase casual e que reflete a Curitiba de Leminski, Dalton Trevisan e Jamil Snege – e não a Cidade Sorriso ou a capital do futuro das propagandas. “A poesia é um acaso, uma espécie de acidente, uma voz que chama não os melhores, nem os mais belos, mas provavelmente uma convocação aos mais feios, desajustados, talvez problemáticos ou simplesmente despreparados para ficar frente a frente com a beleza e a verdade”, comenta o poeta em uma das entrevistas de Pequeno dicionário de azuis.

Entre contrapontos e choques de realidade, Koproski tece, como Penélope, seu tapete para desfazê-lo em seguida. Sempre na contramão dos lugares-comuns e do academicismo do mundo literário, poemas como “Universidade federal”, do Retrato do artista quando primavera (2016), “Autorretratos”, de Narciso para matar (2016), ou “Há flores dentro do tronco”, do, até agora, inédito À Procura da poesia mais pura (2017), apresentam um Fernando combativo, avesso aos formalismos que enquadram e limitam a poesia.

Agridoce
Como explica o escritor Paulo Sandrini, em um dos textos críticos que compõe a obra, “a poesia de Koproski é também um canto de guerra contra esse mundo atual, lugar lúgubre, reacionário, de poucos afetos e muito egoísmo”. Para lutar contra a banalidade do mal, nada mais certo que a pureza e inocência, que nada têm de ingenuidade.

Pequeno dicionário de azuis funciona também como uma grande ode às várias formas de amor. Se os versos de O Livro de sonhos (1999) celebram a juventude, a vontade de estar vivo a plenitude de Rimbaud ou Jim Morrisson, os poemas de Nunca seremos tão felizes como agora têm um endereço certo.

Como Vinícius de Moraes, Koproski é um poetinha. Não por ser menor, ao contrário, pela grandeza de seu delicado – e agridoce – vislumbre sobre o cotidiano. Algo que somente os olhos do poeta treinado, e sôfrego, é capaz de produzir. Segundo Fernando, escrever poesia não é um ato diário, é algo sobre o qual se debruça como um viajante sobre um mapa. “Para fazer poesia você precisa de um assombro, um insight, uma inspiração, alguma espécie de gatilho de fogo para ‘atravessar o espelho’ e encontrar o poema lá do outro lado”, afirma.

Não é exagero dizer que a poesia é a arte do encanto e da busca pelo ideal da beleza. Isso porque, como explica o poeta, “a importância da poesia e da compaixão, misericórdia e do amor é a mesma.” E, novamente, o que surge é a pureza e a inocência – que só pode ser aprendida com as crianças.  “Ingrid grávida”, “Laurinha” e “O olhar de Laura”, os três da safra inédita, formam uma belíssima trilogia da paternidade.

No final, se percebe que Pequeno dicionário de azuis é um caleidoscópio poético, capaz de levar o leitor em uma viagem pelo coração do poeta que, como bem definiu Antônio Thadeu Wojciechowski, bomba versos em nosso sangue.

Sobre o autor
Fernando Koproski nasceu em Curitiba em 1973. É autor da trilogia Um Poeta deve morrer – Nunca seremos tão felizes como agora (2009), Retrato do artista quando primavera (2014) e Retrato do artista quando verão, outono, inverno (2014). Escreveu a série ficcional A Complicada beleza – Narciso para matar (2016), Crônica de um amor morto (2016) e A Teoria do romance na prática (2016) –, os livros de poesia Como tornar-se azul em Curitiba (2004), Pétalas, pálpebras e pressas (2004), premiado pela Secretaria do Estado da Cultura do Paraná, entre outros.

Koproski foi o primeiro tradutor do cantor e poeta canadense Leonard Cohen no Brasil, publicando as coletâneas Atrás das linhas inimigas de meu amor (2007) e A Mil beijos de profundidade (2016). É responsável pela tradução e seleção dos poemas de Charles Bukowski que compõem os livros Essa loucura roubada que não desejo a ninguém a não ser a mim mesmo amém (2005), Amor é tudo que nós dissemos que não era (2012) e Maldito deus arrancando esses poemas de minha cabeça (2015). Traduziu, em 2016, Cabeça de adulto, obra poética de Jeff Tweedy, vocalista e letrista da banda Wilco.

Serviço:
Lançamento de Pequeno dicionário de azuis
Poesia | Editora 7Letras | 660 páginas | R$ 69,00.
Leitura de poemas na voz do autor acompanhado pelo guitarrista Mario Vizioli
Quando: 26 de junho (terça-feira) | Horário: 19h30
Onde: Bar Ornitorrinco (R. Benjamin Constant, 400 – Centro de Curitiba).

PRÊMIO PARANÁ DE LITERATURA 2018

“Prêmio Paraná de Literatura 2018 abre inscrições gratuitas até dia 12 de julho!!! O vencedor de cada categoria (são três categorias) receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares!!!

Em sua quinta edição, o concurso da Biblioteca Pública do Paraná e da Secretaria de Estado da Cultura selecionará livros inéditos de autores de todo o país nas categorias Romance, Contos e Poesia, categorias que homenageiam escritores importantes da literatura paranaense: Romance (prêmio Manoel Carlos Karam), Contos (prêmio Newton Sampaio) e Poesia (prêmio Helena Kolody). No ano passado, com a adoção de um sistema de inscrição online e gratuito, mais de 2 mil obras foram enviadas por autores de todo o Brasil.

O vencedor de cada categoria receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares (que serão distribuídos gratuitamente em bibliotecas estaduais e diversos pontos de cultura do país). Os premiados também receberão 100 cópias de seus livros e poderão, mais tarde, reeditar os trabalhos por outras editoras. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas até o dia 12 de julho por meio do formulário disponível abaixo. As obras concorrentes serão avaliadas por uma comissão julgadora formada por um presidente e nove membros (três em cada categoria). O resultado será divulgado até a primeira semana de dezembro.

Em 2017, os vencedores foram Henrique Schneider (Setenta, romance), Marcelo Degrazia (A bandeira de Cuba, contos) e Sônia Barros (Tempo de dentro, poesia). Os livros foram lançados e distribuídos pelo selo Biblioteca Paraná, que também edita autores paranaenses e resgata títulos relevantes que estejam esgotados ou fora de catálogo. “O Prêmio Paraná de Literatura já se estabeleceu como uma das principais premiações do país. Não só pelo valor investido, mas principalmente pela qualidade dos livros lançados”, diz Rogério Pereira, diretor da Biblioteca Pública do Paraná e presidente do júri.

Pereira também destaca o sucesso do sistema de inscrição online, que tornou o Prêmio Paraná ainda mais democrático e acessível. Para ele, o grande número de inscrições em 2017 reforça a importância do concurso em sua missão de projetar o Paraná no cenário literário nacional. “O Prêmio Paraná de Literatura contribui de maneira expressiva para consolidar o projeto da Biblioteca Pública do Paraná de se firmar como um importante polo cultural do Estado e do País”, afirma.

Confira o edital, aqui

Conheça os vencedores das edições anteriores:
Edição 2012, aqui
Edição 2013, aqui
Edição 2014, aqui
Edição 2017, aqui

Serviço:
Prêmio Paraná de Literatura 2018
As inscrições são gratuitas e vão até dia 12 de julho através de formulário disponível aqui. O resultado deve ser divulgado até a primeira semana de dezembro.

fonte: Biblioteca Pública do Paraná

O REI LOUCO

Ator Cômico Produções apresenta adaptação de uma das principais obras-primas de Shakespeare, Rei Lear, em Curitiba. Entrada gratuita!

Após circular pelo interior do Paraná o espetáculo “O Rei Louco – Uma Pequena Versão de Rei Lear, de William Shakespeare” chega a Curitiba. A peça passou por Irati, Telêmaco Borba, São Mateus do Sul, Quedas do Iguaçu e Pato Branco e fez parte do Projeto Shakespeare no Paraná, que, além de apresentações, ofereceu ainda debates e workshops. A iniciativa é do ator e diretor Mauro Zanatta, da Ator Cômico Produções Artísticas.

Em Curitiba as apresentações serão dias 26 e 27 de abril / 02 e 03 de junho (sábados e domingos), sempre às 20h. Local: Espaço Excêntrico. Entrada gratuita.

O projeto viabiliza uma parceria inédita entre Zanatta e o ator Ney Piacentini da Companhia do Latão de São Paulo, que foi convidado para dirigir o espetáculo. “O Mauro é um amigo de longa data, nos conhecemos há 35 anos, mas é a primeira vez que trabalhamos juntos, dirigi-lo tem sido um grande desafio e uma grande oportunidade”, conta o diretor. “Trabalhar com o Ney tem sido uma grande alegria”, retribui Zanatta. “Interpretar um personagem de Shakespeare é o sonho de todo ator, bem como levar uma obra dele ao palco. Com este projeto estamos permitindo o acesso à obra deste gênio. E quando nos aproximamos dele nos damos conta do quão universal ele é. Rei Lear dialoga muito com a atualidade”, opina.

 Zanatta divide o palco com o ator Pedro Melo e eles se revezam e transitam em três registros de atuação: ora são contadores de história, ora personagens, ora arautos. “A narrativa da peça não é linear, é constantemente interrompida com inserções explicativas que contextualizam o tema. A ideia é aproximar o público, torná-lo nosso cúmplice”, explica Piacentini.  

“Shakespeare é caracterizado pela liberdade e inventividade e nesta montagem  trabalhamos com o essencial e isto exige muita técnica do ator. É fundamental, neste caso, conseguir despertar o imaginário do público. Ou seja, o público tem que ver o que estamos imaginando ” relata Pedro.

Rei Lear foi escrita por volta de 1605 por um dos maiores gênios do teatro em seu período de apogeu. Trata-se de uma tragédia complexa e grandiosa que a partir de um drama familiar repercute questões sociais, políticas e metafísicas. Inspirada por antigas lendas britânicas, a obra conta a história de um rei que enlouquece após ser traído por duas de suas três filhas, às quais havia legado seu reino de maneira insensata.

A peça mostra a decadência de um rei em sua velhice que sofre as consequências de suas escolhas equivocadas por ser precipitado, arbitrário e vaidoso. Lear é um pai preso às aparências, incapaz de enxergar a adulação que o cerca. De acordo com a especialista em Shakespeare, Barbara Heliodora: “Lear torna-se responsável pela tragédia, na medida em que, abdicando, deixa como rei, de represar e manter sob controle o mal que aflora, explode e se expande. Esta peça investiga a natureza do mal em profundidade e expõe o conceito de uma ordem universal na qual o homem se integra e é responsável por suas ações.”  

A trajetória de Lear é o aprendizado pelo sofrimento e humilhação. O enredo aponta como o verdadeiro amadurecimento o indivíduo que deixa de ser primeiramente autocentrado e pensa também no outro. “As obras de Shakespeare espelham as nossas relações sociais e discutem questões profundas da existência humana. Uma das camadas deste texto nos remete à busca pelo sentido da vida”, pontua o diretor.

“Apesar de estarmos vivendo tempos difíceis, obscuros no cenário nacional e mundial, meu objetivo com este trabalho é trazer uma mensagem de esperança, de que ainda é possível viver com mais equilíbrio a partir da humildade e do amor, resgatando nossa humanidade, sem clichês”, complementa Zanatta.

Este projeto foi viabilizado com incentivo da Copel, Puma Brasil e a Alvorada Autopeças por meio do PROFICE (Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura), da Secretaria Estadual de Cultura do Paraná.

A ATOR CÔMICO PRODUÇÕES ARTÍSTICAS
Fundada em 1994 tem papel importante na formação de atores em Curitiba. Além de criar e gerir projetos e eventos culturais, atualmente produz o Curso de Comédia Mauro Zanatta, o Espaço Excêntrico e a Sexta Cínica.
Visite: www.espacoexcentrico.com.br

FICHA TÉCNICA:
Realização: Ator Cômico Produções Artísticas
Elenco: Mauro Zanatta e Pedro Melo
Direção: Ney Piacentini 
Cenários e Figurinos: Cristine Conde
Diretora de Produção: Fabiana Ferreira
Produtor Executivo: Robinson Wilson
Produção Local: Paola Flessak
Trilha Sonora: Célio Savi
Fotografias: Elenize Dezgeniski e Robinson Wilson
Arte Gráfica: Ivana Lima
Operador de Som: Robinson Wilson
Assessoria de Imprensa: Glaucia Domingos

Serviço:
O que: O Rei Louco
Quando: 26 e 27/05 – 02 e 03/06 (sábados e domingos)
Que horas: 20h
Onde: Espaço Excêntrico (Mauro Zanatta), Endereço: Rua Lamenha Lins, 1429, Rebouças, Curitiba.
Telefone: (41) 4127 4702
Quanto: Gratuito
Classificação: 14 anos
Duração: 50 minutos
Realização: Ator Cômico Produções Artísticas

CONTATOS:
Produção:
Fabiana Ferreira: (41) 99243 0322 / tecerteatro@gmail.com
Assessoria de Imprensa
Glaucia Domingos (41) 99909 7837 / glauciadomingos@hotmail.com

PRÊMIO PARANÁ DE LITERATURA 2018

“Prêmio Paraná de Literatura 2018 abre inscrições gratuitas até dia 12 de julho!!! O vencedor de cada categoria (são três categorias) receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares!!!

Em sua quinta edição, o concurso da Biblioteca Pública do Paraná e da Secretaria de Estado da Cultura selecionará livros inéditos de autores de todo o país nas categorias Romance, Contos e Poesia, categorias que homenageiam escritores importantes da literatura paranaense: Romance (prêmio Manoel Carlos Karam), Contos (prêmio Newton Sampaio) e Poesia (prêmio Helena Kolody). No ano passado, com a adoção de um sistema de inscrição online e gratuito, mais de 2 mil obras foram enviadas por autores de todo o Brasil.

O vencedor de cada categoria receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares (que serão distribuídos gratuitamente em bibliotecas estaduais e diversos pontos de cultura do país). Os premiados também receberão 100 cópias de seus livros e poderão, mais tarde, reeditar os trabalhos por outras editoras. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas até o dia 12 de julho por meio do formulário disponível abaixo. As obras concorrentes serão avaliadas por uma comissão julgadora formada por um presidente e nove membros (três em cada categoria). O resultado será divulgado até a primeira semana de dezembro.

Em 2017, os vencedores foram Henrique Schneider (Setenta, romance), Marcelo Degrazia (A bandeira de Cuba, contos) e Sônia Barros (Tempo de dentro, poesia). Os livros foram lançados e distribuídos pelo selo Biblioteca Paraná, que também edita autores paranaenses e resgata títulos relevantes que estejam esgotados ou fora de catálogo. “O Prêmio Paraná de Literatura já se estabeleceu como uma das principais premiações do país. Não só pelo valor investido, mas principalmente pela qualidade dos livros lançados”, diz Rogério Pereira, diretor da Biblioteca Pública do Paraná e presidente do júri.

Pereira também destaca o sucesso do sistema de inscrição online, que tornou o Prêmio Paraná ainda mais democrático e acessível. Para ele, o grande número de inscrições em 2017 reforça a importância do concurso em sua missão de projetar o Paraná no cenário literário nacional. “O Prêmio Paraná de Literatura contribui de maneira expressiva para consolidar o projeto da Biblioteca Pública do Paraná de se firmar como um importante polo cultural do Estado e do País”, afirma.

Confira o edital, aqui

Conheça os vencedores das edições anteriores:
Edição 2012, aqui
Edição 2013, aqui
Edição 2014, aqui
Edição 2017, aqui

Serviço:
Prêmio Paraná de Literatura 2018
As inscrições são gratuitas e vão até dia 12 de julho através de formulário disponível aqui. O resultado deve ser divulgado até a primeira semana de dezembro.

fonte: Biblioteca Pública do Paraná

OBSCURA FUGA DA MENINA APERTANDO SOBRE O PEITO UM LENÇO DE RENDA

Fotografia: Elenize Dezgeniski

A CiaSenhas de Teatro, dentro das ações do Projeto CiaSenhas ACIONA!, volta em curta temporada no Teatro Novelas Curitibanas, com o espetáculo Obscura fuga da menina apertando em seu peito um lenço de renda. As apresentações acontecem a partir de 25 de maio; de quinta a domingo,  sempre às 20h00. A entrada é Pague Quanto Quiser.

Obscura fuga da menina apertando em seu peito um lenço de renda é o segundo texto do autor argentino Daniel Veronese encenado pela CiaSenhas de Teatro. O espetáculo apresenta ao espectador a ideia de um teatro seco, presente em todas as dimensões da encenação, assinada por Sueli Araujo. O objeto dramático é exposto despudoradamente, permitindo uma variação constante de possibilidades expressivas não convencionais onde a subjetividade entra em contraste com a objetividade da cena teatral.

Em cena um pai e uma mãe se debatem com as incertezas que envolvem o repentino desaparecimento de Martina, sua filha. As recordações e recriminações são os topos das lamentações e desesperos gerados pela ausência da filha. As duvidas aumentam com a chegada de um namorado secreto, uma amiga-namorada e um carteiro.

A busca de um culpado e a ausência de explicação sobre o desaparecimento da personagem provocam situações grotescas onde cada um tenta sobrepor sua justificativa sobre a realidade da perda imanente, expondo a disputa pelo amor e a dificuldade de aceitação da perda. Os personagens oscilam entre o desespero e o patético em universos contraditórios criados para suportar a Perda, representada pela ausência de Martina.

O universo fictício proposto pela obra se estabelece como impossibilidade entre o real e a representação. A narrativa será conduzida por personagens em estados emocionais alterados cuja dilaceração psíquica está relacionada a momentos de grandes perdas e desolação.

No texto Equívoca fuga de Señorita, apretando um pañuelo de encaje sobre su pecho (título original) o autor expande a fronteira entre o lírico e o grotesco, narrativa e drama, personagens e atores. A insinuação entre realidade, mentira e verdade serve como estratégia para impulsionar novas percepções sobre a complexidade do universo proposto em seus textos.

Em Obscura fuga da menina apertando sobre o peito um lenço de renda, a plateia e os atores habitam um espaço de tensão entre real e ficção. É nas alternâncias do público como espectador de uma fábula insolúvel ou cúmplice da percepção da realidade dos afetos que a dimensão universal e contemporânea se estabelece.

Ficha Técnica:
Texto: Daniel Veronese
Direção: Sueli Araujo
Tradução: Isabel Cristina Jasinski
Atores: Ciliane Vendruscolo, Greice Barros, Luiz Bertazzo, Anne Celli  e Rafael di Lari
Preparação Corporal: Cinthia Kunifas
Iluminação: Wagner Corrêa
Figurino: Amabilis de Jesus
Cenário: Paulo Vinícius
Maquiagem: Marcia Moraes
Desenho de Som/Trilha Sonora: Ary Giordani
Direção de Produção: Marcia Moraes
Assistência de Produção: Edran Mariano
Assessoria de Imprensa: Fernando de Proença
Programação Visual: Adriana Alegria
Fotografia: Elenize Dezgeniski

SERVIÇO:
OBSCURA FUGA DA MENINA APERTANDO SOBRE O PEITO UM LENÇO DE RENDA
de 24/05 a 03/06 – quinta a domingo às 20h no Teatro Novelas Curitibanas (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1222, centro, Curitiba )
Entrada: PAGUE QUANTO QUISER
Fanpage: www.facebook.com/CiaSenhasDeTeatro/
Confira a página de evento, aqui

ALEMANHA OFERECE BOLSA DE ESTUDOS COM AUXÍLIO MENSAL PARA BRASILEIROS

Bolsa Chanceler Alemã será apresentada em Curitiba no dia 24 de maio. Entre os benefícios está uma ajuda mensal entre 2.150 e 2.750 euros. A Bolsa Chanceler contempla várias áreas como Política, Economia, Mídia, Administração ou Cultura. As inscrições em Curitiba vão até o dia 21 de maio.

Você tem visão internacional, já teve uma experiência inicial de liderança, é fluente em inglês ou alemão e tem vontade passar um ano desenvolvendo projetos em conjunto com profissionais de países como China, Índia, Estados Unidos e Rússia? A Alemanha está em busca deste perfil profissional para integrar a Bolsa Chanceler Alemã para Futuros Líderes do Brasil (German Chancellor Fellowships for prospective leaders from Brazil), uma iniciativa a Fundação Alexander von Humboldt (AvH). Um evento informativo reunirá os interessados em Curitiba, no próximo dia 24 de maio, às 19h, no Grand Hotel Rayon. Durante encontro, os candidatos terão acesso às informações sobre a Bolsa Chanceler Alemã.

O programa é destinado aos jovens pesquisadores destes países e do Brasil, sendo uma oportunidade de realizar um projeto de pesquisa sobre questões mundiais como convidados em cooperação com uma instituição-anfitriã da Alemanha, a Fundação Alexander von Humboldt (AvH). Com apoio do anfitrião, os bolsistas têm um ano para se concentrarem em seus objetos de estudo. A Bolsa Chanceler contempla várias áreas como Política, Economia, Mídia, Administração ou Cultura.

Formação superior completa, fluência em inglês ou em alemão são alguns dos requisitos da bolsa. Outra exigência é a apresentação de uma carta de recomendação de um mentor para a pesquisa, que pode ser de instituição de ensino privada ou pública. A ajuda mensal para os aprovados varia entre 2.150 euros e 2.750 euros, dependendo das qualificações. Cursos adicionais de alemão, suporte para a família acompanhar o bolsista e as despesas com viagem estão previstos na bolsa. Todos os requisitos podem ser conferidos no edital da fundação.

O evento informativo de Curitiba da edição 2018/2019 da Bolsa Chanceler Alemã para Futuros Líderes do Brasil terá a participação especial do Vice-Diretor Regional da Câmara Brasil-Alemanha do Paraná, Wilson José Andersen Ballão; do Membro do Comitê de Seleção no Brasil, Dr. Christian Roschmann; e do Responsável pelo Departamento de Seleção da Fundação Alexander von Humboldt, Dr. Damian Grasmück – que vem ao Brasil exclusivamente para a ocasião. Os encontros também acontecem em Salvador (21.05), Brasília (22.05), São Paulo (23.05), e Rio de Janeiro (25.05).

Esta é uma oportunidade única para jovens talentos brasileiros, que, além de impulsionarem suas carreiras, recebem incentivo financeiro para capacitação profissional e pessoal na Alemanha, país detentor de importantes e renomadas universidades, tecnologias e mestres. Além disso, o projeto conta com o patrocínio da Chanceler da República Federal da Alemanha, possibilitando, assim, a oportunidade aos bolsistas de apresentarem o resultado de seus projetos pessoalmente a Chanceler Alemã Angela Merkel.

Os eventos informativos são abertos a todos os interessados, mas é preciso se inscrever antecipadamente por meio do e-mail ahkcuritiba@ahkbrasil.com. As inscrições em Curitiba vão até o dia 21 de maio.

As inscrições para a Bolsa Chanceler Alemã para futuros líderes já estão abertas e vão até o dia 15 de setembro. A data de início do programa para os selecionados neste ano é o dia 1° de outubro do ano seguinte (2019) e tem duração de um ano. Mais informações sobre o programa Bolsa Chanceler Alemã: www.humboldt-foundation.de/youngleaders         

Serviço Curitiba:
Apresentação da edição 2018/2019 da German Chancellor Fellowship for prospective leaders from Brazil 
Data: 24 de maio de 2018
Inscrições: até 21 de maio
Horário: 19h
Local:  Grand Hotel Rayon, Rua Visconde de Nácar 1424, Centro, Curitiba – PR
Informações e inscrições para o evento informativo: (41) 3323-5958 ou pelo e-mail: ahkcuritiba@ahkbrasil.com

O LEÃO NO AQUÁRIO DA MINHA NOSSA CIA DE TEATRO RETORNA AO TEUNI

O Leão no Aquário. Foto: Lauro Borges

Espetáculo que integra o Projeto Câmbio, proposta de intercâmbio artístico, com dramaturgia mineira e direção carioca retorna em temporada no TEUNI com entrada gratuita.

Depois de uma temporada de casa cheia em 2017, O Leão no Aquário,  a MINHA NOSSA Cia. de Teatro, volta em cartaz de 17 de maio a 3 de junho, quinta a domingo, sempre às 20h, no TEUNI – Teatro Experimental da Universidade Federal do Paraná, localizado no prédio histórico da instituição. O espetáculo é realizado através do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba, com distribuição gratuita de ingressos.

Um homem, parado frente a uma parede branca, se pergunta repetidas vezes: o que está acontecendo? A partir deste instante de perplexidade, O Leão no Aquário, escrita pelo mineiro Vinícius Souza, apresenta, via fragmentos, importantes figuras na vida deste homem (mãe, amigo, ex-mulher e filho). A encenação dirigida pelo carioca Diogo Liberano apresenta um jogo em que os cinco atores da MINHA NOSSA se alternam no papel dos cinco personagens. Neste jogo, o espetáculo convida o espectador a também experimentar a possibilidade de se colocar em outra posição.

Nas palavras do diretor: durante o processo, interpretamos a trajetória desse Homem que sai de sua casa natal como uma trajetória por vezes inevitável. Porém, mais do que a aceitarmos facilmente, descobrimos também a importância de aprender a retornar para a nossa casa, cientes de que a nossa casa é tanto o lugar de onde vamos embora como também o espaço que nos gera.

Nesse sentido, mais do que simplesmente apresentar a história desse Homem que parte de sua casa natal (que poderia ser qualquer um), interessou à MINHA NOSSA encontrar e reforçar a força dos elos afetivos, sejam familiares ou entre amigos. É na manutenção dos afetos que a vida contemporânea encontra o alicerce fundamental para sobreviver frente à violência social, política e econômica. Em processo, foi-se descobrindo que aquilo que bate à porta desse Homem, aquilo que instaura nele momentos diversos de perplexidade, são justamente os noticiários que todos os dias atravessam a nossa vida íntima e privada. O Leão no Aquário pergunta: é possível se manter indiferente à vida em sociedade?

Para a MINHA NOSSA Cia. de Teatro, além da intensa troca com os dois artistas convidados, o que esta criação traz à tona é a possibilidade de perguntar ao fazer teatral qual é o seu propósito em relação às pessoas que estarão na sala de espetáculo assistindo à peça. De acordo com os criadores curitibanos, interessa olhar novamente às questões familiares, porém, com mais cuidado, noutra duração, reconhecendo que, antes de serem problemas, os dilemas familiares fazem parte de todo e qualquer ser humano, sendo por isso necessário cuidar deles ao invés de ignorá-los.

O Leão no Aquário integra a segunda etapa do Projeto Câmbio, proposta de intercâmbio artístico visando criar três espetáculos diferentes, nascidos do encontro da companhia curitibana com três diretores-dramaturgos: Dimis Jean Sores (de Curitiba/PR), Diogo Liberano (do Rio de Janeiro/RJ) e Vinicius de Souza (de Belo Horizonte/MG). Em cada uma das criações, as funções dos artistas convidados mudam, alterando o intercâmbio de experiências e gerando a criação de espetáculos com poéticas diversas das já experimentadas pela companhia.

A primeira etapa do Câmbio gerou a criação de Primavera Leste, com dramaturgia de Diogo Liberano e direção de Dimis Jean Sores, tendo estreado em abril de 2016 no Teatro Novelas Curitibanas. A última etapa do projeto ocorre em 2018 tendo dramaturgia de Dimis Jean Sores e direção de Vinícius Souza,  dramaturgo de O Leão no Aquário.

SINOPSE CURTA:
Perplexo, parado em frente a uma parede de sua nova casa, um homem se pergunta o que está acontecendo no mundo.

SERVIÇO:
Local: TEUNI – Teatro Experimental da Universidade Federal do Paraná
Praça Santos Andrade, 50 – Centro – 2º andar do Prédio Histórico da UFPR.
Data: de 17 de maio a 03 de junho de 2018, quinta a domingo, às 20 horas.
Entrada franca – Classificação Indicativa: 14 anos – Duração: 65 minutos.
OS INGRESSOS SERÃO DISTRIBUÍDOS A PARTIR DAS 19 HORAS.
Contato: emaildaminhanossa@gmail.com / (41) 98418- 4463 – Inés Gutiérrez
Confira a página do evento, aqui

Equipe de Criação
Dramaturgia: Vinícius Souza

Direção: Diogo Liberano
Elenco:  Fernanda Perondi, Léo Moita, Moira Albuquerque, Sávio Malheiros e Val Salles
Cenografia e Iluminação:  Erica Mityko e Raul Freitas
Cenotécnico: Sérgio Richter
Sonoplastia: Álvaro Antonio
Figurino: Felipe Custódio e Val Salles
Costureira: Ivete Rizzardi
Fotografia: Lauro Borges
Design Gráfico: Álvaro Antonio
Colaboração Corporal: Bia Figueiredo
Produção: Inés Gutiérrez
Assistência de Produção: Raul Freitas
Assessoria de Imprensa: Victor Hugo
Mídias Sociais: Thainá Cardoso
Incentivo: Grupo Positivo
Captação de Recursos: Sauí Cultural
Realização: Minha Nossa Cia. de Teatro e Girolê Produções Artísticas

NA-NU NA GIBITECA DE CURITIBA

Comemorando dois anos de blog e vinte anos do lançamento do NA-NU original, dia 19 de maio, o NA-NU promove uma grande festa com ENTRADA GRATUITA na Gibiteca de Curitiba, em nome do quadrinho, da arte e da cultura local. Com show do duo Naome Rita e Allan Yokohama de Mattos, feira de quadrinhos e arte local e bate papo sobre a produção atual de HQs.

PALCO PORTAL DAS PERCEPÇÕES – Shows com:
– NAOME RITA
– ALLAN YOKOHAMA (Tocando Terminal Guadalupe, Humanish, Yokohama Café entre outros)

EXPOSITORES CONFIRMADOS:
– CHICO FELIX (Quadrinhos, artes e prints)
– DW RIBATSKI (Quadrinhos, artes e prints)
– ESTRONHO (Livros e quadrinhos)
– FLAVIO ANTUNES RAMOS (Pinturas)
– JOÃO FERREIRA (Quadrinhos, artes e prints)
– MARIO DE ALENCAR (Colagens, quadrinhos, artes e prints)
– MÁ MATIAZI (Livros, quadrinhos, artes e prints)
– MARCIO GARCIA (Quadrinhos, artes e prints)
– O.I.T.C. (Quadrinhos Artes e Prints)
– REH DESENHA (Pôsters, artes e prints)
– REVISTA PÉ DE CABRA (quadrinhos)
– URSEREIA (Quadrinhos, artes e prints)

BATE PAPO – com os autores:
– AMANDA BARROS
(Editora Ursereia, Cassandra & The Flaming Puppies)
– CHICO FELIX
(Autor de zines como Gente Feia na TV e Crü, participou de revistas como MAD e Frauzio)
– DW RIBATSKI
(Prêmio Jabuti na categoria Ilustração pela HQ Campo em Branco, prêmio Abril de Jornalismo na categoria Ilustração em 2016. Autor de HQs como La Naturalesa, Veículo e Olhos de Bicho)
– MÁ MATIAZZI
(Autora de livros como Três e da série O Feiticeiro, além de HQs como O Abismo, Morte Branca e A Loira Fantasma de Curitiba)

MOSTRA DE FILMES

Serviço:
NA-NU na Gibiteca de Curitiba
Local: Gibiteca de Curitiba Rua Presidente Carlos Cavalcanti 533, Centro de Curitiba.
Data: Sábado, 19 de maio, das 14:00 às 19:00
ENTRADA GRATUITA
Mais informações, aqui
Página do evento, aqui