ABERTAS INSCRIÇÕES PARA A NOVA TURMA DO PRÉ-PÓS UFPR

O curso Pré-pós da Superintendência de Inclusão, Políticas Afirmativas e Diversidade da Universidade Federal do Paraná (Sipad) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) abre inscrições para a sua quarta turma, que terá aulas de fevereiro a junho de 2021.

O curso tem o objetivo de preparar membros de grupos sociais vulneráveis interessados em cursar mestrado ou doutorado. Serão selecionados 100 alunos.

As aulas começam em 25 de fevereiro e serão on-line, como no curso de 2020.

As inscrições vão até 5 de fevereiro!

Sobre o curso Pré-pós da Sipad
O Pré-pós da Sipad tem raízes em uma iniciativa de 2013 do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab) que, a partir de 2018, passou a fazer parte da então recém-criada Sipad.

O curso tem o objetivo é preparar estudantes negras e negros, quilombolas, indígenas e pessoas LGBTI para concorrer aos processos seletivos oferecidos por programas de pós-graduação no país. O projeto está na sua quinta edição.

A primeira edição do Pré-Pós ocorreu em 2013. A segunda edição em 2014 com a oferta de duas turmas. A terceira edição foi realizada em 2017 e, a quarta, em 2019. Em 2020, a oferta é integralmente remota.

SERVIÇO
Inscrições para o Curso Pré-Pós da Sipad UFPR
Quando: de 20 de janeiro a 5 de fevereiro.
Onde: por meio de formulário on-line.
Mais informações: pelo e-mail cursopreposufpr@gmail.com ou pelo WhatsApp (41) 98418-6137.

Mais detalhes neste link

BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA

Livro BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA. Autora: Selma Baptista. Documentário: Jessica Candal. Fotografias: Shigueo Murakami, Lucas Pereira Nery e Alice Pizzaai Goltz. Textos adicionais: Jaques Brand, Renata Carvalho Rodrigues Souza. Curitiba. 2020. Produtora Transpira. 194 p. Preço: DISTRIBUIÇÃO GRATUITA.

Sinopse:
O livro é resultado de uma ampla pesquisa com viés etnográfico, balizado por pesquisas de campo, bibliografia antropológica, histórica e arquitetônica. O projeto “BAIXO SÃO FRANCISCO” debruçou-se sobre o icônico bairro curitibano e, através de uma perspectiva antropológica, convidou a cientista social Selma Baptista e a cineasta Jessica Candal para criarem produtos culturais, cada qual com seu olhar e perspectiva sobre o bairro. Selma Baptista escreveu o livro e Jessica Candal coordenou e dirigiu o documentário HIP HOP no corre no baixo, co-dirigido com Camila Macedo, KBU, Mano Jhow.

Sobre a Autora:
Selma Baptista é Pós-doutora em Antropologia pela USP, Doutora em Ciências Sociais pela UNICAMP e Mestre em Antropologia Social pela mesma universidade.Foi professora titular do departamento de Antropologia da UFPR, onde se aposentou. Atualmente produz pesquisas, orientações e assessorias na área de crítica cultural.

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA: O livro na versão impressa está disponível para distribuição gratuita em locais parceiros do projeto: BAR MÃE, Rua Treze de Maio, 512, bairro São Francisco. GALERIA SOMA, R. São Francisco, 179, bairro São Francisco. BICICLETARIA CULTURAL, R. Presidente Faria, 226, Centro. COLETIVO SFco179, R. São Francisco, 179, São Francisco. Endereços em Curitiba.

FICHA TÉCNICA
Autora do Livro: Selma Baptista
Documentário: Jessica Candal – Direção: Camila Macedo / Jessica Candal / KBU / Mano Jhow
Pesquisa: Alice Pizzaia / Caroline Blum
Designer Gráfico: Lucas Pereira Nery
Coordenação Geral: Jonas Prates
Incentivo: Caixa / Lei de incentivo cultura / Fundação Cultural de Curitiba / Prefeitura de Curitiba / Realização: Transpira. 

CANAIS OFICIAIS DO PROJETO
SITE: www.baixosaofrancisco.com.br
INSTAGRAM: www.instagram.com/baixo_sao_francisco/
FACEBOOK: www.facebook.com/BaixoSaoFranciscoCuritiba/
YOUTUBE:  www.youtube.com/channel/UCKmHQk0yUQcmF_Ml_EyNYXg

Sobre o FILME
Núcleo coordenado pela cineasta Jessica Candal, o documentário segue o cotidiano de dois personagens cativos no bairro, que transitam pela cena HIP HOP curitibana: Mano Jhow e KBU. Com direção coletiva, o documentário tem uma linguagem crua da realidade de diversas ocupações por jovens que povoam a ebulição cultural e social do bairro pela ótica do movimento Hip Hop.

Jessica Candal é Bacharela em Audiovisual (ECA-USP) e especialista em Poéticas Visuais (EMBAP). Como diretora realizou os curtas Ainda Ontem; Bárbara na Cidade; Teia e O Espelho de AnA. Como roteirista, escreveu os longas Horizonte; Ferrugem, com Aly Muritiba; Tão Longe do Centro da Terra, com Aarón Fernández; O Espanto, com George Walker; e foi uma das co-autoras de Eduardo e Mônica. Atualmente está escrevendo A Rua é Noiz, cinebiografia de Emicida, junto dele, Aly Muritiba e Toni C.

O FESTIVAL GRIOT ESTREIA COM LEA GARCIA NO LONGA “UM DIA COM JERUSA”

Lea Garcia é Jerusa, uma figura que representa o tempo, o afeto, a cor e o espaço.

O Festival Griot estreia com o longa “Um Dia com Jerusa” da roteirista e diretora, Viviane Ferreira. O filme é uma adaptação do curta “O Dia de Jerusa” (2014) que trata do afeto em relação ao tempo, suas nuances e heranças da ancestralidade. É uma obra que humaniza a figura Griot (lê-se Griô), indivíduo que na África Ocidental tem a vocação de transmitir e preservar as histórias, conhecimentos, mitos e canções do seu povo. Jerusa Anunciação, interpretada por Lea Garcia simboliza o arco dramático da ancestralidade contida no Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo.

Tempo. Afeto. Cor. Espaço. A aposta de Viviane Ferreira em seu primeiro longa é mostrar a vivência de duas gerações que se entrelaçam tendo como base o tempo e suas motivações através das costuras ancestrais tecidas pela personagem Jerusa Anunciação.

A equipe de profissionais da obra é composta majoritariamente por mulheres negras, presentes nas funções criativas da produção desde fotografia até a montagem. “Um Dia com Jerusa” apresenta um olhar corajoso em explicitar um texto recheado de camadas reais em conjunto com um elenco vindo do teatro negro brasileiro. Valdineia Soriano, Debora Marçal e Antônio Pitanga atuam em destaque no longa.

É através da câmara escura de Jerusa Anunciação e da inversão de sua imagem que iremos ressignificar a história, as referências, os mitos e talvez ser o sujeito oculto por trás da personagem Silvia (Debora Marçal), a garota que por boa sorte encontra a raiz e a resposta para o seu tempo presente.

O Festival Griot é gratuito e começa no dia 11 e vai até o dia 20 de dezembro, na plataforma de streaming TODESPLAY . A programação completa está disponível no site do Festival, incluindo as atividades que acontecem simultaneamente no evento.

O Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo tem o apoio da TODESPLAY, Olhar Distribuição, O2 Pós, Mubi, Projeto Paradiso, AVEC-PR, ABRACCINE. Incentivo da Celepar e Ebanx. Projeto realizado com apoio do programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Sinopse “Um Dia com Jerusa”:
Silvia (Débora Marçal) trabalha com pesquisa de público para uma marca de sabão em pó. Ao bater na porta de Jerusa (Léa Garcia), é surpreendida com respostas nada convencionais, e o diálogo a leva a compreender a vida de outra maneira, menos rápida e menos quantitativa.

Serviço:
Realização: Cartografia Filmes.
Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo.
De 11 a 20 de dezembro.
Na Plataforma da TODESPLAY.
Evento Gratuito.

Sobre a Cartografia Filmes:
A Cartografia Filmes é uma produtora paranaense vocacionada para o audiovisual negro que une trajetórias diversas. Desse território de encruzilhada, nossa atuação se movimenta pelo desejo de compartilhar novas formas de acesso e produção dos bens culturais, fortalecendo e criando espaços coletivos nos eixos de DIFUSÃO, FORMAÇÃO E PRODUÇÃO do audiovisual, de maneira a abrir caminhos na reconstrução de imaginários onde as múltiplas subjetividades sejam livres para exercer sua existência com plena autonomia e potência.

Conheça a Cartografia Filmes
Sobre o Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo:
O Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo começou em 2018 como Mostra de Cinema Negro Brasileiro com o objetivo de criar um espaço onde pudessem exibir filmes pensados, realizados e protagonizados por pessoas pretas em território nacional. Nas edições anteriores foram exibidos com lotação máxima de público 61 curtas, dois longas e um média. As edições aconteceram com financiamento coletivo. 

Sobre a TODESPLAY:
A TODESPLAY é uma plataforma global de streaming gerenciada pela APAN – Associação de Profissionais do Audiovisual Negro, com objetivo de contribuir com a equidade de gênero e raça para consolidação de um mercado audiovisual mais diverso e representativo, para todes.

BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA

O projeto “BAIXO SÃO FRANCISCO” debruçou-se sobre o icônico bairro curitibano e, através de uma perspectiva antropológica, convidou a cientista social Selma Baptista e a cineasta Jessica Candal para criarem produtos culturais, cada qual com seu olhar e perspectiva sobre o bairro. Selma Baptista escreveu o livro BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA e Jessica Candal coordenou e dirigiu o documentário HIP HOP no corre no baixo. Esses dois produtos foram o resultado de um longo período de pesquisa e observação da dinâmica social e histórica que compõem o ethos particular da região.

Palco de inúmeras polêmicas, tensões históricas e sociais, o “Baixo”- como foi carinhosamente apelidado pela equipe – demonstrou um rico cenário para avaliar a construção identitária da urbanidade curitibana. Além de fornecer uma ampla gama de fatos históricos, que contribuem para um entendimento do contexto contemporâneo, o bairro funciona como palco para manifestações culturais, políticas e sociais.

FICHA TÉCNICA
Autora do Livro: Selma Baptista
Documentário: Jessica Candal – Direção: Camila Macedo / Jessica Candal / KBU / Mano Jhow
Pesquisa: Alice Pizzaia / Caroline Blum
Designer Gráfico: Lucas Pereira Nery
Coordenação Geral: Jonas Prates
Incentivo: Caixa / Lei de incentivo cultura / Fundação Cultural de Curitiba / Prefeitura de Curitiba /
Realização: Transpira

LIVRO
O livro é resultado de uma ampla pesquisa com viés etnográfico, balizado por pesquisas de campo, bibliografia antropológica, histórica e arquitetônica.

A autora do livro tem um vasto caminho no campo das ciências sociais. Selma Baptista é Pós-doutora em Antropologia pela USP, Doutora em Ciências Sociais pela Universidade de Campinas e Mestre em Antropologia Social pela mesma universidade.

Foi professora titular do departamento de Antropologia da UFPR, onde se aposentou. Atualmente produz pesquisas, orientações e assessorias na área de crítica cultural, com foco nos temas: culturas populares, narrativas orais, antropologia da performance, teatro experimental, políticas públicas de cultura e etnografia da ciência.

FILME
Núcleo coordenado pela cineasta Jessica Candal, o documentário segue o cotidiano de dois personagens cativos no bairro, que transitam pela cena HIP HOP curitibana: Mano Jhow e KBU. Com direção coletiva, o documentário tem uma linguagem crua da realidade de diversas ocupações por jovens que povoam a ebulição cultural e social do bairro pela ótica do movimento Hip Hop.

Jessica Candal é Bacharela em Audiovisual (ECA-USP) e especialista em Poéticas Visuais (EMBAP). Como diretora realizou os curtas Ainda Ontem; Bárbara na Cidade; Teia e O Espelho de AnA. Como roteirista, escreveu os longas Horizonte; Ferrugem, com Aly Muritiba; Tão Longe do Centro da Terra, com Aarón Fernández; O Espanto, com George Walker; e foi uma das co-autoras de Eduardo e Mônica. Atualmente está escrevendo A Rua é Noiz, cinebiografia de Emicida, junto dele, Aly Muritiba e Toni C.

LANÇAMENTO
Os produtos finais – livro e filme – serão lançados oficialmente em formato on-line, nos canais oficiais do projeto, dia 15 de dezembro às 20 horas. O livro na versão impressa estará disponível para distribuição gratuita em locais parceiros do projeto e inseridos dentro do Baixo São Francisco, a partir do dia 16 de dezembro. São eles MÃE, bar localizado na Rua Treze de maio, 512, Galeria SOMA com endereço na Rua São Francisco, 179, BICICLETARIA CULTURAL, situada na rua Presidente Faria, 226 e por fim o espaço coletivo SFco179, também endereçado na Rua São Francisco, 179.

CANAIS OFICIAIS DO PROJETO
SITE: www.baixosaofrancisco.com.br
INSTAGRAM: www.instagram.com/baixo_sao_francisco/
FACEBOOK: www.facebook.com/BaixoSaoFranciscoCuritiba/
YOUTUBE:  www.youtube.com/channel/UCKmHQk0yUQcmF_Ml_EyNYXg

TRAILER DO FILME

SERVIÇO:
BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA
LANÇAMENTO ON-LINE GRATUITO DO LIVRO/FILME:
15 de dezembro 2020 às 20 horas nos canais oficiais do projeto
www.baixosaofrancisco.com.br
DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DO LIVRO IMPRESSO
A partir do dia 16 de dezembro de 2020
BAR MÃE – Rua Treze de Maio, 512 – São Francisco, Curitiba -PR
GALERIA SOMA – Rua São Francisco, 179 – São Francisco, Curitiba-PR
BICICLETARIA CULTURAL – Rua Presidente Faria, 226 – Centro, Curitiba – PR
COLETIVO SFco179 – Rua São Francisco, 179 – São Francisco, Curitiba – PR

ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA AS OFICINAS DO GRIOT – III FESTIVAL DE CINEMA NEGRO CONTEMPORÂNEO

Concurso de críticas irá premiar 1° e 2° lugar com R$ 300 e R$ 200 reais respectivamente

Já estão abertas as inscrições para as oficinas do Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo. Serão três oportunidades formativas com o intuito de valorizar o processo criativo do audiovisual, direcionando profissionais com mais profundidade do que se passa e ouve na tela. A oficina ministrada pelo crítico e curador Fabio Rodrigues Filho, promoverá um concurso de críticas com premiação para o primeiro e segundo lugar.

A oficina “Uma Conversada Inacabada com Imagens” é apoiada pela Associação de Vídeo e Cinema do Paraná (AVEC – PR) e é destinada somente para residentes do Paraná. E tem o objetivo de estimular novos criadores do estado a falar sobre cinema. A proposta segundo, Filho, é “abordar a crítica como lugar de conversa com os filmes, entre imagens e pessoas, e entre cinema e as coisas do mundo – reconhecendo as partes em diálogo como agentes ativos”.

As oficinas “Produção audiovisual para mídias digitais”, ministrada por Caio Franco, e “Como o som se articula no cinema”, ministrada por Evelyn Santos, são para interessados de todo o Brasil. As três oficinas possuem vagas preferenciais para pessoas negras ou indígenas.

As inscrições são gratuitas e vão até 4 de dezembro. As oficinas têm início no dia 12 de dezembro e fazem parte do Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo que acontece de 11 a 20 de dezembro de 2020. O evento é gratuito e contemplará todo o Brasil, promovendo as narrativas da atuação, realização, e produção do audiovisual negro.

A programação completa está disponível no site do Festival, incluindo as atividades que acontecem simultaneamente no evento.

O Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo tem o apoio da TODESPLAY, Olhar Distribuição, O2 Pós, Mubi, Projeto Paradiso, AVEC-PR, ABRACCINE. Incentivo da Celepar e Ebanx. Projeto realizado com apoio do programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Serviço:
Realização: Cartografia Filmes
Oficinas do Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo.
Inscrições até o dia 4 de dezembro.
Inscreva-se gratuitamente, aqui

Sobre o Festival Griot
O Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo começou em 2018 como Mostra de Cinema Negro Brasileiro, com o objetivo de criar um espaço onde pudessem exibir filmes pensados, realizados e protagonizados por pessoas pretas em território nacional. Nas edições anteriores foram exibidos com lotação máxima de público 61 curtas, dois longas e um média. As edições aconteceram com financiamento coletivo.
www.festivalgriot.com.br

Sobre a Associação de Vídeo e Cinema do Paraná – AVEC – PR
A AVEC-PR tem sua origem no final da década de 70, com o surgimento em Curitiba do movimento de produção em cinema Super 8, com os festivais nacionais da Escola Técnica, com o núcleo de realizadores da Cinemateca, e finalmente com o movimento Vídeo-Vive, já nos anos 90.

Nessa sua trajetória a AVEC se destacou por ser a principal interlocutora dos produtores de cinema e vídeo paranaenses junto às esferas municipais e estadual na área da cultura.

Conheça a AVEC-PR

Sobre Fabio Rodrigues Filho
Atua na crítica, curadoria, pesquisa e realização em cinema. Mestrando em comunicação na UFMG. Graduou-se na mesma área na UFRB. Membro dos grupos Áfricas nas Artes (Cahl/UFRB) e Poéticas da Experiência (UFMG). Cineclubista, participou do Cineclube Mário Gusmão, Cine Tela Preta e do Cinema em Vizinhança. Compôs a comissão de seleção de festivais, mostras e laboratórios, a exemplo do FestCurtasBh (2019/2020), Diáspora Lab (2018), FIANB (Festival Internacional do Audiovisual Negro do Brasil, 2020), entre outros. Atualmente faz parte da equipe de curadoria do IX CachoeiraDoc, festival junto ao qual vem contribuindo ao longo dos últimos anos.

Sobre Evelyn Santos:
É formada em Produção de Áudio e Vídeo, Operação de Som e Direção Cinematográfica. Trabalha há quatro anos com Captação de Som direto, Microfonista e Assistente em diversas produções que já rodaram em vários festivais. Dirigiu seu primeiro curta-metragem ”Dádiva”.

Sobre Caio Franco:
Caio Franco é cineasta e fotógrafo. Após se formar em comunicação pela PUC-Rio, trabalhou em produtoras como assistente de produção e assistente de pesquisa até 2015, quando começou a trabalhar no canal Jout Jout Prazer, no youtube. Seu primeiro filme, Antes de Ontem, rodou por diversos festivais no Brasil em 2019.

OUTRAS PALAVRAS – PRÊMIO DE OBRAS LITERÁRIAS

O concurso público “Prêmio de Obras Literárias” irá selecionar e premiar textos de obras de romance, coletânea de contos e crônicas, coletânea de poesia, roteiro, dramaturgia, coletânea de ensaios críticos, pesquisa de cultura alimentar e livro ilustrado, escritas em língua portuguesa.

Cada obra literária selecionada receberá um valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais). Como contrapartida, as obras premiadas poderão ser publicadas pela SECC no prazo de até cinco anos. Para romance, coletânea de contos e crônicas, coletânea de poesia, roteiro, dramaturgia, coletânea de ensaios críticos e pesquisa de cultura alimentar, serão aceitas obras de 49 a 250 páginas de elementos textuais, seguindo as especificações da ABNT para formatação de texto. Já no caso de livros ilustrados, serão aceitas obras de 16 a 150 páginas, em tamanho A4, em PDF contendo texto e imagem integrados.

Inscrições até 20 de novembro.

Confira o edital, aqui

fonte: Superintendência da Cultura

PRÊMIO REGISTROS FOTOGRÁFICOS E AUDIOVISUAIS: DIFUSÃO DE SABERES E FAZERES TRADICIONAIS

PRÊMIO REGISTROS FOTOGRÁFICOS E AUDIOVISUAIS: Difusão de Saberes e Fazeres Tradicionais

Contemplando registros fotográficos ou audiovisuais de manifestações culturais populares e tradicionais do Paraná, este prêmio tem como objetivo central a preservação da memória e documentação de Povos Indígenas, Comunidades Caiçaras, Comunidades Quilombolas, Ciganos, Faxinalenses, e Povos de Matriz Africana.

Cada premiado receberá o valor de R$ 4.000,00 (quatro mil reais). Na categoria Registro Fotográfico, a proposta deverá conter um conjunto de fotos que versem sobre um mesmo tema, propondo uma sequência fotográfica lógica, e não foto única. O conjunto deverá ser composto de no mínimo 5 (cinco) fotografias e no máximo de 10 (dez) fotografias. Já para a categoria de Registro Audiovisual, a proposta deverá conter os registros com duração de 7 (sete) minutos e no máximo 120 (cento e vinte) minutos. Inscrições até 23 de novembro.

Confira os editais, aqui

fonte: Superintendência da Cultura

PRÊMIO PRODUTOS ARTESANAIS: DIFUSÃO DE SABERES E FAZERES TRADICIONAIS.

PRÊMIO PRODUTOS ARTESANAIS: Difusão de Saberes e Fazeres Tradicionais.

Este prêmio vai selecionar bens culturais de natureza material produzidos por artesãs, artesãos, mestras, mestres, grupos e coletivos do Paraná, pertencentes à comunidades e a povos tradicionais do Estado. Este prêmio tem uma função social de incentivo, promoção e preservação da memória material (cultural e artística) produzida no Paraná, Serão concedidos prêmios em três faixas distintas, R$ 4.000,00 (quatro mil reais), R$ 6.000,00 (seis mil reais) e R$ 8.000,00 (oito mil reais), contemplando seis diferentes áreas: Povos Indígenas, Comunidades Caiçaras, Comunidades Quilombolas, Ciganos, Faxinalenses e Povos de Matriz Africana.

Os produtos artesanais premiados poderão ser integrados aos acervos dos Museus do Governo do Estado, por meio de termo de doação. Inscrições até 23 de novembro.

Confira os editais, aqui

fonte: Superintendência da Cultura

PRÊMIO PESQUISADORES INDEPENDENTES: DIFUSÃO DE SABERES E FAZERES TRADICIONAIS

PRÊMIO PESQUISADORES INDEPENDENTES: Difusão de Saberes e Fazeres Tradicionais. 

Uma grande novidade nas categorias de editais lançados pelo Governo do Estado do Paraná é o Prêmio Pesquisadores Independentes. Este edital irá selecionar e premiar artigos científicos de pesquisadores acadêmicos sem vínculo empregatício ou bolsa de pesquisa, que tenham um histórico dedicado aos estudos sobre patrimônio imaterial voltados às expressões culturais tradicionais do Paraná.

Cada pesquisa contemplada receberá R$ 7.000,00 e poderão ser inscritos trabalhos nas seguintes áreas: Antropologia, Arqueologia, Sociologia e História. Os artigos deverão abordar saberes e fazeres dos povos e comunidades tradicionais do Estado, como Povos Indígenas, Comunidades Caiçaras, Comunidades Quilombolas, Ciganos, Faxinalenses e Povos de Matriz Africana. Inscrições até 26 de novembro.

Confira os editais, aqui

fonte: Superintendência da Cultura

CULTURA LANÇA EDITAL DE LICENCIAMENTO DE OBRAS LITERÁRIAS DIGITAIS

A Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura (SECC), por meio da Superintendência Geral da Cultura, publica o Chamamento para Licenciamento de Obras Literárias Digitais “Cultura nas Redes”, que irá selecionar livros digitais, e-books, audiolivros e livros falados, já finalizados, para disponibilizar ao público por meio de site e mídias sociais do Governo do Paraná e da SECC, pelo prazo de 24 (vinte e quatro) meses. Inscrições até 18:00 (dezoito horas) do dia 21 de outubro de 2020.

Serão selecionados 2.314 obras, valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) cada, totalizando R$ 11.570.000,00 (onze milhões quinhentos e setenta mil reais), com recursos provenientes da Lei Federal 14.017/2020 – Lei Aldir Blanc.

Poderão participar da seleção, os proponentes sediados no Estado do Paraná há no mínimo 02 (dois) anos, completados e comprovados da data de publicação do Edital. As inscrições vão acontecer em dois períodos, o primeiro sendo de 07 de outubro até às 18:00 (dezoito horas) de 21 de outubro de 2020, por meio do sistema SisProfice.

Entende por:
–  Livro digital e Ebook: obra que existe exclusivamente em formato digital, não periódico, revisado, editado e diagramado. Pode conter texto, imagem, áudio e vídeo.
– Audiolivro: gravação do conteúdo de um livro narrado em voz alta, podendo ou não ter vozes dramatizadas, sonoplastia, fundo musical e outros.
– Livro falado: gravação do conteúdo de um livro narrado em voz alta, desprovida de recursos artísticos e de sonoplastia, voltado para pessoas com deficiência visual.

Serão aceitas obras em português nas seguintes áreas:
1. Artes Visuais;
2. Audiovisual;
3. Cultura Popular e Diversidade;
4. Circo;
5. Dança,
6. Economia Criativa;
7. Literatura;
8. Música;
9. Ópera;
10. Produtores e Técnicos;
11. Teatro.

Este chamamento é parte das ações de Fomento do Governo do Estado do Paraná com recursos da Lei Federal Aldir Blanc, nº 14.017/2020, para atender o setor cultural durante a crise causada pela pandemia de Covid-19.

Acesse o edital completo clicando aqui.

fonte / texto: Secretaria Da Comunicação Social e da Cultura do PR (SECC)