DOCUMENTÁRIO “A PONTE” – SOBRE A PERIFERIA DE SÃO PAULO


Documentário A Ponte sobre a periferia de São Paulo, com Mano Brown e Trilha Sonora de Zé Gonzales e Daniel Ganjaman.

Release (via Casa do Zezinho ). Fonte / texto: Geledes

O rapper Mano Brown, a educadora Dagmar Garroux e o escritor Ferréz convivem diariamente com as mazelas da periferia de São Paulo. Cada um a seu modo, trazem uma bagagem de experiências que merece reflexão. É o que faz o documentário “A Ponte”, produzido pelo Instituto Rukha.

O filme, de 42 minutos, mostra a situação da desigualdade social na Zona Sul de São Paulo por meio da figura de Dagmar Garroux, conhecida como Tia Dag. Ela é a fundadora da Casa do Zezinho. A entidade trabalha desde 1994 com o desenvolvimento de crianças e jovens. No início eram 07 “Zezinhos”, hoje a Casa conta com mais de 1200 crianças e jovens.

A câmera do documentário passeia pelas ruas do Capão Redondo, Jardim Angela e Jardim São Luis, todos bairros da zona sul da capital paulista, e expõe o tempo todo a diferença existente entre as duas margens do Rio Pinheiros. “O Rio pinheiros divide o pobre dos ricos”, afirma o rapper Mano Brown. Tia Dag complementa: “A ponte do Rio Pinheiros é o muro de Berlim.”

O filme pretende mobilizar a sociedade, mostrando que existe um caminho para a transformação. “Não é uma denúncia vazia. Optamos por mostrar que a realidade é muito dura, mas paralelamente mostramos a história da Tia Dag como uma possibilidade de mudança para a região”, afirma Luiz Alfaya, diretor-presidente do Instituto Rukha.

Para Roberto Oliveira, diretor do filme, “a idéia é abrir os olhos das pessoas”. Segundo ele, “o Brasil vive uma situação de guerra civil e as pessoas não se dão conta. Elas precisam se mexer e mudar a realidade.”

Ficha técnica:
Versão completa em HD do documentário “A PONTE” 2006 / Instituto Ruhka / Sindicato Paralelo / Direção: Roberto T. Oliveira e João Wainer / Fotografia: João Wainer / Produtores Associados: Roberto T. Oliveira e Marcelo Loureiro / Trilha Sonora: Zé Gonzales e Daniel Ganjaman / Direção de Arte: Paulo Franco / Edição: André Dias e Alex Kundera / Produção: Claudio Gabriel e Julio Sena / Fotografia adicional: Lula Maluf, Arci Reis, Roberto T. Oliveira e Claudio Gabriel / Finalização: Alex Kundera / Mixagem: Daniel Ganjaman (Estudios YB) / Participações: Mano Brown, Ferrez, Floriano Pesaro, Paulo Lima, Padre Jaime, Fabio Gurgel, Saulo Garroux, João Batista Cardoso

Para ajudar acesse: www.casadozezinho.org.br

Release (via Casa do Zezinho ). Fonte / texto: Geledes

BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA

Livro BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA. Autora: Selma Baptista. Documentário: Jessica Candal. Fotografias: Shigueo Murakami, Lucas Pereira Nery e Alice Pizzaai Goltz. Textos adicionais: Jaques Brand, Renata Carvalho Rodrigues Souza. Curitiba. 2020. Produtora Transpira. 194 p. Preço: DISTRIBUIÇÃO GRATUITA.

Sinopse:
O livro é resultado de uma ampla pesquisa com viés etnográfico, balizado por pesquisas de campo, bibliografia antropológica, histórica e arquitetônica. O projeto “BAIXO SÃO FRANCISCO” debruçou-se sobre o icônico bairro curitibano e, através de uma perspectiva antropológica, convidou a cientista social Selma Baptista e a cineasta Jessica Candal para criarem produtos culturais, cada qual com seu olhar e perspectiva sobre o bairro. Selma Baptista escreveu o livro e Jessica Candal coordenou e dirigiu o documentário HIP HOP no corre no baixo, co-dirigido com Camila Macedo, KBU, Mano Jhow.

Sobre a Autora:
Selma Baptista é Pós-doutora em Antropologia pela USP, Doutora em Ciências Sociais pela UNICAMP e Mestre em Antropologia Social pela mesma universidade.Foi professora titular do departamento de Antropologia da UFPR, onde se aposentou. Atualmente produz pesquisas, orientações e assessorias na área de crítica cultural.

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA: O livro na versão impressa está disponível para distribuição gratuita em locais parceiros do projeto: BAR MÃE, Rua Treze de Maio, 512, bairro São Francisco. GALERIA SOMA, R. São Francisco, 179, bairro São Francisco. BICICLETARIA CULTURAL, R. Presidente Faria, 226, Centro. COLETIVO SFco179, R. São Francisco, 179, São Francisco. Endereços em Curitiba.

FICHA TÉCNICA
Autora do Livro: Selma Baptista
Documentário: Jessica Candal – Direção: Camila Macedo / Jessica Candal / KBU / Mano Jhow
Pesquisa: Alice Pizzaia / Caroline Blum
Designer Gráfico: Lucas Pereira Nery
Coordenação Geral: Jonas Prates
Incentivo: Caixa / Lei de incentivo cultura / Fundação Cultural de Curitiba / Prefeitura de Curitiba / Realização: Transpira. 

CANAIS OFICIAIS DO PROJETO
SITE: www.baixosaofrancisco.com.br
INSTAGRAM: www.instagram.com/baixo_sao_francisco/
FACEBOOK: www.facebook.com/BaixoSaoFranciscoCuritiba/
YOUTUBE:  www.youtube.com/channel/UCKmHQk0yUQcmF_Ml_EyNYXg

Sobre o FILME
Núcleo coordenado pela cineasta Jessica Candal, o documentário segue o cotidiano de dois personagens cativos no bairro, que transitam pela cena HIP HOP curitibana: Mano Jhow e KBU. Com direção coletiva, o documentário tem uma linguagem crua da realidade de diversas ocupações por jovens que povoam a ebulição cultural e social do bairro pela ótica do movimento Hip Hop.

Jessica Candal é Bacharela em Audiovisual (ECA-USP) e especialista em Poéticas Visuais (EMBAP). Como diretora realizou os curtas Ainda Ontem; Bárbara na Cidade; Teia e O Espelho de AnA. Como roteirista, escreveu os longas Horizonte; Ferrugem, com Aly Muritiba; Tão Longe do Centro da Terra, com Aarón Fernández; O Espanto, com George Walker; e foi uma das co-autoras de Eduardo e Mônica. Atualmente está escrevendo A Rua é Noiz, cinebiografia de Emicida, junto dele, Aly Muritiba e Toni C.

DOCUMENTÁRIO “COISA MAIS LINDA – HISTÓRIAS E CASOS DA BOSSA NOVA”


Documentário “Coisa Mais Linda – Histórias E Casos Da Bossa Nova”- Um painel histórico, musical e informativo sobre o nascimento da Bossa Nova, na década de 1950. Contém imagens de arquivo com entrevistas e apresentações exclusivas de Roberto Menescal, Carlos Lyra, Johnny Alf, Leny Andrade, entre outros.

Diretor: Paulo Thiago. Roteiro: Paulo Thiago. Produção: Glaucia Camargos. Edição: Marcelo Moraes.

Fonte: CIEBRA Centro Integrado Estratégico Brasileiro

CHICO SCIENCE, UM CARANGUEJO ELÉTRICO – DOCUMENTÁRIO NAÇÃO ZUMBI


Documentário “Chico Science – Um Caranguejo Elétrico. Um filme de 86 minutos exibido pela TV Globo Nordeste e GloboNews em 2016.

O documentário acompanha a carreira do mentor do Manguebeat através de imagens de arquivo, gravações inéditas e depoimentos de nomes como Fred Zero Quatro (Mundo Livre S/A), Jorge Mautner, Carlos Eduardo Miranda, Arnaldo Antunes, Paralamas do Sucesso, Dengue, Lucio Maia, Jorge Du Peixe e Toca Ogan.

Com participação de: Dona Rita, Gorete, Eurico, Mestre Meia Noite, Dj Dolares, Fred Jordão, Fred Zero Quatro, Xico Sá, Gil Vicente, Renato L, Stella Campos, Cannibal, Otto, Hilton Lacerda, Miranda, Jorge Davidson, Cadão Volpato, Marcelo Rubens Paiva, Paulo André, Liminha, Marcelo Yuka, Lorena Calabria Arto Lindsay, Bill Braggin, Gilberto Gil, Bid, Jorge Mautner, Arnaldo Antunes, Herbet Viana, Lenine, João Barone, Bi Ribeiro, Andre Jung.

Produção Geral: Ricardo Carvalho
Argumento, Roteiro e Direção: Zé Eduardo Miglioli
Produção Executiva: Carol Carvalho
Pesquisa e Roteiro: José Teles
Direção de Fotografia: Mariano Maestre
Direção de Produção: Petla Pammela
Montagem: Walter Kelcius
Finalização e Color: André Frakatt
Som Direto: Nicolau Domingues e Rafael Travassos
Produção Musical: Carlinhos Borges
Programação Visual: Coletivo Vacilante
Abertura: ZQuatro Studio
Locução: Germano Haiut
Edição de Som e Mixagem: Gera Vieira

Imagens de arquivo cedidas pela GLOBO
Imagens cedidas pelo CEDOC- TC Cultura/ SP
Programas Ensaio, Bem Brasil, Metropolis e Fanzine
RTV Produções GLOBO NORDETES GLOBO FILMES

fonte: Nação Zumbi (Oficial)

Escute Nação Zumbi no Spotify: aqui
Instagram:
aqui
Facebook:
aqui

PARANÁFLIX

PARANÁFLIX

Que ideia maravilhosa! Só entrar no site e assistir o cinema paranaense. Inclusive você pode subir filmes! Maravilhoso! Parabéns aos envolvidos!

A Paranáflix é uma plataforma colaborativa criada para difundir produções cinematográficas produzidas em todo o Paraná.

Já tem vários filmes interessantes: Lance Maior (1968), Cine Hai-Kai (1984) – sobre o Leminski, Beijo na Boca Maldita (2008), Satori Uso (2007), vários filmes legais, confira o catálogo!

“Buscamos construir uma forma livre, popular e coletiva para dar visibilidade às produções do estado, e oferecer o acesso gratuito de filmes para quem busca informações culturais.

Este gesto surge como sintoma da insuficiência de políticas públicas consistentes, ativas, e longevas de distribuição, produção, exibição e preservação do cinema no Paraná, e de modo algum pretende trazer soluções paliativas a estes problemas de imenso interesse público.

Vamos fortalecer o cinema brasileiro!”

Acesse:
Site: www.paranaflix.com.br
Instagram: www.instagram.com/paranaflix/

 

GUINGA – DELÍRIO CARIOCA

Em homenagem aos 70 anos do compositor e músico carioca Carlos Althier de Souza Lemos Escobar, o Guinga, tornamos público o documentário “Guinga – Delírio Carioca”, que retrata sua vida e obra.

Gravado entre 2014 e 2016, sem fins lucrativos e como trabalho de conclusão do curso de estudantes de Jornalismo de Brasília, o documentário conta com depoimentos de artistas como Ivan Lins, João Bosco, Ana Carolina, Leila Pinheiro, Mônica Salmaso, Thiago Amud, e do ex-jogador de futebol Paulo Cesar Caju, além de gravações de músicas e relatos inéditos do próprio Guinga.

ILHA DAS FLORES

Um tomate é plantado, colhido, transportado e vendido num supermercado, mas apodrece e acaba no lixo. O filme segue-o até seu verdadeiro final e então fica clara a diferença que existe entre tomates, porcos e seres humanos.

Data de lançamento: 1989 (Brasil)
Direção: Jorge Furtado
Autora: Cecília Meireles
Roteiro: Jorge Furtado, Cecília Meireles
Produção: Monica Schmiedt, Nora Goulart
Elenco: Ciça Reckziegel, Paulo José, Júlia Barth, Irene Schmidt

CONTESTADO: MEMÓRIA E ESPERANÇA


A TV UEL e o Observatório da Região e da Guerra do Contestado disponibilizam o documentário “Contestado: Memória e Esperança”! No documentário “Contestado – Memória e Esperança”, os herdeiros da Guerra do Contestado, no Sul do Brasil, rompem o silêncio imposto pela República por meio de lembranças que repousam nas sombras territoriais do continente americano até hoje. O documentário acompanha o trabalho do projeto de extensão e pesquisa da Universidade Estadual de Londrina “Vivenciar e Agir Sobre Terras (in)contestáveis” em uma viagem pelos caminhos do profeta João Maria e sua estreita ligação, com os costumes, a cultura e a resistência cabocla.

fonte: TV UEL

Pra quem se interessa pelo tema “Guerro do contestado”, o Sebinho

Contestado O Território Silenciado / Nilson Fraga (R$39,77 – com frete incluso)
O Contestado, cenário de uma guerra (1912-1916) que vitimou milhares de caboclos sertanejos. Um conjunto de artigos que pretende lançar mais um pouco de luz numa passagem importantíssima da história de nosso país, em particular, dos estados de Santa Catarina e do Paraná.  Estão aqui a disputa pelo território, as questões de limites, o avanço do capitalismo e do imperialismo no campo, a devastadora exploração da madeira, o aviltamento do habitante da região, os monges e o messianismo, as causas que levaram a um conflito armado com as forças policiais e o Exército brasileiro, a comoção popular que abalou uma ampla região.

Livro Contestado (R$84,55 – com frete incluso)
Ricamente Ilustrado, com 155 páginas. Este livro conta detalhes da Guerra do Contestado: um conflito armado entre a população cabocla e os representantes do poder estadual e federal brasileiro travado entre outubro de 1912 a agosto de 1916, numa região rica em erva-mate e madeira, disputada pelos estados brasileiros do Paraná e de Santa Catarina.

Confira nossos livros, visite nossa loja virtual: https://bit.ly/2pWvbU2
(Taxa de entrega: R$10,00 (por livro) – válida para todo Brasil. Via MercadoPago e/ou dep./transferência bancária. Se interessar, combine por whats (41) 99745-5294.

#CatálogoDoSebinho

VALEU


Moraes Moreira, em voz e violão, interpretando “Valeu”, de Paulo Leminski. A canção foi originalmente gravada por Paulinho Boca de Cantor, em disco de mesmo nome, em 1981. A interpretação faz parte do documentário Paulo Leminski – Um Coração de Poeta, sobre a vida e a obra do “poeta da província”.

Fonte: http://liricoleminski.blogspot.com/

Do Canal do Zeh Vidal