BATUCADA – ESPECIAL CARTOLA E NELSON CAVAQUINHO

No próximo sábado (09) acontece o evento Batucada – Especial Cartola e Nelson Cavaquinho, com o grupo Braseiro. A apresentação iniciará às 20h, na Caiçara Bar, em Curitiba, no valor de $15. 

O grupo Braseiro surgiu em 2013 com uma formação hoje distinta. A proposta atual é defender as composições de sambistas da cena local que estabelecem, em sua melodias e letras, um diálogo direto com os mestres sambistas fundadores das escolas do Colorado, Estácio, Império Serrano, da Portela, Mangueira Estácio e outras. Formado pelos músicos Jonas Lopes (bandolim e cavaquinho), Otto Lenon (pandeiro), Luiz Ivanqui (violão 7 cordas), Ricardo Salmazo (percussão e voz) e Otávio Augusto (clarinete e clarone), o grupo ressalta e defende o samba da velha guarda brasileira, além de dialogar com melodias do samba contemporâneo. Propõe arranjos que relacionam os gêneros de samba e choro, com outras vertentes deste gênero. O Braseiro está disponível para participar de projetos culturais envolvendo leis de incentivo, além de apresentações em bares, casas de shows e eventos.

Confira um pouco do som do Grupo Braseiro:


Serviço:
BATUCADA – ESPECIAL CARTOLA E NELSON CAVAQUINHO
Data: Sábado, dia 9 de junho, das às 20h a meia noite
Local: A Caiçara, Rua Dr. Claudino dos Santos, 90, Largo da Ordem, São Francisco-PR.
Entrada: 15 reais.
Confira a página do evento, aqui.

CABARET DE RUA NA PRAÇA RUI BARBOSA

Cabaret Macchina foto de Larissa Brum

Após circular por diversos espaços públicos da cidade, artistas da Casa Selvática retornam com a pós-ópera anti-edipiana Cabaret Macchina na Praça Rui Barbosa

A partir desta quinta feira, dia 7 de junho, é possível assistir o espetáculo Cabaret Macchina do coletivo curitibano Casa Selvática na Praça Rui Barbosa. A peça retorna às dependências da Rua da Cidadania Matriz, de quinta à sábado às 20h e no domingo às 17h com entrada gratuita.

Com direção de Ricardo Nolasco e dramaturgia de Francisco Mallmann e Leonarda Glück, a partir da obra do dramaturgo alemão Heiner Müller, o espetáculo é uma pós-ópera em formato de cabaré de rua.

Os artistas vão às ruas de Curitiba em busca dos restos de um herói. O coletivo exercita assim uma nova possibilidade para o mundo, um espetáculo máquina desejante. No humor corrosivo de um famigerado cabaré, o dia-a-dia de vedetes encenando clássicos ocidentais em uma pós-ópera anti-edipiana. Dentro da cidade, personagens canônicas dos escombros de um teatro de guerra se encontrarão com os fantasmas de uma contemporaneidade que atira a tudo e a todos no grande vácuo do desuso.

Após circular por diferentes espaços públicos da cidade, o Museu Municipal de Arte (MUMA), o Pátio da Reitoria da Universidade Federal do Paraná, o estacionamento da sede administrativa da Rua da Cidadania da Cidade Industrial e nas dependências do Centro Cultural Boqueirão, os artistas da Casa Selvática retornam com a pós-ópera anti-edipiana Cabaret Macchina para a Praça Rui Barbosa, espaço onde o espetáculo estreou integrando a Mostra Oficial do Festival de Teatro com participação especial de Karina Buhr.

Cabaret Macchina foto de Mariama Lopes

SERVIÇO:
CABARET MACCHINA – Uma pós-ópera anti-edipiana da Casa Selvática
Praça Rui Barbosa, centro de Curitiba
7,8,9 e 10 de junho (quinta, sexta e sábado às 20h e no domingo às 17h)
Entrada Gratuita
Confira a página do evento, aqui

Cabaret Macchina foto de Humberto Araujo

CAIXA CULTURAL CURITIBA APRESENTA O ESPETÁCULO PEDRO E O LOBO COM O GRUPO GIRAMUNDO

Pedro e o Lobo – Giramundo – Brumadinho – Foto: Hugo Honorato

A montagem mais apresentada na história do Giramundo, um dos maiores grupos de teatro de bonecos do país, foi criada para mostrar às crianças como funciona a estrutura de uma orquestra, de acordo com a versão original do russo Sergei Prokofiev

A CAIXA Cultural traz a Curitiba a versão para bonecos do espetáculo infantil “Pedro e o Lobo”. A montagem reforça, com imagens, a ideia central da versão musical original criada por pelo russo Sergei Prokofiev, em 1936: compartilhar com as crianças a estrutura elementar de uma orquestra, seus principais timbres e grupos de instrumentos. A história infantil conta, por meio da música, a aventura de Pedro, um menino que vive com o avô e se envolve em situações difíceis com um lobo, o passarinho Sascha, o gato Ivan, a pata Sônia e um grupo de caçadores.

Para esse espetáculo, o Grupo Giramundo optou pela marionete a fio e sua ampla gama de movimentos e possibilidades de expressão. Os cenários foram substituídos por desenhos em um quadro negro, as vozes dos personagens surgem ao vivo e o plano do palco é o do chão, mesmo nível dos pequenos espectadores. Pedro e o Lobo é o espetáculo mais apresentado na história do Giramundo, fundado em 1970.

Palestra: Processo de Montagem Teatral
No dia 9 de junho, após a segunda sessão da peça Pedro e o Lobo”, os diretores do Grupo Giramundo, Beatriz Apocalypse e Ulisses Tavares, farão uma palestra na qual vão abordar o processo de montagem de um espetáculo de acordo com a metodologia do grupo. Temas como adaptação, trilha sonora, construção de personagens, desenho, projetos, técnica de manipulação e ensaios serão explicados de modo claro e divertido, utilizando como exemplos os 36 espetáculos montados pelo Giramundo desde a sua fundação até os dias atuais. Dirigida a marionetistas, estudantes de artes, estudantes de teatro e interessados no teatro de bonecos, a palestra será realizada no Teatro da CAIXA, das 18h30 às 20h. As inscrições serão feitas na hora, mediante ordem de chegada, e limitadas à capacidade do teatro que possui 123 lugares.

Mostra Mundo Giramundo
Aberta ao público desde o dia 19 de maio, a “Mostra Mundo Giramundo”, em cartaz na CAIXA Cultural Curitiba, traz uma coleção de peças de conteúdo lúdico e educativo que busca revelar o modo de trabalho e o processo criativo do Giramundo, nacionalmente conhecido por atuar com o universo do teatro de bonecos. O acervo não se limita à exibição convencional de uma coleção de bonecos, o que normalmente enfatiza apenas dimensões estéticas, representadas pela forma escultórica, pela pintura, figurino e acabamento. Muito mais do que isso, a mostra revela as dimensões construtivas, mecânicas e cinéticas das marionetes, que priorizam o movimento e seus mecanismos.

Outro fator distintivo da mostra está na exibição organizada do processo de planejamento e construção de marionetes, suas etapas, ferramentas e abordagens, ou, em outras palavras, aquilo que pode ser qualificado como “acervo imaterial” do Giramundo, representado por seu know-how ligado ao design de bonecos. Nesse campo, destaca-se a rara exibição da coleção de desenhos, estudos e projetos para teatro de marionetes de Álvaro Apocalypse, criador do Giramundo e um dos grandes mestres mundiais desta expressão artística.

A dimensão histórica é representada na mostra por meio de cenas selecionadas dos principais espetáculos do grupo, de 1970 a 2014, com o intuito de compor uma trajetória visual das transformações pelas quais passaram as pesquisas da companhia. O principal objetivo da “Mostra Mundo Giramundo” é a formação de plateia e a criação de um espaço de reflexão crítica sobre a o teatro de bonecos através de atividades multidisciplinares. A mostra permanece aberta ao público até o dia 12 de agosto. A visitação às galerias da CAIXA Cultural Curitiba acontece de terça a sábado, das 10h às 20h; e também aos domingos, das 10h às 19h. A entrada é gratuita e a classificação etária é livre para todos os públicos.

Serviço:
Teatro: “Pedro e o Lobo” com o Grupo Giramundo
Local: CAIXA Cultural Curitiba. Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro, Curitiba (PR).
Data: 09 e 10 de junho de 2018 (sábado e domingo).
Horário: sábado, às 15h e às 17h; e domingo, às 15h.
Ingressos: vendas a partir de 02 de junho (sábado). R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.
Bilheteria: (41) 2118-5111 (De terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 14h às 19h.)
Classificação etária: Livre
Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

Palestra: Processo de Montagem Teatral
Data: 09 de junho de 2018.
Horário: sábado, das 18h30 às 20h.
Local: Teatro da CAIXA
Inscrições: mediante ordem de chegada, limitada à capacidade do espaço.
Classificação: Dirigido a marionetistas, estudantes de artes, estudantes de teatro e interessados no teatro de bonecos.
Vagas: 123

Informações e entrevistas:
Maria Celeste Corrêa – (41) 9 9995 0169 / 9 8786 4465
fernandezcorreamc@gmail.com

Assessoria de Imprensa da CAIXA Cultural Curitiba (PR)
(41) 3544-5641
www.caixa.gov.br/imprensa | @imprensaCAIXA
www.caixa.gov.br/cultura

O REI LOUCO

Ator Cômico Produções apresenta adaptação de uma das principais obras-primas de Shakespeare, Rei Lear, em Curitiba. Entrada gratuita!

Após circular pelo interior do Paraná o espetáculo “O Rei Louco – Uma Pequena Versão de Rei Lear, de William Shakespeare” chega a Curitiba. A peça passou por Irati, Telêmaco Borba, São Mateus do Sul, Quedas do Iguaçu e Pato Branco e fez parte do Projeto Shakespeare no Paraná, que, além de apresentações, ofereceu ainda debates e workshops. A iniciativa é do ator e diretor Mauro Zanatta, da Ator Cômico Produções Artísticas.

Em Curitiba as apresentações serão dias 26 e 27 de abril / 02 e 03 de junho (sábados e domingos), sempre às 20h. Local: Espaço Excêntrico. Entrada gratuita.

O projeto viabiliza uma parceria inédita entre Zanatta e o ator Ney Piacentini da Companhia do Latão de São Paulo, que foi convidado para dirigir o espetáculo. “O Mauro é um amigo de longa data, nos conhecemos há 35 anos, mas é a primeira vez que trabalhamos juntos, dirigi-lo tem sido um grande desafio e uma grande oportunidade”, conta o diretor. “Trabalhar com o Ney tem sido uma grande alegria”, retribui Zanatta. “Interpretar um personagem de Shakespeare é o sonho de todo ator, bem como levar uma obra dele ao palco. Com este projeto estamos permitindo o acesso à obra deste gênio. E quando nos aproximamos dele nos damos conta do quão universal ele é. Rei Lear dialoga muito com a atualidade”, opina.

 Zanatta divide o palco com o ator Pedro Melo e eles se revezam e transitam em três registros de atuação: ora são contadores de história, ora personagens, ora arautos. “A narrativa da peça não é linear, é constantemente interrompida com inserções explicativas que contextualizam o tema. A ideia é aproximar o público, torná-lo nosso cúmplice”, explica Piacentini.  

“Shakespeare é caracterizado pela liberdade e inventividade e nesta montagem  trabalhamos com o essencial e isto exige muita técnica do ator. É fundamental, neste caso, conseguir despertar o imaginário do público. Ou seja, o público tem que ver o que estamos imaginando ” relata Pedro.

Rei Lear foi escrita por volta de 1605 por um dos maiores gênios do teatro em seu período de apogeu. Trata-se de uma tragédia complexa e grandiosa que a partir de um drama familiar repercute questões sociais, políticas e metafísicas. Inspirada por antigas lendas britânicas, a obra conta a história de um rei que enlouquece após ser traído por duas de suas três filhas, às quais havia legado seu reino de maneira insensata.

A peça mostra a decadência de um rei em sua velhice que sofre as consequências de suas escolhas equivocadas por ser precipitado, arbitrário e vaidoso. Lear é um pai preso às aparências, incapaz de enxergar a adulação que o cerca. De acordo com a especialista em Shakespeare, Barbara Heliodora: “Lear torna-se responsável pela tragédia, na medida em que, abdicando, deixa como rei, de represar e manter sob controle o mal que aflora, explode e se expande. Esta peça investiga a natureza do mal em profundidade e expõe o conceito de uma ordem universal na qual o homem se integra e é responsável por suas ações.”  

A trajetória de Lear é o aprendizado pelo sofrimento e humilhação. O enredo aponta como o verdadeiro amadurecimento o indivíduo que deixa de ser primeiramente autocentrado e pensa também no outro. “As obras de Shakespeare espelham as nossas relações sociais e discutem questões profundas da existência humana. Uma das camadas deste texto nos remete à busca pelo sentido da vida”, pontua o diretor.

“Apesar de estarmos vivendo tempos difíceis, obscuros no cenário nacional e mundial, meu objetivo com este trabalho é trazer uma mensagem de esperança, de que ainda é possível viver com mais equilíbrio a partir da humildade e do amor, resgatando nossa humanidade, sem clichês”, complementa Zanatta.

Este projeto foi viabilizado com incentivo da Copel, Puma Brasil e a Alvorada Autopeças por meio do PROFICE (Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura), da Secretaria Estadual de Cultura do Paraná.

A ATOR CÔMICO PRODUÇÕES ARTÍSTICAS
Fundada em 1994 tem papel importante na formação de atores em Curitiba. Além de criar e gerir projetos e eventos culturais, atualmente produz o Curso de Comédia Mauro Zanatta, o Espaço Excêntrico e a Sexta Cínica.
Visite: www.espacoexcentrico.com.br

FICHA TÉCNICA:
Realização: Ator Cômico Produções Artísticas
Elenco: Mauro Zanatta e Pedro Melo
Direção: Ney Piacentini 
Cenários e Figurinos: Cristine Conde
Diretora de Produção: Fabiana Ferreira
Produtor Executivo: Robinson Wilson
Produção Local: Paola Flessak
Trilha Sonora: Célio Savi
Fotografias: Elenize Dezgeniski e Robinson Wilson
Arte Gráfica: Ivana Lima
Operador de Som: Robinson Wilson
Assessoria de Imprensa: Glaucia Domingos

Serviço:
O que: O Rei Louco
Quando: 26 e 27/05 – 02 e 03/06 (sábados e domingos)
Que horas: 20h
Onde: Espaço Excêntrico (Mauro Zanatta), Endereço: Rua Lamenha Lins, 1429, Rebouças, Curitiba.
Telefone: (41) 4127 4702
Quanto: Gratuito
Classificação: 14 anos
Duração: 50 minutos
Realização: Ator Cômico Produções Artísticas

CONTATOS:
Produção:
Fabiana Ferreira: (41) 99243 0322 / tecerteatro@gmail.com
Assessoria de Imprensa
Glaucia Domingos (41) 99909 7837 / glauciadomingos@hotmail.com

CLÁSSICOS DO CHORO NO CLARONE

Músico Sérgio Albach lança CD inédito na discografia brasileira, CLARONE NO CHORO.

Primeiro Show de lançamento do CD CLARONE NO CHORO, do músico Sérgio Albach, dia 03/06, domingo, 11h30, no Conservatório de MPB, em Curitiba/PR. Entrada Gratuita.

Pense em uma roda de choro. Quais são os instrumentos normalmente presentes? Violão de 7 cordas, violão, cavaquinho e pandeiro usualmente fazem o acompanhamento, já a flauta, o bandolim e o clarinete brilham como solistas. O trompete, o trombone e o sax aparecem de vez em quando nesses encontros regados de versatilidade e riqueza onde o grande feito é improvisar. Mas quem ousaria solar com Clarone, ou também como é conhecido, Clarinete Baixo? Tal façanha só poderia ser executada por um virtuose: Sérgio Albach. E ousadia é pouco, para isso é necessário mesmo ter muita habilidade adquirida com muito estudo. Este grande instrumentista, maestro e diretor musical está lançando um projeto inédito na discografia brasileira, um CD com clássicos do choro executados no Clarone, ou seja, o primeiro CD da história da música brasileira de chorinho tendo o Clarone como instrumento solista. Aliás, tal qual não há referência no mundo.

E ao ouvir esta maravilha, que carrega um timbre lindo, único e cheio de harmônicos, pensamos: como ninguém fez isso antes? Porque realmente  não é para qualquer um, além de prodigioso, tal feito demanda muita dedicação, conhecimento e técnica. Apesar de pertencer à família dos clarinetes, o clarone não é muito conhecido, é pouco presente na música popular e não é fácil de ser praticado, mas sua evolução técnica como instrumento, na opinião de Albach, permitiu esse grande salto.

O CD Clarone no Choro nos brinda com 12 faixas do que há de melhor no estilo, quase todas compostas por clarinetistas, clássicos muito bem escolhidos.

 Heitor Villa-Lobos, Ernesto Nazareth, Joaquim Callado, Jacob do Bandolim, Abel Ferreira são alguns dos que estão no repertório. Além de dois compositores radicados em Curitiba: Waltel Branco e Cláudio Menandro. Esse disco lindo traz ainda dois duetos: um com Nailor Proveta (clarinete) e outro com Nelson Ayres (piano), convidados mais do que especiais.  E como se fosse pouco, Sérgio Albach toca em trio com dois clarinetes a música Gargalhada, um dos choros mais difíceis e bonitos de Pixinguinha. O detalhe é que ele toca sozinho os três instrumentos. Literalmente de tirar o fôlego! Não tem como imaginar isso, só ouvindo ou vendo o show. É surpreendente!

E a grande oportunidade será no dia 03 de junho, domingo, às 11h30, no Conservatório de MPB em Curitiba/PR, no primeiro show de lançamento. A entrada será gratuita. Já o álbum digital será lançado em breve em todas as plataformas virtuais.

“Ouvir o CD de música brasileira do Sérgio Albach é uma alegria do início ao fim. Tudo soa fresco e cheio de vida. Adoro o som cheio e grave que ele consegue extrair do clarone. Recomendadíssimo!”, garante Sir Henri Bok, claronista holandês renomado internacionalmente, além de pesquisador, professor e compositor.

Tal vivacidade, com certeza, se deve ao fato de que o disco foi gravado à moda antiga, todos os músicos juntos, na mesma sala. Isto exigiu dois meses direto de ensaio. Foram cinco dias de imersão total em uma chácara, em Campina Grande, região metropolitana de Curitiba. “A qualidade musical e artística que se ganha em processos desse tipo é excepcional, tudo é mais divertido, mais rápido e a música se torna ainda mais viva porque os músicos ficam mais seguros e desenvolvem muita cumplicidade”, conta Albach. “Estou muito satisfeito com o resultado”, comemora.

Clarone no Choro reúne parceiros de primeira: Daniel Migliavacca, que tem foco no choro, compôs todos os arranjos, toca bandolim e também assina a direção musical do trabalho. A ficha técnica traz também Gustavo Moro (violão), Lucas Melo (violão 7 cordas) e Ricardo Salmazo (pandeiro e reco-reco).

“Sérgio Albach é uma cornucópia de onde emana música de muita qualidade, sempre com criatividade, técnica, beleza, bom gosto e emoção. Flores, muitas flores”, elogia o Produtor Musical e Radialista, João Carino.

SÉRGIO ALBACH
Sem exageros, ele é genial! Clarinetista, arranjador, compositor, maestro e curador, Sérgio Albach é um versátil e requisitado instrumentista nascido em Curitiba com inúmeras participações em gravação de CDs, concertos, espetáculos musicais e teatrais. Desde 2002 é o Diretor Artístico da Orquestra à Base de Sopro de Curitiba. Como pesquisador do choro, criou os projetos “Choro no Sebo”, “No TUC tem Choro” e em 2001 a “Roda de Choro do Conservatório de MPB” que existe até hoje.

Como clarinetista, lançou seu primeiro CD solo em 2010, o “Clarineteando”, e já soma mais de 50 participações em CDs. Faz parte do “Mano a Mano Trio” ao lado de Glauco Sölter e Vina Lacerda, grupo que já excursionou pelo Brasil, América Latina e Europa.

Foi curador da Oficina de Música Popular Brasileira de Curitiba durante 14 anos (2002 -2015). Dirigiu importantes produções musicais como “Uma Rosa Para Elizeth” e “Noël”, com lançamento de CD em 2009. Também compôs trilhas sonoras para peças teatrais e espetáculos de dança e vídeo.

Estudioso do clarone (clarinete baixo) desenvolve repertório de músicas solo escrita para esse instrumento. Neste formato já fez concertos em Maceió, São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba e Maringá; no Festival de Clarinetes em Neuquen, na Patagônia e também em Berlim, na Alemanha e Treviso, na Itália. Conta com parcerias no palco com músicos do calibre de Amilton Godoy, Léa Freire, Altamiro Carrilho, Arrigo Barnabé, Egberto Gismonti, João Bosco, entre outros.

Ouça neste link

Sérgio Albach
www.facebook.com/sergioalbach.mus

Este projeto  foi incentivado pelo Positivo por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura.

SERVIÇO:
Show de lançamento CD CLARONE NO CHORO, do músico Sérgio Albach.
Quando: 03/06 (domingo).
Que horas: 11h30
Onde: Conservatório de MPB (Rua Mateus Leme, 66) – São Francisco / Curitiba-PR.
Quanto: Entrada Gratuita.
Classificação: Livre
Informações: 41 3321 3315

Contatos:
Assessoria de Imprensa: Glaucia Domingos (41) 41 99909 7837
glauciadomingos@hotmail.com

Produção Executiva: Juliana Cortes (41) 99511 1873 / jucortesproducao@gmail.com

CONJUNTO CHORO E SERESTA RECEBE OS MÚSICOS OTTO LENON E FRANCYENE ROSSETT NO PRÓXIMO DOMINGO

A apresentação de MPB integra a programação do Circuito Cultural Ademilar e acontece na Feira do Largo da Ordem, em Curitiba, das 10h30 às 12h.

Um dos mais tradicionais programas de Curitiba, a Feira do Largo da Ordem é parada obrigatória para turistas e moradores da capital nas manhãs de domingo. Além de ser ponto de referência para quem procura artesanato, exposições e arquitetura histórica, a “Feirinha” é a casa do conjunto Choro e Seresta, que no dia 03 de junho recebe os músicos Otto Lenon e Francyene Rossett para apresentação gratuita das 10h30 às 12h.

O Choro e Seresta é a mais tradicional e importante formação do gênero em Curitiba. Na ativa há 40 anos e em sua quarta geração, o conjunto promove o projeto Calendário Anual de Choro, que apresenta um convidado especial todo primeiro domingo do mês e integra a programação do Circuito Cultural Ademilar, uma iniciativa que está viabilizando uma série de projetos culturais em Curitiba via incentivo do Mecenato Municipal.

Referência na cena do samba e do choro da cidade, o músico Otto Lenon é professor de percussão e ex-ministrante da Oficina de Choro da Universidade Estadual do Paraná. Atualmente, é integrante dos grupos Braseiro, Regional Tropeçando e Quebrada, além de participar das apresentações em homenagem a Ernesto Nazareth, com o maestro Arthur Moreira Lima, e do lançamento do disco “José da Cruz – O Sabiá Paranaense”, com temas do compositor José da Cruz e direção musical de Tiago Portella Otto.

A apresentação também contará com a participação especial da cantora Francyene Rossett, professora de canto há mais de 20 anos e figurinha carimbada em shows de música brasileira em Curitiba. Ela já cantou em diversos projetos, como o “Elas Cantam Ópera” e “Elis em Nós”, em 2016. Ao lado de Renato Borghetti, cantou no projeto “Velho Lua – Homenagem a Gonzagão”. Integrou ainda o time de cantoras solistas do espetáculo “Elas & Beatles” e do show “Raízes do Brasil”.

A apresentação na Feira do Largo da Ordem é gratuita. A partir do meio-dia, ela continua no restaurante Easy Chef.

Calendário Anual de Choro
O Calendário Anual de Choro traz para Curitiba convidados especiais do gênero que já emocionaram muitas pessoas nos quatro cantos do Brasil. A programação recebeu, de outubro de 2017 a maio deste ano, 13 convidados diferentes; até setembro serão mais sete participações especiais. Segundo Clayton Silva, flautista e coordenador-geral do grupo Choro e Seresta, a ideia é disseminar o choro na cidade. “Estamos presenteando os curitibanos com convidados especiais e levando interação entre a comunidade e os chorões, com apresentações em palco aberto, aproximando o público dos artistas para oferecer entretenimento e lazer e, assim, fortalecer o turismo e a cena musical, tanto na feira quanto na cidade”, explica.

Serviço:
Calendário Anual de Choro
Mais informações: conjuntochoroeseresta@gmail.com ou (41) 98849-1765/99602-0407 (Clayton Silva)

Sites e fanpages:
www.conjuntochoroeseresta.com.br
www.facebook.com/choroeseresta

www.circuitoculturalademilar.com.br
www.facebook.com/enochoroqueeuvou

4 BANDAS, DOIS SELETORES E UM NOVO FESTIVAL

  

1º Panapaná promove shows de bandas de Teresina, Londrina e Curitiba a preço popular

Tire os fones do ouvido e vá ver um show ao vivo. Essa é a proposta do Festival Panapaná, uma iniciativa dos produtores culturais Diego Perin, Estrela Leminski, Luana Angreves e Téo Ruiz. A primeira edição é na sexta-feira, dia 1º de junho, no Basement Cultural. Compondo o primeiro line-up, direto de Teresina no Piauí, Validuaté; Abacate Contemporâneo, de Londrina, Diego Perin e a dupla, Estrela Leminski e Téo Ruiz.

A ideia surgiu há menos de dois meses quando os amigos conversavam sobre artistas que nunca vem a Curitiba e a necessidade de resistir em um cenário pouco favorável para a cultura. Eles focaram em bandas que fazem shows pela região sul, mas não param na capital do Paraná. Esse foi o caso da banda piauiense, Validuaté, que está em turnê pelo Brasil lançando seu álbum “Manual de Instruções Para”. Sucesso no nordeste, eles tiveram alcance nacional com a música “Eu te considerava tanto”, tema da novela ‘Amor à Vista’ da Rede Globo.

Outros artistas que toparam participar dessa resistência artística, são o Abacate Contemporâneo, banda londrinense que vem conquistando espaço dentro de festivais, como o Psicodália e Forró da Lua Cheia, com seu som ‘a la’ Itamar Assumpção. Outros queridinhos dos festivais, são a Estrela Leminski e Téo Ruiz que em maio ganharam o Prêmio Profissionais da Música, na categoria artista rock. O casal lançou “Tudo Que Não Quero Falar Sobre Amor”, um álbum multimídia, com 12 músicas e 12 clipes em 2017. Nesse um ano, eles passaram pelo Pará, Porto Alegre, Goiás, Mato Grosso, Paraná, São Paulo, Maranhão, Piauí e Distrito Federal.

Fechando o line up, Diego Perin apresenta ‘Cabresto, trabalho solo lançado em março deste ano. O músico, que era baixista da Banda Gentileza durante seus 10 anos de estrada, abandona as gracinhas e retorna com uma pegada mais pesada e, digamos, frita.

O evento começa às 20h com discotecagem do coletivo Casa de Suingue, da Luana Angreves e Heitor Humberto, mais conhecidos pelas festas e produção da RádioKombi do Festival Psicodália. Os ingressos custam R$20 com nome na lista e a festa acontece no Basement Cultural.

SERVIÇO:
Festival Panapaná
Dia: 1º de junho.
Programação:
20h00 – Casa de Suingue
21h30 – Diego Perin
22h30 – Abacate Contemporâneo
23h50 – Estrela Leminski e Téo Ruiz
01h00 – Validuaté
02h30 – Casa de Suingue

Ingressos: R$20 com nome na lista (festivalpanapana@gmail.com) e R$30 sem nome na lista
Local: Basement Cultural – R. Des. Benvindo Valente, 260, São Francisco, Curitiba

Página do evento, aqui

RASGO #1

RASGO #1
DOMINGO, 3 do 6, em Curitiba, na Casa Tangente

Dunas, Ímã, Veenstra

“Um rasgo num esquema que se apega a você, esquema de deixar as coisas acontecerem e só reagir, sem agir do próprio gosto.

Coletivo atlas, Casa Tangente, bandas e os colantes ajudam Lorenzo a recuperar suas percus roubadas, sem as quais o guri não faz seu trampo patusqueiro.

rango vegano do Seite Handa

15 pilas

A Casa Tangente abre 14h. 19h é a hora que acaba o som, mas quem quiser pode continuar por lá

Local: Casa Tangente, R. Pref. Ângelo Lopes, 1653, Hugo Lange, Curitiba
Data: DOMINGO, 3 de junho

Organizado por Coletivo Atlas, Dunas, Ímã, Veenstra

Confira a página do evento, aqui

SESI MÚSICA TRAZ A CURITIBA SHOW INÉDITO DE OS PARALAMAS DO SUCESSO

Canções históricas e faixas do novo álbum, “Sinais do Sim”, serão apresentadas no Teatro Sesi Campus da Indústria em junho

Uma das bandas brasileiras de maior sucesso na década de 80 é também uma das únicas que resistiu ao tempo revelando impressionante capacidade de renovação. Os Paralamas do Sucesso provam isso com o lançamento de um novo álbum composto por músicas inéditas após mais de trinta anos de trajetória. O disco “Sinais do Sim” reflete o emocionante percurso de superação do trio formado por Herbert Vianna, Bi Ribeiro e João Barone. No sábado do dia 2 de junho, às 20h, o Sesi Música dá aos curitibanos a oportunidade de conferir esse recente trabalho e de relembrar sucessos da banda em um show marcante no Teatro Sesi Campus da Indústria.

Com temas que falam de amor, esperança, resignação e questões sociais, “Sinais do Sim” é uma expressão da positividade alcançada pela banda em meio às intempéries vivenciadas por seus componentes. São 11 canções que transitam entre a experiência da dor e a renovação da esperança e exaltam o sonho como escape diante do medo.  Na edição de junho do Sesi Música, as faixas do novo álbum serão intercaladas por sucessos como “Alagados”, “Meu Erro” e “Uma Brasileira”, e por canções há muito tempo fora do repertório, como: “O amor não sabe esperar” e “Capitão de Indústria”.

Além de Herbert na voz e na guitarra, Bi Ribeiro no baixo e Barone na bateria e vocais; o show ainda terá João Fera nos teclados e Bidu Cordeiro no trombone. A concepção artística de “Sinais do Sim” é de José Fortes, em parceria com a banda. A direção de imagens é de Batman Zavareze e o design de iluminação é de Cristiano Vaz e Marcos Olívio. O Sesi Música é uma iniciativa do Sesi Cultura Paraná.

Serviço:
Sesi Música apresenta: “Sinais do Sim”, com Paralamas do Sucesso
Data: Sábado, 2 de junho
Horário: 20h
Classificação: livre 
Os ingressos custam R$ 40,00 (a entrada inteira) e R$ 20,00 (a meia entrada) e podem ser adquiridos pelo Disk Ingressos ou na bilheteria do teatro com 1h de antecedência.
Local: Teatro Sesi Campus da Indústria
Endereço: Avenida Comendador Franco, 1341, Jardim Botânico, Curitiba
Observação: os ingressos podem ser adquiridos pelo Disk Ingressos ou na bilheteria do espaço com 1h de antecedência (sujeito a lotação)
Realização: Sesi Cultura Paraná
Projeto: Sesi Música

Mais informações:
www.sesipr.com.br/cultura/ 
www.facebook.com/sesiculturapr/

SESC-PR ABRE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAR OPERADOR DE ILUMINAÇÃO E SOM

Sesc-pr abre processo seletivo para contratar Operador de Iluminação e Som. Vaga para trabalhar em Curitiba. Inscrições gratuitas até às 23 horas e 59 minutos do dia 30 de maio de 2018.

atribuições do cargo:
– Responsável por operar mesa de som e iluminação, aparelhagem de som e outros equipamentos que produzam efeitos visuais. Selecionar material fonográfico para os eventos e auxiliar a equipe;
– Responsável pela manutenção e organização dos equipamentos de som, projeção e iluminação; auxiliando na conservação e limpeza de equipamentos elétricos do palco (canhões, refletores, mesas, luminárias);
– Estabelecer interface entre sua atuação técnica e o processo criativo que envolve a concepção das apresentações artísticas;
– Montar cenários para shows, solenidades e eventos diversos; e unidades fixas e móveis de acessórios de canhões de luz, em espetáculos de maior porte, seguindo projeto do iluminador para efeitos cênicos previstos;
– Afinar refletores de luz, aplicando-lhes gelatina na proporção correta, obtendo cores e efeitos previstos, atendendo ao plano do iluminador;
– Verificar o estado de funcionamento da iluminação cênica, solicitando manutenção eletrônica, garantindo as condições de perfeito funcionamento da aparelhagem;
– Operar a mesa de iluminação cênica, em espetáculos de médio e grande porte, seguindo orientações do iluminador e roteiros para obter os efeitos programados;
– Orientar a montagem e a operação da aparelhagem de som antes e durante a realização de espetáculos cênicos de teatro e dança, para assegurar a trilha sonora planejada; estudar a trilha sonora com os diretores e orientar a instalação de microfones e outros aparelhos para dotar o espetáculo dos efeitos sonoros previstos;
– Participar dos ensaios dos espetáculos, observando a movimentação dos artistas e as necessidades sonoras, para subsidiar suas atividades durante os espetáculos;
– Verificar as condições de funcionamento da aparelhagem de som, testando os mecanismos, observando as caixas acústicas, para solicitar manutenção técnica e assegurar o desempenho correto dos mesmos durante os espetáculos;
– Executar outras tarefas correlatas conforme necessidades do serviço e orientação superior;
– Realizar procedimentos administrativos necessários para a execução das atividades e operar sistemas informatizados de gerenciamento, dentro de suas atribuições;
– Disponibilidade para viagens e participar de treinamentos internos e externos;
– Disponibilidade para trabalhos em horários diferenciados, finais de semana e feriados;
– Executar outras tarefas compatíveis com o cargo e/ou necessidades da Entidade.requisitos:
Escolaridade Mínima: Ensino Médio Completo, reconhecido e concluído em instituição de ensino credenciada pelo MEC.
Experiência: 06 meses de experiência comprovada nas atribuições do cargo descrita acima.

Carga horária: 40h semanais

Salário: R$ 2.163,00

Benefícios: VT (conforme a lei), VR (conforme acordo coletivo de trabalho), Assistência Médica (opção do empregado, com sua participação financeira), Assistência Odontológica (benefício de desconto para clínica do Sesc).

As inscrições (gratuitas!) para participar do Processo Seletivo deverão ser efetuadas somente pelo site www.sescpr.com.br / no link Processo Seletivo, no período entre o dia 23 de maio de 2018 às 23 horas e 59 minutos do dia 30 de maio de 2018, observando o horário oficial de Brasília/DF.

Código da vaga: 103/18 OPERADOR DE ILUMINAÇÃO E SOM

Confira o edital, aqui