COLÔMBIA DE FÉRIAS DA CASA SELVÁTICA

Simone Magalhães

Coletivo curitibano propõe semana de programação com ações artísticas em sua sede localizada no bairro Rebouças

Os artistas da Casa Selvática iniciam o ano promovendo a Colômbia de Férias, uma semana de programação com oficinas, encontros performativos, apresentações, leituras dramáticas e conversas na sede do coletivo localizado no bairro Rebouças, em Curitiba. As ações acontecem entre os dias 27 de janeiro a 3 fevereiro no espaço Cultural Casa Selvática (rua nunes machado, 950).

Com o objetivo de repartir um pouco do modo de fazer cultura, arte, educação e política os artistas do coletivo abrem as portas do sobrado cor de rosa para pessoas de todas as idades numa semana divertida, afetiva e purpurinada.

A programação começa no domingo, 27 de janeiro com o SARAU DA VISIBILIDADE TRANS, uma ação do Instituto Brasileiro Trans de Educação – IBTE em parceria com a Associação Paranaense da Parada da Diversidade – APPAD e Dom da Terra AfroLGBTI.

O artista Itaercio Rocha  (foto) propõe a oficina BORDANDO MEMÓRIAS E CANÇÕES partindo de lembranças, recordações e saudades para bordar canutilhos e miçangas em veludo. Cali Ossani ministra as PRÁTICAS MATINAIS DE KUNDALINI YOGA.

Patricia Cipriano e Stéfano Belo propõem o CLUBE DO DESMONTE para interessados em montaria, desmontar cacarecos, figurinos, roupas, acessórios, ideias, jóias do 1,99 e adereços das mais diversas materialidades.

Simone Magalhães e Victor Hugo apresentam a TARDE PRETA – um espaço de compartilhamento performático e conversas, para que os artistas convidados compartilhem suas compreensões sobre as negritudes e os processos de vida que permeiam seus trabalhos.

Jo Mistinguett e Simone Magalhães dirigem as LEITURAS DRAMÁTICAS dos textos Eu que não sou aí onde estou e A Falta de Novas Receitas em um Bolo de Lata nos fez Permanecer Aqui da autoria de Semy Monastier.

A programação se encerra com a primeira turma de vedetes mirins na COLOMBINA, onde a casa abre espaço para crianças de 5 a 10 anos possam experienciar a coletividade e a criação artística em grupo através de uma programação que envolve teatro, gastronomia e contação de histórias.

As inscrições para oficinas devem ser feitas através do e-mail: colombiadeferias@gmail.com Envie seu nome completo, a ação da qual quer participar e a forma de pagamento escolhida. Os pagamentos podem ser feitos na hora. Aceitamos dinheiro e cartões de débito e crédito.

Mais informações acesse o site www.selvatica.art.br/colombiadeferias

SERVIÇO:
COLÔMBIA DE FÉRIAS DA CASA SELVÁTICA
27 de Janeiro a 3 de Fevereiro no espaço cultural Casa Selvática

APRESENTAÇÕES
A bilheteria abrirá meia hora antes das atrações.
Casa Selvática
Rua Nunes Machado, 950 – Rebouças, Curitiba-PR
Fone: (41) 9 9991-9732

PROGRAMAÇÃO
27 DE JANEIRO (domingo)

15h às 20h – SARAU DA VISIBILIDADE TRANS  
Com Instituto Brasileiro Trans de Educação – IBTE, a Associação Paranaense da Parada da Diversidade – APPAD e Dom da Terra AfroLGBTI.

28 DE JANEIRO (segunda-feira)
14h às 17h – OFICINA DE BORDADO
Com Itaercio Rocha

29 DE JANEIRO (terça-feira)
10h – PRÁTICAS DE KUNDALINI YOGA
Com Cali Ossani
14h às 17h – OFICINA DE BORDADO
Com Itaercio Rocha

30 DE JANEIRO (quarta-feira)
10h – PRÁTICAS DE KUNDALINI YOGA
Com Cali Ossani
14h às 17h – OFICINA DE BORDADO
Com Itaercio Rocha

31 DE JANEIRO (quinta-feira)
18h – CLUBE DO DESMONTE
com Stéfano Belo e Patricia Cipriano

01 DE FEVEREIRO (sexta-feira)
20h – Leitura dramática
“A Falta de Novas Receitas em um Bolo de Lata nos fez Permanecer Aqui”
Texto de Semy Monastier
Direção de Simone Magalhães

02 DE FEVEREIRO (sábado)
15h às 18h – TARDE PRETA
com Simone Magalhães e Victor Hugo
20h – Leitura Dramática
“Eu que não sou aí onde estou”
Texto de Semy Monastier
Direção de Jo Mistinguett

03 DE FEVEREIRO (domingo)
10h às 15h – COLOMBINA
com Patricia Cipriano e Simone Magalhães

Descrição dos eventos

SARAU DA VISIBILIDADE TRANS  
O Instituto Brasileiro Trans de Educação – IBTE, juntamente com a Associação Paranaense da Parada da Diversidade – APPAD e o Dom da Terra AfroLGBTI convida a todos para o sarau trans com apresentações multimídias, documentários; exposições, músicas, dança e performance, discotecagem e microfone aberto para a construção de um manifesto trans.
Dia: 27 de janeiro
Horário: 15h às 22h
Entrada Gratuita

PRÁTICAS MATINAIS DE KUNDALINI YOGA ministradas por Cali Ossani
Convido aquelxs que sentirem o chamado a uma breve imersão na sua infinitude pessoal através da prática da Kundalini Yoga, que tem como símbolo uma serpente enrolada na base da coluna vertebral, possui técnicas dinâmicas, energizantes e objetivas. Entre os benefícios, podemos destacar que ela fortalece, alonga e relaxa a musculatura e todo o metabolismo do corpo. Além disso, auxilia no sistema respiratório, aumenta o nível de vitalidade física e psíquica, estimula a harmonia do sistema nervoso e glandular e propõe um profundo mergulho na meditação, através do uso de mantras.
Dias: 29 e 30 de Janeiro
Horário: 10h às 11h
Investimento: R$ 20 reais/aula

OFICINA – BORDANDO MEMÓRIAS E CANÇÕES com Itaercio Rocha
Bordar com canutilhos e miçangas em veludo, tendo como ponto de partida lembranças, recordações e saudades! Recuperar desenhos da infância e das lembranças de bordados. Criar formas e traçados, a partir de pesquisas em antigos e novos bordados. Bordar cantando. Brincar de cantar e bordar. Brincar de inventar canções e bordados.
Vamos trans bordar!
Missangas, canutilhos, brincadeiras e remelexos!
Vamos bordar nossas fantasias e fantasiar nossos bordados!
O Bordar – Trans Bordar
O bordar vem de longe, de tempos e tempos atrás!
Vem do silêncio e da conversa prazerosa!
Vem do cantarolar sozinho e com os outros!
Bordar vem do lembrar fios de histórias e contas
Bordar é inventar trajetos, tempos e espaços
É enfeitar, colorir, dar brilho em imaginações
É parar o tempo, perder a hora, trans bordar
Bordar é ir, ponto a ponto, construindo eternidades e identidades.
Dias: 28, 29 e 30 de janeiro
Horário: 14h às 17h
Investimento: A partir de R$30

CLUBE DO DESMONTE com Patricia Cipriano e Stéfano Belo
Desmontar cacarecos, figurinos, roupas, acessórios, ideias, jóias bélicas do 1,99 e adereços das mais diversas materialidades, para que juntas vejamos erguer-se do caos visualidades exuberantes e performances desviantes.

Stéfano Belo e Patricia Cipriano montam uma fábrica de sonhos da Casa Selvática e convidam todes interessades na criação em processo, precariedade, balangandan & montaria. Drag kings e drag queens, mulheres, bichas, sapatonas, travestis, NB’s e quem mais se interessar: venham para uma noite de experiência criativa na mais alta montaria drag queer. Junte-se a nós nessa invasão dissidente pelo bairro do Rebouças!
Dia: 31 de janeiro
Horário: 18h às 22h
Investimento: R$15

TARDE PRETA com Simone Magalhães e Victor Hugo
Simone Magalhães e a Casa Selvática tem o prazer de receber na casa rosa mais resistente do Rebouças, a TARDE PRETA – um espaço de compartilhamento performático, conversas e vivências terapêuticas. Pensado para que artistas próximos(as) de nossa convivência na cidade irradiem suas compreensões sobre as negritudes e os processos de vida que permeiam seus trabalhos.
Dia: 02 de fevereiro
Horário: 15h às 18h
Entrada Gratuita

LEITURA DRAMÁTICA – ”Eu que não sou aí onde estou”
Seres purulentos dançantes tentam explicar suas ansiedades.
Texto: Semy Monastier
Direção: Jo Mistinguett
Elenco: Cali Ossani, Daniele Cristyne, Matheus Henrique, Nina Ribas e Victor Hugo
Sonoplastia: Cali Ossani
Produção: Léo Bardo e Ricardo Nolasco
Dia: 02 fevereiro
Horário: 20 horas
Entrada: R$10 reais

COLOMBINA
Por acreditarmos nas mais diversas formas de existência no mundo, este ano inauguramos a primeira turma de Vedetes Mirins dentro da programação da Colômbia de Férias. Chamamos de COLOMBINA o espaço onde as crianças inscritas protagonizarão suas próprias existências e terão a oportunidade de contar e recontar, montar e remontar suas próprias narrativas, mergulhando na coletividade do organismo Casa Selvática e exercitando entre si os novos modos de conhecimento emergidos deste novo grupo de Vedetes!

Acreditamos na esperança que há neste movimento, afinal, o exercício do pensamento crítico aliado à sensibilidade artística e criativa das crianças só pode resultar em inúmeras soluções inventivas para sermos o que quisermos, um motivo a mais para estar aqui, um motivo a mais para exercitar outras coletividades, uma aliança a mais para resistir. Colombina é jovem, é sagaz, é inventiva! Colombina é a vedete do século 21!

* Inscrições para crianças de 5 a 10 anos (10 vagas)
Investimento: R$20 por criança** Cada criança deve trazer uma sugestão de alimento para compartilhar;
*** Fiquem à vontade para usar a criatividade: caso queiram, pode trazer roupas, adereços e objetos!

Programação da Colombina:
10:00 – Recepção
10:15 – Movimento matilha
10:30 – Meu nome é, mas hoje sou… (a construção de outro eu)
11:30 – Almoço coletivo – O almoço será preparado pelas crianças, amparadas por adultos que estarão zelando por todes. Menu a definir.
12:15 – ALMOÇO
12:45 – Organização coletiva
13:15 – Contação de histórias
13:45 – Soluções Fantásticas Para Ser O Que Eu Quiser (pensar e dar vida à essa nova identidade).
15:00  – Matinê da Colombina e O Grande Desfile de Vedetes.
16:00 – Encerramento

BRECHÓ SOLIDÁRIO NA MARRYAHN

Nesse domingo, dia 20 de janeiro,  traga seu sorriso e sua beleza, venha celebrar o amor e a solidariedade no BRECHÓ SOLIDÁRIO NA MARRYAHN – Evento para arrecadar fundos pra reconstrução das casas na Comunidade 29 de Março e Dona Cida. Vítimas de um incêndio que destruiu centenas de casas em Dezembro de 2018.

Brechó super barateza com várias apresentações culturais ao longo do dia.

Música
Dani Baldissera & Lucas Sequinel – Forró, Baião, Samba e MPB
Willi Dinamite – Blues e Soul
Thom Krefta – Rock Brazuca
Luiz Lobo – Autoral
Loren & Giuliano Bompeixe – clássicos do rock

Gabriela Carneiro – Poesia
Felipe Chapeleiro – Poesia
Renata Resistência – Poesia
03 grupos de Rap
Thaísa Xavier & Natã Xavier – Dança

Outros artistas a confirmar, atualizo na sequência

Início: Bar abre às 12 hs e as apresentações rolam a partir das 13
Super promoção: 03 cevas 600 ml : R$ 25 moedas ( Amstel, Budweiser, Original, Serramalte e Stela Artois)

Entrada:
Ingresso solidário e voluntário de qualquer valor
Ou doação de alimentos não perecíveis, Leite, brinquedos, material escolar, produtos de higiene pessoal entre outras.

Vambora nessa campanha de solidariedade e afeto com nossos irmãos e irmãs do CIC

Serviço:
BRECHÓ SOLIDÁRIO NA MARRYAHN 
Local: Marryahn Tabacaria Bar, Rua Nilo Peçanha, 14, São Francisco, Curitiba – próximo a praça do gaúcho (skate)
Data: 20 de janeiro, domingo,  das 12h às 23h59
Página do evento, aqui

6º SARAU PERIFÉRICO TRAZ A BANDA INQUÉRITO A CURITIBA NESTE SÁBADO

No próximo dia 15 de setembro, quem gosta de rap nacional, hip-hop, poesia e apoia a luta por moradia, educação e respeito aos direitos das populações periféricas tem encontro marcado na Vila Sabará, Cidade Industrial de Curitiba! O Sarau Periférico, com entrada gratuita, apresenta os shows do grupo Inquérito e de representantes da cena local: Rel Firma Zica, Lipe Oliveira, Poesia Periférica e Arquivo Negro.

O Sarau é uma ação do Núcleo Periférico, coletivo que atua em regiões carentes da capital e tem como pautas principais a busca por moradia digna, fim da violência policial e da criminalização da pobreza e valorização de expressões culturais periférico-populares, dentre outras questões representativas da população marginalizada.

O evento começa às 12h deste sábado, na Ocupação Dona Cida (localizada no final da Estrada Velha do Barigui) e busca incentivar a reflexão e o debate nas comunidades sobre a Consciência Negra e os problemas que afetam a periferia e o cenário político atual, tendo como pontos centrais as questões da sobrevivência e da liberdade no país que mais mata e encarcera pessoas negras e pobres no mundo.

O puro rap nacional
Com mais de 18 anos de carreira, o Inquérito vem do estado de São Paulo até a Vila Sabará após o lançamento do álbum Tungstênio e promete mandar alguns clássicos, como Dia Dos Pais, Meu Super-Herói, dentre outras músicas. Além das apresentações de Lipe Oliveira e Banda, Arquivo Negro e Rel Firma Zica, haverá também microfone aberto para declamação de poesias.

Como chegar
No Terminal do Caiuá > linha de ônibus MARIO JORGE > descida no ponto final. Sem chance pro erro!
Pra quem vai do Centro: Praça Rui Barbosa > linha de ônibus CAIUÁ/FAZENDINHA/CENTRO (que vai direto pro Caiuá) > descida no ponto final

O espaço é aberto e coletivo, todos são bem-vindos.

E o melhor: é de graça!

Confira a página do evento, aqui

#SarauPeriférico
#RevoluçãoDosHumildes
#HipHopResistência
#15deSetembro

A BIENAL (TE) PUBLICA!

Participe da Bienal de Quadrinhos de Curitiba, confira todas as informações na fonte, aqui

BIENAL DE QUADRINHOS DE CURITIBA

O maior evento de quadrinhos do sul do país retoma as atividades neste ano. Entre os dias 6 e 9 de setembro, no Museu Municipal de Arte (MuMA), acontece a 5ª edição da Bienal Internacional de Quadrinhos de Curitiba, com palestras, debates, feira de HQs, sessão de autógrafos, oficinas e exposições simultâneas. Todas as atividades serão gratuitas.

Sob o tema “A Cidade em Quadrinhos”, mais de 30 convidados locais, nacionais e internacionais apresentam palestras, oficinas e exposições.

A curadoria é de Mitie Taketani, proprietária da loja Itiban Comic Shop, reduto dos leitores e amantes da nona arte em Curitiba que há 29 anos debate, divulga e movimenta a arte na cidade e de Érico Assis, jornalista especializado em quadrinhos e tradutor de HQs como “Retalhos” e “Habibi”, de Craig Thompson, “O Escultor”, de Scott McCloud, “Meu Amigo Dahmer”, de Derf Backderf , “Aqui”, de Richard McGuire, e muitas outras.

A Bienal de Quadrinhos de Curitiba conta com Incentivo de Sanepar, Divesa e Elejor através da Lei Rouanet – Ministério da Cultura, Governo Federal, parceria da Fundação Cultural de Curitiba e Secretaria de Estado da Cultura do Paraná.

Serviço:
Bienal de quadrinhos de Curitiba
Local: Museu Municipal de Arte, Avenida República Argentina 3.430, Portão, Curitiba.
Data: Entre os dias 6 e 9 de setembro
Entrada gratuita
Página do evento no facebook, aqui

Dica do incrível artista Fábio Biondo (biondo artwork)

JULHO DAS PRETAS – PR 2018!

As mulheres negras do Paraná se reuniram, de forma independente ou por meio de movimentos sociais e demais organizações, para organizar uma programação com muitas atividades para o Julho das Pretas 2018.

Há tempos que o Movimento de Mulheres Negras (MMN) realiza eventos em comemoração ao Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha, em 25 de julho. Desde o ano passado, esse evento que era realizado em apenas um dia se ampliou e se transformou em uma programação de atividades para o mês de julho.

O mote desse ano é: DIREITOS IMPORTAM! PRETAS NO PODER!

Entenda melhor sobre a comemoração do Julho das Pretas:

Texto de Ana Carolina Dartora

*DIA 25 DE JULHO, DIA NACIONAL DE TEREZA DE BENGUELA*

Dia 25 de Julho se celebra no Brasil o Dia Nacional de *Tereza de Benguela* e da Mulher Negra. A data foi instituída através da Lei nº 12.987/2014, que entrou em vigor no dia 02 de junho de 2013. A inspiração vem do Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha, marco internacional da luta e da resistência da mulher negra, criado em 25 de julho de 1992, durante o 1º Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, na República Dominicana.

Anualmente, o 25 de julho é, portanto, dedicado à mulher negra no Brasil e no mundo. Em todo o país, são realizadas audiências públicas, festivais, seminários, conferências, feiras, entre outras tantas atividades, numa reafirmação da identidade, da história, da resistência e da luta das mulheres negras em prol da igualdade de oportunidades que ainda não existe de fato em nossa sociedade.

*Tereza de Benguela* representa todas as mulheres negras na homenagem que lhe foi prestada através da Lei que institui o 25 de Julho no Brasil. Nascida no século XVIII, ela chefiou o Quilombo do Piolho ou Quariterê, nos arredores de Vila Bela da Santíssima Trindade, no Estado do Mato Grosso. Sob seu comando, a comunidade cresceu militar e economicamente, incomodando o governo escravista. Após ataques das autoridades ao local, Benguela foi presa, vindo a suicidar-se após se recusar a viver sob regime de escravidão.

Sua luta nos inspira para que sigamos atuando na busca por consolidação e visibilidade desta data, tendo em conta a condição de opressão de gênero, racial e étnica em que ainda vivem as mulheres negras.

Também celebramos esta data com o objetivo de ampliar e fortalecer organizações de mulheres negras, construir estratégias para a inserção de temáticas voltadas para o enfrentamento ao racismo, sexismo, discriminação, preconceito e demais formas de opressão, bem como fazemos exigência de ampliação de direitos, democratização de espaços de poder e decisão na sociedade, promoção, valorização e debate sobre a identidade da mulher negra brasileira.

*Direitos Importam! Pretas no Poder!*

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO E PARTICIPE!

30/06 – Café e bate papo das pretas
Local: Sede da RMN-PR – Rua Professor Ovídio Brasílio da Costa, 2251, casa 3 – Santa Quitéria – Curitiba/PR
Horário: 9h30 – 12h

07/07 – Oficina Saúde da População Negra e Prevenção Combinada
Local: Tenda na “Boca Maldita” – Próxima à Praça Osório
Rua XV de Novembro – Curitiba/PR
Horário: 10h – 15h

07/07 e 08/07 – Ilê Yabás: mães e rainhas pretas
Virada Cultural de Mulheres Negras
Local: Sociedade Operária Beneficente 13 de Maio
Rua Desembargador Clotário Portugal, 274, Centro – Curitiba/PR
Horário: a partir das 15h

09/07 a 13/07: Palestras e ações sobre a temática da população negra e indígena
Local: Colégio Estadual Guaíra
Rua Lamenha Lins, 1962 – Rebouças – Curitiba – PR
Horário: Manhã e tarde
Realização: Associação Usina de Ideias

13/07: Oficina de cartazes para a Marcha das Mulheres Negras
Com as (os) alunas (os) do Colégio Estadual Guaíra
Local: Colégio Estadual Guaíra.
Rua Lamenha Lins, 1962 – Rebouças – Curitiba – PR
Horário: Manhã e tarde
Realização: Associação Usina de Ideias

14/07 – Palestra sobre o livro “Com Ela”
Com a Escritora Ingrid M. Alves
Local: Livraria Vertov
Rua Visconde do Rio Branco, 835 – Sala 02 – Mercês – Curitiba/PR
Horário: 14h

14/07 – Cine Debate – Cara Gente Branca
Local: Livraria Vertov
Rua Visconde do Rio Branco, 835 – Sala 02 – Mercês – Curitiba/PR
Horário: 18h

16/07 – Seminário Classe, Gênero e Raça
Local: Sede da APP Sindicato
Av. Iguaçu, 880 – Rebouças – Curitiba/PR
Horário: 18h – 20h

21/07 – Palestras e lançamentos de livros
“Ayo” – Escritora Vera Paixão
“Com Ela” – Escritora Ingrid M. Alves
Local: Livraria Vertov
Rua Visconde do Rio Branco, 835 – Sala 02 – Mercês – Curitiba/PR
Horário: 10h

21/07 – Roda de Conversa – Feminismo Negro
Local: Livraria Vertov
Rua Visconde do Rio Branco, 835 – Sala 02 – Mercês – Curitiba/PR
Horário: 14h

21/07 – Roda de Conversa – Saberes Ancestrais das Parteiras
Local: Livraria Vertov
Rua Visconde do Rio Branco, 835 – Sala 02 – Mercês – Curitiba/PR
Horário: 16h

22/07 – Feira do Afro-empreendedor
Homenagem às mulheres negras
Local: Praça Zumbi dos Palmares
Rua Eloi Orestes Zeglin, Pinheirinho – Curitiba/PR
Horário: 14h – 18h

22/07 – Oficina Corpo, Voz e Movimento
Local: Praça Zumbi dos Palmares
Rua Eloi Orestes Zeglin, Pinheirinho – Curitiba/PR
Horário: 15h – 16h

25/07 – Arraiá das Pretas
Local: Quintal da Maria
Av. Jaime Reis, 366 – São Francisco – Curitiba/PR
Horário: 19h – 22h

26/07 – A Mulher Negra na Universidade: conquistas e desafios
Local: Universidade Federal do Paraná – Setor de Ciências Humanas
Rua General Carneiro, 460 – Edifício D. Pedro I – Reitoria – Curitiba/PR
Horário: 19h

25, 26 e 27/07 – V Colóquio de Feminismo Negro
Local: Universidade Estadual de Maringá (UEM)
Av. Colombo, 5790 – Jardim Universitário – Maringá/PR
Horário: 19h30

27/07 – Oficina A Saúde da Mulher Negra
Local: Sede da ANEPRO (Associação dos Negros Procopenses)
Av. Antônio Silveira Brasil, 265, Jardim Bandeirantes – Cornélio Procópio / PR
Horário: 13h – 17h30

27/07 – CuTUCando a Inspiração apresenta: Slam Resistência Surda
Local: Teatro Universitário de Curitiba – TUC
Galeria Júlio Moreira – Travessa Nestor de Castro, s/nº, Gal. Júlio Moreira – Centro – Curitiba/PR
Horário: 19h – 22h
Apoio: Feira do Poeta
Curadoria: Gabriela Grigolom

28/07 – Dia das Princesas Negras
Local: Espaço Salão Africanitude – Estética e Arte
Rua Angenor Antônio Rodrigues, 432 – Sítio Cercado – Curitiba/PR
Horário: 10h

28/07 – Roda de Conversa “Empoderamento da mulher negra”
Dança e Bate-papo sobre o Julho das Pretas
Local: FAISCA – Feira Agroecológica de Inclusão Social Cultura e Artes
Avenida Ângelo Moreira, 5030 – Umuarama / PR
Horário: 16h – 20h

29/07 – Marcha das Mulheres Negras
Local: Parolin
Rua Professor Plácido e Silva, 860 – Parolin (Em frente ao Armazém da Família) – Curitiba/PR.
Horário: 14h

fonte: Rede de Mulheres Negras no Paraná

POETA CURITIBANO FERNANDO KOPROSKI PASSA A LIMPO SUA TRAJETÓRIA EM PEQUENO DICIONÁRIO DE AZUIS

Volume celebra as mais de duas décadas dedicas aos versos com poesia completa e fortuna crítica.

Fernando Koproski é um dos nomes mais importantes da literatura brasileira dos últimos anos. Poeta, tradutor, prosador e letrista de rock e música popular, o curitibano completa em 2018 mais de duas décadas dedicadas aos versos e, para celebrar esse momento, publica Pequeno dicionário de azuis.

O volume reúne toda a poesia de Koproski a partir de 1995, com o debut em Manual de ver nuvens, e se debruça sobre clássicos do universo koproskiano como Nunca seremos tão felizes como agora (2009) e Tudo que não sei sobre o amor (2003), que contém CD gravado em parceria com o músico Luciano Romanelli.

A poesia de Koproski transpira musicalidade e ritmo, não é à toa que muitos dos seus versos foram transformados em canções por nomes como Beijo AA Força, Carlos Machado, Casca de Nós e Alexandre França. Para o lançamento, que acontece no dia 26 de junho, às 19h30, no bar Ornitorrinco, o autor irá ler seus poemas acompanhado pelo guitarrista Mario Vizioli. No dia 27 de junho, o poeta apresenta o mesmo número para estudantes do Ensino Médio da rede pública de educação de São José dos Pinhais, Biblioteca Scharffenberg de Quadros.

Beleza áspera
Muito além que um apanhado da trajetória autoral de Koproski, Pequeno dicionário de azuis presenteia o leitor com poemas inéditos, fortuna crítica e entrevistas, somando 660 páginas. Para o escritor, em tempos de e-books e outras plataformas para se fazer e divulgar literatura, o papel ainda é fundamental para que se passe a limpo uma carreira prolífera como a sua. “Gosto de livros, cresci lendo e me apaixonando por livros reais, com ossatura forte de papel, livros com musculatura de papel e nervos de papel. E por isso, era natural sonhar em fazer um livro real. Livros virtuais não me atraem, acho eles sem graça”, comenta.

A poesia de Fernando Koproski é de uma beleza áspera, quase casual e que reflete a Curitiba de Leminski, Dalton Trevisan e Jamil Snege – e não a Cidade Sorriso ou a capital do futuro das propagandas. “A poesia é um acaso, uma espécie de acidente, uma voz que chama não os melhores, nem os mais belos, mas provavelmente uma convocação aos mais feios, desajustados, talvez problemáticos ou simplesmente despreparados para ficar frente a frente com a beleza e a verdade”, comenta o poeta em uma das entrevistas de Pequeno dicionário de azuis.

Entre contrapontos e choques de realidade, Koproski tece, como Penélope, seu tapete para desfazê-lo em seguida. Sempre na contramão dos lugares-comuns e do academicismo do mundo literário, poemas como “Universidade federal”, do Retrato do artista quando primavera (2016), “Autorretratos”, de Narciso para matar (2016), ou “Há flores dentro do tronco”, do, até agora, inédito À Procura da poesia mais pura (2017), apresentam um Fernando combativo, avesso aos formalismos que enquadram e limitam a poesia.

Agridoce
Como explica o escritor Paulo Sandrini, em um dos textos críticos que compõe a obra, “a poesia de Koproski é também um canto de guerra contra esse mundo atual, lugar lúgubre, reacionário, de poucos afetos e muito egoísmo”. Para lutar contra a banalidade do mal, nada mais certo que a pureza e inocência, que nada têm de ingenuidade.

Pequeno dicionário de azuis funciona também como uma grande ode às várias formas de amor. Se os versos de O Livro de sonhos (1999) celebram a juventude, a vontade de estar vivo a plenitude de Rimbaud ou Jim Morrisson, os poemas de Nunca seremos tão felizes como agora têm um endereço certo.

Como Vinícius de Moraes, Koproski é um poetinha. Não por ser menor, ao contrário, pela grandeza de seu delicado – e agridoce – vislumbre sobre o cotidiano. Algo que somente os olhos do poeta treinado, e sôfrego, é capaz de produzir. Segundo Fernando, escrever poesia não é um ato diário, é algo sobre o qual se debruça como um viajante sobre um mapa. “Para fazer poesia você precisa de um assombro, um insight, uma inspiração, alguma espécie de gatilho de fogo para ‘atravessar o espelho’ e encontrar o poema lá do outro lado”, afirma.

Não é exagero dizer que a poesia é a arte do encanto e da busca pelo ideal da beleza. Isso porque, como explica o poeta, “a importância da poesia e da compaixão, misericórdia e do amor é a mesma.” E, novamente, o que surge é a pureza e a inocência – que só pode ser aprendida com as crianças.  “Ingrid grávida”, “Laurinha” e “O olhar de Laura”, os três da safra inédita, formam uma belíssima trilogia da paternidade.

No final, se percebe que Pequeno dicionário de azuis é um caleidoscópio poético, capaz de levar o leitor em uma viagem pelo coração do poeta que, como bem definiu Antônio Thadeu Wojciechowski, bomba versos em nosso sangue.

Sobre o autor
Fernando Koproski nasceu em Curitiba em 1973. É autor da trilogia Um Poeta deve morrer – Nunca seremos tão felizes como agora (2009), Retrato do artista quando primavera (2014) e Retrato do artista quando verão, outono, inverno (2014). Escreveu a série ficcional A Complicada beleza – Narciso para matar (2016), Crônica de um amor morto (2016) e A Teoria do romance na prática (2016) –, os livros de poesia Como tornar-se azul em Curitiba (2004), Pétalas, pálpebras e pressas (2004), premiado pela Secretaria do Estado da Cultura do Paraná, entre outros.

Koproski foi o primeiro tradutor do cantor e poeta canadense Leonard Cohen no Brasil, publicando as coletâneas Atrás das linhas inimigas de meu amor (2007) e A Mil beijos de profundidade (2016). É responsável pela tradução e seleção dos poemas de Charles Bukowski que compõem os livros Essa loucura roubada que não desejo a ninguém a não ser a mim mesmo amém (2005), Amor é tudo que nós dissemos que não era (2012) e Maldito deus arrancando esses poemas de minha cabeça (2015). Traduziu, em 2016, Cabeça de adulto, obra poética de Jeff Tweedy, vocalista e letrista da banda Wilco.

Serviço:
Lançamento de Pequeno dicionário de azuis
Poesia | Editora 7Letras | 660 páginas | R$ 69,00.
Leitura de poemas na voz do autor acompanhado pelo guitarrista Mario Vizioli
Quando: 26 de junho (terça-feira) | Horário: 19h30
Onde: Bar Ornitorrinco (R. Benjamin Constant, 400 – Centro de Curitiba).

PRÊMIO PARANÁ DE LITERATURA 2018

“Prêmio Paraná de Literatura 2018 abre inscrições gratuitas até dia 12 de julho!!! O vencedor de cada categoria (são três categorias) receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares!!!

Em sua quinta edição, o concurso da Biblioteca Pública do Paraná e da Secretaria de Estado da Cultura selecionará livros inéditos de autores de todo o país nas categorias Romance, Contos e Poesia, categorias que homenageiam escritores importantes da literatura paranaense: Romance (prêmio Manoel Carlos Karam), Contos (prêmio Newton Sampaio) e Poesia (prêmio Helena Kolody). No ano passado, com a adoção de um sistema de inscrição online e gratuito, mais de 2 mil obras foram enviadas por autores de todo o Brasil.

O vencedor de cada categoria receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares (que serão distribuídos gratuitamente em bibliotecas estaduais e diversos pontos de cultura do país). Os premiados também receberão 100 cópias de seus livros e poderão, mais tarde, reeditar os trabalhos por outras editoras. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas até o dia 12 de julho por meio do formulário disponível abaixo. As obras concorrentes serão avaliadas por uma comissão julgadora formada por um presidente e nove membros (três em cada categoria). O resultado será divulgado até a primeira semana de dezembro.

Em 2017, os vencedores foram Henrique Schneider (Setenta, romance), Marcelo Degrazia (A bandeira de Cuba, contos) e Sônia Barros (Tempo de dentro, poesia). Os livros foram lançados e distribuídos pelo selo Biblioteca Paraná, que também edita autores paranaenses e resgata títulos relevantes que estejam esgotados ou fora de catálogo. “O Prêmio Paraná de Literatura já se estabeleceu como uma das principais premiações do país. Não só pelo valor investido, mas principalmente pela qualidade dos livros lançados”, diz Rogério Pereira, diretor da Biblioteca Pública do Paraná e presidente do júri.

Pereira também destaca o sucesso do sistema de inscrição online, que tornou o Prêmio Paraná ainda mais democrático e acessível. Para ele, o grande número de inscrições em 2017 reforça a importância do concurso em sua missão de projetar o Paraná no cenário literário nacional. “O Prêmio Paraná de Literatura contribui de maneira expressiva para consolidar o projeto da Biblioteca Pública do Paraná de se firmar como um importante polo cultural do Estado e do País”, afirma.

Confira o edital, aqui

Conheça os vencedores das edições anteriores:
Edição 2012, aqui
Edição 2013, aqui
Edição 2014, aqui
Edição 2017, aqui

Serviço:
Prêmio Paraná de Literatura 2018
As inscrições são gratuitas e vão até dia 12 de julho através de formulário disponível aqui. O resultado deve ser divulgado até a primeira semana de dezembro.

fonte: Biblioteca Pública do Paraná

PRÊMIO PARANÁ DE LITERATURA 2018

“Prêmio Paraná de Literatura 2018 abre inscrições gratuitas até dia 12 de julho!!! O vencedor de cada categoria (são três categorias) receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares!!!

Em sua quinta edição, o concurso da Biblioteca Pública do Paraná e da Secretaria de Estado da Cultura selecionará livros inéditos de autores de todo o país nas categorias Romance, Contos e Poesia, categorias que homenageiam escritores importantes da literatura paranaense: Romance (prêmio Manoel Carlos Karam), Contos (prêmio Newton Sampaio) e Poesia (prêmio Helena Kolody). No ano passado, com a adoção de um sistema de inscrição online e gratuito, mais de 2 mil obras foram enviadas por autores de todo o Brasil.

O vencedor de cada categoria receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares (que serão distribuídos gratuitamente em bibliotecas estaduais e diversos pontos de cultura do país). Os premiados também receberão 100 cópias de seus livros e poderão, mais tarde, reeditar os trabalhos por outras editoras. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas até o dia 12 de julho por meio do formulário disponível abaixo. As obras concorrentes serão avaliadas por uma comissão julgadora formada por um presidente e nove membros (três em cada categoria). O resultado será divulgado até a primeira semana de dezembro.

Em 2017, os vencedores foram Henrique Schneider (Setenta, romance), Marcelo Degrazia (A bandeira de Cuba, contos) e Sônia Barros (Tempo de dentro, poesia). Os livros foram lançados e distribuídos pelo selo Biblioteca Paraná, que também edita autores paranaenses e resgata títulos relevantes que estejam esgotados ou fora de catálogo. “O Prêmio Paraná de Literatura já se estabeleceu como uma das principais premiações do país. Não só pelo valor investido, mas principalmente pela qualidade dos livros lançados”, diz Rogério Pereira, diretor da Biblioteca Pública do Paraná e presidente do júri.

Pereira também destaca o sucesso do sistema de inscrição online, que tornou o Prêmio Paraná ainda mais democrático e acessível. Para ele, o grande número de inscrições em 2017 reforça a importância do concurso em sua missão de projetar o Paraná no cenário literário nacional. “O Prêmio Paraná de Literatura contribui de maneira expressiva para consolidar o projeto da Biblioteca Pública do Paraná de se firmar como um importante polo cultural do Estado e do País”, afirma.

Confira o edital, aqui

Conheça os vencedores das edições anteriores:
Edição 2012, aqui
Edição 2013, aqui
Edição 2014, aqui
Edição 2017, aqui

Serviço:
Prêmio Paraná de Literatura 2018
As inscrições são gratuitas e vão até dia 12 de julho através de formulário disponível aqui. O resultado deve ser divulgado até a primeira semana de dezembro.

fonte: Biblioteca Pública do Paraná

8º SLAM CONTRATAQUE – RESISTÊNCIA FEMINISTA!

Em Curitiba, dia 31 de março.

“8º Slam Contrataque!
Marielle Presente, Hoje e Sempre!

Novamente, estaremos, invadindo e tomando de assalto o Largo da Ordem. Ocupando o espaço público com nosso grito poético de resistência e protesto, e contra todo tipo de opressão.

Neste mês, em especial, estaremos realizando o Slam com a temática da Resistência das Mulheres. Devido ao 8 de março, sem esquecer outras datas simbólicas como o 25 de julho – dia internacional da mulher negra latino americana e caribenha -, promoveremos o Slam deste mês, em homenagem as mulheres que um dia lutaram, lutam ou irão lutar pela vida, liberdade e contra a opressão machista, sexista e racista que atingem a todas, e que geram o feminicídio, violência doméstica, exclusão etc. Faremos com que, neste mês e neste Slam, o grito poético de resistência e de protestos da Mulher Negra, Indígena, Trabalhadora, Periférica e Trans, seja lançado e se perpetue contra toda a opressão.

Evento independente e 100% gratuito – arte é um direito de tod@s!

SLAM CONTRATAQUE!
“A Arte que liberta não pode vir da mão que escraviza.”

Apresentação:

O que é um Slam?
Slam é uma batalha de poesia feita em praça pública. O Slam tornou-se um fenômeno internacional, presente no Brasil, está ocupando as ruas de várias cidades. O Slam Contrataque, tem como objetivo ser um espaço de resistência e protesto, um meio de dar voz a todos oprimidos e todas oprimidas, através da poesia. A poesia, enquanto expressão de protesto torna-se uma ferramenta de combate dos marginalizados e das marginalizadas, contra todo tipo de opressão, e contra toda a elite burguesa que domina, explora e esmaga as populações e povos de todo o planeta!

Como funciona?
O Slam funciona através de encontros mensais nos quais ocorrem batalhas de poesias faladas. Durante o encontro são feitas declamações das poesias, que seguem as regras da dinâmica, e ao final as poesias declamadas são trocadas por livros, de acordo com a avaliação do público presente.

Regras:

AS REGRAS DO SLAM.
I. POEMAS
– Os poemas podem ser de qualquer assunto ou tema e em qualquer estilo. Cada poeta ou poetisa tem que apresentar poemas originais de sua autoria.
– Não é permitido o uso de auxílios visuais ou/e fantasias. A regra sobre auxílios visuais tem o intuito de manter o foco nas palavras (e na performance) e não em objetos.
– Não é permitido o uso de instrumentos musicais, música pré-gravada.
– Sampling: Os poetas podem citar palavras e letras de obras de outros autores.
– Não é permitido a repetição de poemas. Cada poema pode ser usado uma única vez durante as eliminatórias e uma vez na grande final.

II. AS PERFORMANCES
– A regra dos três minutos. Todas as performances não devem ultrapassar o tempo de duração. O tempo começa a ser contado a partir do momento em que o poeta se dirige ao público.

III. OS JUÍZES
O Slam parte do principio de que todo indivíduo é capaz de emitir uma opinião válida sobre arte. Não necessitando de uma formação acadêmica ou técnica para isso. Assim, as avaliações das poesias serão feitas pelo público presente através de aplausos ao final do encontro.

Serviço:
8º Slam Contrataque – Resistência Feminista!
Data:  Sábado, 31 de março, das 18:30 às 22:00
Local: Cavalo Babão, Rua Doutor Claudino Dos Santos, Centro, Curitiba
Organização: Slam Contrataque
Página do evento, aqui

LOJA DAS PULGAS PROMOVE SUA 1ª FEIRA DE LIVROS, DISCOS, CD´S E DVD´S

Sábado, dia 10 de março, a Loja das Pulgas promove sua 1ª Feira de Livros, Discos de Vinil, Cd´s e Dvd´s em Curitiba. A loja trabalha em parceria com a Associação do Amigo Animal e as vendas da feira serão revertidas para o trato dos animais resgatados pela associação.

Aproveite os mega descontos desta feira!!! No acervo da loja, mais de 1000 discos de vinil com até 35% em descontos. Três caixas de “3 discos por R$10,00”. Alguns toca-discos. Discos de rock, samba, mpb, música erudita, discos coloridos, compactos. Algumas centenas de cd´s, dvd´s e blu-ray. Milhares de livros de todos os tipos: literatura brasileira, universal, coletâneas, livros técnicos, livros infantis em inglês, revistas e gibis. Aproveite o cesto de livros com preço único. Livros a partir de R$3,00 – pra todo mundo sair carregado de livros da nossa feira!

Vale lembrar que a Loja das Pulgas vende de tudo – e mais barato!!! Pois a loja comercializa as doações da Associação do Amigo Animal – associação sem fins lucrativos que abriga mais de 1000 cachorros resgatados (em Curitiba e região) e os encaminha vacinados, castrados e desverminados para adoção responsável.

Além de livros e discos, a loja tem brechó de roupas, sapatos e acessórios, espaço de móveis usados, espaço de antiguidades, brinquedos, moda e acessórios pet e mais um monte de produtos bacanas! Venha conferir!!!

Serviço:
1ª Feira de Livros, Discos de Vinil, Cd´s e Dvd´s – Loja das Pulgas
Data: 10 de março, sábado, das 8h às 16h
Local: A Loja da Pulgas fica na Rua Pe Paulo Warkocz, 29, CIC / Orleans, Curitiba – próximo ao viaduto e ao cemitério do Orleans.
Página do evento, aqui
Informações sobre a feira: (41) 99745-5294 / lojadaspulgascwb@gmail.com
Associação do Amigo Animal: www.amigoanimal.org.br
Fanpage Loja das Pulgas: aqui
Produtos da Loja das Pulgas no MercadoLivre, aqui. Alguns discos da loja, aqui

ACEITAMOS DOAÇÕES DE LIVROS E DISCOS!
Doe livros e discos para nossa feira. Iremos buscar em sua casa! E as vendas serão revertidas para os animais da Amigo Animal. Você pode trazer a doação na loja ou solicitar uma coleta em Curitiba e região. Fone para coletas: Junior (41) 99918-7040. Além de livros e discos, aceitamos todo tipo de doação: móveis, roupas, eletrodomésticos, etc. Se tiver algo parado em casa, ligue que vamos buscar!

PARTICIPE DA FEIRA
Você também pode levar seus discos e livros para vender na feira! Mas  entre em contato previamente através do e-mail: lojadaspulgascwb@gmail.com – por questão de organização.

NOTADO EDITOR: O blogue FATO Agenda tem orgulho dessa parceria com a Loja das Pulgas / Amigo Animal, porque ajudando a loja a vender, também contribuímos um pouquinho com os animais recolhidos pela Amigo Animal!