SARAIVA OFERECE CONTAÇÃO DE HISTÓRIA INTERATIVA

Evento “Hora da Criança” é gratuito e acontece neste sábado (14), na unidade do Shopping Mueller

​Ouvir histórias contadas de forma lúdica desperta nas crianças o gosto pela literatura. Imagine, então, se além de ouvir, os pequenos participarem das histórias que escutam? O evento “Hora da Criança”, promovido pela rede de lojas Saraiva nas unidades de todo o Brasil, traz para Curitiba neste sábado (14), às 16h, uma sessão de histórias interativa com Contações da Mila.

A apresentação acontece no Espaço Kids da Saraiva do Shopping Mueller e possui entrada franca, basta chegar com alguns minutos de antecedência para garantir um bom lugar na plateia. Na ocasião, a atriz e contadora de histórias Camila Canassa, do Contações da Mila, vai compartilhar um clássico da literatura infantil com o público por meio da ressignificação e manipulação de objetos, da música e da participação das crianças presentes.

Serviço
Hora da Criança da Saraiva apresenta Contações da Mila
Data: Sábado, dia 14 de abril.
Hora: às 16h.
Local: Espaço Kids da Saraiva do Shopping Mueller, Piso L2.
Endereço: Avenida Cândido de Abreu, 127 – Centro Cívico, Curitiba.
Custo: Entrada franca.
Mais informações: (41) 3111-2780

CIRCUITO CULTURAL TRAZ PROGRAMAÇÃO PARA TODOS OS ESTILOS

Em 2018, a Ademilar incentiva cerca de 20 projetos em Curitiba e é a terceira maior investidora privada da cena cultural local

Em seu segundo ano, o Circuito Cultural Ademilar fomenta a cena cultural de Curitiba e incentiva cerca de 20 projetos. A Ademilar Consórcio de Investimento Imobiliário já é a terceira maior investidora privada da cultura local. A iniciativa teve início em 2017, quando a empresa passou a usar a Lei do Mecenato Municipal para incentivar projetos com recursos do ISS – Imposto Sobre Serviços.Neste ano, a expectativa é investir cerca de R$1 milhão em projetos culturais.

“Nós sempre apoiamos as manifestações culturais, mas desde o lançamento do Circuito, no ano passado, passamos a trabalhar com um calendário de ações durante todo o ano que contemplam praticamente todas as áreas. Desta forma, estamos gerando empregos para empreendedores culturais e artistas e, principalmente, oferecendo entretenimento e aproximação com a arte para o público” destaca Tatiana Schuchovsky Reichmann, diretora-superintendente da Ademilar.

Teatro
O teatro vai ganhar uma peça de importância artística e que promete instigar o conhecimento do público infanto-juvenil. A peça Da Vinci, O Mago do Conhecimento, vai mesclar diferentes linguagens cênicas – como teatro de atores, bonecos e de sombras – para resgatar a história de um dos mais importantes gênios da civilização de todos os tempos: Leonardo Da Vinci.

O Circuito também está no Festival de Teatro de Curitiba com a peça Boca Maldita, que promete transformar em comédia algumas das principais histórias do centro de fofocas da capital paranaense. A peça fica em cartaz até junho no Teatro Lala Schneider.

E no mês de agosto, o Guairinha recebe uma programação intensa, com 20 apresentações em dez dias, com a Mostra Novos Repertórios, que vai oferecer teatro, dança e performances gratuitamente ao público.

Música
Todos os domingos na tradicional Feira do Largo da Ordem, o grupo Choro & Seresta faz um show para o público. Dentro do Circuito Cultural, sempre no primeiro domingo do mês, eles recebem um músico de destaque nacional. As apresentações são ao ar livre em um dos principais pontos turísticos de Curitiba.

E para promover e valorizar a produção musical brasileira dirigida às crianças, a partir deste ano, o projeto Curitibim entra no calendário do Circuito. Em agosto, o Guairinha vai receber músicos de todo o Brasil em um dos maiores festivais do gênero do país.

A música de câmara também tem vez na programação. O projeto Sopro 5 promove a partir do mês de abril seis concertos temáticos com repertórios exclusivos em espaços diferentes de Curitiba. A ideia é desmistificar o conceito de que a música erudita é inacessível e de difícil entendimento.

Mas a área musical não é só feita de atrações. O Circuito também incentiva a segunda edição da Feira Internacional de Música, que acontece entre os dias 20 e 23 de junho no Portão Cultural. A FIMS é um espaço estratégico de negócios criado especialmente para reunir artistas, empresários, produtores, selos, gravadoras, diretores de festivais e outros eventos com o intuito de movimentar o mercado musical do Sul do país e divulgá-lo para o restante do Brasil e a América Latina.

Audiovisual
A capital paranaense é um dos maiores centros de desenvolvimento da produção audiovisual brasileira, e o Circuito Cultural em 2018 está apoiando a produção de quatro filmes. O primeiro deles é o Itálicos, que mostra a saga dos imigrantes italianos até a região de Santa Felicidade; No Campo da Galícia resgata a memória de 100 mil imigrantes polacos no Paraná no final do século XIX; Parabéns a Você, um curta metragem de ficção que se passa em 1988, traz um momento turbulento do país; Cinturão de Rosilete apresenta a história da campeã mundial de boxe Rosilete dos Santos.

Literatura
Um circuito de contação de histórias destinado a crianças da rede municipal de ensino, professores, artistas, agentes de leitura, universitários e idosos, o projeto Narrativas Itinerantes vai percorrer todas as regiões de Curitiba levando o incentivo à literatura por meio de um versátil repertório de histórias do conto popular.

Um dos projetos de maior repercussão da cena cultural local no último ano foi o Mostra Literatura Paraná, também incentivado pela Ademilar, e para quem pensava que o projeto acabaria com as ativações no Pilarzinho, CIC, Uberaba e Butiatuvinha se enganou. Em abril a III Mostra Curitiba, que faz parte da programação do Festival de Teatro, vai trazer os jovens que participaram do projeto nas comunidades para o Cortejo Literário, onde grandes nomes da literatura paranaense ganham voz com leituras poéticas nas ruas da região Central.

Dança
O projeto Disparate promoverá 20 apresentações gratuitas no Memorial de Curitiba. Coreógrafos profissionais vão explorar o processo de criação com ações que prometem envolver o público e despertar o interesse pela dança.

Múltiplas manifestações
O Circuito também incentiva projetos que celebram etnias, como o Circuito Cultural Árabe. Durante dois finais de semana de agosto uma programação intensa vai exaltar as tradições do Oriente Médio com danças folclóricas, apresentações musicais, gastronomia e oficinas.

O patrimônio cultural do Paraná também está contemplado no Circuito com o projeto Fandango, Registro Material, uma ação que resgata antigas composições em um livro e promove apresentações de fandango no litoral e na capital do Estado.

Game
Você sabia que Graciosa, nome da bela serra do litoral paranaense, era uma mula? Essa história será contada por meio de um jogo digital de estratégia e sobrevivência em 3D. No game A Jornada da Graciosa, a Mata Atlântica paranaense da época dos exploradores é recriada, e a mula que dá nome ao jogo e à serra será a guia dos aventureiros para o desconhecido em uma viagem pelas lendas, pelos mitos e mistérios do lugar.

Artes Visuais
A artista Sandra Hiromoto e a cantora e compositora Fernanda Takai se unem para a exposição Interafetividade, que acontece no mês de maio no Pátio Batel. Um ambiente interativo será criado a partir de técnicas digitais, oferecendo ao espectador uma experiência sensorial em um mundo imaginário, onde se contemple uma exposição virtual, alinhando-se a música ao toque.

Mais informações sobre as atrações do Circuito Cultural pelo telefone: 41 3107-2020 (The Way Comunicação)

ESPETÁCULO DA VOZ AO JOVEM PARA FALAR DE AFETOS

“Nosso coração as vezes pesa, é incômodo, maior que o peito. As vezes treme quando não devia e não treme quando devia. Nosso coração é rebelde, indisciplinado, selvagem. As vezes parece, sobretudo, estranho”. Esta é a ideia norteia a encenação de “Love Fair

Voltado para o publico jovem, o espetáculo da Cia Poéticas (do Espírito Santo) trás testemunhos sobre o desejo escritos pelos próprios atores, que contracenam com corações de carne (de verdade) em um cenário de folhas cenas.

O espetáculo será apresentado pela Cia Poéticas da Cena Contemporânea, do Espírito Santo, no Auditório Brasílio Itiberê, as 20h do dia 31 de março em apresentação única. Os ingressos custam R$10,00 a meia, R$20,00 a inteira e R$5,00 a entrada promocional, para quem tem credencial do Festival.

É a terceira vez que a Cia Poéticas participa do FRINGE. Em 2017 trouxe “Alice Uma Quase Ópera Punk-rock Contemporânea” e em 2016 “Navalha na Carne”, “As Criadas”, “Romeu & Julieta” e “Quem tem medo de Plinio Marcos?”.  Neste ano, além de “Love Fair” a companhia também trás para o Festival, a peça infantil “Peter Pan”.

SERVIÇO:
O QUÊ: Espetáculo “Love Fair”
ONDE: Auditório Brasílio Itiberê – R. Mauá, 1100 – Alto da Glória, Curitiba
QUANDO: 31 de março as 20h
QUEM: Cia Poéticas da Cena  Contemporânea (Espírito Santo).
INDICAÇÃO: Livre.
DURAÇÃO: 16 min
QUANTO: R$10,00 a meia / R$20,00 a inteira / R$5,00 promocional
Ingressos disponíveis no site do Festival: aqui
MAIS INFORMAÇÕES: www.ciapoeticas.wixsite.com.br/lovefair

UFPR ABRE CONCURSO COM 35 VAGAS DE NÍVEL MÉDIO, TÉCNICO E SUPERIOR / AS INSCRIÇÕES VÃO ATÉ DIA 29 DE MARÇO (QUINTA-FEIRA)

“O Núcleo de Concursos da UFPR (NC-UFPR) lança edital com as regras do concurso público que preencherá 35 vagas na UFPR de nível médio e superior, em três cidades (Curitiba, Palotina e Pontal do Paraná). As inscrições vão até dia 29 de março (quinta-feira)

Das vagas, 32 são para lotação em Curitiba:

As de nível médio são: assistente em administração (1) e desenhista de artes gráficas (1). As de nível técnico são: técnico de laboratório de Biologia (1); técnico de laboratório de Física (1) técnico de Tecnologia da Informação (2); técnico em Contabilidade (1); e técnico em Enfermagem (2).

As de nível superior são: antropólogo (1); arquiteto e urbanista (1); arquivista (2); auditor (2); contador (7); diretor de artes cênicas (1); diretor de fotografia (1); enfermeiro (2); engenheiro civil (1); engenheiro de Segurança do Trabalho (1); engenheiro eletricista (1); engenheiro mecânico (1); médico do trabalho (1); e químico (1). No cargo de contador, uma vaga será reservada a pessoa com deficiência e outra para negros e pardos.

Em Palotina, há um cargo de nível médio, técnico de laboratório em Biologia; e um de nível superior, Médico (perícia médica), ambos com uma vaga cada. Em Pontal do Paraná, há uma vaga para médico (clínico).

Prática e títulos
Será realizada prova prática para os cargos de diretor de artes cênicas, diretor de fotografia, químico e técnico de laboratório de Biologia. Os critérios de avaliação devem ser divulgados em 28 de fevereiro. A convocação para as provas práticas será publicada em 10 de maio.

Já os cargos de enfermeiro, engenheiro de Segurança do Trabalho e médicos terão prova de títulos de caráter classificatório.

Inscrições
As inscrições poderão ser feitas de 28 de fevereiro até as 16 horas de 29 de março pelo site do NC-UFPR. As taxas são de R$ 61 para cargos de nível médio e técnico e de R$ 104 para nível superior.

Haverá isenção para inscritos no Cadastro Único (CadÚnico), do governo federal. O pedido deve ser feito entre 28 de fevereiro e 6 de março, por formulário específico no site do NC-UFPR.

Os candidatos à vaga de pessoa com deficiência devem ainda encaminhar atestado médico e formulário específico ao NC-UFPR (pessoalmente ou via Sedex) entre os dias 28 de fevereiro e 2 de março.

Os candidatos devem ficar atentos ao site do NC-UFPR para se informarem sobre eventuais retificações no edital.

A prova objetiva será em 25 de abril. Alguns cargos exigem prova prática, que será em 28 ou 29 de maio.

Confira toda das informações na fonte: Camille Bropp – UFPR

CIA LAICA DE TEATRO DE CURITIBA

A Cia Laica de Teatro de Curitiba tem como diretrizes estéticas investigar e experimentar técnicas e estéticas da arte da animação (teatro de animação e cinema de animação), a partir do agrupamento de artistas independentes e com experiências variadas em diversas linguagens artísticas, tais como artes visuais, artes cênicas, animação e cinema, para que desse o caráter híbrido dos trabalhos. São um grupo de iniciativa mista, de característica itinerante, que se utiliza de instrumentos acadêmicos e não acadêmicos em seus processos.

Durante este Festival de Teatro de Curitiba a cia estará com duas peças, confira:

VOOU, AMOR LEVE
Drama musical com teatro de formas animadas para crianças de todas as idades, que conta duas histórias de amor entre seres que voam e humanos. Duas abordagens sobre um amor transgressor, que tratam de forma lírica e lúdica temas como a liberdade, o amor e o encantamento.

Serviço:
Dias: 30/03 (Sexta-Feira), 31/03 (Sábado) e 01/04 (Domingo), sempre às 15:00, No Teatro Cena Hum (Rua Senador Xavier da Silva, 166 São Francisco)
Mais informações, aqui

AUTÔMATOS: SELF DA INEXISTÊNCIA
A automatização e a fugacidade das relações humanas são o tema central do espetáculo, que discute a ambiguidade entre a autonomia e automatização numa perspectiva existencial, quando a existência se transforma numa metáfora indecifrável.

Serviço:
07/04 (Sábado) às 20:00 e 08/04 (Domingo) às 16:00 e às 20:00 no TELAB (Rua dos Funcionários, 1756, Cabral, Curitiba)
Mais informações, aqui

Acompanhe a Cia Laica de Teatro de Curitiba:
site
instagram
facebook.com/cialaica/

ÍMPETO

ÍMPETO estreia no Festival de Teatro de Curitiba 2018 na mostra Fringe Curitiba no dia 01 de abril as 12h no Casa Hoffmann

SINOPSE:
A partir de trechos poéticos, o espetáculo procura a verdade por trás das palavras, enquanto no mundo lá fora o que acontece é ação em si, da forma mais visceral e violenta. A peça que se segue é baseada em fragmento real de violência doméstica. Não é apenas um ato de consciência, mas de liberdade e coragem.

FICHA TÉCNICA:
Texto: Caroline Amantino
Direção: Joel Leitte
Com: Caroline Amantino e Liz Martins
Produção: Liz Martins
Concepção artística: PENUMBRA teatro laboratório
Iluminação: Joel Leitte
Design gráfico: Muniz
Videomaker: Daniel Santoro

DATAS E HORÁRIOS:
Dia 01 de abril de 2018 (domingo), 12h
Dia 03 de abril de 2018 (terça-feira), 21h
Dia 05 de abril de 2018 (quinta-feira), 16h

TEMPO DE DURAÇÃO:
30 minutos

INGRESSOS:
R$10 (inteira) e R$5 (meia)

Local: Casa Hoffmann, Rua Claudino Dos Santos, 58, São Francisco, Curitiba
Data: De 1 a 5 de abril, das 12h às 16h

Confira a página do evento, aqui

ESPETÁCULO HOJE É DIA DE ROCK MARCA COMEMORAÇÕES DOS 50 ANOS DO TEATRO IPANEMA

Após a temporada de estreia em Curitiba, o espetáculo Hoje é Dia de Rock, escrita por José Vicente e dirigida por Gabriel Villela, retorna ao palco do Teatro Ipanema, no Rio de Janeiro, o mesmo que abrigou a montagem da peça em 1971.

Em nova turnê, a primeira apresentação na casa reuniu, no dia 2 de março, um grande público, marcando o início das comemorações pelos 50 anos do Teatro Ipanema em 2018. O espetáculo e a circulação é uma realização do Teatro de Comédia do Paraná – Governo do Paraná, Secretaria de Estado da Cultura e Centro Cultural Teatro Guaíra, em parceria com a Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra – ABABTG.

Cronograma de circulação do espetáculo Hoje é Dia de Rock:

De 2 a 19 de março – quinta a segunda, às 20h
Rio de Janeiro – Teatro de Ipanema

Dia 25 de março – 20h
Cascavel – Teatro Municipal Sefrin Filho

Dia 28 de Março – 21h
Curitiba – Guairinha (Festival de Curitiba)

Dia 7 de abril – 20h
Ponta Grossa – Cine Teatro Ópera

Dia 11 de abril – 20h
Apucarana – Cine Teatro Fênix

Dia 14 de abril – 20h
Londrina – Teatro Ouro Verde

Dia 18 de abril – 20h
Toledo – Teatro Municipal de Toledo

Dia 21 de abril – 20h
Foz do Iguaçu – Teatro Barracão

De 26 a 29 de abril – quinta a sábado às 20h30 e domingo às 19h
Curitiba – Guairinha

www.ababtg.org.br/
www.facebook.com/ababtgoficial

ABABTG – Fundada em 2007, a Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra surgiu para fortalecer a dança e demais artes motivando uma ligação sinérgica entre os setores público e privado. Para tanto, tem desenvolvido projetos culturais que promovam ações de formação, atualização, divulgação e fomento da dança, em suas diversas linguagens. A formação de público e o apoio à gestão de carreira de seus associados bailarinos, ex-bailarinos e apoiadores do Balé Teatro Guaíra também estão entre os compromissos da ABABTG. Formalizada como uma agremiação artística e cultural de caráter civil e personalidade jurídica e recentemente qualificada como Organização Social, a Associação tem demonstrado uma atividade intensa desde a sua fundação. Entre os seus principais eventos está a Mostra Paranaense de Dança, realizada anualmente em diferentes cidades do Estado para incentivar e valorizar bailarinos e grupos amadores e promover apresentações profissionais a preços populares.

Na foto, da esquerda para a direita, Bartolomeu, irmão de José Vicente, a atriz Silvia Buarque, o diretor Gabriel Villela, o ator Eriberto Leão, João Luiz Fiani, Secretário de Estado da Cultura do Paraná, o ator Malvino Salvador, a atriz Malu Valle e José Vedova, Diretor do Teatro Ipanema, durante estreia do espetáculo Hoje é Dia de Rock, no Teatro Ipanema, no Rio de Janeiro

KAZA

Solo de Fabiana Ferreira da Tecer Teatro provoca reflexão sobre o drama dos refugiados.

E se, de repente, você fosse obrigado a fugir do seu país, deixando para trás sua casa, sua família, levando apenas os pertences que consegue carregar? E se você não tivesse para onde ir? E se chegasse a um lugar onde ninguém consegue entender o que você fala, sente? Infelizmente, essa é a realidade de milhões de pessoas no mundo. A cada três segundos uma pessoa passa por situações similares, por causa de conflitos econômicos, políticos e sociais. Vivemos atualmente a mais grave crise de refugiados desde o fim da II Guerra Mundial, em 1945. De acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas) são 75,6 milhões de pessoas fugindo de guerras, violência ou perseguição. Desse número de imigrantes 22,5 milhões são refugiados.

Pessoas em situações de extrema adversidade como essas que perdem tudo, mas que, mesmo em meio ao caos, seguem lutando para manter a esperança e a dignidade inspiraram a criação do mais novo espetáculo da Tecer Teatro de Curitiba. “KAZA não trata apenas de situações de guerra ou de exílio. É sobre ter que partir, sobre perdas e suas consequências, em como sobreviver a essas experiências. Perder a família, um filho, a terra, a cultura. Ser obrigado a deixar seu país, sua cidade, a língua natal, o emprego, a casa. Sua história, seu passado e tudo o que nos representa. Os planos para o futuro, o sonho e a esperança. Perder o chão, perder o norte. Sobre morrer e renascer. Ou morrer em vida”, conta a diretora Cristine Conde.

O solo interpretado pela atriz Fabiana Ferreira, estreia dia 17 de março (sábado), às 20h, no Espaço Excêntrico (Mauro Zanatta). A temporada segue até dia 08 de abril, sempre aos sábados e domingos, às 20h. Além das apresentações abertas, o projeto prevê 12 apresentações gratuitas, desde que agendadas previamente, voltadas para público de escolas da rede pública, entidades assistenciais, pessoas com necessidades especiais, imigrantes, alunos de artes, entre outros.

Kaza aborda também a questão da incomunicabilidade. “A língua materna é a substância de que é feita a nossa alma”, diz Paulo Leminski, no posfácio de “O Inominável”, de S. Beckett, obra e autor que, entre outros, serviram como referências ao trabalho. A personagem, em uma situação de desespero, movida pelo medo e pelo instinto de sobrevivência, tenta se comunicar, mas não é compreendida, apesar de falar em 11 línguas diferentes, entre elas: português, árabe, corso, alemão, irlandês, holandês, francês, espanhol e até galês. O texto é curto, não apresenta uma narrativa, é composto por palavras soltas, de significado universal e de familiaridade sonora. O som e a palavra ora se manifestam quase como um grito impossível de conter ora como um lamento. Quem assina o trabalho vocal é Edith de Camargo. A trilha, a cargo de Tiago Constante, é executada ao vivo e é companhia no caminho da personagem desde o primeiro dia de ensaio. A forte fisicalidade é uma característica da Tecer e neste trabalho Airton Rodrigues é o responsável pela preparação corporal da atriz.

Assim como os que passam pela experiência de tornar-se de alguma forma refugiado ou exilado, a personagem alimenta o desejo de voltar para casa, sem saber que, na verdade, a ruptura com o passado é permanente. “O nome escolhido para o espetáculo aponta este desejo ampliando seu significado, do micro ao macro universo, KAZA tem relação com a origem, a alma, a essência, o planeta”, conta Fabiana que também é a idealizadora e produtora do projeto.

“Minha personagem é uma sobrevivente, luta pela vida em meio aos mortos, as peças de roupas que compõem o cenário, assinado também pela diretora, representam essas pessoas e suas histórias. São como peles com as quais a personagem tenta se reconstruir. Nossa intenção com este projeto é dar visibilidade para essas pessoas traumatizadas pelo sofrimento e desespero. Afinal, o que sobra, quando perdemos tudo o que amamos? Kaza aponta para o caminho da luta e da transcendência”, finaliza.

Este projeto é uma realização da Tecer Teatro – Arte, Educação e Cultura e foi incentivado pelo Banco do Brasil por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura.

Acompanhe: https://kazapartedetudo.blogspot.com.br/
Visite: https://www.tecerteatro.com/

Serviço:
O quê: Espetáculo Teatral Kaza
Quando: 17 de março a 08 de abril (sábados e domingos)
Que horas: 20h
Onde: Espaço Excêntrico (Mauro Zanatta)
Endereço: Rua Lamenha Lins, 1429 – Rebouças, Curitiba
Telefone: (41) 4127 4702
Quanto: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada)
Classificação: 14 anos
Duração: 50 minutos
Realização: Tecer Teatro – Arte, Educação e Cultura

KAZA – Tecer Teatro / fotografia: Elenize Dezgeniski

Contatos:
Assessoria de Imprensa
Glaucia Domingos
41 99909 7837
glauciadomingos@hotmail.com

KAZA – Tecer Teatro / fotografia: Elenize Dezgeniski

Produção
Fabiana Ferreira
41 99243 0322
tecerteatro@gmail.com

CAIXA CULTURAL TRAZ A CURITIBA O ESPETÁCULO ISADORA

Com direção de Elias Andreato, a peça reinventa os últimos dias da bailarina Isadora Duncan, no ano de 1927, na França, quando ela conhece um misterioso editor que pretende publicar suas memórias. O encontro traz à tona a mulher por trás do mito

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o espetáculo teatral ISADORA, uma visão emocionada sobre a vida e a obra da bailarina Isadora Duncan (1877-1927). A montagem marca a estreia da atriz Melissa Vettore como autora, tendo como colaboradores Daniel Dantas e o diretor Elias Andreato. A renovação da dança, os direitos da mulher, a educação infantil e a mercantilização do corpo feminino estão entre os temas do espetáculo. A narrativa é permeada por coreografias, músicas cantadas e projeção de imagens com o objetivo de revelar as memórias e a busca de Isadora Duncan por uma maneira poética de viver, pensar e dançar.

Melissa Vettore, interpreta Isadora Duncan e Sávio Moll vive o papel do editor que quer publicar as memórias da bailarina. Também estão no elenco Roberto Alencar e Patrícia Gasppar, como os irmãos de Isadora. Ao vivo, a pianista Cibele Perusso executa as canções. “Mais do que falar de dança, o espetáculo se refere a uma mudança no entendimento do próprio corpo, da individualidade e do coletivo. Duncan desejou uma mudança urgente no pensar e no sentir que, consequentemente, nos levará a um modo de agir no mundo, novo e verdadeiro, provocando uma revolução social e de valores”, avalia Melissa Vettore. A dramaturgia foi construída a partir da autobiografia, cartas, documentos políticos, documentários e manuscritos de Isadora.

No desenrolar das cenas, Isadora expõe ao editor sua história como bailarina, mulher, mãe, amante, mestra e revolucionária. E os dois discutem sobre o amor, as perdas, as ilusões e lutas políticas, a educação gratuita para as crianças, a servidão no casamento, a liberdade do corpo e da dança, a soberania da arte, o sucesso e a decadência. O personagem do editor foi inspirado no universo do escritor norte-americano Henry Miller (1891-1980), ao mesmo tempo debochado, inteligente e com grande capacidade crítica sobre a sociedade. Por meio desse personagem, revela-se que a Isadora consagrada como artista é diferente da Isadora que regressou a Nice, na França. Atrevido e impetuoso, o editor provoca a bailarina com uma visão pragmática sobre sucesso e fracasso, colocando a plateia frente a frente com as cicatrizes e contradições de uma vida dedicada à arte.

A montagem
A direção de movimento é assinada pela bailarina, coreógrafa e diretora Renata Melo, que também realizou as coreografias em colaboração com Melissa Vettore e os outros atores. As músicas são cantadas ao vivo pelo elenco, e a trilha sonora foi especialmente composta por Jonatan Harold para piano e acordeão. Imagens ligadas aos relatos e memórias de Isadora são projetadas sobre o cenário de Marco Lima. A iluminação de Wagner Freire desenha os ambientes onde acontecem os encontros entre Isadora e o editor, assim como as viagens entre os irmãos. Os figurinos são de Marichilene Artisevskis.

Sobre Isadora Duncan (1877-1927)
“Sou uma crítica incansável da sociedade moderna, da cultura e da educação. Defensora dos direitos das mulheres, da revolução social e da concretização do espírito poético na vida cotidiana. Meu interesse é expressar uma nova forma de vida”. Assim se auto definiu a bailarina Isadora Duncan. Precursora do que veio a ser conhecido como ‘Dança Moderna’, manteve-se aliada a compositores, poetas, filósofos e idealistas de várias partes do mundo. Ela criou uma maneira totalmente nova de dançar – e é este legado que desejava preservar e proteger a partir da criação de uma nova educação.

Ao longo de sua vida, lutou pelos direitos das mulheres e pela educação de crianças das classes mais pobres. O custo dessas iniciativas a obrigava a excursionar constantemente. Empenhada em construir uma ‘nova visão do corpo’, Isadora partiu dos Estados Unidos, com seus irmãos, para a Europa e União Soviética. A artista afirmava que sua dança era símbolo da nova educação e da liberdade. Quebrou convenções ao dançar descalça e com roupas fluidas, abominando toda técnica repressiva. Para ela, a dança era “o movimento do corpo em harmonia com a natureza”. De espírito inquieto e vocação para questiona e mudar a sociedade, esteve focada na mulher e no feminino. Acreditava na força da educação como meio de transformação social. Foi fiel a seus princípios até o fim de sua vida, mesmo diante de inúmeras dificuldades.

Elias Andreato
É um consagrado ator, diretor e autor brasileiro, com uma visão especial sobre o trabalho do ator e da dramaturgia autoral. Sua busca é pela humanidade dos personagens que interpreta. Seus espetáculos frequentemente questionam o papel do artista na sociedade e a relação com seu tempo. Construiu uma carreira sólida feita, acima de tudo, pela escolha por personagens que pudessem traduzir esse pensamento – Van Gogh, Oscar Wilde e Artaud são exemplos dessa escolha e resultaram em interpretações marcantes que garantiram a ele um lugar especial no teatro brasileiro.

Melissa Vettore
Tem formação em dança e uma trajetória que inclui drama e comédia. Formou-se no Instituto de Arte e Ciência (Indac) e no Centro de Pesquisa Teatral (CPT), de Antunes Filho. Completou sua formação em Nova York e Barcelona. Atua na formação de atores ministrando workshops de corpo e interpretação. É produtora de seus próprios projetos no teatro. Atua em novelas, cinema e séries de televisão.

Sávio Moll
É um reconhecido ator que pode ser visto, ao mesmo tempo, no teatro, no cinema e na televisão. Integra uma geração de artistas que desenvolve a linguagem teatral a partir do trabalho de pesquisa corporal do ator e do clown. Participou como clown no projeto Doutores da Alegria. Como ator, trabalhou com os maiores diretores nacionais.

Roberto Alencar
Ator, bailarino, coreógrafo e desenhista. Em 2010, fundou a Incunábula Companhia, com o objetivo de pesquisar o diálogo entre as artes visuais e a dança contemporânea. Dirigiu vários espetáculos e também foi bailarino e assistente de coreografia de diversas montagens. Fez parte do Núcleo Expedições, na área de dança-teatro, dirigido por Renata Melo e Vivien Buckup.

Patrícia Gasppar
Tem formação em dança clássica, dança contemporânea e canto. Cursou a EAD (Escola de Arte Dramática – USP / SP). Já atuou em mais de 30 espetáculos teatrais, além de novelas, seriados e outros programas de televisão. Também é roteirista e foi professora de interpretação no Teatro-Escola Célia Helena, em São Paulo.

LINKS:
https://www.facebook.com/isadoraduncanteatro/

Trailler da peça Isadora:
http://vimeo.com/171467881

Vídeo Com Depoimentos atores:
https://vimeo.com/173010591

Isadora. Foto: Joao Caldas Filho

Serviço:
Teatro: Isadora
Local: CAIXA Cultural Curitiba. Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR).
Data: 16 a 18 de março de 2018 (sexta a domingo)
Horário: sexta e sábado, às 20h; e domingo, às 19h.
Ingressos: vendas a partir de 10 de março (sábado). R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.
Bilheteria: (41) 2118-5111 (De terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 16h às 19h.)
Classificação etária: 12 anos Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

Confira a página do evento, aqui

TEM BUBUBU NO BOBOBÓ

Foto: Mariama Lopes

Coletivo curitibano comemora seis anos de ações artísticas em sua sede no bairro rebouças com evento gastronômico

No domingo dia 4 de março, os artistas do espaço cultural Casa Selvática comemoram seis anos de ações artísticas no bairro Rebouças com o evento gastronômico TEM BUBUBU NO BOBOBÓ. Tradicionalmente organizado pelo coletivo, o evento apresenta anualmente um cardápio elaborado pelo artista Gabriel Machado para setenta pessoas com entrada, prato principal e sobremesa nas opções vegetariana e vegana.

TEM BUBUBU NO BOBOBÓ homenageia em seu nome os tempos do teatro de revista, gênero híbrido e genuinamente brasileiro, que revelou nomes como Dercy Gonçalves, Virginia Lane, Oscarito e Grande Otelo.

A Casa Selvática funciona como um cabaré, e apresenta figuras da contracultura curitibana em um ambiente festivo, caloroso e irreverente. Entre as temáticas mais trabalhadas pelo coletivo estão questões relacionadas a gênero e sexualidade e a experiência de novas identidades.

Este ano os artistas integram a Mostra Oficial do Festival de Curitiba com a estreia o espetáculo de rua Cabaret Macchina, nos dias 3 e 4 de abril às 21h, na Praça Rui Barbosa com entrada franca.

Com direção de Ricardo Nolasco e dramaturgia de Francisco Mallmann e Leonarda Glück, a partir da obra do dramaturgo alemão Heiner Müller, o espetáculo é uma pós-ópera em formato de cabaré de rua, que além de reunir pela primeira vez todos os artistas do coletivo em um mesmo projeto, conta com a participação da cantora e compositora Karina Buhr. Após a participação no Festival de Curitiba, os artistas circulam pelas regionais apresentando o espetáculo nas ruas da cidadania dos terminais de ônibus da cidade.

No segundo semestre, o coletivo propõe a residência A Reinvenção do Cabaré, com apoio do Prêmio Iberescena de Apoio à Centros Ibero-Americanos de Criação Cênica em Residência, para artistas internacionais iberoamericanos e de outras cidades brasileiras na Casa Selvática. Os quatro artistas selecionados pela convocatória tem a disposição o espaço da Casa Selvática como residência e ateliê de criação durante vinte dias, com o intuito de desenvolver suas pesquisas artísticas dentro do gênero cabaré.

SERVIÇO:
TEM BUBUBU NO BOBOBÓ 2018 – 6 ANOS DE CASA SELVÁTICA
R$30,00
(Rua Nunes Machado, 950, Rebouças, Curitiba)
Vendas pelo site www.selvatica.art.br ou pelos telefones (41) 98807-2121 ou (41) 99611-5910 / Fanpage
*** A CASA ACEITA CARTÕES DE DÉBITO E CRÉDITO ***

Cardápio
Entrada: Tacos recheados com abacate, pimenta rosa e folhas verdes (acompanha maionese defumada e barbecue de abacaxi)
Principal: Conchiglione recheado com alcachofras, queijo fresco e amêndoas ou batatas laminadas servidas com ragu de cogumelos, jambu e tucupi
Sobremesa: Torta de maçãs flambadas no whisky servida com creme catalão

Confira a página do evento, aqui