ÍMÃ FAZ SHOW DE LANÇAMENTO DO EP “FURIOSA ABERTA” EM CURITIBA, QUINTA-FEIRA, 9 DE JUNHO

Apresentação ocorre no Espaço Fantástico das Artes às 20h30 com participações das artistas Julia Raiz, Natasha Tinet, Cau de Sá e Fernanda Fuchs; ingressos do 1º lote já estão à venda por R$ 20 com pagamento via PIX


Foto-mosaico por Tárcilo Pereira, Walter Thoms e Laís Melo.

Chegou a hora das canções de Furiosa Aberta serem tocadas pela ímã. Disponível nas principais plataformas desde o final de 2021, o segundo trabalho da banda será apresentado na íntegra pela primeira vez na noite de 9 de junho, em Curitiba-PR, no palco do Espaço Fantástico das Artes (R. Trajano Reis, 41 – São Francisco).

Furiosa Aberta é fruto de parcerias com as poetas e amigas Francisco Mallmann, Natasha Tinet e Julia Raiz. O álbum reverbera dúvidas essenciais para o grupo nestes últimos anos, dentre elas: “Como uma banda pode sobreviver ao isolamento?”. A resposta da ímã foi apostar em jogos de composição (feitos à distância pelas nove artistas da banda + participações) que resultaram nas faixas No coração do King Kong, Cidade Assionara Souza, Monika e o Futuro e Furiosa Aberta.

Depois de um processo de criação marcado pela não presencialidade e pela ausência de ensaios convencionais, o EP Furiosa Aberta ainda aguardava pela chance de um lançamento presencial e festivo, como esse que se anuncia.

Participações
Natasha Tinet é escritora e artista visual e, além de assinar a arte de capa do EP, é autora do poema a partir do qual nasceu a música Monika e o Futuro. Seu trabalho serviu de inspiração para a banda experimentar a técnica da colagem como linguagem de criação no campo da música.

Escritora e tradutora, Julia Raiz criou o texto que gerou a faixa Cidade Assionara Souza (feito em homenagem à sua amiga Assionara, poeta e dramaturga de grande importância no cenário brasileiro). Ao lado de Francisco Mallmann, Julia e Natasha fazem parte da Membrana Literária, a grupa afetiva, crítica e colaborativa de escrita que estará presente no palco do show de lançamento através das intervenções das duas escritoras que participaram do EP.

Cau de Sá também fará participação especial. Cantora, compositora, integrante da banda Mulamba e parceira/amiga da ímã desde outras épocas, Cau é coautora de Mangueador, single do primeiro álbum da banda, ímã de nove pontas (2020).

Ainda no dia 09, a atriz e cantora  Fernanda Fuchs estará presente no palco com a ímã para cantar algumas das canções em sua primeira apresentação junto com a banda, para brindar uma parceria que já vem desde o primeiro álbum e passa também pelo último EP.

Ingressos
O primeiro lote de reservas para o dia 09/06 já está disponível, no valor de R$ 20, com pagamento via PIX após o preenchimento do formulário acessado neste link: Show da ímã – lançamento do EP Furiosa Aberta (google.com).

Sobre a ímã
A ímã é formada por artistas multi-instrumentistas que experimentam com a canção brasileira. Seus dois primeiros álbuns trazem uma diversidade de sons que vai do samba ao ijexá, do rock polirrítmico a jazzismos tropicais. A banda também integra a Queda Livre, articulação de artistas que ocorre de forma orgânica desde 2018 e já lançou também ímã de nove pontas (2020); Fronteiriça (2020), de Roseane Santos; Livro Vivo (2021), de Luciano Faccini e Roseane Santos; Waltel 92 (2021) e o álbum 8 (2022), ambos de Francisco Okabe.

Serviço:
Furiosa Aberta ao Vivo no Espaço Fantástico das Artes | 09 de junho | 20h30
_endereço: R. Trajano Reis, 41 – São Francisco, Curitiba
_valor: R$ 20 (primeiro lote), com reservas via formulário > Show da ímã – lançamento do EP Furiosa Aberta (google.com)

Conheça a ímã
@imafuriosaaberta | linktr.ee/imadenovepontas

Conheça a Queda Livre
@QuedaLivreColetiva | linktr.ee/QuedaLivreColetiva

Ficha Técnica
Daniel D’Alessandro (bateria e percussão), Dayane Battisti (violoncelo, cavaco e voz), Francisco Okabe (violão de 7 cordas, cavaco e flauta transversal), Guilherme Nunes (guitarra), Leonardo Gumiero (baixo, sintetizador e voz), Luciano Faccini (guitarra, clarinete e voz), Mariana Ribeiro (percussão e voz), Yasmine Matusita (bateria, percussão e voz),
Convidadas: Cacau de Sá, Natasha Tinet, Julia Raiz e Fernanda Fuchs
Técnica de som: Acácio Guedes
Direção de produção: Má Ribeiro, Luciano Faccini
Produção executiva: Dayane Battisti
Classificação: livre

JOGOS DE COMPOSIÇÃO E PARCERIAS POÉTICAS DÃO VIDA AO NOVO EP DA ÍMÃ: FURIOSA ABERTA

Segundo trabalho da banda curitibana será lançado na primeira sexta-feira de novembro

No dia 5 de novembro, a ímã lança o EP Furiosa Aberta, com quatro músicas inéditas. O segundo trabalho da banda curitibana é fruto de parcerias com as poetas e amigas Francisco Mallmann, Natasha Tinet e Julia Raiz, e poderá ser ouvido gratuitamente nas principais plataformas de streaming e no site oficial da grupa: www.imadenovepontas.com

“Como uma banda pode sobreviver ao isolamento? Ainda temos mais perguntas do que respostas. Melhor assim”, pensa Luciano Faccini, que, dentre outras funções, é cantor, compositor e diretor artístico da ímã. Tentando fugir da norma – máxima que guia o processo criativo da banda desde sua fundação -, a grupa apostou nos jogos de composição. “Se por um lado a pandemia forçou o mundo inteiro a reorganizar hábitos, rotinas e modos de sobrevivência, por outro, nós conseguimos reunir esforços para colocar em prática um interesse antigo de explorar processos de composição que pudessem percorrer caminhos diferentes dos tradicionais”, explica o músico.

Três poemas de poetas premiadas foram musicados. “Achamos que seria maravilhoso ter outras artistas navegando nessa experiência com a gente, e aí, muito espontaneamente, chegamos em Julia, Nat e Chico, que, antes do projeto, já tinham uma relação com a banda”, fala Day Battisti, a violoncelista da ímã. Luciano faz parte da Membrana Literária, grupa de escritoras que também abraça as três convidadas especiais do EP, e por isso outras parcerias artísticas já vinham sendo desenhadas ao longo dos anos.

Cada integrante da ímã recebeu o desafio de musicar um trecho de cada poema e posteriormente essa profusão de ideias e intuições deu origem a uma obra original e imaginativa. “Foram muitas e muitas versões diferentes, lotamos muitos drives e HDs com propostas, que foram criadas em pedacinhos de MP3 e Wav ao longo das semanas de trabalho, trazendo detalhes que iam surgindo e sendo testados, aplicados nas canções por cima daquilo que já constava nelas”, diz o percussionista Daniel D’Alessandro. “As reuniões semanais por videochamada serviam para que conversássemos sobre o que tinha sido construído e decidíssemos juntos sobre o que fazer com os arranjos.”

Nenhuma música foi ensaiada antes das gravações, no sentido convencional do termo. “Sem a presencialidade, foi como esculpir algo, junto com outras sete pessoas, cada uma em sua casa, com essencialmente aquilo que tinha à disposição para a captação de cada instrumento”, expõe Daniel. “Foi tipo uma gincana de meses e meses onde muitas vezes tudo parecia uma grande e intransponível loucura e em muitas outras vivemos o maravilhamento dessa possibilidade de composição. Foi e segue sendo um ping pong no abismo das ideias.”

Se no primeiro disco a ímã teve a oportunidade de gravar a totalidade das músicas no Gume Estúdio, de Leonardo Gumiero, com maior uniformidade na escolha de microfones e técnicas de produção musical, desta vez foi preciso recorrer ao “universo das colagens”, nas palavras de Daniel. “Gravações feitas com o celular, com gravadores diferentes, com microfones e placas de som ótimas, outras nem tanto. Tudo isso colabora para deixar o trabalho mais diversificado ainda em termos de timbres, de cores e tipos de luzes empregadas”, completa Luciano.

SEITHY REFLETE ARTES INVISIBILIZADAS PELO COLONIALISMO EM SINGLE DE ESTREIA

“Sem Nome” antecipa álbum pelo Selo Diáspora

Artista multidisciplinar e luthier curitibano, Seithy faz de sua estreia musical um reflexo de sua identidade enquanto latino americano amarelo que vê sua cultura ser apropriada e invisibilizada. A urgente “Sem Nome” é guiada pela guitarra Kakushin-I de confecção própria e pela produção musical de Hugo Noguchi. A faixa está disponível em todos os serviços de música digital e antecipa o álbum “Haikai Espiritado”.

“Depois de anos num coma colonial, entre não-lugares, inseguranças e naturalmente alocado à margem do possível, decidi saltar. Existo nesse salto, livre, caótico, saturado, conflituoso e humano. De som e de ser”, reflete ele.

No single “Sem Nome”, Seithy busca um olhar descolonial inspirado por todas as histórias, civilização e relatos que foram esquecidos em processos predatórios, desde terras até criações artísticas.

“Essa faixa é sobre o sufocar neo-colonial, não em meu nome, mas em nome de qualquer natureza não hegemônica, sobre artefatos, sobre as histórias caladas, aterradas, queimadas, sobre entrar num museu e se resumir num artefato exótico de autoria desconhecida, da cerâmica indiana do século II ao adorno kaingang de 2017”, conta Seithy.

O lançamento é uma aposta do selo Diáspora, projeto de Hugo Noguchi que pretende dar visibilidade para que artistas racializados se insiram de modo profissional no mercado musical, buscando descendentes das diásporas africana e asiática, bem como das internas brasileiras. “Sem Nome” está disponível em todas as plataformas de streaming musical.

Ouça “Sem Nome”: https://smarturl.it/SeithySemNome
Assista “Sem Nome”: https://youtu.be/8y3eCD4mSbY

Ficha técnica:
Música por Seithy
Voz, violão, guitarra e bateria acústica: Seithy.
Engenharia de som e gravação da voz e bateria acústica por Leonardo Gumiero no Gume Estúdio.
Baixo, produção musical, mixagem e masterização por Hugo Noguchi.


Seithy – crédito Fanny Ogata

Letra
Decolonize o som
Mas tenta ouvir também
A voz que se apagou, que embranqueceu
Amém.
De baixo da terra ou na cinza do fogo, das velhas bocas dos povos negados aqui.
Desestatize a cor, mas tenta ver além
Quem sucumbiu à mão
Que vem de contra-mão, e insiste em esclarecer
Que o lugar pra fala é claro e restrito
Basta que vivo ou revividamente ocupe-o

DALVA LANÇA VIDEOCLIPE ALGEMAS DO AMOR

Dalva lança videoclipe Algemas do amor. Foto de Aurelio Dominoni.

Com amor e fetiches como pano de fundo, Drag queen Dalva lança seu videoclipe Algemas do Amor no dia 1º de maio em suas plataformas digitais

A drag queen curitibana Dalva, ou Dalvinha Brandão como também é chamada, lança seu segundo videoclipe Algemas do amor em suas plataformas digitais no dia 1 de maio a partir das 22 horas. Mais de um ano depois de seu primeiro videoclipe, Psicopata do amor, sua nova produção audiovisual tem como ponto de partida outra história de amor fracassada.

Vindo uma experiência profissional que começou no teatro, tanto atuando, como escrevendo e dirigindo, Dalva conta que a possibilidade de contar histórias por meio da música foi o que motivou a começar a compor. “Eu escuto muita música que é considerada brega e eu gosto particularmente das que contam histórias trágicas. É maravilhoso quando tem o contraste de uma letra super trágica e um beat que te faz dançar. É esse tipo de coisa que eu gosto de fazer”, conta a artista.

Depois do assassinato narrado em seu primeiro videoclipe, Algemas do amor traz a história de uma relação amorosa obsessiva, que apesar de já ter terminado, continua dominando a vida de alguém. “Muita gente já passou por isso. Aquela pessoa que termina com você, mas continua aparecendo na tua vida, não te deixa seguir em frente. É uma violência, mas às vezes você começa a gostar daquilo, cultivar, não consegue sair”.

O roteiro, escrito por Dalva e pela diretora do vídeo, Carol Winter, reúne imagens do universo do fetiche, e em particular algumas práticas do BDSM. “O BDSM (bondage, dominação submissão e sadomasoquismo) é uma coisa que já fazia parte da minha vida de alguma forma, de leve. Tem muito a ver com prazer e dor. A diferença é que no BDSM você escolhe, tem um acordo. Numa relação dessas, muitas vezes você não tem consciência do que está acontecendo e nem consegue sair”, explica a drag queen.

Apesar da referência, o clipe destoa da imagem clássica que as pessoas têm de BDSM. Juntamente com a diretora de arte Fabi Melatte, e o diretor de moda Aurélio Dominoni, a equipe foi reunindo um universo de imagens coloridas, artificiais e lúdicas, que vão num caminho diferente das esperadas correntes e roupas pretas de couro e látex. “A gente fala também de como essas relações destrutivas às vezes estão escondidas embaixo de uma aparência de tudo-bem, às vezes doçura e gentileza podem doer mais que tapa”.

A produção, assinada por Semy Monastier, foi barata, porém não pouco trabalhosa. Como uma das referências que inspiraram o roteiro – o clipe “Numb”, do U2 – tudo acontece em um único quadro, em que mãos e pés (no caso do ator Diogo Bonito e do DJ Iegor Lima) manipulam o corpo da protagonista. A equipe contou também com assistência de direção de Ricardo Kenji Kumasaka, direção técnica de Fábia Regina e pós-produção de Marta Souza e Germano Strazzi.

A faixa foi produzida por Leonardo Gumiero, e traz uma batida extremamente dançante, que lembra os hits do europop e da house music do início dos anos 2000. “Eu queria esse universo sonoro principalmente porque me lembra uma época em que eu ainda tinha sentimentos. Hoje em dia meu coração é um caco de telha”, lamenta Dalva.

SERVIÇO
Lançamento videoclipe ALGEMAS DO AMOR de Dalva
dia 1º de maio, às 22h
Onde: youtube/dalvinhabrandao

FICHA TÉCNICA
Direção: Carol Winter
Roteiro: Dalvinha Brandão e Carol Winter
Produção: Semy Monastier
Assistência de Direção: Ricardo Kenji Kumasaka
Direção de Arte: Fabi Melatte
Direção Técnica: Fábia Regina
Direção de Moda: Aurélio Dominoni
Edição: Marta Souza
Tratamento de Cor: Germano Strazzi
Atores: Iegor Rainer e Diogo Bonito
Participação especial como Mão Roxa: Fabi Melatte
Figurino e Peruca: Rapha Natel

Agradecimentos: Selvática Ações Artísticas, Psicodrags, Kings Of The Night, Simone Bitencourt, Adriano Sátiro, Well Guitti, Cacá Bordini, Cândida Monte

Produção musical: Leonardo Gumiero
Mídia Social e imprensa: Vi Gabarda

Fotos (divulgação): Aurélio Dominoni

Edição Making of: Ricardo Kenji Kumasaka

Para mais informações, favor entrar em contato.
(41)99854-9506 – Vi Gabarda – assessora de imprensa

 

KLÜBER BUSCA APROXIMAR AS PESSOAS EM MEIO À SOLIDÃO EM INSTIGANTE REGISTRO AO VIVO


EP e vídeo registrados um pouco antes da pandemia mostram o artista ao piano com pedais de loop

Um artista, um piano, pedais de loop e uma plateia reunida na sala da casa de alguém. Parece simples, mas o que Klüber faz em seu EP e vídeo “Cante Comigo Ao Vivo” cria camadas de sensações a cada efeito incluído, em cada verso com sua poesia irônica e cotidiana e com o clima de intimidade e solidão de um registro feito dias antes da pandemia. O trabalho, que recria canções de “Cante Comigo Esse Refrão Clichê de Pop Farofa”, seu EP de estreia, está disponível em todas as plataformas de música digital e pode ser visto em seu canal no YouTube.

Residente em Curitiba, Klüber é bacharel em Piano pela EMBAP/UNESPAR e possui sólida formação na música de concerto. Procurando outra via de expressão artística além de intérprete, compõe canções que aglomeram referências eruditas das mais variadas ao pop, folk, rock alternativo e ritmos tradicionais brasileiros. Suas canções versam, em letras ácidas, sobre política, existencialismo, sobre sua vida enquanto pessoa não-binária e já foram premiadas em festivais.

“Todas as músicas estão muito diferentes do primeiro EP, com improvisos de piano e de voz, com loop station, e com a participação do público cantando junto. Ele foi gravado 15 dias antes de quarentena se iniciar, então acho que também tem esse memorial de um tempo outro”, reflete Klüber.

Após seu EP de estreia de 2019, o artista está atualmente em pré-produção de seu primeiro disco cheio. “Cante Comigo Ao Vivo” tem gravação, edição, mixagem e masterização de Leonardo Gumiero e vídeo dirigido por Carol Winter. O trabalho pode ser conferido em todas as plataformas de música digital.

Ficha Técnica:
Letras, músicas, voz, piano, violão e loop station: Klüber
Parceria na letra em “De Ordem Espectral”: Murilo Silvestrim
Gravação, edição, mixagem e masterização: Leonardo Gumiero – Gume Estúdio
Captação e edição de vídeo: Carol Winter
Iluminação: Luciano Faccini
Cenário e produção: Daniel D’Alessandro, Kelvin de Souza, Luciano Faccini, Má Ribeiro e Roseane Santos
Fotografias: Isabella Mariana
Arte de capa: Raquel Sales
Assessoria em redes sociais: Menu da Música
Assessoria de imprensa: Build Up Media

Klüber
Canal do youtube, aqui
Instragram: www.instagram.com/musikluber
Fanpage: www.facebook.com/musikluber

Assista ao vídeo: https://youtu.be/T6bS3OL700w
Ouça “Cante Comigo Ao Vivo”: https://ffm.to/cantecomigo-aovivo

ROSEANE SANTOS LANÇA “GUELRAS”, CANÇÃO DO INÉDITO FRONTEIRIÇA, SEU PRIMEIRO ÁLBUM

Roseane Santos por Luciano Faccini

A artista dá início à sua própria abertura enquanto compositora e letrista

Está disponível nas plataformas digitais a canção “Guelras”, parceria de Roseane Santos com Luciano Faccini que inicia a sequência de lançamentos de músicas do álbum Fronteiriça — em seguida vêm “A Sereia e a Fiandeira” dia 1º e “Ancestralidade” em 8/7.

Guelras é assinada por Leonardo Gumiero e Luciano na produção musical, assim como as outras faixas do disco, e conta com participação de Klüber no piano. As artes de capa (single e álbum) são de Thalita Sejanes, também criadora do lyric vídeo que conduz a música no YouTube, com desenho feito por Roseane.

“O texto foi construído a partir de um diálogo que tive. Deixei isso em um caderno com escritos que muitas vezes nem volto a ler, em outras leio muito tempo depois. Neste caso, em 2018, mostrei algumas anotações para o Luciano Faccini, que mais tarde apareceu com a ideia da música tirada dali. Ainda passei por um certo processo interno ao me despedir do texto enquanto texto, e encarar a canção, que no fim chegou a este resultado que me agrada muito”, explica Roseane.

Novo momento
Com mais de 16 anos de carreira, Roseane Santos é reconhecida como uma das vozes mais marcantes da cena curitibana e intimamente ligada aos universos do samba e ritmos afro-brasileiros. Tem passagens marcantes por projetos como Serenô, Orquestra Maria Faceira, grupo vocal Noivas de Allfreddo.

A nova faixa é o único samba de Fronteiriça, ainda que a construção do arranjo o coloque em contato com outras linguagens escolhidas ao longo dos encontros de gestação do álbum.

Ficha técnica de Guelras:
Voz: Roseane Santos
Bateria: Daniel D’Alessandro
Violão de 6: André Garcia
Percussão: Gabriela Bruel e Matê Magnabosco
Baixo: Vic Vilandez
Piano: Klüber
Pandeiro e tamborim: Raphael Araujo
Produção Musical: Leonardo Gumiero e Luciano Faccini
Direção Artística: Roseane Santos e Luciano Faccini
Gravação, edição, mixagem e masterização: Leonardo Gumiero
Produção Executiva: Moira Albuquerque
Coro: Alisson Santos, André Amorim, Caroline Casagrande, Daniel D’Alessandro, Dayane Battisti, Desireé dos Santos, Gabriela Bruel, Guilherme Mendes Muniz, Klüber, Leonardo Gumiero, Luciano Faccini, Má Ribeiro, Moira Albuquerque, Monique Portela, Nati Bermúdez e Thalita Sejanes.

Arte: Thalita Sejanes

Ouça Guelras agora: 
Spotify – https://spoti.fi/2Bd20Sd 
Deezer – https://bit.ly/2VlGSjz 
Apple Music – music.apple.com/us/artist/roseane-santos/1489426767 
Youtube – www.youtube.com/watch?v=K76UOAF_EPI 

Ouça as já lançadas Pedras e Escritos e Não Obedeço e faça pré-saves de A Sereia e a Fiandeira e Ancestralidade: linktr.ee/Fronteirica 

FRONTEIRIÇA, O PRIMEIRO ÁLBUM DE ROSEANE SANTOS

Roseane Santos. Crédito foto: Luciano Faccini

Com mais de quinze anos de carreira, Roseane Santos brinda esse novo tempo com disco solo estreando como compositora e convida todos a participarem. O novo trabalho está em fase de finalização e conta com financiamento coletivo na plataforma Benfeitoria para custear suas últimas etapas

Fronteiriça, primeiro álbum da cantora Roseane Santos reúne 10 canções, dentre textos escritos pela própria artista e parcerias com amigas e amigos artistas da música, teatro, literatura e dança (como Luciano Faccini, Leonarda Glück, Ary Giordani, Francisco Mallmann, Bia Figueiredo e Ana Modesto), e resulta de uma vasta bagagem de vida e música.

Reconhecida como uma das vozes mais marcantes da cena curitibana e intimamente ligada aos universos do samba e ritmos afro-brasileiros (com passagens marcantes por projetos como Serenô, Orquestra Maria Faceira, grupo vocal Noivas de Allfreddo e muitos outros), Roseane Santos agora deseja compartilhar com o mundo um novo diálogo com suas próprias origens.

“Lançar esse trabalho é como mostrar ao mundo um cruzamento de regiões da minha própria existência. São anos de pesquisa na minha caminhada entre a música tradicional e a canção contemporânea revelados ali. O disco tem um pouco de cada coisa que fiz ao longo da minha história e não é experimental no sentido de buscar algo que nunca fiz. Me assumir como compositora é a ruptura mais importante para mim neste momento, meu divisor de águas”, conta.

O novo trabalho conta com André Garcia no violão, guitarra e arranjos-base, Gabriela Bruel na percussão, Daniel D’Alessandro na bateria, Victoria Vilandez no contrabaixo e Luciano Faccini no clarinete, violão, efeitos, ambientações, direção artística — ao lado da própria Rose — e produção musical em parceria com Leonardo Gumiero. Quem assina a arte é Thalita Sejanes e a produção executiva é de Moira Albuquerque. O álbum também traz várias participações especiais que estão sendo preparadas.

COLABORE COM FRONTEIRIÇA – Além de apoio do Colégio Medianeira obtido em suas fases iniciais, o projeto agora conta com o famoso financiamento coletivo para contemplar despesas de mixagem, masterização, lançamento (assessoria de imprensa, distribuição física e virtual) e melhora da remuneração da equipe (12 profissionais, entre músicos, designer e produtores)

As contribuições partem de R$ 15 e oferecem diversas recompensas, como ingressos para shows de FRONTEIRIÇA, download de faixas exclusivas antes do lançamento oficial e convites para o evento de audição das músicas com toda a equipe. Agora, você que é fã do trabalho de Roseane Santos e conhece seu repertório, aproveite a chance de ajudar esse projeto e ganhe também um vídeo gravado pela própria Rose cantando a música que escolher dedicada a você.

confira a página da campanha do Benfeitoria www.benfeitoria.com/fronteiricaroseanesantos

> saiba mais sobre a música de Roseane Santos:
www.soundcloud.com/roseane-santos/

> fanpage
www.facebook.com/cantoraroseanesantos