“CONTA-TE” NOVA PRODUÇÃO DA SOCIEDADE POÉTICA ESTREIA EM CURITIBA

Na foto de Nando Porto as atrizes: Raquel Rizzo, Cleo Cavalcanti, Bia Sartoretto que formam o elenco de “Conta-te”, junto com Ciliane Vendeusculo que encena uma das personagens durante as apresentações no Teatro Cleon Jacques.

Escrita pela autora e diretora, Pagu Leal, a comédia traz 3 atrizes de diferentes idades  fazendo 3 atrizes de diferentes idades que mesclam suas vidas ao processo artístico da construção  de uma peça de teatro, sensível e poética, com o tema: assédio moral. A primeira temporada gratuita no Teatro Cleon Jacques, será de 17 a 28 de abril. 

Estreia na segunda quinzena de abril (17 a 28), a primeira temporada gratuita do espetáculo “Conta-te” produzido pela Sociedade Poética, uma comédia que trata temas relacionados à mulher e como elas encaram o assédio moral no ambiente de trabalho, as apresentações serão no Teatro Cleon Jacques, em Curitiba. A peça conta com as atrizes Raquel Rizzo, Cleo Cavalcantty, Bia Sartoretto, três mulheres e artistas de diferentes idades que interpretam conflitos de geração e questionamentos sobre a profissão, a arte e o assédio, na montagem escrita e dirigida pela autora e produtora Pagu Leal. 

A ideia nasceu em conjunto com a  Procuradoria da Mulher de Curitiba e SATED Paraná ,  e trata principalmente das situações diárias de abuso moral; das “cantadas baratas” às expressões  chulas e “corriqueiras”. Experiência vivida por todas as mulheres brasileiras. Não importando idade , região ou classe social.  Expressões de atitudes carregadas de preconceito de gênero e, que assim dizer, estruturam nossa sociedade.  Segundo a autora Pagu Leal, a peça pode auxiliar muitas mulheres a reconhecer situações abusivas e fortalecer a auto narrativa, para que tenham a convicção de que suas impressões, ou incômodos, sejam realmente consideradas. “A arte possibilita ampliar a percepção para questões que muitas vezes nem percebemos como abusivas, e no palco isso fica muito claro”, revela a  autora e diretora. Pagu conta ainda que a produção da Sociedade Poética nasceu da necessidade de criar um material didático, acessível e empático sobre assédio moral. “Situação enfrentada por muitas mulheres no Brasil e que compõem um lamentável traço cultural, em muitos casos “naturalizado”, das hierarquias de trabalho”, diz.

Por meio da encenação, a peça dá uma nova abordagem ao tema em suas variações geracionais e atualizações éticas relacionadas às conquistas de direitos trabalhistas pelas mulheres. O espetáculo quer estimular a uma grande tomada de consciência sobre violência de gênero. A autora desenvolveu ao longo de 2023 uma pesquisa baseada em conversas com setores e segmentos da sociedade, sindicatos e categorias profissionais sobre o tema. Para Pagu, a peça liberta a narrativa das mulheres, legitima seus sentimentos e acolhe suas dores. “Foi o caso das classes artística teatral, da dança e com cantoras, buscando entender e desenvolver um projeto humano e sensível destacando a difícil decisão das vítimas de quando é hora de denunciar”, revela. 

O espetáculo fica em cartaz por duas semanas de 17 a 28 de abril: quarta a sexta às 20 horas. Nos sábados, com duas sessões: às 16 horas, e no segundo horário às 20:00, com intérprete em Libras. Já nos domingos as apresentações serão às 19 horas. 

Sobre Pagu Leal: Autora e diretora 
Há 30 anos em Curitiba a artista das Artes Cênicas, Pagu Leal já atuou em mais de 40 espetáculos profissionais como atriz. Ao longo de sua carreira, foi transformando a sua voz de atriz em uma voz autoral na dramaturgia e também como diretora artística. Em 2020 foi contemplada com o Prêmio Reconhecimento da Trajetória através da Lei Aldir Blanc.

Como dramaturga já teve diversos textos encenados , destaques para: 2021 “Do dia que Olhei no Espelho e Não me Encontrei”, 2011 “A Vênus das Peles” contemplado com o prêmio Myriam Muniz pela Funarte. “Difícil Amor”, contemplado pelo Troféu Poty Lazzarotto de Melhor Texto Teatral em 2004 e, “Que Absurdo!” texto selecionado no projeto: Dramaturgias Contemporâneas Brasileiras da Fundação Cultural de Curitiba. Teve seu próprio programa de humor na TV em 2011,”Coisas de Casal” na RPC TV, Globo Paraná, onde atuava e escrevia . Dentro das pesquisas em Filosofia tem se dedicado à Filosofia da Linguagem, com especial atenção aos estudos sobre Filosofia Analítica da Linguagem e Ética.

Sobre a Sociedade Poética
A Sociedade Poética nasceu em 2006 como consequência do desenvolvimento artístico e intelectual da atriz e autora Pagu Leal. E também, como possibilidade de escrever, produzir e incentivar produtos culturais relacionados à cultura poética de Curitiba e região metropolitana. Concomitante ao trabalho poético, autoral e teatral a Sociedade Poética também atua com profissionais das mais diferentes áreas através de cursos, atendimentos e workshops em Performance Comunicativa. Relacionando assim as práticas artísticas a conceitos filosóficos da oratória e argumentação, formação acadêmica da empreendedora Pagu Leal.

Serviço 
“CONTA-TE” 
Temporada: 17/04 à 28/04
(Quarta a sexta às 20h. Sábados às 16h e 20h – no segundo horário com intérprete em Libras. Domingos às 19h) 
Local: Teatro Cleon Jacques
Rua: Rua Mateus Leme, 4700 – São Lourenço, Curitiba
Entrada: Franca 
Duração: 1h20
Classificação: 14 anos

Fonte: bb_comunica

UYARA TORRENTE FAZ SHOW DO PRIMEIRO DISCO SOLO: MONTADA EM SEU CABELO, EM CURITIBA

Show no Jokers, marca nova fase ao reverenciar a história da artista num disco solar que celebra a vida. Uma estreia para dançar e emocionar com o lançamento do primeiro disco solo da carreira da vocalista da Banda Mais Bonita da Cidade, no dia 21 de setembro.

Após 5 anos de trabalhos e estudos, misturados a vida cotidiana e profissional de Uyara Torrente, a artista paranaense acaba de lançar o single “Ela Vem”, no início de agosto. A música faz parte do novo álbum lançado em 1º de setembro de 2023, da cantora, atriz e integrante d’A Banda Mais Bonita da Cidade há 14 anos, que realiza grande show para apresentar ao público curitibano o seu primeiro solo, o álbum Montada em Seu Cabelo, com 10 faixas, no dia 21 de setembro, às 20 horas, no Jokers em Curitiba.

O trabalho inédito na carreira da artista Uyara Torrente, nasce de um desejo muito genuíno de entendimento e de desafio. Para ela, foi com A Banda Mais Bonita da Cidade, que nasceu a cantora, “nunca imaginei que eu poderia assumir esse lugar, e isso foi fazendo cada vez mais sentido ao longo dos anos. Cantar definitivamente tinha virado minha vida, minha melhor vida, mas junto com essa afirmação, a curiosidade de entender que cantora eu era para além da Banda Mais Bonita”. Ela conta ainda que com a Banda sempre teve suporte e segurança, e esse novo momento trouxe questões e o desejo de explorar outras vertentes musicais. “Pra mim foi e é muito desafiador esse processo, porque está intrinsecamente ligado aos processos pessoais, que trazem inevitavelmente as inseguranças, os medos, tudo isso está presente ali. Como uma fotografia sonora. Fazer esse disco foi como montar um quebra cabeça de mim mesma”, conta com sensibilidade sobre a novidade.

Em 2017, Uyara confidenciou para o amigo de banda e produtor musical paranaense Marano, o desejo de lançar um projeto solo. Ele a incentivou prontamente e começou então sua busca pelo seu repertório e sua sonoridade. Em 2018 surgiu o single A Temperança, mas também o desejo de pesquisar mais calmamente as músicas e o estilo que melhor expressaria sua alma. Em 2021, esse levantamento estava concluído e Uyara mergulhou no estúdio com sua equipe para iniciar oficialmente o processo de criação do disco. “Agora finalmente ele está pronto para estrear em todas as plataformas e palcos possíveis”, conta animada.

No repertório, sucessos antigos e músicas inéditas, de autores como Hermes Aquino, Chico César, Lulu Santos, Paulo Leminski e Letrux ganharam uma roupagem moderna. “Ela Vem” foi lançada no dia 8 de agosto, como single de estreia e é a única composição de Uyara, feita em parceria com o escritor e músico carioca Vitor Paiva.

SERVIÇO
Data: 21 de setembro de 2023
Horário: 20h
Local: Jokers
Endereço: Rua São Francisco, 164 – Centro
Ingressos: https://www.sympla.com.br/evento/show-de-lancamento-do-disco-montada-em-seu-cabelo-uyara-torrente/2146531?share_id=copiarlink
Ouça aqui: https://tratore.ffm.to/montada

Crédito foto: Marco Novack

Sobre Uyara Torrente
Uyara é cantora e atriz. Está há 14 anos à frente d’A Banda Mais Bonita da Cidade, banda que fundou com os amigos enquanto cursava Artes Cênicas em Curitiba para cantar as músicas dos compositores locais da mesma geração. A banda estourou já no ano de 2011. De lá para cá, lançaram quatro álbuns, tocaram em todo Brasil e em Portugal, França, Espanha, Venezuela, Colômbia, Argentina e Uruguai. Uyara já dividiu o palco com grandes nomes da música brasileira como João Donato, Paulinho Moska, Paulo Miklos, Dado Villa-Lobos entre outros.

Nascida na cidade de Paranavaí, interior do Paraná, cresceu acompanhando seus pais músicos em shows e pelo interior do país e ouvindo músicas tradicionais do seu estado e região.

Uyara formou-se em Artes Cênicas pela Faculdade de Artes do Paraná, foi premiada em 2012 como melhor atriz pelo filme “Nervo Craniano Zero” no festival Montevidéu Fantástico. Sua última peça, Penélope, esteve em cartaz no Festival Midrash de Teatro em 2021 (que naquele ano aconteceu virtualmente) e estreou efetivamente em Curitiba no Teatro José Maria Santos, em 2023.

Em 2018, lançou seu primeiro single solo, A Temperança.

www.instagram.com/uyaratorrente
www.twitter.com/uyaratorrente

Ficha Técnica do Show
Direção musical: Marano
Banda:
Uyara Torrente – voz
Fernanda Cordeiro – trombone
Larissa Oliveira – trompete
Bianca Godoi – bateria
Du Gomide – guitarra e programações

Faixa a Faixa por Uyara Torrente

01) ELA VEM:
Tinha vindo essa imagem na minha cabeça, como uma miração, uma mulher meio mítica, onírica, que vinha montada em seu próprio cabelo, que tinha ao mesmo tempo sorriso e raiva. Cantarolei umas frases e mandei pro Vitor (Paiva), que trouxe ainda mais complexidade pra essa personagem, uniu às minhas imagens míticas, sentimentos humanos. Gosto dessa personagem, da contradição, da completude, da autonomia. vontade de amar e vontade de matar, vontade de dançar e vontade de vingar. ela – É – e ponto.

02) SOL DE MEIO DIA
Pra mim uma é uma clássica balada pop, romântica, apaixonante, aliás, especialidade de Leo Fressato, o compositor. Quis cantá-la no primeiro instante que ouvi. Todo mundo tem uma história de quase amor, de quase possibilidade, gosto das possíveis identificações que público pode vir a ter. Me encanta também o arranjo criado para ela, uma onda meio Cassiano, a catarse na suavidade.

03) EU VOU SEQUESTRAR VOCÊ
Também foi uma dessas músicas que quis cantar imediatamente, assim que ouvi. Amo a trajetória, a dramaturgia da música, na letra e na melodia. Uma história sendo contada por imagens tão sensoriais, me arrepiava enquanto ouvia, tinha os sentidos todos aguçados, pensei – preciso cantar essa música.

04) PUDERA
O processo de pudera foi curioso, porque às vezes os encontros são imediatos e às vezes são como uma paquera, um ir se reconhecendo. Fiquei muito honrada de ter uma música composta pelo Lucas e pela Letícia (Letrux) especialmente para o meu disco, e fui me encontrando com e na música, e quando o encontro se deu foi definitivo. A letra se aproxima muito das conversas que tenho comigo mesma, dentro da minha cabeça. Os entendimentos, os processos de aceitação, do que deixar ir, do que afirmar.

05) NUVEM PASSAGEIRA
Essa música ficou anos guardada dentro de mim, tenho uma memória de infância, não sei se era uma trilha de novela ou o quê, mas esse refrão aparecia direto na minha cabeça, durante a vida toda, quando fui gravar o disco o nome dela se iluminou como um letreiro, voltei pra letra, afirmei as identificações que sinto, e pronto, fazia todo sentido.

06) PEQUI
Foi a última música a entrar pro disco, a princípio seriam 9 músicas, mas um dia no estúdio enquanto a gente se organizava pra começar os trabalhos do dia, o Du Gomide (um dos produtores do disco e compositor da música junto com Raissa Fayet) começou a tocar a cantar meio baixinho, e eu ouvi de longe e pedi se ele poderia tocar novamente, fui achando tão interessante e já visualizando um caminho de arranjo. Acho que de certo modo ela era aquela peça do quebra cabeça que estava faltando.

07) SEREIA
Também tem esse lugar de memória infância, Sereia foi um grande sucesso nos anos 90, todo mundo amava, acho que tem um lugar no imaginário das pessoas, e sinto também que tem uma geração que não conhece, então acho bonito demais acariciar a memória de quem viveu a música nos anos 90 mas também de apresentá-la, de certo modo, para quem ainda não conhece. Sinto que as imagens da letra se transferem, se traduzem também na escolha do arranjo, na escolha do tempo, em cada instrumento dessa versão.

08) NOSSA FORÇA
A versão original de Nossa Força vem de um contexto da Ayahuasca, foi composta pelo Marano (que é também diretor e produtor musical do disco) como “música de trabalho” (música usada em rituais de Ayahuasca) e embora eu compreenda, afirme e respeite esse lugar, sentia que a letra poderia extrapolar esse ambiente, sentia que ela poderia ser mais “universal”, como um tipo de mantra pessoal, poderia ser realocada para cada pessoa diante de suas trajetórias. Todo mundo em algum momento disse pra si mesmo “não tenha medo”. Antes de gravá-la, já me sentia estimulada pela letra, e acho precioso quando isso acontece.

09) CARACAJUS
Estava ouvindo “Estado de Poesia” do Chico César assim que o disco saiu, e de repente fui completamente sugada pela segunda música, sabe aquela sensação que tudo em volta parou e só existia aquelas imagens, aquelas palavras? – Preciso cantar essa música- e por mais pretencioso que isso parecesse naquele momento, esse desejo continuou aceso em mim, como um fogo. E aí está.

10) LUZES
Luzes pra mim é uma música épica, um chamamento à luz, ao fogo, a qualquer fagulha, possibilidade de iluminação. Acho de uma poesia emocionante, como não poderia deixar de ser sendo uma composição de Paulo Leminski.

Crédito foto: Marco Novack

COM POEMAS DE FEDERICO GARCÍA LORCA E DIREÇÃO PERUANA O PARANÁ RECEBE EM MAIO O ESPETÁCULO “FLAMENCO PARA TODOS”

Dirigido e encenado por Sandro Tueros, espetáculo vai circular o Paraná em 12 municípios com 15 apresentações e oficinas gratuitas


Na foto, o ator peruano radicado em Curitiba, Sandro Tueros que além de atuar e assinar a direção do espetáculo, divide o palco com Cris Macedo, Tânia Moruna e Alê Palma. 

Entre 04 e 28 de maio, o Paraná será o palco de encontro para celebrar a cultura espanhola. Com a direção assinada por Sandro Tueros, o espetáculo “Flamenco Para Todos” reúne poemas do escritor espanhol Federico García Lorca (1898-1936), onde poesia, música e dança flamenca se encontram e fazem fusão rítmica e dramaturga.

Além das apresentações também será ministrada em cada um dos 12 municípios paranaenses a oficina sobre a relação poética de Lorca e a cultura flamenca, ambos com a entrada gratuita ao público. Os espetáculos contam com acessibilidade em LIBRAS.

A partir das obras “El Romancero Gitano” (1928) e “Poemas Del Cante Jondo” (1931) de Federico Garcia Lorca, os poemas românticos interpretados em cena originalmente em espanhol e legendados em português, propõem ao público uma viagem sensorial entre sotaques, tradição, música e claro, à sensualidade da dança flamenca.

“La Guitarra”, “El Silencio”, “Encuentro”, “La Casada Infiel” são algumas das poesias responsáveis em promover a aproximação do público com a rica cultura literária espanhola de Lorca.

“A poesia de Lorca é complexa, mas furar esta parede é imprescindível. Principalmente, quando o público tem acesso às obras e a cultura flamenca. Quando você tem a poesia, dança e o violão flamenco, não há como não ser impactado por esta rica junção autenticamente espanhola”, promove Sandro Tueros que, além de estar em cena e assinar a direção do espetáculo, também é o responsável pela fundação da ST Produções Teatrais – empresa responsável pela produção e Realização do projeto.

Em “Flamenco Para Todos”, o espetáculo conta em seu elenco com duas bailaoras – como são chamadas as bailarinas de flamenco – Cris Macedo & Tânia Moruna e o músico Alê Palma, compositor da trilha sonora original.

Acompanhado pelo violão flamenco, Alê Palma executa todas as músicas ao vivo, unindo a construção melódica pelo ritmo do Taconeo – como é chamado originalmente o sapateado flamenco.

“A bailaora Cris Macedo é uma das principais coreógrafas de flamenco do país. E quando se trata do flamenco, ela é unanimidade, pois desde a década de 1990 é responsável por disseminar o estilo pelo Brasil além de ser fundadora do Estudio y Compañía Aire Flamenco”, ressalta Sandro sobre Cris, que já produziu inúmeros espetáculos e dividiu palco com grandes artistas flamencos brasileiros e também da Espanha.

Sobre a oficina
Da magia dos palcos ao processo pedagógico, o projeto “Flamenco Para Todos”, em cada um dos municípios, vai realizar a oficina “Cruzamentos entre o Flamenco e Garcia Lorca: contribuições para a literatura”.

Destinada para professores, estudantes e público em geral, o elenco do espetáculo apresenta a relação histórica do flamenco e a influência do poeta e dramaturgo Federico García Lorca, tanto em âmbito teatral quanto literário.

A oficina híbrida, entre teoria e prática, demonstra a contribuição do flamenco e a disseminação da cultura espanhola ao redor do mundo, e propicia ao público a noção sobre as características identitárias da música latina.

As oficinas serão ministradas pela dançarina e pesquisadora da cultura flamenca Tânia Moura e pelo músico flamenco Alexandre Brown Palma, mestre em musicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

“Circular com este espetáculo por 12 cidades do nosso Estado e levá-lo a milhares de espectadores em 15 apresentações, representa não somente o reencontro desta arte universal com o espectador que tanta falta nos fez, mas também a certeza de que o teatro, a dança o circo e todas as artes que dependem do espectador, precisam estar sempre de portas abertas, tanto quanto o nosso desejo de tocar a cada um que nos assista com a nossa palavra, música e baile flamencos, num reencontro sempre ‘abierto’ [aberto em portugues]” ensina Sandro Tueros. 

Entre as cidades contempladas para receber o espetáculo em maio estão: Rio Negro (04 e 05), Campina Grande do Sul (06), Palmeira (10), Mandirituba (11), Irati (12 e 13), União da Vitória (14), Telemaco Borba (18), Laranjeiras do Sul (20), Palotina (21), Guaira (24 e 25), Medianeira (26) e Assis Chateaubriand (28).

“Flamenco Para Todos” é um projeto realizado com incentivo do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura/PROFICE – Secretaria de Estado da Cultura – Governo do Estado do Paraná e com o apoio da Companhia Paranaense de Energia COPEL.

Sobre o flamenco no Brasil
Desde 2010, o flamenco é reconhecido pela UNESCO como patrimônio imaterial da humanidade. Com origem a partir da Espanha, em bairros pobres habitados por ciganos (conhecidos por as gitanerias). O flamenco foi influenciado pela cultura árabe, judaica e cigana, onde há cada geração a expressão artística é incorporada e promove a sua história ancestral.

No Brasil, o interesse por essa arte está em expansão, principalmente em meados do século XX com a chegada dos imigrantes espanhóis. Contudo, ainda enfrenta várias dificuldades em sua difusão, principalmente pela falta de incentivo. Entretanto, em algumas regiões, principalmente ao sul do país, a cultura flamenca é destaque como produção artística e cultural.

Sobre Sandro Tueros
Natural da cidade de Lima, capital do Peru, Sandro Tueros iniciou seu trabalho artístico aos 17 anos de idade, a partir do curso de arte dramática pelo Club de Teatro de Lima. Radicado no Brasil, desde 1995 atua como ator, diretor e produtor teatral.

Entre os destaques de sua trajetória nacional, em filmes, atuou em “O Mirador” (2018) de Bruno Costa e estrelou as séries “Contracapa” (2017) e “Colônia Cecília” (2012). Em TV aberta, integrou o elenco da série “O Caçador” (2014) com direção geral de José Alvarenga e produção da Rede Globo de Televisão.

Dos palcos, “Palavra Flamenca” (2015), “Norman, Comedor de Livros” (2015), “O Príncipe e a Aviadora” (2019) e “Flamenco Para Todos” (2022/2023), são alguns dos principais destaques como diretor. Ao longo de três anos, também foi ator associado e produtor da Companhia de Teatro Sia Santa, em Campinas – SP. É graduado em Artes Cênicas – Bacharelado – Direção Teatral pela Faculdade de Artes do Paraná (2004) e com pós graduação, pela Universidade Tuiuti do Paraná, em Língua e Literatura Espanhola (2011).

Há mais de dez anos, Sandro é o responsável pela ST Produções Teatrais, produtora com sede em Curitiba, responsável pela realização de diversos projetos em todo o país.

Ficha Técnica
Das obras El Cante Jondo & El Romancero Gitano de Federico García Lorca
Direção de Produção: ST Produções Teatrais
Direção e interpretação: Sandro Tueros
Roteiro e Tradução ao português: Sandro Tueros
Músico e Compositor: Alê Palma
Bailaoras intérpretes Criadoras: Cris Macedo & Tânia Moruna
Bailaoras em vídeo: Fernanda Gimenez & Tânia Moruna
Cenário: Guenia Lemos – Prego Torto
Figurinos: Marcelo Salles & André Posselt
Projeto de iluminação: RZLuz
Técnico operador de Luz: Alexandre Luft
Adereços de cena: Máscaras e Fantasias
Caracterização para vídeo: Felipe Emmanuel Prochmann
Maquiagem para vídeo: Pedro Laurentino Luiz
Designer gráfica: Guenia Lemos
Assessoria de Imprensa: Cabana Assessoria – Lucas Cabaña e Janaina Fellini
Produção local: Enrique Gaio, Rodrigo Duarte, Dizi Joanassi, Andrio Robert, Milene Galvão, Licio Ferreira, Camila Castellón, Serli Andrade, Tiago Centena, Yago Marques, Zé Alves e Alessandra Janssen
Montador: Aladir Carlos da Silva, Cleverson de Paula Franco, Elisane Ramirez Pires, Erivelton Rosa Carvalho, Gabriel Gonçalves, Gilson Marcio do Nascimento, Guilherme Dantas de Freitas, Kewin Stach, Lucas Muniz de Almeida, Luciano França da Silva Ferreira e Pablo Henrique de Oliveira da Silva

Secretária: Andriele Tatiane Baptista, Denise de Fátima Stadler, Elizabeth da Silva Guimarães, Graciela Regina Lopes, Jéssica Richert Cordeiro da Silva, Jhennifer da Silva Vogado, Naiane Pedreira Correia, Pamela Salvador, Pricila Aparecida da Cruz, Raíssa Negroni, Ruth Maciel Dorilêo de Lima e Schirlei Terezinha Ribeiro Kraemer

Tradutor LIBRAS: Ana Paula Toledo Silva de Bassi, Corrêa Hilgemberg, Damaris Kleiss Magalhaes Pereira, Ereci Maria dos Santos Krzyzanowski, Janaine dos Santos da Silva, Joelma Mazzo, Karianny Aparecida Gerotto del Mouro, Leislie Francieli Vasconcelos da Silva, Nelci Rodrigues dos Santos, Pâmela Sabrina Hobi Maltauro, Rosangela Marcilio Bogoni, Sarah Tamara, Tania Aparecida Martins

Contrarregra: Andre Carlos de Godoi, Andressa Talyne Kraemer, Cleiton de Souza, Domingos Sávio de Lima Martinez, Domingos Sávio de Lima Martinez, Edmar de Lima, Gabriel Gonçalves, Julio Cesar Queiroz Correia, Lucindo José Machado, Mauro Sérgio Souza Pinto, Victor Nascimento Raimundo, Vitor Leonardo Nasato

Filmagem, Montagem e Edição de vídeo: BR Filmes
Direção cinematográfica: Orlando Brasil
Direção de Fotografia: Paulo Silveira
Assistente de Direção para vídeo: Nathalia Camargo
Captação de áudio para vídeo: André Kloss & Joaquim Kloss
Edição e mixagem de áudio: Kloss Estúdio
Câmera e Making of: Edson Roberto Martins
Curso audiovisual de flamenco: Victor Carlim
Técnico e montagem de luz para vídeo: Bruno das Almas Ferrari
Costureiras: Eunice Salles & Valéria Salles

Duração: 60 minutos aproximadamente.
Classificação: Livre
Origem: Curitiba – Paraná
Idioma: espanhol (legendado em português)
Ano de criação: 2021

Agradecimentos Especiais:
Centro Cultural Teatro Guaíra
Teatro José Maria Santos
Padaria América
Catharine Hill Maquiagens
Senhora Yara Chaves
Senhor Eduardo H. Engelhardt
Miri Galeano & Perla Flamenca – Consultoria coreográfica no Baile Soleá
Agência do Trabalhador da Cultura do Paraná
Aos Secretários da Cultura e produtores locais das cidades envolvidas que acolheram nosso espetáculo.

Redes Sociais
Site: https://www.stteatro.com.br/flamencoparatodos
Instagram: https://www.instagram.com/stproducoesteatrais/
Facebook: https://www.facebook.com/stteatro/
LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/st-producoes-teatrais/
Twitter: https://twitter.com/STteatro
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCDAsW2VlFbuokegMWJewvXA?reload=9
Flickr: https://www.flickr.com/photos/96752214@N03/albums
Pinterest: https://br.pinterest.com/stteatro/

OFICINA EMARANHADAS

Participe da Oficina Emaranhadas @linguaranhadas da @mostrafexo nesta segunda (3/abril) e terça-feira, 17h-19h, no @teatrotelab da @fap.unespar em curitiba com entrada franca.

Oficina seguida de apresentações sempre às 19h, com entrada livre.

O Teatro fica na Rua dos Funcionários, 1756, Cabral, Curitiba – perto da FAP e do setor de ciências agrárias da ufpr.

Nosso @sebinhofatoagenda expõe livros e discos neste evento. Venha!

RISOFLORA FESTIVAL DE CARNAVAL

@risoflorafestival acontece entre os dias 17 à 21 de fevereiro, de sexta à terça de carnaval, em São José dos Pinhais-PR, no Tio Miro Acampamentos: uma chácara com mais de 63 mil metros de área verde, com lagos, trilhas, nascentes e ótima estrutura para receber nosso festival multicultural.

Serão cinco dias de música, arte, teatro e natureza. Com programação infantil, oficinas, bazar, e é claro que o @sebinhofatoagenda também irá participar com seus livros e discos!!!

SHOWS:
Sexta:
23h – @fandanguara

Sábado:
15h30 – Xande Lírios
17h30 – @thais.morell
20h30 – @relespublica
22h30 – @orquestrafriorenta

00h – Festa Saga

Domingo:
15h30 – @leofressato
17h30 – @rubiadivino
20h30 – Rosa Armorial
22h30 – Confraria da Costa
00h – @bailedolula

Segunda:
15h30 @janinemathias
17h30 @Osencantados
20h30 @RaissaFayet
22h30 @MumbaiExpressbrasil
00h @osEngraxates

Terça:
15h30 – Siri bloco
17h30 – Riso Bloco
20h30 – @vulcaniotica
22h30 – @dimelo_imorrivel
00h – Pipoca da Jay (@jaydeoya)

OFICINAS:
Fotografia documental, Produção de Cerveja Artesanal, Dança Cigana, Poesia Marginal, Dança do ventre, Ioga.

PROGRAMAÇÃO INFANTIL:
A Colônia Risoflora acontece de sábado a terça durante o horário dos principais shows, permitindo que as mamães e papais possam curtir, enquanto a equipe do @tma.acampamentos toma conta dos pequenos. Na colônia está incluso jantar, lanche e monitoria na proporção de 1 monitor a cada 10 crianças.

O Tio Miro Acampamentos é especialista em receber escolas e grupos infantis tendo como clientes algumas das mãos exigentes escolas da região sul do Brasil.

Confira PROGRAMAÇÃO COMPLETA no insta: @risoflorafestival

LOCAL:
@tiomiroacampamentos conta com chuveiros a gás, vestiários, piscina, restaurante, lanchonete 24h, bares operados pelo festival, área coberta para os shows, arvorismo, escalada, parquinho, caiaques, horta, animais, pomares e uma equipe de monitoria para as crianças.

O Festival Risoflora de Carnaval é uma realização de: @libelulafestival @curitibajazzfestival

Muito obrigado por convidar nosso @sebinhofatoagenda@ca.fonna! ❤️

Tmj: @hype.brasil @fatoagenda

Ingressos: https://loja.risoflora.online/

“MOLHEM MINHA GOELA COM CACHAÇA DA TERRA” É APRESENTADA NO FESTIVAL DE ÓPERA DO PARANÁ

A obra dramática-musical que faz homenagem aos 200 anos da Independência do Brasil tem como pano de fundo o Alambique Boa Vista, que pertenceu ao irmão de Tiradentes

Quando, na forca, perguntaram a Tiradentes
sobre o seu último desejo, ele respondeu:
“Molhem minha goela com cachaça da terra!” 

O espetáculo “Molhem Minha Goela com Cachaça da Terra” chega ao Festival de Ópera do Paraná, com duas apresentações com entrada gratuita. Em 12/11 (sábado) às 18h, haverá a primeira apresentação na cidade de Araucária, na Casa Eliseu Voronkoff. No dia seguinte, 13/11 (domingo) às 18h, será em Curitiba, no Guairinha.

 “Molhem Minha Goela com Cachaça da Terra” é uma obra dramática-musical sobre a Inconfidência Mineira, revolta anticolonial no Brasil do século 18. Movimento de caráter republicano e separatista. Liderada por representantes da capitania de Minas Gerais, contra o domínio da coroa de Portugal, também ficou conhecida como Conjuração Mineira. Os revolucionários, batizados de inconfidentes, demonstraram sua insatisfação com a política fiscal praticada por Portugal. A revolta fracassou e teve no alferes Joaquim José da Silva Xavier, conhecido como Tiradentes, seu líder. Esta obra é dedicada ao único inconfidente negro, que também foi alferes, Vitoriano Gonçalves Veloso.


Alambique Boa Vista, cidade de Coronel Xavier Chaves (MG), que era frequentado por Tiradentes

A obra tem como pano de fundo o Alambique Boa Vista, localizado na cidade mineira de Coronel Xavier Chaves, que pertenceu ao irmão de Tiradentes, Domingos. Estabelecimento que era frequentado pelo mártir da luta pela independência. Importante lembrar que a cachaça era proibida pelos portugueses no Brasil Colonial. Por esta razão, os inconfidentes apreciavam a bebida em suas reuniões secretas como símbolo de brasilidade e liberdade.


Luiz Carlos Prestes Filho e Fernando Chaves,10ª geração de descendentes diretos de Tiradentes, atual gestor do Alambique Boa Vista. Foto: Entrada do Alambique Boa Vista, cidade de Coronel Xavier Chaves-MG

“Molhem minha goela com cachaça da terra” foi apresentada nas cidades mineiras de Coronel Xavier Chaves, São João del-Rei e Tiradentes, pela orquestra da Universidade Federal de São João del-Rei, com a regência do maestro Modesto Fonseca. Realização da Aquarius Produções Culturais. Momento quando os compositores, músicos e soprano puderam conviver com os descendentes diretos de Tiradentes.

A obra fez parte das atividades de comemoração dos 200 anos da Independência, promovidas pela Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro. Na ocasião o estudioso de música brasileira, Ricardo Cravo Albin, e o maestro e importante compositor de música contemporânea, Ricardo Tacuchian, realizaram análise sobre a originalidade da obra.

Degustação de cachaça
Dias após as apresentações do espetáculo, serão realizadas duas degustações de cachaças em Curitiba, em 16/11 (quarta-feira) às 19h30 no Restaurante Nina (Rua Marechal Deodoro, 847) e em 17/11 (quinta-feira) na Cachaçaria Regui Brasil (Rua Cel. José Carvalho de Oliveira, 231, bairro Uberaba). Em ambos os eventos serão degustadas as cachaças Século XVIII (a cachaça que Tiradentes apreciava, hoje produzida pelo Alambique Boa Vista), Werneck, Magnífica, Pereirinha, Vilarejo, Santa Fé, Dona Bega e Regui Brasil. As degustações serão orientadas por Orlando Osmar Regis, cachaceiro de profissão e colecionador e Lucia Regis, presidente da Confraria Paranaense da Cachaça. O evento de quinta-feira na Cachaçaria Regui Brasil contará ainda com a presença de Deisy Regis Stange, especialista em destilados e gastronomia com cachaça na equipe que orientará as degustações. Neste dia, também será promovido um bate-papo sobre a obra dramático-musical “Molhem minha goela com cachaça da terra”. Nas duas ocasiões serão sorteados 10 livros “Trilogia Heroica” de autoria de Luiz Carlos Prestes Filho. A obra “Molhem minha goela com cachaça da terra” faz parte desta publicação da Editora Quanta.

O espetáculo “Molhem Minha Goela com Cachaça da Terra” tem apoios das cachaças Século XVIII, Regui Brasil, Werneck, Magnífica, Vilarejo, Dona Bega e Santa Fé; das pessoas físicas Paulo Bracarense, Fernando Chaves, Rubens Chaves, Sinoel Batista, Luiz Alfredo Salomão e Frederico Lemos; e do Observatório da Cultura do Brasil.

Serviço:
“Molhem Minha Goela com Cachaça da Terra”
Apresentações no Festival de Ópera do Paraná
– Dia 12 de novembro de 2022, 18h, em Araucária, Casa Eliseu Voronkoff (Rua Julieta Vidal Ozório, 413 – Centro)
– Dia 13 de novembro de 2022, 18h, em Curitiba, no Guairinha (R. XV de Novembro, 971 – Centro)
https://www.festivaldeopera.org/

Poesia e letras das canções para soprano e orquestra: Luiz Carlos Prestes Filho
Pesquisa histórica: Ivan Alves Filho e Luiz Carlos Prestes Filho
Música: Lucas Bueno e Luiz Carlos Prestes Filho
Soprano: Júlia Félix
Arranjos: Modesto Fonseca
Quarteto de Cordas (Universidade Federal de São João del-Rei):
Violino: Lucas Paiva; Violino: Bruno Lucena;
Viola: Kennedy Oliveira; Violoncelo: Lara Cota
Produção: Ricardo de Moraes

ESPETÁCULO DE TEATRO-DANÇA PARA O PÚBLICO INFANTIL FALA SOBRE MOMENTOS INESQUECÍVEIS DA INFÂNCIA

Espetáculo A menina; o cachorro; o velho… Foto: Larissa de Lima.

A estreia de “A menina; o cachorro; o velho” arrecadará alimentos para instituições de apoio às crianças e aos idosos

O Obragem Grupo de Teatro estreia seu mais novo espetáculo de teatro-dança para o público infantil, “A menina; o cachorro; o velho..”, no dia 29 de outubro, às 16h, no espaço da cia (Alameda Júlia da Costa, 204 – São Francisco, Curitiba). A temporada segue até o dia 13 de novembro e cada ingresso será trocado por um quilo de alimento não perecível e sem origem animal. A arrecadação é destinada às instituições de apoio à criança e/ou idoso. Para fazer a reserva basta acessar aqui

A peça mostra que a solidão pode ser vivenciada por pessoas de todas as idades e inclusive pelos animais. No entanto, nós podemos extrair uma experiência de aprendizado com esse sentimento e, ainda, vivenciar a amizade como uma forma de nos despertar para um mundo novo. Com cenas coreografadas e música executada ao vivo, a personagem Augustina caminha no Tempo e reencontra os amigos Galápagos e Havaí, para nos mostrar a importância dos pequenos instantes da vida, com uma história repleta de vivências de tolerância e amor.

Segundo a dramaturga e diretora Olga Nenevê “diante de tempos tão sombrios, a peça trata de importantes assuntos para crianças e adultos, como o abandono; a morte; e a nossa capacidade de transformação de uma forma tocante”, aponta a diretora.

O espetáculo, com indicação livre, tem duração aproximada de 50 minutos e  integra as ações comemorativas dos 20 anos de atuação contínua do Grupo Obragem de Teatro. “A menina; o cachorro; o velho…” será apresentado para crianças de escolas públicas gratuitamente e para o público espontâneo, com ingresso solidário (1kg de alimento). As reservas para as sessões devem ser feitas com o mínimo de 24h de antecedência. Ainda, no dia 28 de outubro, o Grupo realiza uma apresentação especial na programação de teatro para crianças “Janelas”, realizada pela Ave Lola Trupe de Teatro.

Sobre o Grupo Obragem de Teatro
Dirigido pelos artistas Olga Nenevê e Eduardo Giacomini, o Grupo Obragem LIGA PESSOAS e promove EXPERIÊNCIAS, que estimulam novas visões de mundo. Desde a sua fundação, em 2002, o Grupo Obragem cultiva e fortalece o pensamento artístico, como potente instrumento para o crescimento humano. Com várias produções, com trabalhos para público adulto e infantil, a Obragem já circulou por várias cidades do Brasil e participou de importantes eventos culturais como: Festival Internacional de São José do Rio Preto; Festival Internacional de Londrina – Filo; circulou pela Caixa Cultural SP e BA; SESI/SP e SESI/PR.

“PROJETO REALIZADO COM O APOIO DO PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA (PROFICE) – SECRETARIA DE ESTADO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL E DA CULTURA – GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ, COM INCENTIVO DA COPEL.”

Ficha técnica
Dramaturgia e direção: Olga Nenevê
Elenco: Ane Adade/ Eduardo Giacomini/Guenia Lemos/Patrícia Machado
Trilha musical original e direção musical: Gilson Fukushima
Músico intérprete: Ravi Brasileiro
Cenário: Guenia Lemos
Iluminação: Wagner Corrêa
Figurino: Eduardo Giacomini
Maquiagem: Marcelino de Mirandha
Designer gráfico: Alessandra Nenevê
Assessoria de comunicação: Jamilssa Melo e Larissa Lima
Produção executiva: Grupo Obragem de Teatro
Assistente de produção: Ariel Pascke
Captação de recursos: Caroline Roehrig
Empreendedora: Olga Nenevê

Serviço:
O quê: “A menina; o velho; o cachorro; …” – peça de dança e imagens para crianças
Quando: 29/10 a 13/11 – sábados e domingos 16h – sextas-feiras 19h
SESSÕES:
– SESSÃO 1: 29/11/2022 (SÁBADO), ÀS 16H.
– SESSÃO 2: 04/11/2022 (SEXTA-FEIRA), ÀS 19H.
– SESSÃO 3: 05/11/2022 (SÁBADO), ÀS 16H.
– SESSÃO 4: 06/11/2022 (DOMINGO), ÀS 16H.
– SESSÃO 5: 11/11/2022 (SEXTA-FEIRA), ÀS 19H.
– SESSÃO 6: 12/11/2022 (SÁBADO), ÀS 16H.
– SESSÃO 7: 13/11/2022 (DOMINGO), ÀS 16H
Onde: Espaço Obragem – criação e compartilhamento artístico
Alameda Júlia da Costa, 204 – São Francisco, Curitiba
Quanto: 1Kg de alimento não perecível e sem origem animal
Classificação: Livre
Reservas: aqui
Contato para falar sobre reserva: (41) 99652-5491
Contato de imprensa: Jamilssa Melo l (41) 9 9902-1070

ESPETÁCULO ALGO PASA AQUI REALIZA TEMPORADA NO ESPAÇO FANTÁSTICO DAS ARTES

Foto: Guilherme Danelhuk.

A peça reúne dois coletivos curitibanos para a montagem de dramaturgia inédita de Vinicius Medeiros.

Estreia na capital paranaense “algo pasa aqui”, um espetáculo inédito que reúne em parceria dois grupos artísticos de Curitiba: a Companhia Projétil de Teatro e a TEATRO SECALHAR. A temporada começa nesta quinta-feira, dia 03 de novembro, e segue até o dia 27 de novembro no Teatro Espaço Fantástico das Artes (Rua Trajano Reis, 41 – São Francisco) de quinta a sábado às 20h e nos domingos com sessões duplas às 18h e às 20h. Serão vinte apresentações para público espontâneo e os ingressos gratuitos deverão ser retirados uma hora antes do espetáculo (sujeito a lotação). Em cinco dessas apresentações haverá intérprete de libras. A montagem parte do texto inédito escrito em 2019 pelo dramaturgo Vinicius Medeiros no Núcleo de Dramaturgia do SESI PR.

Dirigida por Fernando Vettore, a peça se passa em uma sacada em Valparaíso no Chile. Em cena, os atores Igor Kierke e Paulo Soares tentam se comunicar a partir das distâncias entre um corpo brasileiro e outro venezuelano. Duas nacionalidades, dois idiomas, três países. Insistem na comunicação, reconhecem, no rosto um do outro, nos dentes gastos, uma história conjunta pregressa. Tentam lembrar. Sonham uma história por fazer, história coletiva de reordenação do futuro; sonham uma língua nova, na qual possam dizer o que ainda não foi dito. Descobrem: não estão sós. São eles, os dois e mais milhões e milhões. Por toda parte. Pela rua. As fronteiras não durarão muito mais.

SERVIÇO:
ESPETÁCULO ALGO PASA AQUI
Teatro Espaço Fantástico das Artes (Rua Trajano Reis, 41 – São Francisco).
27 de outubro a 27 de novembro
quinta a domingo às 20h
sessões extras nos domingos às 18h
sessões com tradução para Libras 05/11 (sábado) – 20h,  10/11 (quinta-feira) – 20h, 19/11 (sábado) – 20h, 20/11 (domingo) – 18h, 25/11 (sexta-feira) – 20h.

FICHA TÉCNICA:
Dramaturgia: Vinicius Medeiros
Direção: Fernando Vettore
Elenco: Igor Kierke e Paulo Soares
Direção de Produção: Keila Aquino
Assistente de Produção: Karina Rozek
Trilha Sonora Original: Gilson Fukushima
Letra e voz da canção “O que importa?” – Thiago Menegassi
Preparação Vocal: Edith de Camargo
Preparação Corporal: Milena Plahtyn
Cenógrafo e Figurinista: Paulo Vinícius
Cenotécnico: Fabiano Hoffmann
Contrarregras: Amanda Curedes e Yura
Aderecista: Jade Giaxa
Visagista: Rafael Rodrigues
Iluminador e Operador de Luz: Alan Cristian
Operadora de Som: Fernanda Peyerl
Intérprete de Libras: Jonatas Medeiros
Consultora de Espanhol: Emília Moreira
Design gráfico: Adriana Alegria
Assessoria de Imprensa: Vitória Gabarda
Mídias Sociais: Jade Giaxa e Keila Aquino
Criação de Teaser: Guilherme Danelhuk
Registro Audiovisual: Larissa de Lima
Fotógrafa: Elenize Dezgeniski

TRUPE AVE LOLA OFERECE PROGRAMAÇÃO INTERNACIONAL DE TEATRO PARA CRIANÇAS DE ESCOLAS PÚBLICAS

Espetáculos da Dinamarca, Holanda e Brasil integram “Janelas – programação teatral para crianças”

O “Janelas – programação para crianças” é uma realização da Ave Lola Espaço de Criação que tem sua primeira edição entre os dias 19 e 28 de outubro de 2022. Será a primeira programação da Ave Lola completamente voltada para o público infantil. “Janelas” traz espetáculos nacionais e internacionais; estreias teatrais; contação de histórias; oficinas para crianças; debates e palestras para educadores; show musical para todas as idades. O projeto levará crianças das escolas públicas do Paraná para assistirem os espetáculos nos teatros que fazem parte da programação, além de ir até as escolas para oferecer oficinas de criação de texto para os alunos. O público espontâneo também terá acesso a programação realizando sua reserva com antecedência pelo site http://www.avelola.net.br/ ou pelo https://www.sympla.com.br/

Dentro da programação terá a estreia de “O Vira-Lata”, o primeiro espetáculo da Trupe Ave Lola para crianças. Foi com “O Vira-Lata” que nasceu o “Janelas”. A montagem do novo espetáculo iniciou a partir de uma importante ação de intercâmbio entre a Ave Lola, uma trupe reconhecida nacionalmente em seus 12 anos de existência, e um expoente do teatro europeu para crianças, o grupo dinamarquês Batida, o qual possui mais de três décadas de pesquisa e trabalho dedicadas a este público. O grupo Batida está na programação com os espetáculos “Spaghetti” e “The Smallest Story in the World”. Junta-se aos espetáculos internacionais, o grupo Plan D- da Holanda com “TREE!”.

A programação acontece não só na sede da Ave Lola, mas também em escolas públicas, no Campo das Artes (Balsa Nova) e no espaço do Grupo Obragem de Teatro que também estreia seu mais novo espetáculo “A menina, o cachorro, o velho…” um espetáculo de teatro dança para o público a partir de 3 anos.

“Janelas – programação para crianças”, além dos espetáculos, os quais terão sessões dedicadas especialmente para crianças da rede pública de ensino do Paraná, também trará atividades lúdicas para crianças tanto nas escolas, quanto na sede da Ave Lola, situada no Centro de Curitiba. A diretora da trupe, Ana Rosa Genari Tezza, explica que um dos objetivos da realização é criar um espaço reflexivo e formativo com debates e palestras, proporcionando um lugar de fruição, encontro de experiências e pensamento crítico, com artistas e pesquisadores de renome nacional e internacional. “Acreditamos que isso viabiliza a continuidade à pesquisa de linguagem teatral das companhias envolvidas bem como desenvolvimento e aprimoramento de um trabalho teatral consistente para crianças, sabendo que o teatro é uma ferramenta multidisciplinar de grandes potencialidades pedagógicas e de sensibilização da criança para as artes”, aprofunda a diretora.

Um dos pilares do projeto está na união entre arte, ciência e educação. A parceria entre o Hospital Pequeno Príncipe e a Ave Lola, ofereceu uma oficina portátil de teatro contendo quatro jogos teatrais para crianças em tratamento no Hospital Pequeno Príncipe (HPP). Uma das motivações, segundo Ana Rosa Genari Tezza, é o entendimento de que os processos que envolvem a arte, criam condições para a ressignificação nas relações já estabelecidas e oportunizam a constante reflexão sobre os papéis desempenhados pelos artistas em sua profissão e na vida. “Aproximando o fazer artístico a crianças em situação de saúde debilitada, contribuímos para o acesso à cultura e ao belo”, pontua Tezza.

“Janelas – Programação de teatro para crianças” é uma realização do Ministério Turismo e do Ave Lola e As Meninas Espaço de Criação, pela Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio de: Aldo Solar; Gestamp Paraná; Politec Saúde; Kuhn Brasil; Tintas Dacar; Lojas Milium; Gemalto; Palsgaard; Tintas Alessi; Laquila Peças; Flexoprint.; Agrosul Produtos Veterinários; Ritmo Logistica; Distribuidora Nova Geração.

PROGRAMAÇÃO:
ESPETÁCULOS

O Vira-lata (Estreia)
Data: 19 e 20 de outubro (quarta-feira e quinta-feira)
Hora: 14:30
Companhia: Ave Lola (Brasil)
Sinopse: O Vira-lata é a história de como uma amizade verdadeira pode despertar o que nós temos de melhor. Vencer os desafios fica mais fácil quando fazemos isso juntos e sem esquecer do que mais importa: o amor.
Classificação indicativa: 7+
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)

TREE!
Data: 21 e 22 de outubro (sexta-feira e sábado)
Hora: Sexta-feira às 09:00 e às 14:30; sábado às 11:00
Companhia: Plan D- (Holanda)
Sinopse: Uma ode à natureza: resistente, constante e durável!
Tree! nos leva a uma emocionante expedição interativa pelo mundo das árvores. Dança, acrobacias, música ao vivo e encontros inesperados em um passeio cheio de fantasia e humor.

O espetáculo do grupo Plan D é para toda a família e fala sobre conexão e solidariedade, respeito e resiliência quando as coisas dão errado. Um passeio dançando pela natureza que permite que você experimente como as árvores veem o mundo.

Classificação indicativa: 4+

Local: Associação Eunice Weaver do Paraná (R. Dr. Alarico Vieira de Alencar, 10 – Bacacheri, Curitiba – PR, 82520-760)


Espetáculo Spaghetti

Spaghetti
Data: 25 de outubro (terça-feira)
Hora: 09:30 e 14:30 (sessão dupla)
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)
Data: 27 de outubro (quinta-feira)
Hora: 14:00 (sessão única)
Local: Campo das Artes (83600-000, Estr. da Lage, Balsa Nova – PR, 83650-000)
Companhia: Grupo Batida (Dinamarca)
Sinopse:
Dois homens altos e magros cozinham espaguete como ninguém! Fazer e comer espaguete os deixam alegres e dão a eles a aparência que possuem. Não muito longe deles, o seu vizinho que não é nada alto, nem nada magro, mas muito faminto, deseja poder comer aquele espaguete tão especial.
Nessa história doce, comovente e cheia de música, reconhecemos tamanhos incompatíveis que, ao final, se unem!
Classificação indicativa: 3+

The Smallest Story in the World
Data: 26 de outubro (quarta-feira)
Hora: 09:30 e 14:30 (sessão dupla)
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)
Data: 28 de outubro (sexta-feira)
Hora: 14:00 (sessão única)
Local: Campo das Artes (Estr. da Lage, Balsa Nova – PR, 83650-000)
Companhia: Grupo Batida (Dinamarca)
Sinopse: Um encontro musical entre uma garota comum e um pinguim que pode ficar de cabeça para baixo e assobiar. O pinguim come cinco peixes no café da manhã e fala fluentemente a língua dos pinguins. Dois atores encantadores garantem que o público mirim, que pode estar experimentando o teatro pela primeira vez, queira bis.
Classificação indicativa: 1½+

A menina, o cachorro, o velho… (Estreia)
Data: 28 de outubro (sexta-feira)
Hora: 09:00
Companhia: Grupo Obragem (Brasil)
Sinopse: Uma peça de dança e imagens para crianças. Neste espetáculo, poderemos ver a transformação que a amizade pode promover na vida de diferentes seres vivos. Nesta aventura, repleta de poesia, vivências de compaixão, tolerância e amor, a experiência com a amizade é transformadora.
Classificação indicativa: 3+
Local: Espaço Obragem (Alameda Júlia da Costa, 204 – São Francisco, Curitiba – PR, 80410-070)

DEBATES E PALESTRAS

“Arte, Saúde e Educação: um espaço de construção possível”
Data: 20 de outubro (quinta-feira)
Hora: 19:00
Duração: 1h30m
Ministrantes: Cláudio Teixeira e Maria Gloss (Brasil)
Sinopse: Roda de debate sobre o trabalho e a experiência de profissionais do setor de Educação e Cultura do Hospital Pediátrico Pequeno Príncipe.
Classificação indicativa: jovens e adultos
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)
*Ação com tradução simultânea para libras.

Mesa de debate sobre teatro para criança
Data: 24 de outubro (segunda-feira)
Hora: 19:00
Duração: 1h30m
Participação: Grupos artísticos convidados do Janelas.
Sinopse: Mesa de debate com os artistas das companhias convidadas para o “JANELAS – Programação de Teatro para Crianças” sobre teatro para crianças, compartilhando suas trajetórias de trabalho em um encontro reflexivo com um público interessado no desenvolvimento da arte para crianças.
Classificação indicativa: jovens e adultos
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)
*Ação com tradução simultânea para libras.

Pré-lançamento do livro “Sem querer ou A vida de Íris” de Isadora Hofstaetter e Carla Irusta
Data: 25 de outubro (terça-feira)
Hora: 15:10
Sinopse: Íris nasce de uma não-coincidência e assim toda sua vida se desenrola. Com o passar do tempo, é pela escrita que a menina se identifica: pelas letras ela se reconhece e se percebe capaz de costurar histórias. “Ela tem uma sensação de fazer tudo sem querer, como se sua vida fosse ocasional. Ao longo da história, por meio da escrita, ela entende o quanto suas ações modificam o mundo ao seu redor e assim, acompanhamos o amadurecimento da personagem”, conta Isadora, que assina o texto da publicação ilustrada por Carla Irusta.
Classificação: Livre
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)

Palestra “O Teatro como Espaço Multidisciplinar na Educação”
Data: 25 de outubro (terça-feira)
Hora: 19:00
Duração: 1h30m
Ministrante: Laura Monte Serrat (Brasil)
Sinopse: A palestra discute o teatro como espaço multidisciplinar na educação. Palestra destinada para professores da rede pública de ensino e interessados no assunto.
Público: Jovens e adultos.
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)
*Ação com tradução simultânea para libras.

Palestra “Primeira Infância – A Época de Ouro na Formação da Inteligência”
Data: 26 de outubro (quarta-feira)
Hora: 19:00
Duração: 1h30m
Ministrante: Fabiana Bruniere (Brasil)
Sinopse: A palestra visa enfatizar as possibilidades reais de formação da inteligência e das sensibilidades na primeira infância. Programação destinada para professores da rede pública de ensino e interessados no assunto.
Público: Jovens e adultos.
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)
*Ação com tradução simultânea para libras.

PROGRAMAÇÃO LÚDICA

Contação de histórias
Data: 22 de outubro (sábado)
Hora: 15:00
Contadora de história: Ailén Roberto (Brasil)
Sinopse: Ouvir uma história nos faz descobrir novos universos, de uma forma que aprendemos muito sobre nossa cultura! A contadora de histórias Ailén Roberto nos leva para um mundo mágico, lúdico, onde ouvimos, brincamos e escutamos atentamente as histórias que ela tem para nos contar.
Classificação indicativa: Livre
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)

Oficina de Gravuras
Data: 22 de outubro (sábado)
Hora: 16:00
Ministrante: Mateus Rettamozo (Brasil)
Sinopse: Um espaço para trabalhar a criatividade com diversão e ludicidade. A oficina de gravuras irá mostrar para as crianças, na prática, como as simples brincadeiras podem nos levar a lugares fantásticos, por meio dos desenhos e da imaginação.
Classificação indicativa: 7+
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)

Tapetinhos com atividades lúdicas
Data: 23 de outubro (domingo)
Hora: 15:00
Realização: Ave Lola (Brasil)
Sinopse: Cada tapetinho é um universo diferente! Teremos atividades que irão envolver as crianças com papéis para colorir, histórias para contar e ações para trabalhar a criatividade com muita diversão.
Classificação indicativa: Livre
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)

Oficina “Criando Textos para Crianças”
Data: 24, 25 e 26 de outubro (segunda-feira, terça-feira e quarta-feira)
Hora: Das 10:00 até 12:00
Ministrante: Ailén Roberto (Brasil)
Sinopse: A oficina será ministrada pela atriz e contadora de histórias, Ailén Roberto, especializada em escrita criativa, e servirá para estimular o gosto pela literatura e dramaturgia.
Público: Alunos do terceiro, quarto e quinto ano do ensino fundamental.
Local: Escola Ensino Fundamental Sady Sousa (Rua Coronel Victor Agner Kendrick, 440 – Sítio Cercado, Curitiba – PR, 81910-470)

MÚSICA


Bamberê Baquetá. Foto: Vanessa Vzorek.

Espetáculo/show Bamberê
Data: 23 de outubro (domingo)
Hora: 16:00
Companhia: Grupo Baquetá (Brasil)
Sinopse: Bamberê, palavra africana, remete às canções de ninar amazônicas. É nome também do espetáculo do Grupo Baquetá, que passeia por ritmos afro urbanos como funk e rap, mesclando canções com histórias e brincadeiras, todas autorais, abordando as diversidades culturais, sociais e ambientais do Brasil.

Com um detalhe: grande parte dos instrumentos é feita com material alternativo. Esse gancho de sustentabilidade também está presente no material dos bonecos, que são reciclados, e na mensagem das brincadeiras, que trazem o respeito ao meio ambiente, a importância das águas e das florestas para a vida humana, e a reflexão sobre pertencimento e qualidade de vida na infância e adolescência.
Classificação indicativa: Livre
Local: Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)

SERVIÇO
O que:
“Janelas – Programação de teatro para crianças”
Espetáculos nacionais e internacionais; estreias teatrais; contação de histórias; oficinas para crianças; debates e palestras para educadores; show musical para todas as idades.
Quando:
De 19 a 28 de outubro/2022
Onde:
A programação acontecerá nos seguintes espaços:
– Ave Lola Espaço de Criação (Rua Marechal Deodoro, 1227, Centro)
– Associação Eunice Weaver do Paraná (R. Dr. Alarico Vieira de Alencar, 10 – Bacacheri, Curitiba – PR, 82520-760)
– Campo das Artes (Estr. da Lage, Balsa Nova – PR, 83650-000)
– Espaço Obragem (Alameda Júlia da Costa, 204 – São Francisco, Curitiba – PR, 80410-070)
– Escola Ensino Fundamental Sady Sousa (Rua Coronel Victor Agner Kendrick, 440 – Sítio Cercado, Curitiba – PR, 81910-470)
Quanto: Gratuita e “Pague o Quanto Vale”
Reservas:
http://www.avelola.net.br/
https://www.sympla.com.br/
Contato: 41 99668-8927
Contato de Imprensa: Jamilssa Melo | 41-99902-1070

TEATRO NOVELAS CURITIBANAS – CLAUDETE PEREIRA JORGE RECEBE ESPETÁCULOS, POCKET SHOWS, INSTALAÇÕES E PERFORMANCES DURANTE TODO O MÊS DE OUTUBRO

A programação integra a 2ª Mostra Claudete Pereira Jorge, que acontece de 08 a 28 de outubro, de forma totalmente gratuita

Durante todo o mês de outubro, o Teatro Novelas Curitibanas – Claudete Pereira Jorge recebe 20 atrações gratuitas, com programação gratuita para toda a família. Isso porque a 2ª edição da Mostra Claudete Pereira Jorge, que acontece até o dia 28 de outubro, promove uma verdadeira ocupação do Teatro, com espetáculos adultos e infantis, pocket shows, instalações e performances. A Mostra ainda oferece oficinas, realizadas em outros espaços culturais da cidade.

Ao todo, quatro pocket shows vão ocupar o palco do Teatro — batizado em homenagem à atriz Claudete Pereira Jorge, que também dá nome à Mostra —, sempre antecedendo uma apresentação de teatro. No dia 14, a artista Klüber apresenta as canções do recém-lançado disco “Pra Duvidar”. Já no dia 20, é a vez de Daniel Montelles, músico maranhense radicado em Curitiba, subir ao palco com as canções de “Matriz”, seu novo trabalho. No dia 21, o casal de músicos Yoná Masullo e Claudemir Franco entretem a plateia com músicas autorais e instrumentos de corda. A agenda de pocket shows se encerra no dia 22 de outubro, quando Chico Paes se apresenta com voz e violão.

Além do palco, o hall do Teatro também é ocupado com exposição, manifesto, aberturas de processos e performances. Durante todo o período da Mostra, o público pode visitar a exposição “CLAU”, do artista Samuel Gallo, que utiliza de formas com tinta acrílica, carvão, caneta,  texturas e diversos corantes naturais, como o café, chás e vinho para  homenagear e celebrar a trajetória de Claudete Pereira Jorge. No feriado do dia 12, a atriz Helena de Jorge Portela realiza a abertura de processo da obra “O Barco”, nova montagem da Cia. Fluctissonante que leva a audiodescrição para dentro da cena. No dia 16, acontece a intervenção/performance “Dentro do Peito uma Bomba”, da atriz Patrícia Cipriano. Outra abertura de processo acontece no dia 19, dessa vez com “Dito”, da Súbita Companhia de Teatro. No dia 23, a “rádiO atalalaiA – O Amor Está no Ar” chega com a proposta de promover uma transmissão “corpa a corpa”. Para fechar a programação de ações paralelas, a artista Stéfano Belo se apresenta com a performance “Acarajé Dada Pocket Show”.

A programação também oferece quatro oficinas gratuitas para artistas e público interessado: “Introdução ao teatro para surdas e surdos”, com Catharine Moreira e Helena de Jorge Portela, no Sesi Paula Gomes. Já a Biblioteca Pública do Paraná recebe as oficinas “Criação autoral”, com Maíra Lour, “O corpo e a voz”, com Katia Drumond e “Cabaré jogo ferida obra aberta”, com Ricardo Nolasco. O artista Chico Paes realizará, em escolas da rede pública de ensino, a oficina direcionada “Meu Primeiro Samba”, em que alunos do ensino médio da rede pública poderão compor suas primeiras letras.

Já a programação teatral, que é o foco principal da Mostra, fica por conta de “Alexandria 8836BR”, com o Grupo P.U.T.O, nos dias 13 e 14; “Os Reis do Ringue” e “Caça às Bruxas”, dos coletivos drags Kings Of The Night e PsicoDrags, nos dias 15 e 16; “Tropeço”, da Tato Criação Cênica, nos dias 20 e 21 de outubro; “Carmela, Caramelo e Remela”, da Arto Companhia de Teatro, e “O Arquipélago”, da Súbita Companhia de Teatro, no final de semana dos dias 22 e 23; “Trava Bruta”, com a atriz Leonarda Glück, nos dias 26 e 27 e; “Cabaret Tarot” + “Um bailinho perdido”, ambos da Selvática Ações Artísticas, no dia 28, para fechar a Mostra.

Uma apresentação de cada espetáculo contará com interpretação simultânea em Libras, sendo “Alexandria 8836BR” no dia 14, “Caça às Bruxas” no dia 16, “O Arquipélago” no dia 23, “Trava Bruta” no dia 27 e “Cabaret Tarot” + “Um bailinho perdido” no dia 28.

O diretor de produção da Mostra, Igor Augustho, comenta sobre a pluralidade da programação. “A ideia é que o público possa, também, ocupar o teatro de outros modos. Em uma mesma noite é possível assistir a um pocket show e uma peça de teatro, ampliando a experiência de quem vier ao Novelas e possibilitando outros olhares para o panorama das artes de Curitiba. Às vezes, o público que viria assistir a uma peça específica, acaba tendo contato com um músico que não assistira normalmente”, diz ele.

O evento, realizado pela Cia. Fluctissonante, NBP Produções e Pomeiro Gestão Cultural, reúne uma intensa programação gratuita, com produções consagradas ou que estão em destaque na cena curitibana, de modo a democratizar o acesso à cultura da população. A primeira edição aconteceu nos meses de junho e julho de 2019 e apresentou um breve recorte da produção artística em voga na época.

PROJETO REALIZADO COM RECURSOS DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA.


Claudete Pereira Jorge. Foto: Gilson Camargo.

Sobre Claudete Pereira Jorge
Claudete Pereira Jorge nasceu em Ponta Grossa em 1954. Com 20 anos, recém chegada de Cascavel, foi convidada para substituir uma atriz que havia faltado um ensaio. Pronto! Foi o que bastou para que, daquele dia em diante, além de substituir a faltosa em definitivo, demonstrasse o talento nato para o teatro. Desde o início da carreira integrou a NBP Produções, dirigindo e atuando em diversas montagens. Paralelamente, esteve em dezenas de espetáculos curitibanos. Com a direção de Manoel Carlos Karam em “O Cavalo Branco De Napoleão”; Antônio Carlos Kraide em “Curitiba Velha de Guerra” e “A Dama de Copas e o Rei de Cuba”; Oraci Gemba em “Zumbi”, “Via Cruscis” e “O Cerco da Lapa”; Felipe Hirsch em “Por um Novo Incêndio Romântico” e Marcelo Marchioro em “Pequenos Assassinatos”, “Lulu”, “Medeia”, “À Grega” e “Pico na Veia”, sendo que por estes dois últimos ganhou o Troféu Gralha Azul de Melhor Atriz. Claudete se tornou grande amiga do diretor Ademar Guerra e, sob a sua direção, atuou em “Noite na Taverna”, “Colônia Cecilia”, entre outras peças. Sob a direção de Octavio Camargo, atuou em “Leminski – A justa razão aqui delira” e “Catatau”. Além de Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro, e a convite da primeira Bienal de Arte Contemporânea de Tessalônik na Grécia, apresentou em Atenas, Berlim, Skopje e Amsterdam o Canto I da Ilíada de Homero na língua portuguesa. Em Curitiba, esteve junto a grupos como Cia. Fluctissonante, Selvática Ações Artísticas, Minha Nossa, Tamanduá Produções, TCP, CiaIliadaHomero, entre outros. Claudete Pereira Jorge, atuou em muitos outros trabalhos, com outros tantos diretores e diretoras e com diversos atores e atrizes de Curitiba em teatro e cinema. Nos deixou, desde 2016, um legado incalculável, que merece ser respeitado, lembrado e aplaudido pelas futuras gerações das artes brasileiras.

SERVIÇO
2ª Mostra Claudete Pereira Jorge
De 08 a 28 de outubro
No Teatro Novelas Curitibanas – Claudete Pereira Jorge
Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1.222 – São Francisco, Curitiba
Entrada gratuita – distribuição de ingressos uma hora antes de cada apresentação.
Mais informações no Instagram da Mostra: https://www.instagram.com/mostraclaudete/

O BARCO – Abertura de Processo
12/out I 20h00 I Cia. Fluctissonante I 16 Anos
SINOPSE: Em seu mais recente espetáculo, a Cia. Fluctissonante propõe-se, pela primeira vez, criar um espetáculo que leva a audiodescrição para dentro da cena. Continuando a pesquisa iniciada em “Foi Assim Que O Oceano Invadiu a Minha Casa”, Helena de Jorge Portela revisita suas memórias familiares, desta vez homenageando seu pai, Nautilio Bronholo Portela, que em 2022 comemora 50 anos de trajetória no teatro. Nesta abertura do processo que teve início em 2022, através de residência artística no festival Acessa BH, Helena realizará a leitura do texto de sua autoria, em que, frente ao teatro vazio, rememora sua trajetória no teatro.


ALEXANDRIA 8836BR. Foto: Elenize Dezgeniski.

ALEXANDRIA 8836BR
13 e 14/out I 20h00 I Grupo P.U.T.O I 16 anos
SINOPSE: Quais as chances de se evitar uma tragédia anunciada?  O que se espera do futuro que se constrói nesse presente caótico? De que serve um artista no meio de tudo isso? Essas (e algumas outras) questões conduziram o processo de criação que metaforiza o Brasil pandêmico e pandemônico para ALEXANDRIA 8836BR: Uma nave. Uma arca. Uma biblioteca. Um bunker. Uma cápsula do tempo. Uma tentativa de salvar a humanidade, de antemão frustrada, por não conseguir precisar o que “humanidade” significa.

PRA  DUVIDAR
14/out I 19h20 I Joã Klüber I Livre
SINOPSE: Klüber apresenta em seu show canções do disco Pra Duvidar, recém-lançado em 23 de setembro. Trans não-binária, a artista se apresenta ao piano numa concepção intimista, ácida, pragmática e terna.

O REI DO RINGUE + CAÇA ÀS BRUXAS
15 e 16/out I 20h00 I Kings Of The Night + PsicoDrags I 18 anos
SINOPSE: Essa minimostra reúne os trabalhos ‘Caça às bruxas’, das Psicodrags, e ‘O rei do ringue’, dos Kings of the night, coletivos com base em Curitiba que partem do transformismo e do burlesco, com humor, crítica, acidez e com uma relação direta e dinâmica com o público, típica do formato cabaré. “Caça às bruxas” (2019) reúne números e performances musicais, teatrais, burlescas e de dublagem, tendo como foco as bruxas, não só as bruxas do imaginário europeu, mas a bruxa como a figura que tem o potencial de ser perseguida e de segurar o tranco. Já “O rei do ringue”, traz paródias da masculinidade, recriando em um espaço cultural um dos lugares considerados mais masculinos na nossa sociedade: um ringue de luta. Nesse ringue surgem as personalidades totalmente diversas de cada king, debochadas, irônicas, filosóficas, absurdas.

*O Rei do Ringue será apresentado no dia 15 e Caça às Bruxas será apresentado no dia 16.

DENTRO DO PEITO UMA BOMBA
16/out I 19h20 I Patricia Cipriano I Livre 
SINOPSE: Pela cidade um corpo campo minado em trânsito. Um corpo que rejeita a mulheridade e invoca a fúria retirada a força em detrimento da doçura enfiada goela abaixo!

“dentro do peito uma bomba” é uma intervenção e performance criada por Patricia Cipriano em parceria com Amira Massabki, as matérias primas deste acontecimento são o mito da medusa e a pedra. Aqui o olhar que cruza não petrifica e sim convoca. Já não há mais heróis, eles viraram escombros e o marco zero é aqui agora.

Este trabalho também é um convite para erguer novos monumentos e contar outras histórias a partir da pergunta: o que podem os corpos que portam bombas dentro do peito?

DITO – Abertura de Processo
19/out I 20h00 I Súbita Companhia I 16 Anos
SINOPSE: Dito é um  processo de criação no qual o ator Pablito Kucarz coloca em perspectiva sua construção de imagem de pai e de filho. Expõe universos distintos que coabitam para abrir possibilidades de fala entre eles, a partir de uma história familiar erguida através do silêncio sobre assuntos sensíveis. Esta proposta aprofunda a pesquisa da Companhia em teatro documental e auto ficcional iniciadas no projeto Habitat, composto por 6 solos autorais que estrearam em 2019.

TROPEÇO
20 e 21/out I 20h00 I Tato Criação Cênica I 14 anos
SINOPSE: Tropeço trata das relações humanas ao mesmo tempo em que fala da solidão. O espetáculo traz à cena a relação de duas personagens em seu cotidiano de vida em comum. A partir da linguagem da animação corporal, cria-se um mundo onde dois atores manipuladores e suas mãos dão vida a duas velhas que moram juntas. Partindo da costumeira visão que temos da velhice mostra-se sua solidão e as pequenas ações rotineiras num universo de sutileza e extravagância, poesia e comicidade em mãos que andam, dançam, bebem, respiram, riem e choram.

MATRIZ
20/out I 19h20 I Daniel Montelles I Livre
SINOPSE: Após o lançamento de seu primeiro EP “Imensidão” o músico maranhense, radicado em Curitiba, Daniel Montelles, apresenta seu novo trabalho. Matriz nasce do desejo apaixonante do artista em trazer aos palcos as vozes das Marias de sua família, mulheres anônimas, mães, filhas, esposas, mães de santo, seus amores e os ventres de mulheres que lutaram e resistiram apesar da estrutura social e financeira. Daniel cresceu no seio matriarcal de sua família paterna. Aprendeu a ler e escrever com sua avó Maria Dulcey e teve em sua mãe, Lucia, cabeleireira e manicure sua fonte de inspiração.

DUETO EM CY – SOM DE BOLSO
21/out I 19h20 I Yoná Masullo e Claudemir Franco I Livre
SINOPSE: O Dueto em CY surgiu em 2017 e é formado pela professora e musicista Yoná Masullo no Violino, além de seu esposo, o músico e compositor curitibano Claudemir Franco no violão. Para a II Mostra Claudete Pereira Jorge, o Dueto em CY apresentará o Som de Bolso. Um pocket show de trinta minutos que conta com músicas autorais de Claudemir Franco.

O ARQUIPÉLAGO
22 e 23/out I 20h00 I Súbita Companhia de Teatro I 14 Anos
SINOPSE: O solo do ator Pablito Kucarz, leva a cena a história de sua mãe. Uma mulher comum, como diversas outras mães que abandonaram sua casa muito jovens para trabalhar na cidade grande. Também se permite questionar esta história quando, em busca de sua própria identidade, se confronta com temas como preconceito, bullying, machismo e violência. Com tom suave, a narrativa tem ares de fábula pessoal ao lançar mãos de metáforas poderosas: a família que é um arquipélago, juntos porém separados pela água salgada; o garoto mariposa, agredido por ser diferente dos outros garotos; a pedra lançada como um projétil que, ao invés de ferir, prefere dançar.

CARMELA, CARAMELO E REMELA
22 e 23/out I 15h00 I Arto Companhia de Teatro I Livre
SINOPSE: Não existe melhor investigador no mundo que uma criança, seja de verdade ou de brincadeira. Nesse espírito de descobertas – Feijó, Cadu, Teteia e Babu – mergulham numa deliciosa aventura para decifrar um enigma de uma carta misteriosa. E que enigma! As crianças desvendam mais que apenas uma charada: caminham pela descoberta das próprias emoções, lembranças e reconhecem um talento precioso e essencial escondido no interior de cada uma delas. Inspirada no livro da poetisa Adélia Prado – Quando eu era Pequena, essa é uma jornada sobre as gostosuras da infância e a nossa essência mais rica: a habilidade de sermos poetas.

CHICO PAES – VOZ E VIOLÃO
22/out I 19h20 I Chico Paes I 12 anos
SINOPSE: Chico Paes nos apresenta seu show voz e violão em um clima intimista, uma experiência singular entre o artista e o espectador por meio da canção em sua forma mais pura. Suas músicas permeiam a vida cotidiana, as dores e amores, experimentando as possibilidades criativas entre os gêneros brasileiros regionais e sonoridades contemporâneas dos grandes centros urbanos globais. Uma voz marcante e um violão certeiro nos levam por caminhos entre o tradicional e o desconhecido.

rádiO atalalaiA – O Amor Está no Ar
23/out I 19h20 I Filhas da Fruta I 14 anos
SINOPSE: A radiO atalalaiA sintoniza com você o quadro “O Amor está no Ar”. Quer enviar um bilhetinho amassado, uma indireta certeira, um recado musical, uma notícia inventada, um correio galante para alguém especial ou pessoa desconhecida?  Esse é o momento!  rádiO atalalaiA uma rádio de transmissão corpa a corpa “a única rádio que toca em você”.


TRAVA BRUTA. Leonarda Glück. Foto: Alessandra Haro.

TRAVA BRUTA
26 e 27/out I 20h00 I Leonarda Glück + Pomeiro Gestão Cultural I 18 Anos
SINOPSE: Partindo de sua experiência transexual, Leonarda Glück apresenta um manifesto cênico que propõe uma ponte e também um contraponto entre o contexto artístico e a atual conjuntura política e social do Brasil no campo da sexualidade. Sozinha em cena, a atriz e dramaturga discute a relação da cultura com a transexualidade, discorre sobre como é ser uma artista trans no país de hoje e de que forma a sociedade reage a um corpo que provoca, a um só tempo, repulsa e desejo. Para tanto, o espetáculo busca tensões entre a ficção e a realidade, costurando diversas camadas de artificialidade, como videoprojeções, efeitos sonoros, filtros de redes sociais (que modificam a aparência da atriz) e artifícios de figurino, que ora revelam, ora ocultam. São recursos que vão sendo destruídos e desconstruídos ao longo da narrativa, num constante questionamento sobre quais ficções são permitidas e quais diversidades são aceitas.


CABARET TAROT + BAILINHO PERDIDO. Foto: Cibelle Gaidus.

CABARET TAROT + UM BAILINHO PERDIDO
28/out I 20h00 I Selvática Ações Artísticas I 18 anos
SINOPSE: Pés marcados no cimento quase duro de uma política mercado imobiliário de revitalização. No corpo do performer entrelaçam-se mitologias, memórias, percursos, vidas, acontecimentos.

É um recipiente alquímico- encruzilhada- lápide sacrificial.

Carta manifesto esquizo bruxaria rito jocoso carregada de sarcasmo e ironia.

Espetáculo bufo.

Tragédia pós e pré dramática.

Opereta work in progress xamã.

Ditirambo.

Vida vagabunda, destino vadio, carne de carnaval.

GILDA É PURO JAZZ!
Entre cartas, canções, memórias, fragmentos e cenas entramos juntes em um cabaret imaginário de evocação a Gilda: exercício radical de ficção e reconstrução da realidade. Cabaret tarot é um estudo do tarot através da prática do cabaré. O tarot é um cabaret de mesa.

ACARAJÉ DADA
28/out I 19h20 I Stéfano Belo I Livre 
SINOPSE: Um acarajé pout-pourri batido com pimenta e tempero para Claudete Pereira Jorge

CLAU por Samuel Gallo
Visitação permanente I Samuel Gallo I Livre
SINOPSE: Samuel Gallo, homenageia e celebra a trajetória de Claudete Pereira Jorge, expondo o que chama de “retratos experimentais” da atriz. Buscando a representação da realidade e do sonho, ele reúne estes dois universos, criando formas com tinta acrílica, carvão, caneta,  texturas e diversos corantes naturais, como o café, chás e vinho.

FICHA TÉCNICA
Direção Artística: Nautilio Portela
Curadoria: Helena de Jorge Portela e Igor Augustho
Mediação Bate Papos: Luciana Romagnolli
Tradução Libras: Taepé – Libras e Cultura
Identidade Visual 2022: Pablito Kucarz
Ilustração Identidade Visual: Conde Baltazar
Assessoria de Imprensa e Marketing Digital: Platea Comunicação e Arte
Assessoria em Mídias Sociais (Orgânicas): Bruna Bazzo
Direção de Produção: Igor Augustho
Produção Executiva: Gabriela Berbert
Assistentes de Produção: Bruna Bazzo e Rebeca Forbeck
Estagiáries de Produção: Alyssa Riccieri, Babi Ferreira, Gabriel Spanemberg, Mariana Pinheiro
Direção Técnica: Luigi Castel
Coordenação Técnica: Effex Tecnologia
Técnica de Som: Vini Ruiz
Técnico de Luz: Lucio Nogueira
Técnico de Teatro: Rafael Solla
Assistência de Técnica de Som: Felipe Novashinsky (Felino)
Assistência de Técnica de Luz: Juan Lis
Registro Audiovisual e Fotográfico: Chico Paes
Captação de Recursos: Meire Abe
Realização e Idealização: Cia. Fluctissonante e NBP Produções
Realização e Produção: Pomeiro Gestão Cultural

PROJETO REALIZADO COM RECURSOS DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA.