ESPETÁCULO SOLO DE DANÇA-TEATRO BASEADO NA OBRA “THE HAMLETMACHINE”, DE HEINER MÜLLER, ESTREIA NESTE DOMINGO (04) NA MOSTRA SOLAR 2018

The Hamletmachine. Fotografia: Larissa de Lima

Com concepção e direção do bailarino Fábio Tavares, “Amanhã foi cancelado” propõem um estudo social e político de um corpo confuso e aflito lutando pela sobrevivência nos tempos modernos.

Nos dias 04 e 09 de novembro às 19h, a programação da Mostra Solar 2018 recebe o espetáculo de dança-teatro “Amanhã foi cancelado”, do renomado bailarino Fábio Tavares, artista curitibano que nos últimos 20 anos consolidou a sua carreira na cidade de Nova York. A entrada para as apresentações é franca e os ingressos serão distribuídos 1h antes na bilheteria da Casa Hoffmann (R. Dr. Claudino dos Santos, 58 – São Francisco).

Inspirado na obra “The Hamletmachine”, do escritor alemão Heiner Müller (1929 – 1995), “Amanhã foi cancelado” é um estudo social e político de um corpo confuso e aflito lutando pela sobrevivência nos tempos modernos. “Por se tratar de uma dramaturgia crua, brutal e trágica, essa obra despertou o meu interesse como artista do corpo em falar de um fenômeno tão evidente na contemporaneidade: essa ideia de um corpo ausente, máquina, automático”, considera Fábio Tavares – que assina a concepção e direção geral do espetáculo.

Com direção coreográfica de Andrea Lerner e direção dramatúrgica de Ana Rosa Tezza, o solo de dança-teatro também se debruça sobre a figura icônica da Ofélia – personagem que se revolta diante de um universo de opressão e abuso. “Nesta obra, a Ofélia retrata uma imagem de todos aqueles indivíduos que precisam lutar por igualdade, respeito e liberdade”, ressalta Fábio Tavares.

Sobre a Mostra Solar 2018
Com o objetivo de lançar luz sobre os artistas e a linguagem da dança, a Mostra Solar 2018 composta por solos de dança de 7 artistas da cidade e um artista convidado de Santa Catarina que vive em Paris dança em festivais pelo mundo. A programação acontece de 27/10 a 11/11 de 2018.

Sinopse da obra:
Espetáculo baseado na obra “The Hamletmachine” do escritor Heiner Müller. Um estudo social e político de um corpo confuso e aflito lutando pela sobrevivência nos tempos modernos. A obra é dedicada a todas as Ofélias do planeta.

Sobre o artista:
Fabio Augusto Tavares é ator, bailarino, acrobata e coreógrafo radicado em NYC há mais de 19 anos. Seus trabalhos coreográficos já foram apresentados na St.

Marks Church, La Mama Theater, The Clemente, BRIC, Triskelions Arts, Streb at SLAM , Susan Klein School of Movement and Dance e no festival “Not a Festival “ no Brooklyn. Professor graduado na Técnica de Alexander pelo American Center for the Alexander Technique em NYC, professor formado em Klein Technique™ pela própria Susan Klein e terapeuta certificado no sistema de integração estrutural e energética do corpo chamado de Zero Balancing. Também foi integrante e Diretor Artístico Associado da companhia de teatro físico STREB-EXTREME ACTION por 14 anos; fez parte do corpo docente da Universidade PACE de Nova York de 2014-2017, onde ministrava aulas de movimento consciente para jovens atores.

Ficha técnica:
Concepção e Direção geral: Fábio Tavares
Direção Coreográfica: Andrea Lerner
Direção Dramatúrgica: Ana Rosa Tezza
Direção Musical: Béco Dranoff
Objetos Esculturais: Marcos Rosales
Figurino: Eduardo Giacomini
Iluminação: Beto Bruel
Comunicação e Registro Audiovisual: Larissa de Lima
Produção executiva: Laura Tezza
Produção: Dara Van Doorn
Realização: Ave Lola e as Meninas Produções Artísticas.

“PROJETO REALIZADO COM O APOIO DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA”

Serviço:
The Hamletmachine

Data da apresentação: 04 e 09 de novembro às 19h
Local: Casa Hoffmann (R. Dr. Claudino dos Santos, 58 – São Francisco, Curitiba)
Ingressos: Entrada franca | distribuídos 1h antes do espetáculo na bilheteria do teatro
Classificação Indicativa: 16 anos

Confira a programação completa da Mostra Solar 2018, aqui

TEATRO, DANÇA E PERFORMANCE SÃO ATRAÇÕES DA MOSTRA NOVOS REPERTÓRIOS 2018

Pálidos – CiaSenhas. Foto Elenize Dezgeniski

Programação eclética e gratuita reúne 16 espetáculos produzidos em Curitiba. As apresentações acontecerão de 17 a 26 de agosto.

Quem estiver na capital paranaense, entre os dias 17 e 26 de agosto, terá a oportunidade de prestigiar as produções artísticas mais expressivas do teatro, da dança e da performance de Curitiba, durante a 11ª edição da Mostra Novos Repertórios. Além de eclética a Mostra também é gratuita.

O evento, que vem crescendo a cada ano, está definitivamente consolidado e possibilita ver e tornar visível o que de mais potente se produz por aqui. A satisfação do público em relação à qualidade e diversidade dos espetáculos nas últimas edições garantiram a presença do evento no calendário cultural da cidade.

“Fundamentalmente a Mostra foi criada para dar mais visibilidade às nossas produções. Houve uma evolução no conceito, mas como o nome diz, queremos apresentar um recorte do que há de mais novo na cidade – em linguagem, pesquisa, repertório etc. Queremos que os curitibanos e os que moram aqui frequentem mais os espaços culturais da cidade e valorizem o que é produzido aqui, pois nossas produções são de altíssimo nível”, declara Michele Menezes, idealizadora e diretora de produção do projeto.

A programação deste ano privilegia a multiplicidade de linguagens artísticas e irá ocupar os palcos dos teatros Guairinha (Auditório Salvador de Ferrante), Miniauditório (Glauco Flores de Sá Brito) e Teatro Novelas Curitibanas, além de realizar apresentações ao ar livre (em lugares públicos como praças e terminais de ônibus) e nas sedes das companhias locais.

Entre os destaques, a estreia do novo trabalho de Maikon K, Neblina Canibal, tido como o maior nome atual na performance brasileira. O artista, em seu trabalho anterior, ficava nu em uma bolha no trabalho DNA de DAN e foi preso de forma violenta, no ano passado, em Brasília, enquanto se apresentava em frente ao Museu Nacional da República. O espetáculo Pálidos, a última montagem da CiaSenhas, companhia curitibana que vem conquistando reconhecimento nacional. Primavera Leste da Minha Nossa Companhia de Teatro, que tem desenvolvido pesquisas importantes e promovido o intercâmbio entre artistas de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Curitiba. O musical tem direção de Dimis Jean Sores a partir da dramaturgia de Diogo Liberano (RJ).

“O maior destaque, na verdade, é o ecletismo das produções. No ano passado já tivemos uma programação para gostos bem variados, mas este ano verticalizamos. Também resolvemos retomar mais um dos conceitos da Novos Repertórios, que é apresentar novos talentos. Com isso, teremos na programação jovens artistas, mas que já conquistam espaço com trabalhos importantes”, ressalta Michele.

“O evento simboliza também uma tentativa de resistência artística, de unir forças enquanto pensadores da arte e da sociedade e nos darmos um momento do ano para olharmos para nossa criação, a Mostra proporciona este encontro mediado pela cidade e por olhares de profissionais externos como críticos e curadores”, conta a atriz, produtora e tradutora Giovana Soar da companhia brasileira de teatro, responsável pela direção artística da Mostra.

A gestora cultural, Sonia Sobral (SP) já confirmou presença nesta edição, bem como críticos renomados como Valmir Santos (Teatro Jornal/SP), Danielle Avila Small (Questão de Crítica/RJ) e Michele Rolim (Agora/RS). Espera-se também a presença de curadores de importantes festivais do país.

A relação dos espetáculos com a cidade, com o público e o corpo na cena como posicionamento político norteou o processo de escolha da equipe de curadores, que nesta edição conta com a produtora cultural, Loa Campos, com o ator Rodrigo Ferrarini e com o diretor e professor da UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Henrique Saidel. “Tentamos desenhar uma programação que contemplasse, na medida do possível, as diferenças. Costuramos, assim, uma grade com espetáculos em espaços fechados (palco italiano, caixa preta, espaços alternativos) e na rua (praças, terminais de ônibus, orelhões etc.). Uma grade com trabalhos de teatro, teatro musical, dança, cabaré, performance. Uma grade com obras que abordam – cada qual à sua maneira – questões identitárias, sociais, raciais e de gênero, sobre lugares de fala. Uma grade composta por artistas já experientes e por artistas que estão iniciando suas carreiras. Uma grade, portanto, em sintonia com o que tem pulsado na cidade e nos corpos, com a cena que construímos juntos, todos os dias, nesses tempos sombrios e estranhos em que estamos vivendo”, destaca Loa Campos.

Propor a discussão do fazer artístico e dos caminhos que o futuro aponta para as artes cênicas é também um dos propósitos da Mostra que inclui ainda na programação encontros, conversas e debates com o intuito de promover trocas e reflexões entre artistas locais, artistas convidados de outras cidades, críticos, pensadores, criadores, programadores de festivais e público.

“Espero que além de repetir o sucesso de público do ano passado, que a Mostra renda bons frutos para as companhias e artistas. Queremos movimentar Curitiba durante os dias de evento e atrair cada vez mais olhares para a nossa cidade”, conclui Menezes.

Pão com linguiça. Foto: Paulinha Kozlowski

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

Dia 17 (sexta)
(15h) – CONVERSA com Sonia Sobral (SP) – Casa 4 Ventos
(21h) – PRIMAVERA LESTE / Minha Nossa Companhia de Teatro – Guairinha
(23h) – SHOW LADY INCENTIVO E AS CONTRAPARTIDAS/Ave Lola – Sede Ave Lola

Dia 18 (sábado)
(12h) – RADIO ATALAIA / Filhas da Fruta e Catarina – Passeio Público
(19h) – NEBLINA CANIBAL (*Estreia) / Maikon K – companhia brasileira de teatro (21h) – P DE PALHAÇO / Cena Hum – Guairinha
(22h) – FESTA / Breguenaits – Jokers (*pago: R$40 e R$20)

Dia 19 (domingo)
(15h) – CONVERSA (Danielle Avila, Edson Bueno, Michele Rolim e Francisco Mallmann) – Estúdio Delírio
(17h) – CABARET VOLTEI / Selvática Ações Artísticas e O Estábulo de Luxo – Guairinha

Dia 20 (segunda-feira)
(19h) – PROJETO QUEER / Rainha de 2 Cabeças – Mini Guaíra
(21h) – PÃO COM LINGUIÇA / Entretantas Conexões em Dança – Guairinha

Dia 21 (terça-feira)
(19h) BILLIE / Dezoito Zero Um Cia de Teatro – Mini Guaíra
(21h) – LEVANTE / Fernando de Proença e Renata Roel – Guairinha

Dia 22 (quarta-feira)
(12h) – AGORA VOCE OUVIRÁ / Henrique Saidel – Mercado das Flores
(19h) – ENTRE CABOCLOS E BAIANAS / Leo Cruz – Teatro Novelas Curitibanas
(21h) – CABARET DAS DIVINAS DIVAS / Ruído Companhia de Teatro – Guairinha

Dia 23 (quinta-feira)
(12h) – O ESCREVEDOR DE HISTÓRIAS/ Marcel Szymanski – Praça Rui Barbosa
(15h) CONVERSA com Valmir Santos (Crítico do Site Teatro Jornal) – Casa 4 Ventos
(19h) – ENTRE CABOCLOS E BAIANAS / Leo Cruz – Teatro Novelas Curitibanas

Dia 24 (sexta-feira)
(12h) – O ESCREVEDOR DE HISTÓRIAS/ Marcel Szymanski – Praça Rui Barbosa
(19h) – <CORPATROZ.EXE> / Cia Corpa – Teatro Novelas Curitibanas
(21h) – OS PÁLIDOS / CiaSenhas – Sede Cia Senhas

Dia 25 (sábado)
(19h) – <CORPATROZ.EXE> / Cia Corpa – Teatro Novelas Curitibanas
(21h) – OS PÁLIDOS / CiaSenhas – Sede Cia Senhas

Dia 26 (domingo)
(15h) – BALANÇO FINAL – Teatro Novelas Curitibanas
(17) – FESTA DE ENCERRAMENTO – Ornitorrinco

A realização deste projeto é da Pró Cult e conta com o incentivo da Ademilar e do Banco do Brasil, através da Lei Municipal de Incentivo à Cultura e apoio da Fundação Cultural de Curitiba.

Obs.: Os ingressos são gratuitos e serão distribuídos uma hora antes dos espetáculos, nos locais das apresentações. Sujeito à lotação dos espaços.

Confira a programação completa:
www.novosrepertorios.com.br
Facebook: @novosrepertorios
http://procultbr.com/

Endereços:
Guairinha (Rua XV de Novembro, 971 – Centro / Telefone: 41 3304 7900).
Mini Guaíra (Rua Amintas de Barros, s/n – Centro / Telefone: 41 3304 7900).
Teatro Novelas Curitibanas (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1.222 – São Francisco / Telefone: 41 3321 3358).
Ave Lola (Av. Mal. Deodoro, 1227 – Centro / Telefone: 41 2112 9924).
CiaSenhas (Rua São Francisco, 35 –  São Francisco / Telefone: 41 3222 0355).
companhia brasileira de teatro (Rua José Bonifácio, 135 – sala 01 – Largo da Ordem / Telefone: 41 3223 7996).
Casa 4 Ventos (Rua da Paz, 51 – Alto da XV / Telefone: 41 3040-3322).
Passeio Público (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, s/n – Centro / Telefone: 41 3350 9940).
Estúdio Delírio (R. Saldanha da Gama, 69 – Centro / Telefone: 41 3016 3769).
Mercado das Flores (Praça Generoso Marques, s/n).
Ornitorrinco (R. Benjamin Constant, 400 – Centro / Telefone: 41 3121 2334).
Jokers (R. São Francisco, 164 – Centro / Telefone: 41 3324 2351).

Neblina Canibal – Foto Amanda Vicentini

VIGOR MORTIS FAZ ÚLTIMAS APRESENTAÇÕES DE ACORDEI CEDO NO DIA EM QUE MORRI E OFERECE PALESTRAS GRATUITAS

Todas as fotos deste post são de Lucia Biscaia

 São duas oportunidades para ouvir o diretor Paulo Biscaia Filho falar sobre Cinema Trash e Ed Wood

As últimas sessões da nova montagem da Vigor Mortis ­— Acordei Cedo no Dia em Que Morri — acontecem nesta semana em Curitiba. A peça fica em cartaz até 22 de outubro, no Ave Lola, com ingressos no sistema pague-quanto-vale. E, para comemorar o final da temporada de sucesso com casa lotada e também os 20 anos da companhia, o diretor Paulo Biscaia Filho fará duas palestras gratuitas.

Na sexta, dia 20 de outubro às 14h, o tema é Cinema Trash: de onde vem o termo e quais os cineastas e filmes que melhor representam o tal “cinema lixo” que é tão cultuado por hordas de fãs do gênero. O papo será um convite para conhecer mais sobre este cinema alternativo e deliciosamente bizarro, que vai de filmes com monstros gigantes a produções estreladas por espiãs com microcâmeras embutidas nos seios.

E no sábado, dia 21 de outubro às 14h, é a chance para saber mais sobre o artista que inspirou a peça Acordei Cedo no Dia em que Morri: Edward D. Wood Jr., conhecido como o pior diretor de todos os tempos. Paulo Biscaia Filho vai conversar sobre como o artista conseguiu esse dúbio título, como os tormentos da vida do cineasta influenciaram sua obra e por que seus filmes podem ser considerados obras de “cinema de autor”.

Sobre Acordei Cedo no Dia em Que Morri:
O espetáculo é um passeio de trem-fantasma na mente de Ed Wood, com todos elementos icônicos da criatividade do cineasta: vampiros, alienígenas, monstros com superpoderes e também a atmosfera de filmes lado B dos anos 50. A ação acontece diante de uma tela gigantesca, onde são projetadas cenas captadas em tempo real no palco. O enredo coloca a personalidade da companhia em evidência, integrando outras linguagens ao teatro, com estética impactante, tecnologia, temas do universo do terror e comicidade. Acordei Cedo No Dia em Que Morri é uma realização da Vigor Mortis com incentivo de Celepar e do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. Direção de Paulo Biscaia Filho, com assistência de Gabriela Valcanaia. No elenco, Guenia Lemos, Camila Fávero, Ricardo Nolasco e Luiz Bertazzo. Cenário de Guenia Lemos, figurino de Guilherme Almeida, iluminação de Wagner Correa e Produção da Duplo Produções e Formiga Produtora.

Serviço Palestras:
Palestra sobre Cinema Trash com Paulo Biscaia Filho

Dia 20/10 (sexta-feira) – Horário: das 14h às 16h
Local: Ave Lola Espaço de Criação. R. Mal. Deodoro, 1227. Centro. Curitiba-PR
Palestra sobre Ed Wood com Paulo Biscaia Filho

Dia 21/10 (sábado) – Horário: das 14h às 16h
Local: Ave Lola Espaço de Criação. R. Mal. Deodoro, 1227. Centro. Curitiba-PR

Inscrições gratuitas: pelo email producaoduplo@gmail.com ou diretamente no local no início do evento. Sujeito à lotação. Serão emitidos certificados para os participantes.
Informações: por whatsapp 41 99975-6048

Serviço:
Espetáculo – Acordei Cedo no Dia em Que Morri
Local: Ave Lola Espaço de Criação. R. Mal. Deodoro, 1227. Centro. Curitiba-PR
Temporada: até 22 de outubro. (última semana em cartaz)
Dias e horários: quartas e domingos às 20h. Quintas, sextas e sábados às 23h59.
Ingressos: Pague Quanto Vale
Lotação: 58 lugares.
Duração: 60 minutos.
Classificação indicativa: 14 anos
Reservas e informações: www.avelola.net.br / Duplo Produções – 41 99975-6048

VIGOR MORTIS ESTREIA “ACORDEI CEDO NO DIA EM QUE MORRI” COM OBSESSÕES DE ED WOOD EM CENA

O lado B do cinema é homenageado pelo teatro pop da companhia enquanto a plateia presencia a criação de um filme durante a peça 

A nova montagem da Vigor Mortis leva o público para um passeio de trem-fantasma na mente de Ed Wood. Todo os elementos icônicos da criatividade do cineasta estão presentes: vampiros, alienígenas, monstros com superpoderes e também a atmosfera de filmes lado B dos anos 50. O enredo traz referências do roteiro sob o mesmo título, e dos livros “Death of a Transvestite” e “Let Me Die In Drag”. A ação acontece diante de uma tela gigantesca, emoldurada por tentáculos de polvo, onde são projetadas cenas captadas em tempo real no palco. Acordei Cedo no Dia em Que Morri coloca a personalidade da companhia em evidência, integrando outras linguagens ao teatro, com estética impactante, tecnologia, temas do universo do terror, comicidade e excelência nas interpretações. A temporada é de 28 de setembro a 22 de outubro, no Ave Lola em Curitiba, com ingressos no sistema pague-quanto-vale. 

A trama parte da história de um psicopata que foge do manicômio e se transveste de enfermeira para desvendar um mistério. Ao buscar por mais pistas, ele encontra a apresentadora de TV Vampira. Juntos eles descobrem que o enigma revela muito mais do que se poderia imaginar sobre o passado nebuloso do protagonista. Esse psicopata, segundo o diretor Paulo Biscaia Filho, é um veículo de investigação sobre a identidade de gênero: “Assim como Wood, ele é crossdresser, mas não é homossexual. Não encontra espaço nem na sociedade, que olha sua obsessão por roupas de mulher como uma anormalidade, nem nos grupos de travestis que veem sua orientação heterossexual como uma incongruência. Ele é um reflexo de Wood. Incapaz de encontrar seu lugar no mundo.” 

À frente da Vigor Mortis desde o surgimento do grupo, em 1997, P. Biscaia Filho divide a autoria de Acordei Cedo No Dia em Que Morri com Luiz Bertazzo, que ainda encabeça o elenco. Bertazzo, anteriormente, foi indicado ao Troféu Gralha Azul de Melhor Ator por “Seance – As Algemas de Houdini”. Camila Fávero, de “Bita e os Animais”; Ricardo Nolasco, de “Momo: Para Gilda com Ardor”; e Guenia Lemos, de “Lobo nas Paredes” e “Duplo Homicídio na Capital”, completam o time de atores. Ganhadora da última edição do Troféu Gralha Azul na categoria Cenário por “Salomé”, G. Lemos também assina o cenário da montagem. O figurino é de Guilherme Almeida, a iluminação de Wagner Correa, e produção é da Duplo Produções, que também foi responsável por “Contos de Nanook” e “Guernica”. 

Acordei Cedo no Dia em Que Morri é uma realização da Vigor Mortis com incentivo de Celepar e apoio da UniFM, Bdrops, Batel Lavanderia e Ave Lola. Projeto realizado com o apoio do do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e Prefeitura Municipal de Curitiba. 

Sobre a Vigor Mortis: 
Com espetáculos influenciando pela pesquisa do Grand Guignol, o teatro de horror grotesco francês do Século XIX, e trabalhos com integração de linguagens entre teatro, HQs e cinema, a Vigor Mortis criou uma identidade própria e se estabeleceu como uma das mais criativas e atuantes companhias brasileiras. Começou sua trajetória em 1997 com “PeeP – Através dos Olhos de um Serial Killer” e, ao longo dos seus 20 anos de atuação ininterrupta, conquistou dezenas de prêmios e viajou o mundo em festivais de teatro com montagens como “Morgue Story” (2004), “Graphic” (2006) e “Hitchcock Blonde” (2008), entre outras. A companhia também faz obras para o cinema, como as adaptações de “Morgue Story” ­– premiada em festivais na Inglaterra, Estados Unidos e Argentina – e “Nervo Craniano Zero”, que recebeu prêmio de melhor filme e melhor atriz no Montevidéu Fantástico, melhor diretor no New Orleans Horror Film Festival, e melhor filme estrangeiro no Another Hole in the Head em São Francisco, entre outros. Em 2017, a companhia também levou aos palcos “A Macabra Biblioteca do Dr. Lucchetti”, contemplada pelo Rumos Itaú Cultural. 

Ficha Técnica: 
Direção: Paulo Biscaia Filho 
Assistente de Direção: Gabriela Valcanaia 
Elenco: Guenia Lemos, Camila Fávero, Ricardo Nolasco e Luiz Bertazzo 
Cenário: Guenia Lemos 
Figurino: Guilherme Almeida 
Iluminação: Wagner Correa 
Produção: Duplo Produções 
Assessoria de Comunicação e Imprensa: Luciana Melo 
Fotos: Lúcia Biscaia 

Serviço: 
Acordei Cedo no Dia em Que Morri 
Teatro de Horror 
Local: Ave Lola Espaço de Criação 
Endereço: R. Mal. Deodoro, 1227. Centro. Curitiba-PR 
Temporada: de 28 de setembro a 22 de outubro. 
Dias e horários: quartas e domingos às 20h. Quintas, sextas e sábados às 23h59. 
Ingressos: Pague Quanto Vale 
Lotação: 58 lugares. 
Duração: 60 minutos. 
Classificação indicativa: 14 anos 
Informações: www.avelola.net.br / Duplo Produções – 41 99975-6048