O FESTIVAL GRIOT ESTREIA COM LEA GARCIA NO LONGA “UM DIA COM JERUSA”

Lea Garcia é Jerusa, uma figura que representa o tempo, o afeto, a cor e o espaço.

O Festival Griot estreia com o longa “Um Dia com Jerusa” da roteirista e diretora, Viviane Ferreira. O filme é uma adaptação do curta “O Dia de Jerusa” (2014) que trata do afeto em relação ao tempo, suas nuances e heranças da ancestralidade. É uma obra que humaniza a figura Griot (lê-se Griô), indivíduo que na África Ocidental tem a vocação de transmitir e preservar as histórias, conhecimentos, mitos e canções do seu povo. Jerusa Anunciação, interpretada por Lea Garcia simboliza o arco dramático da ancestralidade contida no Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo.

Tempo. Afeto. Cor. Espaço. A aposta de Viviane Ferreira em seu primeiro longa é mostrar a vivência de duas gerações que se entrelaçam tendo como base o tempo e suas motivações através das costuras ancestrais tecidas pela personagem Jerusa Anunciação.

A equipe de profissionais da obra é composta majoritariamente por mulheres negras, presentes nas funções criativas da produção desde fotografia até a montagem. “Um Dia com Jerusa” apresenta um olhar corajoso em explicitar um texto recheado de camadas reais em conjunto com um elenco vindo do teatro negro brasileiro. Valdineia Soriano, Debora Marçal e Antônio Pitanga atuam em destaque no longa.

É através da câmara escura de Jerusa Anunciação e da inversão de sua imagem que iremos ressignificar a história, as referências, os mitos e talvez ser o sujeito oculto por trás da personagem Silvia (Debora Marçal), a garota que por boa sorte encontra a raiz e a resposta para o seu tempo presente.

O Festival Griot é gratuito e começa no dia 11 e vai até o dia 20 de dezembro, na plataforma de streaming TODESPLAY . A programação completa está disponível no site do Festival, incluindo as atividades que acontecem simultaneamente no evento.

O Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo tem o apoio da TODESPLAY, Olhar Distribuição, O2 Pós, Mubi, Projeto Paradiso, AVEC-PR, ABRACCINE. Incentivo da Celepar e Ebanx. Projeto realizado com apoio do programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Sinopse “Um Dia com Jerusa”:
Silvia (Débora Marçal) trabalha com pesquisa de público para uma marca de sabão em pó. Ao bater na porta de Jerusa (Léa Garcia), é surpreendida com respostas nada convencionais, e o diálogo a leva a compreender a vida de outra maneira, menos rápida e menos quantitativa.

Serviço:
Realização: Cartografia Filmes.
Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo.
De 11 a 20 de dezembro.
Na Plataforma da TODESPLAY.
Evento Gratuito.

Sobre a Cartografia Filmes:
A Cartografia Filmes é uma produtora paranaense vocacionada para o audiovisual negro que une trajetórias diversas. Desse território de encruzilhada, nossa atuação se movimenta pelo desejo de compartilhar novas formas de acesso e produção dos bens culturais, fortalecendo e criando espaços coletivos nos eixos de DIFUSÃO, FORMAÇÃO E PRODUÇÃO do audiovisual, de maneira a abrir caminhos na reconstrução de imaginários onde as múltiplas subjetividades sejam livres para exercer sua existência com plena autonomia e potência.

Conheça a Cartografia Filmes
Sobre o Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo:
O Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo começou em 2018 como Mostra de Cinema Negro Brasileiro com o objetivo de criar um espaço onde pudessem exibir filmes pensados, realizados e protagonizados por pessoas pretas em território nacional. Nas edições anteriores foram exibidos com lotação máxima de público 61 curtas, dois longas e um média. As edições aconteceram com financiamento coletivo. 

Sobre a TODESPLAY:
A TODESPLAY é uma plataforma global de streaming gerenciada pela APAN – Associação de Profissionais do Audiovisual Negro, com objetivo de contribuir com a equidade de gênero e raça para consolidação de um mercado audiovisual mais diverso e representativo, para todes.

ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA AS OFICINAS DO GRIOT – III FESTIVAL DE CINEMA NEGRO CONTEMPORÂNEO

Concurso de críticas irá premiar 1° e 2° lugar com R$ 300 e R$ 200 reais respectivamente

Já estão abertas as inscrições para as oficinas do Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo. Serão três oportunidades formativas com o intuito de valorizar o processo criativo do audiovisual, direcionando profissionais com mais profundidade do que se passa e ouve na tela. A oficina ministrada pelo crítico e curador Fabio Rodrigues Filho, promoverá um concurso de críticas com premiação para o primeiro e segundo lugar.

A oficina “Uma Conversada Inacabada com Imagens” é apoiada pela Associação de Vídeo e Cinema do Paraná (AVEC – PR) e é destinada somente para residentes do Paraná. E tem o objetivo de estimular novos criadores do estado a falar sobre cinema. A proposta segundo, Filho, é “abordar a crítica como lugar de conversa com os filmes, entre imagens e pessoas, e entre cinema e as coisas do mundo – reconhecendo as partes em diálogo como agentes ativos”.

As oficinas “Produção audiovisual para mídias digitais”, ministrada por Caio Franco, e “Como o som se articula no cinema”, ministrada por Evelyn Santos, são para interessados de todo o Brasil. As três oficinas possuem vagas preferenciais para pessoas negras ou indígenas.

As inscrições são gratuitas e vão até 4 de dezembro. As oficinas têm início no dia 12 de dezembro e fazem parte do Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo que acontece de 11 a 20 de dezembro de 2020. O evento é gratuito e contemplará todo o Brasil, promovendo as narrativas da atuação, realização, e produção do audiovisual negro.

A programação completa está disponível no site do Festival, incluindo as atividades que acontecem simultaneamente no evento.

O Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo tem o apoio da TODESPLAY, Olhar Distribuição, O2 Pós, Mubi, Projeto Paradiso, AVEC-PR, ABRACCINE. Incentivo da Celepar e Ebanx. Projeto realizado com apoio do programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Serviço:
Realização: Cartografia Filmes
Oficinas do Griot – III Festival de Cinema Negro Contemporâneo.
Inscrições até o dia 4 de dezembro.
Inscreva-se gratuitamente, aqui

Sobre o Festival Griot
O Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo começou em 2018 como Mostra de Cinema Negro Brasileiro, com o objetivo de criar um espaço onde pudessem exibir filmes pensados, realizados e protagonizados por pessoas pretas em território nacional. Nas edições anteriores foram exibidos com lotação máxima de público 61 curtas, dois longas e um média. As edições aconteceram com financiamento coletivo.
www.festivalgriot.com.br

Sobre a Associação de Vídeo e Cinema do Paraná – AVEC – PR
A AVEC-PR tem sua origem no final da década de 70, com o surgimento em Curitiba do movimento de produção em cinema Super 8, com os festivais nacionais da Escola Técnica, com o núcleo de realizadores da Cinemateca, e finalmente com o movimento Vídeo-Vive, já nos anos 90.

Nessa sua trajetória a AVEC se destacou por ser a principal interlocutora dos produtores de cinema e vídeo paranaenses junto às esferas municipais e estadual na área da cultura.

Conheça a AVEC-PR

Sobre Fabio Rodrigues Filho
Atua na crítica, curadoria, pesquisa e realização em cinema. Mestrando em comunicação na UFMG. Graduou-se na mesma área na UFRB. Membro dos grupos Áfricas nas Artes (Cahl/UFRB) e Poéticas da Experiência (UFMG). Cineclubista, participou do Cineclube Mário Gusmão, Cine Tela Preta e do Cinema em Vizinhança. Compôs a comissão de seleção de festivais, mostras e laboratórios, a exemplo do FestCurtasBh (2019/2020), Diáspora Lab (2018), FIANB (Festival Internacional do Audiovisual Negro do Brasil, 2020), entre outros. Atualmente faz parte da equipe de curadoria do IX CachoeiraDoc, festival junto ao qual vem contribuindo ao longo dos últimos anos.

Sobre Evelyn Santos:
É formada em Produção de Áudio e Vídeo, Operação de Som e Direção Cinematográfica. Trabalha há quatro anos com Captação de Som direto, Microfonista e Assistente em diversas produções que já rodaram em vários festivais. Dirigiu seu primeiro curta-metragem ”Dádiva”.

Sobre Caio Franco:
Caio Franco é cineasta e fotógrafo. Após se formar em comunicação pela PUC-Rio, trabalhou em produtoras como assistente de produção e assistente de pesquisa até 2015, quando começou a trabalhar no canal Jout Jout Prazer, no youtube. Seu primeiro filme, Antes de Ontem, rodou por diversos festivais no Brasil em 2019.

PEITA, CASA NEM, OLHAR DISTRIBUIDORA, PAIDEIA FILMES E STUDIO RIFF UNEM FORÇAS NA LUTA PELA VISIBILIDADE TRANS

Marcas envolvidas no documentário Meu Corpo é Política fazem ação conjunta

Se juntas elas já causam, imagina juntas. Peita, Casa Nem, Olhar Distribuição, Studio Riff e Paideia Filme unem forças para dar visibilidade a luta pelos direitos de cidadania de pessoas trans. No sábado (31), Dia Internacional da Visibilidade Trans a marca-protesto, Peita, dará desconto de R$20 nas camisetas com a frase “Meu Corpo é Político”. A cada 50 peitas vendidas, 10 serão doadas para a Casa Nem, espaço de acolhimento e apoio a transexuais, travestis e transgêneros no Rio de Janeiro. A Olhar Distribuição, Studio Riff e Paideia Filme liberaram o documentário para a realização de sessões através da plataforma Videocamp com o intuito de fomentar o debate sobre o tema. A campanha começa às 23h59 do dia 30 de março e termina às 23h59 do dia 31.

A parceria entre as marcas foi firmada no segundo semestre de 2017 para o lançamento Meu Corpo é Político. O filme aborda o cotidiano de quatro militantes LGBT que vivem na periferia de São Paulo. A partir da intimidade e do contexto social dos personagens, o documentário levanta questões contemporâneas sobre a população trans e suas disputas políticas. Karina Gallon, idealizadora da Peita, conta que a distribuidora sugeriu a parceria e fez a ponte entre eles. “A Alice Riff disponibilizou a frase para usarmos e, em troca, nós fizemos as camisetas nas cores da bandeira trans para ações de divulgação, além de assumirmos o compromisso de doar 10 peitas para a Casa Nem, a cada 50 que vendermos”, explica. A ação é válida para as camisetas nas cores branca, rosa e azul.

Alice Riff, diretora do Meu Corpo é Político ressalta a importância da parceria para o fortalecimento da marca-protesto, do filme independente e mais ainda, da luta das pessoas trans. “Duas forças se uniram pra que a gente conseguisse chegar em mais pessoas e passasse nossa mensagem. A Peita divulgou o filme e o filme divulgou a marca. E o mais legal é que parceria uniu ainda a Casa Nem. Foi uma ação conjunta super importante para que a mensagem chegasse em mais pessoas”, comenta Alice.

Meu Corpo é Político está disponível para exibição pública através do Videocamp. Entrando na plataforma, é preciso efetuar o cadastro como educador, ONG ou empresa, clicar em ‘Organiza sua Exibição’ e preencher o formulário. Por último, o site pede o número de espectadores (no mínimo cinco pessoas), uma foto e breve relato do que rolou no evento. O objetivo é provocar debates e fomentar o encontro de pessoas engajadas em criar um mundo melhor.

Nome do cupom de desconto é ‘MCEP’.

Link para exibição do filme: aqui

Site: https://peita.me/
Facebook: https://www.facebook.com/putapeita/
Instagram: https://www.instagram.com/putapeita/
Pinterest: https://br.pinterest.com/putapeita/
Tumblr: https://lutecomoumagarota.tumblr.com/
Hashtag: #putapeita