VIGOR MORTIS ESTREIA “ACORDEI CEDO NO DIA EM QUE MORRI” COM OBSESSÕES DE ED WOOD EM CENA

O lado B do cinema é homenageado pelo teatro pop da companhia enquanto a plateia presencia a criação de um filme durante a peça 

A nova montagem da Vigor Mortis leva o público para um passeio de trem-fantasma na mente de Ed Wood. Todo os elementos icônicos da criatividade do cineasta estão presentes: vampiros, alienígenas, monstros com superpoderes e também a atmosfera de filmes lado B dos anos 50. O enredo traz referências do roteiro sob o mesmo título, e dos livros “Death of a Transvestite” e “Let Me Die In Drag”. A ação acontece diante de uma tela gigantesca, emoldurada por tentáculos de polvo, onde são projetadas cenas captadas em tempo real no palco. Acordei Cedo no Dia em Que Morri coloca a personalidade da companhia em evidência, integrando outras linguagens ao teatro, com estética impactante, tecnologia, temas do universo do terror, comicidade e excelência nas interpretações. A temporada é de 28 de setembro a 22 de outubro, no Ave Lola em Curitiba, com ingressos no sistema pague-quanto-vale. 

A trama parte da história de um psicopata que foge do manicômio e se transveste de enfermeira para desvendar um mistério. Ao buscar por mais pistas, ele encontra a apresentadora de TV Vampira. Juntos eles descobrem que o enigma revela muito mais do que se poderia imaginar sobre o passado nebuloso do protagonista. Esse psicopata, segundo o diretor Paulo Biscaia Filho, é um veículo de investigação sobre a identidade de gênero: “Assim como Wood, ele é crossdresser, mas não é homossexual. Não encontra espaço nem na sociedade, que olha sua obsessão por roupas de mulher como uma anormalidade, nem nos grupos de travestis que veem sua orientação heterossexual como uma incongruência. Ele é um reflexo de Wood. Incapaz de encontrar seu lugar no mundo.” 

À frente da Vigor Mortis desde o surgimento do grupo, em 1997, P. Biscaia Filho divide a autoria de Acordei Cedo No Dia em Que Morri com Luiz Bertazzo, que ainda encabeça o elenco. Bertazzo, anteriormente, foi indicado ao Troféu Gralha Azul de Melhor Ator por “Seance – As Algemas de Houdini”. Camila Fávero, de “Bita e os Animais”; Ricardo Nolasco, de “Momo: Para Gilda com Ardor”; e Guenia Lemos, de “Lobo nas Paredes” e “Duplo Homicídio na Capital”, completam o time de atores. Ganhadora da última edição do Troféu Gralha Azul na categoria Cenário por “Salomé”, G. Lemos também assina o cenário da montagem. O figurino é de Guilherme Almeida, a iluminação de Wagner Correa, e produção é da Duplo Produções, que também foi responsável por “Contos de Nanook” e “Guernica”. 

Acordei Cedo no Dia em Que Morri é uma realização da Vigor Mortis com incentivo de Celepar e apoio da UniFM, Bdrops, Batel Lavanderia e Ave Lola. Projeto realizado com o apoio do do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. 

Sobre a Vigor Mortis: 
Com espetáculos influenciando pela pesquisa do Grand Guignol, o teatro de horror grotesco francês do Século XIX, e trabalhos com integração de linguagens entre teatro, HQs e cinema, a Vigor Mortis criou uma identidade própria e se estabeleceu como uma das mais criativas e atuantes companhias brasileiras. Começou sua trajetória em 1997 com “PeeP – Através dos Olhos de um Serial Killer” e, ao longo dos seus 20 anos de atuação ininterrupta, conquistou dezenas de prêmios e viajou o mundo em festivais de teatro com montagens como “Morgue Story” (2004), “Graphic” (2006) e “Hitchcock Blonde” (2008), entre outras. A companhia também faz obras para o cinema, como as adaptações de “Morgue Story” ­– premiada em festivais na Inglaterra, Estados Unidos e Argentina – e “Nervo Craniano Zero”, que recebeu prêmio de melhor filme e melhor atriz no Montevidéu Fantástico, melhor diretor no New Orleans Horror Film Festival, e melhor filme estrangeiro no Another Hole in the Head em São Francisco, entre outros. Em 2017, a companhia também levou aos palcos “A Macabra Biblioteca do Dr. Lucchetti”, contemplada pelo Rumos Itaú Cultural. 

Ficha Técnica: 
Direção: Paulo Biscaia Filho 
Assistente de Direção: Gabriela Valcanaia 
Elenco: Guenia Lemos, Camila Fávero, Ricardo Nolasco e Luiz Bertazzo 
Cenário: Guenia Lemos 
Figurino: Guilherme Almeida 
Iluminação: Wagner Correa 
Produção: Duplo Produções 
Assessoria de Comunicação e Imprensa: Luciana Melo 
Fotos: Lúcia Biscaia 

Serviço: 
Acordei Cedo no Dia em Que Morri 
Teatro de Horror 
Local: Ave Lola Espaço de Criação 
Endereço: R. Mal. Deodoro, 1227. Centro. Curitiba-PR 
Temporada: de 28 de setembro a 22 de outubro. 
Dias e horários: quartas e domingos às 20h. Quintas, sextas e sábados às 23h59. 
Ingressos: Pague Quanto Vale 
Lotação: 58 lugares. 
Duração: 60 minutos. 
Classificação indicativa: 14 anos 
Informações: www.avelola.net.br / Duplo Produções – 41 99975-6048 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *