PRODUTORA CULTURAL ISADORA FLORES LANÇA O “LABORATÓRIO GARRA!”, PROJETO QUE OFERECE CURSO PROFISSIONALIZANTE E OFICINAS GRATUITAS PARA JOVENS DA CULTURA

Terão prioridade nas inscrições agentes culturais com idade entre 16 e 25 anos, pretos, pardos, indígenas, mães solo, LGBTQIA+, Pessoas com Deficiência e de baixa renda. 

A primeira edição do projeto “Laboratório Garra!” acontece entre os meses de fevereiro e março de 2020 de forma online e gratuita. O projeto é um ambiente de formação voltado para pessoas interessadas em produção cultural, sobretudo da área da música. Além de um curso profissionalizante de maior duração com a produtora e idealizadora do projeto Isadora Flores, serão realizadas sete oficinas gratuitas de temas variados com profissionais atuantes da cena cultural: Bina Zanette, Brenda Santos, Carolina Wanderley, Gilmar Kaminski, Helena Sofia, Julie Fank e Luana Angreves.

As inscrições estão acontecendo pela página: www.lnk.bio/garralab, e vão até dia 29 de janeiro para o curso profissionalizante, e para as outras oficinas se estendem até dia 19 de março de acordo com o calendário de Oficinas. 

O curso de maior duração – com carga horária de 21h – dará direito ao registro profissional de “Diretor/a de Produção” emitido pelo SATED-PR (os custos com o Registro serão cobrados pelo SATED/PR). Terão prioridade nas inscrições agentes culturais com idade entre 16 e 25 anos, pretos, pardos, indígenas, mães solo, LGBTQIA+, Pessoas com Deficiência e de baixa renda. O projeto tem incentivo da Fundação Cultural de Curitiba, através da Lei de Incentivo à Cultura do Município e da Lei Aldir Blanc – Lei Federal de Emergência Cultural (Lei que dispõe sobre ações emergenciais destinadas ao setor cultural a serem adotadas durante o estado de calamidade pública).

O nome do projeto, “Garra!” é um convite para agentes culturais que batalham na cena independente e são profissionais iniciantes, muitas vezes alheios às políticas de incentivo à cultura. O “Laboratório Garra!” também oferece a oportunidade para que mais pessoas tenham acesso a conteúdos de formação e direito a um registro profissional.

INFORMAÇÕES SOBRE AS OFICINAS
As inscrições para o Curso e todas as Oficinas acontecem pelo link: www.lnk.bio/garralab

1. “Curso de Produção” com a produtora Isadora Flores e participação de Gilmar Kaminski e Carolina Wanderley.
MÓDULO I: Leis de Incentivo, preparação de projetos, Mecenato Subsidiado e Lei Municipal de Incentivo de Curitiba)”
04 de fevereiro de 2021, das 09h às 12h
11 de fevereiro de 2021, das 09h às 12h
18 de fevereiro de 2021, das 09h às 12h
MÓDULO II: Profice – Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Paraná”
04 de março de 2021, das 09h às 12h
MÓDULO III: Lei Federal de Incentivo à Cultura”
18 de março de 2021, das 09h às 12h

2. Oficina: “Aspectos jurídicos básicos da produção cultural” com a advogada e consultora em direitos culturais e propriedade intelectual Carolina Wanderley (São Sebastião Cultura e Propriedade Intelectual)
20 de fevereiro de 2021, das 09h às 12h

3. Oficina: “Sonorização para produtores”, com a Produtora, cantora e compositora Helena Sofia (Estúdio Old Cat) – Dia 27 de fevereiro de 2021, das 09h às 12h

4. Oficina: “Uma festa de verdade! – Produção Cultural como laboratório de Experiências”, com a produtora cultural, criativa e pesquisadora Brenda Santos (Um Baile Bom)
Dia 06 de março de 2021, das 09h às 12h

5. Oficina: “NEM TUDO SÃO LIKES: da superfície à profundidade da comunicação digital”, com a comunicadora, seletora musical e ativista Luana Angreves (Cliteriosa)
Dia 13 de março de 2021, das 09h às 12h

6. Oficina: “Curadoria para projetos de música”, com a produtora e curadora Bina Zanette (Santa Produção)
Dia 13 de março de 2021, das 14h às 17h

7. Oficina: “Gestão administrativa e prestação de contas de projetos culturais”, com o produtor cultural e técnico em contabilidade Gilmar Kaminski (Flutua Produções)
Dia 20 de março de 2021, das 09h às 12h

8. Oficina: “Escrita para quem se (in/e)screve” com a escritora, professora e artista visual Julie Fank (ESC. Escola de Escrita)
Dia 27 de março de 2021, das 09h às 12h

Inscrições: https://lnk.bio/garralab

Ficha Técnica:
Coordenação: Isadora Flores
Coordenação de Produção e Gestão Financeira: Gilmar Kaminski
Produção Executiva: Vi Gabarda
Ministrantes: Isadora Flores, Bina Zanette, Helena Sofia, Julie Fank, Carolina Wanderley, Brenda Santos, Luana Angreves e Gilmar Kaminski
Videos: Alan Raffo
Design Gráfico: Brenda Santos
Assessoria de Imprensa: Luisa Bonin e Thays Cristine – Platea Comunicação e Arte
Realização: Isadora Flores I Produtora
Produção: Flutua Produções
Apoio: SATED-PR

PROJETO REALIZADO COM RECURSOS DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA, DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA E DO MINISTÉRIO DO TURISMO.

KAFKA EDIÇÕES LANÇA COLEÇÃO DE LIVROS COM NOVAS VOZES DA LITERATURA PARANAENSE

As seis obras da coleção Geração PR10 serão lançadas no dia 9 de outubro no Hangar – Casa do Ócio e condensam um olhar provocativo e reflexivo sobre o cotidiano, o absurdo e a incomunicabilidade. 

A Kafka Edições lança no dia 9 de outubro, a partir das 19h, no Hangar- Casa do Ócio, a coleção Geração PR10, viabilizada por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba – Mecenato Subsidiado. Pensada como um recorte da produção literária no estado após 2010, a série retrata a renovação da literatura paranaense e, em simultâneo, celebra uma poética distinta e em diálogo com nomes como Manoel Carlos Karam, Wilson Bueno, Paulo Leminski e Jamil Snege. 

Os seis livros de contos que integram a coleção Geração PR10, ainda que diversos entre si, se assemelham pela linguagem provocativa e pela exploração de novos terrenos em termos de forma. Gravitando entre o real e o absurdo, são obras que permeiam temas e situações em consonância com os nossos tempos e que lançam um olhar singular sobre questões do cotidiano. “A ideia é fazer com que essa coleção irradie os autores como novos nomes e que continue uma batalha da Kafka Edições em revelar uma ficção que busca desafiar a linguagem”, explica o editor Paulo Sandrini, responsável pela curadoria da coleção Geração PR10, juntamente com Fernando Koproski. 

Em 14 Corpos de João e Maria, João Paulo Partala se debruça sobre a morte e a invisibilidade social, esmiuçando as contradições das condições da sociedade e a banalidade da vida. São textos que, por meio de um olhar arguto e de uma narrativa cheia de agudezas, traça uma linha limite entre o sujeito e o mundo, perpetuando a tradição de Camus no tratamento ao outro, mas também revelando eco da crônica diária. Partala cria um universo em que o trágico e o humor negro precisam coabitar. 

A Batida dos dias, de Carol Sakura, busca no onírico a possibilidade de refletir sobre o concreto. Seus personagens estão em becos sem saída, envoltos em alguma névoa de instabilidade e insegurança. Os relatos dão conta da opressão, velada – ou revelada – em relação sobretudo às mulheres. Com uma prosa pausada e reverencial, a escritora faz uma literatura centrípeta: olha para si para poder compreender o que está além dos seus próprios domínios. 

Deslocamentos 
Meio paranaense, meio finlandês, Sérgio Lutav é um maringaense que vive há alguns anos em Helsinque e seu livro Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos reflete a ideia do não-lugar: o ser para não estar. Sua narrativa é um tratado sobre o deslocamento e o sentir-se deslocado, sobre o não pertencer. Lutav faz uma simbiose entre os olhares fantásticos de Kafka e de Cortázar, uma amálgama que, à primeira vista, pode soar desconexo, mas que, em realidade – e lá se vão os conceitos de real! –, tem muito a dizer sobre o autor e também sobre o leitor. Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos é uma metáfora poderosa sobre o estrangeiro – aquele que, como diziam os Titãs, não é de lugar nenhum. 

Nas narrativas de Contos do Microcosmo, Guylherme Custódio usa a concisão para falar de temas que nos afligem constantemente. Seus contos são como elefantes na sala: tratam da complexidade das relações e das contradições do comportamento humano. Através desse espelho partido, Custódio relata o inesperado, o absurdo do real e o isolamento. São relações e vidas frustradas como uma condição inerente aos homens e mulheres, como se a perda da inocência fosse uma prerrogativa à vida adulta. 

Em Histórias mínimas, Jonatan Silva eleva o absurdo às últimas consequências. São personagens e situações dilacerados pela guerra e pela violência do cotidiano. Como uma metáfora sobre o caos, o livro dilata a inconstância e a vulgarização da vida – em uma espécie de olhar microscópico sobre o mundo. Histórias mínimas esboça a ideia de fronteiras sem limites e diálogos silenciosos, como se a comunicação entre os diferentes se tornasse, mais e mais, uma impossibilidade diante do abismo. 

Zumbido, de André Knewitz, é – como o próprio título sugere – uma alegoria sobre a vida nas cidades e seu ambiente castrador. Como ponto de contato entre os textos que formam o livro, personagens silenciados diante dos zumbidos provocados por aqueles que têm voz. Nessas relações de poder, Knewitz mistura as singelezas do tentar se encontrar e a dor de se saber importante. São gentes como o camponês no conto “Diante da lei”, de Kafka, que, apesar de consciente da impossibilidade, guarda dentro de si a esperança de um dia entrar nos espaços sagrados. 

Diálogos 
Para além das questões formais, os seis livros da Geração PR10 tratam do sujeito diante das impossibilidades e da necessidade de buscar uma alternativa para contrapor um cenário de tempo fechado, onde todos estão dançando em campo minado. São imagens corrosivas, e também corroídas, que pela sua estranheza e realidade convidam o leitor à reflexão e ao olhar mais profundo sobre os caminhos que o mundo está tomando. “São visões de mundo que trazem questionamentos, mas não respostas”, comenta Sandrini. 

Por outro lado, a Geração PR10 é também uma discussão sobre o espaço urbano e suas diferentes configurações. Algumas obras falam de uma Curitiba que não é cantada na literatura. “A gente vê muitas vezes os escritores querendo fazer de Curitiba o seu espaço, mas qual é a cidade nesses textos? Não é necessariamente uma Curitiba periférica, miscigenada, de uma população negra muitas vezes subalterna e oprimida”, comenta Sandrini, que cita 14 Corpos de João e Maria como um exemplo dessa vastidão de viagens por essa outra Curitiba, a do sujeito que vive as mazelas da periferia. 

Com a coleção Geração PR10, a Kafka Edições faz um mergulho denso no conto paranaense em suas novas formas e temáticas, mas sem perder de vista o diálogo com o que é produzido na literatura brasileira e internacional. As seis obras condensam um espírito combativo, experimental e altamente criativo das novas vozes da literatura do Paraná. 

Serviço 
Lançamento da Coleção PR10 – Kafka Edições
Quando: 9 de outubro
Horário: a partir das 19h
Endereço: Hangar – Casa Do Ócio – Alameda Dr. Muricy, 1091 – São Francisco, Curitiba – PR
Entrada: gratuita – os livros serão vendidos a R$20 por exemplar (a coleção completa por R$ 80)
Página do evento, aqui