PROJETO BRASIS NO PAIOL 2020 SERÁ ONLINE E TERÁ 50 ATRAÇÕES

Novo formato quintuplica número de artistas participantes. Entre os nomes da edição de setembro estão Xênia França, Amaro Freitas e Brisa Flow.

Realizado em Curitiba desde 2012, o projeto Brasis no Paiol chega a sua oitava temporada com uma mudança no formato e número de apresentações. Os shows saem do tradicional Teatro do Paiol e passam a ser transmitidos pela internet, em cinco edições mensais com 10 atrações em cada, de setembro a janeiro de 2021. A principal razão para a alteração foi a impossibilidade de realização dos shows neste ano devido a pandemia.

A primeira edição vai ao ar nos dias 26 e 27 de setembro. No sábado, quem se apresenta é Xênia França, Brisa Flow, Alienação Afrofuturista convida Lemoskine, Sol.Katu Ê Maraca.Drum e a DJ Mitay. No domingo tem Amaro Freitas, Janine Mathias, Melina Mulazani, Ágatha Pradnik e Disco Veneno. As apresentações, de 30 minutos para shows e uma hora para discotecagem, serão no canal do Brasis no Paiol do Youtube e Twitch. Também serão transmitidos no perfil da Santa Produção do Instagram e Facebook.
As próximas datas do projeto serão nos dias 24 e 25 de outubro, 21 e 22 novembro, 19 e 20 de dezembro e 23 e 24 de janeiro.

Do teatro para a tela

Faltavam poucos dias para a divulgação da temporada 2020 do Brasis no Paiol quando a quarentena foi anunciada. O projeto, que contaria com 10 apresentações de abril a dezembro, no icônico Teatro do Paiol em Curitiba, entrou em pausa. Com a incerteza do retorno das atividades culturais ao vivo, o Brasis precisou ser reformulado.

“O Paiol é um local muito especial, os shows lá são sempre uma experiência incrível. Mas apesar de o projeto estar totalmente ligado ao espaço, não fazia sentido a gente esperar um retorno das atividades enquanto artistas e técnicos estão com sua atuação comprometida. Por isso nos esforçamos para que o evento fosse realizado ainda neste ano, adaptando seu formato”, explica a produtora Bina Zanette, uma das idealizadoras do projeto.

Com a alteração, o Brasis no Paiol teve a oportunidade de quintuplicar o número de artistas participantes, possibilitando monetizar um dos setores da economia mais prejudicado pelo isolamento social. Aumenta também sua abrangência, já que em vez dos 220 ingressos por show, poderá ser visto pelo público de qualquer lugar do mundo que tenha acesso à internet.

Brasis no Paiol

Desde 2012, os produtores Bina Zanette (Santa Produção) e Heitor Humberto (Fineza Comunicação e Cultura) realizam uma sequência de shows no Teatro do Paiol, com artistas de diferentes regiões do Brasil, bem como nomes da cidade. O objetivo é sempre apresentar novidades, lançamentos, estreias e projetos especiais de artistas com trabalhos de relevância artística, que gerem interesse do público curitibano. Até hoje, já foram mais de 70 apresentações.

Em 2020, o projeto é realizado com o Projeto de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. Conta com o patrocínio do Ebanx e o apoio da Effex Tecnologia e Criação, Cliteriosa Comunicação e haharadio. 

Artistas que já passaram pelo projeto
Karol Conka (com Emicida e Kamau), Luedji Luna, Tulipa Ruiz, Anelis Assumpção, China, Siba, Aláfia, Metá Metá, Juçara Marçal, Pélico, Rael, Romulo Froes, Katia B, Ná Ozzetti, Passo Torto, Rico Dalasam, Trupe Chá de Boldo, Graveola, Alzira E, Fióti, Saulo Duarte e a Unidade, Patricia Bastos & Dante Ozzetti, Bianca Gismonti Trio, Macaco Bong, Felipe Cordeiro, Qinho, Badi Assad, Sambas do Absurdo, Janine Mathias, Hurtmold, Conde Baltazar, Rodrigo Campos, Melina Mulazani e Luciano Faccini, Apanhador Só, Naked Girls and Aeroplanes, Itaercio Rocha, Vitor Araújo, Trombone de Frutas, Du Gomide, Mundareu, Real Coletivo, Duofel com Carlos Malta e Robertinho Silva, Copacabana Club, entre outros.

SERVIÇO 
Brasis no Paiol em Casa – Edição de setembro
:: 26 de setembro, sábado, 18h
:: 27 de setembro, domingo, 18h

Transmissão:
twitch – /brasisnopaiol
youtube – Brasis no Paiol
facebook – /santaproducao
instagram – @santaproducao

MXT COMVIDA

O produtor e líder da banda Machete Bomb, Madu Madureira, lança o projeto “MXT comvida”, que nasce depois de um turbilhão vivido pelo músico, onde se viu na situação de ficar viúvo com seus 2 filhos e largar a carreira de músico e banda para se dedicar as crianças, ou tentar conciliar as 2 situações. Incentivado por amigos artistas à não parar, Madu se viu na possibilidade de se reanimar a se dedicar a carreira novamente, lançando um disco com estes artistas como parceiros e convidados. 

O projeto conta com 12 faixas, sendo que 7 delas possuem além do áudio a gravação em vídeo no formato Live Session. Renovando a cara e o repertório musical, tem também a participação de renomados artistas brasileiros, com músicas inéditas, e também duas regravações de composição de Odair José e uma música inédita dos compositores Andó e Dedé Paraízo do Demônios da Garoa, cedida pelos compositores em prol do disco e cantada pelo próprio Dedé Paraízo e as bandas curitibanas Mulamba e TUYO. 

Os artistas convidados e já gravados são Odair José, Bnegão, Dedé Paraíso (Demônios da Garoa), Andó (compositor), Mulamba, TUYO, Egypcio (Tihuana), Caio MacBeserra (Project46), Tomás (el efecto), Janine Mathias, Mateo (francisco, el hombre), Xandão Meneses (O Rappa), Lobato (O Rappa), Nave (beatmaker), Rodrigo Lemos (Lemoskine), Pete MC, Pecaos, Dow Raiz, Thestrow, Rodrigo Samsara e Alienação Afrofuturista e ainda terão outras surpresas.

O projeto representa o atual momento de redescobrimento do artista Madu, como pai, ainda em um momento de luto familiar, e como artista, em um redescobrimento com novas parcerias musicais. Depois de um período de hiato de novas composições, mesmo tendo produzido 5 discos para seu projeto Machete Bomb (sendo 3 deles com versões de remixes, versões acústicas e 2 DVDs ao vivo), o artista se renova adicionando novas vertentes musicais a seu já misturado “samba heavy”. Desde artistas do trash metal brasileiro, como o caso do cantor Caio da banda “Project46”, cantores da nova geração como TUYO, ícones do pop rock como Xandão e Lobato da banda “O Rappa” e Bnegão do “Planet Hemp”, a seus novos parceiros, porém, compositores de longa data, como Dedé, Andó e Odair, o disco e suas letras e histórias se tornam uma redenção de tudo que o produtor passou. Uma ode a sua falecida esposa, e uma tentativa de se entender com a vida, com a morte e com a música.

Serviço:
MXT Comvida!
Local:  Basement CulturalR. Des. Benvindo Valente, 260 – São Francisco, Curitiba
Data: Sexta-feira, 22 de novembro de 2019, a partir das 21h
Página do evento, aqui

COM INÍCIO NESTA QUINTA-FEIRA (20), FIMS REÚNE AGENTES DA PRODUÇÃO MUSICAL NACIONAL E INTERNACIONAL EM CURITIBA

crédito foto: Nicolas Salazar

A terceira edição da Feira Internacional da Música do Sul – FIMS traz neste ano além da programação diversos shows no ‘Circuito Off’

Entre os dias 20 e 22 de junho, o Portão Cultural, em Curitiba, recebe a terceira edição da Feira Internacional da Música do Sul – FIMS. Considerado um dos principais eventos de negócios do setor musical no sul do país, além da programação oficial, a Feira apresenta diversos shows nos espaços culturais da cidade. 

Neste ano, palestras, mesas, debates, rodadas de negócios, showcases e o circuito off, atraem o público e diversos agentes da cadeia produtiva da música nacional e internacional.

Em 2019, as inscrições nos showcases superaram a edição passada. Para o desempate, foi utilizado o critério de distribuição geográfica com foco na região sul.

Entre os selecionados estão, A Banda Mais Bonita da Cidade (Curitiba), Janine Mathias (Curitiba), Caburé Canela (Londrina), Dandara Manoela (Santa Catarina), Yangos (Rio Grande do Sul), Modernas Ferramentas Científicas de Exploração (Rio Grande do Sul), MARTTE (São Paulo) e o rapper Sucio Bang (Colômbia).

Neste ano, duas palestras compõem a grade. A diretora de pesquisa do DATA SIM (núcleo de pesquisa da SIM São Paulo), Dani Ribas retrata a importância de dados e informações confiáveis para o desenvolvimento do mercado da música.

O diretor de design estratégico da Rizoma Aceleradora de Projetos Culturais, Iuri Freiberger, traz a discussão sobre o desenvolvimento de novas formas do design para projetos criativos no mercado da música.

Ao todo, seis temáticas englobam as mesas tendo como pano de fundo o contexto da tecnologia. Com destaque para as mesas sobre ‘o papel da pesquisa musical na era da infobesidade’, ‘ dificuldades de se lançar um álbum independente’ e ‘música brasileira no exterior’.

Entre artistas, jornalistas e produtores participam, Lio Soares (Tuyo), Pena Schmidt (Lista das Listas), Fer Isella (Limbo Music / SoL Madrid), Fabi Pereira (Papo de Música / FARO), Tony Ayex (Tenho mais discos que Amigos), Melina Hickson (Porto Musical), David McLoughlin (Brasil Calling), Filip Košťálek (Festival Colours) e outros.

No eixo profissionalizante da FIMS, seis cursos de curta duração trazem diversos especialistas do mercado da música, entre eles, a gerente de marketing da Habro Music, Renata Gomes; os produtores, Alec Haiat e Samuel Galdino do Projeto Suspechos; o produtor musical e proprietário do Grupo UN Music, Barral Lima; os produtores do Centro Europeu/AIMEC, Alonso Figueroa e Danilo Bencke (AIMEC); a brand da agência Talquimy, Tathy Moura e o curador e programador do espaço Agulha (RS), Guilherme Thiesen Netto.

No complexo do Portão Cultural, a Casa da Leitura Wilson Bueno será o espaço dedicado para a troca de ideias entre os profissionais de entidades do Sesi Cultura (PR), DaleGig, Sarau As Mina Tudo (SP), Soundscape, Tenho mais discos que Amigos e Rádio Butiá Brasil.

Além da programação oficial no Portão Cultural, após as atividades, acontecem paralelamente em diversos espaços da cidade, os shows com Lemoskine (PR), Leo Fressato (PR), Fernando Lobo (PR), Thaïs Morell (PR), Janine Mathias (PR), Kia Sajo (SC), Bananeira Brass Band (PR), Cida Airam (PR), Trabalhos Espaciais Manuais (RS) e DJ Manoel Canepa (RS).

Para os interessados em participar de todas as atividades da FIMS, o  credenciamento deve ser feito pela plataforma do Ingresso Nacional (a partir de R$40). Confira a programação detalhada no site oficial: fims.com.br

Serviço:

3ª Feira Internacional do Música do Sul
Onde: Portão Cultural –  Av. Rep. Argentina, 3.432 – Portão, Curitiba
Quando: Entre os dias 20 e 22 de junho de 2019
Site: fims.com.br

DIEGO PERIN APRESENTA ÚLTIMO SHOW DO ANO

Diego por Luciano Meirelles

Músico toca canções inéditas que farão parte do seu repertório no Psicodália 2019

Dia 6 de dezembro, Diego Perin apresenta seu show solo na Quinta Autoral do Ornitorrinco Bar. Após ser confirmado para o Psicodália, o músico traz ao público curitibano novas composições, uma palhinha do repertório que irá tocar no carnaval de 2019 em Rio Negrinho. Abrindo e fechando a festa, o coletivo de seletores Casa de Suingue discoteca muita música brasileira, latina, funk norte-americano, rock e balcã. Os ingressos custam R$10 com nome no evento do Facebook.

Diego é ex-baixista da Banda Gentileza, onde tocou durante mais de 10 anos. Ele lançou seu primeiro trabalho solo, “Cabresto”, disponível em todas as plataformas digitais e para download gratuito, este ano e já está preparando o novo EP para o primeiro trimestre de 2019. As composições seguem a mesma linha, expurgando suas inquietações através de letras instigantes e instrumental distorcido, transitando entre o rock, blues, tuaregue, brega e outros ritmos. Ao seu lado estão o baterista Douglas Vicente, também da banda Charme Chulo; o guitarrista Ruan Castro, aqui atacando como baixista, da extinta Black Cherry e Vinicius Nisi, da A Banda Mais Bonita da Cidade, no teclado. Diego canta e toca guitarra.

Casa de Suingue por Dayana Luiza

O evento começa às 20h com seleção musical de Luana Angreves e Heitor Humberto, conhecidos pelas memoráveis festas da Rádio Kombi, rádio interna do Psicodália, onde são radialistas desde 2014. Show está previsto para às 21h30.

Sobre o Diego Perin
Diego Perin estuda música desde os 15 anos, quando ainda morava em sua cidade natal, Igarapava, São Paulo. Desembarcou em Curitiba para cursar Publicidade e Propaganda na UFPR e na universidade, em 2004, conheceu seus colegas da Banda Gentileza. Em 10 anos de carreira, a banda tocou nos renomados festivais: Psicodália (Rio Negrinho/SC), Path (São Paulo/SP), Calango (Cuiabá/MT) e Contato (São Carlos/SP). A canção “Afinal de Contas” foi tema de personagem da novela da Rede Globo, Malhação de 2013. O músico tocou também na banda Lemoskine e acompanhou o cantor Leo Fressato. Atualmente, além de se dedicar a composição do seu trabalho solo, Diego é baixista da banda que acompanha a dupla Estrela Leminski e Téo Ruiz.

Serviço:
Quinta Autoral com Diego Perin e Casa de Suingue
Data: 6 de dezembro, quinta-feira
Hora: 20h
Local: Ornitorrinco Bar – R. Benjamin Constant, 400 – Centro
Ingressos: R$10 com nome do mural do evento e R$20 sem nome no mural.
Confira a página do evento, aqui

Curta no Facebook: /perindiegoperin
Siga no Instagram: /perindiego
Baixe gratuitamente Cabresto: www.diegoperin.com.br
Youtube: http://bit.ly/dYoutubeiegoperin-youtube
Spotify: http://bit.ly/diegoperin-spotify
Deezer: http://bit.ly/DiegoPerin-Deezer

DIEGO PERIN LANÇA EP PROVOCADOR E ATUAL


Cabresto chega às plataformas de streaming dia 19 de março

A arte reflete o que vivemos. É inadmissível ficar alheio a dor dos outros. É assim que o compositor Diego Perin, ex-baixista da Banda Gentileza descreve seu primeiro trabalho solo. O EP ‘Cabresto’ nasce de suas inquietações com o mundo e consigo mesmo. Ao mesmo tempo em que o músico canta a falta de empatia, manipulação midiática e jogo de interesses, também ressalta a necessidade de correr riscos e buscar um mundo ideal, que é utópico para quem não acredita nele.

Diego volta a cena musical como compositor de suas letras e melodias. Essa autonomia garantiu uma miscelânea de ritmos. “A dor dos outros”, single lançado em julho é uma mistura de rock, música latina e brega. Já “Cabresto”, que dá nome ao disco, é um afrobeat. O novo trabalho é mais pesado e irônico que o da antiga banda. “Acho que os assuntos são mais sérios. Tem uma canção que lembra Doors. Nem era minha intenção, mas quando mostrei pros amigos e amigas, eles apontaram a influência que eu nem sabia que tinha. Uma inspiração proposital foram os uivos do Howling Wolf”, comenta Perin.

Após 15 anos tocando baixo e sendo backing vocal, Diego assume sua voz em primeiro plano e ataca de guitarrista. A produção musical e mixagem ficou por conta de Rodrigo Lemos que também toca baixo, bateria, guitarra e sintetizador. Outros amigos e grande músicos participaram do seu novo trabalho: Vinicius Nisi (A Banda Mais Bonita da Cidade) no teclado, Douglas Vicente (Charme Chulo) e João Taborda (Trombone de Frutas) na bateria, Estrela Leminski e Téo Ruiz nos backing vocals e Lucas Ajuz (Locomotiva Duben) na conga. Diego Perin toca guitarra, baixo e, claro, debuta no vocal. Em março de 2018 o mundo conhecerá o resultado.

O lançamento já tem data marcada: 19 de março o EP estará disponível nas plataformas de streaming e no site, para quem quiser baixá-lo gratuitamente. Seguindo as tendências de mercado, Perin disponibiliza os lyrics videos de suas músicas no Youtube. Animações feitas por ele. O show de estreia é dia 6 de abril no Ornitorrinco bar. Tocando ao seu lado o tecladista Vinícius Nisi (A Banda Mais Bonita), o baixista Jean Machado (Tuyo), Ruan de Castro na guitarra e Douglas Vicente (Charme Chulo) na bateria. Engrossando o caldo e o evento, tem apresentação do Bernardo Bravo e do coletivo de DJ’s, Casa de Suingue.

Diego Perin by Luana Angreves

Serviço:
Show de lançamento de Cabresto
Data: 06 de abril
Horário:
20h – discotecagem Casa de Suingue
21h30 – Show Diego Perin
23h – Show Bernardo Bravo
Local: Ornitorrinco Bar – R. Benjamin Constant, 400 – Centro
Entrada: R$10 com nome no mural do evento e R$15 sem.
Confira a página do evento, aqui

Sobre o Diego Perin
Diego Perin estuda música desde os 15 anos, quando ainda morava em sua cidade natal, Igarapava, São Paulo. Desembarcou em Curitiba para cursar Publicidade e Propaganda na UFPR e na universidade, em 2004, conheceu seus colegas da Banda Gentileza. Em 10 anos de carreira, a banda tocou nos renomados festivais: Psicodália (Rio Negrinho/SC), Path (São Paulo/SP), Calango (Cuiabá/MT) e Contato (São Carlos/SP). A canção “Afinal de Contas” foi tema de personagem da novela da Rede Globo, Malhação de 2013. O músico tocou também na banda Lemoskine e acompanhou o cantor Leo Fressato. Atualmente, além de se dedicar a composição do seu trabalho solo, Diego é baixista da banda que acompanha a dupla Estrela Leminski e Teo Ruiz.

SESI CULTURA PARANÁ COMEMORA A REALIZAÇÃO DE MAIS DE 450 MIL ATENDIMENTOS EM ARTE E CULTURA EM 2017

Show SESI Música – Mano a Mano Trio e João Bosco

Instituição oferece o acesso à cultura em todo o estado, com programação para diversas linguagens e públicos

O Sesi Cultura Paraná, fundado em 2008 pela Regional Paraná do Serviço Social da Indústria, dedica-se ao desenvolvimento de ações culturais no estado. Desde então, a instituição privada promove o acesso à cultura com foco em programas de formação artística e cultural, investindo em processos criativos, independentes ou de renome nacional, bem como na formação de plateia para todas as linguagens.

Em 2017, mais de 450 mil atendimentos em arte e cultura foram promovidos pelo Sesi Cultura, com um total de 900 ações realizadas em diversas cidades, distribuídas nas categorias de música, artes visuais, literatura, oficina, dança e teatro. Ao todo, 1.697 empresas e 9.759 pessoas da comunidade em geral participaram de atividades, como: festivais, oficinas e exposições artísticas. Além da programação cultural, que reuniu 76.284 espectadores, as bibliotecas do Sesi/Senai somaram 288.384 acessos e cerca de 83 mil empréstimos de livros em todo Paraná, fruto do programa de incentivo à leitura.

Ao longo destes anos, diversos programas foram desenvolvidos pela Gestão Cultural do Sesi: Circuito Cultural, Festival Sesi Música, Núcleos Criativos do Sesi, Sesi Música, Sesi Audiovisual, entre outros. “Todas essas ações sempre tiveram como diretriz o acesso à cultura, a diversidade cultural, a pluralidade da arte brasileira e a valorização dos artistas locais”, explica Anna Paula Zetola, gerente de cultura do Sesi-PR. Atualmente, a instituição possui espaços culturais em Curitiba, São José dos Pinhais, Londrina, Arapongas, Pato Branco, Guarapuava e Santo Antônio da Platina, além de realizar o Circuito Cultural nos teatros em parceria com as secretarias municipais e fundações de cultura.

Entre as regionais, o Centro Cultural Sesi/AML, em Londrina, promoveu 307 ações, sendo o espaço que obteve os melhores resultados de público (18.230). “O Sesi Cultura Paraná oportuniza o conhecimento de novos projetos artísticos, de nomes desconhecidos da maximídia e também promove a profissionalização de jovens produtores, além de desenvolver a economia da cultura local”, finaliza Anna.

Em relação aos destaques do ano da programação do Sesi Cultura Paraná estão:

– Festival de Música do Sistema Fiep: com o objetivo de revelar talentos artísticos dentro da indústria paranaense e das escolas do Sesi, Senai e IEL, o projeto atingiu 155 inscritos no ano de 2017, entre alunos, trabalhadores e dependentes das indústrias. As seis etapas regionais foram realizadas nas cidades de Maringá, Toledo, Pato Branco, São José dos Pinhais, Guarapuava e Arapongas. Um grande show comemorativo e aberto ao público apresentou a etapa final, no Teatro Sesi Campus da Indústria, em Curitiba, com a participação de Uyara Torrente, vocalista da Banda Mais Bonita da Cidade, e Conde Baltazar, da banda Trombone de Frutas. Apresentaram-se 24 artistas concorrentes, sendo oito de cada categoria (Música Sacra, MPB e Música Regional).

Núcleos Criativos: o programa de formação que a instituição oferece para criativos nas áreas de dramaturgia, audiovisual, artes visuais e composição musical, reuniu 92 participantes em 70 encontros ao longo de 2017, distribuídos entre as cidades de Curitiba e Londrina. Já nas oficinas de artes, foram 2.492 inscritos, com a participação de 110 empresas e 1.331 espectadores. Em 2018, a instituição pretende dar continuidade ao projeto com o desenvolvimento de mais ações dentro das categorias.

– Circuito Cultural: o programa tem a proposta de oportunizar o acesso ao bem cultural. Em 2017, percorreu todo o Paraná levando espetáculos culturais ligados às Artes Cênicas ou Música para diversas regiões. Ao todo, foram 84 ações distribuídas em 24 cidades, que reuniu um público de 18.252 pessoas. Na programação do ano, os destaques foram para o show Eu Quero Mergulhar, da cantora e compositora Janine Mathias, realizado em Arapongas (maio); o espetáculo em homenagem a Noel Rosa, um dos maiores e mais importantes artistas da música no Brasil, em União da Vitória (junho) e o musical infantil Supercondutores de Energia, que rodou por 12 cidades do estado no mês de outubro.

– Sesi Música: a fim de valorizar a conexão criativa entre artistas, ao colocar em evidência os compositores e intérpretes da cena musical paranaense junto a referências culturais reconhecidas no mercado nacional, o projeto já oportunizou grandes encontros, como: Lemoskine e Fernanda Takai, Simone Mazzer e Sandra de Sá, Orquestra À Base de Corda e Lenine. Em 2017, promoveu apresentações com A Banda Mais Bonita da Cidade e Paulinho Moska; Rosa Armorial e Antonio Nóbrega; Bernardo Bravo e Filipe Catto; Mano a Mano Trio e João Bosco.

Crédito foto: Rei Santos

Programação 2018
Com o objetivo de ser reconhecida como a maior e melhor instituição privada na oferta de Arte e Cultura do Paraná, o Sesi Cultura prevê para este ano uma programação ainda mais abrangente e acessível. A seleção dos projetos culturais inscritos nos editais de chamamento público para compor a programação do ano será divulgada no primeiro semestre de 2018. Os trabalhos selecionados irão percorrer os teatros das unidades do Sesi-PR e espaços parceiros das secretarias municipais e fundações de cultura.

Mais informações:
www.sesipr.com.br/cultura/
www.facebook.com/sesiculturapr/

SESI CULTURA
Foi em 2008 que a Regional Paraná do Serviço Social da Indústria inaugurou uma área especificamente dedicada ao desenvolvimento de ações culturais ancoradas nas diretrizes previstas na Declaração Universal dos Direitos do Homem, como a diversidade, a pluralidade e a autonomia. Desde então, o Sesi Cultura Paraná tem promovido o acesso à cultura com foco em programas de formação artística e cultural, investindo em processos criativos, formação de plateia para todas as linguagens e na formação e desenvolvimento cultural com vocação local. O Circuito Cultural Sesi, o Festival Sesi Música, os Núcleos Criativos do Sesi, o Zoom Cultural, os Programas Sesi Música, Sesi Arte, Sesi Audiovisual e Sesi Artes Cênicas são exemplos de programas desenvolvidos pela Gestão Cultural do Sesi. De 2008 até 2017, mais de um milhão de espectadores tiveram acesso à cultura por meio de cerca de 8,4 mil ações culturais realizados pelo Sesi Paraná. Todas essas ações sempre tiveram como objetivo o acesso ao bem cultural para o trabalhador da indústria, seus dependentes e para a comunidade de um forma geral, além da difusão da arte em todas as suas manifestações, valorizando a diversidade e a pluralidade do povo brasileiro.

MÚSICA NA CIDADE APRESENTA SHOW GRATUITO DE RODRIGO LEMOS NESTA TERÇA E QUARTA-FEIRA

A música instrumental produzida no Paraná é destaque no projeto Música Na Cidade que chega em sua terceira edição e apresenta 14 shows em oito cidades do PR. Nesta terça (07) e quarta-feira (08), a partir das 11h, no Terminal Central de Ponta Grossa, o músico Rodrigo Lemos faz o terceiro show do ciclo de apresentações do projeto.

O Música na Cidade tem o intuito de ocupar os ambientes ao céu aberto destas localidades e proporcionar para o cidadão o acesso à cultura a partir da música. Há três anos, desde a estreia, mais de 70 mil pessoas foram impactadas pelo projeto, além de incitar a acessibilidade da música paranaense em locais onde as vezes o acesso é inviável.

O livre acesso à cultura e interação pelas redes sociais do Música na Cidade, possibilita ainda a aproximação entre artistas e público ao incentivar a democratização dos espaços urbanos e digitais, tendo o caráter artístico como um elo de união popular.

Rodrigo Lemos
Lemoskine é o trabalho solo do músico e produtor Rodrigo Lemos, ex-integrante e compositor das bandas Poléxia e A Banda Mais Bonita da Cidade. O projeto já lhe rendeu indicação para o VMB 2012, na categoria “Aposta MTV”, com o álbum de estréia Toda a Casa Crua – registro que conta com a participação especial de John Ulhoa (Pato Fu) na produção de três faixas. O repertório se desdobrou em clipes para as canções “Música de Novela”, “Nessa Mulher”, “Toda Bonita” e “Estilingue”; e ganhou um mini documentário – Toda a Casa Crua no Moinho Curitibano – concebido pela artista plástica Mariana Zarpelon e dirigido por João Marcelo e Rosano Mauro Jr.

No final de 2015, Lemos lança o segundo álbum Pangea I Palace II em formato digital, além de um clipe e uma edição limitada em compacto (45 rpm) para o single “Pedra Furada” – um produto desenvolvido pelo selo Vinyl Lab e customizado pelo estúdio de design Apoc. Desta vez, o músico se apóia em canções mais sensoriais, embaladas pelo groove do dub e de ritmos brasileiros. O álbum foi bem recebido nas redes sociais e em veículos especializados como O Globo, Billboard e Showlivre, encerrando o ano com um bem sucedido crowdfunding para fabricação em formato LP.

SERVIÇO:
MÚSICA NA CIDADE EM PONTA GROSSA
SHOW COM RODRIGO LEMOS
Onde: Terminal Central de Ponta Grossa
Endereço: Av. Dr. Vicente Machado, 12
Quando: 07 e 08/11 (terça e quarta-feira)
Horário: 11h
ENTRADA GRATUITA