“O PEQUENO PRÍNCIPE” PARA SURDOS E OUVINTES: NOVO ESPETÁCULO DA CIA. FLUCTISSONANTE RECRIA CLÁSSICO COM ENCENAÇÃO EM PORTUGUÊS E LIBRAS SIMULTÂNEAMENTE

O Pequeno Príncipe. Foto: Elenize Dezgeniski.

O espetáculo foca no público infanto-juvenil e tem ingressos gratuitos. A estreia acontece dia 23 de julho no Teatro Cleon Jacques, no Parque São Lourenço, com apresentações aos sábados e domingos, às 11h e às 16h até dia 14 de agosto

“O Pequeno Príncipe”, uma das obras literárias mais conhecidas de todos os tempos, acaba de ganhar uma nova e mais inclusiva versão para o teatro. Com texto em português e em Língua Brasileira de Sinais (Libras), a Cia Fluctissonante lança o seu mais novo espetáculo voltado ao público infanto-juvenil. A peça estreia no sábado, 23 de julho, e segue temporada no palco do Teatro Cleon Jacques, no Parque São Lourenço, até o dia 14 de agosto, com sessões aos sábados e domingos, sempre às 11h e às 16h. A entrada é franca e os ingressos gratuitos são distribuídos uma hora antes da apresentação no próprio teatro.

O espetáculo, inspirado no livro homônimo do francês Antoine de Saint-Exupéry, se apresenta como uma experiência sensorial para crianças de todas as idades. Em cena, as atrizes Catharine Moreira, Helena de Jorge Portela e o ator Lucas dos Santos levam ao público a história do principezinho que encontra um aviador em meio ao deserto, e então narra as peripécias que viveu pelos planetas que passou. Desta vez, no entanto, a trama foi recriada e é encenada em português e Libras simultaneamente, a fim de unir os públicos surdo e ouvinte na plateia do espetáculo.

Esta é mais uma montagem da Cia. Fluctissonante produzida para crianças. O primeiro espetáculo infantil “Enquanto a Chuva Cai” realizou mais de 50 ações em cerca de 20 cidades brasileiras. De acordo com a atriz e fundadora do grupo, Helena de Jorge Portela, a obra carrega o resultado de todas as pesquisas realizadas pela companhia nos últimos anos. “Apresentamos uma pesquisa que começou com Enquanto a Chuva Cai. Nos interessa muito aproximar o público surdo do teatro, mas também entendemos a arte cênica como possibilidade de aproximar as crianças ouvintes da Libras”, complementa.

Para o dramaturgo e diretor da peça, Nautilio Portela, a participação no trabalho se torna duplamente especial, já que tem a oportunidade de comemorar os 50 anos de carreira dirigindo um clássico da literatura mundial. “Dirigir um clássico da literatura infanto-juvenil como O Pequeno Príncipe, em Português e Libras, com uma equipe de excelentes profissionais me propôs um desafio e uma grande responsabilidade, que eu só posso encarar como um presente por este meio século de teatro.”, diz ele.

O público de Curitiba e região pode aguardar uma obra potente, divertida e emocionante. Um verdadeiro programa para toda a família, e para as crianças de todas as idades. Os ingressos são distribuídos nos dias do espetáculo, sempre uma hora antes do início.

Sobre
A Cia Fluctissonante é um coletivo curitibano formado por artistas surdos e ouvintes que dedicam-se à criação cênica contemporânea e bilíngue (Libras e Português). Seus projetos unem os públicos surdo e ouvinte nas plateias. Ao longo de sua trajetória produziu espetáculos para adultos como ‘Giacomo Joyce’ (2017) e ‘\TODAS/’ (2018) e também para a infância, como ‘Enquanto a Chuva Cai’ (2016) e ‘Conto Com Libras’ (2018). Em 2021, estreou sua quinta montagem, ‘Elevador’, com direção da artista convidada Georgette Fadel. Em 2020, passou também a desenvolver projetos digitais como a websérie ‘Mulheres – Sinais de Suas Escritas’ e a versão online do espetáculo ‘Conto Com Libras’, além do show-cênico-musical ‘Origami – Músicas Para Ver e Ouvir’. Assim, a companhia consolidou-se precursora nacional na criação em arte acessível, destacando-se justamente pela união de duas das línguas oficiais do Brasil dentro da cena e realizou ações em relevantes eventos, como: Palco Giratório e Plataforma Cena (nacionais), Semana Modos de Acessar (SP), Projeto Narrativas do Silêncio (RN), Curitiba Mostra, Festival de Teatro de Curitiba – Oficial, Mostra Novos Repertórios, Mostra Claudete Pereira Jorge e Prêmio Arte Paraná (PR).

SERVIÇO
O Pequeno Príncipe
De 23 de julho a 14 de agosto
Sábados e domingos, 11h e 16h
Teatro Cleon Jacques – R. Mateus Leme, 4700 (anexo ao Parque São Lourenço), Curitiba.
Entrada gratuita. A distribuição dos ingressos acontece por ordem de chegada 1 hora antes do início do espetáculo.
Duração: 60min
Classificação: Livre

Mais informações no Instagram da Companhia: https://www.instagram.com/fluctissonante/

FICHA TÉCNICA
Texto e Direção: Nautilio Portela
Direção de Movimento: Katia Drumond
Elenco: Catharine Moreira, Helena de Jorge Portela e Lucas dos Santos
Vozes em Off: Clarice Rocha, Diego Marchioro, Juscelino Antunes, Katia Horn, Marcel Malê Szymanski e Simone Magalhães
Tradução para Libras: Taepé Libras e Cultura
Supervisão de Libras: Catharine Moreira, Talita Grunhagen e Peterson Simões
Trilha Sonora Original e Operação de Som: Chico Paes
Cenografia: Katia Horn
Figurinos: Ricardo Garanhani
Iluminação: Lucas Amado
Direção de Produção: Igor Augustho
Produção Executiva: Diego Marchioro
Assistentes de Produção: Juliana Caimi e Rebeca Forbeck
Costureira: Rose Matias
Cenotécnico: Fabiano Hoffmann
Operação de Luz: Eduardo Neto
Técnico de Luz: Julio Machado
Design Gráfico: Pablito Kucarz
Assessoria de Imprensa e Marketing Digital: Platea Comunicação e Arte
Registro Fotográfico: Elenize Dezgeniski
Registro Audiovisual: Chico Paes
Revisão Texto Programa: Noemi Grunhagen
Realização e Criação: Cia Fluctissonante
Realização e Produção: Pomeiro Gestão Cultural

“PROJETO REALIZADO COM RECURSOS DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA”

ANTROPOFOCUS APRESENTA EM MANDIRITUBA UM ESPETÁCULO TEATRAL DE COMÉDIA SEM NENHUM DIÁLOGO

Contos proibidos de antropofocus. Foto: Paulo Feitosa.

As apresentações gratuitas acontecem no dia 29 de julho, no Teatro Municipal com sessões às 15 hrs e 20 hrs

Fazer o público rir, sem que os atores digam uma palavra sequer. Este é o desafio do grupo Antropofocus, que vai se apresentar em Mandirituba no dia 29 de julho, no Teatro Municipal.  Serão duas apresentações no mesmo dia com entrada gratuita, a primeira às 15 hrs e a segunda às 20 hrs.

O espetáculo intitulado Contos Proibidos de Antropofocus, faz parte do projeto de circulação CONTOS EM TODOS OS CANTOS, viabilizado por meio do Profice, com apoio da Copel. No elenco, estão os atores do grupo Antropofocus, Anne Celli, Andrei Moscheto, Edran Mariano e Marcelo Rodrigues, e o ator convidado Bruno Lops.

Em comemoração aos 22 anos de trajetória, o Antropofocus está muito feliz com essa circulação pelo estado do Paraná e também por compartilhar sua pesquisa do grupo, com uma cidade da região metropolitana de Curitiba.

Além das apresentações abertas para a comunidade, o grupo também oferece uma sessão exclusiva para alunos do ensino médio de escolas públicas e uma oficina de improvisação teatral com carga horária de 9 horas.

Como o espetáculo não possui texto, pode ser assistido por pessoas surdas, que podem acompanhar e aproveitar a apresentação sem a necessidade da presença de intérprete de Libras.

“Contos Proibidos de Antropofocus” é uma das criações de maior sucesso do grupo Antropofocus, com temporadas em cidades como São Paulo, Porto Alegre, Brasília, Rio de Janeiro e também em Córdoba, na Argentina, além de participações em importantes festivais de teatro no Brasil, e agora em circulação por terras paranaense.

Mandirituba fecha a programação do mês de julho do projeto CONTOS EM TODOS OS CANTOS que já passou por Jacarezinho e Ibiporã.  E em agosto quem irá receber a programação do projeto serão as cidades de Antonina e Laranjeiras do Sul.

ROTEIRO
* Mandirituba
29 de julho, no Teatro Municipal

* Antonina
05 e 06 de agosto, no Theatro Municipal

* Laranjeiras do Sul
12 e 13 de agosto, no Cine Teatro Iguassu

O ESPETÁCULO
Em Contos Proibidos de Antropofocus, o grupo enfrenta o desafio de fazer um espetáculo sem nenhum diálogo, onde a comunicação acontece apenas por meio do som. Partindo da metáfora da incomunicabilidade, as cenas – ou contos – acontecem em ambientes onde pessoas desconhecidas se encontram, mas raramente iniciam uma conversa: dentro de um ônibus, debaixo de uma marquise num dia de chuva ou em um banheiro masculino.

O projeto, que é uma investigação do grupo sobre a força dramatúrgica que o som tem, nasceu da frequência com que grandes artistas cênicos e cinematográficos usam medidas sonoras para falar de seus trabalhos: o tom da cena, ritmo da ação e timming.

A OFICINA
Voltada para artistas e não-artistas, a oficina de Improvisação Teatral visa estimular o participante a conhecer e descobrir seu potencial inato de criatividade através de exercícios teatrais.

E, por meio da improvisação, fazer com que ele tenha capacidade de ousar, perceber, ouvir, ser espontâneo, improvisar e se relacionar.

A oficina acontece nos dias 01, 02 e 03 de agosto das 19 às 22 hrs, e as inscrições podem ser realizadas através do site do Antropofocus.

SOBRE O ANTROPOFOCUS
O Antropofocus está prestes a completar 22 anos de trajetória e sempre teve como premissa artística observar o ser humano e seu comportamento no cotidiano, sabendo que todas as suas ações podem ser consideradas cômicas, dependendo do prisma pelo qual é observado. Desde a sua fundação, em 2000, o grupo dedica-se ao processo colaborativo na busca de um resultado estético que represente as vozes, ideias e desejos de todos os seus integrantes.

Para isso o grupo vem se aprofundando nas ferramentas da dramaturgia dinâmica como metodologia para as criações de seus espetáculos. Em sua trajetória, o grupo realizou uma série de experimentos artísticos e intercâmbios com artistas nacionais e internacionais, que resultaram em criações de espetáculos e atividades pedagógicas realizadas em sua sede.

SERVIÇO
CONTOS PROIBIDOS DE ANTROPOFOCUS
Dias: 29 de julho
Horário: 15hr e 20 hrs
Local: Teatro Municipal de Mandirituba – Rua da Liberdade, 353 – Centro
ENTRADA GRATUITA – retirar o ingresso a partir de 1 hora antes
Informações: (41) 3633-1342 e @antropofocus

OFICINA DE IMPROVISAÇÃO TEATRAL
Dias: 01, 02 e 03 de agosto
Horário: das 19 às 22 hrs
Local:  Teatro Municipal de Mandirituba
Informações e inscrições:  @antropofocus e  https://bit.ly/OficinaImprovisaçãoMANDIRITUBA

FICHA TÉCNICA
Elenco: Anne Celli, Andrei Moscheto, Bruno Lops, Edran Mariano e Marcelo Rodrigues
Sonoplastia e assistente de direção: Célio Savi
Operador de som: Célio Savi
Iluminação: AnryAider e Paulo Rosa
Operação de luz: Paulo Rosa
Cenografia: Sérgio Richter & Antropofocus
Figurino e Adereços: Fabiana Pescara & Renata Skrobot
Designer Gráfico: Lula Carneiro
Fotos de Divulgação: Paulo Feitosa
Assessoria de Imprensa: Com Leite Comunicação Integrada
Articulador Local – Jacarezinho: Cleiton Santos
Articuladora Local – Ibiporã:  Lívia Zeferino
Articulador Local – Mandirituba: Andrio Robert
Diretor de Produção: Edran Mariano
Direção Geral: Andrei Moscheto
Realização: Antropofocus

Projeto aprovado no Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura | PROFICE da Secretaria de Estado da Comunicação Social e Cultura

CANAIS DE COMUNICAÇÃO – ANTROPOFOCUS
Site: www.antropofocus.com.br
Instagram: https://www.instagram.com/antropofocus
Facebook: https://www.facebook.com/antropofocus

ÍMÃ FAZ SHOW DE LANÇAMENTO DO EP “FURIOSA ABERTA” EM CURITIBA, QUINTA-FEIRA, 9 DE JUNHO

Apresentação ocorre no Espaço Fantástico das Artes às 20h30 com participações das artistas Julia Raiz, Natasha Tinet, Cau de Sá e Fernanda Fuchs; ingressos do 1º lote já estão à venda por R$ 20 com pagamento via PIX


Foto-mosaico por Tárcilo Pereira, Walter Thoms e Laís Melo.

Chegou a hora das canções de Furiosa Aberta serem tocadas pela ímã. Disponível nas principais plataformas desde o final de 2021, o segundo trabalho da banda será apresentado na íntegra pela primeira vez na noite de 9 de junho, em Curitiba-PR, no palco do Espaço Fantástico das Artes (R. Trajano Reis, 41 – São Francisco).

Furiosa Aberta é fruto de parcerias com as poetas e amigas Francisco Mallmann, Natasha Tinet e Julia Raiz. O álbum reverbera dúvidas essenciais para o grupo nestes últimos anos, dentre elas: “Como uma banda pode sobreviver ao isolamento?”. A resposta da ímã foi apostar em jogos de composição (feitos à distância pelas nove artistas da banda + participações) que resultaram nas faixas No coração do King Kong, Cidade Assionara Souza, Monika e o Futuro e Furiosa Aberta.

Depois de um processo de criação marcado pela não presencialidade e pela ausência de ensaios convencionais, o EP Furiosa Aberta ainda aguardava pela chance de um lançamento presencial e festivo, como esse que se anuncia.

Participações
Natasha Tinet é escritora e artista visual e, além de assinar a arte de capa do EP, é autora do poema a partir do qual nasceu a música Monika e o Futuro. Seu trabalho serviu de inspiração para a banda experimentar a técnica da colagem como linguagem de criação no campo da música.

Escritora e tradutora, Julia Raiz criou o texto que gerou a faixa Cidade Assionara Souza (feito em homenagem à sua amiga Assionara, poeta e dramaturga de grande importância no cenário brasileiro). Ao lado de Francisco Mallmann, Julia e Natasha fazem parte da Membrana Literária, a grupa afetiva, crítica e colaborativa de escrita que estará presente no palco do show de lançamento através das intervenções das duas escritoras que participaram do EP.

Cau de Sá também fará participação especial. Cantora, compositora, integrante da banda Mulamba e parceira/amiga da ímã desde outras épocas, Cau é coautora de Mangueador, single do primeiro álbum da banda, ímã de nove pontas (2020).

Ainda no dia 09, a atriz e cantora  Fernanda Fuchs estará presente no palco com a ímã para cantar algumas das canções em sua primeira apresentação junto com a banda, para brindar uma parceria que já vem desde o primeiro álbum e passa também pelo último EP.

Ingressos
O primeiro lote de reservas para o dia 09/06 já está disponível, no valor de R$ 20, com pagamento via PIX após o preenchimento do formulário acessado neste link: Show da ímã – lançamento do EP Furiosa Aberta (google.com).

Sobre a ímã
A ímã é formada por artistas multi-instrumentistas que experimentam com a canção brasileira. Seus dois primeiros álbuns trazem uma diversidade de sons que vai do samba ao ijexá, do rock polirrítmico a jazzismos tropicais. A banda também integra a Queda Livre, articulação de artistas que ocorre de forma orgânica desde 2018 e já lançou também ímã de nove pontas (2020); Fronteiriça (2020), de Roseane Santos; Livro Vivo (2021), de Luciano Faccini e Roseane Santos; Waltel 92 (2021) e o álbum 8 (2022), ambos de Francisco Okabe.

Serviço:
Furiosa Aberta ao Vivo no Espaço Fantástico das Artes | 09 de junho | 20h30
_endereço: R. Trajano Reis, 41 – São Francisco, Curitiba
_valor: R$ 20 (primeiro lote), com reservas via formulário > Show da ímã – lançamento do EP Furiosa Aberta (google.com)

Conheça a ímã
@imafuriosaaberta | linktr.ee/imadenovepontas

Conheça a Queda Livre
@QuedaLivreColetiva | linktr.ee/QuedaLivreColetiva

Ficha Técnica
Daniel D’Alessandro (bateria e percussão), Dayane Battisti (violoncelo, cavaco e voz), Francisco Okabe (violão de 7 cordas, cavaco e flauta transversal), Guilherme Nunes (guitarra), Leonardo Gumiero (baixo, sintetizador e voz), Luciano Faccini (guitarra, clarinete e voz), Mariana Ribeiro (percussão e voz), Yasmine Matusita (bateria, percussão e voz),
Convidadas: Cacau de Sá, Natasha Tinet, Julia Raiz e Fernanda Fuchs
Técnica de som: Acácio Guedes
Direção de produção: Má Ribeiro, Luciano Faccini
Produção executiva: Dayane Battisti
Classificação: livre

GALERIA POTY LAZZAROTTO: CURITIBA GANHA ESPAÇO CULTURAL QUE HOMENAGEIA UM DOS PRINCIPAIS ARTISTAS CURITIBANOS

Obras restauradas ficam no Curso Positivo e mostram a vida escolar dos alunos, por meio de 18 painéis

Quando o Curso Positivo completou 25 anos, em 1996, o artista plástico curitibano Poty Lazzarotto retratou a trajetória de seus alunos com um mural em uma das unidades. Os 18 módulos mostram a vida escolar, desde o Ensino Básico até a preparação para o Ensino Superior. Agora, ao comemorar mais de 50 anos de história, a instituição inaugura a Galeria Poty Lazzarotto, com as mesmas obras, totalmente restauradas. O espaço fica na sede mais central, na avenida Vicente Machado, em Curitiba, e está aberto à visitação do público.

A inauguração da galeria reuniu, no último dia 17, mais de 100 pessoas, entre elas a secretária municipal da Educação de Curitiba, Maria Silvia Bacila, a superintendente geral da Cultura do Paraná, Luciana Casagrande Pereira, representantes da família do artista, outras autoridades, imprensa e demais convidados. “Para nós é uma grande honra poder sediar esse espaço com obras desse grande artista, que marcou época não apenas em Curitiba, mas em todo o mundo”, destacou Renato Ribas Vaz, diretor do Curso Positivo.

Sobre a Galeria Poty Lazzarotto
A estrutura do mural se destaca pela harmonia e as tonalidades de pastel como fundo. Amarelo, salmão, cinza-azulado e creme destacam a pintura em preto. Os painéis foram executados pelo também artista plástico e cenógrafo paranaense Bira Paes, a partir da projeção dos originais de Poty, sobre os painéis de madeira. Na época, os dois dirigiram todo o processo e acompanharam de perto a instalação dos painéis na antiga sede do Curso Positivo.

No primeiro painel é possível ver um autorretrato de Lazzarotto no processo de criação do mural. O croqui em suas mãos tem a logomarca da instituição de ensino e a janela mostra a paisagem paranaense, onde nasceu o Curso Positivo. Nos painéis seguintes estão as atividades esportivas e artísticas em diferentes modalidades. A largada de uma corrida representa o esporte, e também o vestibular. Os candidatos, lado a lado, buscam uma vaga na universidade. A cena seguinte enfatiza as pernas dos candidatos, demonstrando precisar de “muita perna”, isto é, de muita determinação para vencer esta corrida. A mão com o gesto de Positivo significa o resultado conquistado. O painel final mostra a entrada na Universidade Federal do Paraná, a mais tradicional instituição de ensino superior do Estado.

SERVIÇO
Galeria Poty Lazzarotto
Local: Curso Positivo – Rua Vicente Machado, 317, Centro, Curitiba-PR
Horário de Funcionamento: 8h às 19h
Entrada Franca, mediante agendamento
Mais informações e agendamento de visita: 3232-4011

Sobre o Curso Positivo
Fundado em 1972, o Curso Positivo nasceu de um sonho de um grupo de jovens professores, apaixonados pela profissão, que se uniram por um ideal: criar um curso pré-vestibular diferente, que acompanhasse os estudantes até os dias que antecediam o vestibular – algo pioneiro no Brasil, no início da década de 70. Desde então, o Curso Positivo se estabeleceu como uma instituição de destaque, registrando, historicamente, o maior índice de aprovação nos vestibulares mais concorridos das mais importantes faculdades e universidades do Paraná, bem como excelentes resultados nos exames das principais instituições de Ensino Superior do Brasil. O Curso Positivo conta com duas sedes em Curitiba (PR), uma em Joinville (SC) e uma em Ponta Grossa (PR), e dispõe de uma equipe de professores com grande experiência, material didático de alta qualidade para a melhor preparação e um inovador sistema de aulas dinâmicas totalmente focado na aprovação dos vestibulandos. O Curso Positivo utiliza o Sistema Positivo de Ensino.

STRIP-TEASE BURLESCO COM MÚSICA AO VIVO CHEGA À PRAINHA DA ITUPAVA COM “CABARET DE BOLSO”

Pioneira do Burlesco brasileiro e Drag Queen pianista integram o elenco do show de variedades que tem estreia nesta sexta-feira (08/04), no recém inaugurado Teatro de Bolso da rua Itupava.

Estreia nesta sexta-feira (08/04) o show de variedades burlesco “Cabaret de Bolso”, iniciativa das burlescas Curitibanas Lídia Café da Manhã e Miss G em parceria com a drag queen Jeruza Miller. A proposta da noite é unir o strip-tease clássico burlesco ao repertório pianístico clássico, jazzístico e popular de Jeruza Miller (Jeferson Ulbrich), musicista de carreira internacional. O resultado é um dos primeiros shows burlescos com música ao vivo da história de Curitiba, com uma seleção musical que passa por Brahms, As Frenéticas e Duke Ellington.

“Cabaret de Bolso” dá início a  programação cabareteira do recém-inaugurado Teatro de Bolso de Curitiba, localizado no interior da galeria Itupava 1299, que abriga o conglomerado de bares e restaurantes conhecido como “prainha da Itupava”. Segundo Lídia Café da Manhã, o ambiente é “ideal para um show da linguagem burlesca, que combina com um público boêmio e disposto a participar integralmente da apresentação com gritos, assobios e aplausos”. O público do espetáculo ainda contará com 10% de desconto em compras feitas após o show no bar Barbarium Pocket, a poucos metros do teatro.

O elenco conta com a pioneira do burlesco brasileiro Miss G, que foi uma das fundadoras do Festival Yes! Nós Temos Burlesco (RJ) e atual diretora das Terças Burlescas do Ginger Bar, além de Lídia café da Manhã, a primeira burlesca brasileira a ter seu trabalho apresentado no festival do Burlesque Hall of Fame (Las Vegas). A programação da noite conta com números inéditos de strip-tease burlesco, duetos cantados e comédia falada. O performer boylesco Monge Safado fica encarregado pela assistência de palco, que em shows burlescos inclui o recolhimento de peças de roupa de forma provocativa.

Programa:
CABARET DE BOLSO
08/04/2022 – Sexta-Feira
Teatro de Bolso Curitiba
Endereço: R. Itupava, 1299 – Hugo Lange, Curitiba – PR
Sessão dupla: 22h e 23h
Ingresso: R$ 30,00
www.sympla.com.br/cabaret-de-bolso__1534421
Duração: 45 minutos

Não recomendado para menores de 18 anos
Apoio: Barbarium Pocket

Conheça as artistas:


Lídia Café da Manhã @vedetematinal
Se você come depois da meia-noite, é a primeira refeição do seu dia! Lídia Café da Manhã é uma vedete matinal e burlesca notívaga entusiasta e entusiasmada pela era de ouro do strip-tease clássico! Explora as corporalidades desvairadas das dançarinas exóticas e já se apresentou em festas, cabarés e festivais em Curitiba, Maringá, São Paulo e Rio de Janeiro, tendo exibido também seu trabalho nos festivais Burlesque Hall of Fame (Las Vegas, EUA), Salvaje: Festival Internacional de Burlesque de Argentina (Rosario, Argentina) e POA Burlesque (Porto Alegre, RS). Criadora e produtora do projeto Cabaré Notívagas e do Cabaret de Bolso.


Miss G  @corpospelaliberdade
Senhoras e senhores, apresento-lhes Miss G (stage name da artista Giorgia Conceição – Curitiba, 1981). Artista burlesca, agitadora cultural, mentora de novos artistas. Ela encabeça vários projetos relacionados ao Burlesco pelo Brasil: foi criadora e dirigente do Festival Internacional Yes, Nós Temos Burlesco (de 2015 a 2021, no Rio de Janeiro), faz parte da cúpula de curadoras da Combo Drag Week (Curitiba) e, atualmente, dirige e apresenta a mostra semanal Terça Burlesca, no Ginger Bar. Foi artista homenageada no PoA Burlesque Festival, em 2021. Durante a pandemia, foi porta voz do Burlesco Brasileiro em diversos eventos latino-americanos, como Salvage  (Argentina, 2020), Encuentro Latino de Burlesque (Ciudad de México, 2020). Dedica-se à formação de novos artistas, mirando na ampliação da cena nacional e criação de uma comunidade, formando público e dando condições para a divulgação dessa arte no Brasil. Além disso, já fez participações em eventos, mostras, festivais nacionais e internacionais, até mesmo em séries e novelas, como Ligações Perigosas (Globo, 2016) e Tempo de Amar (Globo, 2017). Já se apresentou em diversas cidades do país, e também em Nova Iorque (EUA), Kyoto (Japão), Berlim (Alemanha), Viena e Graz (Áustria), Granada (Espanha). Ministra workshops online e presenciais, já tendo passado por instituições como Tanzquartier (Viena), El Apeadero (Granada) e Instituto Itaú Cultural (SP)


Jeruza Miller @jeruza.miller
Jeruza Miller, drag queen pianista, é criadora do projeto PianoDrag. Nascida em Curitiba e criada nos rincões do interior do Paraná, Jeruza Miller é hoje uma musicista de carreira internacional. A proposta de PianoDrag é levar a riqueza e a beleza da música para piano e piano e canto com seu repertório clássico, jazzístico e popular para um público que valoriza cada vez mais a diversidade nas manifestações culturais. A premissa é música de qualidade, independente da expressão de gênero.

ELIFAS ANDREATO

Elifas Andreato faleceu nesta terça-feira (29), em São Paulo, aos 76 anos, devido a complicações decorrente de um infarto. Elifas foi um grande artista brasileiro. Com mais de quarenta anos de atividade como artista plástico, Elifas foi especialmente reconhecido como ilustrador de capas de discos de vinil. Ao todo, são 362 capas produzidas, principalmente nos anos 70, para artistas como Clara Nunes (Nação), Martinho da Vila (A Rosa do Povo), Clementina de Jesus, Paulinho da Viola, Chico Buarque (Ópera do Malandro), Elis Regina, Adoniran, Toquinho e Vinicius (A Arca de Noé). Elifas nasceu no Paraná, em Rolândia, e começou sua produção de capas em 1973, quando criou a do long-play Nervos de Aço, de Paulinho da Viola – uma capa maravilhosa! Elifas tinha trabalho engajado, sempre se posicionou contra a ditadura militar. Em 2011 foi homenageado no Prêmio Vladimir Herzog. Além de engajada, sua obra tem grande beleza, sensibilidade e qualidade artística: reconhecida no mundo inteiro.

“TRAVA BRUTA”, SOLO DE LEONARDA GLÜCK SOBRE A VIVÊNCIA DA SUA TRANSEXUALIDADE NA REALIDADE BRASILEIRA, CHEGA A 30ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DE TEATRO DE CURITIBA

Trava Bruta – Leonarda Glück – Foto Alessandra Haro.

Espetáculo estreou em São Paulo em dezembro de 2021 e marca os 25 anos de carreira da artista Leonarda Glück, que teve trabalhos apresentados em países da Europa e da América Latina

Após realizar estreia nacional na cidade de São Paulo e cumprir temporadas presencial e online no Centro Cultural São Paulo, o espetáculo “Trava Bruta”, solo escrito e encenado por Leonarda Glück com direção de Gustavo Bitencourt, faz duas únicas apresentações gratuitas no Festival de Teatro de Curitiba, dias 5 e 6 de abril, às 19h, em NOVO LOCAL, agora no Mini Guaíra, Rua Amintas de Barros, s/nº, centro de Curitiba. A entrada é gratuita e os ingressos começam a ser distribuídos às 18h, no teatro mesmo.

“Trava Bruta” é um manifesto que parte da experiência transexual da própria Glück para propor uma ponte e um embate entre o contexto artístico e a atual conjuntura política e social brasileira no que se refere ao campo da sexualidade. O trabalho marca as comemorações de 25 anos de carreira da artista e também o seu reencontro com o diretor Gustavo Bitencourt. Juntos os dois já desenvolveram criações em performance, dança e teatro, com destaque para Valsa Nº 6, montagem do texto de Nelson Rodrigues premiada pela Funarte em 2012, na ocasião do centenário do autor.

Leonarda, que hoje mora na capital paulista, começou a escrever o texto ainda em Curitiba, sua cidade de origem, onde fundou importantes coletivos do cenário teatral nacional como a Companhia Silenciosa e a Selvática Ações Artísticas. Seus trabalhos tratam de diversas temáticas, e já foram apresentados em vários países da Europa e América Latina, mas esta é a primeira vez em que a artista dedica uma criação exclusivamente à transexualidade: “Me veio uma possível angústia repentina de talvez não ter conseguido em outro momento antes escrever tão intimamente sobre o assunto da transexualidade, e seus efeitos na minha mente e na vida social da qual faço parte”, diz Leonarda.

Sobre o processo de direção do espetáculo, Gustavo Bitencourt conta que percebeu o quanto o texto fala de vivências que dizem respeito a todos, e não somente às relacionadas a transexualidade no Brasil: “É importante que a gente olhe tanto para o que tem de específico nesse contexto do qual ela fala, quanto para onde essa história se conecta com outras tantas”. Partindo daí, ele entendeu o texto de “Trava Bruta” como uma auto-ficção, gênero literário e teatral que combina autobiografia com ficção.

Leonarda e Gustavo, então, se encontraram no conceito, como nos diz o diretor: “Ficção que é o que eu pesquiso, é a minha profissão  – como drag queen, que é o que eu faço da vida há 12 anos – e é uma necessidade básica de qualquer ser humano. Humano precisa de ficção pra viver, e em diferentes medidas, com diferentes graus de comprometimento e de risco, todo mundo vai dando um jeito de concretizar”, destaca.

Para Gustavo, o ponto chave da ideia no trabalho encontra-se no fato de que “algumas ficções são permitidas e outras não. Quando se trata de gênero, as pessoas tendem a ficar muito assustadas”. Leonarda complementa: “chego aqui com a certeza de que o herói macho branco, heterossexual, cristão e suas ideias precisam urgentemente ser substituídos, trocados ou mesmo revisitados por outros ângulos. Estão chatos. De alguns eu ainda gosto muito, mas estão chatos.”

A participação de Leonarda, Gustavo e da Pomeiro no Festival marca, também, o retorno dos artistas à cidade: por muitos anos os três integraram eventos variados dentro do Festival (como o Fringe, a Mostra Oficial, a Mostra Novos Repertórios, a Curitiba Mostra e outras). Embora suas obras mais recentes tenham estreado em outros municípios do país nos últimos anos, boa parte de suas trajetórias foi consolidada em Curitiba.

O espetáculo chega à capital paranaense integrando a edição comemorativa de 30 anos do Festival de Curitiba, dentro do Interlocuções,  uma das ações do evento, a convite da curadoria de Giovana Soar e Celso Curi.

Sobre os artistas:
Leonarda Glück é atriz, dramaturga e diretora curitibana radicada em São Paulo. Co-fundadora da Companhia Silenciosa e do Coletivo Selvática. Graduada em Direção Teatral pela Faculdade de Artes do Paraná (FAP). Tem mais de vinte textos encenados por diferentes grupos, companhias e artistas brasileiros e internacionais de diversas linguagens artísticas. Publicou A Perfodrama de Leonarda Glück – Literaturas Dramáticas de Uma Mulher (Trans) de Teatro, coletânea com seis textos teatrais. Para maiores informações acesse www.leonardagluck.com

Gustavo Bitencourt é diletante profissional, nascido e residente em Curitiba, Paraná. Estudou Letras na UFPR. Atua em diversos campos artísticos e tem na indisciplinaridade uma das principais características de seu trabalho. Trabalha como ilustrador, designer gráfico, redator e tradutor, performer, ator, diretor de teatro, drag queen, crítico de arte e já compôs trilhas para teatro, dança e vídeo.

SERVIÇO
TRAVA BRUTA.
Dias 5 e 6 de abril, às 19h.
Mini Guaíra, Rua Amintas de Barros, s/nº, centro de Curitiba.
A entrada é gratuita e os ingressos começam a ser distribuídos às 18h, no próprio teatro.
18 Anos, 70 Minutos.

FICHA TÉCNICA
Criação, texto e interpretação: Leonarda Glück
Direção: Gustavo Bitencourt
Direção de produção: Igor Augustho
Trilha original: Jo Mistinguett
Luz: Wagner Antônio
Assistente de iluminação: Dimitri Luppi
Criação em vídeo e projeções: Ricardo Kenji
Figurino: Fabianna Pescara e Renata Skrobot
Fotografias: Alessandra Haro
Assessoria de imprensa São Paulo: Pombo Correio
Assessoria de imprensa Curitiba: Platea Comunicação e Arte
Realização e produção: Pomeiro Gestão Cultural

PRI LACERDA CELEBRA AS RENOVAÇÕES NO CLIPE EM ANIMAÇÃO “CAPRICORNIANA”

Faixa é o primeiro lançamento autoral em português da artista após EP de estreia

Pri Lacerda abre caminho para as renovações, celebra o presente e a vida em “Capricorniana”, primeiro single em português da artista paranaense. O colorido da canção bem-humorada é acompanhado por um clipe animado e anuncia a nova fase da cantora e compositora.

Pri Lacerda é conhecida como cantora, compositora e vocalista da banda de jazz e blues Snap Jazz. Depois de embarcar no seu projeto solo com o primeiro EP, lançado em 2018 com cinco canções que faziam a ponte entre a nostalgia do soul e a música pop atual. Além de canções próprias, o trabalho contou com “Catch the Ash” e “River of Stars”, ambas do americano Jesse Harris (autor do sucesso “Don’t Know Why”, de Norah Jones). Este ano, Pri olha para o futuro em nova fase.

Atuando no cenário musical de Curitiba desde 2013, Priscilla soma a uma trajetória profissional como jurista, mestre em Direito Econômico, professora universitária há mais de 10 anos e escritora, tendo publicado um livro de Direito sobre igualdade e, recentemente, participou da Bienal do Livro com o seu primeiro livro infantil “O Mundo Colorido da Girafa Zazá”. A música foi rapidamente de uma paixão dormente e hobby a alguns dos principais festivais e palcos da região, participando inclusive do Sofar Curitiba.

Este ano, Pri Lacerda está pronta para dar mais um passo em sua carreira musical, absorvendo o amadurecimento de seu primeiro trabalho e as reflexões diante de acontecimentos que têm nos colocado em contato com questões íntimas e emocionais.

“A pandemia pra mim foi um processo muito louco. Cada um absorveu esse momento de uma maneira diferente e tudo bem! Alguns desengavetando projetos esquecidos até então, outros aprendendo a fazer nada. E outros estão entendo que o fato de a gente estar ainda aqui é um presente. Talvez seja o momento oportuno de fazer uma viagem interna e deixar aqueles julgamentos, aquelas cobranças de lado e simplesmente ser você. É isso que estou tentando fazer, ser EU. A música foi um presente e agora em 2022 quero mostrar a compositora”, reflete Pri.

Nada melhor do que começar essa nova fase apresentando a potente “Capricorniana”, uma canção que abraça nossas contradições e trata com bom humor as características mais marcantes de ser quem somos – independentemente do signo do zodíaco. A nova série de lançamentos de Pri Lacerda ganha um pontapé inicial igualmente inventivo com um clipe assinado por Izabella Francheschi e Rosano Mauro Jr repleto de cores e texturas, com direção de arte e animação de Nathalia Okimoto – um testamento da própria versatilidade da artista.

“Escolhi começar com ‘Capricorniana’, pois é uma música que eu escrevi em casa, bebendo uma taça de vinho tirando sarro de mim, do meu jeito de ser, do que é relevante ou engraçado. O clipe vem para mostrar de uma maneira leve, divertida, que a vida pode ter várias facetas, que podemos sim fazer inúmeras coisas. A girafa foi escolhida fazendo um link direto com o meu livro infantil, mas principalmente pelo fato de a girafa ser o símbolo da comunicação não violenta. A girafa tem orelhas grandes para escutar com empatia; um longo pescoço para ver além dos julgamentos e partilhar esta consciência; nos cascos a girafa expressa sua necessidade de autenticidade, além de ter o maior coração dos mamíferos terrestres”, completa.

“Capricorniana” chega às principais plataformas de streaming através do selo Pomar e o clipe, ao canal de YouTube da artista.

Ficha técnica
Voz/composição – Pri Lacerda
Produção/guitarra/baixo/teclas/samples – Eduardo Rozeira
Bateria – Luís Bourscheidt
Mix e Master – Guigo Berger
Selo Pomar
Gravado por Eduardo Rozeira no Estúdio Gota e Francisco Desalv
Direção. Izabella Francheschi e Rosano Mauro Jr
Roteiro. Izabella Franceschi
Dir. de Fotografia. Rosano Mauro jr
Ass. de câmera. João Fincatto
Figurino. Isbella Brasileiro
1 ass. de figurino. Nathalia Mendes
2 ass. de Figurino. Clara Faraco
Make up. Carol Suss
Produção. Selecta Studio
Produção de Set. Gisela Garcia
Equipe de Pós-Produção
Direção de pós-produção:
Nathalia Okimoto
Ilustração:
Cassia Roriz
Astronauta
Nathalia Okimoto
Thais Perissinotto
Direção de animação:
Nathalia Okimoto
Animação:
Nathalia Okimoto
Thais Perissinotto
Fabio Gular

Voz/composição – Pri Lacerda (@aprilacerda)
Produção/guitarra/baixo/teclas/samples – Eduardo Rozeira (@rozeiracomz)
Bateria – Luís Bourscheidt (@gauspa)
Mix e Master – Guigo Berger (@guigoberger)
Preparadora vocal – Paola Pagnosi (@lolapagnosi)


Asssita a “Capricorniana”: https://youtu.be/ZXCozxDgnE4
Ouça “Capricorniana”: https://pomar.fanlink.to/capricorniana 

Siga Pri Lacerda:
facebook:
https://www.facebook.com/aprilacerda/
instagram:
https://www.instagram.com/aprilacerda/
Canal no Youtube: Pri Lacerda

Letra:
CAPRICORNIANA
Sou capricorniana
Às vezes um tanto insana
Gosto do certo
Do que é correto
Quando o que importa
É o que está por perto

Eu tenho TOC
Isso é comum
Mas nenhum deles
Faz mal algum
Gosto da vida
Gosto da arte
De um leve caos
Antes da morte

Sou capricorniana
Às vezes um tanto insana
Gosto do certo
Do que é correto
Quando o que importa
É o que está por perto

Gosto do outro
Do que ele trás
Ensinamentos
Que a luz atrai
Viver o hoje
Agora eu sei
E dar a pausa
Faz bem também

Mudar um móvel ali
Outro acolá
Pra me aquietar
Sentar no mesmo lugar

Mudar um móvel ali
Outro acolá
Pra desestressar
Sentar no mesmo lugar

Mudar um móvel ali
Outro acolá
Pra me desligar
Sentar no mesmo lugar
Como se pudesse me acalmar

8ª EDIÇÃO DO SARAU PERIFÉRICO | CRIS SNJ, DOW RAIZ E SOMBRA SNJ

Neste domingo (19) tem a 8ª edição do Sarau Periférico! Desta vez o evento será realizado na Comunidade Dona Cida, na Cidade Industrial de Curitiba, onde rolaram outras edições.

Teremos a participação da CRIS e do SOMBRA, ambos do SNJ e do curitibano DOW RAIZ, além de um lindo Coral de Natal com a banda CENTRAL SISTEMA DE SOM junto com as crianças da comunidade e demais artistas da cena local.

O evento é gratuito, mas estaremos vendendo rifas e camisetas do Núcleo Periférico para custear toda estrutura e a apresentação dos artistas.

Serviço:
8ª edição do sarau periférico
Data: Domingo, 19 DEZ, a partir das 13h
Local: Comunidade Dona Cida, no Cidade Industrial de Curitiba
Entrada gratuita.

fonte: Núcleo Periférico

FESTIVAL PRIMAVERA ENTRE OS DENTES CELEBRA A DIVERSIDADE MUSICAL BRASILEIRA COM SHOWS, OFICINAS E RODAS DE CONVERSA

Érica Silva por Milena Lara.

Realizado pelo Coro Cênico de Curitiba, o evento terá transmissão online

Três dias de shows, oficinas, poesia e rodas de conversa é o que propõe o Festival Primavera Entre os Dentes em sua segunda edição. Realizado pelo Coro Cênico de Curitiba, o evento acontece online, nos dias 27 e 28 de novembro, mas sem deixar de promover uma grande celebração musical da pluralidade e riqueza cultural brasileiras ao longo de todo um final de semana. A programação é gratuita e tem classificação livre.

O Festival Primavera entre os Dentes é um evento de fomento de criação e formação artística que nasceu em 2019 com o intuito de promover o encontro de grupos musicais, bandas e artistas através de apresentações cênico-musicais e shows. Com o objetivo inicial de arrecadar fundos para o espetáculo “Amar e Mudar as Coisas Interessa Mais”, o festival acabou permanecendo no calendário do Coro Cênico de Curitiba, atuando como um espaço de trocas de experiência e vivências artísticas.

Para o ano de 2021, o Coro quer promover novamente essa experiência, ampliando o foco na capacitação dos talentos locais através da realização de oficinas artísticas. Além disso, o festival se abre para a comunidade geral com atividades diversas, como rodas de conversa com artistas/produtoras convidadas que fomentam uma reflexão acerca das produções musicais independentes, apresentações de obras autorais, palco aberto e instalações artísticas. Por fim, uma vivência artística-musical, chamada de Percurso Poético, foi construída para o Festival Primavera entre os Dentes pensando a ocupação de espaços com apresentações simultâneas e em repetição.

A ideia é realizar um festival que encoraja, valoriza e possibilita a expressão dos artistas com suas obras e o trabalho essencial da formação de público, dando a infraestrutura necessária, espaço de acolhimento e visibilidade para os trabalhos em um ano em que o setor cultural sofre os efeitos de muitos meses paralisado.

“O Festival Primavera Entre os Dentes é um marco na existência do Coro Cênico de Curitiba. Um projeto que se iniciou com o objetivo de o grupo juntar renda lá em 2019, hoje faz parte da essência do Coro. Em sua primeira versão presencial em 2019, desenvolvemos um festival como mais uma forma de espalhar a arte e amor pelo mundo, além dos nossos espetáculos. No ano de 2020, fizemos um formato online, mas com uma proposta gravada, sem interação ao vivo. Em 2021, queremos receber as pessoas na nossa casa de forma online, pensando em todos os detalhes para que as pessoas continuem seguras e sem aglomeração, mas que possam vivenciar tudo aquilo que gostaríamos de demonstrar presencialmente”, explica Tainara Baságlia, produtora do Coro Cênico de Curitiba e do festival.

O Coro atua intensamente no cenário cultural da capital paranaense há três anos, desenvolvendo espetáculos, oficinas e formação de público. Oferecendo um olhar artístico sobre a sociedade atual, o projeto apresenta canções conhecidas da música popular brasileira sob um prisma múltiplo  de facetas, vozes e potências. A proposta é produzir espetáculos que discutem temáticas de relevância social numa perspectiva de teatralização da música, e trazer à cena uma visão crítica e reflexiva das situações abordadas, transformando e ampliando o acesso do público ao canto-coral em suas mais diversas possibilidades artísticas.

“O Festival Primavera Entre os Dentes Online vem para mostrar que estamos vivos, estamos sobrevivendo à pandemia, e queremos continuar fazendo histórias com todas as pessoas que nunca soltaram nossa mão. Fico orgulhosa com esse grupo, com a equipe de produção desse festival. Estamos preparando tudo com muito amor e carinho tenho certeza que vamos levar a arte e alcançar muitas pessoas de todo o Brasil para prestigiarem o festival. Quando se tem amor e paixão por aquilo que se faz, os frutos vêm de forma espontânea”, completa Tainara.

A abertura acontece no dia 26/11 (sexta-feira) com uma oficina, e no dia 27 (sábado) a programação inclui mais oficinas criativas e uma Roda de Conversa com Érica Silva e Luna Tik, além de show com a banda Pitombas do Amor e o Percurso Poético com apresentações artísticas de integrantes do Coro Cênico de Curitiba. No último dia, 28 (domingo), a Roda de Conversa tem duas sessões e recebe Juliana Kerexu e Brinsan N’Tchalá às 15h e Donna Bagos e Carol Krauss às 18h; Suel Machado faz show com sua banda e a programação se encerra com o Percurso Poético com integrantes do Coro.

Donna Bagos

Confira a programação completa abaixo:
Serviço:
Festival Primavera Entre os Dentes
27 e 28/11/2021
Horários:
26/11 às 19h30 – oficina online
27/11 às 15h – oficinas online
27/11 das 17h às 21h – programação geral
28/11 das 15h às 21h – programação geral

Programação completa:
26/11 (sexta):
19h30 – Oficina de música

27/11 (sábado):
15h – Oficinas criativas
17h – Roda de Conversa com Érica Silva e Luna Tik
19h – Banda: Pitombas de amor
20h – Percurso Poético: apresentações artísticas de integrantes do Coro Cênico de Curitiba (Ariane Souza, Baeni, Clauber Ramos, Edson Morais e Paxola)

28/11 (domingo):
15h – Roda de Conversa com Juliana Kerexu e Brinsan N’Tchalá
17h – Suel Machado e banda
18H – Roda de Conversa com Donna Bagos e Carol Krauss
20H – Percurso Poético: apresentações artísticas de integrantes do Coro Cênico de Curitiba (Ariane Souza, Baeni, Clauber Ramos, Edson Morais e Paxola)

Onde assistir:
http://corocenicocwb.rds.land/festival-primavera
https://www.youtube.com/c/CoroC%C3%AAnicodeCuritiba

Classificação etária: Livre