O PROJETO NARRATIVAS ITINERANTES INCENTIVA A LEITURA E A NARRAÇÃO DE TEXTOS LITERÁRIOS EM ESPAÇO PÚBLICOS DE CURITIBA

Serão 20 oficinas, 4 saraus e mais 350 encontros de contações de histórias promovidas pelo Circuito Cultural Ademilar

As crianças moradoras da periferia são o foco principal do projeto Narrativas Itinerantes, promovido pelo Circuito Cultural Ademilar, com oficinas, contações de histórias e saraus que passarão por todas as regiões de Curitiba. A primeira delas, o encontro de contação de histórias começa no próximo dia 07 de julho, na Casa da Leitura Wilson Bueno no Portão Cultural e vai até 24 de novembro, sempre aos sábados. A classificação é livre e a entrada é gratuita.

O projeto entende a contação de histórias como uma ponte que aproxima as pessoas da literatura. De fácil acesso e baixo custo, é um estímulo para que a comunidade se mobilize para compartilhar histórias e movimentar as Casas da Leitura de Curitiba.

Contação de Histórias
As contações de histórias utilizam três abordagens diferentes: o livro em mãos, a história decorada e o reconto ー a reconstrução oral de um texto já existente. Ao término o participante tem a oportunidade de levar consigo os livros apresentados, que serão emprestados nas Casas de Leitura.

Os encontros duram cerca de uma hora e, segundo a idealizadora do projeto, Fabiane de Cezaro, os contos selecionados foram escolhidos a partir da versatilidade literária: “A curadoria de histórias foi realizada por profissionais com vasta experiência no trabalho de incentivo à leitura, dentro de Curitiba e em outras cidades do Paraná”, afirma Cezaro. Foram indicados autores como Luís da Câmara Cascudo, Malba Tahan e Ricardo Azevedo, entre outras versões e releituras de contos populares.

Os mais de 350 encontros de contação serão divididos entre as 10 regionais de Curitiba. Além disso, 5 deles acontecerão dentro de Casas de Leituras: espaços públicos que visam aumentar o índice de leitura em crianças, jovens e adultos.

Até o dia 24 de novembro, durante todos os sábados acontecerão contações na Casa da Leitura Wilson Bueno, no Portão Cultural. Todas abertas ao público.

Saraus
Organizados pela Inominável Companhia de Teatro, serão realizados quatro saraus literários, que têm como objetivo democratizar o acesso a literatura e divulgar o trabalho dos artistas das comunidades. Logo após as apresentações programadas, o espaço fica aberto para quem quiser compartilhar suas próprias narrativas.

Os saraus acontecerão nas regionais Matriz, Portão, Santa Felicidade e Boa Vista, todos abertos à comunidade.

Oficinas
O projeto Narrativas Itinerantes conta ainda com a realização de 20 oficinas, que têm a finalidade de explorar a arte da narrativa por meio da contação de histórias.

A proposta das oficinas é possibilitar os meios práticos para explorar a palavra como forma de se aproximar do ouvinte. Segundo Fabiane de Cezaro, uma das ministrantes da oficina, a ação é importante pois cria uma familiaridade entre o contador e a narrativa. “Isso possibilita uma apresentação mais sincera e orgânica, que permite alcançar o público mais intimamente”, explica.

As oficinas serão ministradas pelas contadoras de histórias Lilyan de Souza e Fabiane de Cezaro, têm duração de 4 horas e são destinadas a professores e pessoas interessadas em aprender a arte da contação de histórias.

Circuito Cultural Ademilar
Narrativas Itinerantes é uma das apostas da segunda edição do Circuito Cultural Ademilar, uma iniciativa que fomenta a cena artística da cidade e incentiva cerca de 20 projetos de música, arte, teatro e dança. O projeto foi viabilizado via Lei do Mecenato Municipal pela Ademilar, uma das maiores incentivadoras da área privada de Curitiba.

Serviço:
Contação de História – Narrativas Itinerantes
De 07 de julho a 24 de novembro
Horário: 15h
Local: Casa da Leitura Wilson Bueno – Portão Cultural
Entrada gratuita

EM CARTAZ NO MUMA, “CAMINHO DA PEDRA” REÚNE ESCULTURAS DE DEMETRIO ALBUQUERQUE

Com entrada gratuita, mostra representa uma viagem simbólica pelo mundo mineral

A pedra é utilizada como instrumento desde a origem da humanidade, passando por transformações contínuas tanto na natureza quanto culturalmente. Foi esse o mote que instigou o artista plástico piauiense Demetrio Albuquerque a conceber as obras de “Caminho da Pedra”. A exposição, que já passou por Recife (PE), está em cartaz no MuMA (Museu Municipal de Arte), espaço que integra o Portão Cultural. Com entrada gratuita e audiodescrição, a mostra é aberta para visitação de terça a domingo, das 10 às 19h.

Na exposição, Demetrio evoca o pensamento do cientista escocês James Hutton (1726-1797). Considerado o pai da geologia, Hutton teorizou sobre o mundo mineral afirmando que não poder haver “vestígio do começo e perspectiva do fim”, pois na natureza tudo se transforma. “A intenção é narrar esse gesto artístico primordial sobre a pedra e suas transformações pela natureza. Surgiu a necessidade de fazer algo mais conceitual e, através de pesquisas, comecei a me interessar pela formação dos solos. A ideia foi voltar a algo primitivo, mas unindo a ciência ao mesmo tempo”, comenta o artista.

A mostra expressa essa dinâmica criando um percurso onde cada obra/personagem provoca a memória e a curiosidade, seja pelo aspecto artístico formal ou pela reflexão sobre sua confecção. “Caminho da Pedra”, que conta com o incentivo do Funcultura (Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura), representa um balanço da carreira de Demetrio enquanto escultor. As obras resultam do trabalho com técnicas da cerâmica pernambucana, pesquisa à qual o artista plástico se dedicou nos últimos anos.

Curitiba
A capital paranaense, considerada a “segunda casa” de Demetrio, também é o segundo lugar a receber a exposição, já que o escultor possui uma relação profunda com a cidade. Após concluir sua formação em arquitetura e iniciar as atividades como escultor frequentando ateliers em Recife, Demetrio residiu em Curitiba na década de 1990. Aqui, ele fez o curso de escultura do Centro de Criatividade do Parque São Lourenço, com orientação do escultor Elvo Benito. Em Curitiba, o artista ganhou o prêmio João Turim (1991) de aquisição no 1º Salão do Museu João Turim, com as esculturas “Migrante” e “Andaluz”.

Demetrio também venceu o concurso para o “Monumento Tortura Nunca Mais”, em 1987. Construído no Recife, esse foi o primeiro monumento a homenagear os presos políticos mortos no Brasil. Após suas passagens por Recife e Curitiba, o escultor morou no Japão, onde fez curso de cerâmica (Yakimono) e realizou a exposição “Karada”, em Ashikaga-shi. Voltou para Pernambuco e se estabeleceu em Olinda, passando a produzir esculturas de grande porte em cidades nordestinas. Alguns exemplos são “A Pedra”, “Caboclo de Lança”, “Circuito dos Poetas do Recife”, “Dom Helder” e “Monumento a Augusto dos Anjos”.

Obras
A viagem simbólica de “Caminho da Pedra” começa com a movimentação dos minerais desde a rocha bruta até a argila de aluvião, representada pela obra “Ígnea”, onde se vê um rosto humano integrado com a pedra. Em seguida, “Erosão” traz a dissolução da matéria pela água e pelo vento, com uma figura humana nascendo ou se enterrando na pedra. Logo depois, a instalação se funde com pedras espalhadas pelo terreno. Entre elas, a escultura “Pétreo” apresenta uma figura montada numa pedra, recordando a origem da civilização.

O segundo movimento nos leva ao artista, que experimentou as primeiras vivências com a argila na comunidade japonesa de ceramistas de Ashikaga-shi. Nesse ponto, os conjuntos de peças “Emboladas” e “Ciranda” mostram cabeças de figuras populares e situações socioculturais. Continuando diante de grupos alegóricos – que são como projetos para monumentos -, percebe-se a marca de escultores do Recife como Abelardo da Hora, Corbiniano Lins, Brennand e Jobson Figueiredo.

A mostra também passa pelo sertão nordestino, cenário no qual se encontram vestígios da ocupação humana dos povos antigos da América Latina, do encontro com colonizadores e, posteriormente, com outros grupos populacionais. A partir dessa miscigenação, surge o trabalho artístico com barro e argila, tema explorado por Demetrio para traçar um paralelo entre a transformação e a sedimentação da pedra em paralelo com o homem que a esculpe.

Serviço:
Exposição Caminho da Pedra
Visitação: até 3 de junho
Onde: MuMA (Av. República Argentina, 3.432 – Portão Cultural, Portão, Curitiba)
Horários: terça a domingo, das 10h às 19h
Entrada: gratuita
Obras com audiodescrição
Agendamento de visitas: (41) 3321-3246
Caminho da Pedra / Fotografias: Thiago França
Para saber mais
Facebook | Instagram

DO ERUDITO AO POPULAR: MÚSICA DE CONCERTO PARA TODOS OS GOSTOS

 

O conjunto Sopro5 Quinteto estreia em abril temporada inédita de concertos temáticos de música instrumental

O tradicional conjunto de música instrumental Sopro5 Quinteto estreia dia 24 de abril às 19h30 em Curitiba, no Portão Cultural – Auditório Antônio Carlos Kraide, temporada inédita de concertos temáticos, com repertório variado e enfoque nos compositores brasileiros. Os ingressos custam R$5,00 (meia entrada) e R$10,00 (inteira).

Cada apresentação terá um tema diferente, percorrendo os mais diversos estilos e arranjos, desmistificando a música de câmara. A ideia é levar um novo público aos teatros e auditórios para apreciar essa manifestação milenar e ainda atual.

O conjunto nasceu em 2015 e é formado por músicos paranaenses que, aliando suas experiências em orquestras e música de câmara, buscam apresentar obras originais e adaptações para divulgar e incentivar a criação de novas composições para o gênero.

A instrumentação atual do quinteto de sopros reúne flauta, oboé, clarineta, fagote e trompa.

Marcelo Oliveira / clarinete

Temporada 2018
O projeto estabelece um novo padrão de divulgação da música de câmara, uma vez que o Sopro5 Quinteto é o único conjunto de Curitiba e um dos poucos do Brasil a divulgarem uma temporada de concertos com temáticas distintas, seguindo o exemplo das grandes e tradicionais instituições de arte e música – museus, ballets, casas de ópera e orquestras ao redor do mundo.

A temporada vai até novembro deste ano e faz parte do calendário do Circuito Cultural Ademilar, uma iniciativa que está viabilizando uma série de projetos culturais em Curitiba por meio da Lei do Mecenato Municipal, com recursos do ISS – Imposto Sobre Serviços. Em 2018 já são cerca de 20 projetos que fomentam a cena cultural da cidade.

Na estreia, o concerto traz a Belle Époque, período histórico que contempla o final do século XIX até o início da Primeira Guerra Mundial. O programa inclui obras originais para quinteto de sopros inspiradas neste período e com compositores nascidos na mesma época. Dentre elas estão as obras de Paul Taffanel, Jacques Ibert e Adrien Barthe e Júlio Medaglia.

A temporada segue com os concertos Choros e Canções, em 22 de maio, Música do Século 20 e 21, em 19 de junho, Suítes Brasileiras, nos dias 13 e 14 de agosto, Sopro5 em Concerto, em 23 de outubro, e fecha com Villalobiando, em 27 de novembro.

Desde as suas primeiras apresentações, em 2015, o Sopro5 Quinteto tem dedicado atenção especial à divulgação do repertório de música brasileira. Nesta temporada serão apresentadas composições nacionais em todos os concertos, em especial de compositores paranaenses e jovens acadêmicos dos cursos de composição da UNESPAR e UFPR.

Com estilo e bom gosto, o Sopro5 Quinteto mostra como dividir com o público os prazeres da boa música. Fabrício Ribeiro (flauta), Marcos Vicenssuto (oboé), Marcelo Oliveira (clarinete), João Vitor Jr. (fagote) e Fabio Jardim (trompa) compõem o grupo.

Serviço:
Concerto Belle Époque
Data: 24/04
Horário: 19h30
Local: Portão Cultural – Auditório Antônio Carlos Kraide
Avenida República Argentina, 3430 – Água Verde, Curitiba
Ingressos: R$10,00 (inteira) R$ 5,00 (meia)
Compre pelo site www.sopro5.com.br ou nos pontos de vendas:
Portão Cultural – Auditório Antônio Carlos Kraide – Av. Rep. Argentina, 3430 – Água Verde, Curitiba
Teatro Paiol – Praça Guido Viaro, s/n – Prado Velho
Capela Santa Maria – Conselheiro Laurindo, 273 – Centro

MUMA RECEBE EXPOSIÇÃO “CAMINHO DA PEDRA”, DO ESCULTOR DEMETRIO ALBUQUERQUE

Caminho da Pedra / Fotografias: Thiago França

Obras narram a relação do artista plástico com o material e as transformações causadas pela ação da natureza

A pedra é utilizada como instrumento desde a origem da humanidade, passando por transformações contínuas tanto na natureza quanto culturalmente. Foi esse o mote que instigou o artista plástico piauiense Demetrio Albuquerque a conceber as obras de “Caminho da Pedra”. A exposição, que já passou por Recife (PE), inaugura em Curitiba no dia 5 de abril, às 18h. Com entrada gratuita e audiodescrição, a exposição segue em cartaz até 3 de junho no MuMA (Museu Municipal de Arte), espaço que integra o Portão Cultural.

“Caminho da Pedra” resulta do trabalho com técnicas da cerâmica pernambucana, pesquisa à qual o escultor se dedicou nos últimos anos. Na exposição, ele evoca o pensamento do cientista escocês James Hutton (1726-1797). Considerado o pai da geologia, Hutton teorizou sobre o mundo mineral afirmando que não poder haver “vestígio do começo e perspectiva do fim”, pois na natureza tudo se transforma. Segundo Demetrio, a intenção é narrar esse gesto artístico primordial sobre a pedra e suas transformações pela natureza.

“A exposição é uma espécie de balanço da minha carreira de escultor. Surgiu a necessidade de fazer algo mais conceitual e, através de pesquisas, comecei a me interessar pela formação dos solos. A ideia foi voltar a algo primitivo, mas unindo a ciência ao mesmo tempo”, comenta o artista. “Caminho da Pedra” expressa essa dinâmica criando um percurso onde cada obra/personagem provoca a memória e a curiosidade, seja pelo aspecto artístico formal ou pela reflexão sobre sua confecção.

A mostra também passa pelo sertão nordestino, cenário no qual se encontram vestígios da ocupação humana dos povos antigos da América Latina, do encontro com colonizadores e, posteriormente, com outros grupos populacionais. A partir dessa miscigenação, surge o trabalho artístico com barro e argila, tema explorado por Demetrio para traçar um paralelo entre a transformação e a sedimentação da pedra em paralelo com o homem que a esculpe.

Obras
A viagem simbólica de “Caminho da Pedra” começa com a movimentação dos minerais desde a rocha bruta até a argila de aluvião, representada pela obra “Ígnea”, onde se vê um rosto humano integrado com a pedra. Em seguida, “Erosão” traz a dissolução da matéria pela água e pelo vento, com uma figura humana nascendo ou se enterrando na pedra. Logo depois, a instalação se funde com pedras espalhadas pelo terreno. Entre elas, a escultura “Pétreo” apresenta uma figura montada numa pedra, recordando a origem da civilização.

O segundo movimento nos leva ao artista, que experimentou as primeiras vivências com a argila na comunidade japonesa de ceramistas de Ashikaga-shi. Nesse ponto, os conjuntos de peças “Emboladas” e “Ciranda” mostram cabeças de figuras populares e situações socioculturais. Continuando diante de grupos alegóricos – que são como projetos para monumentos -, percebe-se a marca de escultores do Recife como Abelardo da Hora, Corbiniano Lins, Brennand e Jobson Figueiredo.

Sobre o artista
Demetrio Albuquerque Silva Filho (Piauí, 1961) é arquiteto e iniciou as atividades como escultor frequentando ateliers de escultores em Recife. Em 1987, ganhou o concurso para o Monumento Tortura Nunca Mais. Seguiu para Curitiba, onde fez o curso de escultura do Centro de Criatividade do Parque São Lourenço, com orientação do escultor Elvo Benito Damo. Ganhou o prêmio João Turim (1991) de aquisição no 1º Salão do Museu João Turim, em Curitiba, com as esculturas “Migrante” e “Andaluz”. Mudou-se para o Japão, onde fez curso de cerâmica (Yakimono) e realizou a exposição “Karada”, em Ashikaga-shi. Voltou para Pernambuco e se estabeleceu em Olinda, passando a produzir esculturas de grande porte em cidades nordestinas. Alguns exemplos são “A Pedra”, “Caboclo de Lança”, “Circuito dos Poetas do Recife”, “Dom Helder” e “Monumento a Augusto dos Anjos”.

Serviço
Exposição Caminho da Pedra
Abertura: 5 de abril, às 18h
Visitação: 6 de abril a 3 de junho
Onde: MuMA (Av. República Argentina, 3.432 – Portão Cultural, Curitiba)
Horários: terça a domingo, das 10h às 19h
Entrada: gratuita
Obras com audiodescrição

PARANAMBUCO REALIZA PRIMEIRA MINITEMPORADA DO PROJETO ORUN AYÊ ESTA SEMANA, NO PORTÃO CULTURAL

Paranambuco. Crédito HAI studio

Grupo desenvolve série de oficinas e shows gratuitos em Curitiba para fortalecer a identidade cultural brasileira por meio da música

A partir deste mês, o projeto Paranambuco apresenta: Orun Ayê desenvolve uma série de ações com entrada gratuita para aproximar o público curitibano de ritmos tradicionais brasileiros. Serão promovidas três oficinas seguidas de pocket shows, além de seis shows do Paranambuco com participações especiais. A primeira minitemporada acontece esta semana, entre sexta-feira e domingo (dias 23, 24 e 25), no Auditório Antônio Carlos Kraide, no Portão Cultural.

Criado em 2010, o Paranambuco é formado pelo pernambucano Matheus Braga, a paranaense Jô Nunes, o paranaense Bruno Klammer, o mineiro Fred Pedrosa e o catarinense José Navarro. O trabalho autoral surgiu a partir do estudo da musicalidade tradicional brasileira, sendo parte dele dedicada aos Orixás cultuados na Umbanda.

“Toda manifestação cultural tem o objetivo de fazer permanecer uma história. Então, ao reunir e apresentar diferentes regionalidades, nossa intenção é fortalecer a identidade do Brasil. Por meio de ritmos brincantes e da interação com a plateia, queremos propor que a diversidade do nosso país seja valorizada”, conta Matheus. 

Programação:
A primeira minitemporada começa nesta sexta (23), às 14h, com a oficina Brincando Coco e um pocket show. Os participantes terão contato com a história do coco, além de aprender a tocar alguns instrumentos e fazer uma roda de dança. Com duração de 1h30, a oficina é aberta a públicos de todas as idades e não requer inscrição prévia.

No dia 24, o show ocorre às 20h; e, no dia 25, às 19h. O grupo traz o repertório do álbum Orun Ayê, com ritmos como baião, coco, samba, maracatu e xote, além de ijexá, toruá, barravento, puxada de rede e jongo. As apresentações também terão a presença do rabequeiro e percussionista Carlos Ferraz, uma das principais referências da cultura popular e da capoeira angola em Curitiba.

Carlos já integrou o grupo Mundaréu e atuou no espetáculo Rosa Armorial. O artista fez turnês pela Europa com o grupo Forró de Rabeca e fundou a Orquestra de Berimbaus, do grupo Capoeira Angola Resistência e Arte. Também criou o primeiro Festival de Forró de Curitiba e executou o trabalho autoral Carlinhos Ferraz e Forró de Rabeca.

Serviço: 
Paranambuco apresenta: Orun Ayê | 1ª minitemporada

23/2, sexta-feira
14h: Oficina “Brincando Coco” + pocket show

// 24/2, sábado
20h: Show Paranambuco – part. Carlos Ferraz

// 25/2, domingo
19h: Show Paranambuco – part. Carlos Ferraz

// Local: Auditório Antônio Carlos Kraide, no Portão Cultural 
// Endereço: Avenida República Argentina, 3.430 , Portão, Curitiba
// Entrada: gratuita, para públicos de todas as idades