EXAGERO E MONSTRUOSIDADE SÃO TEMA PARA LIVRO QUE SERÁ LANÇADO EM DEZEMBRO NA CASA HOFFMANN

Após três anos de pesquisa, projeto Mil Besos, do artista Gabriel Machado, lança publicação pela editora Medusa, na Casa Hoffmann, em Curitiba. 

“Como se dança um exagero?” essa tem sido a pergunta motriz do projeto MIL BESOS, solo do artista selvático Gabriel Machado, que dia 3 de dezembro lança uma publicação inédita pela editora Medusa, que reúne registros do processo e reflexões críticas de Amabilis de Jesus, Francisco Mallmann, Jussara Belchior, Paula Lice, Princesa Ricardo Marinelli e Ricardo Nolasco. A proposta que teve ínicio em Madrid, no ano de 2016, através do Programa Iberescena de Criação Coreográfica em Residência e posteriormente realizou outras duas residências em Santiago – CL e na Casa Hoffmann, atualmente está em desenvolvimento a partir do Edital do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura do Paraná (PROFICE).

Segundo o artista é um projeto aberto desenvolvido através do intercâmbios com os mais diversos artistas e comunidade, em ações como oficinas de dança, escrita e laboratórios de criação compartilhada. Partindo de um material autobiográfico e também de estudos do corpo ciborgue o projeto aborda as relações cibernéticas e a infiltração de tecnologias e recursos midiáticos no corpo humano. “Venho investigando as diversas sexualidades, as transformações do corpo enquanto objeto virtual, a cibernética e próteses na tentativa de conjugar o low-tech e o high-tech em busca do grotesco, do robótico, do inumano, do monstruoso, do superhumano”, comenta Gabriel Machado.

Para o livro, o artista convidou colaboradores do projeto e pesquisadores do assunto para escreverem textos a partir das suas percepções da obra. São textos inéditos e reflexivos que versam sobre diversos temas como futuro, monstruosidade, latinidade, decolonialidade. “A ideia era criar um material de registro desse período de pesquisa mas que também pudesse existir como uma obra artística em si, ou seja, que pessoas que não puderam assistir ao espetáculo também possam se envolver com os textos ali apresentados” finaliza Gabriel. O lançamento será na Casa Hoffmann – Centro de Estudo do Movimento, às 19h30, a entrada e a distribuição do livro são gratuitas e a programação da noite conta também com performances de Gabriel Machado, Gladis dos Santos, Jussara Belchior e Princesa Ricardo Marinelli.

SERVIÇO:
Lançamento do livro “Mil Besos” na Casa Hoffmann
3 de dezembro às 19h30
Casa Hoffmann – Centro de Estudo do Movimento, Rua Claudino Dos Santos 58 São Francisco – Curitiba
Página do evento, aqui
Entrada Franca

Organização:
Selvática Ações Artísticas
Editora Medusa

Ficha técnica do livro:
Copyrigth desta edição 
2019 Medusa
Copyrigth dos textos 
2019 Amabilis de Jesus, Francisco Mallmann, Gabriel Machado, Jussara Belchior, Paula Lice, Ricardo Nolasco e Princesa Ricardo Marinelli
Edição: Eliana Borges e Ricardo Corona
Projeto gráfico e ilustrações: Thalita Sejanes
Revisão: Renata Cunali

Ficha técnica do projeto:
Conceito, criação/atuação e pesquisa: Gabriel Machado
Performers convidados: Gladis dos Santos, Jussara Belchior e Princesa Ricardo Marinelli
Interlocução coreográfica: Princesa Ricardo Marinelli
Interlocução dramatúrgica/cênica: Paula Lice
Interlocução/produção: Ricardo Nolasco
Iluminação/design de luz: Semy Monastier
Design sonoro/trilha original: Jo Mistinguett
Figurino: Cali Ossani e Patricia Cipriano
Produção e assessoria de imprensa: Giovana Lago
Residências e mostras de processo: Espacio Labruc (Madrid – ES), Nave – Centro de Creación y Residencia (Santiago – CL), Transborda Mostra de Performance(Curitiba – BR) Reinvenção do Cabaré – Casa Selvática (Curitiba – BR) e Casa Hoffmann (Curitiba – BR).

“HISTÓRIAS MÍNIMAS”: O ABSURDO COMO APRENDIZAGEM PARA SERMOS MAIS HUMANOS

Em seu segundo livro, autor curitibano explora as nuances que formam a ideia de cotidiano. 

A literatura é a arte da investigação. Histórias mínimas (Kafka Edições, 74 páginas), o segundo livro do jornalista e escritor Jonatan Silva, parte dessa premissa de busca para tentar entender o presente, o passado e o futuro. Por meio de contos minúsculos, e outros nem tão mínimos assim, o escritor revela uma realidade devastadora. 

Jogando com a ideia de linguagem e representação, Histórias mínimas coloca em xeque as ideias pré-fabricadas que constroem a nossa sociedade e o nosso cotidiano. Com um olhar sabido e textos ardilosos, Jonatan Silva dribla a noção de normalidade ao expor o absurdo ao microscópio literário. “A minha literatura é, acima de tudo, uma tentativa de ler o outro e de enxergar aquilo que não está dito. Ou porque não pode ser dito ou que não se sabe como dizê-lo”, explica o escritor. 

Histórias mínimas é uma literatura visual, um catálogo de cenas e colagens narrativas. De maneira inteligente, Jonatan Silva explora os espaços públicos e como se dá a relação deles com o homem. Com uma percepção aguçada e ousada, os contos que dão forma ao livro exploram situações, temas e lugares que não parecem habituais à literatura brasileira – sem perder o tom que dá massa às questões curitibanas. 

É nesse processo que o livro apresenta seu tom mais forte: com elementos minimalistas e lapidados, criando um universo bastante próprio e interessante. “É importante fazer da literatura uma provocação, colocar ideias foras do lugar para que ocupem um espaço de destaque e protagonismo”, avalia. 

O outro 
Em meio a tudo isso, Jonatan Silva faz de Histórias mínimas um panteão de seus heróis literatura. Está tudo lá: Dalton Trevisan, Jamil Snege, Valêncio Xavier e Manoel Carlos Karam ao lado de Franz Kafka, Bruno Schulz, Gonçalo M. Tavares. Nessa colcha de retalhos – ou mosaico, como prefere o autor –, o livro se transforma em uma narrativa de aprendizagens, um convite a olhar o outro. 

Ao pensar sobre o outro, Histórias mínimas evoca dois escritores fundamentais da literatura latino-americana: Jorge Luis Borges e Julio Cortázar, ambos argentinos. Ainda assim, explica Silva, existe em sua literatura um diálogo profundo com as obras de escritores contemporâneo. “Há um pouco do Carlos Machado, e sua ideia do não lugar; do Tezza, as relações em choque e xeque; Fernando Koproski, a poesia; Márcio Renato dos Santos, seu olhar sobre a cidade como personagem; Cezar Tridapalli, a sua universalidade”, comenta. 

Histórias mínimas é um resgate da literatura curitibana em sua essência mais ampla e lírica, capaz de provocar e convidar o leitor a pensar que futuro é esse que estamos construindo.

JORNALISTA BUSCA FINANCIAMENTO COLETIVO PARA LANÇAR LIVRO SOBRE A FAMÍLIA ADDAMS

A Família Addams em quatro momentos diferentes

Com recompensas como caneca, camiseta e porta-copos, campanha fica no ar até dezembro

Na sexta-feira, 25, o jornalista Thiago Meister Carneiro lançou nas redes sociais uma campanha para arrecadar apoio e publicar o livro A Família Addams.

A campanha está na plataforma de financiamento coletivo Catarse, neste link

As recompensas vão de caneca, camiseta, porta-copos, marcador de páginas magnético, quebra-cabeças, azulejo ímã de geladeira e chinelo (todos alusivos à Família Addams).

LIVRO
De acordo com o autor, a ideia do livro surgiu quando ele descobriu que o personagem Gomez quase não se chamou Gomez, e teria um nome italiano. “Então comecei a pesquisar, e uma curiosidade foi me levando à outra”.

O livro conta a trajetória da Família Addams, desde a criação da série clássica até o lançamento da mais recente animação (1964-2019).

Recheado de curiosidades das produções das séries, dos filmes, histórias em quadrinhos, desenhos animados da Hanna-Barbera e todas as vezes em que uma ex-esposa magoada quase acabou com o sucesso da Família Addams.

A campanha está agendada para ficar no ar no site de financiamento coletivo Catarse até dezembro, e a meta a ser atingida é de R$ 10.939.

A editora responsável pela edição é a Editora Estronho, de São José dos Pinhais-PR, e o livro terá aproximadamente 180 páginas.

O AUTOR
Thiago Meister Carneiro é paranaense de Curitiba e tem 37 anos. É Jornalista com Especialização em Estudos Linguísticos e Literários.
Seu primeiro livro “A História (quase) Definitiva de Monty Python” também foi lançado graças à plataforma de financiamento coletivo Catarse, em janeiro deste ano.

SERVIÇO:
Campanha de Financiamento Coletivo do livro “A Família Addams”: neste link
Email: finitocarneiro@gmail.com

ESCRITORES DA COLEÇÃO GERAÇÃO PR10 PARTICIPAM DE DEBATE SOBRE PROCESSO CRIATIVO

Os encontros acontecem no Solar dos Guimarães e leituras de trechos das obras e distribuição gratuita dos livros que integram a série. 

A Kafka Edições, em parceria com a Fundação Cultural de Curitiba (FCC), promove a partir do dia 11 de outubro uma série de conversas com os escritores da Coleção Geração PR10, lançada no início deste mês. As obras, viabilizadas por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba – Mecenato Subsidiado, retratam a produção literária paranaense após 2010. Os encontros terão mediação do escritor e editor Paulo Sandrini e acontecem no Solar dos Guimarães. 

Os bate-papos começam com Carol Sakura, autora de A Batida dos dias, que na sexta-feira (11/10), debaterá a construção de sua narrativa a partir de elementos oníricos e cotidianos. Com uma potente reflexão diante de um caráter social opressor, sobretudo no que diz respeito às mulheres, a escritora busca compreender o mundo frente ao olhar para si. 

Na quarta-feira (16/10), Jonatan Silva, autor de Histórias mínimas, e Guylherme Custódio, autor de Contos do microcosmo, conversam a respeito do retrato minimalista como metáfora do absurdo cotidiano. Ambos os livros dialogam por meio de textos concisos, mas cuja profundidade ganha contornos imensos. Na sexta-feira (18/10) é a vez de João Paulo Partala e André Knewitz, autores de 14 Corpos de João e Maria e Zumbido, respectivamente, debatem a relação social entre os corpos e a narrativa como forma de combate. 

A Coleção 
A Coleção Geração PR10 é o registro das inquietações e das impossibilidades do sujeito contemporâneo diante do outro. Os seis livros que formam a série criam um importante mosaico de um mundo fragmentado e díspar. “A ideia é fazer com que essa coleção irradie os autores como novos nomes e que continue uma batalha da Kafka Edições em revelar uma ficção que busca desafiar a linguagem”, explica o editor Paulo Sandrini, responsável pela curadoria da coleção Geração PR10, juntamente com Fernando Koproski. 

Com a coleção Geração PR10, a Kafka Edições faz um mergulho denso no conto paranaense em suas novas formas e temáticas, mas sem perder de vista o diálogo com o que é produzido na literatura brasileira e internacional. As seis obras condensam um espírito combativo, experimental e altamente criativo das novas vozes da literatura do Paraná. 

Serviço 
Bate-papo Coleção Geração PR10 

Carol Sakura
Data: 11 de outubro
Horário: 19h 

 
Jonatan Silva e Guylherme Cusatódio
Data: 16 de outubro
Horário: 19h 


João Paulo Partala e André Knewitz
Data: 18 de outubro
Horário: 19h 

Local: Solar dos Guimarães
Endereço: Rua Mateus Leme, 66 – Centro – Curitiba 

LANÇAMENTO DO LIVRO “MIAU – CLARA CANTA PARA AS ESTRELAS”

No próximo domingo, 6 de outubro, a Erva Doce Doceria Bar recebe diretamente de Florianópolis a autora Barbara Trelha para o lançamento do seu livro infantil em Curitiba. O evento é gratuito e aberto a público.

Será uma tarde muito divertida, com atrações musicais e artísticas para crianças de todas as idades e, é claro, com várias comidinhas gostosas!

A AUTORA
Bárbara Trelha é musicoterapeuta formada pela FAP e licenciada em Música pela UFPR, com mestrado em Artes pela Udesc. Compositora e preparadora vocal há mais de 20 anos, trabalha atualmente como professora de música na rede municipal de Florianópolis e como diretora musical na Cia Tabalado das Artes, em Balneário Camboriú. Desenvolveu e idealizou diversos projetos de inclusão social, com grupos de idosos e de pessoas com deficiência. Produz espetáculos com linguagem clown e ações de humanização hospitalar por meio da música e da arte.

O LIVRO
“Miau: Clara canta para as Estrelas” aborda elementos da linguagem musical e narra a história de superação de uma garotinha que tinha medo de cantar na apresentação da escola.

Juntando música e literatura, Bárbara desenvolveu um lindo material voltado para crianças, permeado de poesia, ilustrações e partituras, com o objetivo de fazer com que as crianças e seus familiares tenham mais contato com a música.

A obra também está disponível na íntegra no formato áudio book, com intuito de ampliar a acessibilidade do material para pessoas deficientes visuais e não letradas e a música tema do livro foi gravada com alunos da EBM José Amaro Cordeiro.

PROGRAMAÇÃO:
14h30 – Abertura surpresa com interações
15h30 – Teatro de sombras: “Tem um pássaro na sua cabeça” história de Mo willems / Encenada por Débora Ribeiro e Igor Persona
16h00 – Contação de história com música: Miau
16h30 – Apresentação do livro / Sessão de autógrafos
17h30 – Coquetel especial para crianças com LeCibe
18h00 – Fechamento musical com Vinícius Ruiz e a banda “Frete Grátis”

Produção e realização: Carol Azolin
Coprodução: Thereza Oliveira

Apoios:
LeCibe 
Erva Doce Doceria Bar
Udesc – Universidade do Estado de Santa Catarina
Naty Fogaça
O Camafeu

Agradecimentos:
Editora Urukum
Studio de Criação
Dj Marcelo Prates

Serviço:
Lançamento do Livro “Miau – Clara canta para as estrelas”
Local: Erva Doce Doceria Bar, rua Paula Gomes, 380, São Francisco, Curitiba
Data: Domingo, 6 de outubro, das 14h30 às 19h
Entrada gratuita.
Página do evento, aqui

EVENTO: LITERATURA, PASSADO EM PROSA – O SILÊNCIO DO VAMPIRO

O ciclo de bate-papos PASSADO EM PROSA, com os autores da Coleção A Capital e em parceria com o SESI Cultura, continua na terça-feira, 8 de outubro, das 19:00 às 20:00, em Curitiba, com o escritor e jornalista, pós-graduado em Cinema e Mestre em Letras, Luiz Andrioli, autor, entre outros, de “O circo e a cidade, histórias do grupo circense Queirolo em Curitiba” (Coleção A Capital) e “Laçador de cães”.

O estudo é realizado por meio da crítica ao discurso jornalístico sobre o escritor Dalton Trevisan, utilizando-se de fontes de imprensa e referências bibliográficas. Dalton Trevisan é conhecido pela concisão de suas palavras. Ele também se nega, há décadas, a dar entrevistas ou declarações para a imprensa. Mesmo assim, os jornais não deixam de comentar seus livros. “O silêncio do vampiro” analisa de que forma a produção do contista aparece na mídia. Em algumas situações, os jornalistas buscam na própria obra do autor as respostas necessárias e verossímeis. Em outros momentos, é a interpretação a partir das palavras do escritor que preenche as lacunas. Em ambas as formas, a discussão aqui proposta aponta que o silêncio de Dalton Trevisan é uma estratégia literária em nome da imortalidade pretendida pelo Vampiro de Curitiba.

Serviço:
EVENTO: LITERATURA, PASSADO EM PROSA – O SILÊNCIO DO VAMPIRO
Local: Centro Cultural Sesi Heitor Stockler De França na Av. Mal. Floriano Peixoto, 458, Centro, Curitiba
Data: Terça-feira, 8 de outubro, das 19:00 às 20:00 
Entrada gratuita. 
Página do evento, aqui
Organização: Factum Pesquisas Históricas

fonte 

KAFKA EDIÇÕES LANÇA COLEÇÃO DE LIVROS COM NOVAS VOZES DA LITERATURA PARANAENSE

As seis obras da coleção Geração PR10 serão lançadas no dia 9 de outubro no Hangar – Casa do Ócio e condensam um olhar provocativo e reflexivo sobre o cotidiano, o absurdo e a incomunicabilidade. 

A Kafka Edições lança no dia 9 de outubro, a partir das 19h, no Hangar- Casa do Ócio, a coleção Geração PR10, viabilizada por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba – Mecenato Subsidiado. Pensada como um recorte da produção literária no estado após 2010, a série retrata a renovação da literatura paranaense e, em simultâneo, celebra uma poética distinta e em diálogo com nomes como Manoel Carlos Karam, Wilson Bueno, Paulo Leminski e Jamil Snege. 

Os seis livros de contos que integram a coleção Geração PR10, ainda que diversos entre si, se assemelham pela linguagem provocativa e pela exploração de novos terrenos em termos de forma. Gravitando entre o real e o absurdo, são obras que permeiam temas e situações em consonância com os nossos tempos e que lançam um olhar singular sobre questões do cotidiano. “A ideia é fazer com que essa coleção irradie os autores como novos nomes e que continue uma batalha da Kafka Edições em revelar uma ficção que busca desafiar a linguagem”, explica o editor Paulo Sandrini, responsável pela curadoria da coleção Geração PR10, juntamente com Fernando Koproski. 

Em 14 Corpos de João e Maria, João Paulo Partala se debruça sobre a morte e a invisibilidade social, esmiuçando as contradições das condições da sociedade e a banalidade da vida. São textos que, por meio de um olhar arguto e de uma narrativa cheia de agudezas, traça uma linha limite entre o sujeito e o mundo, perpetuando a tradição de Camus no tratamento ao outro, mas também revelando eco da crônica diária. Partala cria um universo em que o trágico e o humor negro precisam coabitar. 

A Batida dos dias, de Carol Sakura, busca no onírico a possibilidade de refletir sobre o concreto. Seus personagens estão em becos sem saída, envoltos em alguma névoa de instabilidade e insegurança. Os relatos dão conta da opressão, velada – ou revelada – em relação sobretudo às mulheres. Com uma prosa pausada e reverencial, a escritora faz uma literatura centrípeta: olha para si para poder compreender o que está além dos seus próprios domínios. 

Deslocamentos 
Meio paranaense, meio finlandês, Sérgio Lutav é um maringaense que vive há alguns anos em Helsinque e seu livro Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos reflete a ideia do não-lugar: o ser para não estar. Sua narrativa é um tratado sobre o deslocamento e o sentir-se deslocado, sobre o não pertencer. Lutav faz uma simbiose entre os olhares fantásticos de Kafka e de Cortázar, uma amálgama que, à primeira vista, pode soar desconexo, mas que, em realidade – e lá se vão os conceitos de real! –, tem muito a dizer sobre o autor e também sobre o leitor. Como invocar o Diabo e conjurar espíritos baixos é uma metáfora poderosa sobre o estrangeiro – aquele que, como diziam os Titãs, não é de lugar nenhum. 

Nas narrativas de Contos do Microcosmo, Guylherme Custódio usa a concisão para falar de temas que nos afligem constantemente. Seus contos são como elefantes na sala: tratam da complexidade das relações e das contradições do comportamento humano. Através desse espelho partido, Custódio relata o inesperado, o absurdo do real e o isolamento. São relações e vidas frustradas como uma condição inerente aos homens e mulheres, como se a perda da inocência fosse uma prerrogativa à vida adulta. 

Em Histórias mínimas, Jonatan Silva eleva o absurdo às últimas consequências. São personagens e situações dilacerados pela guerra e pela violência do cotidiano. Como uma metáfora sobre o caos, o livro dilata a inconstância e a vulgarização da vida – em uma espécie de olhar microscópico sobre o mundo. Histórias mínimas esboça a ideia de fronteiras sem limites e diálogos silenciosos, como se a comunicação entre os diferentes se tornasse, mais e mais, uma impossibilidade diante do abismo. 

Zumbido, de André Knewitz, é – como o próprio título sugere – uma alegoria sobre a vida nas cidades e seu ambiente castrador. Como ponto de contato entre os textos que formam o livro, personagens silenciados diante dos zumbidos provocados por aqueles que têm voz. Nessas relações de poder, Knewitz mistura as singelezas do tentar se encontrar e a dor de se saber importante. São gentes como o camponês no conto “Diante da lei”, de Kafka, que, apesar de consciente da impossibilidade, guarda dentro de si a esperança de um dia entrar nos espaços sagrados. 

Diálogos 
Para além das questões formais, os seis livros da Geração PR10 tratam do sujeito diante das impossibilidades e da necessidade de buscar uma alternativa para contrapor um cenário de tempo fechado, onde todos estão dançando em campo minado. São imagens corrosivas, e também corroídas, que pela sua estranheza e realidade convidam o leitor à reflexão e ao olhar mais profundo sobre os caminhos que o mundo está tomando. “São visões de mundo que trazem questionamentos, mas não respostas”, comenta Sandrini. 

Por outro lado, a Geração PR10 é também uma discussão sobre o espaço urbano e suas diferentes configurações. Algumas obras falam de uma Curitiba que não é cantada na literatura. “A gente vê muitas vezes os escritores querendo fazer de Curitiba o seu espaço, mas qual é a cidade nesses textos? Não é necessariamente uma Curitiba periférica, miscigenada, de uma população negra muitas vezes subalterna e oprimida”, comenta Sandrini, que cita 14 Corpos de João e Maria como um exemplo dessa vastidão de viagens por essa outra Curitiba, a do sujeito que vive as mazelas da periferia. 

Com a coleção Geração PR10, a Kafka Edições faz um mergulho denso no conto paranaense em suas novas formas e temáticas, mas sem perder de vista o diálogo com o que é produzido na literatura brasileira e internacional. As seis obras condensam um espírito combativo, experimental e altamente criativo das novas vozes da literatura do Paraná. 

Serviço 
Lançamento da Coleção PR10 – Kafka Edições
Quando: 9 de outubro
Horário: a partir das 19h
Endereço: Hangar – Casa Do Ócio – Alameda Dr. Muricy, 1091 – São Francisco, Curitiba – PR
Entrada: gratuita – os livros serão vendidos a R$20 por exemplar (a coleção completa por R$ 80)
Página do evento, aqui

FLIBI, A FESTA LITERÁRIA DA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ

A Biblioteca Pública do Paraná realiza entre os dias 22 e 26 de outubro a terceira edição da Flibi, a Festa Literária da Biblioteca. Dalton Trevisan é o autor homenageado do evento, que neste ano conta com mais de 40 convidados e 50 atrações gratuitas — entre palestras, debates, oficinas, exposições, sessões de cinema, atividades para crianças e apresentações de música e teatro. Pela primeira vez, as ações acontecem também fora da BPP, nos espaços culturais de Curitiba mantidos pelo Governo do Estado e em outros cinco municípios do Paraná (Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel e Foz do Iguaçu). Marçal Aquino, Eliane Robert Moraes, Paulo Cesar de Araújo, Luci Collin e André Sant’Anna são alguns dos convidados já confirmados na festa.

Serviço
Flibi 2019
De 22 a 26 de outubro, na Biblioteca Pública do Paraná e em diversos espaços culturais de Curitiba, Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel e Foz do Iguaçu
Entrada franca
Mais informações: (41) 3221-4911

Saiba mais: https://bit.ly/2kSGQk8

fonte: Jornal Cândido

PRÊMIO PARANÁ DE LITERATURA 2018

“Prêmio Paraná de Literatura 2018 abre inscrições gratuitas até dia 12 de julho!!! O vencedor de cada categoria (são três categorias) receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares!!!

Em sua quinta edição, o concurso da Biblioteca Pública do Paraná e da Secretaria de Estado da Cultura selecionará livros inéditos de autores de todo o país nas categorias Romance, Contos e Poesia, categorias que homenageiam escritores importantes da literatura paranaense: Romance (prêmio Manoel Carlos Karam), Contos (prêmio Newton Sampaio) e Poesia (prêmio Helena Kolody). No ano passado, com a adoção de um sistema de inscrição online e gratuito, mais de 2 mil obras foram enviadas por autores de todo o Brasil.

O vencedor de cada categoria receberá R$ 30 mil e terá sua obra publicada pelo selo Biblioteca Paraná, com tiragem de mil exemplares (que serão distribuídos gratuitamente em bibliotecas estaduais e diversos pontos de cultura do país). Os premiados também receberão 100 cópias de seus livros e poderão, mais tarde, reeditar os trabalhos por outras editoras. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas até o dia 12 de julho por meio do formulário disponível abaixo. As obras concorrentes serão avaliadas por uma comissão julgadora formada por um presidente e nove membros (três em cada categoria). O resultado será divulgado até a primeira semana de dezembro.

Em 2017, os vencedores foram Henrique Schneider (Setenta, romance), Marcelo Degrazia (A bandeira de Cuba, contos) e Sônia Barros (Tempo de dentro, poesia). Os livros foram lançados e distribuídos pelo selo Biblioteca Paraná, que também edita autores paranaenses e resgata títulos relevantes que estejam esgotados ou fora de catálogo. “O Prêmio Paraná de Literatura já se estabeleceu como uma das principais premiações do país. Não só pelo valor investido, mas principalmente pela qualidade dos livros lançados”, diz Rogério Pereira, diretor da Biblioteca Pública do Paraná e presidente do júri.

Pereira também destaca o sucesso do sistema de inscrição online, que tornou o Prêmio Paraná ainda mais democrático e acessível. Para ele, o grande número de inscrições em 2017 reforça a importância do concurso em sua missão de projetar o Paraná no cenário literário nacional. “O Prêmio Paraná de Literatura contribui de maneira expressiva para consolidar o projeto da Biblioteca Pública do Paraná de se firmar como um importante polo cultural do Estado e do País”, afirma.

Confira o edital, aqui

Conheça os vencedores das edições anteriores:
Edição 2012, aqui
Edição 2013, aqui
Edição 2014, aqui
Edição 2017, aqui

Serviço:
Prêmio Paraná de Literatura 2018
As inscrições são gratuitas e vão até dia 12 de julho através de formulário disponível aqui. O resultado deve ser divulgado até a primeira semana de dezembro.

fonte: Biblioteca Pública do Paraná