SUFOCO


“Os dias em que vivemos sob a influência de seres desconhecidos”

“Sufoco” – vídeo do cineasta Pedro Merege. 

Pedro tem filmes maravilhosos como o longa-metragem Mistéryos (2008) (inspirado no universo das obras do escritor Valêncio Xavier) e o curta-metragem O Mistério da Japonesa (2005), baseado no livro “O Mistério da Prostituta Japonesa” do Valêncio Xavier. Ambos dirigidos por Pedro Merege e Beto Carminatti,  rodados em 35 mm, e com cenas em Curitiba – reparem na Rua São Francisco, no Passeio público. É bem legal reconhecer a cidade nos filmes. 

Pedro Merege é instrutor nas oficinas de realização de filmes em Super 8 Tomada Única do Curta8 | Festival Internacional de Cinema Super8, confira sua filmografia, aqui.

Se inscreva no canal do Merege, aqui

O MISTÉRIO DA JAPONESA – FILME DE BETO CARMINATTI E PEDRO MEREGE

“Uma cidade Grande. Um homem solitário. Um encontro com uma prostituta japonesa num hotelzinho barato de “rendez-vous”. o que teria acontecido naquele encontro que marcaria para sempre a vida daquele homem?”

O Mistério da Japonesa (2005), dirigido por Beto Carminatti e Pedro Merege, foi rodado (em 35 mm) em Curitiba – reparem nas cenas na Rua São Francisco. Baseado no livro “O Mistério da Prostituta Japonesa”, de Valêncio Xavier. Um lindo filme! Confira!!!

MISTÉRYOS – FILME DE BETO CARMINATTI E PEDRO MEREGE


O filme Mistéryos (2008) de Beto Carminatti e Pedro Merege foi inspirado em obras do escritor Valêncio Xavier. Mistéryos foi filmado entre dezembro de 2006 e janeiro de 2007 em Curitiba e região metropolitana. Dentre seus prêmios conquistou o de melhor direção no 3º Festival do Paraná de Cinema Brasileiro Latino. Esse filme tem um clima bem interessante! Vale a pena conferir!

Sinopse: Série de histórias misteriosas, como bem define o título, entrecortadas pela narrativa do personagem VX (Carlos Vereza), um homem evidentemente perturbado pelas coisas inexplicáveis do mundo. A primeira história é sobre um casal, Jucélia Ramos (Sthefany Brito) e Astolfo Dagoda (Leonardo Miggiorin), que, durante um passeio no Trem Fantasma de um parque de diversões, passa por uma situação bem peculiar: ela some misteriosamente, sem deixar rastros. Num outro segmento, VX encontra quatro das oito latas de filme de uma produção erótica, feita em 1922. Ele divaga sobre os motivos de seu realizador, o pintor Crispin Carmoro (Beto Carminatti), ter feito aquele filme. Mesmo conseguindo ver somente pequenos trechos da produção, sobre o amor entre belas mulheres, uma delas, a musa que acompanha o personagem em todos os segmentos, vivida por Sthefany, VX fica obcecado pelo filme. Num último segmento, o personagem encontra um mágico misterioso. Entre todos os segmentos, principalmente na conclusão do longa, o protagonista caminha à noite pelas soturnas ruas de Curitiba, encontrando as mais estranhas manifestações naturais e sobrenaturais.