KAFKA EDIÇÕES LANÇA COLEÇÃO DE LIVROS COM NOVAS VOZES DA LITERATURA PARANAENSE

As seis obras da coleção Geração PR10 serão lançadas no dia 9 de outubro no Hangar – Casa do Ócio e condensam um olhar provocativo e reflexivo sobre o cotidiano, o absurdo e a incomunicabilidade. 

A Kafka Edições lança no dia 9 de outubro, a partir das 19h, no Hangar- Casa do Ócio, a coleção Geração PR10, viabilizada por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba – Mecenato Subsidiado. Pensada como um recorte da produção literária no estado após 2010, a série retrata a renovação da literatura paranaense e, em simultâneo, celebra uma poética distinta e em diálogo com nomes como Manoel Carlos Karam, Wilson Bueno, Paulo Leminski e Jamil Snege. 

Os seis livros de contos que integram a coleção Geração PR10, ainda que diversos entre si, se assemelham pela linguagem provocativa e pela exploração de novos terrenos em termos de forma. Gravitando entre o real e o absurdo, são obras que permeiam temas e situações em consonância com os nossos tempos e que lançam um olhar singular sobre questões do cotidiano. “A ideia é fazer com que essa coleção irradie os autores como novos nomes e que continue uma batalha da Kafka Edições em revelar uma ficção que busca desafiar a linguagem”, explica o editor Paulo Sandrini, responsável pela curadoria da coleção Geração PR10, juntamente com Fernando Koproski. 

Em 14 Corpos de João e Maria, João Paulo Partala se debruça sobre a morte e a invisibilidade social, esmiuçando as contradições das condições da sociedade e a banalidade da vida. São textos que, por meio de um olhar arguto e de uma narrativa cheia de agudezas, traça uma linha limite entre o sujeito e o mundo, perpetuando a tradição de Camus no tratamento ao outro, mas também revelando eco da crônica diária. Partala cria um universo em que o trágico e o humor negro precisam coabitar. 

A Batida dos dias, de Carol Sakura, busca no onírico a possibilidade de refletir sobre o concreto. Seus personagens estão em becos sem saída, envoltos em alguma névoa de instabilidade e insegurança. Os relatos dão conta da opressão, velada – ou revelada – em relação sobretudo às mulheres. Com uma prosa pausada e reverencial, a escritora faz uma literatura centrípeta: olha para si para poder compreender o que está além dos seus próprios domínios. 

Deslocamentos 
Meio paranaense, meio finlandês, Sérgio Lutav é um maringaense que vive há alguns anos em Helsinque e seu livro Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos reflete a ideia do não-lugar: o ser para não estar. Sua narrativa é um tratado sobre o deslocamento e o sentir-se deslocado, sobre o não pertencer. Lutav faz uma simbiose entre os olhares fantásticos de Kafka e de Cortázar, uma amálgama que, à primeira vista, pode soar desconexo, mas que, em realidade – e lá se vão os conceitos de real! –, tem muito a dizer sobre o autor e também sobre o leitor. Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos é uma metáfora poderosa sobre o estrangeiro – aquele que, como diziam os Titãs, não é de lugar nenhum. 

Nas narrativas de Contos do Microcosmo, Guylherme Custódio usa a concisão para falar de temas que nos afligem constantemente. Seus contos são como elefantes na sala: tratam da complexidade das relações e das contradições do comportamento humano. Através desse espelho partido, Custódio relata o inesperado, o absurdo do real e o isolamento. São relações e vidas frustradas como uma condição inerente aos homens e mulheres, como se a perda da inocência fosse uma prerrogativa à vida adulta. 

Em Histórias mínimas, Jonatan Silva eleva o absurdo às últimas consequências. São personagens e situações dilacerados pela guerra e pela violência do cotidiano. Como uma metáfora sobre o caos, o livro dilata a inconstância e a vulgarização da vida – em uma espécie de olhar microscópico sobre o mundo. Histórias mínimas esboça a ideia de fronteiras sem limites e diálogos silenciosos, como se a comunicação entre os diferentes se tornasse, mais e mais, uma impossibilidade diante do abismo. 

Zumbido, de André Knewitz, é – como o próprio título sugere – uma alegoria sobre a vida nas cidades e seu ambiente castrador. Como ponto de contato entre os textos que formam o livro, personagens silenciados diante dos zumbidos provocados por aqueles que têm voz. Nessas relações de poder, Knewitz mistura as singelezas do tentar se encontrar e a dor de se saber importante. São gentes como o camponês no conto “Diante da lei”, de Kafka, que, apesar de consciente da impossibilidade, guarda dentro de si a esperança de um dia entrar nos espaços sagrados. 

Diálogos 
Para além das questões formais, os seis livros da Geração PR10 tratam do sujeito diante das impossibilidades e da necessidade de buscar uma alternativa para contrapor um cenário de tempo fechado, onde todos estão dançando em campo minado. São imagens corrosivas, e também corroídas, que pela sua estranheza e realidade convidam o leitor à reflexão e ao olhar mais profundo sobre os caminhos que o mundo está tomando. “São visões de mundo que trazem questionamentos, mas não respostas”, comenta Sandrini. 

Por outro lado, a Geração PR10 é também uma discussão sobre o espaço urbano e suas diferentes configurações. Algumas obras falam de uma Curitiba que não é cantada na literatura. “A gente vê muitas vezes os escritores querendo fazer de Curitiba o seu espaço, mas qual é a cidade nesses textos? Não é necessariamente uma Curitiba periférica, miscigenada, de uma população negra muitas vezes subalterna e oprimida”, comenta Sandrini, que cita 14 Corpos de João e Maria como um exemplo dessa vastidão de viagens por essa outra Curitiba, a do sujeito que vive as mazelas da periferia. 

Com a coleção Geração PR10, a Kafka Edições faz um mergulho denso no conto paranaense em suas novas formas e temáticas, mas sem perder de vista o diálogo com o que é produzido na literatura brasileira e internacional. As seis obras condensam um espírito combativo, experimental e altamente criativo das novas vozes da literatura do Paraná. 

Serviço 
Lançamento da Coleção PR10 – Kafka Edições
Quando: 9 de outubro
Horário: a partir das 19h
Endereço: Hangar – Casa Do Ócio – Alameda Dr. Muricy, 1091 – São Francisco, Curitiba – PR
Entrada: gratuita – os livros serão vendidos a R$20 por exemplar (a coleção completa por R$ 80)
Página do evento, aqui

POETA CURITIBANO FERNANDO KOPROSKI PASSA A LIMPO SUA TRAJETÓRIA EM PEQUENO DICIONÁRIO DE AZUIS

Volume celebra as mais de duas décadas dedicas aos versos com poesia completa e fortuna crítica.

Fernando Koproski é um dos nomes mais importantes da literatura brasileira dos últimos anos. Poeta, tradutor, prosador e letrista de rock e música popular, o curitibano completa em 2018 mais de duas décadas dedicadas aos versos e, para celebrar esse momento, publica Pequeno dicionário de azuis.

O volume reúne toda a poesia de Koproski a partir de 1995, com o debut em Manual de ver nuvens, e se debruça sobre clássicos do universo koproskiano como Nunca seremos tão felizes como agora (2009) e Tudo que não sei sobre o amor (2003), que contém CD gravado em parceria com o músico Luciano Romanelli.

A poesia de Koproski transpira musicalidade e ritmo, não é à toa que muitos dos seus versos foram transformados em canções por nomes como Beijo AA Força, Carlos Machado, Casca de Nós e Alexandre França. Para o lançamento, que acontece no dia 26 de junho, às 19h30, no bar Ornitorrinco, o autor irá ler seus poemas acompanhado pelo guitarrista Mario Vizioli. No dia 27 de junho, o poeta apresenta o mesmo número para estudantes do Ensino Médio da rede pública de educação de São José dos Pinhais, Biblioteca Scharffenberg de Quadros.

Beleza áspera
Muito além que um apanhado da trajetória autoral de Koproski, Pequeno dicionário de azuis presenteia o leitor com poemas inéditos, fortuna crítica e entrevistas, somando 660 páginas. Para o escritor, em tempos de e-books e outras plataformas para se fazer e divulgar literatura, o papel ainda é fundamental para que se passe a limpo uma carreira prolífera como a sua. “Gosto de livros, cresci lendo e me apaixonando por livros reais, com ossatura forte de papel, livros com musculatura de papel e nervos de papel. E por isso, era natural sonhar em fazer um livro real. Livros virtuais não me atraem, acho eles sem graça”, comenta.

A poesia de Fernando Koproski é de uma beleza áspera, quase casual e que reflete a Curitiba de Leminski, Dalton Trevisan e Jamil Snege – e não a Cidade Sorriso ou a capital do futuro das propagandas. “A poesia é um acaso, uma espécie de acidente, uma voz que chama não os melhores, nem os mais belos, mas provavelmente uma convocação aos mais feios, desajustados, talvez problemáticos ou simplesmente despreparados para ficar frente a frente com a beleza e a verdade”, comenta o poeta em uma das entrevistas de Pequeno dicionário de azuis.

Entre contrapontos e choques de realidade, Koproski tece, como Penélope, seu tapete para desfazê-lo em seguida. Sempre na contramão dos lugares-comuns e do academicismo do mundo literário, poemas como “Universidade federal”, do Retrato do artista quando primavera (2016), “Autorretratos”, de Narciso para matar (2016), ou “Há flores dentro do tronco”, do, até agora, inédito À Procura da poesia mais pura (2017), apresentam um Fernando combativo, avesso aos formalismos que enquadram e limitam a poesia.

Agridoce
Como explica o escritor Paulo Sandrini, em um dos textos críticos que compõe a obra, “a poesia de Koproski é também um canto de guerra contra esse mundo atual, lugar lúgubre, reacionário, de poucos afetos e muito egoísmo”. Para lutar contra a banalidade do mal, nada mais certo que a pureza e inocência, que nada têm de ingenuidade.

Pequeno dicionário de azuis funciona também como uma grande ode às várias formas de amor. Se os versos de O Livro de sonhos (1999) celebram a juventude, a vontade de estar vivo a plenitude de Rimbaud ou Jim Morrisson, os poemas de Nunca seremos tão felizes como agora têm um endereço certo.

Como Vinícius de Moraes, Koproski é um poetinha. Não por ser menor, ao contrário, pela grandeza de seu delicado – e agridoce – vislumbre sobre o cotidiano. Algo que somente os olhos do poeta treinado, e sôfrego, é capaz de produzir. Segundo Fernando, escrever poesia não é um ato diário, é algo sobre o qual se debruça como um viajante sobre um mapa. “Para fazer poesia você precisa de um assombro, um insight, uma inspiração, alguma espécie de gatilho de fogo para ‘atravessar o espelho’ e encontrar o poema lá do outro lado”, afirma.

Não é exagero dizer que a poesia é a arte do encanto e da busca pelo ideal da beleza. Isso porque, como explica o poeta, “a importância da poesia e da compaixão, misericórdia e do amor é a mesma.” E, novamente, o que surge é a pureza e a inocência – que só pode ser aprendida com as crianças.  “Ingrid grávida”, “Laurinha” e “O olhar de Laura”, os três da safra inédita, formam uma belíssima trilogia da paternidade.

No final, se percebe que Pequeno dicionário de azuis é um caleidoscópio poético, capaz de levar o leitor em uma viagem pelo coração do poeta que, como bem definiu Antônio Thadeu Wojciechowski, bomba versos em nosso sangue.

Sobre o autor
Fernando Koproski nasceu em Curitiba em 1973. É autor da trilogia Um Poeta deve morrer – Nunca seremos tão felizes como agora (2009), Retrato do artista quando primavera (2014) e Retrato do artista quando verão, outono, inverno (2014). Escreveu a série ficcional A Complicada beleza – Narciso para matar (2016), Crônica de um amor morto (2016) e A Teoria do romance na prática (2016) –, os livros de poesia Como tornar-se azul em Curitiba (2004), Pétalas, pálpebras e pressas (2004), premiado pela Secretaria do Estado da Cultura do Paraná, entre outros.

Koproski foi o primeiro tradutor do cantor e poeta canadense Leonard Cohen no Brasil, publicando as coletâneas Atrás das linhas inimigas de meu amor (2007) e A Mil beijos de profundidade (2016). É responsável pela tradução e seleção dos poemas de Charles Bukowski que compõem os livros Essa loucura roubada que não desejo a ninguém a não ser a mim mesmo amém (2005), Amor é tudo que nós dissemos que não era (2012) e Maldito deus arrancando esses poemas de minha cabeça (2015). Traduziu, em 2016, Cabeça de adulto, obra poética de Jeff Tweedy, vocalista e letrista da banda Wilco.

Serviço:
Lançamento de Pequeno dicionário de azuis
Poesia | Editora 7Letras | 660 páginas | R$ 69,00.
Leitura de poemas na voz do autor acompanhado pelo guitarrista Mario Vizioli
Quando: 26 de junho (terça-feira) | Horário: 19h30
Onde: Bar Ornitorrinco (R. Benjamin Constant, 400 – Centro de Curitiba).

SECRETARIA DA CULTURA ABRE EXPOSIÇÃO COM GRANDES NOMES DA LITERATURA PARANAENSE

Montagem da exposição Palavras do Paraná / Crédito: Kraw Penas.

Para apresentar um pouco do vasto e rico universo da literatura paranaense, a Secretaria de Estado da Cultura (SEEC) e a Biblioteca Pública do Paraná (BPP) organizaram a exposição “Palavras do Paraná”, que reúne alguns dos principais autores do Estado. A mostra integra o Mês da Literatura e fica em exposição no hall da SEEC de 15 de agosto a 6 de setembro. A entrada é gratuita.

O secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani, acredita que uma das formas de conhecer o Paraná é por meio da literatura. “A exposição Palavras do Paraná homenageia e destaca a importância da literatura na construção da cultura paranaense. Também valoriza aqueles que, com sua genialidade e sensibilidade, ajudaram a construir nossa identidade cultural, fazendo do Paraná uma referência na área”.

Esta mostra apresenta 11 nomes da literatura paranaense, da primeira autora, a poeta Júlia da Costa (1844-1911), ao contista Dalton Trevisan, hoje com 92 anos, premiado no Brasil e no exterior por renovar o conto em língua portuguesa. A obra de Trevisan é encenada, adaptada para o audiovisual, traduzida e continuamente estudada.

Os autores paranaenses são conhecidos e respeitados em âmbito nacional desde o início do século 20, quando Emiliano Perneta (1866-1921) se destacou como uma das vozes do movimento simbolista. Entre os pioneiros estão também Emílio de Meneses (1866-1918) e Newton Sampaio (1913-1938), dois paranaenses que viveram no Rio de Janeiro, onde atuaram na imprensa. O poeta Meneses foi eleito para a cadeira 20 da Academia Brasileira de Letras, enquanto o contista Sampaio conquistou um prêmio da ABL.

Helena Kolody (1912-2004) e Paulo Leminski (1944-1989), dois nomes que marcam a poesia no Paraná, também são presenças necessárias nesta retrospectiva. Ambos escreveram livros que foram e ainda são porta de entrada para o universo da leitura. Recentemente, a obra poética de Leminski foi reeditada e ultrapassou a marca de 100 mil exemplares vendidos, um recorde nacional — o que sinaliza o poder de comunicação do legado leminskiano, que se desdobra em canções e artes visuais, teatro e cinema.

O chamado “Quarteto Experimental” da literatura paranaense também merece destaque. Jamil Snege (1939-2003), Manoel Carlos Karam (1947-2007), Valêncio Xavier (1933-2008) e Wilson Bueno (1949-2010) borraram as fronteiras entre os gêneros, aproximando literatura do cinema, jornalismo, histórias em quadrinhos, televisão e teatro. São admirados por leitores, escritores e estudiosos no Paraná e em outros estados, e as suas obras estão adaptadas para outras linguagens.

O legado desses 11 autores dialoga com a formação do Paraná, onde a convivência entre vários povos se revelou possível, resultando em um ambiente multicultural. Aqui, o outro é — mais que bem-vindo — necessário. Essa produção que influencia os contemporâneos se apresenta como referência fundamental.

Mês da Literatura do Paraná
Entre 24 de agosto e 29 de setembro de 2017, a SEEC e a BPP promovem o Mês da Literatura do Paraná. Com o objetivo de fomentar e estimular a leitura e a literatura no Estado, a programação deste ano inclui show com músicas de Paulo Leminski, exposição sobre autores paranaenses, bate-papo com escritores, fórum sobre leitura e literatura, feiras de livros, e muito mais. A programação completa estará disponível no site www.cultura.pr.gov.br

Serviço:
Exposição Palavras do Paraná
De 15 de agosto a 6 de setembro de 2017
Hall da Secretaria de Estado da Cultura do Paraná
Entrada gratuita
Secretaria de Estado da Cultura
Rua Ébano Pereira, 240 – Centro. Curitiba-PR
Visitação de segunda a sexta-feira das 8h30 às 12h e das 13h30 às 18h
41 3321-4700 | 41 3321-4708
www.cultura.pr.gov.br

LITERATURA ONDE A COMUNIDADE ESTÁ

Por meio de bate papos, grafite, cortejos, música e expressões artísticas, Mostra Literatura Paraná apresentará o universo literário paranaense para mais mil jovens de comunidades carentes durante quatro semanas em Curitiba.

Jovens de comunidades mais carentes de Curitiba podem até já ter ouvido falar de Paulo Leminski na escola. Mas, talvez nunca tenham sido apresentados à Luci Collin, Miguel Sanches Neto e Luís Henrique Pellanda por meio de um grafite, de um cortejo, manifestações artísticas ou um então bate papo ao vivo com os próprios escritores. É dessa forma que a Mostra Literatura Paraná vai levar, em quatro semanas, literatura para mais de mil jovens e crianças do Uberaba, CIC – Cidade Industrial de Curitiba, Pilarzinho e Butiatuvinha. O evento faz parte do Circuito Cultural Ademilar, uma iniciativa que está viabilizando uma série de projetos culturais em Curitiba, via incentivo do Mecenato Municipal.

O objetivo da Mostra é “conversar” e apresentar o universo da literatura paranaense na linguagem e interesses desses adolescentes. “São pessoas que tem um contato precário com a literatura pelo sistema de ensino convencional que muitas vezes não é envolvente. A Mostra vai além, realiza um papel social e coloca este público em contato com textos, poesias, autores e escritores, capacitando-os também a interpretar estas obras”, explica Kenni Rogers, idealizador e produtor responsável da Mostra. “Esse é o início de um grande movimento literário nas comunidades”.

Oficinas e bate papo com escritores
Para atrair e envolver os jovens, a Mostra apostou em diferencial: as obras serão apresentadas aos jovens por meio de manifestações e interesses do dia a dia deles. Em atividades como grafite, eles serão convidados a pintar um painel literário usando as técnicas de stencil, lambe-lambe e mosaico. Também participarão de rodas de literatura e cortejos literário, além de oficinas que desenvolvem habilidade de leitura e interpretação, oficina de ilustração e percussão. 

O evento conta ainda com apresentações artísticas de teatro e música de jovens da comunidade e instituições convidadas. Haverá também a presença dos escritores paranaenses Miguel Sanches Neto, Luci Collin e Luís Henrique Pellanda, que farão um bate-papo com os presentes. 

Serviço:
Mostra Literatura Paraná
Data e local: 14 a 19 de agosto (Uberaba), 21 a 26 de agosto (CIC), 18 a 23 de setembro (Pilarzinho) e 25 a 30 de setembro (Butiatuvinha)
Informações: Fanpage Mostra Literatura Paraná

POR UM LINDÉSIMO DE SEGUNDO: ESPETÁCULO MUSICAL CELEBRA A OBRA DO POETA PAULO LEMINSKI

Por um lindésimo de segundo fica em cartaz até dia 16/07/2017 com sessões às Quartas, Quintas e Sextas às 20h, Sábados às 18h e Domingo às 19h no Teatro Novelas Curitibanas (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1.222 – São Francisco, Curitiba).

Entrada Franca! A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. 

Produção: Semente Produções Culturais. Mais informações sobre o espetáculo clique aqui.

OFICINA
Através dessa oficina, o elenco de ‘Por um lindésimo de segundo’ ( da Semente Produções Culturais) pretende propor uma reflexão em roda de bate-papo sobre o legado e importância de Paulo Leminski, o fazer poético e o papel da arte em nossas vidas.

Pretende também compartilhar curiosidades sobre o processo criativo do espetáculo, histórias e elementos que o fomentaram e como se dá de fato esta criação.

Para tal, o grupo concluirá o encontro através da composição de uma música criada em parceria com os participantes da oficina.

Inscrições: sementecultura@gmail.com / (assunto: Oficina)
Informações: 997109029 – Laís Rossatto

Público alvo: Jovens e adultos interessados em arte, música, teatro e poesia.
Pré-requisito: Ter assistido ao espetáculo “Por um lindésimo de segundo” previamente.

Carga horária estimada: 1h30

Número máximo de participantes: 30
Entrada gratuita!

Facilitadores: O elenco – Aaron Ramathan, Gabriel Teixeira, Paulo Teixeira e Yara Rossatto.

Fonte: página do evento, aqui
Fonte: NA-NU

 

 

JOAQUIM APRESENTA BATE-PAPO MUSICAL COM ESTRELA LEMINSKI E TÉO RUIZ!

Joaquim Livros & Discos  apresenta bate-papo musical com a presença especial de Estrela Leminski e Téo Ruiz!

Após três anos se apresentando com o show Leminskanções, Estrela Leminski e Téo Ruiz retomam seu projeto autoral e lançam “Tudo Que Não Quero Falar Sobre Amor”, álbum que chega desconstruído ao público. Foram sete produtores musicais para as doze canções, todas assinadas pela dupla e algumas parcerias, e cada uma vai ganhar um videoclipe próprio. Os cinco primeiros já saíram: “Biografia”;“Blues do Encanto”; “Nosso Livro”, esse último também um mini-doc; “Poliamor” e “Quase Feliz’ com participação de Leo Fressato, o autor de “Oração”, música consagrada pela A Banda Mais Bonita da Cidade.

Entre os que assinam a parte de produção musical, estão Guilherme Kastrup (produtor e diretor artístico do disco “A Mulher do Fim do Mundo”, de Elza Soares), Dante Ozzetti (compositor e produtor reconhecido nacionalmente), Rodrigo Lemos (ex-banda mais bonita da Cidade e Poléxia, atual Lemoskine e Naked Girls and Aeroplanes), Marcelo Fruet (produtor dos discos das bandas Apanhador Só e Dingo Bells), Fred Teixeira, John Ulhoa (Pato Fu) e Pupillo (Nação Zumbi). O rock-poético, de ênfase na canção, ganhou visões diferentes, mas sem perder a unidade e coesão dentro dessa diversidade de nomes. O som é pop com ruído, urbano e contemporâneo, e o título não poderia ser mais direto: apesar de Estrela e Téo serem um casal, não espere canções fofas de amor.

Já o projeto visual conta com doze vídeoclipes assinados por dez diretores: Luciano Coelho, Gustavo Guimarães, Juliana Sanson, Bernardo Rocha, Carol Winter, Marta Souza, João Marcelo Gomes, Carlon Hardt, Lucas Fernandes e Paulo Biscaia. O conceito transmidiático da junção do som com imagem convida o público a participar ativamente, já que os videoclipes serão lançados a partir do fim de abril até agosto, e o álbum completo só estará disponível, tanto nas plataformas digitais quanto fisicamente, após o show no final de setembro.

Venha conhecer o trabalho sensacional da dupla no ambiente intimista de livros & discos.

Entrada franca!

Local: Joaquim Livros & Discos, Rua Alfredo Bufren, 51, Centro de Curitiba
Data: Terça, 13 de junho, das 19:00 às 22:00

Página do evento, aqui