ABRIDOR DE LATAS COMUNICAÇÃO SINDICAL CONTRATA FOTÓGRAFO(A) PROFISSIONAL / CURITIBA

Abridor de Latas Comunicação Sindical contrata fotógrafas ou fotógrafos profissionais. Vaga para trabalhar em Curitiba.

atividades:
– Fotografar atos públicos em Curitiba-PR (durante a  pandemia, os atos são feitos com distanciamento e protocolos de segurança sanitária).
– Tratamento simples das fotos

Desejável: Experiência com fotografia em movimento sindical ou movimentos sociais.

Para se candidatar é necessário preencher o formulário neste link

fonte: Vagas de Comunicação no PR

VISTA GROSSA


Vista Grossa é um longa-metragem documentário (da diretora Giuly Biancato) que começou como um projeto estudantil de curta-metragem, gravado em 2019. O filme discorre sobre a falta da memória curitibana em relação a Ditadura Civil Militar (1964-1985) e, principalmente, essa falta registrada nas construções e edifícios urbanos que sediaram quartéis generais e outros locais, dentre eles alguns clandestinos, usados para apreensão e tortura de milhares de pessoas. Bem como locais de resistência e luta de estudantes, artistas, trabalhadores e ativistas contrários à ditadura.

O projeto cresceu e a equipe do documentário abriu uma VAKINHA para juntar recursos para gravar e/ou regravar algumas imagens e áudios, pesquisa e aquisição de imagens de arquivo de Curitiba entre 1964 e 1985; recursos para o processo de edição e finalização e recursos para a distribuição e inscrição do filme em festivais. 

Confira todas os detalhes e colabore com esse projeto importante através deste link

A IMPORTÂNCIA DO REGISTRO
O documentário aborda a falta da abertura de registros e instalação de memoriais públicos para reconhecimento popular sobre um histórico violento vivido em Curitiba, em contraponto com vários registros em homenagem aos militares que a cidade carrega, discutindo também a acelerada urbanização e como isso afeta nosso senso de identidade e conhecimento sobre nossa própria história. O filme busca questionar sobre quem detém e controla essas memórias e, qual é o critério de escolha para fazer dessa história um conhecimento popular ou um conhecimento velado. 

A maior parte dos paranaenses, ou 50,8% acredita que o regime militar no Brasil era melhor (33,5%) ou igual (17,3%) à “democracia” que vivemos hoje. (FONTE: Paraná Pesquisas). Há locais em Curitiba que diariamente circulam milhares de pessoas e quase nenhuma delas sabe que esses e muitos outros locais sediaram órgãos responsáveis por perseguir, oprimir, prender e torturar opositores e suspeitos inocentes de oposição ao regime militar. A Comissão Estadual da Verdade (CEV) se baseia nas pesquisas do grupo Tortura Nunca Mais – Paraná, que dá conta de pelo menos 4 mil presos durante a ditadura. Destes, no mínimo mil sofreram tortura. Mas o número pode ser muito maior (FONTE: Gazeta do Povo).

Nota do editor:
Quem se interessa pelo tema precisa conhecer o site Ditadura em Curitiba, do historiador Luiz Gabriel da Silva – ele participa da equipe do documentário. Neste site você poderá acessar informações e trabalhar com fontes primárias, como pastas temáticas da DOPS (Delegacia de Ordem Política e Social) e vídeos de depoimentos de indivíduos que lutaram contra o regime, bem como jornais da época.

SORTEIO DE LIVROS > SEBINHO FATO AGENDA

Sorteio válido para todo o Brasil. Para participar, basta seguir nosso insta (@sebinhofatoagenda), curtir ESSA POSTAGEM DO INSTAGRAM AQUI e comentar “quero” indicando o número do livro (1,2 ou 3) que deseja até às 16h do dia 26/02. Ah, e seria bem legal mesmo se você marcasse nos comentários desse post, pelo menos, um amigo! Não é obrigatório marcar, mas isso ajudaria bastante a divulgação do nosso sebinho. Obrigado. 😉

Serão TRÊS sorteados dia 26 de fevereiro de 2021, sexta-feira. Divulgaremos por aqui, entraremos em contato pela dm e enviaremos os livros para os sortudos em qualquer lugar do país.

Sobre o sorteio: na verdade, serão 3 mini sorteios. Onde cada pessoa entra no pote do livro que indicou. Exemplo: a pessoa indicou “quero o 3”, logo ela vai concorrer com todos que também querem o livro 3. Ok?

Prêmios:

Livro 1: EDUCAÇÃO E ATUALIDADE BRASILEIRA. Autor: Paulo Freire. Organização: José Eustáquio Romão. Editora Cortez / Instituto Paulo Freire. São Paulo. 2003. 3ª Edição. 1ª reimpressão. 400 páginas.

Livro 2: MANIFESTO DO PARTIDO COMUNISTA (1848). Autores: Karl Marx, Friedrich Engels. Editora L&PM Pocket. Porto Alegre. 2010. 131 páginas.

Livro 3: CUCA FUNDIDA. Autor: Woody Allen. Editora L&PM. Porto Alegre. 1971. 8ª Edição. 149 páginas.

Boa sorte!

Prestigie o Sebinho FATO Agenda,  nossa loja de livros e discos de vinil que ajuda financiar o blogue FATO Agenda.

– Loja virtual de livros (no mercado livre): https://bit.ly/2pWvbU2
– Instagram (catálogo com outros livros e discos): www.instagram.com/sebinhofatoagenda
– Fanpage: www.facebook.com/sebinhoFATOagenda
– Discos de vinil: https://bit.ly/3iNp5fM

FRETE: Receba nossos livros em casa, via correios. Taxa de entrega: R$10,00 (por livro), válida para todo Brasil. Com opção de retirada (livre de taxa, lógico) na Travessa Isaacson Chinasso, número 37, bairro Orleans, em Curitiba. Contato: whats: 41 99745-5294 (leandro)

PAGAMENTO via app MercadoPago, Nubank, Pix, PicPay, cartão crédito/débito, boleto e/ou transferência bancária.

DOCUMENTÁRIO “A PONTE” – SOBRE A PERIFERIA DE SÃO PAULO


Documentário A Ponte sobre a periferia de São Paulo, com Mano Brown e Trilha Sonora de Zé Gonzales e Daniel Ganjaman.

Release (via Casa do Zezinho ). Fonte / texto: Geledes

O rapper Mano Brown, a educadora Dagmar Garroux e o escritor Ferréz convivem diariamente com as mazelas da periferia de São Paulo. Cada um a seu modo, trazem uma bagagem de experiências que merece reflexão. É o que faz o documentário “A Ponte”, produzido pelo Instituto Rukha.

O filme, de 42 minutos, mostra a situação da desigualdade social na Zona Sul de São Paulo por meio da figura de Dagmar Garroux, conhecida como Tia Dag. Ela é a fundadora da Casa do Zezinho. A entidade trabalha desde 1994 com o desenvolvimento de crianças e jovens. No início eram 07 “Zezinhos”, hoje a Casa conta com mais de 1200 crianças e jovens.

A câmera do documentário passeia pelas ruas do Capão Redondo, Jardim Angela e Jardim São Luis, todos bairros da zona sul da capital paulista, e expõe o tempo todo a diferença existente entre as duas margens do Rio Pinheiros. “O Rio pinheiros divide o pobre dos ricos”, afirma o rapper Mano Brown. Tia Dag complementa: “A ponte do Rio Pinheiros é o muro de Berlim.”

O filme pretende mobilizar a sociedade, mostrando que existe um caminho para a transformação. “Não é uma denúncia vazia. Optamos por mostrar que a realidade é muito dura, mas paralelamente mostramos a história da Tia Dag como uma possibilidade de mudança para a região”, afirma Luiz Alfaya, diretor-presidente do Instituto Rukha.

Para Roberto Oliveira, diretor do filme, “a idéia é abrir os olhos das pessoas”. Segundo ele, “o Brasil vive uma situação de guerra civil e as pessoas não se dão conta. Elas precisam se mexer e mudar a realidade.”

Ficha técnica:
Versão completa em HD do documentário “A PONTE” 2006 / Instituto Ruhka / Sindicato Paralelo / Direção: Roberto T. Oliveira e João Wainer / Fotografia: João Wainer / Produtores Associados: Roberto T. Oliveira e Marcelo Loureiro / Trilha Sonora: Zé Gonzales e Daniel Ganjaman / Direção de Arte: Paulo Franco / Edição: André Dias e Alex Kundera / Produção: Claudio Gabriel e Julio Sena / Fotografia adicional: Lula Maluf, Arci Reis, Roberto T. Oliveira e Claudio Gabriel / Finalização: Alex Kundera / Mixagem: Daniel Ganjaman (Estudios YB) / Participações: Mano Brown, Ferrez, Floriano Pesaro, Paulo Lima, Padre Jaime, Fabio Gurgel, Saulo Garroux, João Batista Cardoso

Para ajudar acesse: www.casadozezinho.org.br

Release (via Casa do Zezinho ). Fonte / texto: Geledes

ABERTAS INSCRIÇÕES PARA A NOVA TURMA DO PRÉ-PÓS UFPR

O curso Pré-pós da Superintendência de Inclusão, Políticas Afirmativas e Diversidade da Universidade Federal do Paraná (Sipad) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) abre inscrições para a sua quarta turma, que terá aulas de fevereiro a junho de 2021.

O curso tem o objetivo de preparar membros de grupos sociais vulneráveis interessados em cursar mestrado ou doutorado. Serão selecionados 100 alunos.

As aulas começam em 25 de fevereiro e serão on-line, como no curso de 2020.

As inscrições vão até 5 de fevereiro!

Sobre o curso Pré-pós da Sipad
O Pré-pós da Sipad tem raízes em uma iniciativa de 2013 do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab) que, a partir de 2018, passou a fazer parte da então recém-criada Sipad.

O curso tem o objetivo é preparar estudantes negras e negros, quilombolas, indígenas e pessoas LGBTI para concorrer aos processos seletivos oferecidos por programas de pós-graduação no país. O projeto está na sua quinta edição.

A primeira edição do Pré-Pós ocorreu em 2013. A segunda edição em 2014 com a oferta de duas turmas. A terceira edição foi realizada em 2017 e, a quarta, em 2019. Em 2020, a oferta é integralmente remota.

SERVIÇO
Inscrições para o Curso Pré-Pós da Sipad UFPR
Quando: de 20 de janeiro a 5 de fevereiro.
Onde: por meio de formulário on-line.
Mais informações: pelo e-mail cursopreposufpr@gmail.com ou pelo WhatsApp (41) 98418-6137.

Mais detalhes neste link

DIFUSÃO SABERES E FAZERES TRADICIONAIS PREMIA REGISTROS FOTOGRÁFICOS E AUDIOVISUAIS

A Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura, por meio da Superintendência Geral da Cultura, publica o Prêmio de Difusão Saberes e Fazeres Tradicionais – Registro Fotográficos e Audiovisuais, que irá selecionar e premiar registros fotográficos ou audiovisuais de manifestações populares e tradicionais da cultura desenvolvidas no território paranaense. Inscrições até às 18h00 (dezoito horas) do dia 21 de novembro de 2020.

O prêmio tem uma função social de preservação da memória de manifestações populares e tradicionais da cultura desenvolvidas no território paranaense.

Serão concedidos 260 prêmios no valor de R$ 4.000,00 cada, totalizando R$ 1.040.000,00, com recursos provenientes da Lei Federal 14.017/2020 – Lei Aldir Blanc.

O edital é voltado a agentes culturais, pessoa física e jurídica, domiciliadas ou com sede no Paraná há, no mínimo, dois anos. O período de inscrições vai de 8 de outubro até às 18h00 (dezoito horas) de 21 de novembro de 2020. As inscrições serão feitas de forma online por meio do sistema SisProfice.

O prêmio será dividido em duas categorias, Registro Fotográfico e Registro Audiovisual. No Registro Fotográfico, a proposta deverá conter um conjunto de fotos que versem sobre um mesmo tema, propondo uma sequência fotográfica lógica, e não foto única. O conjunto deverá ser composto de no mínimo 5 (cinco) fotografias e no máximo de 10 (dez) fotografias.

No Registro Audiovisual, a proposta deverá conter os registros com duração de 7 (sete) minutos e no máximo 120 (cento e vinte) minutos.

O prêmio será dividido, ainda, em seis áreas:
– Povos Indígenas;
– Comunidades caiçaras,
– Comunidades quilombolas;
– Ciganos;
– Faxinalenses;
– Matriz africana.

Os registros premiados deverão ser doados aos acervos dos Museus do Governo do Estado, por meio de termo de doação.

Este prêmio é parte das ações de Fomento do Governo do Estado do Paraná com recursos da Lei Federal Aldir Blanc, nº 14.017/2020, para atender o setor cultural durante a crise causada pela pandemia de Covid-19.

Acesse o edital completo clicando aqui.

fonte / texto: Secretaria Da Comunicação Social e da Cultura do PR

NENA INOUE FAZ TEMPORADA ONLINE, GRATUITA E COM TRADUÇÃO EM LIBRAS DO PREMIADO SOLO “PARA NÃO MORRER”

Nena Inoue. Foto: Lidia Ueta

O espetáculo visto por mais de 27 mil pessoas, rendeu à Nena o Prêmio Shell 2019 de Melhor Atriz no Rio de Janeiro, além do Troféu Gralha Azul de Melhor Atriz em 2017. Agora em versão on-line, gratuita e com tradução em Libras, a gravação da obra segue todos os protocolos de saúde e além das apresentações, o projeto oferece debates e oficinas abertas para o público

A atriz Nena Inoue fará uma temporada online com 15 exibições do espetáculo “Para Não Morrer”, sendo 5 abertas e gratuitas para o público nos dias 3, 4, 5, 11 e 12 de setembro às 20h, e 10 fechadas e exclusivas para entidades e coletivos de apoio à mulheres, instituições, movimentos sociais, associações de professores e de classe, além do público feminino que se encontra em isolamento social mesmo antes da pandemia, como presidiárias e idosas em asilos. Todas as exibições online possuem tradução em Libras e serão seguidas de um debate ao-vivo com o público a partir da obra apresentada, também com tradução simultânea em Libras.

As 5 apresentações abertas serão exibidas nas páginas do Espaço Cênico e dos parceiros Brasil de Fato, MST Nacional, Bicicletaria Cultural e Mães pela Diversidade. E para quem quiser se inscrever e receber o link da exibição e debate por e-mail momentos antes da exibição, basta fazer uma inscrição simples e gratuita pela plataforma: https://bit.ly/32tW6Wn

Dentro do contexto da pandemia, a atriz e produtora cultural Nena Inoue trabalhou para que todas as mudanças necessárias fossem feitas e adaptou o projeto para cumprir temporada on-line respeitando o distanciamento social: “Neste momento pandêmico, onde os trabalhadores da cultura se encontram impedidos de trabalhar e temos milhões de artistas e técnicos desempregados no Brasil, me propus a atuar da forma possível e, respeitando o isolamento social, a forma de seguir e levar nosso teatro ao público neste momento é via on-line, então se assim é, assim será. Consegui também manter a proposta de trabalho inicial e levar este trabalho a comunidades menos favorecidas, incluindo mais profissionais ao projeto – como registros de vídeo, transmissões, além de locação de um espaço teatral parceiro (o Ave Lola) – estamos nos movendo e criando caminhos para continuar, possibilitando trabalho e remuneração aos nossos profissionais do teatro”, afirma a artista.

Em cena e online, Nena se transforma numa mulher ancestral e onipresente, que se apropria da palavra e traz à memória várias personagens históricas: mulheres negras, indígenas, guerrilheiras, mães, avós, filhas, de diferentes épocas e lugares que foram violentadas, torturadas, assassinadas e esquecidas.

A obra está em cartaz desde 2017 e já foi assistida por mais de 27.000 pessoas. Sobre o espetáculo, o crítico teatral do jornal “O Globo”, Patrick Pessoa, escreveu: “Nena Inoue transforma luto em luta… espetáculo para não perder”. O solo conta com dramaturgia de Francisco Mallmann a partir da obra “Mulheres”, do uruguaio Eduardo Galeano (1940-2015). A encenação concebida por Nena, tem direção de texto de Babaya e apresenta temáticas femininas e feministas atreladas a questões histórico-políticas, especialmente da América Latina.

O projeto foi adaptado para que as apresentações online e debates ofereçam uma experiência enriquecedora para o público e foi produzida de forma segura para artistas e técnicos, seguindo todos os protocolos de segurança de saúde para a gravação do espetáculo.

Além das 5 apresentações abertas e das 10 apresentações fechadas para instituições parceiras, o projeto prevê debates posteriores às exibições do espetáculo – que se transformarão em uma série de podcasts – além de 11 Oficinas de Iniciação Teatral, direcionadas gratuitamente ao público que assistir ao espetáculo, que acontecerão de forma on-line, no decorrer de setembro e outubro.

Lembrando que 5 de todas as exibições online são gratuitas e abertas, e podem ser assistidas nas páginas do Espaço Cênico (03/09) e nas páginas dos parceiros Brasil de Fato (04/09), MST Nacional (05/09), Mães pela Diversidade (11/09) e Bicicletaria Cultural (12/09). E para que o público interessado possa se programar e ser avisado na data e horário da exibição, é necessário o cadastro gratuito no link: https://bit.ly/32tW6Wn

Serviço:
Exibições online, gratuitas e com tradução em Libras do espetáculo “Para Não Morrer”, seguidas de debate com o público.
Exibições GRATUITAS e abertas nos dias 03, 04, 05, 11 e 12 de setembro às 20h. 
Inscrição online e gratuita via site: https://bit.ly/32tW6Wn

Também é possível assistir as exibições nas páginas:
03/09: Espaço Cênico – www.facebook.com/espacocenicocuritiba
04/09: Jornal Brasil de Fato – www.facebook.com/brasildefato
05/09: MST Nacional – www.facebook.com/MovimentoSemTerra
11/09: Mães pela Diversidade – www.facebook.com/MaespelaDiversidade
12/09: Bicicletaria Cultural – www.facebook.com/bicicletariacultural

As exibições GRATUITAS e fechadas para parceiros acontecerão nos dias:
28/08 e 6, 7, 10, 12, 13, 14, 16, 18, 19/09.

Nena Inoue. Foto: Luísa Bonin.

Sobre Nena Inoue:
Nascida em Córdoba (Argentina) e desde os nove anos no Brasil, Nena Inoue é artista gestora, produtora, diretora teatral e atriz formada em 1978 pelo Curso Permanente de Teatro do Centro Cultural Teatro Guaíra. Completando 40 anos de carreira, contabiliza mais de 80 espetáculos profissionais e atua ainda como Coordenadora do Espaço Cênico desde 1997. Esteve na mesma função por nove anos (2000 a 2009) ao lado de Luís Melo no ACT – Ateliê de Criação Teatral, espaço que realizou e abrigou distintos trabalhos de caráter multiárea. Foi também Diretora Artística do Centro Cultural Teatro Guaíra (2003 a 2006); produtora da Sutil Companhia de Teatro (2008 a 2010) e, desde 2009, tem sua produção artística voltada às temáticas de caráter histórico-político-social.

Sobre o espetáculo:
Até o momento realizou 250 apresentações com um público aproximado de 27.000 pessoas. Estreou no Festival de Curitiba/Mostra Oficial, em abril de 2017 e nesse ano fez temporadas em Curitiba, no Teatro José Maria Santos, Ave Lola Espaço de Criação, Espaço Fantástico das Artes e em São Paulo, no SESC Pinheiros/SP. Apresentou-se nos festivais FILO – Festival Internacional de Londrina, no SINGA-Simpósio Internacional de Geografia Agrária e na Mostra SÓ EM CENA, de Maringá. Em 2018 no FICA Natal – Festival Internacional de Natal, no III Curitiba Mostra/Festival de Curitiba e temporadas no Teatro Poeirinha (RJ) e Teatro Guaíra (PR) e circulação pelo SESC PR nas cidades de Londrina, Maringá, Cascavel, Paranavaí e Ponta Grossa. Em 2019 apresentações no SESC Ginástico (RJ), no Teatro Municipal de São João del Rey, Mostra Resistências em São José do Rio Preto, no Teatro do SESI de São José dos Pinhais, Circulação SESC SC em 8 cidades (Florianópolis, Blumenau, Itajaí, Joinville, Jaraguá do Sul, Concórdia, Laguna, Lages; duas temporadas no Teatro Lala Schneider e participou do Festara – Festival de Teatro de Araçatuba. EM 2020 apresentou-se no SESC São José dos Campos.

Premiações: Prêmio Troféu Gralha Azul 2017 de Melhor Atriz e Prêmio Shell 2019 de Melhor Atriz.

FICHA TÉCNICA:
Dramaturgia: Francisco Mallmann, à partir da obra de Eduardo Galeano
Direção e Atuação: Nena Inoue
Direção de Texto: Babaya Morais
Iluminação: Beto Bruel
Figurino: Carmen Jorge
Cenário: Ruy Almeida
Gravação: Alan Raffo e Lidia Ueda
Técnico Operador: Vinícius Sant
Identidade Visual: Martin Castro
Fotografias: Elenize Deszgeniski, Lidia Ueta, Marcelo Almeida, Raquel Rizzo, Luísa Bonin
Assessoria de Imprensa e Mídias Sociais: Luísa Bonin e Thays Cristine – Platea Comunicação e Arte
Vídeos Redes Sociais: Diego Florentino – Trópico TV
Produção: Guilherme Jaccon
Assistencia Produção: Lidia Ueta
Administração: Judy Fiorese
Direção de Produção: Nena Inoue
Realização: Espaço Cênico

“PROJETO REALIZADO COM O APOIO DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA”

Realização:
Espaço Cênico
Incentivo:
EBANX
Incentivo:
Lei de Incentivo à Cultura
Fundação Cultural de Curitiba
Prefeitura de Curitiba

COLETÂNEA PUNKADARIA ANTIFASCISTA – VOLUME 1

“A luta, substantivo feminino, como reforça a banda Xavosa representa a resistência contra essa sociedade preconceituosa em que temos que viver.

Através da Som De Peso, 33 bandas se reuniram aqui em 32 faixas, nesse protesto em forma de coletânea trazendo cada uma sua crítica, seu grito contra opressão.

Ouça em:
www.encurtador.com.br/enHI7

Arte por: El Xixo TattooJean Etienne

Caso link acima pare de funcionar, faça o download aqui:
www.encurtador.com.br/rDX03

fonte / texto: Punkadaria Antifascista

MICROFÍSICA DO PODER / MICHAEL FOUCAULT

Livro MICROFÍSICA DO PODER / Autor: Michael Foucault. Livro em ótimo estado. Edições Graal. 2005. 21ª Edição. 295 páginas. Valor: LIVRO VENDIDO.

Taxa de entrega para todo país: R$10,00 (por livro). Com opção de retirada (livre de taxa, lógico) no bairro Orleans, em Curitiba, no estoque do Sebinho. Pagamento via app MercadoPago, Nubank, boleto e/ou transferência bancária.

Sinopse:
‘Microfísica do poder’ é uma coletânea de artigos, cursos, entrevistas e debates, em que Foucault analisa questões relacionadas à medicina, à psiquiatria, à geografia, à economia, mas também ao hospital, à prisão, à justiça, ao Estado, ao papel do intelectual, à sexualidade, dentro outros temas. Esses textos têm como tema central o poder nas sociedades modernas – sua configuração, sua difusão no corpo social, seu exercício em instituições, sua relação com a produção da verdade, as resistências que suscita. Além disso, eles explicitam o método genealógico elaborado por Foucault para analisar como e por que os saberes se constituem a partir de práticas políticas e econômicas.

Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado.

Temos centenas de livros à pronta-entrega, consulte via whats 41 99745-5294. Também temos loja virtual, se interessar, confira nossa loja virtual: https://bit.ly/2pWvbU2

 

+ INFORMAÇÕES:

– Sebinho FATO Agenda é a loja de livros e discos que ajuda financiar o blogue FATO Agenda, blogue de vagas de emprego e agenda cultural de Curitiba.

– Atendimento (SUSPENSOS DURANTE A QUARENTENA): sextas e sábados, das 19h a meia noite. Rua Paula Gomes, 380, São Francisco, Curitiba – dentro da Erva Doce Doceria Bar.

– Agende visitas ao sebinho, consulte e/ou encomende livros e discos pelo whatsApp: 41 99745-5294 (leandro).

Fanpage: www.facebook.com/sebinhoFATOagenda
Instagram: www.instagram.com/sebinhofatoagenda

Loja virtual: https://bit.ly/2pWvbU2
(Taxa de entrega: R$10,00 (por livro) – válida para todo Brasil. Via MercadoPago e/ou dep./transferência bancária. Se interessar, combine por whats (41) 99745-5294.

#CatálogoDoSebinho