CONTRATEMPO FESTIVAL REÚNE MAIS DE 100 ARTISTAS DE TODO PARANÁ

Contratempo Festival é também um manifesto da classe que aguarda o Pacote de Medidas de Apoio ao Setor Cultural prometido pelo Governo do Estado do Paraná para maio

Nasce um novo espaço para exaltar o poder transformador da cultura e levar sanidade às pessoas isoladas devido a pandemia. Artistas do Paraná se unem para a primeira edição do Contratempo Festival, um evento online, com mais de 100 ações ao vivo durante 12 horas consecutivas. As transmissões serão entre 9h e 21h, de terça-feira, dia 23 de junho, no canal do Instagram das/dos artistas. 

Contratempo Festival traz a multiplicidade e versatilidade do setor cultural: música, teatro, cinema, circo, literatura, performances, dança, artes plásticas, fotografia, juntas em um só evento. A cada hora, apresentações exclusivas que prometem surpreender as espectadoras e espectadores. Serão oito artistas solo, companhias e/ou bandas por hora. Karol Conka, Alexandre Nero, Fabíula Nascimento (única que será no twitter porque seus perfis foram ocupados por pessoas negras em junho), A Banda Mais Bonita da Cidade, Ave Lola, Baque Mulher, Mandicuera, Mulamba, Cia dos Palhaços, Letícia Sabatella, Janine Mathias, Dow Raiz, Fotofolia, Rimon Guimarães, Slam das Gurias CWB, Caburé Canela, De um filho, de um cego, Abacate Contemporâneo, Luís Melo, Katiuscia Canoro e cia brasileira de teatro, entre outros, outras e outres movimentam a terça-feira do Paraná. 

Mais que apresentações, o evento é um manifesto, um pedido de socorro da classe artística, uma das primeiras a parar e que não tem previsão de retorno presencial. Ao contrário de outros estados do Brasil, que logo no início da pandemia publicaram editais de auxílio emergencial ao setor, o Governo do Paraná segue sem ações efetivas. O tímido pacote de medidas de “apoio e fortalecimento do setor cultural”, anunciado para maio, ainda não aconteceu, e quando questionada sobre recursos para o Fundo Estadual de Cultura, a Superintendente de Cultura, Luciana Casagrande Pereira, comenta sobre a esperança na aprovação da Lei Aldir Blanc como único plano do Estado. A lei aguarda a sanção presidente até dia 1º de julho. 

A previsão desse recurso realmente chegar às trabalhadoras e trabalhadores da cultura é tardia para a situação de emergência que a classe enfrenta, e os artistas cobram uma resposta mais efetiva. Enquanto isso, a cadeia produtiva da economia criativa se vira da forma que dá, iniciativas como Salve a Graxa e Cultura Salva arrecadam cestas básicas e distribuem aos profissionais mais afetados pelo coronavírus. 

A Coragem – Rede de Profissionais da Música de Curitiba, articuladora do Contratempo Festival, ressalta que a classe artística rapidamente atendeu as determinações da OMS e segue apoiando a permanência do fechamento dos espaços culturais, por entender que o isolamento social é fundamental para atravessar este momento. Porém, diante da impossibilidade de continuar exercendo suas atividades profissionais, o setor necessita de medidas compatíveis com a situação emergencial que atinge todos os trabalhadores paranaenses da cultura”. O Coletivo também está participando de conversas com a prefeitura de Curitiba, onde um grupo de trabalho está sendo criado para encaminhar ações concretas de apoio. 

:: CONTRATEMPO 
O nome do festival é um indicativo para o momento que a classe artística está vivendo. Contratempo é uma circunstância ou incidente inesperado, que impede ou contraria o curso de um acontecimento, de um projeto. Na música, é um deslocamento do acento métrico natural do compasso. Onde o acento que seria no tempo forte (naturalmente) acontece no tempo fraco. Contratempo pode ser regular e irregular. 

Programação:

:: 09h às 10h
09h às 09h15 – Leticia Sabatella 
09h15 às 09h30 – Bia Figueiredo / Parabolé
09h30 às 09h45 – Fotofolia / Iria Braga
09h45 às 10h – Katiuscia Canoro / Itaercio Rocha

:: 10h às 11h
10h às 10h15 – Baque Mulher / Mano a Mano Trio
10h15 às 10h30 – Maureen Miranda e Necos Yaros / Pé no Palco
10h30 às 10h45 – Adri Menegale / Cia Portátil
10h45 às 11h – Grupo Fato / Leonardo Cruz e Laremi Paixão

:: 11h às 12h
11h às 11h15 – Cia Brasileira de Teatro / Diego Perin
11h15 às 11h30 – Aminoácido / Jossane Ferraz
11h30 às 11h45 – Léo Fressato / Luis Mello
11h45 às 12h – Rogeria Holtz / Rubyhoo

:: 12h às 13h
12h às 12h15 – Raissa Fayet / Abacate Contemporâneo
12h15 às 12h30 – Amanda Lyra / Partigianos
12h30 às 12h45 – Conde Baltazar / O Tiziu
12h45 às 13h – Rimon Guimarães / Francisco Mallmann

:: 13h às 14h
13h às 13h15 – Antropofocus / Bea Gerolin
13h15 às 13h30 – Cultucada / Davi Henn
13h30 às 13h45 – A banda mais bonita da cidade / Um baile bom
13h45 às 14h – Dow Raiz / Mahallo

:: 14h às 15h
14h às 14h15 – Fabiula Nascimento / Tuyo
14h15 às 14h30 – Ave Lola / Bernardo Bravo
14h30 às 14h45 – Festival Saliva / Juliana Cortes
14h45 às 15h – Londrina Ska Clube / Marcel Szymanski

:: 15h às 16h
15h às 15h15 – Leandro Daniel / Caburé Canela
15h15 às 15h30 – De ym filho, de um cego
15h30 às 15h45 – Chico Paes / Marcio Juliano Outro Samba
15h45 às 16h – Súbita / Casa do Suingue

:: 16h às 17h
16h às 16h15 – Ethnya / Raquel Bombieri
16h15 às 16h30 – Hause of X / Murillo Mongelo
16h30 às 16h45 – Saulo Soul /
16h45 às 17h – Sofar Curitiba / Kendri Albuquerque

:: 17h às 18h
17h às 17h15 – Gal Freire / Esperanza
17h15 às 17h30 – Renara Melão / Vigor Mortis
17h30 às 17h45 – Central Sistema de Som / Trupe da Periferia
17h45 às 18h – Goat Fest / Siamese

:: 18h às 19h
18h às 18h15 – Alexandre Nero / Slam das Gurias
18h15 às 18h30 – Família Estranha / Obragem
18h30 às 18h45 – Juana Profunda / Rubia Divino
18h45 às 19h – Janine Mathias / Babi Oeiras

:: 19h às 20h
19h às 19h15 – Curitiba Jazz Festival / Cia Senhas
19h15 às 19h30 – Mulamba / Cia dos Palhaços
19h30 às 19h45 – Ricardo Pozzo / Roseane Santos
19h45 às 20h – Karol Conka / Selvátiva

:: 20h às 21h
20h às 20h15 – Estrela Leminski e Teo Ruiz / Bloco Afropretinhosidade
20h15 às 20h30 – Cia Stavis Damaceno / Mandicuera
20h30 às 20h45 – Dalvinha Brandão / Mano Cappu
20h45 às 21h – Miss G / MUV

SERVIÇO
Contratempo Festival
data: 23 de junho, terça-feira.
horário: 9h às 21h
Página do evento no facebook, aqui
Organização: Coragem – Rede de Profissionais da Música de Curitiba

Local: conta do Instagram de cada artista. 
www.instagram.com/karolconka/ 
www.instagram.com/leticia_sabatella/ 
www.instagram.com/alexandrenero/ 
www.instagram.com/bandamaisbonita/ 
www.instagram.com/katiusciacanoro/ 
www.instagram.com/ave_lola/ 
www.instagram.com/selvaticaoficial/ 
www.instagram.com/missgburlesca/ 
www.instagram.com/luismeloficial/ 
www.instagram.com/baquemulhercwb/ 
www.instagram.com/associacao_mandicuera/ 
www.instagram.com/rochaitaercio/ 
www.instagram.com/mulambaoficial/ 
www.instagram.com/slamdasguriascwb/ 
www.instagram.com/ciadospalhacos/ 
www.instagram.com/dowraizoficial/ 
www.instagram.com/janinemathias/ 
www.instagram.com/foto_folia/ 
www.instagram.com/rimonguimaraes/ 
www.instagram.com/caburecanela/ 
www.instagram.com/deumfilhodeumcego/ 
www.instagram.com/abacate.contemporaneo/ 
www.instagram.com/ciabrasileira/ 
www.twitter.com/fabiunascimento

foto: Karol Conka. Crédito: Carlos Salles
fonte: 
Cliteriosa Comunicação 
Santa Produção

CHICO CÉSAR, ANA FRANGO ELÉTRICO, TRUPE CHÁ DE BOLDO E MULAMBA NO LIBÉLULA DE CARNAVAL

Chico César por José de Hollanda

Libélula de Carnaval acontece neste carnaval, entre os dias 21 e 26 de fevereiro, na Chácara do Tio Miro, em São José dos Pinhais, a 50km do centro de Curitiba. Serão seis dias de muita música, teatro, oficinas, recreação infantil, mostra de cinema, entre outras cositas más. O paraibano Chico César, a carioca Ana Frango Elétrico, os paulistas da Trupe Chá de Boldo, as curitibanas Mulamba são alguns dos nomes que tocam no evento, ao todo serão mais de 40 atrações.

A proposta do festival é ser um espaço a família que quer fugir da loucura do feriado prolongado e busca um lugar seguro e divertido para a criançada. Pela manhã, tem recreação infantil e oficinas para crianças e adultos. A partir das 14h começam os shows de bandas autorais no Palco Animália e nos intervalos tem apresentações no Palco Libelinha, que também é aberto para bandas e artista que queiram fazer apresentações espontâneas de 15 minutos. As inscrições serão durante o festival.

Show da Cátia de França, do Libélula da virada – Foto Liz GF

Mais de 40 atrações confirmadas. Confira a programação do Palco Animália no Libélula de Carnaval: 

:: Sexta-feira, 21.
18h – Bananeira Brass Band (PR)
20h – Muñoz 
22h – Trupe Chá de Boldo (SP)

:: Sábado, 22
14h – Trilho (PR) 
16h – Pallets (PR)
18h – GALI (SP)
20h – Banda Abacaxepa (SP)
22h – Mulamba (PR)

:: Domingo, 23
14h – De um Filho, De um Cego (PR)
16h – Casa de Orates (SC)
18h – Čao Laru (Fra)
20h – DowRaiz (PR)
22h – Ana Frango Elétrico (RJ)

:: Segunda-feira, 24
14h – Dandara Manoela. (SC)
16h – Wes Ventura (SP)
18h – Pássaro Vivo (MG)
20h – Raissa Fayet (PR)
22h – Chico César (PB)

:: Terça-feira, 25
14h – Amanda Lyra (PR)
16h – Kendri e os ieckis 
18h – Caburé Canela (PR) 
20h – Charme Chulo (PR)
22h – BIKE (SP)

Chácara do Tio Miro. Foto: Melito

O LOCAL
A Chácara do Tio Miro, em São José dos Pinhais, tem 63 mil m² de área verde e, além da bela vista e muito verde, possui lagos, piscinas, skibunda, caiaque, arvorismo, tobogã, brinquedos para crianças, tirolesa, trilha e paredes de escalada. Com área de camping, com banheiros com chuveiros quentes e frios.

Pra quem não gosta de acampar tem a opção de ficar no hostel dentro da chácara, cobrado a parte, mais informações sobre preços e reservas através do whatsapp 41 9 8729-0905 ou pelo email contato@libelulafestival.com.br

TRANSPORTE
Também tem ônibus realizando o translado do centro de Curitiba até o festival por R$30, e é possível chegar de transporte público.

INGRESSOS:
Os ingressos, no valor de R$320, mais taxas, dá direito a área de camping; estrutura do local com banheiros com chuveiros quentes e frios, lagos, brinquedos, trilha, piscinas, skybunda e muito mais; mais de 40 atrações, entre shows autorais, intervenções artísticas, peças de teatro, mostra de cinema, recreação infantil, além de equipe de segurança 24 horas. 

Crianças até 11 anos não pagam entrada, mas devem ser credenciadas no site do festival. A entrada para adolescentes entre 12 e 17 anos é de R$100 + taxas e estão à venda no site do Ingresso Nacional e quiosques do Disk Ingressos. É possível parcelar o ingresso para maiores de 18 anos em até 6 vezes sem juros no Villa Bambu Cantina

SERVIÇO
Libélula Festival de Carnaval 2020
data: 21 a 26 de fevereiro
abertura dos portões: 10h.
local: Chácara do Tio Miro – Estrada da Roça Velha, s/n – Roça Velha, São José dos Pinhais.
Ingressos à venda no site do Ingresso Nacional, quiosques do Disk Ingressos ou Villa Bambu.
Evento: www.facebook.com/events/2346239912309488/
Ingresso Nacional: http://bit.ly/libelulacarnaval 
Playlist Spotify: http://bit.ly/playlibelulacarnaval 
Mais informações: www.libelulafestival.com.br

fonte: Cliteriosa Comunicação

LIBÉLULA FESTIVAL ANUNCIA ANA FRANGO ELÉTRICO, GALI, BIKE E CHARME CHULO NO CARNAVAL 2020

Chico César, Trupe Chá de Boldo, Raissa Fayet, Dow Raiz também são atrações confirmadas no festival. O Libélula Festival será entre os dias 21 e 26 de fevereiro, na Chácara do Tio Miro, em São José dos Pinhais-PR. 

Após uma primeira edição memorável nesta virada de 2019 para 2020, o Libélula segue com a produção e divulgação do seu segundo festival, já neste Carnaval. Com a proposta de apresentar shows inéditos na região, Libélula traz pela primeira vez ao Paraná, a compositora Ana Frango Elétrico com seu segundo disco, “Little Electric Chicken Heart”, que a colocou em praticamente todas as listas de melhores álbuns e shows de 2019. Engrossando o caldo musical e autoral também estão confirmadas as/os paulistas Gali e Bike e os curitibanos na Charme Chulo.

“No Rio, já circulei por várias cenas e cada vez mais quero trocar com diferentes cenas. O Rio tem muita coisa boa em todos os estilos musicais, mas sinto que a gente não está muito nos festivais, por exemplo. Quero que a gente tenha ambição de circulação, comentou a cantora em entrevista ao O Estado de S. Paulo. O desejo da Ana casa com a proposta do Libélula Festival de apresentar novos artistas e shows inéditos para o seu público. 

Ao todo serão 30 shows autorais, divididos em dois palcos, além de intervenções, peças de teatro, mostra de cinema, oficinas, rodas de conversa e espaços para manifestações artísticas espontâneas. Chico CésarTrupe Chá de BoldoRaissa FayetDow Raiz, Dandara Manoela, Bananeira Brass Band, Pássaro Vivo, Caburé Canela, Casa de Orates, Čao Laru, Pallets, Wes Ventura, Amanda Lyra e o Trilho já são presença garantida no Libélula Festival. 

LOCAL 
O Libélula Festival será entre os dias 21 e 26 de fevereiro, na Chácara do Tio Miro, em São José dos Pinhais. Inicialmente o evento seria na Fazenda Evaristo, mas devido ao sucesso da primeira edição e do local onde foi realizado, a mudança foi vista como necessária para garantir o conforto e integridade do público evento. 

“A primeira edição do Libélula foi algo totalmente fora do normal, tanto pelo lançamento meteórico do festival, que alcançou o soldout em menos de 12 horas, como o evento em si, que ultrapassou todas as expectativas. O público estava claramente extasiado com o local, as belezas naturais e toda a estrutura oferecida”, comenta o idealizador do Libélula, Alexandre Osieski. 

INGRESSOS
Os ingressos do primeiro lote estão sendo vendidos por R$280 + taxas e a entrada para menores de 18 anos terá um valor diferenciado. Crianças de até 5 anos não pagam, entre 6 e 11 anos, R$100 + taxas e adolescentes entre 12 e 17 anos, R$200 + taxas. O ingresso dá direito a 30 shows autorais, oficinas, intervenções artísticas, mostras espontâneas, palco livre, skibunda, recreação, estrutura do local com camping (por seis dias), banheiros, lagos, piscinas, trilhas, equipe de limpeza, segurança e mais.

SERVIÇO
Libélula Festival de Carnaval 2020
data: 21 a 26 de fevereiro
local: Chácara do Tio Miro – Estrada da Roça Velha, s/n – Roça Velha, São José dos Pinhais
Ingressos à venda no site do Ingresso Nacional e nos quiosques do Disk Ingressos.
Mais informações: www.libelulafestival.com.br
Página do evento no facebook, aqui

fonte: Cliteriosa Comunicação

FESTIVAL PELA VIDA DAS MULHERES É NESTA SEXTA E SÁBADO

Evento está sendo organizado por movimentos sociais de Curitiba em parceria com movimentos de outras cidades do Brasil.

CURITIBA – Neste fim de semana acontece o Festival Pela Vida das Mulheres, um evento que está sendo organizado nacionalmente por movimentos sociais. Na sexta-feira, 27, a programação começa às 16h, na Boca Maldita, com shows de artistas mulheres, intervenções artísticas, slam, bloca feminista, além de falas e informações sobre direitos sexuais reprodutivos. das pessoas que estiverem por lá. No dia 28, o projeto percussivo Baque Mulher, juntamente com a organização do festival, promovem um bate-papo, yoga e maracatu, dentro da Comunidade Escola no Parolin, a partir das 13h30. Todo o evento está sendo organizado por mulheres. 

As atividades culturais são um convite para que mulheres conheçam melhor o seus direitos. Tanto na praça, como na comunidade escola, haverão psicólogas e advogadas explicando sobre o que fazer nos casos de violência sexual, onde ir e como conseguir o aborto legal, permitido por lei, nos casos de estupro, risco de morte da mãe e fetos anencéfalos. 

As ações integram a chamada da Frente Nacional Pela Legalização do Aborto, feita durante a 3ª Plenária Nacional realizada em agosto, em Brasília. A proposta é que os movimentos sociais se mobilizem no Dia Latino-americano e Caribenho de Luta Pela Descriminalização do Aborto e incluam a data no calendário de lutas pelos direitos das mulheres. São Paulo, Recife, Rio de Janeiro, Florianópolis e demais cidades do Brasil terão atividades nestas datas. 

PROGRAMAÇÃO
::::27 de setembro | BOCA MALDITA:::::
16h00 – Discotecagem com Dani Black
16h20 – Show Amanda Lyra
17h00 – Show Horrorosas Desprezíveis 
17h40 – Show Maria Isabel Corrêa 
18h00 – Teatro com Gabriela Grigolom Silva
18h30 – Poesia Falada com Slam das Gurias Cwb
18h45 – Show Day Paixão
19h30 – Bloca Ela Pode, Ela Vai
20h20 – Bicicletada – Saia de bici
+ intervenções artísticas.

::::28 de setembro | CONVERSA DE COMADRE | PAROLIN::::
13:30 – Acolhimento
14:00 – Documentário ‘Tentei’, Laís Melo
14:30 – Rodas de Conversa sobre Saúde da Mulher e Violência Doméstica
16:00 – Yoga
16:20 – Maracatu com Grupo Baque Mulher
+ Atividades para crianças.

SERVIÇO
FESTIVAL PELA VIDA DAS MULHERES
Data: 27 de setembro, sexta
Hora: 16h às 20h30
Local: Boca Maldita, centro de Curitiba
Evento gratuito.
Página do evento, aqui

BAQUE MULHER PROMOVE CONVERSA COMADRE
Data: 28 de setembro, sábado.
Hora: 13h30 às 17h.
Local: Escola Municipal Professora Nansyr Cecato Cavichiolo – Rua Francisco Parolin, 930, Curitiba.
Evento gratuito.
Página do evento, aqui

Fonte: Cliteriosa Comunicação

LIBÉLULA FESTIVAL, A MELHOR OPÇÃO PARA A VIRADA DO ANO

Evento será em uma área de preservação ecológica na Serra do Mar, entre Paraná e Santa Catarina.

Do mesmo criador do Psicodália, chega à Região Metropolitana de Curitiba o Festival Libélula, uma imersão de seis dias em meio a mata atlântica com música, intervenções artísticas, peças de teatro, oficinas, recreação infantil e muito mais. Tudo isso na virada do ano, entre os dias 27 de dezembro e 1º de janeiro, na Reserva Ecológica Terraiz Castelhanos, uma chácara na Colônia Castelhanos, em São José dos Pinhais. As vendas dos ingressos começam dia 7 de outubro no site e quiosques do Disk Ingressos. O primeiro lote será R$200, e quem comprar nos dois primeiros dias de venda ganha um mimo. 

A ideia do Libélula é propor um espaço de trocas e evolução conjunta. A escolha de uma chácara no meio da serra do mar, em uma área de preservação foi proposital. “A imersão em uma natureza quase virgem nos coloca em uma reflexão imediata sobre o mundo, os excessos que cometemos na cidade e como podemos agir pra diminuir o impacto do consumismo no meio ambiente”, Alexandre Osiecki, que esteve na direção de 22 edições do Psicodália, o maior festival independente do país. 

Cerca de 20 bandas autorais devem se apresentar nos palcos do festival que também incentiva artistas independentes a levarem seus instrumentos e apresentarem ao público seu som no formato desplugado. Esta primeira edição não terá inscrições para atrações musicais, a seleção será mais local e voltada para bandas locais engajadas. Quem deseja ministrar uma oficina ou apresentar sua peça deve ficar ligada nas inscrições que começam dia 14 de outubro. 

O festival acolherá menos de ⅙ da quantidade de pessoas que o Psicodália recebia. Segundo o idealizador de ambos os festivais, há algum tempo as pessoas vinham relembrar o tempo em que o Psicodália era menor e pediam algo em um formato mais reduzido. 

ESTRUTURA
A Reserva Ecológica Terraiz Castelhanos possui estrutura para camping, rios de pedra e de argila medicinal, cachoeiras, trilhas e belas paisagens da Serra do Mar. Há 81 km de Curitiba, a chácara fica localizada em uma área de preservação ambiental. Os proprietários da área são produtores de alimentos orgânicos e as verduras, legumes e frutas retiradas da agrofloresta serão alguns dos ingredientes das refeições oferecidas pelo festival e também estarão à venda para o público. 

O Libélula Festival terá três palcos, sendo um deles livre. Osiecki explica que é preciso abrir espaço para artistas de rua, pessoas que tem sido repreendidas constantemente por apenas apresentarem seu som em espaços públicos. 

QUEM É O XANDE?
Alexandre trabalha a 25 anos com música e desde 2001 produz e dirige o Festival Psicodália, maior festival independente do Brasil. 

SERVIÇO
Libélula Festival
Data: 27 de dezembro a 1º de janeiro. 
Local: Reserva Ecológica Terraiz Castelhanos – São José dos Pinhais. 
Ingressos: à venda a partir do dia 7 de outubro. 
Mais informações no site: www.libelulafestival.com.br
Fanpage, aqui

Arte de Diego Perin
Fotos de Thais Penteado.
Fonte: Cliteriosa Comunicação

MISTURA SONORA DE DOW RAIZ CHEGA AO TEATRO DO PAIOL

Dow Raiz. Foto: Luciano Meirelles – HAI studio

Rapper curitibano é atração de setembro do projeto Brasis no Paiol. 

O rapper curitibano Dow Raiz leva sua mistura de rimas, batidas e influências para o projeto Brasis no Paiol 2019. O artista, que há alguns anos está entre os destaques nacionais, apresenta-se no icônico palco de Curitiba no dia 12 de setembro, quinta-feira, às 20h. Os ingressos, com valores a R$ 10 e R$ 5, estão à venda na Capela Santa Maria e no Teatro do Paiol. 

O show tem como base o repertório do EP “As Profundezas de um Tempo Danger”, que Dow Raiz lançou em abril deste ano. No trabalho, o rap é a linha mestra, com as clássicas batidas boom bap do hip hop, mas passando também pelo jazz, trap, funk e diferentes estilos da música brasileira. O disco marca a fase em que o artista mudou-se de Curitiba para São Paulo e firmou-se como um dos destaques nacionais do rap, com passagens pelo projeto Rap Box e Showlivre.

A carreira do rapper começou em 2007. Após fazer parte dos grupos Inthefinityvoz e Unification, ganhou destaque nacional com o lançamento da faixa “Abrafé de Abraão”, em 2013. No mesmo ano, lançou o álbum “Antibióticos de Rua”. 

No palco, Dow estará acompanhado pelo DJ Morenno Mongelos, Ian Giller na bateria, Allan Giller no baixo, Chico Han na flauta, Gabriel Gaiardo no piano, Du Gomide na guitarra e Will Costa na percussão. 

Confira os próximos shows do Brasis no Paiol 2019: 
– 24 de outubro: Plutão já foi Planeta (RN) 
– 21 de novembro: Edgar (SP) 
– 05 de dezembro: Bernardo Bravo (Curitiba) 
– 19 de dezembro: Anelis Assumpção (SP) 

Brasis no Paiol 
Desde 2012, os produtores Bina Zanette (Santa Produção) e Heitor Humberto (Fineza Comunicação e Cultura) realizam uma sequência de shows no Teatro do Paiol, com artistas de diferentes regiões do Brasil, bem como nomes da cidade. O objetivo é sempre apresentar novidades, lançamentos, estreias e projetos especiais de artistas com trabalhos de relevância artística, que gerem interesse do público curitibano. 

Em 2019, o projeto é realizado com o Projeto de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. Conta com o patrocínio do Shopping Pátio Batel e o apoio do restaurante A Caiçara, Hostel O Bosque e Zoloo Videolab. 

Serviço 
Dow Raiz no Brasis no Paiol 
data: 12 de setembro, quinta-feira, 20h 
local: Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/n 
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia) 
Página do evento: aqui

Pontos de venda: 
– Capela Santa Maria: R. Conselheiro Laurindo, 273 
Horário bilheteria: terça à sexta, 9h às 12h e 14h às 18h30 (consulte horários diferenciados em dias de eventos). Telefone: (41) 3321-2840. 

– Teatro do Paiol: Praça Guido Viaro, s/n (vendas a partir do dia 20/08, havendo disponibilidade de ingressos) 
Horário bilheteria: Terça à sexta, 14h às 17h30 (consulte horários diferenciados em dias de eventos). Telefone: (41) 3213-1340. 

DIEGO PERIN LANÇA ÁLBUM DE ESTREIA “CUIDADO AO FICAR MUITO À VONTADE”, O CLIPE DE “A FICHA CAI” E ANUNCIA SHOW DE LANÇAMENTO EM LOCAL SECRETO

Diego Perin. Foto: Nicolas Salazar

Músico da nova boa safra da cena curitibana apresenta trabalho autoral pautado em questões existenciais e sociais

São Paulo, junho de 2019 – Diego Perin lança seu álbum de estréia “Cuidado Ao Ficar Muito À Vontade”. A obra, produzida por Rodrigo Lemos, fala sobre questões existenciais do artista, como em “A Ficha Cai”, que ganha clipe dirigido por Luana Marinho. Também aborda temas sociais, como em “Wallstreet”. É o primeiro full álbum lançado por Perin após o fim da Banda Gentileza. Ele faz show de lançamento em Curitiba em um local secreto no dia 6 de julho. Apenas quem adquire o ingresso, através da Sympla, recebe o endereço. 

“Grande parte dessas canções surgiu de ideias que aparecem após uma conversa interessante da qual participei ou observei e me trouxe a sensação de ‘pouts, podia ter dito isso naquela hora’. A parte musical geralmente é ruminada por semanas ou meses”, explica Perin. “Cada uma das faixas tem um sentido pra mim obviamente, mas curto deixar significados abertos sempre que não cause confusão com o panorama geral. Essas pontas soltas que dão o caldo”. 

“O Diego está expondo questões atuais com uma acidez bem peculiar. Isso imediatamente me despertou o interesse em trabalhar nas faixas. Então, captamos a essência dos arranjos criados pela banda, ao vivo, sem nunca dispersar a atenção para o discurso. Sem acomodar muito o ouvinte. E, passado o processo, não sei dizer se existia uma grande tarefa pra desempenhar que não fosse exatamente essa”, define Lemos. 

Ouça “Cuidado o Ficar Muito À Vontade”: https://spoti.fi/2XfNfaU 

FAIXA A FAIXA

1. O que é que falta 
O que faz de nós, humanidade, a coisa mais pavorosa e incrível do mundo? 
Isso sempre me provoca horror e maravilha. Tem dias que esse dilema é praticamente insuportável. Num dia desses veio o refrão e, a partir dele, construí tudo em volta. Questões de empatia, justiça social, rotina, pressão, opressão. 

2. A ficha cai 
Essa é super pessoal/autobiográfica. Reflexões que rolaram depois que um amigo me jogou essa na cara: “Falou aí! Sempre foi o mais isentão”. Fiquei mordido. Um pouco antes do processo de impeachment da Dilma e a ascensão dos movimentos de extrema-direita, senti a necessidade de me posicionar sobre as coisas. Porque notei uma galera que era contra tudo aquilo que via como avanço. Quando surgiu o tal do termo “mimimi”. As pautas progressistas me definem. Deixei de ser tão cínico também. Engraçado como a posição de privilégio de ser um cara-branco-hétero-classe-média nos deixa cego para muitas injustiças. Flagro muitas fichas caindo na minha e na cabeça de uma galera nos últimos anos. Me comprometo mais. É sobre isso. Não dá pra desver as coisas. E isso deixa tudo mais claro. 

3. Não vou buzinar 
Acima de tudo, acredito na gentileza como a melhor maneira de relacionamento entre as pessoas. Quantas vezes já ouvi: “você tem que se impor”? Meh, tô fora. Tem uma influência gigantesca de Pato Fu daquela música “UhUhUh AhAHAH IéIé”. Sempre bom escutar os outros antes de tirar conclusões. O assunto paralelo que rola no refrão é sobre não se encaixar no sistema bruto do capitalismo e suas pressões. Você tem que ter uma profissão. Você tem que ser alguém. Você tem que se matar pra ter coisas. Qual a medida do ser humano? 

4. Heróis 
Um belo dia eu percebi que estava levantando da cama sem me espreguiçar. Primeiro me deu tristeza, depois o desespero que sinto quando ouço “Time”, do Pink Floyd. Também me trouxe, de novo, a sensação de que a rotina é uma máquina de moer carne. Temos que estar atentos ao tempo que passa para não desperdiçar, não sucumbir e ficar apático. A vida é curta demais. Sempre evoluir. Tudo é processo, nada é definitivo. 

5. Treta 
Sobre uma conversa que presenciei e de como esses tempos bizarros nos afastaram das pessoas. E acredito que é saudável por um lado. Hoje em dia sei melhor quais são as pessoas que quero ao meu lado. Dane-se bolsominion preconceituoso, machista, homofóbico, conservador! Mas, esperançoso que sou, (não otimista) acredito na mudança e em consequência na redenção. Tem uma pitada irônica sobre isso no final da letra. 

6. Wallstreet 
Um dia, no banho, me veio uma pira sobre especulação financeira. Quando a bolsa cai, de quem é o problema realmente? A economia devia estar a serviço do social e não o contrário. É tipo faroeste. Tem a lei e tudo mais, mas quem está lá especulando na bolsa destrói economias inteiras em nome apenas do lucro. Junto ao corporativismo, acredito ser o auge do capitalismo desumanizado, nocivo. Ou a gente evolui esse modelo econômico ou vamos nos ferrar todos. Pelo menos os 99% aqui da base da pirâmide. Resumindo: é uma sátira das trilhas de filmes faroeste spaguetti, mais Johnny Cash, mais Zé Ramalho, mais apocalipse cristão relacionando-se a esse tema da especulação. Quem são os quatro cavaleiros do apocalipse senão capitalistões de alto gabarito? Essa faixa é onde mostro meu lado mais besta. 

7. Dias bons 
Sou completamente anti nostalgia. Até tenho problemas em sentir saudades. Num belo dia flagrei que tava acontecendo uma coisa muito especial, um clima bom, conversas construtivas. Foi durante uma mini turnê com a Estrela Leminski, o Teo Ruiz e a trupe. Nisso me deu um gatilho de vários momentos legais, desde a infância. E pô! Como os dias bons passam rápido! Essa canção é um desejo pra que eles se demorem um pouco mais. Mas é isso aí, acabou, vamos pro próximo. Peguei um riffzinho que ficava tocando praticamente todo dia na cama antes de dormir e fui fazendo um loop mântrico a la Velvet. 

8. Agora 
Olha a anti nostalgia aí de novo gente! Escuto muito que “no meu tempo que era bom” das pessoas mais velhas. Claro! Eram jovens, cheias de esperança e sonho. Infelizmente a rotina, as cobranças, as responsabilidades, vão esmagando tudo devagarinho e o risco de nos tornarmos saudosos e amargos ao mesmo tempo é gigantesco. Não quero isso pra mim. É meu post-it colado na geladeira, meu lembrete. Tem muito do disco Alucinação do Belchior. Aproveite o presente. 

FICHA TÉCNICA 
Diego Perin – Guitarra e voz em todas as faixas 
Douglas Vicente – Bateria em todas as faixas. Backing vocal em A Ficha Cai. 
Ruan de Castro – Baixo em todas as faixas exceto Wallstreet. Backing vocal em A Ficha Cai. 
Vinicius Nisi – Sintetizadoress, Teclados e afins em todas as faixas. Bozouki Irlândes em Dias Bons, Wallstreet e Agora. 
Rodrigo Lemos – Guitarra em todas as faixas. Baixo em Wallstreet. Backing vocal em todas as faixas exceto Agora. 
Valderval Oliveira – Timbale em A Ficha Cai. 
Vitor Salmazzo – Percussão em A Ficha Cai, Não vou Buzinar e Treta. 
Leandro Delmonico – Viola em Wallstreet 
Bernardo Stumpf e Thiago Ramalho – Backing vocal em A ficha cai. 
Todas as letras e músicas por Diego Perin 
Produzido por Rodrigo Lemos 
Gravado, mixado e masterizado por Valderval Oliveira 
Assistência de estúdio por Isabela Leite 
Gravado, mixado e masterizado no estúdio da Arnica Cultural em Janeiro e Fevereiro de 2019 

O CLIPE DE “A FICHA CAI” 
Segunda faixa do álbum e primeiro single da obra ganha clipe dirigido por Luana Marinho e fala sobre destruição e foi gravado em uma fábrica desativada de Curitiba. 

“O tema desconstrução é muito presente hoje em dia, ainda bem. Mas ele não é sobre isso. Para mim, desconstrução é um processo lento, solitário, necessário, tijolo a tijolo, no fundo da mente, pro resto da vida. Destruição de amarras, valores preconceituosos, valores opressores. Acredito que isso é fundamental pra questão do posicionamento que a letra aborda. Sair de cima do muro tem muito a ver com destruir esse muro completamente pra não voltar lá pra cima. É possível mudar de ideia sobre as coisas, ainda bem. Mas ter tudo as claras é fundamental. Nada melhor do que ficar no chão pra enxergar os lados pra se posicionar”, explica Diego. 

FICHA TÉCNICA 
Luana Marinho: Direção e edição 
Lucas Ajuz: Camera 
Mayara Santarém: Camera 
Luana Angreves: Still 
Andrei Ceeze: Efeitos 
Moisés Prestes: Efeitos 
Renato Hollanda: Efeitos 

SHOW DE LANÇAMENTO @ CURITIBA (PR) 
Dia 6 de julho, a partir das 17h 
Horário do show: 20h 
Local secreto (para descobrir o endereço, é necessário comprar o ingresso) 
Ingresso: R$ 20,00 – aqui

SOBRE DIEGO PERIN
Diego Perin começou a estudar música em Igarapava, com 16 anos. Teve dois grupos em Curitiba antes de formar a Banda Gentileza, em 2005, projeto onde tocou baixo e concertina, lançou dois EPs ao vivo e dois álbuns em dez anos de carreira. Com a Gentileza, tocou em várias cidades e festivais como o Psicodália, o Calango (Cuiabá), o Contato (São Carlos) e o Path (São Paulo), show que marcou o fim da banda. Nesse meio tempo também participou do projeto do Rodrigo Lemos, o Lemoskine, onde conheceu o Vinicius Nisi. Tocou brevemente na banda do Leo Fressato. Seu projeto solo surgiu após o fim da Banda Gentileza, em 2016. Após um período de gestação de mais ou menos um ano, quando compôs suas primeiras músicas, se juntou ao Rodrigo Lemos pra gravar “A Dor dos Outros”, single que foi o pontapé inicial do EP “Cabresto”, já com o Nisi nos teclados, lançado em 2018. Nesse meio tempo, começou a tocar com o Douglas Vicente e o Ruan de Castro na banda da Estrela Leminski e do Teo Ruiz. Para fechar o time ainda teve o Jean Machado. Com o boom da Tuyo, o Jean foi cuidar mais da sua carreira e fecharam em quarteto para a gravação do “Cuidado Ao Ficar Muito À Vontade”, lançado em junho de 2019. 

Discografia 
EP “Cabresto” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=Dh9wAKpriTM 
“Cuidado Ao Ficar Muito À Vontade” (2019): https://spoti.fi/2XfNfaU 
Redes Sociais 
Facebook: https://www.facebook.com/perindiegoperin/ 
Instagram: https://www.instagram.com/perindiego/ 
Youtube: https://www.youtube.com/diegoperin 
Streaming 
Spotify: https://open.spotify.com/artist/32jpI2NVsxiXpl8RAUveus 
Deezer: https://www.deezer.com/en/artist/14299755 
Vídeos 
“A Dor Dos Outros” (2017): https://www.youtube.com/watch?v=iLSbmbmPFb0 
“Cabresto” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=xygA3EtYwCs 
“Tapeçaria de Asfalto” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=Rl93mMyMraQ 
“A Dor Dos Outros” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=eoqMO90tFBY 
“Salto” (2018): https://www.youtube.com/watch?v=rXACBE2w9K4 

Participação 
Sofar Sounds Latin America: https://www.youtube.com/watch?v=qPVbl8MSE-c 

Informações à imprensa
Alets Comunicação 
Letícia Tie 
leticia@aletscomunica.com 
(11) 9 4867-8963

VAI TER SHOW DO BACO EXU DO BLUES EM CURITIBA!

Foto: Alex Takaki

O baiano Baco Exu do Blues​, um dos nomes mais aclamados do hip hop nacional na atualidade, vem à Curitiba para lançar seu segundo álbum, “Bluesman”, eleito o melhor disco de 2018 pela revista Rolling Stone Brasil.

Bluesman é mais sentir do que descrever. Esse disco é África, é New Orleans, é Caribe e Bahia. É revolta e amor, é dor, deprê e muita autoestima. Blueseman é peso, é força é tesão. É Baco Exu do Blues lembrando que o negro é foda.

No auge da sua criatividade, e abordando de maneira transparente a realidade dxs jovens das periferias, além do seu novo trabalho, Baco irá passear pelas canções de “Esú”, o seu elogiado trabalho de estreia.

Os ingressos começam a ser vendidos na sexta-feira, 7, pelo site Eventim e nos pontos de venda físicos:
PORKS – Museu do Olho​ – R. Mal. Hermes, 1092 – Ahu
PORKS – Curitiba – Vicente Machado​ – Av. Vicente Machado, 642 – Centro
USINA 5​ – R. Constantino Bordignon, 05 – Prado Velho, Curitiba

SERVIÇO:
Baco Exu do Blues
data: 20 de julho, sábado
hora: 22h | abertura casa
Ingressos: 1º lote > R$50 a meia entrada*.
Classificação 18 anos.

Sobre Baco Exu do Blues
Diogo Moncorvo, mais conhecido como Baco Exu do Blues nasceu há 22 anos em Salvador e surgiu no cenário nacional em 2016 com a faixa “Sulícidio”, em parceria com Diomedes Chinaski. Em 2017, lançou seu primeiro disco “Esú”. Bluesman veio em 2018 e está presente em praticamente todas as listas de melhores discos . O álbum levou o artista aos principais festivais do país e lhe rendeu muitas indicações e prêmios incluindo o de artista revelação e melhor música (Te amo, disgraça) do Prêmio Multishow 2018.

*MEIA ENTRADA
O benefício da meia-entrada contempla estudantes do território nacional, das instituições públicas ou particulares, seja do ensino presencial ou à distância, dos seguintes segmentos de ensino: infantil, fundamental, médio, superior, especialização, pós-graduação, mestrado, doutorado, supletivo e técnico profissionalizante. Também tem direito a meia-entrada clientes Eventim (basta se cadastrar no site para garantir a meia), doadorxs de sangue, clube Gazeta do Povo, Id Jovem, Professor e Meu Sócio Torcedor e Clube de Mimos Curitiba Cult.

Organização: Santa Produção​ / Opinião Produtora​ / Orth Produções​ / Cliteriosa Comunicação​

TULIPA RUIZ – BRASIS NO PAIOL

Tulipa Ruiz – Às Vezes from Biondo Artwork on Vimeo.

A terceira edição do Brasis no Paiol 2019 traz a Curitiba a cantora e compositora paulista Tulipa Ruiz. A artista vem à cidade para o show de lançamento do álbum “TU” no dia 13 de junho, quinta-feira, no Teatro do Paiol. Os ingressos custam R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada). ATUALIZAÇÃO: Ingressos esgotados na bilheteria. Venda da cota online abre às 14h no site Alô Ingressos.

O mais recente trabalho de Tulipa tem um formato “nude”, como ela chama. Segundo a artista, é como se as músicas estivessem peladas, já que foram gravadas utilizando voz e violão. “Em um momento no qual a tecnologia nos dispersa e a overdose de informação nos sobrecarrega, quis fazer um disco mais íntimo, mais próximo, mais cru”, explica. Participam do disco seu irmão, o violonista Gustavo Ruiz; e o percussionista Stéphane San Juan. Os dois assinam a produção. O canadense Scotty Hard foi o engenheiro de som e gravou as músicas em seu estúdio, em Nova York.

“TU” é o quarto disco de Tulipa Ruiz, lançado digitalmente em 2017. Antes dele, vieram “Efêmera” (2010), “Tudo Tanto” (2012) e “Dancê” (2015). Em 2015, faturou o Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro.

Confira os próximos shows do Brasis no Paiol 2019:
– 11 de julho: Siba (PE)
– 15 de agosto: Duo + Dois: DUOFEL, Robertinho Silva e Carlos Malta (SP/RJ)
– 12 de setembro: DowRaiz (Curitiba)
– 24 de outubro: Plutão Já Foi Planeta (RN)
– 21 de novembro: Edgar (SP)
– 05 de dezembro: Bernardo Bravo (Curitiba)
– 19 de dezembro: Anelis Assumpção (SP)

Brasis no Paiol
Desde 2012, a Santa Produção e Fineza Comunicação & Cultura realizam uma sequência de shows no Teatro do Paiol, com artistas de diferentes regiões do Brasil, bem como nomes da cidade. O objetivo é sempre apresentar novidades, lançamentos, estreias e projetos especiais de artistas com trabalhos de relevância artística, que gerem interesse do público curitibano.

Em 2019, o projeto é realizado com o Projeto de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. Conta com o patrocínio do Shopping Pátio Batel e o apoio do restaurante A Caiçara, Hostel O Bosque e Zoloo Videolab.

Serviço:
Tulipa Ruiz – Brasis no Paiol 2019
13 de junho, quinta-feira, 20h
Teatro do Paiol – Praça Guido Viaro, s/n, Prado Velho, Curitiba 
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia)
Início das vendas: 27 de maio*
– 9h Capela Santa Maria
– 14h Site Alô Ingressos
(a partir do dia 28 de maio, havendo disponibilidade, o Teatro do Paiol também venderá ingressos).
Confira a página do evento, aqui

>> Limite de compra de três ingressos por pessoa
Arte da página: Brenda Dos Santos
Comunicação: Cliteriosa Comunicação
Palco: Effex – Tecnologia E Criação

*INGRESSOS:
As vendas começam no dia 27 de maio, segunda-feira – mais informações a seguir

Os ingressos são disponibilizados da seguinte forma:
– O teatro tem a capacidade para 217 lugares
10% destinados à Fundação Cultural de Curitiba
10% destinados ao patrocinador do projeto
5% destinados à produção
Os ingressos sao colocados à venda da seguinte forma:
80% para venda nos pontos físicos (Capela Santa Maria e Paiol) sem cobrança de taxa
20% para venda online com cobrança de taxa.

LUEDJI LUNA VEM À CURITIBA PELA PRIMEIRA VEZ E FAZ DOIS SHOWS NO PAIOL

Ingressos esgotaram em 24 horas e artista baiana anuncia sessão extra. Shows abrem a temporada do projeto Brasis no Paiol no dia 25 de abril.

O projeto Brasis no Paiol começa sua temporada de 10 shows em 2019 com a estreia da cantora e compositora baiana Luedji Luna em Curitiba. A artista se apresenta acompanhada por sua banda no dia 25 de abril, quinta-feira, às 20h e 21h40. As entradas da primeira sessão esgotaram em menos de 24 horas. A venda do segundo show começa na segunda-feira, dia 8, às 10h.

Luedji Luna lançou seu primeiro disco, “Um Corpo no Mundo”, em 2017. O álbum reúne diferentes sonoridades como MPB, samba, ritmos africanos, batuque baiano e jazz, com letras que abordam temas sociais, principalmente no que se refere à identidade afrobrasileira.

Pensados coletivamente, os arranjos trazem a identidade cultural de cada um dos músicos, que resultou numa sonoridade de difícil definição. O disco teve produção de Sebastian Notini, músico sueco radicado na Bahia, que também assina a direção musical do espetáculo. Kato Change, guitarrista queniano que já tocou com nomes como Aloe Blacc, Salïf Keita e Sean Kuti, é o responsável pelos arranjos de guitarra. François Muleka, filho de imigrantes congoleses, é o violonista. Já o baixo elétrico e acústico fica por conta do cubano radicado em São Paulo Aniel Somellian. As percussões são de Rudson Daniel, de Salvador, e de Sebastian Notini.

O trabalho foi contemplado com o Prêmio Afro (2017) e Prêmio Bravo na categoria Revelação (2018). Com o disco, a artista circulou pelos principais festivais brasileiros como Coquetel Molotov (Recife/PE), Radioca (Salvador/BA), Breve (Belo Horizonte/MG), Timbre (Uberlândia/MG) e Coala (São Paulo/SP).

O show
O show é uma proposta para se pensar identidade, é o olhar da cantora sobre si mesma a partir do contato, ainda que disperso, com os imigrantes africanos em São Paulo. O projeto se fundamenta na ideia do não pertencimento, do corpo que ocupa o espaço, mas não se identifica, e da necessidade de conexão com a ancestralidade.

Shows da temporada 2019 do Brasis no Paiol:
23/05 – Aláfia (SP)
13/06 – Tulipa Ruiz (SP)
11/07 – Siba (PE), 11 de julho;
15/08 – Duo + Dois: Duofel, Robertinho Silva e Carlos Malta (SP/RJ)
12/09 – Dow Raiz (Curitiba)
24/10 – Plutão já foi Planeta (RN)
21/11 – Edgar (SP)
05/12 – Bernardo Bravo (Curitiba)
19/12 – Anelis Assumpção (SP)

Brasis no Paiol
Desde 2012, os produtores Bina Zanette (Santa Produção) e Heitor Humberto (Fineza Comunicação e Cultura) realizam uma sequência de shows no Teatro do Paiol, com artistas de diferentes regiões do Brasil, bem como nomes da cidade. O objetivo é sempre apresentar novidades, lançamentos, estreias e projetos especiais de artistas com trabalhos de relevância artística, que gerem interesse do público curitibano.

Em 2019, o projeto é realizado com o Projeto de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. Conta com o patrocínio do Shopping Pátio Batel e o apoio do restaurante A Caiçara.

Serviço:
Luedji Luna – sessão extra
Dia 25 de abril, quinta-feira, 21h40
Teatro do Paiol: Praça Guido Viaro, s/n
Ingressos*: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada, conforme legislação)
Página do evento, aqui

*INGRESSOS:
Pontos de venda sem cobrança de taxa:
– Teatro do Paiol: Praça Guido Viaro, s/n
Horário bilheteria: Terça à sexta, 14h às 17h30 (consulte horários diferenciados em dias de eventos)
Telefone: (41) 3213-1340
– Capela Santa Maria: R. Conselheiro Laurindo, 273
Horário bilheteria: terça à sexta, 9h às 12h e 14h às 18h30 (consulte horários diferenciados em dias de eventos)
Telefone: (41) 3321-2840
Venda com cobrança de taxa: www.aloingressos.com.br

fonte: Cliteriosa Comunicação