FESTIVAL DA RESISTÊNCIA!

Domingo,  24 de novembro, acontece (das 14h às 22h) o Festival da Resistência na Usina 5, em Curitiba-PR.

“Será um grande show-protesto, que reunirá arte, boa música e gastronomia, tudo isso acompanhado de muita solidariedade e uma vontade imensa de mudar nosso país.

E ainda contaremos com grandes nomes da música brasileira que se somam à nossa luta!

Muito show, protesto e arte: dia 24/11 (domingo), das 14h às 22h, na USINA 5, R. Constantino Bordignon, 5, Prado Velho, em Curitiba

Chame seus familiares, amigos e colegas para construir uma só voz!

Artistas confirmad@s:
Alice RuizCida AiramConde BaltazarCoro Cênico CuritibaEstrela Leminski e Téo RuizFato • Fred04 • Guego FavettiJacú EletrônicoJanine Mathias • João Cavalcanti • Karina BuhrPartigianos • Pedro Luis Raíssa FayetRegra 4Rodrigo Lemos • Samba da Resistência • Susi Monte SerratUyara Torrente Vilma Ribeiro

Estaremos reunidos para defender:
Educação pública • Cultura • Empresas estatais • Democracia • Meio ambiente • Saúde pública • Justiça • Direitos sociais • Soberania do Brasil

Além de grandes nomes da música brasileira que estarão conosco, sua voz é muito importante para fazer esse protesto ecoar aos quatro cantos do país.

ENTRADA GRATUITA
Retire seu ingresso e apresente na entrada: https://bit.ly/2quvJk5

Mais informações na página:
www.facebook.com/FestivaldaResistencia/

Serviço:
Festival da Resistência
Domingo, 24 de novembro de 2019, das 14:00 às 22:00
Local: USINA 5, R. Constantino Bordignon, 5, Prado Velho, em Curitiba
Entrada gratuita.

MXT COMVIDA

O produtor e líder da banda Machete Bomb, Madu Madureira, lança o projeto “MXT comvida”, que nasce depois de um turbilhão vivido pelo músico, onde se viu na situação de ficar viúvo com seus 2 filhos e largar a carreira de músico e banda para se dedicar as crianças, ou tentar conciliar as 2 situações. Incentivado por amigos artistas à não parar, Madu se viu na possibilidade de se reanimar a se dedicar a carreira novamente, lançando um disco com estes artistas como parceiros e convidados. 

O projeto conta com 12 faixas, sendo que 7 delas possuem além do áudio a gravação em vídeo no formato Live Session. Renovando a cara e o repertório musical, tem também a participação de renomados artistas brasileiros, com músicas inéditas, e também duas regravações de composição de Odair José e uma música inédita dos compositores Andó e Dedé Paraízo do Demônios da Garoa, cedida pelos compositores em prol do disco e cantada pelo próprio Dedé Paraízo e as bandas curitibanas Mulamba e TUYO. 

Os artistas convidados e já gravados são Odair José, Bnegão, Dedé Paraíso (Demônios da Garoa), Andó (compositor), Mulamba, TUYO, Egypcio (Tihuana), Caio MacBeserra (Project46), Tomás (el efecto), Janine Mathias, Mateo (francisco, el hombre), Xandão Meneses (O Rappa), Lobato (O Rappa), Nave (beatmaker), Rodrigo Lemos (Lemoskine), Pete MC, Pecaos, Dow Raiz, Thestrow, Rodrigo Samsara e Alienação Afrofuturista e ainda terão outras surpresas.

O projeto representa o atual momento de redescobrimento do artista Madu, como pai, ainda em um momento de luto familiar, e como artista, em um redescobrimento com novas parcerias musicais. Depois de um período de hiato de novas composições, mesmo tendo produzido 5 discos para seu projeto Machete Bomb (sendo 3 deles com versões de remixes, versões acústicas e 2 DVDs ao vivo), o artista se renova adicionando novas vertentes musicais a seu já misturado “samba heavy”. Desde artistas do trash metal brasileiro, como o caso do cantor Caio da banda “Project46”, cantores da nova geração como TUYO, ícones do pop rock como Xandão e Lobato da banda “O Rappa” e Bnegão do “Planet Hemp”, a seus novos parceiros, porém, compositores de longa data, como Dedé, Andó e Odair, o disco e suas letras e histórias se tornam uma redenção de tudo que o produtor passou. Uma ode a sua falecida esposa, e uma tentativa de se entender com a vida, com a morte e com a música.

Serviço:
MXT Comvida!
Local:  Basement CulturalR. Des. Benvindo Valente, 260 – São Francisco, Curitiba
Data: Sexta-feira, 22 de novembro de 2019, a partir das 21h
Página do evento, aqui

DIEGO PERIN LANÇA ÁLBUM DE ESTREIA “CUIDADO AO FICAR MUITO À VONTADE”, O CLIPE DE “A FICHA CAI” E ANUNCIA SHOW DE LANÇAMENTO EM LOCAL SECRETO

Diego Perin. Foto: Nicolas Salazar

Músico da nova boa safra da cena curitibana apresenta trabalho autoral pautado em questões existenciais e sociais

São Paulo, junho de 2019 – Diego Perin lança seu álbum de estréia “Cuidado Ao Ficar Muito À Vontade”. A obra, produzida por Rodrigo Lemos, fala sobre questões existenciais do artista, como em “A Ficha Cai”, que ganha clipe dirigido por Luana Marinho. Também aborda temas sociais, como em “Wallstreet”. É o primeiro full álbum lançado por Perin após o fim da Banda Gentileza. Ele faz show de lançamento em Curitiba em um local secreto no dia 6 de julho. Apenas quem adquire o ingresso, através da Sympla, recebe o endereço. 

“Grande parte dessas canções surgiu de ideias que aparecem após uma conversa interessante da qual participei ou observei e me trouxe a sensação de ‘pouts, podia ter dito isso naquela hora’. A parte musical geralmente é ruminada por semanas ou meses”, explica Perin. “Cada uma das faixas tem um sentido pra mim obviamente, mas curto deixar significados abertos sempre que não cause confusão com o panorama geral. Essas pontas soltas que dão o caldo”. 

“O Diego está expondo questões atuais com uma acidez bem peculiar. Isso imediatamente me despertou o interesse em trabalhar nas faixas. Então, captamos a essência dos arranjos criados pela banda, ao vivo, sem nunca dispersar a atenção para o discurso. Sem acomodar muito o ouvinte. E, passado o processo, não sei dizer se existia uma grande tarefa pra desempenhar que não fosse exatamente essa”, define Lemos. 

Ouça “Cuidado o Ficar Muito À Vontade”: https://spoti.fi/2XfNfaU 

FAIXA A FAIXA

1. O que é que falta 
O que faz de nós, humanidade, a coisa mais pavorosa e incrível do mundo? 
Isso sempre me provoca horror e maravilha. Tem dias que esse dilema é praticamente insuportável. Num dia desses veio o refrão e, a partir dele, construí tudo em volta. Questões de empatia, justiça social, rotina, pressão, opressão. 

2. A ficha cai 
Essa é super pessoal/autobiográfica. Reflexões que rolaram depois que um amigo me jogou essa na cara: “Falou aí! Sempre foi o mais isentão”. Fiquei mordido. Um pouco antes do processo de impeachment da Dilma e a ascensão dos movimentos de extrema-direita, senti a necessidade de me posicionar sobre as coisas. Porque notei uma galera que era contra tudo aquilo que via como avanço. Quando surgiu o tal do termo “mimimi”. As pautas progressistas me definem. Deixei de ser tão cínico também. Engraçado como a posição de privilégio de ser um cara-branco-hétero-classe-média nos deixa cego para muitas injustiças. Flagro muitas fichas caindo na minha e na cabeça de uma galera nos últimos anos. Me comprometo mais. É sobre isso. Não dá pra desver as coisas. E isso deixa tudo mais claro. 

3. Não vou buzinar 
Acima de tudo, acredito na gentileza como a melhor maneira de relacionamento entre as pessoas. Quantas vezes já ouvi: “você tem que se impor”? Meh, tô fora. Tem uma influência gigantesca de Pato Fu daquela música “UhUhUh AhAHAH IéIé”. Sempre bom escutar os outros antes de tirar conclusões. O assunto paralelo que rola no refrão é sobre não se encaixar no sistema bruto do capitalismo e suas pressões. Você tem que ter uma profissão. Você tem que ser alguém. Você tem que se matar pra ter coisas. Qual a medida do ser humano? 

4. Heróis 
Um belo dia eu percebi que estava levantando da cama sem me espreguiçar. Primeiro me deu tristeza, depois o desespero que sinto quando ouço “Time”, do Pink Floyd. Também me trouxe, de novo, a sensação de que a rotina é uma máquina de moer carne. Temos que estar atentos ao tempo que passa para não desperdiçar, não sucumbir e ficar apático. A vida é curta demais. Sempre evoluir. Tudo é processo, nada é definitivo. 

5. Treta 
Sobre uma conversa que presenciei e de como esses tempos bizarros nos afastaram das pessoas. E acredito que é saudável por um lado. Hoje em dia sei melhor quais são as pessoas que quero ao meu lado. Dane-se bolsominion preconceituoso, machista, homofóbico, conservador! Mas, esperançoso que sou, (não otimista) acredito na mudança e em consequência na redenção. Tem uma pitada irônica sobre isso no final da letra. 

6. Wallstreet 
Um dia, no banho, me veio uma pira sobre especulação financeira. Quando a bolsa cai, de quem é o problema realmente? A economia devia estar a serviço do social e não o contrário. É tipo faroeste. Tem a lei e tudo mais, mas quem está lá especulando na bolsa destrói economias inteiras em nome apenas do lucro. Junto ao corporativismo, acredito ser o auge do capitalismo desumanizado, nocivo. Ou a gente evolui esse modelo econômico ou vamos nos ferrar todos. Pelo menos os 99% aqui da base da pirâmide. Resumindo: é uma sátira das trilhas de filmes faroeste spaguetti, mais Johnny Cash, mais Zé Ramalho, mais apocalipse cristão relacionando-se a esse tema da especulação. Quem são os quatro cavaleiros do apocalipse senão capitalistões de alto gabarito? Essa faixa é onde mostro meu lado mais besta. 

7. Dias bons 
Sou completamente anti nostalgia. Até tenho problemas em sentir saudades. Num belo dia flagrei que tava acontecendo uma coisa muito especial, um clima bom, conversas construtivas. Foi durante uma mini turnê com a Estrela Leminski, o Teo Ruiz e a trupe. Nisso me deu um gatilho de vários momentos legais, desde a infância. E pô! Como os dias bons passam rápido! Essa canção é um desejo pra que eles se demorem um pouco mais. Mas é isso aí, acabou, vamos pro próximo. Peguei um riffzinho que ficava tocando praticamente todo dia na cama antes de dormir e fui fazendo um loop mântrico a la Velvet. 

8. Agora 
Olha a anti nostalgia aí de novo gente! Escuto muito que “no meu tempo que era bom” das pessoas mais velhas. Claro! Eram jovens, cheias de esperança e sonho. Infelizmente a rotina, as cobranças, as responsabilidades, vão esmagando tudo devagarinho e o risco de nos tornarmos saudosos e amargos ao mesmo tempo é gigantesco. Não quero isso pra mim. É meu post-it colado na geladeira, meu lembrete. Tem muito do disco Alucinação do Belchior. Aproveite o presente. 

FICHA TÉCNICA 
Diego Perin – Guitarra e voz em todas as faixas 
Douglas Vicente – Bateria em todas as faixas. Backing vocal em A Ficha Cai. 
Ruan de Castro – Baixo em todas as faixas exceto Wallstreet. Backing vocal em A Ficha Cai. 
Vinicius Nisi – Sintetizadoress, Teclados e afins em todas as faixas. Bozouki Irlândes em Dias Bons, Wallstreet e Agora. 
Rodrigo Lemos – Guitarra em todas as faixas. Baixo em Wallstreet. Backing vocal em todas as faixas exceto Agora. 
Valderval Oliveira – Timbale em A Ficha Cai. 
Vitor Salmazzo – Percussão em A Ficha Cai, Não vou Buzinar e Treta. 
Leandro Delmonico – Viola em Wallstreet 
Bernardo Stumpf e Thiago Ramalho – Backing vocal em A ficha cai. 
Todas as letras e músicas por Diego Perin 
Produzido por Rodrigo Lemos 
Gravado, mixado e masterizado por Valderval Oliveira 
Assistência de estúdio por Isabela Leite 
Gravado, mixado e masterizado no estúdio da Arnica Cultural em Janeiro e Fevereiro de 2019 

O CLIPE DE “A FICHA CAI” 
Segunda faixa do álbum e primeiro single da obra ganha clipe dirigido por Luana Marinho e fala sobre destruição e foi gravado em uma fábrica desativada de Curitiba. 

“O tema desconstrução é muito presente hoje em dia, ainda bem. Mas ele não é sobre isso. Para mim, desconstrução é um processo lento, solitário, necessário, tijolo a tijolo, no fundo da mente, pro resto da vida. Destruição de amarras, valores preconceituosos, valores opressores. Acredito que isso é fundamental pra questão do posicionamento que a letra aborda. Sair de cima do muro tem muito a ver com destruir esse muro completamente pra não voltar lá pra cima. É possível mudar de ideia sobre as coisas, ainda bem. Mas ter tudo as claras é fundamental. Nada melhor do que ficar no chão pra enxergar os lados pra se posicionar”, explica Diego. 

FICHA TÉCNICA 
Luana Marinho: Direção e edição 
Lucas Ajuz: Camera 
Mayara Santarém: Camera 
Luana Angreves: Still 
Andrei Ceeze: Efeitos 
Moisés Prestes: Efeitos 
Renato Hollanda: Efeitos 

SHOW DE LANÇAMENTO @ CURITIBA (PR) 
Dia 6 de julho, a partir das 17h 
Horário do show: 20h 
Local secreto (para descobrir o endereço, é necessário comprar o ingresso) 
Ingresso: R$ 20,00 – aqui

SOBRE DIEGO PERIN
Diego Perin começou a estudar música em Igarapava, com 16 anos. Teve dois grupos em Curitiba antes de formar a Banda Gentileza, em 2005, projeto onde tocou baixo e concertina, lançou dois EPs ao vivo e dois álbuns em dez anos de carreira. Com a Gentileza, tocou em várias cidades e festivais como o Psicodália, o Calango (Cuiabá), o Contato (São Carlos) e o Path (São Paulo), show que marcou o fim da banda. Nesse meio tempo também participou do projeto do Rodrigo Lemos, o Lemoskine, onde conheceu o Vinicius Nisi. Tocou brevemente na banda do Leo Fressato. Seu projeto solo surgiu após o fim da Banda Gentileza, em 2016. Após um período de gestação de mais ou menos um ano, quando compôs suas primeiras músicas, se juntou ao Rodrigo Lemos pra gravar “A Dor dos Outros”, single que foi o pontapé inicial do EP “Cabresto”, já com o Nisi nos teclados, lançado em 2018. Nesse meio tempo, começou a tocar com o Douglas Vicente e o Ruan de Castro na banda da Estrela Leminski e do Teo Ruiz. Para fechar o time ainda teve o Jean Machado. Com o boom da Tuyo, o Jean foi cuidar mais da sua carreira e fecharam em quarteto para a gravação do “Cuidado Ao Ficar Muito À Vontade”, lançado em junho de 2019. 

Discografia 
EP “Cabresto” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=Dh9wAKpriTM 
“Cuidado Ao Ficar Muito À Vontade” (2019): https://spoti.fi/2XfNfaU 
Redes Sociais 
Facebook: https://www.facebook.com/perindiegoperin/ 
Instagram: https://www.instagram.com/perindiego/ 
Youtube: https://www.youtube.com/diegoperin 
Streaming 
Spotify: https://open.spotify.com/artist/32jpI2NVsxiXpl8RAUveus 
Deezer: https://www.deezer.com/en/artist/14299755 
Vídeos 
“A Dor Dos Outros” (2017): https://www.youtube.com/watch?v=iLSbmbmPFb0 
“Cabresto” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=xygA3EtYwCs 
“Tapeçaria de Asfalto” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=Rl93mMyMraQ 
“A Dor Dos Outros” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=eoqMO90tFBY 
“Salto” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=rXACBE2w9K4 

Participação 
Sofar Sounds Latin America: https://www.youtube.com/watch?v=qPVbl8MSE-c 

Informações à imprensa
Alets Comunicação 
Letícia Tie 
leticia@aletscomunica.com 
(11) 9 4867-8963

DIEGO PERIN LANÇA EP PROVOCADOR E ATUAL


Cabresto chega às plataformas de streaming dia 19 de março

A arte reflete o que vivemos. É inadmissível ficar alheio a dor dos outros. É assim que o compositor Diego Perin, ex-baixista da Banda Gentileza descreve seu primeiro trabalho solo. O EP ‘Cabresto’ nasce de suas inquietações com o mundo e consigo mesmo. Ao mesmo tempo em que o músico canta a falta de empatia, manipulação midiática e jogo de interesses, também ressalta a necessidade de correr riscos e buscar um mundo ideal, que é utópico para quem não acredita nele.

Diego volta a cena musical como compositor de suas letras e melodias. Essa autonomia garantiu uma miscelânea de ritmos. “A dor dos outros”, single lançado em julho é uma mistura de rock, música latina e brega. Já “Cabresto”, que dá nome ao disco, é um afrobeat. O novo trabalho é mais pesado e irônico que o da antiga banda. “Acho que os assuntos são mais sérios. Tem uma canção que lembra Doors. Nem era minha intenção, mas quando mostrei pros amigos e amigas, eles apontaram a influência que eu nem sabia que tinha. Uma inspiração proposital foram os uivos do Howling Wolf”, comenta Perin.

Após 15 anos tocando baixo e sendo backing vocal, Diego assume sua voz em primeiro plano e ataca de guitarrista. A produção musical e mixagem ficou por conta de Rodrigo Lemos que também toca baixo, bateria, guitarra e sintetizador. Outros amigos e grande músicos participaram do seu novo trabalho: Vinicius Nisi (A Banda Mais Bonita da Cidade) no teclado, Douglas Vicente (Charme Chulo) e João Taborda (Trombone de Frutas) na bateria, Estrela Leminski e Téo Ruiz nos backing vocals e Lucas Ajuz (Locomotiva Duben) na conga. Diego Perin toca guitarra, baixo e, claro, debuta no vocal. Em março de 2018 o mundo conhecerá o resultado.

O lançamento já tem data marcada: 19 de março o EP estará disponível nas plataformas de streaming e no site, para quem quiser baixá-lo gratuitamente. Seguindo as tendências de mercado, Perin disponibiliza os lyrics videos de suas músicas no Youtube. Animações feitas por ele. O show de estreia é dia 6 de abril no Ornitorrinco bar. Tocando ao seu lado o tecladista Vinícius Nisi (A Banda Mais Bonita), o baixista Jean Machado (Tuyo), Ruan de Castro na guitarra e Douglas Vicente (Charme Chulo) na bateria. Engrossando o caldo e o evento, tem apresentação do Bernardo Bravo e do coletivo de DJ’s, Casa de Suingue.

Diego Perin by Luana Angreves

Serviço:
Show de lançamento de Cabresto
Data: 06 de abril
Horário:
20h – discotecagem Casa de Suingue
21h30 – Show Diego Perin
23h – Show Bernardo Bravo
Local: Ornitorrinco Bar – R. Benjamin Constant, 400 – Centro
Entrada: R$10 com nome no mural do evento e R$15 sem.
Confira a página do evento, aqui

Sobre o Diego Perin
Diego Perin estuda música desde os 15 anos, quando ainda morava em sua cidade natal, Igarapava, São Paulo. Desembarcou em Curitiba para cursar Publicidade e Propaganda na UFPR e na universidade, em 2004, conheceu seus colegas da Banda Gentileza. Em 10 anos de carreira, a banda tocou nos renomados festivais: Psicodália (Rio Negrinho/SC), Path (São Paulo/SP), Calango (Cuiabá/MT) e Contato (São Carlos/SP). A canção “Afinal de Contas” foi tema de personagem da novela da Rede Globo, Malhação de 2013. O músico tocou também na banda Lemoskine e acompanhou o cantor Leo Fressato. Atualmente, além de se dedicar a composição do seu trabalho solo, Diego é baixista da banda que acompanha a dupla Estrela Leminski e Teo Ruiz.

MÚSICA NA CIDADE APRESENTA SHOW GRATUITO DE RODRIGO LEMOS NESTA TERÇA E QUARTA-FEIRA

A música instrumental produzida no Paraná é destaque no projeto Música Na Cidade que chega em sua terceira edição e apresenta 14 shows em oito cidades do PR. Nesta terça (07) e quarta-feira (08), a partir das 11h, no Terminal Central de Ponta Grossa, o músico Rodrigo Lemos faz o terceiro show do ciclo de apresentações do projeto.

O Música na Cidade tem o intuito de ocupar os ambientes ao céu aberto destas localidades e proporcionar para o cidadão o acesso à cultura a partir da música. Há três anos, desde a estreia, mais de 70 mil pessoas foram impactadas pelo projeto, além de incitar a acessibilidade da música paranaense em locais onde as vezes o acesso é inviável.

O livre acesso à cultura e interação pelas redes sociais do Música na Cidade, possibilita ainda a aproximação entre artistas e público ao incentivar a democratização dos espaços urbanos e digitais, tendo o caráter artístico como um elo de união popular.

Rodrigo Lemos
Lemoskine é o trabalho solo do músico e produtor Rodrigo Lemos, ex-integrante e compositor das bandas Poléxia e A Banda Mais Bonita da Cidade. O projeto já lhe rendeu indicação para o VMB 2012, na categoria “Aposta MTV”, com o álbum de estréia Toda a Casa Crua – registro que conta com a participação especial de John Ulhoa (Pato Fu) na produção de três faixas. O repertório se desdobrou em clipes para as canções “Música de Novela”, “Nessa Mulher”, “Toda Bonita” e “Estilingue”; e ganhou um mini documentário – Toda a Casa Crua no Moinho Curitibano – concebido pela artista plástica Mariana Zarpelon e dirigido por João Marcelo e Rosano Mauro Jr.

No final de 2015, Lemos lança o segundo álbum Pangea I Palace II em formato digital, além de um clipe e uma edição limitada em compacto (45 rpm) para o single “Pedra Furada” – um produto desenvolvido pelo selo Vinyl Lab e customizado pelo estúdio de design Apoc. Desta vez, o músico se apóia em canções mais sensoriais, embaladas pelo groove do dub e de ritmos brasileiros. O álbum foi bem recebido nas redes sociais e em veículos especializados como O Globo, Billboard e Showlivre, encerrando o ano com um bem sucedido crowdfunding para fabricação em formato LP.

SERVIÇO:
MÚSICA NA CIDADE EM PONTA GROSSA
SHOW COM RODRIGO LEMOS
Onde: Terminal Central de Ponta Grossa
Endereço: Av. Dr. Vicente Machado, 12
Quando: 07 e 08/11 (terça e quarta-feira)
Horário: 11h
ENTRADA GRATUITA