DALVA LANÇA VIDEOCLIPE ALGEMAS DO AMOR

Dalva lança videoclipe Algemas do amor. Foto de Aurelio Dominoni.

Com amor e fetiches como pano de fundo, Drag queen Dalva lança seu videoclipe Algemas do Amor no dia 1º de maio em suas plataformas digitais

A drag queen curitibana Dalva, ou Dalvinha Brandão como também é chamada, lança seu segundo videoclipe Algemas do amor em suas plataformas digitais no dia 1 de maio a partir das 22 horas. Mais de um ano depois de seu primeiro videoclipe, Psicopata do amor, sua nova produção audiovisual tem como ponto de partida outra história de amor fracassada.

Vindo uma experiência profissional que começou no teatro, tanto atuando, como escrevendo e dirigindo, Dalva conta que a possibilidade de contar histórias por meio da música foi o que motivou a começar a compor. “Eu escuto muita música que é considerada brega e eu gosto particularmente das que contam histórias trágicas. É maravilhoso quando tem o contraste de uma letra super trágica e um beat que te faz dançar. É esse tipo de coisa que eu gosto de fazer”, conta a artista.

Depois do assassinato narrado em seu primeiro videoclipe, Algemas do amor traz a história de uma relação amorosa obsessiva, que apesar de já ter terminado, continua dominando a vida de alguém. “Muita gente já passou por isso. Aquela pessoa que termina com você, mas continua aparecendo na tua vida, não te deixa seguir em frente. É uma violência, mas às vezes você começa a gostar daquilo, cultivar, não consegue sair”.

O roteiro, escrito por Dalva e pela diretora do vídeo, Carol Winter, reúne imagens do universo do fetiche, e em particular algumas práticas do BDSM. “O BDSM (bondage, dominação submissão e sadomasoquismo) é uma coisa que já fazia parte da minha vida de alguma forma, de leve. Tem muito a ver com prazer e dor. A diferença é que no BDSM você escolhe, tem um acordo. Numa relação dessas, muitas vezes você não tem consciência do que está acontecendo e nem consegue sair”, explica a drag queen.

Apesar da referência, o clipe destoa da imagem clássica que as pessoas têm de BDSM. Juntamente com a diretora de arte Fabi Melatte, e o diretor de moda Aurélio Dominoni, a equipe foi reunindo um universo de imagens coloridas, artificiais e lúdicas, que vão num caminho diferente das esperadas correntes e roupas pretas de couro e látex. “A gente fala também de como essas relações destrutivas às vezes estão escondidas embaixo de uma aparência de tudo-bem, às vezes doçura e gentileza podem doer mais que tapa”.

A produção, assinada por Semy Monastier, foi barata, porém não pouco trabalhosa. Como uma das referências que inspiraram o roteiro – o clipe “Numb”, do U2 – tudo acontece em um único quadro, em que mãos e pés (no caso do ator Diogo Bonito e do DJ Iegor Lima) manipulam o corpo da protagonista. A equipe contou também com assistência de direção de Ricardo Kenji Kumasaka, direção técnica de Fábia Regina e pós-produção de Marta Souza e Germano Strazzi.

A faixa foi produzida por Leonardo Gumiero, e traz uma batida extremamente dançante, que lembra os hits do europop e da house music do início dos anos 2000. “Eu queria esse universo sonoro principalmente porque me lembra uma época em que eu ainda tinha sentimentos. Hoje em dia meu coração é um caco de telha”, lamenta Dalva.

SERVIÇO
Lançamento videoclipe ALGEMAS DO AMOR de Dalva
dia 1º de maio, às 22h
Onde: youtube/dalvinhabrandao

FICHA TÉCNICA
Direção: Carol Winter
Roteiro: Dalvinha Brandão e Carol Winter
Produção: Semy Monastier
Assistência de Direção: Ricardo Kenji Kumasaka
Direção de Arte: Fabi Melatte
Direção Técnica: Fábia Regina
Direção de Moda: Aurélio Dominoni
Edição: Marta Souza
Tratamento de Cor: Germano Strazzi
Atores: Iegor Rainer e Diogo Bonito
Participação especial como Mão Roxa: Fabi Melatte
Figurino e Peruca: Rapha Natel

Agradecimentos: Selvática Ações Artísticas, Psicodrags, Kings Of The Night, Simone Bitencourt, Adriano Sátiro, Well Guitti, Cacá Bordini, Cândida Monte

Produção musical: Leonardo Gumiero
Mídia Social e imprensa: Vi Gabarda

Fotos (divulgação): Aurélio Dominoni

Edição Making of: Ricardo Kenji Kumasaka

Para mais informações, favor entrar em contato.
(41)99854-9506 – Vi Gabarda – assessora de imprensa

 

#SAVERALPH​​​


Ralph, o coelho porta-voz da campanha global para proibir os testes de cosméticos em animais. #SaveRalph​​​ é um poderoso curta-metragem de animação em stop-motion produzido pela Humane Society International e que conta com um elenco internacional de estrelas incluindo Taika Waititi, Ricky Gervais, Zac Efron, Olivia Munn, Pom Klementieff, Denis Villeneuve, George Lopez e Tricia Helfer. 

https://hsi.global/SaveRalph​

Save Ralph apresenta um coelho sendo entrevistado para um documentário em sua rotina diária como “cobaia” em um laboratório. Taika Waititi, ganhador do Oscar, empresta sua voz a esse personagem, que no Brasil ganha vida pela dublagem de Rodrigo Santoro. A campanha #SaveRalph​​ da HSI aborda a crueldade dos testes em animais de forma original e inesperada – usando a história de um coelho para trazer à tona a situação de incontáveis ​​coelhos e outros animais nos laboratórios em todo o mundo. Apesar de Ralph ser uma animação, percebe-se no curta-metragem que o sofrimento causado pelos testes está longe de ser inventado. Como Spencer Susser, o diretor da Save Ralph, diz: “É muito importante que Ralph pareça real porque ele representa os incontáveis ​​animais reais que sofrem todos os dias”. Susser, conhecido por seu filme Hesher, faz parte da lista de celebridades e influenciadores que colaboraram com a Humane Society International na produção de Save Ralph. O produtor Jeff Vespa (Voices of Parkland) se juntou ao estúdio Arch Model, do proeminente criador de marionetes Andy Gent (Ilha dos Cães, The Grand Budapest Hotel), na produção. 

fonte: The Humane Society of the United States

BATE-PAPO VIRTUAL CINE SESC: A MOVIDA MADRILEÑA E PEDRO ALMODÓVAR

O espanhol Pedro Almodóvar é sem dúvidas um dos maiores nomes do cinema mundial vivo. O diretor aos 71 anos de idade continua a todo vapor, em 2021 está trabalhando em sua nova produção cinematográfica: Madres Paralelas. A história retrata duas mulheres que dão a luz no mesmo dia, o longa metragem acompanha a rotina dessas duas mães durante os anos em que seus filhos crescem. O lançamento previsto para o ano de 2022 tem Penélope Cruz no papel protagônico, e também traz nomes renomados mundialmente como: Julieta Serrano e Rossy de Palma.

Em 2020 Almodóvar foi um dos primeiros diretores a rodar e lançar um material em meio à pandemia. O curta metragem The Human Voice, sua primeira direção na língua inglesa, protagonizado por Tilda Swinton.

Pedro Almodóvar tem uma vasta cinebiografia como diretor e roteirista com cerca de 14 curtas metragens e 22 longas metragens. Também é dono da Produtora Cinematográfica El Deseo, que produz seus filmes e uma série de outras grandes produções em âmbito mundial.

Em sua larga carreira cinematográfica ganhou 2 Oscars, 2 Globos de Ouro, 4 BAFTA e 4 premiações em Cannes.

“Porém antes de todo esse caminho de sucesso Pedro Álmodovar foi um jovem revolucionário na Espanha dos anos 80. Um dos integrantes mais expressivos do movimento transgressor: La Movida Madrileña. E é sobre este tema que iremos falar em nosso primeiro encontro sobre o diretor espanhol no dia 17 de abril às 15h no Bate-papo Virtual CineSesc: Pedro Almodóvar e a Movida Madrileña, via a plataforma Microsoft Teams”. (Edson Godinho, Técnico de Atividades Sesc Paranavaí)

Nas semanas sequentes no dia 24 de abril e 1º de maio iremos destrinchar sua cinebiografia em duas partes. Os eventos são gratuitos e promovidos pelo Sesc de Paranavaí, mas podem ser acessados por todos os lugares do estado e do país. As inscrições devem ser efetuadas via site do Sesc Paraná, até 3 dias antes da realização de cada evento e a classificação indicativa de todos os bate-papos é 18 anos.

Abaixo links para as inscrições dos eventos por data:

A Movida Madrileña e Pedro Almodóvar (17/04)
www.sescpr.com.br/atividade/a-movida-madrilena-e-pedro-almodovar-17-04-2021-1500/

O Cinema de Pedro Almodóvar – Parte 1 (24/04)
www.sescpr.com.br/atividade/o-cinema-de-pedro-almodovar-parte-1-24-04-2021-1500/

O Cinema de Pedro Almodóvar – Parte 2 (01/05)
www.sescpr.com.br/atividade/o-cinema-de-pedro-almodovar-parte-2-01-05-2021-1500/

Mais informações:
SAC Sesc Paranavaí (44) 3474-8500

VISTA GROSSA


Vista Grossa é um longa-metragem documentário (da diretora Giuly Biancato) que começou como um projeto estudantil de curta-metragem, gravado em 2019. O filme discorre sobre a falta da memória curitibana em relação a Ditadura Civil Militar (1964-1985) e, principalmente, essa falta registrada nas construções e edifícios urbanos que sediaram quartéis generais e outros locais, dentre eles alguns clandestinos, usados para apreensão e tortura de milhares de pessoas. Bem como locais de resistência e luta de estudantes, artistas, trabalhadores e ativistas contrários à ditadura.

O projeto cresceu e a equipe do documentário abriu uma VAKINHA para juntar recursos para gravar e/ou regravar algumas imagens e áudios, pesquisa e aquisição de imagens de arquivo de Curitiba entre 1964 e 1985; recursos para o processo de edição e finalização e recursos para a distribuição e inscrição do filme em festivais. 

Confira todas os detalhes e colabore com esse projeto importante através deste link

A IMPORTÂNCIA DO REGISTRO
O documentário aborda a falta da abertura de registros e instalação de memoriais públicos para reconhecimento popular sobre um histórico violento vivido em Curitiba, em contraponto com vários registros em homenagem aos militares que a cidade carrega, discutindo também a acelerada urbanização e como isso afeta nosso senso de identidade e conhecimento sobre nossa própria história. O filme busca questionar sobre quem detém e controla essas memórias e, qual é o critério de escolha para fazer dessa história um conhecimento popular ou um conhecimento velado. 

A maior parte dos paranaenses, ou 50,8% acredita que o regime militar no Brasil era melhor (33,5%) ou igual (17,3%) à “democracia” que vivemos hoje. (FONTE: Paraná Pesquisas). Há locais em Curitiba que diariamente circulam milhares de pessoas e quase nenhuma delas sabe que esses e muitos outros locais sediaram órgãos responsáveis por perseguir, oprimir, prender e torturar opositores e suspeitos inocentes de oposição ao regime militar. A Comissão Estadual da Verdade (CEV) se baseia nas pesquisas do grupo Tortura Nunca Mais – Paraná, que dá conta de pelo menos 4 mil presos durante a ditadura. Destes, no mínimo mil sofreram tortura. Mas o número pode ser muito maior (FONTE: Gazeta do Povo).

Nota do editor:
Quem se interessa pelo tema precisa conhecer o site Ditadura em Curitiba, do historiador Luiz Gabriel da Silva – ele participa da equipe do documentário. Neste site você poderá acessar informações e trabalhar com fontes primárias, como pastas temáticas da DOPS (Delegacia de Ordem Política e Social) e vídeos de depoimentos de indivíduos que lutaram contra o regime, bem como jornais da época.

NÚCLEO DE PROJETOS AUDIOVISUAIS DE CURITIBA (NPA) ABRE INSCRIÇÕES PARA A EDIÇÃO 2021

Roteiristas de Séries, de Longas e de Curtas poderão inscrever seus projetos até 26 de março. A participação é gratuita. 

Apesar dos desafios, 2020 foi um ano de expansão para o NPA – Núcleo de Projetos Audiovisuais de Curitiba. As limitações impostas pelo isolamento social felizmente não impediram a realização do projeto. Os encontros foram todos online e bem produtivos. O amplo alcance da internet possibilitou não só um maior número de participantes nos eventos abertos promovidos pelo Núcleo, como oportunizou a participação de pessoas de diversos estados do Brasil e também do exterior. O saldo positivo trouxe novidades para a Edição 2021, que seguirá online, além de receber projetos de Séries e de Longas, este ano o NPA irá abrir também um grupo para roteiristas de Curtas desenvolverem suas ideias, neste caso 50% das vagas serão voltadas para realizadores periféricos. No total, serão selecionados 36 projetos de roteiro, 12 para cada grupo de trabalho. As inscrições são gratuitas e estão abertas até 26 de março, neste link

“A cada ano, aprendemos algo, localizamos uma demanda ou tendência que buscamos atender na edição do ano seguinte. Essa é a vantagem de ter um projeto contínuo. O novo Núcleo de Curtas, por exemplo, vem para atender realizadores e roteiristas que estão construindo um campo estético e temático próprios e precisam de um formato de produção mais acessível e ágil. O processo de desenvolvimento, viabilização, produção e distribuição de um curta-metragem é possível em um a dois anos, enquanto que longas e séries demandam muito mais tempo, além de exigirem um portfólio, que é, em geral, preenchido inicialmente por alguns curtas-metragens”, comenta Marcelo Munhoz, um dos coordenadores do Núcleo. 

Os selecionados de Longas e Séries terão encontros mensais, de abril a setembro e os de Curtas encontros quinzenais, de abril a junho, com os orientadores dos projetos. São eles: Daniel Tavares, roteirista e professor da renomada escola de cinema latino-americana, EICTV-Cuba; Laís Melo, roteirista, diretora, diretora de arte e educadora em cinema e Renata Sofia, autora e roteirista da TV Globo.   A cada encontro os orientadores, de forma individual, direcionam os participantes em prol de melhorias dos projetos inscritos, pretendendo que, ao final, tenhamos roteiros prontos ou argumentos muito bem desenvolvidos. 

Além dos projetos selecionados, o NPA disponibiliza, abertas ao público, mediante inscrição, masterclasses com assuntos acerca do fazer audiovisual. Ao longo deste ano serão oferecidas cinco (5) masterclasses. A primeira será a Masterclass de Roteiro para Curtas-Metragens com Laís Melo, dia 13 de março. As inscrições já estão abertas. O objetivo será investigar as estruturas das histórias, como escrever em imagens e roteirizar as ideias, as etapas de desenvolvimento, criação dos personagens e pensar sobre a importância do curta como processo de amadurecimento do olhar e caminho para entrada no mercado cinematográfico.  

Ainda em março, dia 20, o Núcleo irá oferecer a Masterclass de Roteiro com Daniel Tavares. Nesta masterclass, Tavares vai apresentar uma metodologia de análise da articulação entre drama e tema nas premissas norteadoras de um projeto de ficção e relacionar os três ângulos da dramaturgia audiovisual e seus paradigmas: estruturas, personagens e gêneros dramáticos.  

Em abril, dias 10 e 17, está programada a Masterclass de Séries com Camila Agustini, roteirista e script doctor formada pela EICTV-Cuba, com passagem pela Concordia University (Canadá), por meio do Emerging Leaders in the Americas Program. A aula vai tratar os principais temas relacionados à escrita de narrativas seriadas tais como conceito, premissa, formatos, universo, motor, personagens, estrutura, arco da temporada, tramas, piloto, episódios e bíblia, além de questões relativas ao trabalho coletivo desenvolvido nas salas de roteiro. 

 A inscrição para todas elas será aberta e gratuita pelo site www.tambormultiartes.com, com vagas limitadas. 

O NPA é o desdobramento e a consolidação de Núcleos de Desenvolvimento já realizados anteriormente pela Tambor Multiartes desde 2012, em iniciativas que já contribuíram para a formação de mais de 160 roteiristas e realizadores audiovisuais, com pitchings simulados, mostras de projetos, encontros de orientação para inscrição em editais, além de palestras e outras capacitações para seus participantes. Muitos destes projetos já tiveram desde roteiros aprovados em editais de desenvolvimento até filmes em produção ou que se encontram em fase de distribuição. A finalidade do Núcleo é tornar-se referência na área audiovisual no Brasil oferecendo um processo de excelência de longo prazo focado no aprimoramento de talentos em elaboração de argumentos, roteiros e projetos audiovisuais. 

 “A cada ano sentimos um amadurecimento das propostas, das discussões. Isso se mostra nas inscrições, no processo e nos resultados. Com a concentração das janelas de exibição nas mãos de um grupo cada vez menor de corporações, vivemos uma luta feroz por espaço e atenção do público. Temos a percepção de que o enfrentamento dessa situação passa, de um lado, por compreender o que está sendo produzido e visto, e, de outro lado, estar cada vez mais atento às questões locais e vozes que expressam essas questões de forma viva e sensível. Há aí um equilíbrio que possibilita um campo de produção e distribuição sustentável e de fato relevante”, comenta Marcelo. “É importante ter em mente que o se produz no audiovisual hoje tem um papel importante na construção do campo simbólico que está regendo e vai reger nossas escolhas como sociedade. Sentimos que o NPA deve ser, através da discussão e da poética próprias do audiovisual, um espaço de fortalecimento e respeito à diversidade e a novos protagonismos, mas também um espaço de acolhimento”, completa.

Assim como no ano passado, a Mostra Final dos projetos desenvolvidos na edição 2021 será realizada à distância, em um formato similar ao de um pitching, possibilitando aos participantes a apresentação dos seus projetos às principais produtoras de cinema e players do país e abrindo espaço para parcerias e coproduções. 

Projeto realizado com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura de Curitiba

Sobre a Tambor Multiartes: 

O NPA é uma inciativa da Tambor Multiartes e teve origem no Núcleo de Dramaturgia Cinematográfica do SESI/PR e no Núcleo Audiovisual SESI/PR que formou roteiristas e ajudou a desenvolver projetos de 2012 a 2015. O Núcleo de Crítica de Cinema em 2016 veio consolidar a formação de pensamento sobre a realização audiovisual. Outro projeto realizado pela Tambor foi o Ficção Viva que trouxe importantes cineastas ibero-americanos para ministrar oficinas de roteiro em Curitiba, como Karim Aïnouz, Kleber Mendonça, Guillermo Arriaga (México), Lucrecia Martel (Argentina) e Pedro Costa (Portugal).  

Marcelo Munhoz, um dos coordenadores do NPA, além de fundador da Tambor, foi um dos idealizadores do Projeto Olho Vivo que realizou o Ponto de Cultura Minha Vila Filmo Eu, trabalho de ensino de cinema na Vila das Torres, em Curitiba, que obteve reconhecimento nacional. A Tambor Multiartes realizou ainda o documentário A Grande Nuvem Cinza, com direção de Marcelo Munhoz. Para saber mais visite o site: www.tambormultiartes.com 

Municipal de Curitiba. Incentivo: Barigui Veículos e Heads

Sobre os Orientadores e Ministrantes das Masterclasses:

DANIEL TAVARES (orientador e ministrante da Masterclass de Roteiro)
Roteirista, graduado pela UFRJ e pela Escuela Internacional de Cine y Televisión de San Antonio de los Baños/EICTV, Cuba e mestre em Estudos Latino-americanos pela Universidade Federal da Integração Latino-americana/UNILA. Coordenou a cátedra do curso regular de Roteiro da EICTV entre 2011 e 2013. Participou em laboratórios de desenvolvimento como consultor (Nuevas Miradas, 34o Festival de Cinema de Havana, 2012) e como coordenador (I Festival Latino-americano de Cinema 3 Margens, Foz do Iguaçu, 2017); bem como em comissões técnicas de avaliação de projetos de longa-metragem em editais regionais brasileiros (Funcultura, Pernambuco, 2015; FAC, Distrito Federal, 2016; Polo de Cataguases, Minas Gerais, 2019). Atualmente, mantém atividades docentes no Brasil (Porto Iracema das Artes/CE e Universidade de Fortaleza, UNIFOR) e em Cuba (Curso Regular de Roteiro, EICTV). Em paralelo aos Núcleos Criativos dos quais participa (Muiraquitã Filmes/SP, 2016; Cinema Inflamável/CE, 2017; Videofilmes/RJ, 2018-2020) e as consultorias profissionais de roteiro para ficção e documentário, escreve e desenvolve projetos em parceria com roteiristas, produtorxs e diretorxs do Brasil e das mais diversas latitudes da América Latina.

RENATA SOFIA (orientadora)
Roteirista da TV Globo. Autora e roteirista dos longas originais “MC Estrela” em pré-produção pela Kromaki e “Dunas do Abaeté”, selecionado para o 10˚ Laboratório Novas Histórias Sesc. Dramaturga colaboradora da peça “A protagonista”, roteirista colaboradora da série infantil “Detetives do Prédio Azul” (12 e 13 temporadas); desenvolvimento de série de humor para Netflix; piloto de sitcom inédito pro canal Multishow; das séries de ficção em desenvolvimento “Ladrão que Rouba Ladrão”, “Paixão FC”, “Sonhos Suburbanos” e “Dissonantes”; das séries animadas “Arabela”, “Get Along Gang” e do desenvolvimento do Núcleo Criativo da 2Dlab. Participou do painel “Afrobrasilidades” com o projeto original de série infantil “O Laboratório do Porão” no Rio Content Market 2017. Selecionada para o 1º Laboratório de Narrativas Negras para o Audiovisual – Flup, Film2B e TV Globo. Formada pela UERJ em Comunicação Social, trabalhou por quatro anos na TV Globo como produtora de conteúdo web.

LAÍS MELO (orientadora e ministrante da Masterclass de Roteiro para Curtas-Metragens)
Roteirista, diretora, diretora de arte e educadora em cinema. Em 2017 estreou seu primeiro filme, “Tentei”, que percorreu festivais de cinema, ganhando alguns prêmios, incluindo o de melhor filme, fotografia e atuação no 50º Festival de Cinema Brasileiro, em Brasília (DF). Agora finaliza seu segundo curta-metragem autoral, “Me deixei ali”; desenvolve o projeto de longa-metragem ficcional “Histeria”, contemplado no Edital de Produção e Desenvolvimento de Obras Audiovisuais 2019; e o projeto “Filmes-Cartas para o futuro”, para a National Geographic, onde atua como co-roteirista e co-diretora. Laís foi diretora assistente do longa-metragem “Deserto Particular”, com direção de Aly Muritiba e diretora de arte na série “Fim de Comédia”, dirigida por Jéssica Queiroz; no longa “Tantas Almas”, dirigido por Nicolás Rincón; na série “É Nóis por Nóis”, dirigida por Aly Muritiba e Jandir Santin; além de diversos curtas-metragens.

CAMILA AGUSTINI (ministrante da Masterclass de Séries)
Roteirista e script doctor formada pela EICTV-Cuba com passagem pela Concordia University (Canadá), por meio do Emerging Leaders in the Americas Program. Participou do Talent Campus da Berlinale no Festival de Guadalajara e no Bafici, do Docs Accelerator no HotDocs e do Taller Andino do Ibermedia. Seu roteiro de longa “O Homem Descalço” venceu o Festival Guiões em 2014. Atuou no desenvolvimento de vários projetos transmídia da TV Globo onde também foi analista de projetos de filmes e séries. Escreveu diversos roteiros de longa-metragens e projetos de séries, tendo trabalhado com Karim Ainouz, Guillermo Arriaga, Marcos Schechtman, Ana Luiza Azevedo, entre outros. Como consultora de roteiro já atuou em mais de 20 projetos no Brasil e no exterior (Canadá, Colômbia, Costa Rica, Equador, Espanha e Uruguai). Foi mentora da Incubadora Paradiso. Atualmente é chefe de sala em uma série em desenvolvimento para a Amazon. É produtora associada do FRAPA (Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre).

SERVIÇO:
Lançamento do Núcleo de Projetos Audivisuais de Curitiba – NPA – Edição 2021 – Abertura de inscrições
Data: de 02 a 26 de março
Inscrições: www.tambormultiartes.com

Masterclass de Roteiro para Curtas-Metragens (online) 
Data e Horário: 13 de março, das 10h às 12h e das 14h às 16h 
Ministrante: Laís Melo 
Inscrições: neste link

Masterclass de Roteiro (online)
Data e Horário: 20 de março, das 10h às 12h e das 14h às 16h
Ministrante: Daniel Tavares

Masterclass de Séries (online)
Data e Horário: 10 e 17 de abril, das 10h às 12h.
Ministrante: Camila Agustini
Todas serão gratuitas / com vagas limitadas
Inscrições: www.tambormultiartes.com

CONTATOS:

Assessoria de Imprensa
Glaucia Domingos
41 99909 7837
glauciadomingos@hotmail.com 
Fanpage: @glauciadomingosassessoria

Produção e Coordenação
Marcelo Munhoz
41 99903 5516

Vivian Britsch: 41 98414 4004
Bruna Junskowski: 41 99526 0791
Marianna Holtz: 41 99811 0212
E-mail: contato@tambormultiartes.com
Fanpage: www.facebook.com/npacuritiba/
Instagram: @npacuritiba

DOCUMENTÁRIO “A PONTE” – SOBRE A PERIFERIA DE SÃO PAULO


Documentário A Ponte sobre a periferia de São Paulo, com Mano Brown e Trilha Sonora de Zé Gonzales e Daniel Ganjaman.

Release (via Casa do Zezinho ). Fonte / texto: Geledes

O rapper Mano Brown, a educadora Dagmar Garroux e o escritor Ferréz convivem diariamente com as mazelas da periferia de São Paulo. Cada um a seu modo, trazem uma bagagem de experiências que merece reflexão. É o que faz o documentário “A Ponte”, produzido pelo Instituto Rukha.

O filme, de 42 minutos, mostra a situação da desigualdade social na Zona Sul de São Paulo por meio da figura de Dagmar Garroux, conhecida como Tia Dag. Ela é a fundadora da Casa do Zezinho. A entidade trabalha desde 1994 com o desenvolvimento de crianças e jovens. No início eram 07 “Zezinhos”, hoje a Casa conta com mais de 1200 crianças e jovens.

A câmera do documentário passeia pelas ruas do Capão Redondo, Jardim Angela e Jardim São Luis, todos bairros da zona sul da capital paulista, e expõe o tempo todo a diferença existente entre as duas margens do Rio Pinheiros. “O Rio pinheiros divide o pobre dos ricos”, afirma o rapper Mano Brown. Tia Dag complementa: “A ponte do Rio Pinheiros é o muro de Berlim.”

O filme pretende mobilizar a sociedade, mostrando que existe um caminho para a transformação. “Não é uma denúncia vazia. Optamos por mostrar que a realidade é muito dura, mas paralelamente mostramos a história da Tia Dag como uma possibilidade de mudança para a região”, afirma Luiz Alfaya, diretor-presidente do Instituto Rukha.

Para Roberto Oliveira, diretor do filme, “a idéia é abrir os olhos das pessoas”. Segundo ele, “o Brasil vive uma situação de guerra civil e as pessoas não se dão conta. Elas precisam se mexer e mudar a realidade.”

Ficha técnica:
Versão completa em HD do documentário “A PONTE” 2006 / Instituto Ruhka / Sindicato Paralelo / Direção: Roberto T. Oliveira e João Wainer / Fotografia: João Wainer / Produtores Associados: Roberto T. Oliveira e Marcelo Loureiro / Trilha Sonora: Zé Gonzales e Daniel Ganjaman / Direção de Arte: Paulo Franco / Edição: André Dias e Alex Kundera / Produção: Claudio Gabriel e Julio Sena / Fotografia adicional: Lula Maluf, Arci Reis, Roberto T. Oliveira e Claudio Gabriel / Finalização: Alex Kundera / Mixagem: Daniel Ganjaman (Estudios YB) / Participações: Mano Brown, Ferrez, Floriano Pesaro, Paulo Lima, Padre Jaime, Fabio Gurgel, Saulo Garroux, João Batista Cardoso

Para ajudar acesse: www.casadozezinho.org.br

Release (via Casa do Zezinho ). Fonte / texto: Geledes

REDE MASSA ABRE VAGA DE ESTÁGIO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA, RÁDIO E TV, CINEMA / CURITIBA

Rede Massa abre vaga de estágio conteúdo. Vaga para estagiar em Curitiba.

atividades: Auxílio na produção do programa Salada Mista, Auxílio no estúdio durante a gravação do programa, Contato com os internautas e telespectadores, Edição de material Audiovisual.

requisitos: Cursando Publicidade e Propaganda, Rádio e TV, Cinema ou afins (a partir do 3º ano);

Disponibilidade para trabalhar das 09h às 16h de segunda a sexta.

O valor da bolsa é de R$800,00 + VT + VR.

Os currículos podem ser enviados diretamente para o e-mail:
iriele.dolinski@redemassa.com.br

Outra opção seria cadastrar CV através deste link

Confira outras oportunidades no Grupo Massa, aqui

BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA

Livro BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA. Autora: Selma Baptista. Documentário: Jessica Candal. Fotografias: Shigueo Murakami, Lucas Pereira Nery e Alice Pizzaai Goltz. Textos adicionais: Jaques Brand, Renata Carvalho Rodrigues Souza. Curitiba. 2020. Produtora Transpira. 194 p. Preço: DISTRIBUIÇÃO GRATUITA.

Sinopse:
O livro é resultado de uma ampla pesquisa com viés etnográfico, balizado por pesquisas de campo, bibliografia antropológica, histórica e arquitetônica. O projeto “BAIXO SÃO FRANCISCO” debruçou-se sobre o icônico bairro curitibano e, através de uma perspectiva antropológica, convidou a cientista social Selma Baptista e a cineasta Jessica Candal para criarem produtos culturais, cada qual com seu olhar e perspectiva sobre o bairro. Selma Baptista escreveu o livro e Jessica Candal coordenou e dirigiu o documentário HIP HOP no corre no baixo, co-dirigido com Camila Macedo, KBU, Mano Jhow.

Sobre a Autora:
Selma Baptista é Pós-doutora em Antropologia pela USP, Doutora em Ciências Sociais pela UNICAMP e Mestre em Antropologia Social pela mesma universidade.Foi professora titular do departamento de Antropologia da UFPR, onde se aposentou. Atualmente produz pesquisas, orientações e assessorias na área de crítica cultural.

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA: O livro na versão impressa está disponível para distribuição gratuita em locais parceiros do projeto: BAR MÃE, Rua Treze de Maio, 512, bairro São Francisco. GALERIA SOMA, R. São Francisco, 179, bairro São Francisco. BICICLETARIA CULTURAL, R. Presidente Faria, 226, Centro. COLETIVO SFco179, R. São Francisco, 179, São Francisco. Endereços em Curitiba.

FICHA TÉCNICA
Autora do Livro: Selma Baptista
Documentário: Jessica Candal – Direção: Camila Macedo / Jessica Candal / KBU / Mano Jhow
Pesquisa: Alice Pizzaia / Caroline Blum
Designer Gráfico: Lucas Pereira Nery
Coordenação Geral: Jonas Prates
Incentivo: Caixa / Lei de incentivo cultura / Fundação Cultural de Curitiba / Prefeitura de Curitiba / Realização: Transpira. 

CANAIS OFICIAIS DO PROJETO
SITE: www.baixosaofrancisco.com.br
INSTAGRAM: www.instagram.com/baixo_sao_francisco/
FACEBOOK: www.facebook.com/BaixoSaoFranciscoCuritiba/
YOUTUBE:  www.youtube.com/channel/UCKmHQk0yUQcmF_Ml_EyNYXg

Sobre o FILME
Núcleo coordenado pela cineasta Jessica Candal, o documentário segue o cotidiano de dois personagens cativos no bairro, que transitam pela cena HIP HOP curitibana: Mano Jhow e KBU. Com direção coletiva, o documentário tem uma linguagem crua da realidade de diversas ocupações por jovens que povoam a ebulição cultural e social do bairro pela ótica do movimento Hip Hop.

Jessica Candal é Bacharela em Audiovisual (ECA-USP) e especialista em Poéticas Visuais (EMBAP). Como diretora realizou os curtas Ainda Ontem; Bárbara na Cidade; Teia e O Espelho de AnA. Como roteirista, escreveu os longas Horizonte; Ferrugem, com Aly Muritiba; Tão Longe do Centro da Terra, com Aarón Fernández; O Espanto, com George Walker; e foi uma das co-autoras de Eduardo e Mônica. Atualmente está escrevendo A Rua é Noiz, cinebiografia de Emicida, junto dele, Aly Muritiba e Toni C.