UMA NOVA ERA PARA O MERCADO DE ARTE

Galeria de Curitiba é uma das primeiras galerias de arte do Brasil a focar exclusivamente em NFTs.

A AIREZ Galeria, fundada em 2015, se torna neste ano uma galeria de arte exclusivamente dedicada a venda de obras em formato NFT.

NFT, sigla em inglês para Token não-fungível, é uma nova forma de se comercializar arte. Guilherme Zawa, artista e curador da galeria, comenta que “as NFTs surgiram na esteira das criptomoedas, mas acabaram por resolver um problema antigo entre artistas de vídeo ou suportes alternativos que era o de como comercializar estas obras. As NFTs resolvem muito bem isso e inauguram uma nova era para estes artistas” conclui o curador da AIREZ que já foi sede para o evento The Wrong – New Digital Art Biennale que apresentou diversos artistas de GIF e Video. 

Embora ainda desconhecida do grande público as NFTs parecem já ter se estabelecido no exterior, tanto é que a famosa casa de leilões Sotheby’s vendeu este ano uma obra digital NFT por 16 milhões de dólares. Zawa comenta que “as NFTs não são mais um experimento, pois já se encontram
consolidadas. É uma nova era para colecionadores também.”

A AIREZ vai apresentar no mês de julho uma nova leva de artistas junto à outros que já eram representados pela galeria antes. Entre eles está o artista argentino Franco Palioff, formado em engenharia nuclear e que se aplica à construção de obras de arte em 3D, realidade virtual e até robôs. 

Com o intuito de descobrir novos artistas que vendam suas obras como NFTs a AIREZ anunciou um prêmio de aquisição e representação. O ganhador será anunciado no dia 31 de julho. Para saber mais acesse: http://airez.art.br

ARTISTAS VISUAIS REÚNEM 8 ANOS DE TRABALHO EM LIVRO DIGITAL

Três artistas brasileiras produzem livro e exposição digital com obras audiodescritas. Em seus trabalhos, elas abordam com diferentes técnicas temas como memória, identidade e vazio. Lançamento da publicação acontecerá no YouTube.

Acontece no dia 23 de junho, às 19h30, o lançamento do livro digital Lugar InComum. A publicação reúne obras das artistas Érica Kaminishi, Julia Ishida e Sandra Hiromoto. Em seus trabalhos, as artistas visuais abordam temas como paisagem, memória, identidade e vazio com o uso de diferentes técnicas.

O livro apresenta o trabalho de cada artista em retrospectiva, com produções feitas entre 2013 e 2021. A curadoria e o texto de apresentação são de Rosemeire Odahara Graça e o prefácio é de Denise Bandeira, professoras da Universidade Estadual do Paraná (Unespar). A edição será bilíngue e contará com audiodescrição para todas as obras.

O título alude a uma exposição de mesmo nome realizada em 2013, no Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC/PR). “É uma brincadeira, um jogo de palavras. As três artistas trabalham com produções bem diferentes, mas, no fundo, possuem pontos em comum”, reflete Érica Kaminishi.

Uma história “incomum”
As trajetórias das três artistas se cruzaram pela primeira vez durante a exposição e o lançamento do livro “Wakane: a arte visual nipo-brasileira no Paraná”, de Rosemeire Odahara Graça, em 2003. Dez anos se passaram até que suas obras fossem reunidas na exposição Lugar InComum no MAC/PR, em 2013, que foi seguida pela exibição “Olhar InComum: Japão Revisitado”, no Museu Oscar Niemeyer, em 2016.

A ascendência japonesa está entre os pontos em comum na história das três profissionais. Porém, as diferenças residem nos processos e técnicas usadas por cada uma. Julia Ishida, por exemplo, produz desenhos e pinturas a partir de fotografias. “Nestes dois últimos dois anos tenho me dedicado quase que exclusivamente ao desenho. São desenhos com muito espaço: chamo de vazio, um vazio onde o branco acaba sendo cheio, pois é um branco chapado, duro que impede você de entrar além do que o desenho permite”, comenta Julia Ishida.

Já Érica Kaminishi trabalha com diversos materiais para criar mapas e outros elementos visuais. “Utilizo Fernando Pessoa para falar da minha língua materna, o português, e alguns elementos da cultura tradicional japonesa: as nuvens, que são uma referência da pintura mais tradicional, e as cores dourado e prata, que são muito fortes no barroco japonês”, conta a artista.

Sandra Hiromoto, por sua vez, incorpora técnicas como estêncil e grafite em seus trabalhos. Suas obras estão expostas nos mais diversos espaços: de museus a muros de escola. “Em minhas obras procuro atingir o espectador com mensagens diretas, camadas de letras, muitas cores e suportes em locais acessíveis. Gosto de me aproximar e dialogar com o maior número possível de pessoas”, explica.

A ideia inicial era fazer um livro impresso e uma exposição presencial. Com a pandemia, o livro será digital e contará com a exposição Lugar InComum — Virtualidades, além do evento de lançamento que será transmitido pelo canal do YouTube do projeto. “Esse bate-papo e o livro estão inseridos numa nova realidade. É um lugar incomum, né? A gente está aprendendo a fazer artes visuais para esse novo espaço”, reconhece Rosemeire Odahara.

Serviço
O quê: Live de lançamento do livro digital Lugar InComum.
Quando: dia 23/06, às 19h30
Onde: No canal do YouTube Lugar InComum art
Link de acesso: www.youtube.com/watch?v=w8dUp3IKppM

CURSOS PRESENCIAIS NO SESC ÁGUA VERDE

Aulas dos CURSOS PRESENCIAIS no Sesc Água Verde, em Curitiba, começam esta semana. As vagas são limitadas, observando-se as restrições do número de alunos por turma e respeitando os protocolos de segurança em relação à pandemia. Os materiais utilizados nas aulas de desenho devem ser de uso individual.

Seguem links dos cursos para mais informações:

MONUMENTOS: ARTE E MEMÓRIA
www.sescpr.com.br/curso/monumentos-arte-e-memoria/

DESENHO AVANÇADO
www.sescpr.com.br/curso/desenho-avancado/

PARA ENTENDER AS ARTES VISUAIS
www.sescpr.com.br/curso/curso-para-entender-as-artes-visuais/

DESENHO BÁSICO
www.sescpr.com.br/curso/desenho-basico/

Ministrante com Licenciatura em Artes Visuais (UFPR), Especialização em Turismo (PUCPR) e Curso Técnico de Guia de Turismo (SENACPR).

Cursos com certificação.
A partir de 12 anos.
Pré-inscrições abertas.
Informações: telefone (41) 3340-2450.

Valorize o profissional de educação, cultura e arte; compartilhe a quem possa interessar. Obrigado!

OFICINA COMOVER 100 SOMBRA DE DÚVIDA

Luiz Rettamozo. Foto de Rodolpho Pajuaba.

Papel, lápis, canetas coloridas e até a lanterna do celular. Estes são alguns dos materiais a serem usados na oficina on-line dos artistas Luiz Rettamozo e Mayli Colla que acontecerá no dia 31/03, quarta-feira, às 15h.

A atividade é grátis e faz parte do projeto ComoVer 100 sombra de dúvida, selecionado pelo edital “Difusão, Formação e Reflexão em Artes Visuais” do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura do Fundo Municipal de Cultura.

O público-alvo são os apreciadores de arte que queiram compartilhar com Rettamozo um pouco do seu processo criativo e também exercitar a própria criatividade. A atividade dura 1 hora.

Com mais de 50 anos de carreira e vivência em diversas linguagens artísticas e na publicidade, Rettamozo é verbete do Dicionário de Artes Plásticas da crítica de arte, pesquisadora e professora Adalice Araújo. Mayli Colla, com quem ele dividirá a condução da oficina, também é artista plástica e arte educadora há 30 anos.

Para se inscrever, basta acessar o seguinte link: https://forms.gle/3VPx4d9hE5BeUar59

Serviço:
Oficina on-line com Luiz Rettamozo e Mayli Colla
Dia: 31/03/2021
Horário: 15h
Grátis todos os públicos
Inscrições através do formulário: https://forms.gle/3VPx4d9hE5BeUar59

ARTISTAS LEONARDA GLÜCK E KATIA HORN TRANSPÕEM A MITOLOGIA DAS FADAS PARA A REALIDADE CONTEMPORÂNEA EM MEMES LITERÁRIOS

As “Fadinhas Fodidas” disponibilizam textos e ilustrações inéditos toda quarta-feira, às 19h, no Instagram do projeto @maisfadinhas

A escritora Leonarda Glück e a artista plástica Katia Horn lançaram, em abril de 2020, a convite da Pomeiro Gestão Cultural, um projeto transmídia que une textos originais de Leonarda com ilustrações inéditas de Katia. Trazendo a mitologia das fadas para a realidade contemporânea, os textos e as imagens utilizam a figura das fadas num tom irônico e com humor ácido para promover reflexões políticas, culturais e sociais. Para conhecer o projeto e as fadas, basta acessar o perfil @maisfadinhas no Instagram.

Com obras que propõem reflexão sobre algo que aconteceu ou está acontecendo na semana em questão, as artistas se dispõem a ler a realidade das mulheres, em especial as brasileiras e latinas, e todas as camadas de machismo, sexismo, homofobia e transfobia que se impõe sobre suas jornadas. “Funciona quase como um meme literário que resume a situação política da semana”, comenta Leonarda Glück. Sobre a empreitada, Katia afirma: “Elas não são fofas e não moram num “felizes para sempre”, então podem gerar desconforto no público, porque elas escancaram nossas tragédias cotidianas”.

Com o projeto na rua desde abril de 2020, as artistas querem lançar um livro com as ilustrações e crônicas, além de, quem sabe, transformar a estética que criaram nas Fadinhas em produtos como camisetas e canecas. Por flertar com a estética pop, muitos fãs do projeto pedem produtos derivados. Porém, para as artistas, a visão é mais ampla: “A ideia é gerar reflexão mesmo, produzir conhecimento, disparar ideias que estimulem o pensamento autônomo nas pessoas que o projeto atingir eventualmente. Tudo isso com humor e cores vibrantes. Esse é o nosso maior sonho”, completa Leonarda.

O projeto começou de modo independente, e agora conta com o incentivo da Lei Aldir Blanc via Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba, da Prefeitura Municipal de Curitiba e do Ministério do Turismo, que viabilizou, através do projeto “Mais Fadinhas Do Que Nunca”, a criação de 20 novas ilustrações e a produção de um mini documentário sobre o processo de criação das Fadinhas, dirigido pelo cineasta Thiago Bezerra Benites.

Para conhecer e acompanhar cada nova Fadinha, siga o Instagram: www.instagram.com/maisfadinhas/ e a página no Facebook: www.facebook.com/maisfadinhas

Leonarda Glück e Katia Horn

Sobre as artistas

Leonarda Glück
Atriz, dramaturga e diretora curitibana radicada em São Paulo. Co-fundadora da Companhia Silenciosa e do Coletivo Selvática. Graduada em Direção Teatral pela Faculdade de Artes do Paraná (FAP). Tem mais de vinte textos encenados por diferentes grupos, companhias e artistas brasileiros e internacionais de diversas linguagens artísticas. Publicou A Perfodrama de Leonarda Glück – Literaturas Dramáticas de Uma Mulher (Trans) de Teatro, coletânea com seis textos teatrais. Seus projetos já foram contemplados por diversas instituições culturais brasileiras, tais como Fundação Cultural de Curitiba, Secretaria de Estado da Cultura do Paraná, Fundação Nacional das Artes (Funarte), Instituto Itaú Cultural, SESC São Paulo, Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, entre outras. Os trabalhos que levam o nome da artista, sejam eles teatrais, performáticos, literários e/ou audiovisuais, já foram apresentados em diversas cidades do país e de fora dele, bem como publicados em diversas mídias, jornais, revistas e periódicos especializados em arte e cultura. As temáticas principais trabalhadas pela artista são amor, neocolonialismo, globalização, linguística, fronteiras, tecnologia, transexualidade, conflitos mundiais, Brasil, sexo, violência, cultura LGBTQI+, dominação e poder. Atualmente se prepara para estrear o solo Trava Bruta, tendo seu texto sido premiado pelo Edital de Dramaturgia em Pequenos Formatos Cênicos do CCSP 2020. Adiado pela pandemia de covid-19, o espetáculo está previsto para 2021, ano em que a artista completa 25 anos de carreira.

Katia Horn
Nasceu em 1965, em Luzerna, SC. Formou-se em Educação Artística em Dourados, MS, no ano de 1988. Está em Curitiba desde 1990, onde vem pesquisando e desenvolvendo seu trabalho em várias áreas artísticas, partindo das artes visuais para a performance, o teatro, a música e o audiovisual. Nas artes gráficas especificamente, já publicou suas ilustrações em jornais, revistas, ilustrou diversos livros e trabalhou para algumas editoras nacionais ilustrando materiais didáticos. Como artista plástica, tem um caminho de muita pesquisa técnica e estilística, conhecimentos que utiliza muito no seu trabalho como ilustradora.

FICHA TÉCNICA
Textos de Leonarda Glück
Ilustrações de Katia Horn
Produção e Realização: Pomeiro Gestão Cultural
Coordenação de Produção: Igor Augustho
Produção Executiva: Eduardo Alves
Videomaker: Thiago Bezerra Benites
Assessoria de Imprensa e Marketing Digital: Platea Comunicação e Arte, Luisa Bonin e Thays Cristine
Assessoria Jurídica e Contábil: Ivanes Mattos

Projeto realizado com recursos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba, da Prefeitura Municipal de Curitiba e do Ministério do Turismo. Todas as informações constantes nesta obra são de responsabilidade exclusiva das autoras.

UFPR ABRE CONCURSO PÚBLICO COM 01 VAGA PARA PROFESSOR DE ARTES VISUAIS – GRAVURA E DESENHO

Universidade Federal do Paraná abre concurso para professor Professor De Artes Visuais – Gravura E Desenho. 01 vaga para para Professor da Carreira do Magistério Superior, para o Quadro Permanente da Universidade. Vaga para trabalhar em Curitiba. Período das inscrições: 25 de janeiro de 2021 a 23 de fevereiro de 2021.

Neste concurso, ao todo, são 42 vagas distribuídas em diversas áreas. Confira todas as vagas, aqui. Os candidatos aprovados e nomeados integrarão o Quadro Permanente (Efetivo) da Instituição. Vamos aos detalhes da 01 vaga para professor de Professor De Artes Visuais – Gravura E Desenho:

Setor: Artes, Comunicação e Design
Departamento: Artes
Área de Conhecimento: Artes Visuais – gravura e desenho
Processo: 23075.066048/2020‐64
Número de vagas: 01 (uma)
Número limite de candidatos habilitados: 05
Classe: A
Denominação: Adjunto A
Nível: 1
Regime de Trabalho: 20 (vinte) horas semanais

Titulação Mínima Exigida: Licenciatura ou bacharelado em Artes Visuais ou Artes Plásticas ou Educação Artística ou Artes COM mestrado em Poéticas Visuais E doutorado em áreas afins com tema em Artes Visuais; ou mestrado em áreas afins com tema em Artes Visuais E doutorado em Poéticas Visuais; ou mestrado E doutorado em Poéticas Visuais. (As áreas afins, segundo a tabela da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, são: Ciências Humanas; Ciências Sociais Aplicadas; Linguística, Letras e Ares; Multidisciplinar), obtidos na forma da lei.

Tipos de Provas: Escrita (classificatória e eliminatória), Prática (classificatória e eliminatória), Didática (classificatória e eliminatória), Análise de Currículo (classificatória) e Defesa do Currículo e de Projeto de Pesquisa (classificatória).

Para a prova de Defesa do Currículo e de Projeto de Pesquisa, os candidatos deverão apresentar proposta de projeto de pesquisa na área de conhecimento do concurso, conforme item 8.5 do edital.

Anteriormente à realização das provas, será publicado edital complementar especificando a forma como serão realizadas as provas e os demais procedimentos do concurso, podendo ocorrer de forma presencial ou remotas. 

Período provável para realização das provas: Segunda quinzena de abril de 2021, devendo o respectivo setor divulgar em edital, as datas, locais e horários de realização das provas. 

Período das inscrições: 25/01/2021 a 23/02/2021

Taxa de Inscrição: R$ 88,00

A inscrição, acompanhada da documentação relacionada a seguir, será encaminhada ao e‐mail do setor/departamento realizador do concurso, cujos dados são os seguintes:

Inscrições por e-mail: 
Setor: Artes, Comunicação e Design E‐mail de recebimento das inscrições:  sacod.direcao@ufpr.br
Endereço eletrônico do Departamento ou Setor realizador do concurso:   www.sacod.ufpr.br/portal

As inscrições via correio deverão ser encaminhadas via SEDEX e postadas até, no máximo, 05 (cinco) dias antes do término das inscrições.

A REMUNERAÇÃO de cada cargo, está de acordo com a legislação vigente e leva em conta a carga horária, o regime de trabalho e a titulação.

Cargo: Assistente A – 20 h
Vencimento Básico: R$ 2.236,32
Retribuição Por Titulação: R$ 559,08
Total: R$ 2.795,0
Auxílio Alimentação: R$ 229,00

Confira todo o edital, aqui (113/20 Artes Visuais – gravura e desenho)

Confira todas as informações e as outras vagas do concurso, aqui

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
:::::::::: PROPAGANDA FATO AGENDA ::::::::::
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Esta oportunidade é um oferecimento do nosso patrocinador, Evilazio Transportes.

Chame o Evilazio quando precisar fazer mudanças, fretes e/ou até pequenos transportes de cargas em Curitiba e região! Evilazio é caminhoneiro há mais de 30 anos. É gente boa, cuida muito bem da carga e ainda tem bom preço!

Se você é estudante e/ou mora no centro da Curitiba, este caminhão é o ideal para fazer sua mudança!

Evilazio monta e desmonta guarda-roupas e outros móveis (consulte!)

Também faz viagens para litoral do Paraná e Santa Catarina.

Quando precisar, ligue e faça orçamento! Sem compromisso, é claro! O preço dele é bom mesmo!!!

Evilazio Transportes / contato:
cel.: (41) 9 9990-1450 (tim) (WhatsApp) / (41) 9 8827-0837 (claro)
ponto: próximo ao Terminal do Campina do Siqueira, na canaleta, em Curitiba.

Prestigie nossos patrocinadores! 🙂

PRÊMIO JORNADA EM RECONHECIMENTO À TRAJETÓRIA

Prêmio Jornada em Reconhecimento à Trajetória

O reconhecimento à importantes trajetórias de vida intimamente conectadas ao desenvolvimento artístico ou cultural do Paraná é o objetivo do Prêmio Jornada. Nele, serão selecionados artistas, mestras, mestres, grupos e coletivos do território paranaense que tenham prestado relevantes contribuições ao desenvolvimento cultural do Estado a longo prazo.

Cada trajetória contemplada receberá o valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais). A premiação será dividida em 20 (vinte) diferentes áreas, buscando contemplar o máximo de atuações possíveis: Cultura Tradicional, Cultura de Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais, Cultura Afro, Cultura LGBTQIA+, Cultura de Refugiados, Migrantes e Apátridas, Cultura Hip Hop, Fanfarras, Bandas Marciais, Dança, Cultura Alimentar, Teatro, Música, Literatura, Artes Visuais, Circo, Audiovisual, Ópera, Arte Educação e Técnicos.

Para a inscrição, os participantes precisam gravar um vídeo de 04 a 10 minutos de duração, contando sua história de atuação no setor cultural do Paraná. Também é necessário encaminhar documentos que comprovem a atuação.

Inscrições até 23 de novembro.

Confira os editais, aqui

fonte: Superintendência da Cultura

PRÊMIO ARTES VISUAIS: DIFUSÃO DE SABERES E FAZERES TRADICIONAIS

PRÊMIO ARTES VISUAIS: Difusão de Saberes e Fazeres Tradicionais. 

O foco deste prêmio será a seleção de obras de artes visuais já produzidas por artistas ou coletivos que pertençam a povos e comunidades tradicionais formadores do Paraná. Este prêmio tem como foco promover e fomentar as artes visuais produzidas no Paraná, com foco especial à produção artística de comunidades e povos tradicionais do Estado.

Serão concedidos prêmios de R$ 10.000,00 cada, e poderão ser inscritas obras nas seguintes categorias de artes visuais: Desenho, Pintura, Escultura, Colagem, Fotografia, Gravura, Videoinstalação, Videoperformance e Videoarte. Todas as obras selecionadas poderão ser incorporadas aos acervos dos Museus do Governo do Estado, por meio de termo de doação. Inscrições até 26 de novembro.

Confira os editais, aqui

fonte: Superintendência da Cultura

CULTURA LANÇA EDITAL DE LICENCIAMENTO DE OBRAS LITERÁRIAS DIGITAIS

A Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura (SECC), por meio da Superintendência Geral da Cultura, publica o Chamamento para Licenciamento de Obras Literárias Digitais “Cultura nas Redes”, que irá selecionar livros digitais, e-books, audiolivros e livros falados, já finalizados, para disponibilizar ao público por meio de site e mídias sociais do Governo do Paraná e da SECC, pelo prazo de 24 (vinte e quatro) meses. Inscrições até 18:00 (dezoito horas) do dia 21 de outubro de 2020.

Serão selecionados 2.314 obras, valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) cada, totalizando R$ 11.570.000,00 (onze milhões quinhentos e setenta mil reais), com recursos provenientes da Lei Federal 14.017/2020 – Lei Aldir Blanc.

Poderão participar da seleção, os proponentes sediados no Estado do Paraná há no mínimo 02 (dois) anos, completados e comprovados da data de publicação do Edital. As inscrições vão acontecer em dois períodos, o primeiro sendo de 07 de outubro até às 18:00 (dezoito horas) de 21 de outubro de 2020, por meio do sistema SisProfice.

Entende por:
–  Livro digital e Ebook: obra que existe exclusivamente em formato digital, não periódico, revisado, editado e diagramado. Pode conter texto, imagem, áudio e vídeo.
– Audiolivro: gravação do conteúdo de um livro narrado em voz alta, podendo ou não ter vozes dramatizadas, sonoplastia, fundo musical e outros.
– Livro falado: gravação do conteúdo de um livro narrado em voz alta, desprovida de recursos artísticos e de sonoplastia, voltado para pessoas com deficiência visual.

Serão aceitas obras em português nas seguintes áreas:
1. Artes Visuais;
2. Audiovisual;
3. Cultura Popular e Diversidade;
4. Circo;
5. Dança,
6. Economia Criativa;
7. Literatura;
8. Música;
9. Ópera;
10. Produtores e Técnicos;
11. Teatro.

Este chamamento é parte das ações de Fomento do Governo do Estado do Paraná com recursos da Lei Federal Aldir Blanc, nº 14.017/2020, para atender o setor cultural durante a crise causada pela pandemia de Covid-19.

Acesse o edital completo clicando aqui.

fonte / texto: Secretaria Da Comunicação Social e da Cultura do PR (SECC)

ECONOMIA CRIATIVA É UMA APOSTA DO SESI CULTURA PARANÁ

Crédito foto: Chico Santos

O segmento inspira criatividade e inovação, principalmente em época de coronavírus

O Sesi Cultura Paraná investe no segmento cultural e aposta sempre em novidades e inovação. Grandes projetos são realizados desde 2008 e a evolução em cada ano traz à marca conquistas que atraem grandes talentos. Agora, com o impacto do coronavírus o setor precisa se reformular, buscando novas estratégias tecnológicas para que a arte continue a se manifestar.

Segundo a Rede de Economia Criativa (Rec), o setor gera 30 milhões de reais e movimenta 3% do PIB mundial. O segmento ganha cada vez mais espaço e as indústrias já geram em torno de 30 milhões de empregos com movimentação de US$ 2,5 bilhões ao ano. O Sesi Cultura Paraná faz parte desses números, tendo como exemplo os Núcleos Criativos espalhados por várias cidades do estado do Paraná, como também os 11 equipamentos (teatros) que trazem durante o ano programações que envolvem diversas áreas como – Artes Cênicas, Artes Visuais, Audiovisual, Música, Games, Moda e Design.

Para o ano de 2020, com a chegada do coranavírus que modificou a dinâmica do mundo em sua forma de viver, a arte não pode ficar para trás – com isso, o apoio a inovação e ferramentas tecnológicas para que os artistas continuem ativos não faltam para o Sesi.

Nesse cenário, o primeiro passo foi criar um movimento em suas redes sociais com a #SesiIndica , em que são divulgados os trabalhos dos artistas que exploram o universo online. O movimento é um incentivo às pessoas para continuarem consumindo arte. Por meio das redes sociais, é possível atingir um grande público que apoia a cultura. Outras ideias estão surgindo para que os artistas possam movimentar ainda mais a economia criativa em parceria com o Sesi.