MURILO SILVESTRIM FAZ BALANÇO EMOCIONAL DA QUARENTENA NO ÁLBUM “A ÚLTIMA LUZ ACESA MADRUGADA ADENTRO”

Trabalho foi totalmente gravado em isolamento pelo próprio artista

Murilo Silvestrim traduz em música a solidão, insegurança e medos dos últimos meses em forma de álbum, com o lançamento de “A Última Luz Acesa Madrugada Adentro”.  O trabalho foi todo composto durante o período de isolamento social devido à pandemia de Covid-19, com letras inspiradas nos dilemas emocionais desse momento e com o artista assumindo todos instrumentos, produção e gravação. 

Murilo Silvestrim transformou seus anseios e perdas vividos ao longo da quarentena em canções autobiográficas. Embora altamente pessoais, elas trazem uma fácil identificação com o ouvinte, das histórias contidas nas letras à crueza da interpretação. O artista assume voz, violões de aço e nylon, viola, guitarra, ukulele, bateria e synths nesse processo solitário de criação: 7 canções gravadas ao longo de 8 dias. Embora os arranjos sejam minimalistas, as faixas não são intrinsecamente tristes. Em meio ao peso emocional, surge uma outra linha narrativa: a da busca pela beleza nas pequenas coisas da vida.

“Ao final do ano senti que aquelas composições falavam muito sobre mim e sobre o momento que vivemos. Estava terminando a produção de um disco maior, mas resolvi criar um desafio para mim mesmo: me fechar no quarto e gravar com o que eu dispunha. Emprestei instrumentos, organizei os equipamentos e gravei. Também me propus a finalizar o material aqui, fazendo a mixagem e masterização, desconstruindo uma lógica de super produção na qual estava condicionado a pensar”, reflete Murilo, que teve apenas dois colaboradores nesse processo: a participação especial do músico e compositor Cassiano Wogel na guitarra da última faixa; e as ilustrações de capa e encarte digital criadas pela multiartista Surya Amitrano.

Murilo Silvestrim começou a compor muito cedo e graduou-se em Música Popular pela UNESPAR e em Produção de Áudio e Vídeo pelo IFPR. Lançou seu primeiro disco, “Prisma”, em 2016, com o qual circulou pelo Brasil tocando pelo projeto Dandô – Circuito de Música Dércio Marques. Lançou o livro de poesias “Viagem Ao Início das Coisas” no final de 2018 pela editora Medusa e no fim de 2020 lançou o clipe de “Mudando”, o primeiro single que compõe seu próximo álbum, “Encontrar”. Mas a urgência das canções fez com que “A Última Luz Acesa Madrugada Adentro” passasse na frente desse lançamento.

“Acredito que é um momento de experimentar, ousar, despir. O som mais cru, a autoprodução, a quebra do paradigma de uma super produção, tudo isso me ensina muito. Creio que é um momento de expor o que há de mais profundo nos meus dias e na minha música e assim tentar chegar mais próximo das pessoas e da realidade delas”, resume Murilo.

Tomando como inspiração artistas que vão de Joni Mitchell a Bon Iver, Silvestrim faz de cada faixa uma história. “Decorador de Escombros” foi escrita em um dia que uma amiga lhe enviou uma mensagem em estado de choque por ter ouvido o vizinho tirar a vida da esposa e da filha adolescente. “Tordo Marion” fala da perda de uma pessoa querida, e do peso e da tristeza que sentiu por tudo que aconteceu nesses dias.

“O processo criativo foi deixar as canções falarem por elas mesmas. Tentei decompor as levadas das músicas em mais elementos. Foi um desafio importante pra mim nesse momento. Focar a atenção e o suor para materializar algo que eu vim sentindo por tanto tempo. Quase como que um inventário, esse álbum serve pra me lembrar dos meus momentos, das minhas perdas, do amor de pessoas próximas”, finaliza.

“A Última Luz Acesa Madrugada Adentro” está disponível nas principais plataformas de streaming de música.

Ouça “A Última Luz Acesa Madrugada Adentro”, aqui: https://tratore.ffm.to/murilo-silvestrim 

Ficha técnica
Composições, produção, violões, ukulele, viola, bateria, synths e voz – Murilo Silvestrim
Guitarra na faixa Tordo Marion (convidado especial): Cassiano Wogel
Mixagem e Masterização – Murilo Silvestrim
Ilustração de capa e encarte digital: Surya Amitrano

Murilo Silvestrim. Foto de Walter Thoms.                                                             

Acompanhe Murilo Silvestrim:
YouTube – www.youtube.com/channel/UCd7sbKd6T6yI1yiwrUcjK_A
Facebook – www.facebook.com/musilvestrim
Instagram – www.instagram.com/musilvestrim/?hl=pt
Bandcamp – www.murilosilvestrim.bandcamp.com/releases
SoundCloud – www.soundcloud.com/murilo-silvestrim
Spotify: www.open.spotify.com/artist/2xghjQHCl0tOttVtH5xMsN

GRUPO BAQUETÁ LANÇA SEU PRIMEIRO DISCO NAS PLATAFORMAS DIGITAIS

O grupo curitibano Baquetá lança seu primeiro EP com cinco canções inéditas em suas plataformas digitais, no dia 19 de março, às 19h. Com composições próprias, o Grupo Baquetá traz em seu repertório a diversidade da música preta brasileira: ritmos como o samba-reggae, o ijexá, o funk e inspirações nas manifestações das culturas tradicionais do país.

Com doze anos de estrada, o grupo traz um álbum divertido e com estrutura de show, com começo, meio e fim. Segundo os músicos, era importante que o EP tivesse a cara do grupo. “Compomos, fazemos música, dança, teatro, tudo no mesmo espetáculo. Queríamos um disco que tivesse esse clima, mostrasse o que somos”. Produzido por Preto Martins, mixado e masterizado pela Gramofone, o álbum também conta com músicos convidados: Diorlei Santos, na percussão, e Acácio Guedes, no baixo.

Idealizado pela artista Kamylla dos Santos, o grupo Baquetá pesquisa e desenvolve projetos para adultos e crianças com base nos saberes da diáspora africana e dos povos originários do Brasil. “A ideia é apresentar toda força e potência dessa população, construindo espaços de representatividade para crianças e jovens negros e negras”, explica. “Para além do prazer de se ouvir música, o material do EP pode ser utilizado como ferramenta didática para criar contextos educativos antirracistas” finaliza a musicista.

Serviço:
LANÇAMENTO DO DISCO BAQUETÁ NAS PLATAFORMAS DIGITAIS
dia 19 de março, às 19h, em todas as redes sociais do grupo.
Instagram: @grupobaqueta
YouTube: youtube.com/grupobaqueta
Facebook: facebook.com/grupobaqueta
Creditar fotos: Stay Flow Fotografia

fonte / assessoria de comunicação: Vitória Gabarda

SORTEIO OSTRAS PERDIDAS

Ostras perdidas sorteiam produtos de artistas independentes. 

OS PRÊMIOS
1° SORTEADO: 01 disco “Vestígios” (2020) da @criaturascwb + 1 quadro A3 com arte do @os.ratos + 1 CD do @francodascamelias + Voucher de R$20 + camiseta @ostrasperdidas
2° SORTEADO: 1 quadro A3 com arte do @os.ratos + 1 CD @francodascamelias + 1 quadrinho (Vol. 1) do @os.ratos

3° SORTEADO: 1 quadrinho Vol. 2 (@os.ratos) + 1 CD @francodascamelias

REGRAS
ATENÇÃO, PARA CONCORRER A TODOS OS PRÊMIOS DO SORTEIO você deve
1° passo: Curtir a foto oficial (NESTE LINK) no instagram e comentar o nome de dois amigos (não vale perfis de marcas, famosos ou fakes)
2° passo: Siga nossa página (@ostrasperdidas)
Simples né? Bora participar!!

Ostras Perdidas
produtora cultural curitibana, loja virtual de discos, livros e outros produtos artísticos. Nosso projeto tem o principal objetivo de funcionar como um canal catalisador para produções artísticas independentes. 
Fanpage: www.facebook.com/ostrasperdidas
Instagram: www.instagram.com/ostrasperdidas


Franco das Camélias 
www.francodascamelias.wordpress.com

Artes e Metiês (2020) Franco das Camélias (CD COMPLETO)
Produzido no Bacacheri, em Curitiba.
Lançado pelo Youtube no dia 1º de maio de 2020.
Lançado em CD no dia 12 de novembro de 2020.
Foto de Emanuella Kalil: “Piano toco com martelo”
+ em www.francodascamelias.wordpress.com

BFACE RETORNA COM ÁLBUM “EGORITMOS”

Trabalho reúne participações especiais de Tuyo, fvve, Thiago Elniño, InPulso e Inaki

O flow de Bface se encontra a tons de jazz e folk angolano e samples de Flaming Lips e Itamar Assumpção em “Egoritmos”, novo álbum do beatmaker, produtor, compositor e rapper curitibano lançado pelo seu selo Suite Music. O segundo trabalho solo do artista amplia a sonoridade que ele vem construindo no cenário musical nos últimos 10 anos, mas sem abrir mão de explorar novos BPMs e padrões rítmicos.

Desde o título, o disco escancara sua provocação com os conceitos de algoritmo, ego e ritmo. Indo do micro para o macro e do pessoal para o universal, Bface entrega letras sobre a relação da arte com números, polêmicas da era da internet, crises de identidade, ansiedade, resistência e resiliência diante do racismo e autoritarismo vividos no cotidiano. “Egoritmos” é uma afiada crítica à cultura musical online, que afeta o psicológico dos artistas com seus algoritmos e muda o mundo da arte, traduzindo a relevância e qualidade de uma obra em números.

Pensado inicialmente como um EP, o álbum foi ganhando forma ao longo de dois anos. Se no começo do processo, a ideia era trabalhar com beats e temas pré-selecionados, logo foi ficando claro que era necessário um fluxo mais livre para deixar que as faixas falassem por si só. Assim, além das batidas do próprio Bface, “Egoritmos” conta com uma faixa produzida por EricBeatz e duas por Jxtacincx, além de participações especiais de Tuyo, fvve, Thiago Elniño, InPulso e Inaki.

Bface surgiu na explosão do rap underground nacional do início dos anos 2000. Em 2005 iniciou sua jornada artística, aprendendo de forma autodidata a produzir beats e a gravar suas próprias composições. A partir de 2009, passou a compor diversos projetos coletivos que renderam mixtapes e eventos em Curitiba e região. A paixão pelo rap se uniu ao interesse pela história da música e pelas coleções de LPs, fazendo com que a pesquisa de samples e a apreciação de diversos gêneros musicais sejam partes fundamentais e características do seu trabalho.

A partir do single “O Som da Chuva” (2009), surgiram grupos e projetos coletivos culminando no primeiro lançamento de impacto “Bface apresenta: Suite Para Corações Urbanos”, uma coletânea com diversos artistas falando de amor em faixas produzidas pelo artista. De 2014 a 2016 foi um período dedicado à produção de outros artistas até o single “Rec ON”, acompanhado de clipe, projetar Bface para fora da cena local e abrindo caminho para a sequência de “O Infame” e “Práxis”, singles que integraram o álbum de estreia, “Gradientes” (2018). O disco apareceu em algumas listas de álbuns notáveis daquele ano e rendeu participação em vários projetos de sessions, como Sofar Sounds, HAI Studio, Estufa entre outros.

Bface. Crédito foto: Gustavo Salun

Ficha técnica
Todas faixas produzidas por Bface, com exceções Jetpack e Devaneio em Sol produzidas por Jxtacincx e Torrents produzida por EricBeatz
Gravação, Mix e Master: Bface
Direção de Arte e Design: Bface
Foto: Gustavo Salun
Produção Executiva
Amanda Tintori e Bface
Gravadora Suite Music

Ouça “Egoritmos”: www.suite.fanlink.to/egoshit

Acompanhe Bface:
www.soundcloud.com/brunobface
www.twitter.com/BfaBface
www.instagram.com/bfacee

BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA

Livro BAIXO SÃO FRANCISCO: IMPULSOS DE UMA (RE)OCUPAÇÃO URBANA. Autora: Selma Baptista. Documentário: Jessica Candal. Fotografias: Shigueo Murakami, Lucas Pereira Nery e Alice Pizzaai Goltz. Textos adicionais: Jaques Brand, Renata Carvalho Rodrigues Souza. Curitiba. 2020. Produtora Transpira. 194 p. Preço: DISTRIBUIÇÃO GRATUITA.

Sinopse:
O livro é resultado de uma ampla pesquisa com viés etnográfico, balizado por pesquisas de campo, bibliografia antropológica, histórica e arquitetônica. O projeto “BAIXO SÃO FRANCISCO” debruçou-se sobre o icônico bairro curitibano e, através de uma perspectiva antropológica, convidou a cientista social Selma Baptista e a cineasta Jessica Candal para criarem produtos culturais, cada qual com seu olhar e perspectiva sobre o bairro. Selma Baptista escreveu o livro e Jessica Candal coordenou e dirigiu o documentário HIP HOP no corre no baixo, co-dirigido com Camila Macedo, KBU, Mano Jhow.

Sobre a Autora:
Selma Baptista é Pós-doutora em Antropologia pela USP, Doutora em Ciências Sociais pela UNICAMP e Mestre em Antropologia Social pela mesma universidade.Foi professora titular do departamento de Antropologia da UFPR, onde se aposentou. Atualmente produz pesquisas, orientações e assessorias na área de crítica cultural.

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA: O livro na versão impressa está disponível para distribuição gratuita em locais parceiros do projeto: BAR MÃE, Rua Treze de Maio, 512, bairro São Francisco. GALERIA SOMA, R. São Francisco, 179, bairro São Francisco. BICICLETARIA CULTURAL, R. Presidente Faria, 226, Centro. COLETIVO SFco179, R. São Francisco, 179, São Francisco. Endereços em Curitiba.

FICHA TÉCNICA
Autora do Livro: Selma Baptista
Documentário: Jessica Candal – Direção: Camila Macedo / Jessica Candal / KBU / Mano Jhow
Pesquisa: Alice Pizzaia / Caroline Blum
Designer Gráfico: Lucas Pereira Nery
Coordenação Geral: Jonas Prates
Incentivo: Caixa / Lei de incentivo cultura / Fundação Cultural de Curitiba / Prefeitura de Curitiba / Realização: Transpira. 

CANAIS OFICIAIS DO PROJETO
SITE: www.baixosaofrancisco.com.br
INSTAGRAM: www.instagram.com/baixo_sao_francisco/
FACEBOOK: www.facebook.com/BaixoSaoFranciscoCuritiba/
YOUTUBE:  www.youtube.com/channel/UCKmHQk0yUQcmF_Ml_EyNYXg

Sobre o FILME
Núcleo coordenado pela cineasta Jessica Candal, o documentário segue o cotidiano de dois personagens cativos no bairro, que transitam pela cena HIP HOP curitibana: Mano Jhow e KBU. Com direção coletiva, o documentário tem uma linguagem crua da realidade de diversas ocupações por jovens que povoam a ebulição cultural e social do bairro pela ótica do movimento Hip Hop.

Jessica Candal é Bacharela em Audiovisual (ECA-USP) e especialista em Poéticas Visuais (EMBAP). Como diretora realizou os curtas Ainda Ontem; Bárbara na Cidade; Teia e O Espelho de AnA. Como roteirista, escreveu os longas Horizonte; Ferrugem, com Aly Muritiba; Tão Longe do Centro da Terra, com Aarón Fernández; O Espanto, com George Walker; e foi uma das co-autoras de Eduardo e Mônica. Atualmente está escrevendo A Rua é Noiz, cinebiografia de Emicida, junto dele, Aly Muritiba e Toni C.

MIL OLHOS MIL DENTES

HORROROSAS DESPREZÍVEIS já tem data para o lançamento do 1º EP, dia 26 de novembro,  Mil OLhos MiL DenTes estará disponível nas principais plataformas de streaming: Spotify, Deezer e iTunes. Você também poderá curtir no clássico Youtube.

Então aproveita e já faz a pré-save através deste link

E para que esse trabalho alcance mais pessoas compartilhe o link e este vídeo nas suas redes!

Agora sim podemos gritar ao mundo: OUÇA HORROROSAS DESPREZÍVEIS!!!

KLÜBER BUSCA APROXIMAR AS PESSOAS EM MEIO À SOLIDÃO EM INSTIGANTE REGISTRO AO VIVO


EP e vídeo registrados um pouco antes da pandemia mostram o artista ao piano com pedais de loop

Um artista, um piano, pedais de loop e uma plateia reunida na sala da casa de alguém. Parece simples, mas o que Klüber faz em seu EP e vídeo “Cante Comigo Ao Vivo” cria camadas de sensações a cada efeito incluído, em cada verso com sua poesia irônica e cotidiana e com o clima de intimidade e solidão de um registro feito dias antes da pandemia. O trabalho, que recria canções de “Cante Comigo Esse Refrão Clichê de Pop Farofa”, seu EP de estreia, está disponível em todas as plataformas de música digital e pode ser visto em seu canal no YouTube.

Residente em Curitiba, Klüber é bacharel em Piano pela EMBAP/UNESPAR e possui sólida formação na música de concerto. Procurando outra via de expressão artística além de intérprete, compõe canções que aglomeram referências eruditas das mais variadas ao pop, folk, rock alternativo e ritmos tradicionais brasileiros. Suas canções versam, em letras ácidas, sobre política, existencialismo, sobre sua vida enquanto pessoa não-binária e já foram premiadas em festivais.

“Todas as músicas estão muito diferentes do primeiro EP, com improvisos de piano e de voz, com loop station, e com a participação do público cantando junto. Ele foi gravado 15 dias antes de quarentena se iniciar, então acho que também tem esse memorial de um tempo outro”, reflete Klüber.

Após seu EP de estreia de 2019, o artista está atualmente em pré-produção de seu primeiro disco cheio. “Cante Comigo Ao Vivo” tem gravação, edição, mixagem e masterização de Leonardo Gumiero e vídeo dirigido por Carol Winter. O trabalho pode ser conferido em todas as plataformas de música digital.

Ficha Técnica:
Letras, músicas, voz, piano, violão e loop station: Klüber
Parceria na letra em “De Ordem Espectral”: Murilo Silvestrim
Gravação, edição, mixagem e masterização: Leonardo Gumiero – Gume Estúdio
Captação e edição de vídeo: Carol Winter
Iluminação: Luciano Faccini
Cenário e produção: Daniel D’Alessandro, Kelvin de Souza, Luciano Faccini, Má Ribeiro e Roseane Santos
Fotografias: Isabella Mariana
Arte de capa: Raquel Sales
Assessoria em redes sociais: Menu da Música
Assessoria de imprensa: Build Up Media

Klüber
Canal do youtube, aqui
Instragram: www.instagram.com/musikluber
Fanpage: www.facebook.com/musikluber

Assista ao vídeo: https://youtu.be/T6bS3OL700w
Ouça “Cante Comigo Ao Vivo”: https://ffm.to/cantecomigo-aovivo

BRASIS NO PAIOL EM CASA ANUNCIA EDIÇÃO DE OUTUBRO

Monna Brutal. Foto: Rogério Fernandes

Projeto traz apresentações de 10 artistas curitibanas, curitibanos e paulistas nos dias 24 e 25 de outubro, sábado e domingo.

Enquanto a vacina não chega, Brasis no Paiol migra do icônico teatro curitibano para a sala da casa das/dos/des artistas. A segunda edição online do projeto traz 10 shows, distribuídos entre os dias 24 e 25 de outubro. Entre eles estão as rappers paulistas Mel Duarte, uma das idealizadoras do Slam das Minas SP, Monna Brutal e o Kiko Dinucci. De Curitiba, participam as compositoras Rubia Divino, Trio Armorial, Bruna Lucchesi, Hillbilly Rawhide, Wes Ventura, Louie R. e Tapuia Trio. As apresentações serão no canal do Projeto Brasis no Youtube, a partir das 18h, com direito a bate papo com as bandas no chat.

Com a alteração para o formato online, o Brasis no Paiol teve a oportunidade de quintuplicar o número de artistas participantes, possibilitando monetizar um dos setores da economia mais prejudicado pelo isolamento social. Uma das exigências do edital é que 70% das pessoas que se apresentem sejam de Curitiba, fomentando o setor cultural regional. A nova versão também aumentou a abrangência, já que em vez dos 220 ingressos por show, os shows poderão ser visto pelo público de qualquer lugar do mundo que tenha acesso à internet.

A primeira edição do Brasis em Casa, realizada nos dias 26 e 27 de setembro, contou com mais de 2 mil visualizações e as seis horas de shows e discotecagens estão disponíveis no no canal “Projeto Brasis” no Youtube. Ainda tem outros três fins de semana: 21 e 22 novembro, 18 e 19 de dezembro, 23 e 24 de janeiro.

Programação #BrasisEmCasa outubro

24 de outubro, sábado:
18h – Rubia Divino (PR)
18h30 – Trio Armorial (PR)
19h – Kiko Dinucci (SP)
19h30 – Bruna Lucchesi (PR)
20h – Hillbilly Rawhide (PR)

25 de outubro, domingo
18h – Mel Duarte (SP)
18h30 – Wes Ventura (PR)
19h – Monna Brutal (SP)
19h30 – Louie R. (PR)
20h – Tapuia Trio (PR)

Brasis no Paiol
Realizado em Curitiba desde 2012, o projeto Brasis no Paiol está em sua oitava temporada. Neste ano, com uma mudança no formato e no número de apresentações. Os shows saíram do tradicional Teatro do Paiol e passaram a ser transmitidos pela internet, em cinco edições mensais com 10 atrações em cada, de setembro a janeiro de 2021.

Realizado pelos produtores Bina Zanette (Santa Produção) e Heitor Humberto (Fineza Comunicação e Cultura), artistas de diferentes regiões do Brasil, bem como nomes da Curitiba, apresentam novidades, lançamentos, estreias e projetos especiais. Até hoje, já foram mais de 70 shows.

Em 2020, o projeto é realizado com o Projeto de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. Conta com o patrocínio do Ebanx e o apoio da Effex Tecnologia e Criação, Cliteriosa Comunicação e haharadio.

Serviço
Brasis em Casa
24 e 25 outubro, a partir das 18h.
Transmissão canal Projeto Brasis: https://bit.ly/youtubebrasis
Mais informações no evento: aqui 

fonte: Cliteriosa Comunicação No ponto

MACACO PLANETÁRIO – PRIMEIRO LANÇAMENTO / THIAGO ARAUJO


Macaco Planetário, álbum de Thiago Araujo. Uma coletânea de dez anos de composições variadas, uma salada eletrônica de estilos diversos e um compilado de estudos musicais. Vinte e cinco faixas únicas, de funk, hip-hop, dub, drum n bass e sons indefiníveis, com algumas colaborações inesperadas

texto/ fonte: Estupendamente Patético

00:00 – 1. Um Novo Horizonte de Esperança
02:51 – 2. Amostra Funk
06:28 – 3. Molejismo
10:23 – 4. Limitada Malemolência
13:28 – 5. Tema Para Um Filme Engraçado
15:27 – 6. Um Deserto Inteiro pra se Afundar
19:45 – 7. Enfrente Sempre
23:18 – 8. Atrás Nunca
26:19 – 9. Drumba Moog
28:31 – 10. Persistência
31:20 – 11. Fase Cabulosa
35:12 – 12. Batuque Apoteótico
37:14 – 13. Colaboração Marginal
40:06 – 14. Quando Bate Aquela Leseira
41:56 – 15. Lembrando de Você Num Dia de Chuva
43:30 – 16. Sons da Mata Mental
47:38 – 17. Free Jasco
52:02 – 18. Slow Slow Down
54:54 – 19. Herói do Suspense
55:56 – 20. Beat Repeat
57:57 – 21. Trecho de Paisagem 2 – Piano Caos
1:00:45 – 22. Trecho de Paisagem 4 – Ecos do Além
1:03:44 – 23. Trecho de Paisagem 5 – Contatos Aterrorizantes
1:05:42 – 24. O Agitado Mundo da Animação
1:08:12 – 25. Noite Animal

Arte de capa por Carolina Bee Araújo, siga-a no Instagram @carolina.bee.araujo

Facebook – fb.com/thiago.araujo.965580
Instragram – @lsd250
Twitter – @lsd2500
WhatsApp: 041 98888-2449

Está álbum é compartilhando de acordo com as diretrizes do CopyLeft. 
Você é livre para:
Compartilhar – copie e redistribua o material em qualquer meio ou formato Adaptar – remixar, transformar e construir sobre o material para qualquer finalidade, menos comercialmente.
Sob os seguintes termos:
Atribuição – você deve dar o crédito apropriado, fornecer um link para a licença e indicar se as alterações foram feitas. Você pode fazer isso de qualquer maneira razoável, mas não de qualquer forma que sugira que o licenciante endossa você ou seu uso.
Semelhança – Se você remixar, transformar ou desenvolver o material, deverá distribuir suas contribuições sob a mesma licença do original.

Considere fazer uma doação de qualquer valor direto para a conta (do Thiago) do Paypal: massademodelartransparente@gmail.com

Se inscreve e fortaleça o canal Estupendamente Patético

FCC LANÇA EDITAL PARA VIDEOCLIPES

Fundação Cultural de Curitiba lança edital, em caráter excepcional, para selecionar e apoiar financeiramente agentes culturais residentes em Curitiba que tenham Videoclipes (Solos ou Coletivos) na área da Música que, ao serem contemplados, venham a ser disponibilizados nas redes sociais da Fundação Cultural de Curitiba ou no Coreto Digital do Passeio Público – como forma de promoção e dinamização da economia da cultura no Município de Curitiba. INSCRIÇÕES ATÉ AS 12H DO DIA 21 DE SETEMBRO DE 2020.

Com relação às propostas de Videoclipes Coletivo, serão aceitas as produzidas até 15 de março de 2020, véspera da data na qual foi declarada Situação de Emergência em Saúde Pública no Município de Curitiba, em decorrência da infecção humana pelo novo Coronavírus (COVID-19), conforme disposto no Decreto Municipal nº. 421 de 16 de março de 2020.

Propostas elaboradas após 15 de março de 2020 com a participação de mais de um artista, gravadas em cenas individuais e editadas em um único material, deverão ser inscritas na categoria Videoclipes Solo.

Será disponibilizado para o presente Edital o valor de R$ 202.500,00 (duzentos e dois mil e quinhentos reais) destinados à contemplação de até 135 (cento e trinta e cinco) projetos, no valor R$ 1.500,00 (hum mil e quinhentos reais) cada.

As inscrições deverão ser realizadas no período entre as 18h do dia 16 de setembro de 2020 até as 12h do dia 21 de setembro de 2020, devendo o proponente respeitar os procedimentos estabelecidos neste Edital, aqui.