EM SEU TERCEIRO ROMANCE, CEZAR TRIDAPALLI ABRE AS FERIDAS DE UM MUNDO EM EBULIÇÃO

“Vertigem do Chão” toca em temas urgentes como imigração, fanatismo, questões de gênero, corpo e territorialidade. 

Estar para não estar. Em seu terceiro romance, Vertigem do chão – que será lançando no dia 30 de novembro, às 16h, na Livraria da Vila –, o escritor Cezar Tridapalli, vencedor do Prêmio Minas Gerais com O Beijo de Schiller (2014), narra com sensibilidade e inteligência as vidas de dois homens em busca de suas identidades. Com um texto engenhoso e uma narrativa de fôlego, Tridapalli faz uma verdadeira investigação dos males do nosso século, criando um espelho partido com as esperanças e os medos dos protagonistas, o brasileiro Leonel e o holandês Stefan. 

Em um jogo de duplos, Leonel, um bailarino desencantado com a sua arte, abandona Curitiba para viver uma utopia em Utrecht, a mesma cidade que Stefan, um sujeito atlético e na corda banda moral diante do pensamento conservador do pai, troca pela capital das araucárias após o namorado ser assassinado por um fanático religioso. Tratando de temas delicados e urgentes – como a desterritorialização, a imigração, as questões de gênero, a incomunicabilidade e o radicalismo –, Tridapalli faz de Vertigem do Chão um retrato certeiro de um momento singular e cínico da História, em que o negacionismo e o revisionismo tomam a frente no debate. 

Longe de ser um romance político no sentido estrito, os personagens – diante do abismo pessoal e da ideia de fuga como libertação – representam as contradições da natureza humana. Por isso, cabe ao escritor simular uma arena de embates. Para Tridapalli, um dos papéis da literatura é, justamente, apresentar os conflitos que dão molde às relações entre os diferentes, trazer à tona fobias e emoções sem busca didática por respostas certas. “A rigor, nós não somos iguais a ninguém e essas lutas identitárias, que são fundamentais, fazem com que você se una a outra pessoa”, explica, “mas ainda assim, jamais será idêntico a alguém”. 

Nessa abordagem, ousada e bastante original, Cezar Tridapalli faz do livro um diálogo interessante com grandes obras da literatura contemporânea. Vertigem do Chão pode ser comparado a Sábado ou Máquinas como eu, ambos romances do escritor inglês Ian McEwan, em termos de linguagem e condução narrativa, mas se assemelha também aos polêmicos Plataforma e Submissão, de Michel Houellebecq, o enfant terrible francês, pela escolha dos temas e dilaceração das conclusões. 

Verdade 
Se por um lado Vertigem do Chão é um olhar amplo, por outro Leonel e Stefan são cronistas das cidades que escolheram. Como flâneurs na era da superinformação, esquadrinham as ruas com seus computadores e celulares, buscam pontos de contato com aqueles espaços urbanos, e com as pessoas que os ocupam, por meio dos bytes e bits em uma Babel cibernética. Ao mesmo tempo, enquanto caminham pela praça Santos Andrade ou pela Domplein, estão tateando um terreno movediço, um lugar que, sabem muito bem, não lhes pertencem. 

E, portanto, não existe verdade em Vertigem do Chão. Ao menos, não como um vidro blindado, impossível de ser quebrado. Segundo Tridapalli, o livro discute a ideia de individualidade, de certeza absoluta e da dificuldade de entender o interesse coletivo. “Nós somos a medida de todas as coisas”, avalia o escritor e afirma: “é essa propensão de nos colocarmos como se sempre estivesse claro o que é verdade, do mesmo modo que está claro para o outro”. 

Fotógrafo 
Desde o seu primeiro livro, Pequena Biografia de Desejos (2011), Cezar Tridapalli é um fotógrafo sem câmera. Como o personagem de outro curitibano, Cristovão Tezza – este por adoção, é verdade –, ou ainda, como os protagonistas de Janela Indiscreta e Blow Up, Leonel e Stefan observam e registram o mundo ao seu redor – mesmo que metaforicamente. São É nessas imagens, e em suas ampliações, que Curitiba e Utrecht ganham cor e forma, detalhes e minúcias, revelando seus pecadilhos e suas virtudes. 

Parte dessa dimensão plástica é o resultado da fabulosa construção narrativa do escritor que, em uma mesma frase, espelha as duas cidades. É um trabalho de ourives: uma técnica de lapidação da linguagem e de domínio da escrita. Vertigem do Chão, sem sombra de dúvidas, consolida Cezar Tridapalli como uma das grandes vozes da literatura brasileira contemporânea, capaz de dar um novo impulso para a vertigem em câmera lenta. 

Sobre o autor 
Cezar Tridapalli nasceu em Curitiba, em 1974. É escritor, professor e tradutor. Graduado em Letras e mestre em Estudo Literários pela Universidade Federal do Paraná, publicou Pequena Biografia de Desejos (7letras, 2011) e O Beijo de Schiller (Arte & Letra, 2014), livro vencedor do Prêmio Minas Gerais de Literatura. Escreve, semanalmente, crônicas para o jornal Plural e faz estudos de formação em psicanálise. É produtor executivo do festival literário Litercultura. 

Serviço 
Vertigem do Chão – Cezar Tridapalli
Editora Moinhos – 300 páginas – R$ 50 
Lançamento do livro Vertigem do Chão
Quando: 30 de novembro, às 16h
Onde: Livraria da Vila – Pátio Batel
Endereço: Av. do Batel, 1868 – Loja 314 – Batel, Curitiba – PR

GUARDIÃS DO TEMPO TEM APRESENTAÇÕES GRATUITAS NO CENTRO CULTURAL BOQUEIRÃO

Guardiãs do Tempo. Foto Márcia Kohatsu

Espetáculo de pré-estreia será fechado para crianças de projetos filantrópicos do bairro.

CURITIBA – Começam dia 27 de julho às apresentações de Guardiãs do Tempo, peça infantil escrita e dirigida por Mariana Zanette. O espetáculo multimídia conta a história de menine, uma criança que perdeu o pai muito pequena e se sente abandonada pela mãe que precisa trabalhar em um domingo. A apresentação mistura música ao vivo, teatro e circo e aborda temas como morte e saudade, de forma poética e lúdica, reforçando a necessidade de valorizarmos o presente. As sessões dos dias 27 a 29 de julho serão realizadas no Centro Cultural Boqueirão e a entrada é gratuita. De 2 a 13 de agosto a peça infantil fará uma turnê por escolas da rede pública de ensino e regionais de bairros afastados do centro de Curitiba.

A inspiração para criar o enredo do espetáculo veio de um sonho da filha de Mariana Zanette. “A Luma me contou que foi parar em um lugar onde só existiam mulheres e que elas cuidavam de vários relógios. A partir daí eu fui inventando a história”, explica a diretora, que também atua na peça como Ampulheta. As irmãs e atrizes mirins Luma e Malu Zanette Domingues, interpretam e intercalam o papel de menine nos espetáculos. “Ter uma criança na peça torna a história mais crível para outras crianças”, reforça a Mariana.

Também  fazem parte do elenco a bailarina, atriz e artista circense, Marina Prado; a cantora, instrumentista, bonequeira e responsável pela preparação vocal do elenco, Doriane Conceição e a instrumentista e palhaça, Marcela Zanette. Bina Zanette assina a direção de produção do espetáculo.

Enredo
Menine literalmente mergulha na tristeza quando sua mãe sai para trabalhar em pleno fim de semana. Suas lágrimas formam um rio muito fundo. Por sorte, um barco aparece e a leva até a caverna das lamentações, onde um portal se abre, transportando-a para um mundo mágico. Nesse universo paralelo, humanos com cabeças de pássaros cuidam de um enorme relógio. Lá ela conhece as Guardiãs do Tempo, seres míticos que preservam a história da civilização, e faz amizade com Ampulheta. Após algumas horas desbravando o local e brincando, menine precisa voltar para casa antes da mãe chegar, mas não sabe como. Aí começa sua busca por autoconhecimento. 

A peça teatral usa projeções para transportar o público para o universo paralelo da menine. As canções envolvem e incentivam crianças e adultos a participarem do espetáculo que também conta com bonecos.

Teatro vai à escola
De 2 a 13 de agosto as apresentações passam pelas Regionais e Redes Públicas de Ensino de Santa Felicidade, CIC, Tatuquara, Portão, Boa Vista, Cajuru e Bairro Novo. De acordo com a diretora, “se o público está nas escolas e em bairros afastados do centro, é lá que o teatro precisa estar”.

Espetáculo foi realizado através do Programa de apoio Incentivo a Cultura da Fundação Cultural de Curitiba, Mecenato Subsidiado de Curitiba. Incentivo Pátio Batel e apoio do Centro Cultural Boqueirão, Associação de Cultura Popular Mandicuera Realização, A Fantástica Cia de Teatro e Santa Produção Ltda.

Serviço:
Espetáculo Infantil Guardiãs do Tempo
Data: 28 de julho às 10h e 16h | 29 de julho às 11h e 16h.
Local: Centro Cultural Boqueirão – R. José Guercheski, 299, Boqueirão, Curitiba.
Aberto ao Público.
Entrada Gratuita.
Confira a página do evento, aqui

ITAERCIO ROCHA LANÇA ÁLBUM COM MAIS DE 10 RITMOS POPULARES

Caboclo narra sua trajetória do Maranhão a Curitiba.

O multiartista Itaercio Rocha lança seu segundo álbum solo, Caboclo. Com arte de Kiko Dinucci, o disco estará disponível nas plataformas de streaming a partir do dia 27 de junho, no mesmo dia do show realizado em São Luís do Maranhão, durante o aniversário de Dona Teté, cantora, compositora, grande artista maranhense e Rainha do Cacuriá, amiga de Ita desde os anos de 1980, quando trabalharam juntos com cultura popular, e para quem foi dedicada a faixa ‘Almericiar’. O show de lançamento em Curitiba será no dia 24 de agosto no Teatro Paiol.

O projeto nasce de dentro para fora, como diz Ita, do interior para a capital. “É a junção do Itaercio de Pedras com a cabrocha que coloco no carnaval curitibano”, explica ele que foi um dos fundadores do bloco carnavalesco Garibaldis e Sacis Caboclo Ita é uma entidade dos terreiros de mina no Maranhão, Ita significa pedra em tupi guarani. Itaercio nasceu em Pedras, como citado acima, localizada no município de Humberto de Campos no Maranhão. Somando isso ao Rocha de seu sobrenome, Itaercio é pedra três vezes. “Sou caboclão do mato, da beira d’água, sou caiçara”.

As canções narram os lugares por onde Itaercio Rocha passou. “Origem não é uma coisa que você volta. Origem é uma coisa que você carrega”, ressalta. As músicas fazem homenagens, saúdam forças da natureza e representam sua ancestralidade. Esse é o caso de ‘Atotô’, uma louvação a Obaluaê, composta em parceria com o músico, André Abujamra. “Hora de maré” é um samba de abertura de trabalhos, enquanto “Ele me ama” é um carimbó brega que fala sobre amizade e diversidade.

O disco agrega mais de 10 ritmos em suas 14 faixas. Tem caixa do Divino Espírito Santo, tambor de mina, bumba bois de vários sotaques, afoxé, entre outros. As músicas são de Itaercio e alguns parceiros: Thayana Barbosa, Daniel Fernandes, Du Gomide, André Abujamra e Matheus Braga e os arranjos são de Fred Pedrosa, Du Gomide, Matheus Braga e o Próprio Itaercio. “A seleção é um pouco do que compus para teatro, carnaval e outras inspirações.

A direção musical é do curitibano Du Gomide, também produtor do disco ‘Ailum’ do Marano, Santa Rima e Karla Silva. A mixagem ficou nas mãos do produtor musical Fred Teixeira, que já trabalhou com artistas como Tony Bennett, Ron Carter, Hermeto Pascoal, Zélia Duncan, Arnaldo Antunes e Zeca Baleiro, entre outros.

Trajetória
Nascido no município com o maior bumba-meu-boi do Brasil, Humberto de Campos, no Maranhão, Itaercio Rocha já morou em Olinda (PE), São Luís (MA), Campo Grande (MS), Rio de Janeiro (RJ) e Maringá (PR) antes de parar em Curitiba, no ano de 1996. O interesse pelas culturas populares vem de berço: desde pequeno, recebeu influências culturais da família, como seu pai, músico prático, que tocava nas procissões, nos bumba-bois e nos bailes do interior; e sua mãe que fazia e regia a festa de coroação da Nossa Senhora e pastoris, além de participar de outras festividades populares e religiosas.

É formado em Educação Artística com habilitação em Artes Cênicas, pelas Faculdades de Artes do Paraná (FAP) e é especialista em Estudos Contemporâneos em Dança, pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), por meio da Faculdade Angel Vianna (FAV).

Atuou e dirigiu espetáculos junto ao grupo Mundaréu, com o qual gravou vários álbuns. Em 2006 lançou seu primeiro disco solo e autoral, Chegadim. É autor do Livro/CD “Como é bom festa junina III”, em parceria com Mara Fontoura, com quem ainda escreveu o livro “Como diz o ditado”. Tendo o Hospital Pequeno Príncipe como entidade beneficiada, o músico lançou os álbuns Cancioneiro popular (2009) e Encanto de brincar (2013) e dirigiu os espetáculos Encanto de Brincar e Bumbando na Congada. Em 2017 lançou o show “Por Consolação”, onde interpreta clássicos da música popular brasileira.

Ficha técnica
Direção musical: Du Gomide
Direção cênica: Rafael Camargo
Produção musical: Du Gomide e Itaercio Rocha
Produção Executiva: Bina Zanette/ Santa Produção
Mixagem e masterização: Fred Teixeira
Gravação: Nicos Studio
Itaercio Rocha – , voz, violão, percussão..
Denis Mariano – Bateria, percussão, surdo.
Bruno Klammer – Percussão.
Fred Pedrosa – baixo, viola.
Matheus Braga – Violão, voz, cavaco.
Du Gomide – Viola, rabeca, beat, guitarra, ukulele, teclado.
Lauro Ribeiro – sousafone, trombone.
Ian Giller Branco – Steel Drum.
Coro: Du Gomide, Melina Mulazani, Matheus Braga, Vinicius Azevedo e Thayana Barbosa
Arte: Kiko Dinucci
Fotos: Dayana Luiza

Identidade visual do projeto é do multiartista Kiko Dinucci

Curta no facebook: /itaercioorocha
Siga no instagram: @rochaitaercio
Site: https://itaerciorocha.wixsite.com/portfolio
Youtube: /itaerciorocha
Deezer: itaerciorocha
Spotify: itaercio
Baixe o disco neste link

Projeto realizado com apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba. Incentivo Pátio Batel.