JOSÉ PAULO PAES

Livro COLEÇÃO MELHORES POEMAS – JOSÉ PAULO PAES – Seleção: Davi Arrigucci Jr. Global Editora, 2003. 5ª Edição. Número de págs.: 248. Livro em bom estado. Preço: R$24,00.

José Paulo Paes foi a antítese do poeta derramado. Irônico, indignado, angustiado, brincalhão, soube expressar, como poucos, ironia, indignação, humor e angústia em poemas breves, alguns brevíssimos.

Poeta, tradutor, crítico literário, ensaísta. Nasceu em 22 de julho de 1926 em Taquaritinga-SP. Transferiu-se para Curitiba em 1944, aqui estudou química industrial entre 1945 e 48. Conviveu com vários intelectuais da época. Colaborou com a revista Joaquim, dirigida por Dalton Trevisan. Dessa temporada paranaense nasce seu livro de estreia, O aluno, de 1947.

Viva poesia! Viva José Paulo Paes!

Receba esse livro em casa via correios. Taxa de entrega para todo país: R$10,00 (taxa por livro). Com opção de retirada (livre de taxa) no bairro Orleans, em Curitiba. Pagamento via app MercadoPago e/ou transferência bancária.

Temos centenas de livros a pronta entrega, consulte acervo, combine frete/entrega via whats 41 99745-5294. 

+ INFORMAÇÕES:

– Sebinho FATO Agenda é a loja de livros e discos que ajuda financiar o blogue FATO Agenda, blogue de vagas de emprego e agenda cultural de Curitiba.

– Atendimento (SUSPENSOS DURANTE A QUARENTENA): sextas e sábados, das 19h a meia noite. Rua Paula Gomes, 380, São Francisco, Curitiba – dentro da Erva Doce Doceria Bar.

– Agende visitas ao sebinho, consulte e/ou encomende livros e discos pelo whatsApp: 41 99745-5294 (leandro).

Fanpage: www.facebook.com/sebinhoFATOagenda
Instagram: www.instagram.com/sebinhofatoagenda

Loja virtual: https://bit.ly/2pWvbU2
(Taxa de entrega: R$10,00 (por livro) – válida para todo Brasil. Via MercadoPago e/ou dep./transferência bancária. Se interessar, combine por whats (41) 99745-5294.

#CatálogoDoSebinho

RECEBA EM CASA ESTES LIVROS!

Prestigie nosso Sebinho FATO Agenda!!! Receba estes livros em casa via correios. Taxa de entrega para todo país: R$10,00 (por livro). Com opção de retirada (livre de taxa) no bairro Orleans, em Curitiba. Pagamento via app MercadoPago e/ou transferência bancária. Combine por whats: 41 99745-5294.

Títulos da foto (dia 20 de abril de 2020):

01 – EM BUSCA DE CURITIBA PERDIDA – Autor: Dalton Trevisan. Preço: R$19,00.

02 – ENSAIOS E ANSEIOS CRÍPTICOS – Autor: Paulo Leminski. Preço: R$18,00.

03 – COLEÇÃO MELHORES POEMAS – JOSÉ PAULO PAES – Seleção: Davi Arrigucci Jr . Preço: R$24,00.

04 – SÃO BERNARDO – Autor: Graciliano Ramos. Preço: R$18,00.

05 – AS VALKÍRIAS – Autor: Paulo Coelho. Preço: R$16,00.

06 – AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA – Autor: Eduardo Galeano. Preço: VENDIDO!

07 – SE EU PUDESSE VIVER MINHA VIDA NOVAMENTE – Autor: Rubem Alves. Preço: VENDIDO!

08 – CAPITÃES DA AREIA – Autor: Jorge Amado. Preço: R$15,00.

09 – ALMAS MORTAS – Autor: Nikolai Gógol. Preço: R$20,00.

10 – LONGA JORNADA NOITE ADENTRO – Autor: Eugene Oneill. Preço: R$16,00.

11 – O FALECIDO MATTIA PASCAL / SEIS PERSONAGENS À PROCURA DE UM AUTOR – Autor: Luigi Pirandello. Preço: R$22,00.

12 – OLGA – Autor: Fernando Morais. Preço: R$18,00.

13 – QUAL É A TUA OBRA? – Autor: Mário Sergio Cortella. Preço: R$13,00.

14 – OS MAIAS – Autor: Eça de Queiroz. Preço: R$15,00.

15 – MEMÓRIAS DO MEDO – Autor: Edla Van Steen. Preço: R$10,00.

Temos centenas de livros a pronta entrega, consulte rapidinho via whats 41 99745-5294. Também temos loja virtual, se interessar, confira nossa loja virtual: https://bit.ly/2pWvbU2

+ INFORMAÇÕES:

Sebinho FATO Agenda é a loja de livros e discos que ajuda financiar o blogue FATO Agenda, blogue de vagas de emprego e agenda cultural de Curitiba.

– Atendimento (SUSPENSOS DURANTE A QUARENTENA): sextas e sábados, das 19h a meia noite. Rua Paula Gomes, 380, São Francisco, Curitiba – dentro da Erva Doce Doceria Bar.

– Agende visitas ao sebinho, consulte e/ou encomende livros e discos pelo whatsApp: 41 99745-5294 (leandro).

Fanpage: www.facebook.com/sebinhoFATOagenda
Instagram: www.instagram.com/sebinhofatoagenda

Loja virtual: https://bit.ly/2pWvbU2
(Taxa de entrega: R$10,00 (por livro) – válida para todo Brasil. Via MercadoPago e/ou dep./transferência bancária. Se interessar, combine por whats (41) 99745-5294.

#CatálogoDoSebinho

“HISTÓRIAS MÍNIMAS”: O ABSURDO COMO APRENDIZAGEM PARA SERMOS MAIS HUMANOS

Em seu segundo livro, autor curitibano explora as nuances que formam a ideia de cotidiano. 

A literatura é a arte da investigação. Histórias mínimas (Kafka Edições, 74 páginas), o segundo livro do jornalista e escritor Jonatan Silva, parte dessa premissa de busca para tentar entender o presente, o passado e o futuro. Por meio de contos minúsculos, e outros nem tão mínimos assim, o escritor revela uma realidade devastadora. 

Jogando com a ideia de linguagem e representação, Histórias mínimas coloca em xeque as ideias pré-fabricadas que constroem a nossa sociedade e o nosso cotidiano. Com um olhar sabido e textos ardilosos, Jonatan Silva dribla a noção de normalidade ao expor o absurdo ao microscópio literário. “A minha literatura é, acima de tudo, uma tentativa de ler o outro e de enxergar aquilo que não está dito. Ou porque não pode ser dito ou que não se sabe como dizê-lo”, explica o escritor. 

Histórias mínimas é uma literatura visual, um catálogo de cenas e colagens narrativas. De maneira inteligente, Jonatan Silva explora os espaços públicos e como se dá a relação deles com o homem. Com uma percepção aguçada e ousada, os contos que dão forma ao livro exploram situações, temas e lugares que não parecem habituais à literatura brasileira – sem perder o tom que dá massa às questões curitibanas. 

É nesse processo que o livro apresenta seu tom mais forte: com elementos minimalistas e lapidados, criando um universo bastante próprio e interessante. “É importante fazer da literatura uma provocação, colocar ideias foras do lugar para que ocupem um espaço de destaque e protagonismo”, avalia. 

O outro 
Em meio a tudo isso, Jonatan Silva faz de Histórias mínimas um panteão de seus heróis literatura. Está tudo lá: Dalton Trevisan, Jamil Snege, Valêncio Xavier e Manoel Carlos Karam ao lado de Franz Kafka, Bruno Schulz, Gonçalo M. Tavares. Nessa colcha de retalhos – ou mosaico, como prefere o autor –, o livro se transforma em uma narrativa de aprendizagens, um convite a olhar o outro. 

Ao pensar sobre o outro, Histórias mínimas evoca dois escritores fundamentais da literatura latino-americana: Jorge Luis Borges e Julio Cortázar, ambos argentinos. Ainda assim, explica Silva, existe em sua literatura um diálogo profundo com as obras de escritores contemporâneo. “Há um pouco do Carlos Machado, e sua ideia do não lugar; do Tezza, as relações em choque e xeque; Fernando Koproski, a poesia; Márcio Renato dos Santos, seu olhar sobre a cidade como personagem; Cezar Tridapalli, a sua universalidade”, comenta. 

Histórias mínimas é um resgate da literatura curitibana em sua essência mais ampla e lírica, capaz de provocar e convidar o leitor a pensar que futuro é esse que estamos construindo.

EVENTO: LITERATURA, PASSADO EM PROSA – O SILÊNCIO DO VAMPIRO

O ciclo de bate-papos PASSADO EM PROSA, com os autores da Coleção A Capital e em parceria com o SESI Cultura, continua na terça-feira, 8 de outubro, das 19:00 às 20:00, em Curitiba, com o escritor e jornalista, pós-graduado em Cinema e Mestre em Letras, Luiz Andrioli, autor, entre outros, de “O circo e a cidade, histórias do grupo circense Queirolo em Curitiba” (Coleção A Capital) e “Laçador de cães”.

O estudo é realizado por meio da crítica ao discurso jornalístico sobre o escritor Dalton Trevisan, utilizando-se de fontes de imprensa e referências bibliográficas. Dalton Trevisan é conhecido pela concisão de suas palavras. Ele também se nega, há décadas, a dar entrevistas ou declarações para a imprensa. Mesmo assim, os jornais não deixam de comentar seus livros. “O silêncio do vampiro” analisa de que forma a produção do contista aparece na mídia. Em algumas situações, os jornalistas buscam na própria obra do autor as respostas necessárias e verossímeis. Em outros momentos, é a interpretação a partir das palavras do escritor que preenche as lacunas. Em ambas as formas, a discussão aqui proposta aponta que o silêncio de Dalton Trevisan é uma estratégia literária em nome da imortalidade pretendida pelo Vampiro de Curitiba.

Serviço:
EVENTO: LITERATURA, PASSADO EM PROSA – O SILÊNCIO DO VAMPIRO
Local: Centro Cultural Sesi Heitor Stockler De França na Av. Mal. Floriano Peixoto, 458, Centro, Curitiba
Data: Terça-feira, 8 de outubro, das 19:00 às 20:00 
Entrada gratuita. 
Página do evento, aqui
Organização: Factum Pesquisas Históricas

fonte 

FLIBI, A FESTA LITERÁRIA DA BIBLIOTECA PÚBLICA DO PARANÁ

A Biblioteca Pública do Paraná realiza entre os dias 22 e 26 de outubro a terceira edição da Flibi, a Festa Literária da Biblioteca. Dalton Trevisan é o autor homenageado do evento, que neste ano conta com mais de 40 convidados e 50 atrações gratuitas — entre palestras, debates, oficinas, exposições, sessões de cinema, atividades para crianças e apresentações de música e teatro. Pela primeira vez, as ações acontecem também fora da BPP, nos espaços culturais de Curitiba mantidos pelo Governo do Estado e em outros cinco municípios do Paraná (Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel e Foz do Iguaçu). Marçal Aquino, Eliane Robert Moraes, Paulo Cesar de Araújo, Luci Collin e André Sant’Anna são alguns dos convidados já confirmados na festa.

Serviço
Flibi 2019
De 22 a 26 de outubro, na Biblioteca Pública do Paraná e em diversos espaços culturais de Curitiba, Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel e Foz do Iguaçu
Entrada franca
Mais informações: (41) 3221-4911

Saiba mais: https://bit.ly/2kSGQk8

fonte: Jornal Cândido

POETA CURITIBANO FERNANDO KOPROSKI PASSA A LIMPO SUA TRAJETÓRIA EM PEQUENO DICIONÁRIO DE AZUIS

Volume celebra as mais de duas décadas dedicas aos versos com poesia completa e fortuna crítica.

Fernando Koproski é um dos nomes mais importantes da literatura brasileira dos últimos anos. Poeta, tradutor, prosador e letrista de rock e música popular, o curitibano completa em 2018 mais de duas décadas dedicadas aos versos e, para celebrar esse momento, publica Pequeno dicionário de azuis.

O volume reúne toda a poesia de Koproski a partir de 1995, com o debut em Manual de ver nuvens, e se debruça sobre clássicos do universo koproskiano como Nunca seremos tão felizes como agora (2009) e Tudo que não sei sobre o amor (2003), que contém CD gravado em parceria com o músico Luciano Romanelli.

A poesia de Koproski transpira musicalidade e ritmo, não é à toa que muitos dos seus versos foram transformados em canções por nomes como Beijo AA Força, Carlos Machado, Casca de Nós e Alexandre França. Para o lançamento, que acontece no dia 26 de junho, às 19h30, no bar Ornitorrinco, o autor irá ler seus poemas acompanhado pelo guitarrista Mario Vizioli. No dia 27 de junho, o poeta apresenta o mesmo número para estudantes do Ensino Médio da rede pública de educação de São José dos Pinhais, Biblioteca Scharffenberg de Quadros.

Beleza áspera
Muito além que um apanhado da trajetória autoral de Koproski, Pequeno dicionário de azuis presenteia o leitor com poemas inéditos, fortuna crítica e entrevistas, somando 660 páginas. Para o escritor, em tempos de e-books e outras plataformas para se fazer e divulgar literatura, o papel ainda é fundamental para que se passe a limpo uma carreira prolífera como a sua. “Gosto de livros, cresci lendo e me apaixonando por livros reais, com ossatura forte de papel, livros com musculatura de papel e nervos de papel. E por isso, era natural sonhar em fazer um livro real. Livros virtuais não me atraem, acho eles sem graça”, comenta.

A poesia de Fernando Koproski é de uma beleza áspera, quase casual e que reflete a Curitiba de Leminski, Dalton Trevisan e Jamil Snege – e não a Cidade Sorriso ou a capital do futuro das propagandas. “A poesia é um acaso, uma espécie de acidente, uma voz que chama não os melhores, nem os mais belos, mas provavelmente uma convocação aos mais feios, desajustados, talvez problemáticos ou simplesmente despreparados para ficar frente a frente com a beleza e a verdade”, comenta o poeta em uma das entrevistas de Pequeno dicionário de azuis.

Entre contrapontos e choques de realidade, Koproski tece, como Penélope, seu tapete para desfazê-lo em seguida. Sempre na contramão dos lugares-comuns e do academicismo do mundo literário, poemas como “Universidade federal”, do Retrato do artista quando primavera (2016), “Autorretratos”, de Narciso para matar (2016), ou “Há flores dentro do tronco”, do, até agora, inédito À Procura da poesia mais pura (2017), apresentam um Fernando combativo, avesso aos formalismos que enquadram e limitam a poesia.

Agridoce
Como explica o escritor Paulo Sandrini, em um dos textos críticos que compõe a obra, “a poesia de Koproski é também um canto de guerra contra esse mundo atual, lugar lúgubre, reacionário, de poucos afetos e muito egoísmo”. Para lutar contra a banalidade do mal, nada mais certo que a pureza e inocência, que nada têm de ingenuidade.

Pequeno dicionário de azuis funciona também como uma grande ode às várias formas de amor. Se os versos de O Livro de sonhos (1999) celebram a juventude, a vontade de estar vivo a plenitude de Rimbaud ou Jim Morrisson, os poemas de Nunca seremos tão felizes como agora têm um endereço certo.

Como Vinícius de Moraes, Koproski é um poetinha. Não por ser menor, ao contrário, pela grandeza de seu delicado – e agridoce – vislumbre sobre o cotidiano. Algo que somente os olhos do poeta treinado, e sôfrego, é capaz de produzir. Segundo Fernando, escrever poesia não é um ato diário, é algo sobre o qual se debruça como um viajante sobre um mapa. “Para fazer poesia você precisa de um assombro, um insight, uma inspiração, alguma espécie de gatilho de fogo para ‘atravessar o espelho’ e encontrar o poema lá do outro lado”, afirma.

Não é exagero dizer que a poesia é a arte do encanto e da busca pelo ideal da beleza. Isso porque, como explica o poeta, “a importância da poesia e da compaixão, misericórdia e do amor é a mesma.” E, novamente, o que surge é a pureza e a inocência – que só pode ser aprendida com as crianças.  “Ingrid grávida”, “Laurinha” e “O olhar de Laura”, os três da safra inédita, formam uma belíssima trilogia da paternidade.

No final, se percebe que Pequeno dicionário de azuis é um caleidoscópio poético, capaz de levar o leitor em uma viagem pelo coração do poeta que, como bem definiu Antônio Thadeu Wojciechowski, bomba versos em nosso sangue.

Sobre o autor
Fernando Koproski nasceu em Curitiba em 1973. É autor da trilogia Um Poeta deve morrer – Nunca seremos tão felizes como agora (2009), Retrato do artista quando primavera (2014) e Retrato do artista quando verão, outono, inverno (2014). Escreveu a série ficcional A Complicada beleza – Narciso para matar (2016), Crônica de um amor morto (2016) e A Teoria do romance na prática (2016) –, os livros de poesia Como tornar-se azul em Curitiba (2004), Pétalas, pálpebras e pressas (2004), premiado pela Secretaria do Estado da Cultura do Paraná, entre outros.

Koproski foi o primeiro tradutor do cantor e poeta canadense Leonard Cohen no Brasil, publicando as coletâneas Atrás das linhas inimigas de meu amor (2007) e A Mil beijos de profundidade (2016). É responsável pela tradução e seleção dos poemas de Charles Bukowski que compõem os livros Essa loucura roubada que não desejo a ninguém a não ser a mim mesmo amém (2005), Amor é tudo que nós dissemos que não era (2012) e Maldito deus arrancando esses poemas de minha cabeça (2015). Traduziu, em 2016, Cabeça de adulto, obra poética de Jeff Tweedy, vocalista e letrista da banda Wilco.

Serviço:
Lançamento de Pequeno dicionário de azuis
Poesia | Editora 7Letras | 660 páginas | R$ 69,00.
Leitura de poemas na voz do autor acompanhado pelo guitarrista Mario Vizioli
Quando: 26 de junho (terça-feira) | Horário: 19h30
Onde: Bar Ornitorrinco (R. Benjamin Constant, 400 – Centro de Curitiba).