“TRAVA BRUTA”, SOLO DE LEONARDA GLÜCK SOBRE A VIVÊNCIA DA SUA TRANSEXUALIDADE NA REALIDADE BRASILEIRA, CHEGA A 30ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE TEATRO DE CURITIBA

Trava Bruta – Leonarda Glück – Foto Alessandra Haro.

Espetáculo estreou em São Paulo em dezembro de 2021 e marca os 25 anos de carreira da artista Leonarda Glück, que teve trabalhos apresentados em países da Europa e da América Latina

Após realizar estreia nacional na cidade de São Paulo e cumprir temporadas presencial e online no Centro Cultural São Paulo, o espetáculo “Trava Bruta”, solo escrito e encenado por Leonarda Glück com direção de Gustavo Bitencourt, faz duas únicas apresentações gratuitas no Festival de Teatro de Curitiba, dias 5 e 6 de abril, às 19h, em NOVO LOCAL, agora no Mini Guaíra, Rua Amintas de Barros, s/nº, centro de Curitiba. A entrada é gratuita e os ingressos começam a ser distribuídos às 18h, no teatro mesmo.

“Trava Bruta” é um manifesto que parte da experiência transexual da própria Glück para propor uma ponte e um embate entre o contexto artístico e a atual conjuntura política e social brasileira no que se refere ao campo da sexualidade. O trabalho marca as comemorações de 25 anos de carreira da artista e também o seu reencontro com o diretor Gustavo Bitencourt. Juntos os dois já desenvolveram criações em performance, dança e teatro, com destaque para Valsa Nº 6, montagem do texto de Nelson Rodrigues premiada pela Funarte em 2012, na ocasião do centenário do autor.

Leonarda, que hoje mora na capital paulista, começou a escrever o texto ainda em Curitiba, sua cidade de origem, onde fundou importantes coletivos do cenário teatral nacional como a Companhia Silenciosa e a Selvática Ações Artísticas. Seus trabalhos tratam de diversas temáticas, e já foram apresentados em vários países da Europa e América Latina, mas esta é a primeira vez em que a artista dedica uma criação exclusivamente à transexualidade: “Me veio uma possível angústia repentina de talvez não ter conseguido em outro momento antes escrever tão intimamente sobre o assunto da transexualidade, e seus efeitos na minha mente e na vida social da qual faço parte”, diz Leonarda.

Sobre o processo de direção do espetáculo, Gustavo Bitencourt conta que percebeu o quanto o texto fala de vivências que dizem respeito a todos, e não somente às relacionadas a transexualidade no Brasil: “É importante que a gente olhe tanto para o que tem de específico nesse contexto do qual ela fala, quanto para onde essa história se conecta com outras tantas”. Partindo daí, ele entendeu o texto de “Trava Bruta” como uma auto-ficção, gênero literário e teatral que combina autobiografia com ficção.

Leonarda e Gustavo, então, se encontraram no conceito, como nos diz o diretor: “Ficção que é o que eu pesquiso, é a minha profissão  – como drag queen, que é o que eu faço da vida há 12 anos – e é uma necessidade básica de qualquer ser humano. Humano precisa de ficção pra viver, e em diferentes medidas, com diferentes graus de comprometimento e de risco, todo mundo vai dando um jeito de concretizar”, destaca.

Para Gustavo, o ponto chave da ideia no trabalho encontra-se no fato de que “algumas ficções são permitidas e outras não. Quando se trata de gênero, as pessoas tendem a ficar muito assustadas”. Leonarda complementa: “chego aqui com a certeza de que o herói macho branco, heterossexual, cristão e suas ideias precisam urgentemente ser substituídos, trocados ou mesmo revisitados por outros ângulos. Estão chatos. De alguns eu ainda gosto muito, mas estão chatos.”

A participação de Leonarda, Gustavo e da Pomeiro no Festival marca, também, o retorno dos artistas à cidade: por muitos anos os três integraram eventos variados dentro do Festival (como o Fringe, a Mostra Oficial, a Mostra Novos Repertórios, a Curitiba Mostra e outras). Embora suas obras mais recentes tenham estreado em outros municípios do país nos últimos anos, boa parte de suas trajetórias foi consolidada em Curitiba.

O espetáculo chega à capital paranaense integrando a edição comemorativa de 30 anos do Festival de Curitiba, dentro do Interlocuções,  uma das ações do evento, a convite da curadoria de Giovana Soar e Celso Curi.

Sobre os artistas:
Leonarda Glück é atriz, dramaturga e diretora curitibana radicada em São Paulo. Co-fundadora da Companhia Silenciosa e do Coletivo Selvática. Graduada em Direção Teatral pela Faculdade de Artes do Paraná (FAP). Tem mais de vinte textos encenados por diferentes grupos, companhias e artistas brasileiros e internacionais de diversas linguagens artísticas. Publicou A Perfodrama de Leonarda Glück – Literaturas Dramáticas de Uma Mulher (Trans) de Teatro, coletânea com seis textos teatrais. Para maiores informações acesse www.leonardagluck.com

Gustavo Bitencourt é diletante profissional, nascido e residente em Curitiba, Paraná. Estudou Letras na UFPR. Atua em diversos campos artísticos e tem na indisciplinaridade uma das principais características de seu trabalho. Trabalha como ilustrador, designer gráfico, redator e tradutor, performer, ator, diretor de teatro, drag queen, crítico de arte e já compôs trilhas para teatro, dança e vídeo.

SERVIÇO
TRAVA BRUTA.
Dias 5 e 6 de abril, às 19h.
Mini Guaíra, Rua Amintas de Barros, s/nº, centro de Curitiba.
A entrada é gratuita e os ingressos começam a ser distribuídos às 18h, no próprio teatro.
18 Anos, 70 Minutos.

FICHA TÉCNICA
Criação, texto e interpretação: Leonarda Glück
Direção: Gustavo Bitencourt
Direção de produção: Igor Augustho
Trilha original: Jo Mistinguett
Luz: Wagner Antônio
Assistente de iluminação: Dimitri Luppi
Criação em vídeo e projeções: Ricardo Kenji
Figurino: Fabianna Pescara e Renata Skrobot
Fotografias: Alessandra Haro
Assessoria de imprensa São Paulo: Pombo Correio
Assessoria de imprensa Curitiba: Platea Comunicação e Arte
Realização e produção: Pomeiro Gestão Cultural

MOSTRA MUSICAL RITMOS SERÁ TRANSMITIDA GRATUITAMENTE PELO YOUTUBE DO TEATRO AVE LOLA

A 2ª edição da mostra conta com seis clipes musicais inéditos para crianças.

O projeto musical Ritmos do Coração estreia a Mostra Ritmos que acontece de 9 a 25 de novembro, gratuitamente, no YouTube do Teatro Ave Lola, sempre às 20h de terças e quintas. Voltada para o público infantil e produzida especialmente para crianças atendidas pelo Hospital Pequeno Príncipe, a 2ª edição da Mostra Ritmos acontecerá de forma online e exibirá seis clipes inéditos de composições autorais criadas pela banda Ritmos, formada para a mostra.

A banda Ritmos é composta por Arthur Jaime, Breno Monte Serrat, Gabriela Bruel e Joã Klübler que compuseram de forma coletiva as músicas Andina, Lembranças de Milton, Valsa-Landó, Lambada, Maracatu e Chamamé. Os clipes musicais seguem uma narrativa que mostra uma banda que toca e se diverte em apresentações por lugares inspiradores como à beira de um lago colorido ou em uma floresta noturna. Também participaram dos vídeos as atrizes Ailén Roberto e Helena Tezza que fazem o papel de roadies da banda e o ator mirim Bernardo de Lima Lobo que interpreta um garotinho que ama música.

A Mostra Ritmos fecha a programação do projeto Ritmos do Coração que iniciou em setembro deste ano com um show e dois clipes inéditos de composições criadas por Gilson Peranzzeta e Davi Sartori unicamente para o projeto. As apresentações online circularam pelos canais de YouTube dos Teatro Guaíra (PR), Teatro Riachuelo (RJ) e por último no YouTube do Teatro Ave Lola com a mostra musical.

O projeto “Ritmos do Coração” foi viabilizado pela Lei de Incentivo à Cultura e é uma realização da CGC-CSA e da Secretaria Especial da Cultura, do Ministério do Turismo. Patrocínio: Facchini, Sideral Linha Aéreas, DHL, Ciapetro, Expresso Azul, Disam, Fobras, Austral, ID Digital, Frameport, Oliveira Trust, Schattdecor, Alcast, Plast Pack, Bianchi, Delta Cable, Serdia. Instituição Beneficiada: Hospital Pequeno Príncipe (HPP).

SERVIÇO
2ª MOSTRA RITMOS
Acesso: Gratuito
Classificação indicativa: Livre para todos os públicos
Link:  https://www.youtube.com/avelolacultural
Quando: 9 a 25 de novembro, terças e quintas, às 20h

Ave Lola – Espaço de Criação
www.instagram.com/ave_lola

Contato de Imprensa: Jamilssa Melo | 92-98161-1848

NENA INOUE FAZ TEMPORADA ONLINE, GRATUITA E COM TRADUÇÃO EM LIBRAS DO PREMIADO SOLO “PARA NÃO MORRER”

Nena Inoue. Foto: Lidia Ueta

O espetáculo visto por mais de 27 mil pessoas, rendeu à Nena o Prêmio Shell 2019 de Melhor Atriz no Rio de Janeiro, além do Troféu Gralha Azul de Melhor Atriz em 2017. Agora em versão on-line, gratuita e com tradução em Libras, a gravação da obra segue todos os protocolos de saúde e além das apresentações, o projeto oferece debates e oficinas abertas para o público

A atriz Nena Inoue fará uma temporada online com 15 exibições do espetáculo “Para Não Morrer”, sendo 5 abertas e gratuitas para o público nos dias 3, 4, 5, 11 e 12 de setembro às 20h, e 10 fechadas e exclusivas para entidades e coletivos de apoio à mulheres, instituições, movimentos sociais, associações de professores e de classe, além do público feminino que se encontra em isolamento social mesmo antes da pandemia, como presidiárias e idosas em asilos. Todas as exibições online possuem tradução em Libras e serão seguidas de um debate ao-vivo com o público a partir da obra apresentada, também com tradução simultânea em Libras.

As 5 apresentações abertas serão exibidas nas páginas do Espaço Cênico e dos parceiros Brasil de Fato, MST Nacional, Bicicletaria Cultural e Mães pela Diversidade. E para quem quiser se inscrever e receber o link da exibição e debate por e-mail momentos antes da exibição, basta fazer uma inscrição simples e gratuita pela plataforma: https://bit.ly/32tW6Wn

Dentro do contexto da pandemia, a atriz e produtora cultural Nena Inoue trabalhou para que todas as mudanças necessárias fossem feitas e adaptou o projeto para cumprir temporada on-line respeitando o distanciamento social: “Neste momento pandêmico, onde os trabalhadores da cultura se encontram impedidos de trabalhar e temos milhões de artistas e técnicos desempregados no Brasil, me propus a atuar da forma possível e, respeitando o isolamento social, a forma de seguir e levar nosso teatro ao público neste momento é via on-line, então se assim é, assim será. Consegui também manter a proposta de trabalho inicial e levar este trabalho a comunidades menos favorecidas, incluindo mais profissionais ao projeto – como registros de vídeo, transmissões, além de locação de um espaço teatral parceiro (o Ave Lola) – estamos nos movendo e criando caminhos para continuar, possibilitando trabalho e remuneração aos nossos profissionais do teatro”, afirma a artista.

Em cena e online, Nena se transforma numa mulher ancestral e onipresente, que se apropria da palavra e traz à memória várias personagens históricas: mulheres negras, indígenas, guerrilheiras, mães, avós, filhas, de diferentes épocas e lugares que foram violentadas, torturadas, assassinadas e esquecidas.

A obra está em cartaz desde 2017 e já foi assistida por mais de 27.000 pessoas. Sobre o espetáculo, o crítico teatral do jornal “O Globo”, Patrick Pessoa, escreveu: “Nena Inoue transforma luto em luta… espetáculo para não perder”. O solo conta com dramaturgia de Francisco Mallmann a partir da obra “Mulheres”, do uruguaio Eduardo Galeano (1940-2015). A encenação concebida por Nena, tem direção de texto de Babaya e apresenta temáticas femininas e feministas atreladas a questões histórico-políticas, especialmente da América Latina.

O projeto foi adaptado para que as apresentações online e debates ofereçam uma experiência enriquecedora para o público e foi produzida de forma segura para artistas e técnicos, seguindo todos os protocolos de segurança de saúde para a gravação do espetáculo.

Além das 5 apresentações abertas e das 10 apresentações fechadas para instituições parceiras, o projeto prevê debates posteriores às exibições do espetáculo – que se transformarão em uma série de podcasts – além de 11 Oficinas de Iniciação Teatral, direcionadas gratuitamente ao público que assistir ao espetáculo, que acontecerão de forma on-line, no decorrer de setembro e outubro.

Lembrando que 5 de todas as exibições online são gratuitas e abertas, e podem ser assistidas nas páginas do Espaço Cênico (03/09) e nas páginas dos parceiros Brasil de Fato (04/09), MST Nacional (05/09), Mães pela Diversidade (11/09) e Bicicletaria Cultural (12/09). E para que o público interessado possa se programar e ser avisado na data e horário da exibição, é necessário o cadastro gratuito no link: https://bit.ly/32tW6Wn

Serviço:
Exibições online, gratuitas e com tradução em Libras do espetáculo “Para Não Morrer”, seguidas de debate com o público.
Exibições GRATUITAS e abertas nos dias 03, 04, 05, 11 e 12 de setembro às 20h. 
Inscrição online e gratuita via site: https://bit.ly/32tW6Wn

Também é possível assistir as exibições nas páginas:
03/09: Espaço Cênico – www.facebook.com/espacocenicocuritiba
04/09: Jornal Brasil de Fato – www.facebook.com/brasildefato
05/09: MST Nacional – www.facebook.com/MovimentoSemTerra
11/09: Mães pela Diversidade – www.facebook.com/MaespelaDiversidade
12/09: Bicicletaria Cultural – www.facebook.com/bicicletariacultural

As exibições GRATUITAS e fechadas para parceiros acontecerão nos dias:
28/08 e 6, 7, 10, 12, 13, 14, 16, 18, 19/09.

Nena Inoue. Foto: Luísa Bonin.

Sobre Nena Inoue:
Nascida em Córdoba (Argentina) e desde os nove anos no Brasil, Nena Inoue é artista gestora, produtora, diretora teatral e atriz formada em 1978 pelo Curso Permanente de Teatro do Centro Cultural Teatro Guaíra. Completando 40 anos de carreira, contabiliza mais de 80 espetáculos profissionais e atua ainda como Coordenadora do Espaço Cênico desde 1997. Esteve na mesma função por nove anos (2000 a 2009) ao lado de Luís Melo no ACT – Ateliê de Criação Teatral, espaço que realizou e abrigou distintos trabalhos de caráter multiárea. Foi também Diretora Artística do Centro Cultural Teatro Guaíra (2003 a 2006); produtora da Sutil Companhia de Teatro (2008 a 2010) e, desde 2009, tem sua produção artística voltada às temáticas de caráter histórico-político-social.

Sobre o espetáculo:
Até o momento realizou 250 apresentações com um público aproximado de 27.000 pessoas. Estreou no Festival de Curitiba/Mostra Oficial, em abril de 2017 e nesse ano fez temporadas em Curitiba, no Teatro José Maria Santos, Ave Lola Espaço de Criação, Espaço Fantástico das Artes e em São Paulo, no SESC Pinheiros/SP. Apresentou-se nos festivais FILO – Festival Internacional de Londrina, no SINGA-Simpósio Internacional de Geografia Agrária e na Mostra SÓ EM CENA, de Maringá. Em 2018 no FICA Natal – Festival Internacional de Natal, no III Curitiba Mostra/Festival de Curitiba e temporadas no Teatro Poeirinha (RJ) e Teatro Guaíra (PR) e circulação pelo SESC PR nas cidades de Londrina, Maringá, Cascavel, Paranavaí e Ponta Grossa. Em 2019 apresentações no SESC Ginástico (RJ), no Teatro Municipal de São João del Rey, Mostra Resistências em São José do Rio Preto, no Teatro do SESI de São José dos Pinhais, Circulação SESC SC em 8 cidades (Florianópolis, Blumenau, Itajaí, Joinville, Jaraguá do Sul, Concórdia, Laguna, Lages; duas temporadas no Teatro Lala Schneider e participou do Festara – Festival de Teatro de Araçatuba. EM 2020 apresentou-se no SESC São José dos Campos.

Premiações: Prêmio Troféu Gralha Azul 2017 de Melhor Atriz e Prêmio Shell 2019 de Melhor Atriz.

FICHA TÉCNICA:
Dramaturgia: Francisco Mallmann, à partir da obra de Eduardo Galeano
Direção e Atuação: Nena Inoue
Direção de Texto: Babaya Morais
Iluminação: Beto Bruel
Figurino: Carmen Jorge
Cenário: Ruy Almeida
Gravação: Alan Raffo e Lidia Ueda
Técnico Operador: Vinícius Sant
Identidade Visual: Martin Castro
Fotografias: Elenize Deszgeniski, Lidia Ueta, Marcelo Almeida, Raquel Rizzo, Luísa Bonin
Assessoria de Imprensa e Mídias Sociais: Luísa Bonin e Thays Cristine – Platea Comunicação e Arte
Vídeos Redes Sociais: Diego Florentino – Trópico TV
Produção: Guilherme Jaccon
Assistencia Produção: Lidia Ueta
Administração: Judy Fiorese
Direção de Produção: Nena Inoue
Realização: Espaço Cênico

“PROJETO REALIZADO COM O APOIO DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA”

Realização:
Espaço Cênico
Incentivo:
EBANX
Incentivo:
Lei de Incentivo à Cultura
Fundação Cultural de Curitiba
Prefeitura de Curitiba

ORQUESTRA SINFÔNICA DO PARANÁ APRESENTA TRILHA SONORA DE “2001: UMA ODISSEIA NO ESPAÇO”

Espetáculo acontece no dia 15 de março para o público em geral e nos dias 10 e 11 exclusivamente para alunos do Ensino Básico

Em uma galáxia distante, a evolução humana acontece. Do macaco surge o homem, que avança anos e anos à frente, dando espaço à tecnologia, à inteligência artificial, à vida extraterrestre e ao realismo científico. Esse é o cenário da história de “2001: Uma Odisseia no Espaço”, do diretor, produtor e roteirista Stanley Kubrick. Efeitos especiais pioneiros, imagens ambíguas que se aproximam do surrealismo, e as composições clássicas e eruditas que compõem a trilha sonora, tornam o resultado memorável. Para homenagear esse grande clássico do cinema, o IAOSP e a Orquestra Sinfônica do Paraná realizam a 3ª edição da série Clássicos Universais com o concerto “Assim Falou Kubrick”. O espetáculo acontece dia 15 de março, 10h30, no Teatro Guaíra a preços populares. O projeto é patrocinado pelo Grupo Positivo, e integra a série Clássicos Positivo, programação anual de incentivo à musica erudita realizada pela instituição. Nos dias 10 e 11 de março serão promovidos os ensaios abertos para as crianças das redes pública e privada de ensino, no Grande Auditório do Teatro Positivo.

O enredo é singular, ele é o fio condutor de uma das obras mais influentes da história do cinema. O concerto será regido pelo maestro titular Stefan Geiger, alemão que está à frente da Orquestra Sinfônica do Paraná, e serão executadas quatro obras da trilha sonora do filme “2001: Uma Odisseia no Espaço” e uma faixa bônus, composta por John Williams para o filme “Contatos Imediatos de Terceiro Grau”.

2001: Uma Odisseia no Espaço
O filme é enigmático e a ausência de diálogos é substituída por grandes trilhas sonoras que geram ao espectador a reflexão para a temática profunda e intrigante sobre as relações humanas com a tecnologia. Kubrick previu em 1978 como seria a relação do homem com os recursos tecnológicos e, sutilmente, faz uma crítica de como o ser humano pode estragar o lado positivo dos recursos conquistados por ele mesmo. Um simples pensamento – Tal como o macaco enxergou o osso como uma arma para matar, assim também o homem viu a tecnologia, como uma ferramenta para o seu próprio malefício. O silêncio do espaço traz a cada cena pequenas e grandes pausas e, com isso, a ação dos personagens é recheada pela música que traz movimento e intensidade à narrativa.

Compositores
Os compositores das trilhas sonoras são: György Ligeti, Aram Kachaturian, Richard Strauss, Johann Strauss II e John Williams. O húngaro György Ligeti foi um dos compositores de vanguarda mais importantes da segunda metade do século XX. Junto a Boulez, Berio, Stockhausen e Cage, é considerado uma das mais inovadores e influentes figuras do mundo musical de seu tempo. Seus trabalhos iniciais foram influenciados por seus conterrâneos Bela Bartók e Zoltán Kodály e, como eles, Ligeti estudou e transcreveu diversas obras de música folclórica húngara. Já Aram Kachaturian foi um compositor armênio nascido em Tbilisi, Georgia. Junto com Sergei Prokofiev e Dmitri Shostakovich, Kachaturian é considerado um dos grandes compositores do período soviético. Seu nome é reconhecido ao redor do mundo e suas composições são apresentadas em diversos países, sobretudo as obras “Dança do Sabre” e o ballet “Gayane”, cujo adágio será apresentado pela Orquestra Sinfônica do Paraná neste concerto.

Outro destaque é Richard Strauss, que demonstrou aptidão musical desde a tenra idade. Ele expandiu os limites da composição orquestral conhecidos até então, com trabalhos como Don Juan (1888-1889), Ein Heldenleben e Assim Falou Zaratustra (1895-1896). Esta última obra, que será apresentada no concerto pela Orquestra Sinfônica do Paraná, foi utilizada por Stanley Kubrick para a abertura do filme 2001, combinação que culminou em uma das cenas mais emblemáticas da história do cinema.

Já a composição escolhida por Kubrick para ilustrar as extensas cenas de estações espaciais e suas aterrissagens lunares em 2001: Uma Odisseia no Espaço foi a valsa Danúbio Azul, de Johann Strauss. O foco da obra do compositor austríaco foram as danças e operetas. Strauss compôs mais de 500 valsas, fato que o rendeu a alcunha de “Rei das Valsas”.

O último compositor presente no repertório é o estadounidense John Williams, que nasceu em Nova Iorque em 1932. Desde a década de 1970, Williams elaborou a trilha sonora de mais de 100 filmes: Tubarão (1975), todos da série Star Wars, E.T. (1982), A Lista de Schindler (1993), e Contatos Imediatos de Terceiro Grau (1978). Foi ganhador de cinco Oscars e recebeu um número recorde de nominações.

A popular música clássica
Idealizado para cumprir um dos principais objetivos do Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná – democratizar a música clássica – o projeto Clássicos Universais traz, em cada edição, obras consagradas mundialmente. São apresentações com composições que, de alguma forma, já permeiam o imaginário popular. “Um dos nossos grandes diferenciais é que a OSP executará obras de música contemporânea que raramente são executadas no Brasil. São obras que promovem novas abordagens às noções tradicionais de música, como harmonia e ritmo. O maior exemplo disso é a peça Atmosphères, do compositor Húngaro Gyorgy Ligeti, que usa elementos de composição musical baseados em texturas e micropolifonias. São novas formas de se pensar a música, que coincidem com uma nova forma de se fazer cinema, proposta por Kubrick”, explica a advogada e produtora cultural Marcella Souza, membro da diretoria do IAOSP.

Para cumprir este propósito, às 10h30 do dia 15 de março, serão abertas as portas do Teatro Guaíra com ingressos a R$ 20,00 e R$ 10,00 que, desde já, podem ser adquiridos pelo Ticket Fácil (www.ticketfacil.com.br). Além do patrocínio do Grupo Positivo, o concerto tem o incentivo do Ministério da Cidadania, Secretaria Especial da Cultura e Governo Federal por meio da Lei Rouanet.

Serviço
Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná e Grupo Positivo apresentam:
Série Clássicos Universais – Assim Falou Kubrick
Data: 15 de março
Hora: às 10h30
Classificação: livre
Ingressos: R$ 20 (inteira) | R$ 10 (meia)
Local: Teatro Guaíra
Endereço: Rua Amintas de Barros, S/N – Centro De Curitiba
Página do evento, aqui
Informações: 
www.apoiosinfonicaparana.com.br 
contato@apoiosinfonicaparana.com.br

Sobre o Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná
ste espetáculo marca a continuidade das atividades Instituto de Apoio à Orquestra Sinfônica do Paraná – IAOSP, associação civil sem fins lucrativos que atua em prol da Orquestra Sinfônica do Paraná e da música clássica paranaense. Criado em 2016 por iniciativa do maestro Stefan Geiger e de entusiastas apoiadores da arte e da cultura paranaense, o IAOSP tem o objetivo de viabilizar projetos e atividades em parceria com instituições, públicas e privadas, comprometidas com a valorização e fomento da música erudita. A associação visa, ainda, facilitar a captação de recursos para a manutenção e divulgação de uma programação anual sólida para a Orquestra Sinfônica do Paraná. Assim, pretende proporcionar à sociedade uma série de eventos relacionados à conservação, difusão e engrandecimento desta manifestação artística de representatividade ímpar para o Estado do Paraná. É, portanto, necessária e bem-vinda a participação da sociedade civil para a consecução de suas finalidades.

Para mais informações, acesse www.apoiosinfonicaparana.com.br , o facebook e instagram do Instituto @apoiosinfonicaparana ou envie um e-mail para contato@apoiosinfonicaparana.com.br 

Sobre a Orquestra Sinfônica do Paraná
Fundada em 28 de maio de 1985, a Orquestra Sinfônica do Paraná é um dos quatro corpos estáveis do Centro Cultural Teatro Guaíra. Atualmente o maestro-titular é Stefan Geiger, eleito em 2016 pelos músicos e reeleito em 2018. A OSP é mantida pelo Governo do Estado do Paraná, uma orquestra que pertence a todos os paranaenses.

Sobre o Grupo Positivo
O Positivo nasceu em 1972 a partir da ideia uma equipe de professores que criaram um curso pré-vestibular inovador. Hoje, a marca Positivo consolidou a sua liderança em todas as suas áreas de atuação: Ensino, Soluções Educacionais, Cultura, Tecnologia e Gráfica. Por meio da sua Divisão de Ensino, o Grupo atua desde a Educação Infantil até o Ensino Superior com aproximadamente 52 mil alunos. De acordo com a Revista Amanhã, o Positivo é a maior empresa do setor de educação do Sul do país. Mais de 1 milhão de alunos utilizam os sistemas de ensino da Editora Positivo, em escolas públicas e particulares, no Brasil e no Japão. Mais de 40 países utilizam soluções desenvolvidas pela divisão de Tecnologia Educacional da Positivo Tecnologia. A Posigraf, uma das maiores gráficas da América Latina, imprime e distribui mais de 50 milhões de livros por ano. Na área cultural, tem sete espaços em atividade. O Grupo conta ainda com o Instituto Positivo, que desenvolve ações voltadas para a melhoria da educação pública.

ESPETÁCULO HOJE É DIA DE ROCK MARCA COMEMORAÇÕES DOS 50 ANOS DO TEATRO IPANEMA

Após a temporada de estreia em Curitiba, o espetáculo Hoje é Dia de Rock, escrita por José Vicente e dirigida por Gabriel Villela, retorna ao palco do Teatro Ipanema, no Rio de Janeiro, o mesmo que abrigou a montagem da peça em 1971.

Em nova turnê, a primeira apresentação na casa reuniu, no dia 2 de março, um grande público, marcando o início das comemorações pelos 50 anos do Teatro Ipanema em 2018. O espetáculo e a circulação é uma realização do Teatro de Comédia do Paraná – Governo do Paraná, Secretaria de Estado da Cultura e Centro Cultural Teatro Guaíra, em parceria com a Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra – ABABTG.

Cronograma de circulação do espetáculo Hoje é Dia de Rock:

De 2 a 19 de março – quinta a segunda, às 20h
Rio de Janeiro – Teatro de Ipanema

Dia 25 de março – 20h
Cascavel – Teatro Municipal Sefrin Filho

Dia 28 de Março – 21h
Curitiba – Guairinha (Festival de Curitiba)

Dia 7 de abril – 20h
Ponta Grossa – Cine Teatro Ópera

Dia 11 de abril – 20h
Apucarana – Cine Teatro Fênix

Dia 14 de abril – 20h
Londrina – Teatro Ouro Verde

Dia 18 de abril – 20h
Toledo – Teatro Municipal de Toledo

Dia 21 de abril – 20h
Foz do Iguaçu – Teatro Barracão

De 26 a 29 de abril – quinta a sábado às 20h30 e domingo às 19h
Curitiba – Guairinha

www.ababtg.org.br/
www.facebook.com/ababtgoficial

ABABTG – Fundada em 2007, a Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra surgiu para fortalecer a dança e demais artes motivando uma ligação sinérgica entre os setores público e privado. Para tanto, tem desenvolvido projetos culturais que promovam ações de formação, atualização, divulgação e fomento da dança, em suas diversas linguagens. A formação de público e o apoio à gestão de carreira de seus associados bailarinos, ex-bailarinos e apoiadores do Balé Teatro Guaíra também estão entre os compromissos da ABABTG. Formalizada como uma agremiação artística e cultural de caráter civil e personalidade jurídica e recentemente qualificada como Organização Social, a Associação tem demonstrado uma atividade intensa desde a sua fundação. Entre os seus principais eventos está a Mostra Paranaense de Dança, realizada anualmente em diferentes cidades do Estado para incentivar e valorizar bailarinos e grupos amadores e promover apresentações profissionais a preços populares.

Na foto, da esquerda para a direita, Bartolomeu, irmão de José Vicente, a atriz Silvia Buarque, o diretor Gabriel Villela, o ator Eriberto Leão, João Luiz Fiani, Secretário de Estado da Cultura do Paraná, o ator Malvino Salvador, a atriz Malu Valle e José Vedova, Diretor do Teatro Ipanema, durante estreia do espetáculo Hoje é Dia de Rock, no Teatro Ipanema, no Rio de Janeiro

MONSTRUOSA COMPANHIA DE TEATRO APRESENTA DRAMATURGIA INCLUSIVA COM A OBRA “CACHORRO”, DE DEA LOHER

O grupo curitibano Monstruosa Companhia de Teatro prepara a obra dramatúrgica alemã “Cachorro” para a primeira temporada no Mini Guaíra. A proposta inclui um projeto de acessibilidade para espectadores com deficiência visual com o apoio do Instituto Paranaense de Cegos (IPC), e é fruto da pesquisa de Juliana Partyka. O texto é ainda uma homenagem a um dos artistas visuais mais conhecidos mundialmente: Alberto Giacometti.

“Cachorro” foi escrita por Dea Loher como uma espécie de homenagem ao escultor Alberto Giacometti, costurando elementos da biografia do artista, e reinventando-os nas duas figuras do texto: dois seres abandonados pela sorte, ironicamente ligados por um artista ausente – ao qual estão ‘presos’, cada um a seu modo. Dea Loher coloca a personagem no lugar de vítima, e o ladrão na
posição poética do artista. Ao fazer isto, coloca em questão – e em tensão – o próprio lugar da arte em nosso tempo.

A peça será apresentada de 08 a 25 de março e conta com três sessões acessíveis ao público com deficiência visual, nos três domingos da temporada. “Valendo-se de percepções sensoriais, oferece uma experiência teatral sugestiva, e diferente daquela oferecida pela áudio-descrição. Busca-se provocar o repertório individual e particular de cada um, através do contato direto com o espetáculo”, explica Juliana Partyka.

As sessões acessíveis incluem uma dinâmica interativa, com entrada antecipada das pessoas com deficiência visual, apresentação e contato com cenários e figurinos, e a inserção dos elementos verbais descritivos no próprio corpo do espetáculo. “Cachorro” conta com a consultoria de Hellen Mieko Hamada, deficiente visual, que auxilia nos assuntos relacionados a este tema específico de inclusão.

A Monstruosa Companhia de Teatro nasceu de uma pesquisa de dramaturgia inclusiva para pessoas com deficiência visual. Com início em 2016, realizou suas primeiras apresentações no Festival de Curitiba de 2017. Desde então, o grupo se abriu para receber diretores e artistas convidados e, desta forma, expandir o pensar e fazer teatro contemporâneo em especial na acessibilidade da arte.

SINOPSE:
Cachorro é uma peça curta, cerca de uma hora, quase uma miniatura se comparada com as grandes peças de Dea Loher. Escrita como uma pequena homenagem ao escultor Alberto Giacometti, a peça costura elementos da narrativa de Jean Genet sobre ele, em O Atelier de Giacometti, e parece ecoar também os retratos de A última modelo, de Franck Maubert, sobre ‘Caroline’, tida como a última musa do artista. Dea Loher costura estes elementos, reinventa-os e os condensa nas duas figuras do texto: dois seres abandonados pela sorte, ironicamente ligados pelo artista sempre ausente. Ao confundir a modelo com a vítima e o ladrão com o artista, Dea Loher produz uma ácida reflexão sobre o sentido da arte em um mundo distópico.

SERVIÇO:
Cachorro, de Dea Loher. Com Fábio Costa e Juliana Partyka. Iluminação de Lucas Mattana. Cenários e Figurinos de Paulo Vinícius. Direção de Márcio Mattana. Realização da Monstruosa Companhia de Teatro. De 08 a 25 de março, de quinta a domingo, às 20 horas. Miniauditório do Teatro Guaíra, centro de Curitiba. Ingressos a R$30 e R$15.

CARTOGRAFIA, POR ANA FERREIRA ::: HOJE, QUARTA, 21 DE FEVEREIRO!!!

Cartografia” funciona assim: você vai ao saguão do Teatro Guaíra (em Curitiba) levando o seu rádio FM e seu fone de ouvido. Só lá você vai conseguir sintonizar a nossa rádio, que emite ondas de curto alcance. 

Aí você vai acompanhar uma narrativa em áudio enquanto é convidado a olhar para o espaço público através dos vidros. 

O que se passa lá? A vida, a cidade, as pessoas ocupando o espaço conforme o modo que acreditam precisar dele, talvez uns artistas intervindo ali, talvez isso seja coisa da sua cabeça pois-o-povo-é-louco-mesmo-e-isso-super-acontece-o-tempo-todo, definitivamente uns artistas intervindo ali, definitivamente este povo é louco, definitivamente nada disso faz sentido, definitivamente as pessoas procuram sentido em tudo e ocupam os espaços conforme o sentido no qual acreditam, definitivamente o-que-se-passou-e-como-há-de-terminar, definitivamente?

Programe-se: apenas dias 20 e 21 de fevereiro (terça e quarta) às 15h e com entrada franca. 

LEMBRE-SE DE LEVAR O SEU RÁDIO (pode ser um player ou mesmo seu celular se ele tiver captação de ondas FM). 

O acontecimento integra a programação da Bienal Internacional de Curitiba em seu Circuito de Galerias. É um dos fragmentos da “Obra em Progresso”, projeto que dialoga com o livro “Finnegans Wake” de James Joyce e que já apresentou as performances “Streaming” (via Facebook) e “Sobreposição” (na Airez Galeria). “Cartografia” dá segmento à pesquisa de formas de relação com o espectador através de outras utilizações de espaços e dispositivos. 

Concepção e criação: Ana Ferreira
Artistas infiltrados no espaço público: surpresa! 
Artistas convidados para a narração em áudio: também! 
Produção: Ana Rivelles 
Foto de divulgação e arte gráfica: Guilherme Zawa
Realização: Agora Coletivo, Airez Galeria e Bienal Internacional de Curitiba. 
Apoio: Centro Cultural Teatro Guaíra e Mabu Hotéis & Resorts 

Serviço
Cartografia, por Ana Ferreira
Data:  20 de fevereiro e 21 de fevereiro (quarta-feira), das 15h às 16h
Entrada gratuita

Confira a página do evento, aqui

BTG EMBARCA RUMO À ALEMANHA NESTE DOMINGO (26)

Créd. Cayo Vieira

Pela primeira vez em sua trajetória, o Balé Teatro Guaíra representa o Paraná em turnê por terras germânicas

O Centro Cultural Teatro Guaíra vive uma fase áurea. No mesmo mês em que o tradicional Teatro de Comédia do Paraná retorna à ativa com direção de Gabriel Vilela em “Hoje é Dia de Rock” e a Orquestra Sinfônica do Paraná estreia com nova formação dando a largada para uma série de concertos sob a regência do maestro titular Stefan Geige; o Balé Teatro Guaíra, por sua vez, embarca 11 de seus bailarinos para uma circulação inédita por nove cidades alemãs neste domingo (26). A viagem internacional, na verdade, dá sequência a uma série de projetos que a companhia tem colocado em prática.

O ano de 2017 tem dado ao BTG a oportunidade de reforçar uma de suas missões já tão conhecidas: levar a arte paranaense para além das fronteiras da capital e do Estado. A turnê do espetáculo Carmen pelo Nordeste do Brasil no mês de outubro é um exemplo. A montagem foi aclamada na Bienal de Dança do Ceará (em Fortaleza) e no Festival Cena Cumplicidades (no Recife) após estreia em Curitiba com o acompanhamento da Orquestra Sinfônica do Paraná.

Em novembro, foi a vez de o BTG lotar a plateia do Guairão com a apresentação de “Balé Teatro Guaíra dança Wachter, Winkler e Scafati”, espetáculo decorrente do trabalho de três coreógrafos internacionais junto aos bailarinos da companhia por meio do projeto BTG X Alemanha. A montagem abriu as portas para a companhia seguir em turnê por terras germânicas com embarque previsto para este domingo (26). A companhia só havia se apresentado na Europa uma única vez, em 1984, na cidade de Lisboa, com O Grande Circo Místico.

De acordo com Cintia Napoli, diretora do BTG, a companhia encontra-se em um momento de importante representatividade no cenário nacional e há muito o que se comemorar com a viagem deste domingo: “estamos prestes a levar um pouco da nossa história para lugares distantes e retornar com ricas impressões da cultura europeia. Trata-se de um intercâmbio cultural de grande valor, tanto para o Balé Teatro Guaíra, que artisticamente se fortalecerá com esta intensa troca cultural, como para o espectador de forma geral”.

O BTG vai embarcar com 15 pessoas (entre bailarinos e equipe técnica) às 19h45, no Aeroporto Afonso Pena. O projeto BTG X Alemanha é decorrente da parceria entre o Centro Cultural Teatro Guaíra, a Asssociação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra – ABABTG, o Internationales Solo-Tanz-Theater Festival Stuttgart e a SoloConnection.

Turnê pela Alemanha
Balé Teatro Guaíra dança Wachter, Winkler e Scafati

· Cidade: Karlsruhe.
Data: 28/11. Local: TANZ Karlsruhe – Staatstheater – Kleines Haus

· Cidade: Stuttgart.
Data: 29/11. Local: TREFFPUNKT Rotebühlplatz

· Cidade: Regensburg
Data: 01/12. Local: Regensburger Tanztage –Theater Universität

· Cidade: Ulm
Data: 02/12. Local: Theater Ulm – Podium

· Cidade: Lindau
Data: 03/12. Local: Theater Lindau

· Cidade: München
Data: 5 e 6/12. Local: Schwere Reiter

· Cidade: Braunschweig
Data: 08/12. Local: Staatstheater Kleines Haus

· Cidade: Heidelberg
Data: 10/12. Local: Hebelhalle

· Cidade: Augsburg
Data: 11 e 12/12. Local: Brechtbühne

Mais informações: www.facebook.com/ababtgoficial

Coprodução: ABABTG – Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra, CCTG – Centro Cultural Teatro Guaíra, Internationales Solo-Tanz-Theater e Solo Connection. Lei de Incentivo à Cultura. Realização: Ministério da Cultura, Governo Federal.

BALÉ TEATRO GUAÍRA ESTREIA ESPETÁCULO INTERNACIONAL EM CURITIBA

BTG dança Wachter Winkler e Scafati / foto de Cayo Vieira

Após apresentações no Guairão, a montagem segue em turnê pela Alemanha

Por meio de um acordo de cooperação em intercâmbio artístico-cultural, em 2016 a Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra, a ABABTG, recebeu em Curitiba três renomados coreógrafos atuantes na Alemanha. Os profissionais vieram à capital paranaense aceitando o desafio de coreografar um novo espetáculo em parceria com o BTG. O trabalho foi tão bem-sucedido que resultou no espetáculo inédito “Balé Teatro Guaíra dança Wachter, Winkler e Scafati” e abriu as portas para a companhia sair em turnê inédita por cidades alemãs. Antes da temporada internacional, porém, a montagem terá estreia em Curitiba, nos dias 7 e 8 de novembro.

Os coreógrafos Christoph Winkler, Katja Wachter e Roberto Scafati – participantes do Internationales Solo-Tanz-Theater, evento de vanguarda realizado anualmente em Stuttgart – são os responsáveis pelo trabalho com estreia prevista no Guairão. Foi em julho de 2016, em um intenso ritmo de pesquisa e composição coreográfica junto aos bailarinos do BTG, que os artistas vieram ao Brasil e propuseram três coreografias contemporâneas para compor esse espetáculo inovador.

O espetáculo faz parte do projeto BTG X Alemanha, realizado graças à parceria da com o Centro Cultural Teatro Guaíra – CCTG, o Internationales Solo-Tanz-Theater e a Solo Connection – e tem ainda o Hospital Pequeno Príncipe como instituição beneficiada. “O intercâmbio de artistas de diferentes nacionalidades é um sonho da ABABTG desde a sua fundação, há exatos 10 anos. O Projeto BTG X Alemanha veio tornar este sonho realidade por meio das parcerias firmadas. É uma ação que servirá de modelo para novas iniciativas de cooperação nacionais e internacionais”, declara Simone Bönisch, diretora da ABABTG e coordenadora do projeto BTG X Alemanha ao lado do também coordenador Jorge Schneider.

Após a estreia em Curitiba, o espetáculo “Balé Teatro Guaíra dança Wachter, Winkler e Scafati” segue em turnê internacional entre os dias 26 de novembro e 13 de dezembro com 11 apresentações em nove cidades da Alemanha.

Sinopse das Coreografias
Balé Teatro Guaíra dança Wachter, Winkler e Scafati

Por Christoph Winkler: “lost my choreographer on the way to the dressing room”
Essa coreografia trata das recentes mudanças na relação entre coreógrafos e dançarinos com o advento das formas de trabalho participativo e a emancipação geral dos dançarinos dentro da dança contemporânea. Ao criar um “coletivo temporário”, Winkler tenta encontrar uma resposta para a pergunta: como podemos dançar juntos? A coreografia problematiza essa questão e lida diretamente com todas as expectativas, mal-entendidos e diferenças culturais que partem do encontro entre coreógrafo e bailarinos.

Por Katja Wachter: “I share”
Essa coreografia faz uma reflexão sobre a dimensão que o termo “compartilhamento” ganhou diante do mundo virtual contemporâneo onde, na intenção de obter cada vez mais cliques e seguidores, tudo é intensamente compartilhado – mais como um hábito narcótico e compulsivo do que como um ato altruista. Nesta montagem, dança-se e questiona-se essa auto promoção infinita que divide o homem em múltiplas identidades e que, por vezes, sacrifica a conversação pessoal e íntima em prol da mera conexão virtual. Coloca-se em cena a problematização: “eu compartilho, logo, existo”.

Por Roberto Scafati: “CHARME”
Aborda-se o “charme” nesta coreografia como uma atração espontânea, um poder mágico de atração, um presente precioso para dar e receber. Mais do que um vislumbre ou um sorriso, tem-se o charme como uma inteligência emocional que supera barreiras, uma competência pertencente não apenas aos seres humanos. A coreografia de Scafati vai além, inspirando-se em uma possível atração entre flores e pedras, fogo e água, sol e gelo e tantos outros fenômenos da natureza. Expressa que o charme pode estar em todos os lugares se alguém estiver sensível para percebê-lo e ser atraído por ele.

Serviço da estreia no Brasil
Balé Teatro Guaíra dança Wachter, Winkler e Scafati
Datas: 7 e 8 de novembro
Horário: às 20h30
Local: Teatro Guaíra – Auditório Bento Munhoz da Rocha Netto (Guairão)
Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, s/nº
Ingressos: R$ 20,00 | pelo DiskIngressos e na bilheteria do teatro
Mais informações: www.facebook.com/ababtgoficial
Coprodução: ABABTG – Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra, CCTG – Centro Cultural Teatro Guaíra, Internationales Solo-Tanz-Theater e Solo Connection.

Serviço da Turnê pela Alemanha
Balé Teatro Guaíra dança Wachter, Winkler e Scafati

· Cidade: Karlsruhe.
Data: 28/11. Local: TANZ KARLSRUHE-Staatstheater Kleines Haus

· Cidade: Stuttgart.
Data: 29/11. Local: TREFFPUNKT Rotebühlplatz

· Cidade: Regensburg
Data: 01/12. Local: Regensburger Tanztage

· Cidade: Ulm
Data: 02/12. Local: Theater Ulm

· Cidade: Lindau
Data: 03/12. Local: Theater Lindau

· Cidade: München
Data: 5 e 6/12. Local: Schwere Reiter

· Cidade: Braunschweig
Data: 08/12. Local: Staatstheater Kleines Haus

· Cidade: Heidelberg
Data: 10/12. Local: HebelHalle

· Cidade: Augsburg
Data: 11 e 12/12. Local: BrechtBühne – Stadtheater

Mais informações: www.facebook.com/ababtgoficial

Coprodução: ABABTG – Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra, CCTG – Centro Cultural Teatro Guaíra, Internationales Solo-Tanz-Theater e Solo Connection. (Lei de Incentivo à Cultura. Realização: Ministério da Cultura, Governo Federal.)

ABABTG – Fundada em 2007, a Associação de Bailarinos e Apoiadores do Balé Teatro Guaíra surgiu para fortalecer a dança e demais artes motivando uma ligação sinérgica entre os setores público e privado. Para tanto, tem desenvolvido projetos culturais que promovam ações de formação, atualização, divulgação e fomento da dança, em suas diversas linguagens. A formação de público e o apoio à gestão de carreira de seus associados bailarinos, ex-bailarinos e apoiadores do Balé Teatro Guaíra também estão entre os compromissos da ABABTG. Formalizada como uma agremiação artística e cultural de caráter civil e personalidade jurídica e recentemente qualificada como Organização Social, a Associação tem demonstrado uma atividade intensa desde a sua fundação. Entre os seus principais eventos está a Mostra Paranaense de Dança, realizada anualmente em diferentes cidades do Estado para incentivar e valorizar bailarinos e grupos amadores e promover apresentações profissionais a preços populares.
www.ababtg.org.br/mostra | https://www.facebook.com/ababtgoficial/

Balé Teatro Guaíra – O Balé Teatro Guaíra (BTG) foi criado pelo Governo do Estado do Paraná em 1969 e se tornou uma das mais importantes companhias de dança oficiais do Brasil. Durante o seu percurso, o BTG realizou mais de 140 coreografias acumulando um importante repertório de representatividade histórica e obras consagradas. Atualmente, a Cia desenvolve o seu trabalho focada na diversidade da dança contemporânea com propostas ousadas e autênticas, mas sem perder de vista a tradição. Entre as suas obras mais emblemáticas, estão: “A Sagração da Primavera” (2012 – de Igor Stravinsky e coreografia da portuguesa Olga Roriz), “Predicativo do Sujeito” (2013 –de Alex Soares ao som do Bolero de Ravel), “Cinderela” (2014 – criada com exclusividade para os 45 anos da Cia pelo espanhol Gustavo Ramirez Sansano), “Orikis e Trânsito” (2015 – da baiana Ana Vitória) e “Romeu e Julieta” (coreografia de Luiz Fernando Bongiovanni, música de Prokofiev). O BTG ainda valoriza projetos de acessibilidade à dança e formação de plateia. É neste sentido que a Cia contribui com o fortalecimento e perpetuação dos bens culturais paranaenses e brasileiros, estabelecendo um diálogo com a contemporaneidade e preservando a sua história, aqui

GROTESC-O-VISION EXIBE SELEÇÃO INTERNACIONAL DE LONGAS COM O MELHOR DO CINEMA DE HORROR

Programação conta com 5 produções recentes de diversos países, e uma sessão especial de um clássico de Ed Wood, além de mostra competitiva de curtas

Curitiba, 26/10/17 – Lide Multimídia – Na semana em que se comemora o Halloween (ou Dia Das Bruxas), será realizada em Curitiba a quarta edição do Grotesc-O-Vision, mostra internacional de cinema de horror e grotesco, que contará com exibições de filmes, oficinas, painéis e rodas de bate-papo com realizadores e exibidores ligados ao gênero. O evento vai de 30 de outubro a 02 de novembro (segunda a quinta-feira), com todas as atividades concentradas no Auditório Salvador de Ferrante do Teatro Guaíra (Guairinha). Todas as exibições têm entrada gratuita.

Para a mostra de filmes de longa-metragem, foram selecionados 6 títulos. Entre os destaques, está a estreia latino-americana de “Virgin Cheerleaders in Chains”, filmado nos EUA e dirigido pelo curitibano Paulo Biscaia Filho, sendo seu primeiro trabalho internacional, em uma coprodução Austin-Curitiba (EUA/BRA). Parte da equipe norte-americana do filme estará presente no evento.

Filmes de diversas partes do mundo
A seleção conta ainda com o australiano “Red Christmas (que tem no elenco a atriz Dee Wallace, que nos anos 80 atuou em “E.T. – O Extraterrestre” interpretando a mãe do menino Elliot), “Freak Out” (de Israel), “Noite do Virgem” (Espanha), “Replace” (Alemanha / Canadá) e uma sessão especial do clássico do cinema trash “Plan 9 From Outer Space”.

Esta sessão especial será realizada na noite de Halloween (31 de outubro) e contará com encenações ao vivo, do elenco da peça teatral “Acordei Cedo No Dia Em Que Morri”, dirigida por Paulo Biscaia Filho, que garante que haverá discos voadores pendurados sobre a plateia, entre outros recursos. “Plan 9 From Outer Space” é o mais conhecido filme de Ed Wood, considerado o pior diretor de todos os tempos, mas que ainda assim é cultuado e continua inspirando novas gerações com sua história de incansável vontade de realizar suas produções (ele ganhou até uma cinebiografia dirigida pelo consagrado diretor Tim Burton, nos anos 90).

Curtas, creepypastas e outras atividades
A programação de filmes contará também com uma mostra competitiva de curtas-metragens, que serão exibidos em 5 sessões no decorrer dos 3 primeiros dias de evento. No quarto e último dia, serão anunciados os vencedores desta mostra. Nesta mesma noite, o público poderá apreciar e se assustar com uma novidade: as Creepypastas, um sarau de contação de histórias de terror.

Além da programação de filmes, Grotesc-O-Vision 2017 terá duas oficinas (“História do cinema de horror contemporâneo” e “efeitos especiais”), 3 painéis com realizadores do cinema nacional, rodas de bate-papo com canais de TV (Space e A&E) e cobertura especial do Canal Brasil.

O Grotesc-O-Vision 2017 é um projeto realizado com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da duas oficinas (“História do cinema de horror contemporâneo” e “efeitos especiais”), 3 painéis com realizadores do cinema nacional, rodas de bate-papo com canais de TV (Space e A&E) e cobertura especial do Canal Brasil.Prefeitura Municipal de Curitiba, com incentivo da Ebanx Payments e realização da Vigor Mortis e Moro Filmes. O evento contará com os canais convidados Space e A&E, e cobertura especial do Canal Brasil. O Spooky Movie – International Horror Film Fest é colaborador dessa mostra.

O que você acha de ir em uma projeção do clássico de Ed Wood “Plan 9 from outer Space” com direito a discos voadores pairando sobre suas cabeças e com a participação ao vivo do elenco da peça ACORDEI CEDO NO DIA EM QUE MORRI ? No Grotesc-O-Vision vai ter!!! Dia 31/11 às 21h no Centro Cultural Teatro Guaíra!

Serviço:
Mostra Grotesc-O-Vision 2017
Datas: de 30 de outubro a 02 de novembro
Horários: das 9h às 21h
Local: Auditório Salvador de Ferrante do Teatro Guaíra (Guairinha)
Endereço: Rua XV de Novembro, 971 – Centro (Curitiba – PR)
Entrada: mostras, painéis e rodas de bate-papo gratuitos. Oficinas com inscrições abertas a R$ 40,00 cada.
Informações: vigormortis@vigormortis.com.br
Página no Facebook: www.facebook.com/grotescovision/