VISTA GROSSA


Vista Grossa é um longa-metragem documentário (da diretora Giuly Biancato) que começou como um projeto estudantil de curta-metragem, gravado em 2019. O filme discorre sobre a falta da memória curitibana em relação a Ditadura Civil Militar (1964-1985) e, principalmente, essa falta registrada nas construções e edifícios urbanos que sediaram quartéis generais e outros locais, dentre eles alguns clandestinos, usados para apreensão e tortura de milhares de pessoas. Bem como locais de resistência e luta de estudantes, artistas, trabalhadores e ativistas contrários à ditadura.

O projeto cresceu e a equipe do documentário abriu uma VAKINHA para juntar recursos para gravar e/ou regravar algumas imagens e áudios, pesquisa e aquisição de imagens de arquivo de Curitiba entre 1964 e 1985; recursos para o processo de edição e finalização e recursos para a distribuição e inscrição do filme em festivais. 

Confira todas os detalhes e colabore com esse projeto importante através deste link

A IMPORTÂNCIA DO REGISTRO
O documentário aborda a falta da abertura de registros e instalação de memoriais públicos para reconhecimento popular sobre um histórico violento vivido em Curitiba, em contraponto com vários registros em homenagem aos militares que a cidade carrega, discutindo também a acelerada urbanização e como isso afeta nosso senso de identidade e conhecimento sobre nossa própria história. O filme busca questionar sobre quem detém e controla essas memórias e, qual é o critério de escolha para fazer dessa história um conhecimento popular ou um conhecimento velado. 

A maior parte dos paranaenses, ou 50,8% acredita que o regime militar no Brasil era melhor (33,5%) ou igual (17,3%) à “democracia” que vivemos hoje. (FONTE: Paraná Pesquisas). Há locais em Curitiba que diariamente circulam milhares de pessoas e quase nenhuma delas sabe que esses e muitos outros locais sediaram órgãos responsáveis por perseguir, oprimir, prender e torturar opositores e suspeitos inocentes de oposição ao regime militar. A Comissão Estadual da Verdade (CEV) se baseia nas pesquisas do grupo Tortura Nunca Mais – Paraná, que dá conta de pelo menos 4 mil presos durante a ditadura. Destes, no mínimo mil sofreram tortura. Mas o número pode ser muito maior (FONTE: Gazeta do Povo).

Nota do editor:
Quem se interessa pelo tema precisa conhecer o site Ditadura em Curitiba, do historiador Luiz Gabriel da Silva – ele participa da equipe do documentário. Neste site você poderá acessar informações e trabalhar com fontes primárias, como pastas temáticas da DOPS (Delegacia de Ordem Política e Social) e vídeos de depoimentos de indivíduos que lutaram contra o regime, bem como jornais da época.

SEBINHO FATO AGENDA

Sebinho FATO Agenda é a loja de livros e discos que ajuda financiar o blogue FATO Agenda.

– Instagram (catálogo com livros e discos): https://instagram.com/sebinhofatoagenda
– Loja virtual de livros mais raros (no mercado livre): https://bit.ly/2pWvbU2
– Discos de vinil: https://bit.ly/3iNp5fM
– Fanpage: https://facebook.com/sebinhoFATOagenda

Temos centenas de livros e discos à pronta-entrega, consulte nosso acervo via insta e/ou whats 41 99745-5294 (com Lelê).

FRETE: Receba nossos livros em casa, via correios. Taxa de entrega: R$10,00 (por livro), válida para todo Brasil. Com opção de retirada (livre de taxa, lógico) na Travessa Isaacson Chinasso, número 37, bairro Orleans, em Curitiba.

PAGAMENTO via app MercadoPago, Pix, Nubank, PicPay, cartão crédito/débito, boleto e/ou transferência bancária.

DOCUMENTÁRIO HISTÓRIA DO BRASIL (BORIS FAUSTO)


“História do Brasil” é um livro escrito pelo historiador brasileiro Boris Fausto, cuja visão é narrada neste arquivo da TV Escola. O livro reflete a perspectiva de várias instituições brasileiras, com destaque para o Concurso de Admissão à Carreira Diplomática (CACD), que adotou o livro em sua bibliografia obrigatória do Guia de Estudos até o ano de 2010. 

Este arquivo — rico em depoimentos e documentos — foi disponibilizado originalmente em sete episódios pela emissora.

Fonte: TV Escola
Fonte: Fabiano Borges

A NATUREZA DAS COISAS – FLÁVIO JOSÉ


A Natureza das Coisas
(Flávio José)

Ooo… chá lá lá lá lá lá lá
Ooo… chá lá lá lá lá lá lá
Ooo… chá lá lá lá lá lá lá
Ooo… coisa boa é namorar

Se avexe não
Amanhã pode acontecer tudo
Inclusive nada
Se avexe não
A lagarta rasteja até o dia
Em que cria asas

Se avexe não
Que a burrinha da felicidade
Nunca se atrasa
Se avexe não
Amanhã ela para na porta
Da sua casa

Se avexe não
Toda caminhada começa
No primeiro passo
A natureza não tem pressa
Segue seu compasso
Inexoravelmente chega lá

Se avexe não
Observe quem vai subindo a ladeira
Seja princesa ou seja lavadeira
Pra ir mais alto vai ter que suar

Twitter: www.twitter.com/forrostream​
Site: www.forrostream.com

Fonte: FORRÓ STREAM. Esse canal é maravilhoso!

MURILO SILVESTRIM FAZ BALANÇO EMOCIONAL DA QUARENTENA NO ÁLBUM “A ÚLTIMA LUZ ACESA MADRUGADA ADENTRO”

Trabalho foi totalmente gravado em isolamento pelo próprio artista

Murilo Silvestrim traduz em música a solidão, insegurança e medos dos últimos meses em forma de álbum, com o lançamento de “A Última Luz Acesa Madrugada Adentro”.  O trabalho foi todo composto durante o período de isolamento social devido à pandemia de Covid-19, com letras inspiradas nos dilemas emocionais desse momento e com o artista assumindo todos instrumentos, produção e gravação. 

Murilo Silvestrim transformou seus anseios e perdas vividos ao longo da quarentena em canções autobiográficas. Embora altamente pessoais, elas trazem uma fácil identificação com o ouvinte, das histórias contidas nas letras à crueza da interpretação. O artista assume voz, violões de aço e nylon, viola, guitarra, ukulele, bateria e synths nesse processo solitário de criação: 7 canções gravadas ao longo de 8 dias. Embora os arranjos sejam minimalistas, as faixas não são intrinsecamente tristes. Em meio ao peso emocional, surge uma outra linha narrativa: a da busca pela beleza nas pequenas coisas da vida.

“Ao final do ano senti que aquelas composições falavam muito sobre mim e sobre o momento que vivemos. Estava terminando a produção de um disco maior, mas resolvi criar um desafio para mim mesmo: me fechar no quarto e gravar com o que eu dispunha. Emprestei instrumentos, organizei os equipamentos e gravei. Também me propus a finalizar o material aqui, fazendo a mixagem e masterização, desconstruindo uma lógica de super produção na qual estava condicionado a pensar”, reflete Murilo, que teve apenas dois colaboradores nesse processo: a participação especial do músico e compositor Cassiano Wogel na guitarra da última faixa; e as ilustrações de capa e encarte digital criadas pela multiartista Surya Amitrano.

Murilo Silvestrim começou a compor muito cedo e graduou-se em Música Popular pela UNESPAR e em Produção de Áudio e Vídeo pelo IFPR. Lançou seu primeiro disco, “Prisma”, em 2016, com o qual circulou pelo Brasil tocando pelo projeto Dandô – Circuito de Música Dércio Marques. Lançou o livro de poesias “Viagem Ao Início das Coisas” no final de 2018 pela editora Medusa e no fim de 2020 lançou o clipe de “Mudando”, o primeiro single que compõe seu próximo álbum, “Encontrar”. Mas a urgência das canções fez com que “A Última Luz Acesa Madrugada Adentro” passasse na frente desse lançamento.

“Acredito que é um momento de experimentar, ousar, despir. O som mais cru, a autoprodução, a quebra do paradigma de uma super produção, tudo isso me ensina muito. Creio que é um momento de expor o que há de mais profundo nos meus dias e na minha música e assim tentar chegar mais próximo das pessoas e da realidade delas”, resume Murilo.

Tomando como inspiração artistas que vão de Joni Mitchell a Bon Iver, Silvestrim faz de cada faixa uma história. “Decorador de Escombros” foi escrita em um dia que uma amiga lhe enviou uma mensagem em estado de choque por ter ouvido o vizinho tirar a vida da esposa e da filha adolescente. “Tordo Marion” fala da perda de uma pessoa querida, e do peso e da tristeza que sentiu por tudo que aconteceu nesses dias.

“O processo criativo foi deixar as canções falarem por elas mesmas. Tentei decompor as levadas das músicas em mais elementos. Foi um desafio importante pra mim nesse momento. Focar a atenção e o suor para materializar algo que eu vim sentindo por tanto tempo. Quase como que um inventário, esse álbum serve pra me lembrar dos meus momentos, das minhas perdas, do amor de pessoas próximas”, finaliza.

“A Última Luz Acesa Madrugada Adentro” está disponível nas principais plataformas de streaming de música.

Ouça “A Última Luz Acesa Madrugada Adentro”, aqui: https://tratore.ffm.to/murilo-silvestrim 

Ficha técnica
Composições, produção, violões, ukulele, viola, bateria, synths e voz – Murilo Silvestrim
Guitarra na faixa Tordo Marion (convidado especial): Cassiano Wogel
Mixagem e Masterização – Murilo Silvestrim
Ilustração de capa e encarte digital: Surya Amitrano

Murilo Silvestrim. Foto de Walter Thoms.                                                             

Acompanhe Murilo Silvestrim:
YouTube – www.youtube.com/channel/UCd7sbKd6T6yI1yiwrUcjK_A
Facebook – www.facebook.com/musilvestrim
Instagram – www.instagram.com/musilvestrim/?hl=pt
Bandcamp – www.murilosilvestrim.bandcamp.com/releases
SoundCloud – www.soundcloud.com/murilo-silvestrim
Spotify: www.open.spotify.com/artist/2xghjQHCl0tOttVtH5xMsN

SORTEIO OSTRAS PERDIDAS

Ostras perdidas sorteiam produtos de artistas independentes. 

OS PRÊMIOS
1° SORTEADO: 01 disco “Vestígios” (2020) da @criaturascwb + 1 quadro A3 com arte do @os.ratos + 1 CD do @francodascamelias + Voucher de R$20 + camiseta @ostrasperdidas
2° SORTEADO: 1 quadro A3 com arte do @os.ratos + 1 CD @francodascamelias + 1 quadrinho (Vol. 1) do @os.ratos

3° SORTEADO: 1 quadrinho Vol. 2 (@os.ratos) + 1 CD @francodascamelias

REGRAS
ATENÇÃO, PARA CONCORRER A TODOS OS PRÊMIOS DO SORTEIO você deve
1° passo: Curtir a foto oficial (NESTE LINK) no instagram e comentar o nome de dois amigos (não vale perfis de marcas, famosos ou fakes)
2° passo: Siga nossa página (@ostrasperdidas)
Simples né? Bora participar!!

Ostras Perdidas
produtora cultural curitibana, loja virtual de discos, livros e outros produtos artísticos. Nosso projeto tem o principal objetivo de funcionar como um canal catalisador para produções artísticas independentes. 
Fanpage: www.facebook.com/ostrasperdidas
Instagram: www.instagram.com/ostrasperdidas


Franco das Camélias 
www.francodascamelias.wordpress.com

Artes e Metiês (2020) Franco das Camélias (CD COMPLETO)
Produzido no Bacacheri, em Curitiba.
Lançado pelo Youtube no dia 1º de maio de 2020.
Lançado em CD no dia 12 de novembro de 2020.
Foto de Emanuella Kalil: “Piano toco com martelo”
+ em www.francodascamelias.wordpress.com

GEORGETTE – A MOÇA DO MAR


Georgette – A Moça Do Mar
Selo: Tapecar – X48
Formato: Vinyl, LP
País: Brazil
Lançado: 1976
Genre: Latin
Estilo: Samba

Músicas:
Lado A
– A Moça Do Mar
– Chão Da Bahia
– Sufoco Do Meio-dia
– Agô
– O Samba Desce O Morro
– É Pra Quem Tem Fé

Lado B
– Ventos Do Além Mar
– Serenou
– Kiriê
– Seus Olhos Não Desmentem
– Grilhão Do Amor
– Capoeira Gente Bem

Fonte do vídeo: DJ Cliffy



O Sebinho teve o orgulho de vender esse disco. Se você também curte vinil, veja o link com os discos do Sebinho: https://bit.ly/3iNp5fM

BFACE RETORNA COM ÁLBUM “EGORITMOS”

Trabalho reúne participações especiais de Tuyo, fvve, Thiago Elniño, InPulso e Inaki

O flow de Bface se encontra a tons de jazz e folk angolano e samples de Flaming Lips e Itamar Assumpção em “Egoritmos”, novo álbum do beatmaker, produtor, compositor e rapper curitibano lançado pelo seu selo Suite Music. O segundo trabalho solo do artista amplia a sonoridade que ele vem construindo no cenário musical nos últimos 10 anos, mas sem abrir mão de explorar novos BPMs e padrões rítmicos.

Desde o título, o disco escancara sua provocação com os conceitos de algoritmo, ego e ritmo. Indo do micro para o macro e do pessoal para o universal, Bface entrega letras sobre a relação da arte com números, polêmicas da era da internet, crises de identidade, ansiedade, resistência e resiliência diante do racismo e autoritarismo vividos no cotidiano. “Egoritmos” é uma afiada crítica à cultura musical online, que afeta o psicológico dos artistas com seus algoritmos e muda o mundo da arte, traduzindo a relevância e qualidade de uma obra em números.

Pensado inicialmente como um EP, o álbum foi ganhando forma ao longo de dois anos. Se no começo do processo, a ideia era trabalhar com beats e temas pré-selecionados, logo foi ficando claro que era necessário um fluxo mais livre para deixar que as faixas falassem por si só. Assim, além das batidas do próprio Bface, “Egoritmos” conta com uma faixa produzida por EricBeatz e duas por Jxtacincx, além de participações especiais de Tuyo, fvve, Thiago Elniño, InPulso e Inaki.

Bface surgiu na explosão do rap underground nacional do início dos anos 2000. Em 2005 iniciou sua jornada artística, aprendendo de forma autodidata a produzir beats e a gravar suas próprias composições. A partir de 2009, passou a compor diversos projetos coletivos que renderam mixtapes e eventos em Curitiba e região. A paixão pelo rap se uniu ao interesse pela história da música e pelas coleções de LPs, fazendo com que a pesquisa de samples e a apreciação de diversos gêneros musicais sejam partes fundamentais e características do seu trabalho.

A partir do single “O Som da Chuva” (2009), surgiram grupos e projetos coletivos culminando no primeiro lançamento de impacto “Bface apresenta: Suite Para Corações Urbanos”, uma coletânea com diversos artistas falando de amor em faixas produzidas pelo artista. De 2014 a 2016 foi um período dedicado à produção de outros artistas até o single “Rec ON”, acompanhado de clipe, projetar Bface para fora da cena local e abrindo caminho para a sequência de “O Infame” e “Práxis”, singles que integraram o álbum de estreia, “Gradientes” (2018). O disco apareceu em algumas listas de álbuns notáveis daquele ano e rendeu participação em vários projetos de sessions, como Sofar Sounds, HAI Studio, Estufa entre outros.

Bface. Crédito foto: Gustavo Salun

Ficha técnica
Todas faixas produzidas por Bface, com exceções Jetpack e Devaneio em Sol produzidas por Jxtacincx e Torrents produzida por EricBeatz
Gravação, Mix e Master: Bface
Direção de Arte e Design: Bface
Foto: Gustavo Salun
Produção Executiva
Amanda Tintori e Bface
Gravadora Suite Music

Ouça “Egoritmos”: www.suite.fanlink.to/egoshit

Acompanhe Bface:
www.soundcloud.com/brunobface
www.twitter.com/BfaBface
www.instagram.com/bfacee

SORTEIO DE LIVROS > SEBINHO FATO AGENDA

Sorteio válido para todo o Brasil. Para participar, basta seguir nosso insta (@sebinhofatoagenda), curtir ESSA POSTAGEM DO INSTAGRAM AQUI e comentar “quero” indicando o número do livro (1,2 ou 3) que deseja até às 16h do dia 26/02. Ah, e seria bem legal mesmo se você marcasse nos comentários desse post, pelo menos, um amigo! Não é obrigatório marcar, mas isso ajudaria bastante a divulgação do nosso sebinho. Obrigado. 😉

Serão TRÊS sorteados dia 26 de fevereiro de 2021, sexta-feira. Divulgaremos por aqui, entraremos em contato pela dm e enviaremos os livros para os sortudos em qualquer lugar do país.

Sobre o sorteio: na verdade, serão 3 mini sorteios. Onde cada pessoa entra no pote do livro que indicou. Exemplo: a pessoa indicou “quero o 3”, logo ela vai concorrer com todos que também querem o livro 3. Ok?

Prêmios:

Livro 1: EDUCAÇÃO E ATUALIDADE BRASILEIRA. Autor: Paulo Freire. Organização: José Eustáquio Romão. Editora Cortez / Instituto Paulo Freire. São Paulo. 2003. 3ª Edição. 1ª reimpressão. 400 páginas.

Livro 2: MANIFESTO DO PARTIDO COMUNISTA (1848). Autores: Karl Marx, Friedrich Engels. Editora L&PM Pocket. Porto Alegre. 2010. 131 páginas.

Livro 3: CUCA FUNDIDA. Autor: Woody Allen. Editora L&PM. Porto Alegre. 1971. 8ª Edição. 149 páginas.

Boa sorte!

Prestigie o Sebinho FATO Agenda,  nossa loja de livros e discos de vinil que ajuda financiar o blogue FATO Agenda.

– Loja virtual de livros (no mercado livre): https://bit.ly/2pWvbU2
– Instagram (catálogo com outros livros e discos): www.instagram.com/sebinhofatoagenda
– Fanpage: www.facebook.com/sebinhoFATOagenda
– Discos de vinil: https://bit.ly/3iNp5fM

FRETE: Receba nossos livros em casa, via correios. Taxa de entrega: R$10,00 (por livro), válida para todo Brasil. Com opção de retirada (livre de taxa, lógico) na Travessa Isaacson Chinasso, número 37, bairro Orleans, em Curitiba. Contato: whats: 41 99745-5294 (leandro)

PAGAMENTO via app MercadoPago, Nubank, Pix, PicPay, cartão crédito/débito, boleto e/ou transferência bancária.

LAURA PETIT RETORNA COM O SENSUAL CLIPE “SOL NA VIRILHA”

Cantora lança primeira faixa desde elogiado álbum “Pelada por Esporte”

Após apresentar um olhar com frescor sobre o feminino e um mergulho nos amores modernos nos seus dois primeiros discos, Laura Petit revela uma nova fase da carreira com uma série de singles já projetados para 2021. O primeiro deles é “Sol na Virilha”, faixa que acaba de chegar às plataformas de streaming e ganha também um clipe.

A canção é o primeiro lançamento de Laura desde “Pelada por Esporte” (2019), um álbum que em seguida ganhou também uma série de remixes, “Pelada na Pista”, com quatro faixas que ofereciam uma nova perspectiva. Agora, a artista une a identidade musical do último disco com a entrega lírica de seu primeiro trabalho, “Monstera Deliciosa” (2017), em uma composição sobre voltar-se para dentro e reafirmar sua autonomia após uma relação abusiva.

“‘Sol na Virilha’ é uma música densa, intensa e ainda assim leve. Acho que na estética e na produção, essa nova faixa se aproxima mais do ‘Pelada’. Mas a poesia e a temática mais doída tem um quê do ‘Monstera’. Pensando agora talvez seja um híbrido entre os dois discos. Foi uma faixa difícil e gostosa de escrever e produzir. Serviu pra sublimar dores profundas e íntimas do jeito mais leve que eu pude. Pra eu me apropriar das minhas dores, do meu corpo e das minhas escolhas. Sol na Virilha é dançante, sensual e intensa”, resume Laura Petit.

A artista vai da MPB ao baião, da psicodelia ao experimental. Trazendo uma visão agridoce, bem-humorada e por vezes debochada dos afetos modernos, ela entrega uma sinceridade desinibida, uma candura desconcertante e uma ironia cortante, embaladas por uma instrumentação tão atual quanto nostálgica.

Nascida em Brasília e criada em Curitiba, Petit traz a arte no corpo desde sempre. Bailarina da infância até a adolescência, ela utiliza a linguagem corporal da dança para evoluir sua música. Em 2017, Petit lançou “Monstera Deliciosa”, um álbum que oferecia uma percepção livre e criativa do feminino. O segundo disco, “Pelada por Esporte”, marcou um olhar diferente e fora do universo decadente da temática do álbum anterior, voltando-se para dentro.

Com “Sol na Virilha”, Laura Petit referencia a sua própria discografia, mas sem deixar de olhar para o futuro. A artista agora prepara uma série de lançamentos que serão revelados aos poucos ao longo de 2021.

Assista a “Sol na Virilha”:
https://youtu.be/RVBjF1k8XDQ
Ouça “Sol na Virilha”:
https://smarturl.it/SolNaVirilha

Ficha técnica:
Produção: Eduardo Rozeira
Mix: Dani Mariano
Master: Pedro Soares
Videoclipe: Leticiah F.
Maquiagem: Marina Costa

Letra:
Sol na Virilha

Não vá dizer
Que me avisou
Se vai doer
Não avisa
Mas se vier
Não me jure amor
Cê tem o rei
Na barriga

Não era seu
Nunca foi seu
Não põe a mão
Era só meu
Sempre foi meu
Mesmo em vão

Não vá dizer
Que me avisou
Se vai doer
Não avisa
Mas se vier
Não me jure amor
Eu tenho o sol
Na virilha

Não era seu
Nunca foi seu
Não põe a mão
Era só meu
Sempre foi meu
Mesmo em vão

Não era seu
Nunca foi seu
Não põe a mão
Deixe meu véu
Assim eu vou

Era só meu
Sempre foi meu
Mesmo em vão
Não vou pro céu
Eu já não ia

Quando a sangria era folia
E o fim era questão só de recomeçar
A gente ria sem saber o que esperar