O FESTIVAL GRIOT ESTREIA COM LEA GARCIA NO LONGA “UM DIA COM JERUSA”

Lea Garcia é Jerusa, uma figura que representa o tempo, o afeto, a cor e o espaço.

O Festival Griot estreia com o longa “Um Dia com Jerusa” da roteirista e diretora, Viviane Ferreira. O filme é uma adaptação do curta “O Dia de Jerusa” (2014) que trata do afeto em relação ao tempo, suas nuances e heranças da ancestralidade. É uma obra que humaniza a figura Griot (lê-se Griô), indivíduo que na África Ocidental tem a vocação de transmitir e preservar as histórias, conhecimentos, mitos e canções do seu povo. Jerusa Anunciação, interpretada por Lea Garcia simboliza o arco dramático da ancestralidade contida no Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo.

Tempo. Afeto. Cor. Espaço. A aposta de Viviane Ferreira em seu primeiro longa é mostrar a vivência de duas gerações que se entrelaçam tendo como base o tempo e suas motivações através das costuras ancestrais tecidas pela personagem Jerusa Anunciação.

A equipe de profissionais da obra é composta majoritariamente por mulheres negras, presentes nas funções criativas da produção desde fotografia até a montagem. “Um Dia com Jerusa” apresenta um olhar corajoso em explicitar um texto recheado de camadas reais em conjunto com um elenco vindo do teatro negro brasileiro. Valdineia Soriano, Debora Marçal e Antônio Pitanga atuam em destaque no longa.

É através da câmara escura de Jerusa Anunciação e da inversão de sua imagem que iremos ressignificar a história, as referências, os mitos e talvez ser o sujeito oculto por trás da personagem Silvia (Debora Marçal), a garota que por boa sorte encontra a raiz e a resposta para o seu tempo presente.

O Festival Griot é gratuito e começa no dia 11 e vai até o dia 20 de dezembro, na plataforma de streaming TODESPLAY . A programação completa está disponível no site do Festival, incluindo as atividades que acontecem simultaneamente no evento.

O Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo tem o apoio da TODESPLAY, Olhar Distribuição, O2 Pós, Mubi, Projeto Paradiso, AVEC-PR, ABRACCINE. Incentivo da Celepar e Ebanx. Projeto realizado com apoio do programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Sinopse “Um Dia com Jerusa”:
Silvia (Débora Marçal) trabalha com pesquisa de público para uma marca de sabão em pó. Ao bater na porta de Jerusa (Léa Garcia), é surpreendida com respostas nada convencionais, e o diálogo a leva a compreender a vida de outra maneira, menos rápida e menos quantitativa.

Serviço:
Realização: Cartografia Filmes.
Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo.
De 11 a 20 de dezembro.
Na Plataforma da TODESPLAY.
Evento Gratuito.

Sobre a Cartografia Filmes:
A Cartografia Filmes é uma produtora paranaense vocacionada para o audiovisual negro que une trajetórias diversas. Desse território de encruzilhada, nossa atuação se movimenta pelo desejo de compartilhar novas formas de acesso e produção dos bens culturais, fortalecendo e criando espaços coletivos nos eixos de DIFUSÃO, FORMAÇÃO E PRODUÇÃO do audiovisual, de maneira a abrir caminhos na reconstrução de imaginários onde as múltiplas subjetividades sejam livres para exercer sua existência com plena autonomia e potência.

Conheça a Cartografia Filmes
Sobre o Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo:
O Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo começou em 2018 como Mostra de Cinema Negro Brasileiro com o objetivo de criar um espaço onde pudessem exibir filmes pensados, realizados e protagonizados por pessoas pretas em território nacional. Nas edições anteriores foram exibidos com lotação máxima de público 61 curtas, dois longas e um média. As edições aconteceram com financiamento coletivo. 

Sobre a TODESPLAY:
A TODESPLAY é uma plataforma global de streaming gerenciada pela APAN – Associação de Profissionais do Audiovisual Negro, com objetivo de contribuir com a equidade de gênero e raça para consolidação de um mercado audiovisual mais diverso e representativo, para todes.

BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA

O projeto “BAIXO SÃO FRANCISCO” debruçou-se sobre o icônico bairro curitibano e, através de uma perspectiva antropológica, convidou a cientista social Selma Baptista e a cineasta Jessica Candal para criarem produtos culturais, cada qual com seu olhar e perspectiva sobre o bairro. Selma Baptista escreveu o livro BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA e Jessica Candal coordenou e dirigiu o documentário HIP HOP no corre no baixo. Esses dois produtos foram o resultado de um longo período de pesquisa e observação da dinâmica social e histórica que compõem o ethos particular da região.

Palco de inúmeras polêmicas, tensões históricas e sociais, o “Baixo”- como foi carinhosamente apelidado pela equipe – demonstrou um rico cenário para avaliar a construção identitária da urbanidade curitibana. Além de fornecer uma ampla gama de fatos históricos, que contribuem para um entendimento do contexto contemporâneo, o bairro funciona como palco para manifestações culturais, políticas e sociais.

FICHA TÉCNICA
Autora do Livro: Selma Baptista
Documentário: Jessica Candal – Direção: Camila Macedo / Jessica Candal / KBU / Mano Jhow
Pesquisa: Alice Pizzaia / Caroline Blum
Designer Gráfico: Lucas Pereira Nery
Coordenação Geral: Jonas Prates
Incentivo: Caixa / Lei de incentivo cultura / Fundação Cultural de Curitiba / Prefeitura de Curitiba /
Realização: Transpira

LIVRO
O livro é resultado de uma ampla pesquisa com viés etnográfico, balizado por pesquisas de campo, bibliografia antropológica, histórica e arquitetônica.

A autora do livro tem um vasto caminho no campo das ciências sociais. Selma Baptista é Pós-doutora em Antropologia pela USP, Doutora em Ciências Sociais pela Universidade de Campinas e Mestre em Antropologia Social pela mesma universidade.

Foi professora titular do departamento de Antropologia da UFPR, onde se aposentou. Atualmente produz pesquisas, orientações e assessorias na área de crítica cultural, com foco nos temas: culturas populares, narrativas orais, antropologia da performance, teatro experimental, políticas públicas de cultura e etnografia da ciência.

FILME
Núcleo coordenado pela cineasta Jessica Candal, o documentário segue o cotidiano de dois personagens cativos no bairro, que transitam pela cena HIP HOP curitibana: Mano Jhow e KBU. Com direção coletiva, o documentário tem uma linguagem crua da realidade de diversas ocupações por jovens que povoam a ebulição cultural e social do bairro pela ótica do movimento Hip Hop.

Jessica Candal é Bacharela em Audiovisual (ECA-USP) e especialista em Poéticas Visuais (EMBAP). Como diretora realizou os curtas Ainda Ontem; Bárbara na Cidade; Teia e O Espelho de AnA. Como roteirista, escreveu os longas Horizonte; Ferrugem, com Aly Muritiba; Tão Longe do Centro da Terra, com Aarón Fernández; O Espanto, com George Walker; e foi uma das co-autoras de Eduardo e Mônica. Atualmente está escrevendo A Rua é Noiz, cinebiografia de Emicida, junto dele, Aly Muritiba e Toni C.

LANÇAMENTO
Os produtos finais – livro e filme – serão lançados oficialmente em formato on-line, nos canais oficiais do projeto, dia 15 de dezembro às 20 horas. O livro na versão impressa estará disponível para distribuição gratuita em locais parceiros do projeto e inseridos dentro do Baixo São Francisco, a partir do dia 16 de dezembro. São eles MÃE, bar localizado na Rua Treze de maio, 512, Galeria SOMA com endereço na Rua São Francisco, 179, BICICLETARIA CULTURAL, situada na rua Presidente Faria, 226 e por fim o espaço coletivo SFco179, também endereçado na Rua São Francisco, 179.

CANAIS OFICIAIS DO PROJETO
SITE: www.baixosaofrancisco.com.br
INSTAGRAM: www.instagram.com/baixo_sao_francisco/
FACEBOOK: www.facebook.com/BaixoSaoFranciscoCuritiba/
YOUTUBE:  www.youtube.com/channel/UCKmHQk0yUQcmF_Ml_EyNYXg

TRAILER DO FILME

SERVIÇO:
BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA
LANÇAMENTO ON-LINE GRATUITO DO LIVRO/FILME:
15 de dezembro 2020 às 20 horas nos canais oficiais do projeto
www.baixosaofrancisco.com.br
DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DO LIVRO IMPRESSO
A partir do dia 16 de dezembro de 2020
BAR MÃE – Rua Treze de Maio, 512 – São Francisco, Curitiba -PR
GALERIA SOMA – Rua São Francisco, 179 – São Francisco, Curitiba-PR
BICICLETARIA CULTURAL – Rua Presidente Faria, 226 – Centro, Curitiba – PR
COLETIVO SFco179 – Rua São Francisco, 179 – São Francisco, Curitiba – PR

O ESPETÁCULO TEATRAL “DEZEMBRO”, COM DIREÇÃO DE DIEGO FORTES, ESTREIA COM TEMPORADA ON-LINE E GRATUITA NO MÊS DO NATAL E OFERECE 6 OFICINAS ABERTAS À COMUNIDADE

Peça Dezembro. Fotografia de Eika Yabusame

A comédia ácida “Dezembro”, texto do chileno Guillermo Calderón, com direção de Diego Fortes, estreia o nline na sexta-feira dia 04 de dezembro às 20h, seguido de um bate-papo sobre o espetáculo. A inscrição é gratuita e feita via Sympla, para que o espectador receba o link do dia da estreia

Além da estreia online do espetáculo no dia 04 de dezembro, o projeto irá realizar on-line uma leitura dramática do espetáculo “Clase”, do mesmo dramaturgo, no dia 18 de dezembro às 20h, e oferecerá gratuitamente à comunidade 6 oficinas. São elas: Formação e Sensibilização pelo Teatro com Diego Fortes, A iluminação cênica como elemento de linguagem com Augusto Ribeiro, Técnicas básicas de transmissão ao vivo com Alan Raffo, Criação de Solos com Ludmila Nascarella, Elaboração e gestão de projetos culturais, com Isadora Flores e Gilmar Kaminski, Improvisação e comicidade com Fernanda Fuchs e um Bate-Papo: Cenário e cenotécnica, com Guenia Lemos e Samuel Amorim. O acesso para a inscrição em todas as atividades pode ser feito pelo link: www.sympla.com.br/a.armadilha

Dezembro se passa num futuro próximo, onde o Chile está travando uma guerra contra o Peru e a Bolívia. Em Santiago, na véspera de Natal, o soldado Jorge e suas irmãs, Paula e Trinidad, discutem sobre política, nacionalismo e família, pois ele deve se apresentar ao exército no dia seguinte e voltar para o campo de batalha. As irmãs, gêmeas entre elas e ambas grávidas, discordam radicalmente sobre o que ele deve fazer: fugir ou lutar. Ao longo da noite, recebem algumas visitas inusitadas, descobrem segredos entre eles e a discussão culminará na decisão de Jorge.

Com três atores em cena: Alan Raffo, Fernanda Fuchs e Ludmila Nascarella, Dezembro é uma obra potente que trata de assuntos graves como a xenofobia, a solidariedade, a guerra e os estados de exceção. Uma comédia ácida que convida o público a invadir a intimidade desta família e a refletir sobre questões tão pungentes ao nosso presente. O texto, traduzido pelo diretor Diego Fortes, é considerado pela crítica internacional como um dos mais provocativos e relevantes do teatro latino-americano recente.

Sobre o espetáculo, Valmir Santos, jornalista e crítico do site Teatrojornal, afirma: “Eles são o retrato bem-acabado das incongruências da família, do Estado, da propriedade e da tradição, para mixar o corte crítico que subjaz na escrita de Calderón. Contrastar a realidade histórica e produzir ironia a partir dela – a corrosão do riso – é outra das perspicácias de sua obra como um todo. A encenação de Diego Fortes enfatiza o humor para tourear a gama de informações e de ideias.”

Dezembro. Fotografia: Luisa Bonin

SERVIÇO:
Estreia online e gratuita do espetáculo DEZEMBRO, seguido de bate-papo com a equipe
Online via Youtube
Data estreia: 04 de dezembro às 20h
Inscreva-se gratuitamente para receber o link da estreia e ser lembrado: https://bit.ly/3kU22Pw

Leitura dramática do texto CLASE de Guillermo Calderón
Online via Youtube
Data: 18 de dezembro às 20h
Inscreva-se para receber o link da estreia e ser lembrado: https://bit.ly/395Ln9M

OFICINAS GRATUITAS

Oficina: Formação e sensibilização pelo teatro com Diego Fortes
Data: 8, 9, 10 e 11 de Dezembro das 10h às 12h
Inscrições gratuitas: https://bit.ly/3fjCDxA
Para Estudantes de teatro e demais interessados a partir de 18 anos.
Online via Sympla Zoom

Oficina: A iluminação cênica como elemento de linguagem com Augusto Ribeiro
9 e 10 de Dezembro das 19h às 21h
Inscrições gratuitas: https://bit.ly/393grGY
Para Estudantes de artes cênicas entre 15 e 21 anos.
Online via Sympla Zoom

Oficina: Técnicas básicas de transmissão ao vivo com Alan Raffo
14 e 15 de dezembro, das 19h às 21h
Inscrições gratuitas: https://bit.ly/3kPVZf6
Para estudantes, interessados em artes cênicas, produtores a partir de 15 anos.

Online via Sympla Zoom

Oficina: Criação de Solos com Ludmila Nascarella
Datas: 7 e 8 de Dezembro das 20 às 22h
Inscrições gratuitas: https://bit.ly/3fq3Tui
Para adolescentes entre 13 e 18 anos.

Online via Sympla Zoom

Oficina: Elaboração e gestão de projetos culturais, com Isadora Flores e Gilmar Kaminski
16 e 17 de dezembro, das 10h às 12h
Inscrições gratuitas: https://bit.ly/35QUitk
Para artistas, estudantes de artes cênicas e música e demais interessados em produção cultural e na elaboração de projetos culturais.
Online via Sympla Zoom

Oficina: Improvisação e comicidade com Fernanda Fuchs
16 e 17 de dezembro, das 19h às 21h
Inscrições gratuitas:: https://bit.ly/3fmRgAm
Para estudantes de teatro e pessoas interessadas em comédia
Online via Sympla Zoom

BATE-PAPO
Bate-papo sobre “Cenário e cenotécnica”, com Guenia Lemos e Samuel Amorim
11/12 às 20h
Via Youtube da Armadilha – Inscreva-se para ser lembrado: https://bit.ly/2UMyh91

O acesso para a inscrição em todas as atividades pode ser feito pelo link: https://www.sympla.com.br/a.armadilha

Sobre o diretor Diego Fortes
Diego Fortes é ator, diretor, dramaturgo e artista docente convidado de direção da Escola SP de Teatro. Em 2001, iniciou A Armadilha, companhia pela qual realizou as peças Café Andaluz, Os Leões, Bolacha Maria, O Fantástico Coração Subterrâneo, Poses para Dormir, Dezembro, entre outras. Escreveu e dirigiu O Grande Sucesso, texto pelo qual recebeu o Prêmio Shell de Melhor Autor em 2017 e em 2018, a convite de Renato Borghi, encenou Molière, de Sabina Berman, que conta com Matheus Nachtergaele no papel-título.

Sobre o dramaturgo Guillermo Calderón
Nascido em Santiago do Chile, Guillermo Calderón é diretor, dramaturgo e roteirista. Escreveu Dezembro, Neva, Mateluna, Villa + Discurso, Kiss, entre outras peças. No cinema, colaborou no roteiro dos filmes Julieta se fue a los cielos, O Clube e Neruda – os dois últimos foram indicados a Melhor Filme Estrangeiro no Globo de Ouro.

Sobre A Armadilha
Criada em 2001, A Armadilha é uma companhia de teatro contemporâneo iniciada por Diego Fortes. Em 18 anos de trabalho, suas obras são marcadas pelo equilíbrio entre o refinamento na criação artístico e a acessibilidade de diversos públicos. Desde 2011, a companhia tem encenado textos latinos como Orinoco, de Emílio Carballido; Duas da Manhã (uma adaptação de dois textos de Lola Arias) e Poses para dormir, também de Lola Arias. Além de Dezembro, a companhia se prepara para encenar em breve o texto Clase, também de Guillermo Calderón.

“PROJETO REALIZADO COM O APOIO DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA”

Realização:
A Armadilha
Produção:
Flutua Produções – Gilmar Kaminski
Isadora Flores – Produtora Cultural
Incentivo:
Lei de Incentivo à Cultura
Fundação Cultural de Curitiba
Prefeitura Municipal de Curitiba

Ficha técnica:
Texto: Guillermo Calderón
Tradução, Direção e Sonoplastia: Diego Fortes
Elenco: Alan Raffo, Fernanda Fuchs e Ludmila Nascarella
Iluminação: Nadja Naira
Assistência de Iluminação: Elisa Ribeiro
Operação de luz: Augusto Ribeiro
Cenário: Guenia Lemos
Cenotecnia: Samuel Amorim e Johne Rodrigues (Drig’s Artes Visuais) e Jesmiel (Boogiganga Shop).
Figurino: Maureen Miranda
Direção de Produção: Isadora Flores
Produção Executiva e Gestão Financeira: Gilmar Kaminski
Direção de Comunicação: Luísa Bonin – Platea Comunicação e Arte
Programação Visual: blanc.ag
Fotos: Eika Yabusame (E-photos) e Luísa Bonin

ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA AS OFICINAS DO GRIOT – III FESTIVAL DE CINEMA NEGRO CONTEMPORÂNEO

Concurso de críticas irá premiar 1° e 2° lugar com R$ 300 e R$ 200 reais respectivamente

Já estão abertas as inscrições para as oficinas do Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo. Serão três oportunidades formativas com o intuito de valorizar o processo criativo do audiovisual, direcionando profissionais com mais profundidade do que se passa e ouve na tela. A oficina ministrada pelo crítico e curador Fabio Rodrigues Filho, promoverá um concurso de críticas com premiação para o primeiro e segundo lugar.

A oficina “Uma Conversada Inacabada com Imagens” é apoiada pela Associação de Vídeo e Cinema do Paraná (AVEC – PR) e é destinada somente para residentes do Paraná. E tem o objetivo de estimular novos criadores do estado a falar sobre cinema. A proposta segundo, Filho, é “abordar a crítica como lugar de conversa com os filmes, entre imagens e pessoas, e entre cinema e as coisas do mundo – reconhecendo as partes em diálogo como agentes ativos”.

As oficinas “Produção audiovisual para mídias digitais”, ministrada por Caio Franco, e “Como o som se articula no cinema”, ministrada por Evelyn Santos, são para interessados de todo o Brasil. As três oficinas possuem vagas preferenciais para pessoas negras ou indígenas.

As inscrições são gratuitas e vão até 4 de dezembro. As oficinas têm início no dia 12 de dezembro e fazem parte do Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo que acontece de 11 a 20 de dezembro de 2020. O evento é gratuito e contemplará todo o Brasil, promovendo as narrativas da atuação, realização, e produção do audiovisual negro.

A programação completa está disponível no site do Festival, incluindo as atividades que acontecem simultaneamente no evento.

O Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo tem o apoio da TODESPLAY, Olhar Distribuição, O2 Pós, Mubi, Projeto Paradiso, AVEC-PR, ABRACCINE. Incentivo da Celepar e Ebanx. Projeto realizado com apoio do programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Serviço:
Realização: Cartografia Filmes
Oficinas do Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo.
Inscrições até o dia 4 de dezembro.
Inscreva-se gratuitamente, aqui

Sobre o Festival Griot
O Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo começou em 2018 como Mostra de Cinema Negro Brasileiro, com o objetivo de criar um espaço onde pudessem exibir filmes pensados, realizados e protagonizados por pessoas pretas em território nacional. Nas edições anteriores foram exibidos com lotação máxima de público 61 curtas, dois longas e um média. As edições aconteceram com financiamento coletivo.
www.festivalgriot.com.br

Sobre a Associação de Vídeo e Cinema do Paraná – AVEC – PR
A AVEC-PR tem sua origem no final da década de 70, com o surgimento em Curitiba do movimento de produção em cinema Super 8, com os festivais nacionais da Escola Técnica, com o núcleo de realizadores da Cinemateca, e finalmente com o movimento Vídeo-Vive, já nos anos 90.

Nessa sua trajetória a AVEC se destacou por ser a principal interlocutora dos produtores de cinema e vídeo paranaenses junto às esferas municipais e estadual na área da cultura.

Conheça a AVEC-PR

Sobre Fabio Rodrigues Filho
Atua na crítica, curadoria, pesquisa e realização em cinema. Mestrando em comunicação na UFMG. Graduou-se na mesma área na UFRB. Membro dos grupos Áfricas nas Artes (Cahl/UFRB) e Poéticas da Experiência (UFMG). Cineclubista, participou do Cineclube Mário Gusmão, Cine Tela Preta e do Cinema em Vizinhança. Compôs a comissão de seleção de festivais, mostras e laboratórios, a exemplo do FestCurtasBh (2019/2020), Diáspora Lab (2018), FIANB (Festival Internacional do Audiovisual Negro do Brasil, 2020), entre outros. Atualmente faz parte da equipe de curadoria do IX CachoeiraDoc, festival junto ao qual vem contribuindo ao longo dos últimos anos.

Sobre Evelyn Santos:
É formada em Produção de Áudio e Vídeo, Operação de Som e Direção Cinematográfica. Trabalha há quatro anos com Captação de Som direto, Microfonista e Assistente em diversas produções que já rodaram em vários festivais. Dirigiu seu primeiro curta-metragem ”Dádiva”.

Sobre Caio Franco:
Caio Franco é cineasta e fotógrafo. Após se formar em comunicação pela PUC-Rio, trabalhou em produtoras como assistente de produção e assistente de pesquisa até 2015, quando começou a trabalhar no canal Jout Jout Prazer, no youtube. Seu primeiro filme, Antes de Ontem, rodou por diversos festivais no Brasil em 2019.

BRASIS NO PAIOL EM CASA ANUNCIA EDIÇÃO DE OUTUBRO

Monna Brutal. Foto: Rogério Fernandes

Projeto traz apresentações de 10 artistas curitibanas, curitibanos e paulistas nos dias 24 e 25 de outubro, sábado e domingo.

Enquanto a vacina não chega, Brasis no Paiol migra do icônico teatro curitibano para a sala da casa das/dos/des artistas. A segunda edição online do projeto traz 10 shows, distribuídos entre os dias 24 e 25 de outubro. Entre eles estão as rappers paulistas Mel Duarte, uma das idealizadoras do Slam das Minas SP, Monna Brutal e o Kiko Dinucci. De Curitiba, participam as compositoras Rubia Divino, Trio Armorial, Bruna Lucchesi, Hillbilly Rawhide, Wes Ventura, Louie R. e Tapuia Trio. As apresentações serão no canal do Projeto Brasis no Youtube, a partir das 18h, com direito a bate papo com as bandas no chat.

Com a alteração para o formato online, o Brasis no Paiol teve a oportunidade de quintuplicar o número de artistas participantes, possibilitando monetizar um dos setores da economia mais prejudicado pelo isolamento social. Uma das exigências do edital é que 70% das pessoas que se apresentem sejam de Curitiba, fomentando o setor cultural regional. A nova versão também aumentou a abrangência, já que em vez dos 220 ingressos por show, os shows poderão ser visto pelo público de qualquer lugar do mundo que tenha acesso à internet.

A primeira edição do Brasis em Casa, realizada nos dias 26 e 27 de setembro, contou com mais de 2 mil visualizações e as seis horas de shows e discotecagens estão disponíveis no no canal “Projeto Brasis” no Youtube. Ainda tem outros três fins de semana: 21 e 22 novembro, 18 e 19 de dezembro, 23 e 24 de janeiro.

Programação #BrasisEmCasa outubro

24 de outubro, sábado:
18h – Rubia Divino (PR)
18h30 – Trio Armorial (PR)
19h – Kiko Dinucci (SP)
19h30 – Bruna Lucchesi (PR)
20h – Hillbilly Rawhide (PR)

25 de outubro, domingo
18h – Mel Duarte (SP)
18h30 – Wes Ventura (PR)
19h – Monna Brutal (SP)
19h30 – Louie R. (PR)
20h – Tapuia Trio (PR)

Brasis no Paiol
Realizado em Curitiba desde 2012, o projeto Brasis no Paiol está em sua oitava temporada. Neste ano, com uma mudança no formato e no número de apresentações. Os shows saíram do tradicional Teatro do Paiol e passaram a ser transmitidos pela internet, em cinco edições mensais com 10 atrações em cada, de setembro a janeiro de 2021.

Realizado pelos produtores Bina Zanette (Santa Produção) e Heitor Humberto (Fineza Comunicação e Cultura), artistas de diferentes regiões do Brasil, bem como nomes da Curitiba, apresentam novidades, lançamentos, estreias e projetos especiais. Até hoje, já foram mais de 70 shows.

Em 2020, o projeto é realizado com o Projeto de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. Conta com o patrocínio do Ebanx e o apoio da Effex Tecnologia e Criação, Cliteriosa Comunicação e haharadio.

Serviço
Brasis em Casa
24 e 25 outubro, a partir das 18h.
Transmissão canal Projeto Brasis: https://bit.ly/youtubebrasis
Mais informações no evento: aqui 

fonte: Cliteriosa Comunicação No ponto

PROJETO BRASIS NO PAIOL 2020 SERÁ ONLINE E TERÁ 50 ATRAÇÕES

Novo formato quintuplica número de artistas participantes. Entre os nomes da edição de setembro estão Xênia França, Amaro Freitas e Brisa Flow.

Realizado em Curitiba desde 2012, o projeto Brasis no Paiol chega a sua oitava temporada com uma mudança no formato e número de apresentações. Os shows saem do tradicional Teatro do Paiol e passam a ser transmitidos pela internet, em cinco edições mensais com 10 atrações em cada, de setembro a janeiro de 2021. A principal razão para a alteração foi a impossibilidade de realização dos shows neste ano devido a pandemia.

A primeira edição vai ao ar nos dias 26 e 27 de setembro. No sábado, quem se apresenta é Xênia França, Brisa Flow, Alienação Afrofuturista convida Lemoskine, Sol.Katu Ê Maraca.Drum e a DJ Mitay. No domingo tem Amaro Freitas, Janine Mathias, Melina Mulazani, Ágatha Pradnik e Disco Veneno. As apresentações, de 30 minutos para shows e uma hora para discotecagem, serão no canal do Brasis no Paiol do Youtube e Twitch. Também serão transmitidos no perfil da Santa Produção do Instagram e Facebook.
As próximas datas do projeto serão nos dias 24 e 25 de outubro, 21 e 22 novembro, 19 e 20 de dezembro e 23 e 24 de janeiro.

Do teatro para a tela

Faltavam poucos dias para a divulgação da temporada 2020 do Brasis no Paiol quando a quarentena foi anunciada. O projeto, que contaria com 10 apresentações de abril a dezembro, no icônico Teatro do Paiol em Curitiba, entrou em pausa. Com a incerteza do retorno das atividades culturais ao vivo, o Brasis precisou ser reformulado.

“O Paiol é um local muito especial, os shows lá são sempre uma experiência incrível. Mas apesar de o projeto estar totalmente ligado ao espaço, não fazia sentido a gente esperar um retorno das atividades enquanto artistas e técnicos estão com sua atuação comprometida. Por isso nos esforçamos para que o evento fosse realizado ainda neste ano, adaptando seu formato”, explica a produtora Bina Zanette, uma das idealizadoras do projeto.

Com a alteração, o Brasis no Paiol teve a oportunidade de quintuplicar o número de artistas participantes, possibilitando monetizar um dos setores da economia mais prejudicado pelo isolamento social. Aumenta também sua abrangência, já que em vez dos 220 ingressos por show, poderá ser visto pelo público de qualquer lugar do mundo que tenha acesso à internet.

Brasis no Paiol

Desde 2012, os produtores Bina Zanette (Santa Produção) e Heitor Humberto (Fineza Comunicação e Cultura) realizam uma sequência de shows no Teatro do Paiol, com artistas de diferentes regiões do Brasil, bem como nomes da cidade. O objetivo é sempre apresentar novidades, lançamentos, estreias e projetos especiais de artistas com trabalhos de relevância artística, que gerem interesse do público curitibano. Até hoje, já foram mais de 70 apresentações.

Em 2020, o projeto é realizado com o Projeto de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. Conta com o patrocínio do Ebanx e o apoio da Effex Tecnologia e Criação, Cliteriosa Comunicação e haharadio. 

Artistas que já passaram pelo projeto
Karol Conka (com Emicida e Kamau), Luedji Luna, Tulipa Ruiz, Anelis Assumpção, China, Siba, Aláfia, Metá Metá, Juçara Marçal, Pélico, Rael, Romulo Froes, Katia B, Ná Ozzetti, Passo Torto, Rico Dalasam, Trupe Chá de Boldo, Graveola, Alzira E, Fióti, Saulo Duarte e a Unidade, Patricia Bastos & Dante Ozzetti, Bianca Gismonti Trio, Macaco Bong, Felipe Cordeiro, Qinho, Badi Assad, Sambas do Absurdo, Janine Mathias, Hurtmold, Conde Baltazar, Rodrigo Campos, Melina Mulazani e Luciano Faccini, Apanhador Só, Naked Girls and Aeroplanes, Itaercio Rocha, Vitor Araújo, Trombone de Frutas, Du Gomide, Mundareu, Real Coletivo, Duofel com Carlos Malta e Robertinho Silva, Copacabana Club, entre outros.

SERVIÇO 
Brasis no Paiol em Casa – Edição de setembro
:: 26 de setembro, sábado, 18h
:: 27 de setembro, domingo, 18h

Transmissão:
twitch – /brasisnopaiol
youtube – Brasis no Paiol
facebook – /santaproducao
instagram – @santaproducao

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O NÚCLEO DE PROJETOS AUDIOVISUAIS DE CURITIBA (NPA) – EDIÇÃO 2020

Os roteiristas selecionados terão encontros quinzenais e gratuitos, de março a agosto. Inscrições até 06 de março.

O Núcleo de Projetos Audiovisuais de Curitiba (NPA) está com as inscrições abertas até 06 de março para o processo seletivo de 2020. 24 roteiristas terão a oportunidade de desenvolver e aprimorar seu projeto de série ou longa-metragem de ficção ao longo dos próximos seis meses. Os encontros com os orientadores, a roteirista e diretora curitibana Jessica Candal e o roteirista e professor da escola de cinema latino-americana, EICTV-Cuba, Daniel Tavares, que irão guia-los na escrita dos roteiros, serão quinzenais e totalmente gratuitos. Em formato de fórum de discussão o objetivo é que esses encontros, além de oportunizarem orientações e desenvolvimento de ideias, cultivem principalmente a troca e promova a fala e a escuta entre os artistas. O desejo é que no final os projetos estejam prontos para buscar financiamento para sua viabilização. 

Durante esse período, também serão oferecidas masterclasses com outros profissionais de renome da área. Sempre gratuitas, abertas ao público e irão abordar a narrativa audiovisual sob diferentes perspectivas, de acordo com o ministrante convidado. Em agosto, os projetos participantes do NPA serão apresentados numa Mostra Final, aberta ao público, com a presença de produtores locais e da comunidade. As inscrições podem ser realizadas pelo site: www.tambormultiartes.com 

“As edições sucessivas e regulares do NPA vão criando um espaço de encontro de criadores, realizadores e produtores não só do audiovisual, mas também de outras artes. É um movimento de integração e também de estímulo à produção singular de cada artista. O resultado já está começando a aparecer, com projetos sendo produzidos e aprovados em editais de desenvolvimento e produção. Em breve, veremos alguns desses projetos ocupando espaços de exibição no cinema e na TV. A proposta é que o projeto ganhe mais força ao passar pelo Núcleo, aumentando a probabilidade de viabilizá-lo, além de impulsionar e ajudar a consolidar filmes e séries que trazem as nossas histórias”, declara Marcelo Munhoz, um dos coordenadores do Núcleo. 

“Nosso foco esse ano é aprimorar e potencializar cada etapa do processo: as masterclasses, o trabalho do grupo de desenvolvimento e também ampliar, registrar e divulgar mais os resultados da Mostra Final, que desta vez será aberta ao público”, avisa. 

Projeto aprovado no Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura | PROFICE da Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura | Governo do Estado do Paraná. Apoio: COPEL. 

Conta ainda com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba. 

Sobre a Tambor Multiartes: 
O NPA é uma inciativa da Tambor Multiartes e teve origem no Núcleo de Dramaturgia Cinematográfica do SESI/PR e no Núcleo Audiovisual SESI/PR que formou roteiristas e ajudou a desenvolver projetos de 2012 a 2015. O Núcleo de Crítica de Cinema em 2016 veio consolidar a formação de pensamento sobre a realização audiovisual. Outro projeto realizado pela Tambor foi o Ficção Viva que trouxe importantes cineastas ibero-americanos para ministrar oficinas de roteiro em Curitiba, como Karim Aïnouz, Kleber Mendonça, Guillermo Arriaga (México), Lucrecia Martel (Argentina) e Pedro Costa (Portugal). 

Marcelo Munhoz, um dos coordenadores do NPA, além de fundador da Tambor, foi um dos idealizadores do Projeto Olho Vivo que realizou o Ponto de Cultura Minha Vila Filmo Eu, trabalho de ensino de cinema na Vila das Torres, em Curitiba, que obteve reconhecimento nacional. A Tambor Multiartes realizou ainda o documentário A Grande Nuvem Cinza, com direção de Marcelo Munhoz. Para saber mais visite o site: www.tambormultiartes.com 

SERVIÇO: 
Inscrições para o Núcleo de Projetos Audiovisuais de Curitiba – Edição 2020 
Data: até 06 de março 
Encontros de 21 de março a 15 de agosto 
Inscrições: www.tambormultiartes.com 

CONTATOS: 
Assessoria de Imprensa 
Glaucia Domingos 
41 99909 7837 
glauciadomingos@hotmail.com 

Produção e Coordenação 
Marcelo Munhoz – 41 99903 5516 
Vivian Britsch – 41 98414 4004 
contato@tambormultiartes.com 
www.facebook.com/npacuritiba/ 
instagram: @npacuritiba

TEATRO ZÉ MARIA E CASA HOFFMANN RECEBEM A PERFORMANCE HISPANO-BRASILEIRA ‘DEVÓRATE’

DEVÓRATE from Mari Paula on Vimeo.

Após turnê por cidades espanholas e nordeste brasileiro, a performance de dança fará curta temporada em Curitiba 

De 25 de outubro a 3 de novembro, Curitiba recebe pela primeira vez o espetáculo “Devórate”, que estará em cartaz no Teatro Zé Maria e Casa Hoffmann. “Devórate” é um solo de dança produzido através de uma conexão entre Brasil e Espanha, uma co-produção entre a espanhola Rebeca García e a brasileira Mari Paula. As apresentações acontecem de sexta à domingo e os ingressos já estão à venda por R$ 10,00 (dez reais) e R$ 5,00 (cinco reais). 

Projeto vencedor do Programa Iberescena 2019 (FUNARTE) e incentivado pela Fundação Cultural de Curitiba e Ebanx, “Devórate” foi idealizada e interpretada por Mari Paula, a performance tem a direção de movimento de Rebeca García e a colaboração de Janet Novás, Leonarda Glück, Reinaldo Ribeiro e Ricardo Nolasco. 

Em busca de uma estética antropófaga e pós-apocalíptica, a criação coreográfica realiza um profundo trabalho de pesquisa em sete residências em diferentes centros de criação na Espanha e no Brasil para chegar à estréia com uma peça sólida. Segundo Mari Paula “na dança e na performance diversas narrativas podem ser criadas e nós artistas devemos ter consciência na relação que existe entre o nosso discurso e nossa prática. Devemos criar com responsabilidade social (…) Não se pode fazer um trabalho no ‘modo Instagram’, com pressa, é necessário aprofundar.” 

Em suas últimas criações em dança e performance, a bailarina e gestora cultural Mari Paula vem investigando o corpo por meio da intervenção urbana e da antropofagia cultural. Ela também é uma das co-fundadoras do Espaço Cultural Casa Selvática em Curitiba e integrou o elenco de importantes companhias públicas de dança contemporânea do Brasil, das quais se destaca o Balé Teatro Guaíra. 

Com “Devórate”, realizou sua última residência no Palácio de Festivales (Cantabria – Espanha) e circulou por diferentes teatros e festivais da Espanha e do Brasil, como: Festival La Espiral Contemporanea (Cantabria), Festival Eima (Mallorca – Espanha), Teatro Isabel La Católica (Granada – Espanha), Carme Teatre (Valência – Espanha), Festival Cena Cumplicidades (Recife – BR). 

Sinopse: Esta peça foi criada para degradar-se em 450 anos sobre a Grande Porção de Lixo do Pacífico, onde o plástico engoliu o futuro. Rebotalho da humanidade, uma mulher foi transformada em proletária digital após a crise da representação. Come-se a si mesma em busca do prazer do corpo coletivo que perdeu outrora. 

Devórate. Crédito foto: Anjana Guerras

Serviço: “Devórate” 
De 25 a 27 de outubro, sexta e sábado às 20h00 e domingo às 18h Teatro Zé Maria (O Teatro da Classe) | R. Treze de Maio, 655 – São Francisco, Curitiba Ingressos: http://bit.ly/Devorate 

De 1 a 3 de novembro, sexta e sábado às 20h00 e domingo às 18h Casa Hoffmann | R. Dr. Claudino dos Santos, 58 – São Francisco Ingressos: https://bit.ly/DevorateCH 

Classificação: 18 anos Duração: 50 minutos Ingressos: R$ 10,00 (dez reais) e R$5,00 (cinco reais) 

Página do evento, aqui

Equipe artística: Direção geral, conceito e performance: Mari Paula Direção de movimento: Rebeca García Colaboração dramatúrgica e de movimento: Janet Novás, Leonarda Glück, Reinaldo Ribeiro e Ricardo Nolasco Desenho de luz: Carlos Molina (LumiereScene) e Spacecircles Desenho sonoro: Jaime Peña Arte gráfica: Torreón Arquitectura Fotos e vídeo: Adrián Torices, LumiereScene e Spacecicles Captação de recursos: Nina Ribas Produção Executiva: Gabriel Machado e Mari Paula Produção Local: Giovana Lago Realização: Águila Produções 

Agradecimentos: Gabriel Machado, Princesa Ricardo Marinelli, Rubia Romani Gustavo Bitencourt, Jussara Belchior, Lívia Delgado, Zony Gomez e Annika Havlicek. 

Este projeto recebeu ajuda da Funarte através do programa Iberescena 2019. Projeto realizado através do programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. 

Residências Artísticas: Casa Hoffmann Centro de Estudos do Movimento, Curitiba – Paraná Graner Centre de Creació de Dansa i Arts Vives, Barcelona – España Centro Danza Canal, Madrid – Madrid Nigredo Espacio, Madrid – Madrid Eima Creació, Palma – Mallorca 

Residências Técnicas: Carme Teatre, Valencia – Valencia Palacio de Festivales, Santander – Cantabria 

informações:
www.maripaula.com
Facebook: @maripaula.performing
Instagram: @maripaulah 

15º CURTA 8 – FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA SUPER 8 DE CURITIBA

Seguem abertas até 25 de setembro de 2019 as inscrições de filmes para as mostras competitivas do 15º CURTA 8 – Festival Internacional de Cinema Super 8 de Curitiba

Nos últimos anos o Curta 8 tem promovido a produção, exibição, divulgação e premiação de filmes na bitola super-8, além de resgatar a memória da produção cinematográfica produzida em super-8 no Brasil e no mundo.

O festival será realizado de 8 a 10 de novembro de 2019 no Cine Passeio, localizado à Rua Riachuelo, 410, Centro, Curitiba/PR, Brasil.

O evento tem a coordenação geral de Antonio Carlos Domingues, com produção de Adriano Esturilho e Fábio Allon, e direção de projeção de Lucas Vega. 

O Curta 8 é uma realização da PERFIL comunicação e cultura e da Processo MultiArtes, que conta com os apoios do Cine Passeio, ICAC – Instituto de Cultura e Arte de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura Municipal de Curitiba e rádio Uni FM.

fonte

2017 – Curta 8 (Vinheta v02) from Processo MultiArtes on Vimeo.

CURITOWN – A CULTURA DO SKATE EM CURITIBA

“A história do skate brasileiro também começou nas ladeiras curitibanas. O documentário longa metragem CURITOWN conta a história do skate de Curitiba. E é uma história fascinante! Segue uma linha cronológica de 1970 a 2000, que conta como tudo começou até culminar no reconhecimento de Curitiba como a Capital do skate.

O skate é mais do que esporte, lazer e meio de transporte, o skate é uma manifestação cultural. Uma cultura que envolve hábito, comportamento, moda, lazer, sociabilidade, identidade, um estilo de vida. A cidade apresenta um expressivo número de skatistas e muito se deve a existência de gerações que preservam a prática ao longo do tempo e dos lugares. Pista do Gaúcho, Ambiental e Drop Dead Skatepark geraram skatistas de qualidade para Curitiba e para fora dela, e durante as décadas de 1990 a 2000 a cidade foi considerada a capital do skate do Brasil. Esta cena envolvia marcas como Maha skate shop e Drop Dead com suas fábricas de tábuas e roupas, com suas lojas que promoviam as tendências de moda, campeonatos nacionais amadores, música, skatistas alcançando o pódio em campeonatos mundiais. Skate, fotografia, vídeo, marcas, fábricas, campeonatos, nomes de destaque, pioneiros do skate na capital. História.

Este universo cultural é mostrado neste documentário audiovisual de 57 minutos, trazendo para os skatistas e para um público amplo a cultura do skate curitibano, um dos mais tradicionais do Brasil. O recorte temporal vai da década de 1970 a de 2000, a partir dos depoimentos de skatistas pioneiros chegando até os campeões mundiais.

Ficha técnica:
Pesquisa 
| Victor Augustus Graciotto Silva e Juliana Cristina Reinhardt – documental e entrevista I 
André Kloss – mapeamento das pistas de skate |

Documentário Audiovisual
| Eli Firmeza – direção de fotografia e edição I Victor Augustus Graciotto Silva – direção, produção e roteiro I Felipe Oliver Arnoso, Castro Pizzano e Matheus Reinhardt Luz – assistência de direção e de produção |

Exposição
| Victor Augustus Graciotto Silva – coordenação e curadoria I Rebeca Gavião Pinheiro – Produção I Marcello Kawase – Programação e identidade visual I Regina Maria Schimmelpfeng de Souza – revisão de texto I Juliana Cristina Reinhardt – edição de conteúdo |

Livro
| Rafael Kloss – projeto gráfico e diagramação I Victor Augustus Graciotto Silva – edição I Juliana Cristina Reinhardt – edição de conteúdo e supervisão editorial I Regina Maria Schimmelpfeng de Souza – revisão de texto |

Oficina de vídeo criativa 
| Castro Pizzano, Felipe Oliver Arnoso, Matheus Reinhardt Luz – ministrante, produção e edição

Participantes e colaboradores: Kico Westphalen, Maria Elaigne Ferreira, Adriano Scharf, Marco Antônio Campos “Neggreety”, Carlos Caldart, Dego, Wallace, Dennis Kistmann, Aldy Maingué “Didi”, Luiz Hernani Scharf Junior “Dudo”, Estácio Seixas, Luis Eduardo Woff “Liba”, Fernando José Johnson, Juarez Matter, Marco Antônio Imaguire “Maguila”, Carlos Eduardo Dias “Alemão”, Heloise Imaguire, Cristian Aurélio Pereira “Sapão”, Alex Carolino, Cristian Barrera “Chileno”, Danilo do Rosário, Larissa Carollo, Diego Costa, Carlos de Andrade “Piolho”, Miguel Zafner Junior “Catarina”, Márcio Coraiola, Luiz César Ferreira, Franco Bertognoli Zaniolo, Alexandre Wolf “Sal”, Júlio Kondo “Japa”, Raphael Braciak “Urso”, Sérgio Marcelo Pacheco “Mortex”, Michel Simonetto, Rodrigo Leon Borgues “Tatu”, Pablo Vaz, Angelo Esteves “Manjo”, Ronaldo Miranda, Daniel Vieira, Alexandre Maia, Filipe Ortiz, Renato de Souza, Felipe Espíndola, Luiz Gaida, Guilherme Trakynas, Felipe Chales, Erick Bollmann, Glauber Harmann, Leandro Olivo, Beto Janz, Ricardo Elias, Edilene Ozorio “Dinha”, Erick Bollmann, Marcel Rodrigues, Ruy Rebka Prado.

Exposição: Curitown – a cultura do skate em Curitiba, entre 16 de junho a 20 de agosto de 2018 no Museu Municipal de Arte de Curitiba.

Projeto contemplado no Mecenato / 2015 e realizado com o apoio da Prefeitura Municipal de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba, Fundo Municipal de Cultura – Programa de Apoio e Incentivo à Cultura.

Incentivo: CELEPAR | CAIXA

fonte: Editora Máquina de Escrever