BATATINHA, POETA DO SAMBA


Sinopse: Um dos mais importantes sambistas do Brasil, o baiano Oscar da Penha, o Batatinha (1924 -1997), é visto aqui sob a perspectiva de seus nove filhos. São eles que vão atrás das memórias do pai, investigam a sua vida, história e obra e se encontram com familiares, amigos e músicos. Seus filhos, ao reunir os fragmentos que revelam a história do pai, acabam conhecendo mais sobre ele, estabelecendo também elos fraternais importantes entre a própria família.

Ficha técnica:
Brasil | 2008 | cor |
Direção: Marcelo Rabelo
Fotografia: Nicolas Hallet
Montagem: Iris de Oliveira Som: Simone Dourado
Produção: Eliana Mendes, Marcelo Rabelo e Vanessa Salles
Contato: bendego@gmail.com

LUEDJI LUNA VEM À CURITIBA PELA PRIMEIRA VEZ E FAZ DOIS SHOWS NO PAIOL

Ingressos esgotaram em 24 horas e artista baiana anuncia sessão extra. Shows abrem a temporada do projeto Brasis no Paiol no dia 25 de abril.

O projeto Brasis no Paiol começa sua temporada de 10 shows em 2019 com a estreia da cantora e compositora baiana Luedji Luna em Curitiba. A artista se apresenta acompanhada por sua banda no dia 25 de abril, quinta-feira, às 20h e 21h40. As entradas da primeira sessão esgotaram em menos de 24 horas. A venda do segundo show começa na segunda-feira, dia 8, às 10h.

Luedji Luna lançou seu primeiro disco, “Um Corpo no Mundo”, em 2017. O álbum reúne diferentes sonoridades como MPB, samba, ritmos africanos, batuque baiano e jazz, com letras que abordam temas sociais, principalmente no que se refere à identidade afrobrasileira.

Pensados coletivamente, os arranjos trazem a identidade cultural de cada um dos músicos, que resultou numa sonoridade de difícil definição. O disco teve produção de Sebastian Notini, músico sueco radicado na Bahia, que também assina a direção musical do espetáculo. Kato Change, guitarrista queniano que já tocou com nomes como Aloe Blacc, Salïf Keita e Sean Kuti, é o responsável pelos arranjos de guitarra. François Muleka, filho de imigrantes congoleses, é o violonista. Já o baixo elétrico e acústico fica por conta do cubano radicado em São Paulo Aniel Somellian. As percussões são de Rudson Daniel, de Salvador, e de Sebastian Notini.

O trabalho foi contemplado com o Prêmio Afro (2017) e Prêmio Bravo na categoria Revelação (2018). Com o disco, a artista circulou pelos principais festivais brasileiros como Coquetel Molotov (Recife/PE), Radioca (Salvador/BA), Breve (Belo Horizonte/MG), Timbre (Uberlândia/MG) e Coala (São Paulo/SP).

O show
O show é uma proposta para se pensar identidade, é o olhar da cantora sobre si mesma a partir do contato, ainda que disperso, com os imigrantes africanos em São Paulo. O projeto se fundamenta na ideia do não pertencimento, do corpo que ocupa o espaço, mas não se identifica, e da necessidade de conexão com a ancestralidade.

Shows da temporada 2019 do Brasis no Paiol:
23/05 – Aláfia (SP)
13/06 – Tulipa Ruiz (SP)
11/07 – Siba (PE), 11 de julho;
15/08 – Duo + Dois: Duofel, Robertinho Silva e Carlos Malta (SP/RJ)
12/09 – Dow Raiz (Curitiba)
24/10 – Plutão já foi Planeta (RN)
21/11 – Edgar (SP)
05/12 – Bernardo Bravo (Curitiba)
19/12 – Anelis Assumpção (SP)

Brasis no Paiol
Desde 2012, os produtores Bina Zanette (Santa Produção) e Heitor Humberto (Fineza Comunicação e Cultura) realizam uma sequência de shows no Teatro do Paiol, com artistas de diferentes regiões do Brasil, bem como nomes da cidade. O objetivo é sempre apresentar novidades, lançamentos, estreias e projetos especiais de artistas com trabalhos de relevância artística, que gerem interesse do público curitibano.

Em 2019, o projeto é realizado com o Projeto de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. Conta com o patrocínio do Shopping Pátio Batel e o apoio do restaurante A Caiçara.

Serviço:
Luedji Luna – sessão extra
Dia 25 de abril, quinta-feira, 21h40
Teatro do Paiol: Praça Guido Viaro, s/n
Ingressos*: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada, conforme legislação)
Página do evento, aqui

*INGRESSOS:
Pontos de venda sem cobrança de taxa:
– Teatro do Paiol: Praça Guido Viaro, s/n
Horário bilheteria: Terça à sexta, 14h às 17h30 (consulte horários diferenciados em dias de eventos)
Telefone: (41) 3213-1340
– Capela Santa Maria: R. Conselheiro Laurindo, 273
Horário bilheteria: terça à sexta, 9h às 12h e 14h às 18h30 (consulte horários diferenciados em dias de eventos)
Telefone: (41) 3321-2840
Venda com cobrança de taxa: www.aloingressos.com.br

fonte: Cliteriosa Comunicação

NA-NU NA GIBITECA DE CURITIBA

Segunda edição do evento do NA-NU na Gibiteca de Curitiba

Programação completa:
14h : Início do evento
16h: Bate-papo com Allan Ledo: Sangrando até Morrer e a obra de Eder S. Rodrigues
17h: Bate-Papo com editores de HQ e poesia: Confirmados: Carlos Panhoca (Revista Pé-de-Cabra), Amanda Barros e Ariel Morais da Cunha (Ursereia), L-Dopa Publicações
18h: Show de LETRASH
19h: Show com Estrela Leminski e Téo Ruiz
20h: Encerramento do evento

Pintura ao vivo com Ganço

Feira de arte e quadrinhos:
(confirmados:)
Revista Pé-de-Cabra
Celina Pacheco
Flavia Scheremetta
Delírios Urbanos
Hasegawa Teixeira Fabiola
Ursereia
Mário de Alencar
João Ferreira
Marcio R. Garcia
Aracne Ambientes Criativos
Lucas Loiola
L-Dopa Publicações
Welington Lima
Amaury Filho
TerraTundra
– Zine Tentáculos Feministas
Ismália Siqueira

Exposições:
Ganço (Pintura)
Flavio Antunes Ramos (Pintura)
Sangrando Até Morrer (Quadrinhos)

Estande do NA-NU:
– Obras da Café Espacial, Ganço, Lucas Fernandes, Carlon Hardt, Cookies & Memories – bolachas artesanais, Editora Estronho além de prints, zines, brindes, livros, quadrinhos, LPs e CDs, novos e usados

Acompanhe para mais novidades:
www.nanu.blog.br/
www.facebook.com/NANUzine/

A Gibiteca fica no Solar do Barão, Rua Presidente Carlos Cavalcanti 533, centro da cidade.
Sábado, 23 de março, das 14:00 às 20:00.

SACOLÃO DOS LIVROS, UM EVENTO PARA APROXIMAR OS LEITORES DA PRODUÇÃO INDEPENDENTE DE CURITIBA

Neste sábado, dia 9 de março, teremos a terceira edição da Sacolão dos Livros – A Trilogia – no pátio da reitoria da UFPR, Rua XV de Novembro, 1299, centro de Curitiba. Das 10h às 17h. O espaço é aberto. A entrada é gratuita! 

“Sabe aquele ditado que diz: Se você quer algo bem feito, faça você mesmo?

Foi pensando como autores independentes e como amantes de livros que quisemos dar um passo adiante na dura jornada de publicação e vendas literárias da nossa cidade (e do nosso país).

Surgiu assim a ideia de criar um evento.

Mas vamos mesmo fazer um evento?
Sinceramente, junto com essa pergunta surgiu ansiedade. Não tínhamos feito nada parecido antes, então como seria arrumar um lugar, público e convidar os autores e artistas? Mas numa época em que o ramo das artes e da educação são constantemente ameaçados, a necessidade de divulgar não apenas livros, mas ideias, foi maior e sabíamos que era possível organizar um evento voltado a esse tema, sim.

Evento, era uma palavra forte, já que acabávamos de sair da Megacon (mais especificamente do Literatiba 2018) quando surgiu a ideia de reunir autores independentes para promover e vender seus materiais. Chamar de feira, seria uma boa ideia, mas novamente nos deparamos com o tamanho das outras “feiras” que haviam na cidade e como era a PRIMEIRA vez que produzíamos algo do tipo, não queríamos que o nome atribuísse uma expectativa tão alta para algo que só começava.

Foi então que esprememos nossos cérebro e vasculhamos sinônimos até chegamos a um termo agradável. Surgia assim o Sacolão dos Livros. É, sabe? como a feira do verdurão que sempre rola nas cidades, por ai. Nossa ideia não era agregar, show, comida ou outras coisas que não fossem exclusivamente o comércio e contato entre os próprios produtores da cidade, com seus leitores.

Ao pesquisar, descobrimos que as pessoas teriam uma facilidade imensa de chegar a um querido lugar dessa cidade, a Reitoria da UFPR (O que não poderia ser mais conveniente até pelo nome, porque, sabia que lá sempre rola um verdurão toda quarta feira? rs). Uma localização central, aberta e de fácil acesso ao público. E no dia 08 de dezembro realizamos o 1º Sacolão dos livros, com uma participação MUITO legal de expositores e público.

Mas afinal o que é o Sacolão dos Livros e pra que serve?
O sacolão dos livros é um pequeno evento/feira iniciado em 2018 com intuito de oferecer aos autores e editoras independentes um espaço para venda de livros e outros materiais relacionados como itens de papelaria, zines, agendas e etc. Centralmente nossa preocupação era que pudéssemos criar um evento de baixo custo e que ocorresse mensalmente, de modo que a venda e a divulgação dos nossos colaboradores fosse constante.

A primeira edição que ocorreu no fim do ano passado foi a primeira empreitada e consideramos um teste. Os expositores presentes continham os mais variados materiais de fantasia, história e até literatura infantil. Muitos também estavam ali com intuito de renovar as prateleiras de casa e a coleção pessoal, revendendo livros, revistas e realizando trocas. Com o sucesso de vendas e um fluxo de público excelente, decidimos continuar com o sacolão ao longo do ano de 2019.

Queremos tanto continuar ajudando e participando que seguiremos com duas edições já no início do ano! Em 23 de fevereiro e 09 de março. Então se você é autor independente ou editora e deseja expor o seu trabalho pode entrar em contato pelo evento do facebook para participar! Se você é apenas um aficionado por literatura e não se importa de comprar livros usados, também temos chamada para sebistas. O evento é aberto ao público e estará montado durante os dias das 10 às 17 horas no Hall de entrada da Reitoria!

Confira a fanpage da Laboralivros no facebook e o link do evento, não deixe de vir!

fonte / texto: Laboralivros

UNESPAR ABRE MATRÍCULA (SEM VESTIBULAR) EM 432 DISCIPLINAS ISOLADAS

“Você conhece alguém que deseja estudar na Universidade? Agora pode, mesmo que não tenha feito vestibular! Foi publicado o edital da Unespar que permite a matrícula em disciplinas isoladas em seus cursos de graduação

Saiba como se inscrever
As inscrições deverão ser realizadas exclusivamente pela internet, no período de 01 a 08 de março de 2019, seguindo as orientações contidas no anexo “C” do EDITAL Nº 024/2019 – DRA/PROGRAD disponível, aqui

Os candidatos deverão preencher o Requerimento disponível no Anexo “B” do Edital e no ato da inscrição anexá-lo (após digitalizado) para efetivação da solicitação. Não serão analisadas as solicitações que não contenham este Requerimento devidamente preenchido e anexado.

Todas as disciplinas ofertadas bem como o número de vagas estão disponíveis no Edital. Poderão inscrever-se como candidatos(as) estudantes que estejam matriculados regularmente em um dos cursos da Unespar; portadores de Diploma de Curso Superior; estudantes matriculados em curso superior de outra instituição; e portadores de Certificado de Conclusão de Ensino Médio.

Consulte todas as regras e mais informações no edital!

fonte

II CONCURSO LITERÁRIO: INSCRIÇÕES ABERTAS

Crédito: imagem retirada do site da Editora UFPR

A Editora UFPR lança o Edital para a 2ª Edição do seu Concurso Literário. Neste ano, o gênero literário escolhido foi conto. O Concurso tem como objetivo  incentivar a criação artística e literária, colocando novos autores em circulação.

Em 2018,  Thássio Ferreira foi vencedor da 1ª Edição e teve seu livro de poesias “Itinerários“, lançado pela Editora UFPR.

Como ocorreu na edição anterior, como prêmio, o vencedor terá seu livro publicado pela Editora UFPR e lançado na XVII Feira do Livro da UFPR e 38ª Semana Literária do Sesc, que será realizada no mês de setembro.

As inscrições poderão ser realizadas até dia 26 de março.

Confira o edital, aqui

texto/fonte: Editora UFPR

TEXTO SOBRE A VÍDEO INSTALAÇÃO ORGANISMO IN CYBER, MUMA

Por Diogo Woiczack

E que assim seja quando o próximo passo for o abismo. E ao invés da floresta imensa que resiste e resistirá por breve tempo talvez (ou não), veremos a ordem e o progresso dilacerando animais, humanos, terra, tudo. Plantando casas em lugares outros, com suas famílias, carros e celulares, como todas as famílias desse mundo de deus.

No Organismo in Cyber de Arícia Machado, essa cena pode acontecer – caso se consiga parar para olhar o abismo. E acuado, olhar para os índios que despertam como que de um grande porre, cercados por monitores de tubo, antigos. Mas não são indígenas naturais, são pessoas como eu e você pintados de neon. Há essa transposição entre realidades, inclusive temporais. Esse anacronismo e desencaixe entre as peças colaboram para o cenário distópico, retratado principalmente nos corpos.

São quatros filmes em looping projetados em três paredes – o que também sugere um teatro invertido, ou jaula. Cada uma das imagens obedecem, fora uma ou outra dissonância, uma única cena própria, num único plano fixo, como nos primórdios do cinema. As imagens são coloridas e possuem uma luz bem trabalhada, que acentua o brilho do fogo e do neon na noite escura.

No eixo formado pelas paredes laterais, notamos a dicotomia entre o despertar e o desfalecer. O despertar da tribo e o agonizante fim do pajé. Na projeção frontal duas cenas: 1. Um rito onde homens-índios encarnam uma dança em transe, caminhando para o primeiro plano, para o close da câmara, retirando fios de nylon de suas bocas, como tantas tartarugas no facebook. 2. Mulheres-índias e homens-índios estão corpo-a-corpo, deitados uns sobre os outros, como uma orgia filmada no bumerangue do insta, um movimento de vai e vem sem ir nem vir – por isso sem sensualidade, talvez.

Em alguns momentos esses cyber-índios nos encaram de frente, como se pudessem nos ver. Apesar do looping há uma sequência proposta, um ciclo pontuado pelo despertar e pela morte. No meio, o sagrado e o sexo, atravessado pela profusão de imagens que nos cercam, que desafiam a atenção e o entendimento. Uma entropia tão humana quanto a vivência de um mundo capturado em diferentes telas e pixels.

Essas imagem eu vi no abismo de Arícia Machado. Imagens muito bem produzidas pela sociedade mais tecnológica de todos os tempos, mas que retratam um mundo sem esperanças, conectado por redes de todos os tipos, que nos prendem em todas as partes num lento afogar. É como se estivéssemos cercados por toda nossa sucata e dejetos, condenados ao destino daqueles que exterminamos para construir o Brasil do futuro.


Serviço:
Vídeo Instalação ”Organismo In Cyber” no CACC
Data: de 27 de fev até 12 de março, das 10h às 19h
Local: Museu Municipal de Arte (MuMA) – Portão Cultural, Av. Rep. Argentina, 3.432 – Portão, Curitiba
Entrada gratuita!
Confira a página do evento, aqui

AMANHÃ , SÁBADO, TEM ENSAIO DA EX-COLA DE SAMBA UNIDOS DO BOTÃO

foto da página do Helio Leites

Ex-cola de samba Unidos do Botão.

Ensaio geral – sábado, amanhã, às 15hs, no Lilituc, Galeria TUC – Largo da Ordem – Centro de Curitiba.

Desfile – sábado – 23 de fevereiro de 2019, às 12h. Boca Maldita – é do careqa que elas gostam mais. Homenagem ao Musico Carlos Careqa.

Carnavalesco convidado Celso Parubocz. Com Helio Leites, Franco das Camélias, Katia Horn e outras pessoas maravilhosas!  É muita purpurina envolvida.

NESTE SÁBADO ::: BE.CAUSE: CAMPANHA DE AJUDA HUMANITÁRIA

Foto: Brunno Covello

BE.CAUSE é evento de ajuda humanitária: arrecadação de material escolar (aqui em Curitiba, NESTE SÁBADO, 16 de fevereiro ) para crianças refugiadas e captação de recursos para atendimento aos refugiados do Paraná e Roraima. É um projeto de ajuda humanitária criado através da parceria Asteroide, Os Samaritanos e Linyon Global Workers e do apoio da Editora Collaborativa.

O objetivo é a arrecadação de material escolar para crianças refugiadas de várias nacionalidades e também arrecadação de fundos para custear a logística e atendimento dos refugiados que estão chegando no Brasil pela fronteira com a Venezuela.

Para aproximar diversas culturas através da arte, no dia 16 de fevereiro, a sede da Asteroide irá conectar performance, artes visuais, música, gastronomia e bate-papo em um único evento.

Nesta data, todo o material escolar doado será reunido para que na semana seguinte seja realizada a distribuição nas comunidades que o projeto abrange.
Ainda nesta oportunidade, obras de arte serão colocadas a venda e todo o valor arrecadado será revertido para a campanha.

Como posso ajudar?
– Você pode entregar sua doação nos pontos de coleta (informações em andamento);
– Adquirindo uma obra da exposição;
– Comprando um dos pratos vendidos no evento. (Todo valor arrecadado será revertido para a campanha.)
– Divulgando o evento/campanha!
– Sendo voluntário no dia do evento!

Contato pelo whats 41 99581 3018 – Ana Rivelles

Programação do evento:
Programação do evento:

Sábado, 16 de fevereiro de 2019, das 15h às 22h.
15:00 – Abertura da Exposição
Artistas:
Atelier Vinco (instalação)
Bruno Santos (fotografia)
Brunno Covello (fotografia)
Deise Dias (pintura)
Isabelle Mesquita (instalação)
Marlon Anjos (pintura)
Ricardo Durski (litografia)
Tales Costa (desenho arquitetônico)
Vivien Zanlorenzi (pintura)
16:00 – Livro de Esboço, performance musical de Angelo Esmanhotto
17:00 – Pocket Show do Trio Alma Síria
17:30 – Show Acústico com Berthony Pierre (Haiti)
18:30 – Performance Circense com Rivas Sulbaran (Venezuela)
19:00 – Fechamento do evento com Show da Banda Perna Leiga

*Comidinhas por Yasmin Comida Árabe
**Durante todo o evento serão exibidos filmes (longas e curtas) selecionados pela curadoria de Rayat O’Haylle
***A Loja das Pulgas estará comercializando livros e discos a preços especiais.

*Evento Gratuito*

***PERGUNTAS FREQUENTES***

– Para participar é preciso doar em grandes quantidades?
Não! Toda (toda mesmo!) ajuda é bem vinda! Você pode doar uma caneta e seremos igualmente gratos.

– O evento é gratuito?
Sim! Totalmente gratuito e todxs são muito bem vindxs!

– O que é estar refugiado?
Refugiados são pessoas que se encontram fora do seu país devido a fundado temor de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, opinião política ou participação em grupos sociais e que não possa ou não queira voltar para casa.
Também são considerados refugiados aqueles que fogem de seu país de origem por causa de conflitos armados, violência generalizada e violação massiva dos direitos humanos.

– Por que ajudar crianças refugiadas e não os crianças brasileiras que tanto precisam?
Entendemos que não há distinção entre brasileiros e não-brasileiros. Todos formamos uma única raça – a raça humana. Acreditamos que a diversidade é uma força quando todos se unem por um mesmo objetivo. Acolher quem está refugiado não se resume a aceitá-los no nosso país, mas compartilhar histórias, culturas, música, gastronomia, arte e visões diferentes de um mesmo mundo.
Aceitar é acolher e acolher é o contrário de marginalizar. Aceitá-los, fala sobre quem somos, e que projetos temos para a nossa sociedade, pois, reafirmamos, não existe o “nós” e o “eles”. Acolher forma laço e não muro, é sinal de força, do que se faz em solidariedade, sentimento, gesto, aquilo que não tem fronteiras e que une corações.

Haiti, Port Au Prince. Foto: Brunno Covello

Serviço:
Be.Cause: Campanha de Ajuda Humanitária
Local: Asteroide, Rua Flávio Dallegrave, 2661, Hugo Lange, Curitiba
Data: Sábado, 16 de fevereiro de 2019, das 15h às 22h.
Entrada gratuita
Confira a página do evento, aqui