RAÍZES DA POESIA PARANAENSE (RÉCITA/MOSTRA) – PARTE 1

Raízes da Poesia Paranaense é um projeto que reúne em vídeorécitas de poemas alguns dos grandes poetas e poetisas do Paraná interpretados por atores e atrizes também paranaenses. As récitas, organizadas em dois episódios, buscam aproximar o público da vida e obra de nomes que fazem parte da história da literatura no Estado do Paraná, mas que, nem sempre, são conhecidos.

O projeto, realizado com recursos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba, foi concebido por Ana Paula Taques, que acumula a direção artística com Claudecir de Oliveira Rocha, e por Ivan Justen Santana.

Junto a eles, atores e atrizes convidados como Geyisa Costa, Luíz Felipe Leprevost, Ricardo Pozzo e Thadeu Peronne, deram vida a doze poetas e poetisas.

Com fotos antigas e raras dos poetas e das cidades em que nasceram, cenário intimista, iluminação cuidadosa e dramática, à “La Caravaggio”, e a música incidental de José Itiberê de Lima, executada pela pianista Gisele Rizental, as récitas “transportam o espectador para meados do século XIX e mostram o trovador Bento Cego. Vão para o início do século XX, passando por Emiliano Perneta até chegar na poeta Laura Santos”, afirma o professor Doutor Claudecir Rocha.

RAÍZES DA POESIA PARANAENSE é uma boa oportunidade não só para professores ilustrarem suas aulas, mas também para todos conhecerem um pouco da literatura feita no Paraná. “Quantas vezes a gente passa pelas ruas Júlia da Costa, Silveira Neto, sem nem imaginar o que essas pessoas escreveram? As récitas dão um gostinho da nossa poesia. São uma forma de incentivar o público a pesquisar mais sobre os grandes nomes da nossa literatura!”, conclui a idealizadora do projeto, Ana Paula Taques.

Poetas paranaenses que fazem parte das Récitas por ordem cronológica:
Bento Cego, Júlia da Costa, Emílio de Menezes, Emiliano Perneta, Dario Velozo, Silveira Neto, Ricardo de Lemos, Leite Junior, Ismael Martins, Rodrigo Junior, Ada Macaggi e Laura Santos.

Parte 1:
Bento Cego: 00:35 – 05:18
Júlia da Costa: 05:19 – 08:38
Emílio de Menezes: 08:39 – 12:54
Emiliano Perneta: 12:55 – 16:26
Dario Velozo: 16:27 – 19:37
Silveira Neto: 19:38 – 21:59

FICHA TÉCNICA
Elenco:
Ana Paula Taques: Júlia da Costa e Ada Macaggi.
Claudecir de Oliveira Rocha: Emiliano Perneta e Rodrigo Júnior.
Geyisa Costa: Laura Santos
Luiz Felipe Leprevost: Emílio de Menezes e Ismael Martins.
Ricardo Pozzo: Dario Velozo e Leite Júnior.
Thadeu Perrone: Bento Cego, Silveira Neto e Ricardo de Lemos

Produção Executiva e Direção Artística: Ana Paula Taques
Produção Executiva e Coordenação: Lucas Marcelli
Pesquisa e Curadoria: Claudecir de Oliveira Rocha
Pesquisa e Curadoria: Ivan Justen Santana
Captação e Edição de Vídeo: Vitral Produções
Direção de corte: Ricardo Janotto
Operação de câmera: Diogo Luiz Schechtel
Designer de Luz: Erica Mityko
Fotógrafia: Eliete Silva
Cenografia: Adriana “Russa” de Lucca
Adereços e Maquiagem: Marcelino de Miranda
Figurinos: Trícia de Almeida
Assessoria de comunicação: Karen Monteiro
Designer Gráfico/ Digital e Ilustração: Pedro Henrique Spolador
Ilustração Digital: Andrew Adriano Kostiuk
Transporte: Abiderman Brito

Locação: Espaço Excêntrico

Trilha Sonora:
Composição Musical sobre trova de Bento Cego (00:35 – 03:40) Thadeu Peronne. Arranjo instrumental: Lucas Marcelli.
Música Incidental – José Itiberê de Lima. Intérprete: Gisele Rizental.

PROJETO REALIZADO COM RECURSOS DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA.

FONTES DE PESQUISA PARA REALIZAÇÃO DO PROJETO
Acervo Instituto Moreira Salles
Acervo Museu Paranaense
Acervo: Júlia Wanderley IHGPR
Acervo Cid Destefani
Acervo Gazeta do Povo
Acervo Casa da Memória
Acervo INP
Acervo Paulo José da Costa.
CASTRO, Nestor de. Bento Cego. Curitiba: Impressora Paranaense / Correia & C., 1902
MURICY, J. C. de Andrade. Panorama do movimento simbolista brasileiro. [2 vols] 3ª. ed. São Paulo: Perspectiva, 1987.
MENEZES, Emílio. Obra reunida. [Org. Cassiana Lacerda Carollo] Rio de Janeiro: José Olympio; Curitiba: Sec. da Cultura e do Esporte do Est. do Paraná, 1980.
NETO, Silveira. Luar de Hinverno. Curitiba: Farol do Saber, 1996.
PERNETA, Emiliano. Ilusão e outros poemas. Curitiba: col. Farol do Saber, 1996.
ROCHA, C. O. Quadros Provincianos: A Obra de Rodrigo Júnior. Tese. Curitiba: UFPR, 2019.
RODRIGO JÚNIOR. Poesia Completa. Curitiba: Anticítera, 2015.
SABÓIA, A.; FERNANDES, H. V.(orgs.) Antologia didática de escritores paranaenses.. Curitiba: Imprensa Oficial.
SANTANA, Ivan Justen. Emiliano Perneta: vida e poesia de província? Tese. Curitiba: UFPR, 2015.
SANTOS, Laura. Poemas. Curitiba: SEEC, 1990.
SANTOS, Pompília. L. S. (org.) Sesquicentenário da Poesia Paranaense. (antologia). Curitiba: Secretária da Cultura e do Esporte do Paraná, 1985.
SOUSA, Colombo & RAITANI NETO, Felício.(orgs.) Letras Paranaenses. Curitiba: Ocyron Cunha, 1971.
VELOZO, Dario. Cinerário & outros poemas. Curitiba: Farol do Saber, 1996.

Fonte: Canal do Youtube Raízes da Poesia Paranaense

LIVRO INFANTIL DESTACA A CONTRIBUIÇÃO INDÍGENA À LÍNGUA PORTUGUESA FALADA NO BRASIL

O lançamento de “Que Pira é Essa?”, com entrada franca, contará com a presença do autor, oficina e preço promocional dos livros.

No dia 26 de agosto, às 10h, no Museu Paranaense, acontece o lançamento do livro infantil “Que Pira é Essa?”, de José Álvaro Carneiro. O evento contará com a presença do autor para autógrafos e oficina de carimbos gigantes, ministrada por Carla Irusta. A entrada é franca e os livros serão vendidos a preço promocional.

Diversos são os termos indígenas que dão nome aos nossos animais, montanhas, rios, cidades… e pessoas! Pirambóia, piracicaba, piracema, pirarucu, Iracema, Inaiê – você sabe o que estas palavras significam? Partindo do vocábulo pira, termo de origem tupi-guarani que significa peixe, o livro infantil “Que Pira é Essa?” convida a conhecer a diversidade dos povos indígenas presentes no Brasil, procurando despertar o interesse pelo tema de forma lúdica.

A partir do encontro da menina Inaiê com um peixe, a obra apresenta informações atuais sobre os povos indígenas do Brasil, com foco na contribuição indígena à língua portuguesa que falamos por aqui. Pira e diversos outros termos estão presentes na nossa língua. O curioso – e triste! – é que muita gente usa essas palavras no dia a dia sem saber o que significam e de onde vieram.

O livro será vendido a preços populares e toda a renda será revertida ao Hospital Pequeno Príncipe. A iniciativa é parte do projeto “Que Pira é Essa?” que, além da publicação, realizou uma série de oficinas com a temática das culturas indígenas, voltadas para os pacientes do internamento da instituição. Viabilizado pela Lei Rouanet, o projeto tem como proponente José Álvaro da Silva Carneiro que é diretor Corporativo do Complexo Pequeno Príncipe, tendo também longa trajetória como ambientalista, bem como livros publicados com conteúdos voltados principalmente para questões socioambientais.

“O Hospital Pequeno Príncipe atende crianças e adolescentes do Brasil inteiro, incluindo indígenas. Temos um cuidado para que cada um dos nossos pacientes reconheça-se culturalmente durante o período que fica hospitalizado. E o projeto Que Pira É Essa? vem como mais uma ação de identidade para estes pequenos índios, além de estímulo ao reconhecimento e acolhimento da diversidade para as crianças com outras ascendências”, explica o autor e diretor do Complexo Pequeno Príncipe.

Sobre o Hospital Pequeno Príncipe
O Pequeno Príncipe é o maior hospital de alta e média complexidade exclusivamente pediátrico do Brasil. Destina 70% de sua capacidade de atendimento a crianças e adolescentes provenientes do Sistema Único de Saúde (SUS). A instituição tem 390 leitos, sendo 62 nas quatro UTIs, oito salas cirúrgicas, cerca de 2 mil colaboradores. Por ano, realiza em média 314 mil atendimentos ambulatoriais, 19 mil cirurgias e mais de 24 mil internações. Com cuidado humanizado e integral, garante condições para que 17 mil familiares acompanhem pacientes atendidos via SUS durante a internação.

Sobre o projeto Que Pira é Essa?
Viabilizado pelo Ministério da Cultura por meio da Lei Rouanet, o projeto tem como proponente José Álvaro Carneiro. Os patrocinadores são as empresas Andali Operações Industriais S/A, Nipponflex, Ciapetro, Grupo Comtrafo, Agrícola Horizonte, Metisa, Nórdica, Tratornew S/A, Tintas Vergínia, Aços Continente, Gemu, Grupo Pergoraro e Ravato.

Serviço:
Lançamento do livro infantil “Que Pira é Essa?”, de José Álvaro Carneiro
Dia 26 de agosto, às 10h.
No Museu Paranaense (R. Kellers, 289 – Alto São Francisco, Curitiba)
Entrada Franca
Que Pira é Essa? – valor dos livros
R$10,00 (preço promocional no lançamento)
R$20,00 (preço normal)
*renda revertida para o Hospital Pequeno Príncipe

Mais informações no Facebook do projeto, aqui

LIVRO INFANTIL DESTACA A CONTRIBUIÇÃO INDÍGENA À LÍNGUA PORTUGUESA FALADA NO BRASIL

O lançamento de “Que Pira é Essa?”, com entrada franca, contará com a presença do autor, oficina e preço promocional dos livros.

No dia 26 de agosto, às 10h, no Museu Paranaense, acontece o lançamento do livro infantil “Que Pira é Essa?”, de José Álvaro Carneiro. O evento contará com a presença do autor para autógrafos e oficina de carimbos gigantes, ministrada por Carla Irusta. A entrada é franca e os livros serão vendidos a preço promocional.

Diversos são os termos indígenas que dão nome aos nossos animais, montanhas, rios, cidades… e pessoas! Pirambóia, piracicaba, piracema, pirarucu, Iracema, Inaiê – você sabe o que estas palavras significam? Partindo do vocábulo pira, termo de origem tupi-guarani que significa peixe, o livro infantil “Que Pira é Essa?” convida a conhecer a diversidade dos povos indígenas presentes no Brasil, procurando despertar o interesse pelo tema de forma lúdica.

A partir do encontro da menina Inaiê com um peixe, a obra apresenta informações atuais sobre os povos indígenas do Brasil, com foco na contribuição indígena à língua portuguesa que falamos por aqui. Pira e diversos outros termos estão presentes na nossa língua. O curioso – e triste! – é que muita gente usa essas palavras no dia a dia sem saber o que significam e de onde vieram.

O livro será vendido a preços populares e toda a renda será revertida ao Hospital Pequeno Príncipe. A iniciativa é parte do projeto “Que Pira é Essa?” que, além da publicação, realizou uma série de oficinas com a temática das culturas indígenas, voltadas para os pacientes do internamento da instituição. Viabilizado pela Lei Rouanet, o projeto tem como proponente José Álvaro da Silva Carneiro que é diretor Corporativo do Complexo Pequeno Príncipe, tendo também longa trajetória como ambientalista, bem como livros publicados com conteúdos voltados principalmente para questões socioambientais.

“O Hospital Pequeno Príncipe atende crianças e adolescentes do Brasil inteiro, incluindo indígenas. Temos um cuidado para que cada um dos nossos pacientes reconheça-se culturalmente durante o período que fica hospitalizado. E o projeto Que Pira É Essa? vem como mais uma ação de identidade para estes pequenos índios, além de estímulo ao reconhecimento e acolhimento da diversidade para as crianças com outras ascendências”, explica o autor e diretor do Complexo Pequeno Príncipe.

Sobre o Hospital Pequeno Príncipe
O Pequeno Príncipe é o maior hospital de alta e média complexidade exclusivamente pediátrico do Brasil. Destina 70% de sua capacidade de atendimento a crianças e adolescentes provenientes do Sistema Único de Saúde (SUS). A instituição tem 390 leitos, sendo 62 nas quatro UTIs, oito salas cirúrgicas, cerca de 2 mil colaboradores. Por ano, realiza em média 314 mil atendimentos ambulatoriais, 19 mil cirurgias e mais de 24 mil internações. Com cuidado humanizado e integral, garante condições para que 17 mil familiares acompanhem pacientes atendidos via SUS durante a internação.

Sobre o projeto Que Pira é Essa?
Viabilizado pelo Ministério da Cultura por meio da Lei Rouanet, o projeto tem como proponente José Álvaro Carneiro. Os patrocinadores são as empresas Andali Operações Industriais S/A, Nipponflex, Ciapetro, Grupo Comtrafo, Agrícola Horizonte, Metisa, Nórdica, Tratornew S/A, Tintas Vergínia, Aços Continente, Gemu, Grupo Pergoraro e  Ravato.

Serviço:
Lançamento do livro infantil “Que Pira é Essa?”, de José Álvaro Carneiro
Dia 26 de agosto, às 10h.
No Museu Paranaense (R. Kellers, 289 – Alto São Francisco, Curitiba)
Entrada Franca
Que Pira é Essa? – valor dos livros
R$10,00 (preço promocional no lançamento)
R$20,00 (preço normal)
*renda revertida para o Hospital Pequeno Príncipe

Mais informações no Facebook do projeto, aqui

MUSEUS DO ESTADO ABREM COM HORÁRIO ESPECIAL NO FERIADO DE PÁSCOA

As histórias das mulheres a partir do acervo do Museu Paranaense

Quem passar o aniversário de Curitiba e feriado de Páscoa na cidade poderá visitar os espaços da Secretaria de Estado da Cultura em horário especial. O Centro Juvenil de Artes Plásticas fecha quinta e sexta-feira. Já o Museu Oscar Niemeyer fecha somente na sexta-feira.

No Museu Alfredo Andersen (MAA), o público pode conferir as mostras “Oceano entre Terras: convergência e hibridação”, com fotografias de Adam Lipinski e Hermes de la Torre. E a mostra “Mulheres”, que reúne obras e algumas reproduções de mulheres que viveram entre o final do século XIX e o início do século XX, retratadas por Alfredo Andersen, e que faziam parte do convívio social do artista.

Quem for ao Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC-PR) verá a exposição “Movimento – mostra do acervo”, com obras que reproduzem a impressão de deslocamento – movimento, a partir da utilização de variadas técnicas e formas de expressão das artes visuais.

Os visitantes do Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS-PR) podem contemplar a exposição “Harmonia”, que mescla fotografia com estudos de alquimia, propondo, por meio da representação dos quatro elementos principais (água, fogo, terra e ar), despertar os sentidos dos espectadores e possibilitar diversas interpretações. O público poderá curtir ainda os filmes do CineClube MIS, que este mês exaltam a mulher, seja na direção dos longas ou como protagonistas da trama. São exibidos diariamente (terça a domingo), às 15h, no miniauditório do museu.

Quem passar pelo Museu do Expedicionário (MEXP) pode conhecer a exposição permanente que retrata a participação da Força Expedicionária Brasileira (FEB) durante a Segunda Guerra Mundial.

Já o Museu Oscar Niemeyer (MON) oferece ao seu público as exposições: “Luz – Matéria”, “Intangível”, “Seleta Crômica e Objetos”, “Corpos de Fábrica”, “Nomos”, “Narrativas em Processo: Livros de Artista” e “Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses”. Esta última é resultado da doação de 3 mil itens feita pelo embaixador Fausto Godoy, uma das coleções asiáticas mais significativas do Brasil e da América do Sul. Na mostra é possível apreciar 200 peças provenientes de mais de 10 países asiáticos.

No Museu Paranaense (MP), o público pode conferir as mostras recentemente inauguradas: “As histórias das mulheres a partir do acervo do Museu Paranaense” e “Arte e Ciência entrelaçadas: Frederico Lange de Morretes”. Além das exposições de longa duração, como “Imigração no Paraná”; “Moedas Romanas”, “Indústrias Paranaenses”, “Gufan – o Paranaense de dois mil anos”, “Ocupação do Território Paranaense”, “Dinheiro e Honraria: o acervo de numismática do Museu Paranaense”, “A cidade e suas ruas: retratos dos personagens de Curitiba”; “O Museu da História do Paraná: Os 140 anos do Museu Paranaense”; entre outras.

Confira o horário de funcionamento dos museus da SEEC:

Serviço:
Museu Alfredo Andersen – Rua Mateus Leme, 336. (41) 3222-8262. Curitiba-PR.
Museu de Arte Contemporânea do Paraná – Rua Desembargador Westphalen 16. (41) 3323-5328. Curitiba-PR
Museu da Imagem e do Som do Paraná – Rua Barão do Rio Branco, 395. (41) 3232-9113. Curitiba-PR.
Museu do Expedicionário – Praça do Expedicionário, s/nº. (41) 3362-8231. Curitiba-PR.
Museu Oscar Niemeyer – Rua Marechal Hermes, 999. (41) 3350-4400. Curitiba-PR.
Museu Paranaense – Rua Kellers, 289. (41) 3304-3300. Curitiba-PR.