RECEBA EM CASA ESTES LIVROS!

Prestigie nosso Sebinho FATO Agenda!!! Receba estes livros em casa via correios. Taxa de entrega para todo país: R$10,00 (por livro). Com opção de retirada (livre de taxa) no bairro Orleans, em Curitiba. Pagamento via app MercadoPago e/ou transferência bancária. Combine por whats: 41 99745-5294.

Títulos da foto (dia 24 de abril de 2020):

01 – A REVOLUÇÃO DOS BICHOS – Autor: George Orwell. Preço: LIVRO VENDIDO!

02 – AS TRÊS IRMÃS – Autor: Tchekhov. Preço: R$24,00

03 – O SELVAGEM DA ÓPERA – Autor: Rubem Fonseca. Preço: R$16,00

04 – UM RIO CHAMADO TEMPO, UMA CASA CHAMADA TERRA – Autor: Mia Couto. Preço: LIVRO VENDIDO.

Temos centenas de livros a pronta entrega, consulte rapidinho via whats 41 99745-5294. Também temos loja virtual, se interessar, confira nossa loja virtual: https://bit.ly/2pWvbU2

+ INFORMAÇÕES:

– Sebinho FATO Agenda é a loja de livros e discos que ajuda financiar o blogue FATO Agenda, blogue de vagas de emprego e agenda cultural de Curitiba.

– Atendimento (SUSPENSOS DURANTE A QUARENTENA): sextas e sábados, das 19h a meia noite. Rua Paula Gomes, 380, São Francisco, Curitiba – dentro da Erva Doce Doceria Bar.

– Agende visitas ao sebinho, consulte e/ou encomende livros e discos pelo whatsApp: 41 99745-5294 (leandro).

Fanpage: www.facebook.com/sebinhoFATOagenda
Instagram: www.instagram.com/sebinhofatoagenda

Loja virtual: https://bit.ly/2pWvbU2
(Taxa de entrega: R$10,00 (por livro) – válida para todo Brasil. Via MercadoPago e/ou dep./transferência bancária. Se interessar, combine por whats (41) 99745-5294.

#CatálogoDoSebinho

“HISTÓRIAS MÍNIMAS”: O ABSURDO COMO APRENDIZAGEM PARA SERMOS MAIS HUMANOS

Em seu segundo livro, autor curitibano explora as nuances que formam a ideia de cotidiano. 

A literatura é a arte da investigação. Histórias mínimas (Kafka Edições, 74 páginas), o segundo livro do jornalista e escritor Jonatan Silva, parte dessa premissa de busca para tentar entender o presente, o passado e o futuro. Por meio de contos minúsculos, e outros nem tão mínimos assim, o escritor revela uma realidade devastadora. 

Jogando com a ideia de linguagem e representação, Histórias mínimas coloca em xeque as ideias pré-fabricadas que constroem a nossa sociedade e o nosso cotidiano. Com um olhar sabido e textos ardilosos, Jonatan Silva dribla a noção de normalidade ao expor o absurdo ao microscópio literário. “A minha literatura é, acima de tudo, uma tentativa de ler o outro e de enxergar aquilo que não está dito. Ou porque não pode ser dito ou que não se sabe como dizê-lo”, explica o escritor. 

Histórias mínimas é uma literatura visual, um catálogo de cenas e colagens narrativas. De maneira inteligente, Jonatan Silva explora os espaços públicos e como se dá a relação deles com o homem. Com uma percepção aguçada e ousada, os contos que dão forma ao livro exploram situações, temas e lugares que não parecem habituais à literatura brasileira – sem perder o tom que dá massa às questões curitibanas. 

É nesse processo que o livro apresenta seu tom mais forte: com elementos minimalistas e lapidados, criando um universo bastante próprio e interessante. “É importante fazer da literatura uma provocação, colocar ideias foras do lugar para que ocupem um espaço de destaque e protagonismo”, avalia. 

O outro 
Em meio a tudo isso, Jonatan Silva faz de Histórias mínimas um panteão de seus heróis literatura. Está tudo lá: Dalton Trevisan, Jamil Snege, Valêncio Xavier e Manoel Carlos Karam ao lado de Franz Kafka, Bruno Schulz, Gonçalo M. Tavares. Nessa colcha de retalhos – ou mosaico, como prefere o autor –, o livro se transforma em uma narrativa de aprendizagens, um convite a olhar o outro. 

Ao pensar sobre o outro, Histórias mínimas evoca dois escritores fundamentais da literatura latino-americana: Jorge Luis Borges e Julio Cortázar, ambos argentinos. Ainda assim, explica Silva, existe em sua literatura um diálogo profundo com as obras de escritores contemporâneo. “Há um pouco do Carlos Machado, e sua ideia do não lugar; do Tezza, as relações em choque e xeque; Fernando Koproski, a poesia; Márcio Renato dos Santos, seu olhar sobre a cidade como personagem; Cezar Tridapalli, a sua universalidade”, comenta. 

Histórias mínimas é um resgate da literatura curitibana em sua essência mais ampla e lírica, capaz de provocar e convidar o leitor a pensar que futuro é esse que estamos construindo.

KAFKA EDIÇÕES LANÇA COLEÇÃO DE LIVROS COM NOVAS VOZES DA LITERATURA PARANAENSE

As seis obras da coleção Geração PR10 serão lançadas no dia 9 de outubro no Hangar – Casa do Ócio e condensam um olhar provocativo e reflexivo sobre o cotidiano, o absurdo e a incomunicabilidade. 

A Kafka Edições lança no dia 9 de outubro, a partir das 19h, no Hangar- Casa do Ócio, a coleção Geração PR10, viabilizada por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba – Mecenato Subsidiado. Pensada como um recorte da produção literária no estado após 2010, a série retrata a renovação da literatura paranaense e, em simultâneo, celebra uma poética distinta e em diálogo com nomes como Manoel Carlos Karam, Wilson Bueno, Paulo Leminski e Jamil Snege. 

Os seis livros de contos que integram a coleção Geração PR10, ainda que diversos entre si, se assemelham pela linguagem provocativa e pela exploração de novos terrenos em termos de forma. Gravitando entre o real e o absurdo, são obras que permeiam temas e situações em consonância com os nossos tempos e que lançam um olhar singular sobre questões do cotidiano. “A ideia é fazer com que essa coleção irradie os autores como novos nomes e que continue uma batalha da Kafka Edições em revelar uma ficção que busca desafiar a linguagem”, explica o editor Paulo Sandrini, responsável pela curadoria da coleção Geração PR10, juntamente com Fernando Koproski. 

Em 14 Corpos de João e Maria, João Paulo Partala se debruça sobre a morte e a invisibilidade social, esmiuçando as contradições das condições da sociedade e a banalidade da vida. São textos que, por meio de um olhar arguto e de uma narrativa cheia de agudezas, traça uma linha limite entre o sujeito e o mundo, perpetuando a tradição de Camus no tratamento ao outro, mas também revelando eco da crônica diária. Partala cria um universo em que o trágico e o humor negro precisam coabitar. 

A Batida dos dias, de Carol Sakura, busca no onírico a possibilidade de refletir sobre o concreto. Seus personagens estão em becos sem saída, envoltos em alguma névoa de instabilidade e insegurança. Os relatos dão conta da opressão, velada – ou revelada – em relação sobretudo às mulheres. Com uma prosa pausada e reverencial, a escritora faz uma literatura centrípeta: olha para si para poder compreender o que está além dos seus próprios domínios. 

Deslocamentos 
Meio paranaense, meio finlandês, Sérgio Lutav é um maringaense que vive há alguns anos em Helsinque e seu livro Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos reflete a ideia do não-lugar: o ser para não estar. Sua narrativa é um tratado sobre o deslocamento e o sentir-se deslocado, sobre o não pertencer. Lutav faz uma simbiose entre os olhares fantásticos de Kafka e de Cortázar, uma amálgama que, à primeira vista, pode soar desconexo, mas que, em realidade – e lá se vão os conceitos de real! –, tem muito a dizer sobre o autor e também sobre o leitor. Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos é uma metáfora poderosa sobre o estrangeiro – aquele que, como diziam os Titãs, não é de lugar nenhum. 

Nas narrativas de Contos do Microcosmo, Guylherme Custódio usa a concisão para falar de temas que nos afligem constantemente. Seus contos são como elefantes na sala: tratam da complexidade das relações e das contradições do comportamento humano. Através desse espelho partido, Custódio relata o inesperado, o absurdo do real e o isolamento. São relações e vidas frustradas como uma condição inerente aos homens e mulheres, como se a perda da inocência fosse uma prerrogativa à vida adulta. 

Em Histórias mínimas, Jonatan Silva eleva o absurdo às últimas consequências. São personagens e situações dilacerados pela guerra e pela violência do cotidiano. Como uma metáfora sobre o caos, o livro dilata a inconstância e a vulgarização da vida – em uma espécie de olhar microscópico sobre o mundo. Histórias mínimas esboça a ideia de fronteiras sem limites e diálogos silenciosos, como se a comunicação entre os diferentes se tornasse, mais e mais, uma impossibilidade diante do abismo. 

Zumbido, de André Knewitz, é – como o próprio título sugere – uma alegoria sobre a vida nas cidades e seu ambiente castrador. Como ponto de contato entre os textos que formam o livro, personagens silenciados diante dos zumbidos provocados por aqueles que têm voz. Nessas relações de poder, Knewitz mistura as singelezas do tentar se encontrar e a dor de se saber importante. São gentes como o camponês no conto “Diante da lei”, de Kafka, que, apesar de consciente da impossibilidade, guarda dentro de si a esperança de um dia entrar nos espaços sagrados. 

Diálogos 
Para além das questões formais, os seis livros da Geração PR10 tratam do sujeito diante das impossibilidades e da necessidade de buscar uma alternativa para contrapor um cenário de tempo fechado, onde todos estão dançando em campo minado. São imagens corrosivas, e também corroídas, que pela sua estranheza e realidade convidam o leitor à reflexão e ao olhar mais profundo sobre os caminhos que o mundo está tomando. “São visões de mundo que trazem questionamentos, mas não respostas”, comenta Sandrini. 

Por outro lado, a Geração PR10 é também uma discussão sobre o espaço urbano e suas diferentes configurações. Algumas obras falam de uma Curitiba que não é cantada na literatura. “A gente vê muitas vezes os escritores querendo fazer de Curitiba o seu espaço, mas qual é a cidade nesses textos? Não é necessariamente uma Curitiba periférica, miscigenada, de uma população negra muitas vezes subalterna e oprimida”, comenta Sandrini, que cita 14 Corpos de João e Maria como um exemplo dessa vastidão de viagens por essa outra Curitiba, a do sujeito que vive as mazelas da periferia. 

Com a coleção Geração PR10, a Kafka Edições faz um mergulho denso no conto paranaense em suas novas formas e temáticas, mas sem perder de vista o diálogo com o que é produzido na literatura brasileira e internacional. As seis obras condensam um espírito combativo, experimental e altamente criativo das novas vozes da literatura do Paraná. 

Serviço 
Lançamento da Coleção PR10 – Kafka Edições
Quando: 9 de outubro
Horário: a partir das 19h
Endereço: Hangar – Casa Do Ócio – Alameda Dr. Muricy, 1091 – São Francisco, Curitiba – PR
Entrada: gratuita – os livros serão vendidos a R$20 por exemplar (a coleção completa por R$ 80)
Página do evento, aqui

“ERA O VENTO”, NOVO LIVRO DE CONTOS DE CARLOS MACHADO EXPLORA COM DELICADEZA A COMPLEXIDADE DOS NOSSOS TEMPOS

Os doze relatos que formam o volume tratam de questões como a imigração, as políticas sul-americanas e a incomunicabilidade diante do discurso non-sense.

A literatura do escritor e músico curitibano Carlos Machado é testemunha da mudança dos tempos e das pessoas. Seus personagens flutuam pelos espaços das cidades, desenhando pelas muitas ruas e esquinas uma trajetória a esmo, enquanto estão conscientes de que são sujeitos ausentes ou perdidos. Era o vento (140 páginas, Editora Patuá), que será lançado no dia 25 de maio, às 14h30, no Café Tiramisù, reúne contos escritos durante o trânsito do autor entre o Brasil e a Suíça, refletindo os caminhos que unem e apartam os seres humanos.

Para além do olhar sobre Curitiba, que é a figura central em muitos dos seus trabalhos anteriores, Machado constrói histórias que sustentam sobre temas como a inquietude frente ao outro, a (i)migração, a mobilidade e a imobilidade, as ditaduras, as guerras e o desejo de controle. “São temas que parecem distantes, mas que na verdade estão muito presentes”, explica o escritor, “e, por mais que eu achasse que tinha mudado o fio fundamental da minha obra – o desejo da solidão e o medo de ser solitário –, ele volta e se torna central outra vez, porém, transformado na busca por alguma coisa que nem sempre se sabe o que é”.

As narrativas se desenrolam em suas multiplicidades e variações, puxadas pelo anseio do autor em de viajar com o leitor para cada canto descrito nos contos. O olhar de Carlos Machado não se prende ao óbvio, ressignifica o cotidiano ao ler o mundo e interpretá-lo de uma maneira singela e muito pessoal.

Sangue latino
Em Era o vento, Machado volta a explorar aquele que foi o ponto de fuga em Balada de uma retina sul-americana (2004): a relação do brasileiro com a sua própria latinidade. Com sutileza e densidade, o conto “Latinoamérica” traça um olhar certeiro sobre a impossibilidade e resistência da construção de uma identidade em um continente como a América do Sul.

“Em nome do pai, amém” é um relato sensível, e às raias do expressionismo, que se desenvolve por meio das vidas de duas pessoas separadas pela guerra. Nos lugares ocupados pelas cidades existe somente um deserto e o vazio deixado pelo silêncio. “É o contraponto da minha multidão”, comenta Carlos sobre uma das suas obsessões literárias: a invisibilidade urbana.

“A Mesma moeda” é comovente ao tratar da imigração através das tradições familiares, tema que percorre também “Janela” e “A Visita”. Já “Renúncia”, conto escolhido para compor a antologia Off Flip 2019, narra, ao som da fadista Amália Rodrigues, a separação de um casal durante uma viagem à terra de Cabral. “Malheureusement, mon cher” é como filme da nouvelle vague: ruas, casais que se encontram e desencontram nos labirintos e cruzamentos, que usam as palavras como facas ou papel picado jogado ao vento. São pessoas que vão e vêm, passando à vista do narrador sentado na janela de um café. É como se a garota de Ipanema passeasse em um doce balanço no Calçadão da Rua XV.

Conflito
Os doze textos de Era o vento são uma anatomia do conflito e da inércia que, não por acaso, dá nome ao conto que abre o livro. À medida em que as diferenças se assomam, os abismos se aprofundam e se tornam intransponíveis. Para compor esse cenário, Carlos Machado brinca com os idiomas. O português, o francês e o alemão se misturam para (de)mo(n)strar as barreiras e rupturas possíveis. “As linguagens carregam todas características culturais e sociais de um povo. Quando muda o idioma, você não está alterando só as palavras, mas todo o conceito. Se um personagem fala em alemão, ele rompe o que se esperava. E aí vem outra questão: o que significa ser alemão?”

O conto “Criar raízes” é, com inteligência, uma antítese de seu próprio título. Novamente, um casal que procura na cidade as razões para que as relações – entre si e com o mundo – continuem existindo tal qual o dilema do alpinista, proposto por de Reinhold Messner: a ironia entre a inutilidade e a necessidade de escalar uma montanha.

E a montanha pode ser a metáfora para tudo. Elias, protagonista do conto que dá título ao volume, vive ensimesmado entre a vida de solteiro, suas inúmeras possibilidades, e o fardo, cada diz mais pesado, de precisar ter uma esposa e filhos. O mesmo mal acomete o personagem de “Apenas uma perspectiva”, um homem que almoça sozinho aos domingos, vítima da pena de quem senta nas mesas próximas. Na contramão das expectativas, aquele sujeito, à primeira vista solitário, é o único que pode, sem concessão alguma, chegar, sentar onde bem entender e sair na hora que quiser.

Com Era o vento, Carlos Machado se consolida como um dos grandes narradores contemporâneos, capaz de examinar sem hipocrisia a fragilidade das relações humanas e extrapolar os limites geográficos da sua literatura.

Sobre o autor
Carlos Machado nasceu em Curitiba, em 1977. É escritor, músico e professor de literatura e línguas estrangeiras. Publicou os livros A Voz do outro (contos 2004, 7Letras), Nós da província: diálogo com o carbono (contos 2005, 7Letras), Balada de uma retina sul-americana (novela 2006, 7Letras), Poeira fria (novela 2012, Arte & Letra), Passeios (contos 2016, 7Letras) e Esquina da minha rua (novela 2018, 7Letras).

Tem contos e outros textos publicados em diversas revistas e jornais literários (Revista Oroboro, Revista Ficções, Revista Ideias, Revista Philos, Revista Arte e Letra, Jornal Rascunho, Jornal Cândido, Jornal RevelO etc.), participação nas antologias “48 Contos Paranaenses” (2014), organizada por Luiz Ruffato e “Curitiba Literária” (2019) com a curadoria de Rogério Pereira. Foi finalista do prêmio Off Flip de literatura (contos) 2019.

Na música, lançou os CDs Tendéu (2008), Samba portátil (2010), Longe (2012), o DVD ao vivo (Teatro Guairinha) Longe e outras canções (2012), o trabalho em espanhol Los Amores de paso (2013), Bárbara (2015) e DESencontro (2017), seu trabalho mais recente.

Para saber mais, acesse: www.carlosmachadooficial.com

Serviço:
Era o vento (140 páginas, Contos)
Carlos Machado
Editora Patuá
R$ 40

Lançamento | Era o vento
Quando: 25 de maio, sábado | 14h30
Local: Café Tiramisù – anexo ao Museu Guido Viaro
Endereço: Rua XV de Novembro, 1330 – Centro, Curitiba – PR
Telefone: 41-99994-4580

EDITAIS – ART SESSION – 2ª EDIÇÃO

Art Session é um evento que tem como missão fomentar a arte independente e trazer um novo olhar para as produções contemporâneas. Este ano o evento trará a literatura e o cinema como protagonistas de um caloroso bate-papo com cineastas, produtores, roteiristas e autores sobre a influência dos livros no mundo do cinema.

Se você é um produtor de audiovisual ou escritor independente, essa é a sua hora! O Art Session abrirá as portas para receber suas ideias e ainda apresentá-las a grandes nomes do audiovisual e literatura. As inscrições de trabalhos de curta-metragem e contos/crônica estão abertas. Ahh vai rolar premiação no evento para o 1° lugar de cada categoria.

As inscrições são gratuitas!

Participe! Acesse este link e confira o regulamento.

fonte

PRÊMIO SESC DE LITERATURA 2018

“Revelar novos talentos e promover a literatura nacional são propósitos do Prêmio Sesc de Literatura. Lançado pelo Sesc em 2003, o concurso identifica escritores inéditos, cujas obras possuam qualidade literária para edição e circulação nacional. Além de incluir os autores em programações literárias do Sesc, o Prêmio também abre uma porta do mercado editorial aos estreantes: os livros vencedores são publicados pela editora Record e distribuídos para toda a rede de bibliotecas e salas de leitura do Sesc em todo o país. Mais do que oferecer uma oportunidade a novos escritores, o Prêmio Sesc de Literatura cumpre um importante papel na área cultural, proporcionando uma renovação no panorama literário brasileiro.

Edital resumido:

“Em cada inscrição o candidato deverá enviar um livro inédito, ou seja, que nunca tenha sido publicado. Entende-se por publicação o processo de edição de uma obra literária e sua distribuição em livrarias ou pela internet, ainda que o livro não possua número de registro no ISBN. Obras lançadas em plataformas digitais não poderão ser inscritas.

O candidato não poderá ter nenhum livro publicado na categoria em que se inscrever. Cada concorrente poderá participar com apenas uma obra em cada categoria. Caso participe em ambas categorias, as inscrições deverão ser realizadas separadamente.

A obra enviada na categoria CONTO deverá ter entre 120 mil e 400 mil caracteres com espaços. A obra enviada na categoria ROMANCE deverá ter de 180 mil a 600 mil caracteres com espaços. Entende-se por ROMANCE uma narrativa ficcional longa. E por LIVRO DE CONTOS um conjunto de narrativas ficcionais curtas. Não serão aceitas inscrições com apenas um conto. Inscrições fora desses parâmetros serão invalidadas.

Premiação: O vencedor de cada categoria terá sua obra publicada e distribuída comercialmente pela editora Record, com uma tiragem inicial mínima de 2.000 exemplares. Cada vencedor assinará contrato de publicação com a editora, que ficará responsável pelos termos de edição.

As inscrições poderão ser feitas a partir das 10h do dia 08 de janeiro até às 18h do dia 16 de fevereiro de 2018, no horário de Brasília. Não serão consideradas inscrições anterior e após esse período.

Confira todas as informações no edital do Prêmio Sesc de Literatura 2018, neste link

Faça a sua inscrição aqui.

fonte