EM DOSE DUPLA: CIRCO DA CIDADE RECEBE DOIS ESPETÁCULOS GRATUITOS DE CIRCO-TEATRO COM O COLETIVO PALHAÇX GOURMET

A Pequena Loja Mística da Madame Sinistro – Foto de Mateus Tropo

As peças, que acontecem no mesmo dia e contam com elencos grandes, estreiam no dia 07 de março e ficam em cartaz aos sábados e domingos, às 15h e às 17h, até o dia 22 de março. A entrada é gratuita. Página do evento, aqui

As obras “A Pequena Loja Mística da Madame Sinistro” e “Fim dos Tempos” terão sua estreia na lona do Circo da Cidade – Zé Priguiça, no dia 07 de março (sábado) e ficam em cartaz até o dia 22 – aos sábados e domingos – com apresentações sempre às 15h e às 17h, respectivamente. Os ingressos são gratuitos e começam a ser distribuídos uma hora antes do início do espetáculo.

As duas dramaturgias inéditas fazem parte do CIRCO-TEATRO BOQUEIRÃO, novo projeto do coletivo curitibano Palhaçx Gourmet. Por meio de apresentações gratuitas, a iniciativa nasceu com o propósito de movimentar o Circo da Cidade, além de alimentar espaços de convivência e socialização, prática comum de companhias de Circo-Teatro tradicionais.

Essencialmente, os espetáculos são sobre grupos que resistem à imposição de forças maiores, sejam elas grandes empresas ou figuras de autoridades que sequer dão as caras. Em “A Pequena Loja Mística da Madame Sinistro” que acontece às 15h, a personagem Valkiria, mais conhecida como a paranormal Madame Sinistro, juntamente com seu filho Gigi, um jovem que consegue ouvir os objetos falarem, e Adalberto, um aspirante a atirador de facas, trabalham numa loja mística prestes a falir. O sonho de Valkiria sempre foi ter uma loja, mas esse desejo está ameaçado por uma dupla trambiqueira que quer construir um estacionamento na região e para isso precisam expulsar a família do local.

Fim dos Tempos – Foto de Mateus Tropo

Já em “Fim dos tempos”, apresentada às 17h, a personagem Sandra Pereira sonha em montar sua nova peça chamada “Fim dos Tempos” assim que terminar a última apresentação de uma temporada de 10 anos do espetáculo Chapeuzinho Vermelho. Porém, quando o patrocinador chega com mais 300 crianças para uma sessão extra, toda a equipe artística se atrapalha para fazer essa peça que já não queria mais. Enquanto apresenta, uma confusão fora do circo chama a atenção da companhia. A cada dia de exibição, serão apresentadas as duas peças, respectivamente às 15h e às 17h, nas quais o elenco exerce diferentes funções, dividindo-se em atuação, contrarregragem e técnica, trabalhando simultaneamente dentro e fora do espaço cênico. Além disso, as peças se cruzam, com objetos cênicos, cenários e referências que atravessam de uma para a outra.

Para diversificar seu repertório artístico e criar as dramaturgias, as palhaças e os palhaços do coletivo partiram da pesquisa e experimentação sobre a linguagem do Circo-Teatro, um formato popular e originalmente brasileiro. Como parte do processo, o elenco fez, inclusive, uma breve residência artística no Circo de Teatro Tubinho, referência no fazer circo-teatral.

“Estamos propondo um modelo de ocupação de espaço em que as pessoas são convidadas a ficar lá mais tempo do que muitas costumam em peças de teatro ou espetáculos circenses na cidade, vendo as trocas de cenário, a circulação de artistas”, conta Edran Mariano, diretor de produção da peça, sobre a importância do circo como a escolha do palco. 

Além das apresentações gratuitas no Circo da Cidade, o projeto promove outras ações, que incluem sessões exclusivas para alunos de escola pública mediante agendamento, oficinas artísticas gratuitas de Técnicas Circenses, que acontecerão sempre às quartas-feiras (manhã e tarde) entre os dias 11 de março e 15 de abril, intituladas “Palhaçaria Para Iniciantes” e “Números Circenses, além de um Cabaré com os artistas do CIRCO-TEATRO BOQUEIRÃO e os participantes das oficinas artísticas, como forma de encerramento.

SERVIÇO
De 07 a 22 de março, sábados e domingos
15h | A Pequena Loja Mística da Madame Sinistro – Classificação indicativa: 10 anos
17h | Fim dos Tempos – Classificação indicativa: 12 anos
Entrada franca, com ingressos distribuídos uma hora antes do início do espetáculo
Circo da Cidade – Zé Priguiça | Rua Dr. Benedicto Siqueira Branco, s/nº- Alto Boqueirão
Informações: (41) 3287-5307

Sobre o Palhaçx Gourmet
Originado em 2015, o coletivo Palhaçx Gourmet investiga e pratica palhaçaria, improvisação e música. Atualmente com 12 integrantes, o grupo se apresenta um sábado por mês na Casa da Flor Bistrô, em Curitiba, de forma independente e com entrada gratuita. O coletivo acredita na contribuição livre no chapéu como forma de democratizar o acesso ao trabalho produzido, movimentando a cidade culturalmente e instigando reflexão sobre a valorização da arte. Dentre as produções, destacam-se as “Palhaças Gourmet”, o “Cabernet” e o “Ocupa Rua”.

FICHA TÉCNICA
Direção: Ricardo Nolasco
Elenco e Criação: Bruno Lops, Diogo Bonito, Fernanda Fuchs, Igor Ribeiro, Karina Flor, Larissa Lima, Lucri Regianni, Má Ribeiro, Mateus Tropo, Paulo Henrique Carneiro, Rodrigo Fowolski
Provocação e Orientação Artística: Jo Mistinguett (sonoplastia), Leonarda Glück (dramaturgia), Patrícia Cipriano (figurino)
Cenotécnicos: Anderson Quinsler e Felipe Gustavo Casagrande
Costureiras: Adelaide dos Santos Silva, Ana Luiza Costa de Melo, Catarina Ribeiro e Lurdes – Lú Confecções
Iluminação: Victor Sabbag
Produção de Áudios: Jo Mistinguett
Locuções: Ricardo Nolasco
Design Gráfico: Ju Stin
Assessoria de Imprensa e Mídias Sociais: Luísa Bonin e Thays Cristine – Platea Comunicação e Arte
Fotos de Divulgação: Mateus Tropo (registro) e Francineli Valdeira (edição)
Registro Fotográfico: Francineli Valdeira
Registro Audiovisual: Bruno Mancuso
Captação: Renata Cunali e Rumo de Cultura
Assistência de Produção: Dânatha Siqueira e Francineli Valdeira
Direção de Produção: Edran Mariano
Coordenação do Projeto: Bruno Lops, Larissa Lima, Má Ribeiro
Realização: Palhaçx Gourmet

GRUPOS DE TRABALHO – CRIAÇÃO
– Dramaturgia: Bruno Lops, Diogo Bonito e Ricardo Nolasco
– Figurino: Fernanda Fuchs, Karina Flor, Larissa Lima e Patrícia Cipriano
– Sonoplastia: Jo Mistinguett e Rodrigo Fowolski
– Cenários e traquitanas: Igor Ribeiro, Lucri Reggiani, Má Ribeiro, Paulo Henrique Carneiro e Mateus Tropo

OFICINAS PARA COMUNIDADE
Oficinas de Palhaçaria e Orientação Cênica: Larissa Lima e Má Ribeiro
Oficinas de Técnicas Circenses: Sabrina Almeida e Luis Borges

RESIDÊNCIA ARTÍSTICA
Circo de Teatro Tubinho
Projeto realizado com o apoio do Programa de Apoio de Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba, com incentivo do CEDIP e Celepar.

Assessoria de Imprensa
Luísa Bonin e Thays Cristine
Platea Comunicação e Arte
platea.comunicacao@gmail.com

 

OFICINA DE SELEÇÃO DE ELENCO

“Oficina de seleção de elenco para o curta metragem “Sobre Meninos e Bicicletas” de minha direção e com uma equipe linda linda linda. Precisamos de ajuda para encontrar duas crianças para serem nossos protagonistas! Não precisa ter experiência prévia com atuação. Agradeço a todos que puderem ajudar a divulgar e compartilhar 🙂

#ParaCegoVer
Na imagem, à esquerda temos uma bicicleta infantil preta com detalhes em verde, branco e amarelo, à direita, sobre uma parede de tijolos claros, lemos o seguinte texto: oficina de seleção de elenco para o curta metragem “Sobre Meninos e Bicicletas”. Crianças com deficiência visual entre 9 e 11 anos. Entrar em contato pelo e-mail meninosebicicletas@gmail.com ou whatsapp +55 34 99228-3822 / + 55 41 98403-2751

fonte: Julia Vidal

SELEÇÃO DE CASTING PRA UM PROJETO ACADÊMICO / CURITIBA

“Casting | Série Aurora
Oie, tudo bom?

Somos alunos de Publicidade e Propaganda na PUCPR (em Curitiba) e estamos desenvolvendo um projeto pra uma série de TV. Para isso, precisamos gravar o episódio piloto e é aí que vocês entram! Haha. Segue a sinopse abaixo:

“Uma faxineira ex-presidiária chamada Béa trabalha em uma biblioteca e encontra Carolina, uma moça já falecida escritora de um livro que foi apagado por uma organização-seita chamada O Clube. A organização apaga livros e substituí-os por outras obras, escrevendo e reescrevendo a história aos poucos.”

Temos ao todo 16 personagens, entre principais e outros que aparecem apenas uma ou duas vezes em cena. Precisamos de atores que se encaixem em cada um deles e tenham disponibilidade para gravar às sextas-feiras à noite (das 19h às 22h, aproximadamente). Para alguns papéis será necessário gravar de tarde no dia 18/10 e de manhã no dia 26/10. Como somos estudantes (sofredores) o trabalho não será remunerado, porém conseguimos dar horas complementares para os estudantes que se dispuserem a nos ajudar.

Se interessou? Deixe seus dados e selecione um ou mais personagens de interesse que entraremos em contato para os testes.

Ah,uma informação importante é que não será remunerado financeiramente, mas podemos dar horas complementares para estudantes.”

Link de inscrição: aqui

AJUDE A LEVAR O ESPETÁCULO COMA (DA CIA DE TEATRO INDEPENDENTE DE CURITIBA) PARA DUQUE DE CAXIAS/RJ!!!

A Cia Teatral Pathos foi selecionada para o Festival Nacional de Teatro de Duque de Caxias!!!  O espetáculo “Coma” foi um dos 4 projetos vindos de fora do estado do Rio de Janeiro para compor a mostra adulta no Festival. A equipe está muito orgulhosa pela seleção, mas para participar do festival, a companhia precisa de ajuda. Para bancar a viagem. E pra isso você pode colaborar a partir de R$10,00. 

A apresentação será no dia 9 de outubro, às 19h, no Teatro Raul Cortez na cidade de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Para a cia é uma honra imensa ter essa oportunidade. Mas, por ser uma CIA independente de Curitiba, eles estão sem condições de arcar com a viagem – sem qualquer patrocínio ou ajuda de custos. O festival também não pôde disponibilizar recursos para as companhias, porque é mais um lugar de resistência no meio artístico.

Então qualquer valor que você puder contribuir, será super bem vindo!!! O site é fácil de usar, é seguro e sigiloso, você nem precisa se expor, inclusive. Mas você pode doar e concorrer: as doações serão recompensadas com sorteio de ensaios fotográficos das fotógrafas Celine Liris, Lis Guedes e Larissa Pereira. O sorteio do ensaio fotográfico com a Larissa Pereira será feito no dia da apresentação, dia 09/10, e o ensaio será feito até o dia 12/10, porque ela vem de São Paulo para fazer o trabalho.

A intenção da cia é sair de Curitiba/PR na madrugada do dia 08/10 com 2 carros para chegar em Duque de Caxias a noite, lá eles descansam e se  apresentam no dia seguinte e voltam no dia 10 ou 11/10. A ficha técnica da cia tem 8 pessoas, além de equipamentos grandes e pesados de cenário, por isso não compensa ir de avião ou ônibus. Basicamente eles vão gastar apenas com o combustível e pedágio. E, isso, nos dois carros totaliza uma média de R$2200,00 de ida e volta nesse trecho de +/- 850km. No Catarse eles pedem R$2500,00 por causa da taxa de 13% do Catarse (R$325 retirados desse valor total). Confira todas as informações detalhadas do projeto no site Catarse, aqui.

Você também pode entrar em contato com a Cia Teatral Pathos e pedir a conta bancária pra depósito direto, já que o Catarse demora 10 dias para entregar a grana. No site você também pode parcelar, então ficam disponíveis as opções!

A estadia da trupe não está inclusa no orçamento: eles estão vendo esta questão estadia em Duque de Caxias-RJ com alguns amigos, mas se você tem  ou sabe quem tem uma casa disponível pelas redondezas pra oferecer pra cia por 3 noites, entre em contato!! Obrigado por toda a ajuda!!! Viva o teatro!!!

COMA

Se você ainda não assistiu o espetáculo COMA, que estreou em Novembro de 2018 no LabCom/PUCPR, trate de assistir as próximas apresentações na sua cidade, porque é uma peça muito especial feita de coração. Com presença confirmada no Festival de Teatro de Pontal do Paraná/PR!!

SINOPSE:
COMA é o 4° espetáculo autoral da CIA Teatral Pathos. A peça trata sobre questões de opressão no cotidiano que permeiam e atingem a todos de maneira brutal. Situações ligadas ao trabalho em análogo a escravidão e ao abuso de poder são alguns dos temas abordados pela CIA em sua montagem.

FICHA TÉCNICA:
Texto, direção e concepção: Elton Meduna
Elenco: Alini Maria, Arthur Augustus, Celine Liris, Elton Meduna e Victor Dezute.
Operação de luz e som: Aly Chaves
Fotografia: Lis Guedes e Larissa Pereira
Realização: CIA Teatral Pathos

APÓS CALOROSA EXIBIÇÃO NO HISTÓRICO TEATRO AMAZONAS, DOCUMENTÁRIO “O RIO NEGRO SÃO AS PESSOAS” ESTREIA NA CINEMATECA DE CURITIBA


A coprodução Paraná/Amazonas revela a dinâmica da vida da comunidade ribeirinha da região do baixo Rio Negro, no entorno do Parque Nacional de Anavilhanas, na Amazônia. A exibição do filme será seguida de bate-papo com a equipe de criação.

Filmado em 2018, o documentário “O Rio Negro São As Pessoas”, dirigido por João Tezza Neto e Juliana Barros, irá estrear na Cinemateca de Curitiba no dia 18 de junho, com entrada gratuita. A exibição será seguida de debate com os convidados José Álvaro da Silva Carneiro, Mary Allegretti e Natalie Unterstell. A programação também conta com o lançamento do livro fotográfico “O Rio, As Pessoas, O Filme” do fotógrafo Maringas Maciel e da fotógrafa Bárbara Umbra – que será vendido no dia do evento com valor promocional de R$ 30,00.

As duas obras apresentam personagens e situações em comunidades e cidades ribeirinhas, num recorte geográfico abrangendo a região do baixo rio Negro, no entorno do arquipélago de Anavilhanas. O livro e o documentário são resultados de uma coprodução entre Ave Lola Espaço de Criação (PR) e Árvore Alta (AM).

O projeto teve a sua estreia nacional no dia 01 de junho no Teatro Amazonas para um público de 500 pessoas – incluindo a ilustre presença da maioria dos personagens do filme na plateia – e logo em seguida seguiu para o lançamento na cidade de Novo Airão, comunidades Renascer e Tumbira. No dia 11 de junho, a estreia acontece na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, às 19h.

No lançamento em Curitiba, estará presente na plateia a personagem Graziela Santos. Com apenas 23 anos, a arqueira indígena amazonense Graziela Santos, da etnia Karapana, ocupa o 1º lugar  ranking brasileiro de arquearia e neste mês competirá no Mundial de Tiro com Arco da Holanda, que servirá de etapa classificatória para os Jogos Olímpicos de Tokyo, em 2020.

O Rio Negro São As Pessoas é resultado da profunda investigação do diretor curitibano João Tezza Neto, que há dez anos vive na região trabalhando em projetos para geração de renda e contenção do desmatamento na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro.

“Essas comunidades são do interior, mas tem forte relação com Manaus e isso estabelece uma dinâmica social específica e uma cultura própria, revelando valioso patrimônio imaterial. O processo foi construído com muita paciência, tranquilidade e delicadeza por todos os envolvidos. Espero que de algum modo contribua para a sociedade em geral valorizar o modo de vida simples e típico dessas comunidades. O papel deles é crucial para conservar a biodiversidade e eles precisam ser reconhecidos e fortalecidos. Quem sabe, de algum modo, essa obra ajude a sociedade a entender melhor esse contexto de riqueza humana e material que tanto precisa ser valorizado.”, diz João Tezza Neto.

Para codirigir o filme, Tezza convidou a diretora acreana Juliana Barros: “O filme revela os Brasis, dentro de um país continental, tão pouco conhecido para maioria. ‘O Rio Negro São As Pessoas’ é um mergulho nessas águas escuras, de histórias profundas dessa gente.”

Sobre o projeto
Conhecer a Amazônia brasileira e as pessoas que nela habitam é uma forma de compreender a pluralidade cultural existente neste país de dimensões continentais e realidades tão distintas. Por esse motivo, este projeto nasceu com o intuito de registrar de uma forma sensível as pessoas que vivem às margens do Rio Negro, um cotidiano que tanto se mistura aos mitos amazônicos quanto se distancia do imaginário comum dos que  estão mais afastados da Floresta.

O Projeto “O Rio Negro São As Pessoas”, filme e livro, foi financiado pela Lei de Incentivo à Cultura e é uma realização da Ave Lola Espaço de Criação e Governo Federal por meio do Ministério da Cidadania e da Secretaria Especial da Cultura. Foi coproduzido pela Árvore Alta Realizações Artísticas e tem como instituição beneficiada o Hospital Pequeno Príncipe.

Sobre o filme
O Rio Negro São As Pessoas – 2019 (52’)
Documentário
Direção: João Tezza Neto e Juliana Barros
Sinopse: Na região do baixo rio Negro, no entorno do Parque Nacional de Anavilhanas, o documentário O Rio Negro São As Pessoas procura revelar a dinâmica da vida ribeirinha: o que é crescer livre, nadando num rio imenso e escuro; o que é a necessidade de partir, o desejo esquecido de voltar e a escolha por ficar. São gerações que resistem em terras que foram conquistadas antes mesmo do Brasil e que, ainda hoje, o Brasil pouco conhece.

Programação
18 de junho de 2019
18h30 às 19h30 | Lançamento do livro O Rio, As Pessoas, O filme e autógrafos;
19h30 às 20h30 | Exibição do filme O Rio Negro São As Pessoas;
20h30 às 21h30 | Debate com João Tezza Neto, José Álvaro da Silva Carneiro, Mary Allegretti e Natalie Unterstell.
Local: Cinemateca de Curitiba (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174 – São Francisco, em Curitiba)
Classificação Indicativa: Livre
Tipo: Audiovisual / Cinema
Ingressos: Entrada franca
Facebook: @orionegrosaoaspessoasa
Instagram: @orionegrosaoaspessoas
Site: www.orionegrosaoaspessoas.com.br


ESPETÁCULO TEATRAL “POSES PARA DORMIR”, COM DIREÇÃO DE DIEGO FORTES, TEM TEMPORADA GRATUITA E É ENCENADO NA TORRE DO MON

POSES PARA DORMIR. Créditos da foto: Eika Yabusame

A nova montagem de Diego Fortes d`A Armadilha Cia de Teatro, “Poses para Dormir”, é um texto inédito no Brasil da argentina Lola Arias e estreia dia 6 de setembro às 20h na Torre do Museu Oscar Niemeyer (MON), a entrada é franca

“Poses para Dormir” fica em cartaz de 06 à 30 de setembro, quinta e sexta às 20h, sábado com sessão dupla às 18h e às 20h, e domingo às 18h, no Espaço Araucária, que fica dentro da Torre do Museu Oscar Niemeyer (MON), sempre com entrada gratuita, sendo a distribuição dos ingressos feita 1h antes de cada sessão, no próprio MON.

Inédito no Brasil, o texto escrito pela aclamada dramaturga argentina Lola Arias e traduzido e dirigido pelo curitibano Diego Fortes, “Poses para Dormir” se passa em um futuro distópico, em dois apartamentos que ocupam o andar de um prédio em uma cidade sitiada pela guerra. Encenado na Torre do Olho, no Espaço Araucária, a peça é uma instalação onírica em uma espécie de fim do mundo, onde as identidades das personagens Nadia (Guenia Lemos) e seu marido Bruno (Diego Fortes), se confundem com a dos vizinhos Jota (Richard Rebelo) e Tao (Giuly Biancato) em uma série de coincidências absurdas.

“O espetáculo é uma experiência instigante, uma provocação: assistir a uma peça de teatro num lugar que normalmente não convencional, um texto que não é tradicional e que lida com ambiguidades, as coisas não são uma coisa ou outra, elas têm mais de um significado ao mesmo tempo”, afirma Diego Fortes sobre a obra.

Comportamento humano, sonho, morte e identidade são alguns dos temas da peça. A cada cena, os 4 personagens estão diferentes, as situações absurdas geram momentos cômicos de um riso nervoso. Uma experiência onírica e descolada da realidade.

A temporada em Curitiba é curta, apenas 1 mês no MON, e os ingressos podem ser retirados com 1h de antecedência na porta da Torre do Museu, onde normalmente os visitantes saem. Para essa temporada, os espectadores entrarão diretamente na Torre, que dá acesso direto ao Espaço Araucária. O espetáculo tem duração de 60 minutos, comporta 48 espectadores por sessão e não é recomendado para menores de 16 anos.

Com essa obra, Diego Fortes retorna à Curitiba depois de temporada em São Paulo, onde dirigiu “Molière”, estrelada por Matheus Nachtergaele, Renato Borghi e um elenco de 14 músicos e atores, muitos deles de Curitiba. Molière é sucesso de público e crítica e está agora em temporada no Rio de Janeiro.

Serviço:
Poses para Dormir
Texto: Lola Arias
Direção: Diego Fortes
Estreia dia 06 de setembro às 20h
Local: Espaço Araucária – na Torre do Museu Oscar Niemeyer (MON) – Rua Marechal Hermes, 999, Centro Cívico.
Entrada franca: Os ingressos começam a ser distribuídos 1h antes do início de cada sessão, na porta da Torre do MON.
Temporada: 06 a 30 de setembro, de quinta a domingo.
Quintas e sextas às 20h
Sábados – sessão dupla – às 18h e às 20h
Domingos às 18h
Lotação: 48 pessoas
Página do evento, aqui

Ficha técnica:
Texto: Lola Arias
Tradução: Diego Fortes
Direção: Diego Fortes
Atores: Giuly Biancato, Guenia Lemos, Richard Rebelo e Diego Fortes
Iluminação: Nadja Naira
Operação de luz: Elisa Ribeiro
Cenário: Guenia Lemos – Prego Torto & Cia
Cenotecnia: Willian Batista – Studio Fabrika
Figurino: Maureen Miranda
Direção de Movimento: Ane Adade
Trilha Original: Fábio Cardoso
Produção Executiva: Ludmila Nascarella
Comunicação e Mídias Sociais: Luísa Bonin – Platea Comunicação e Arte
Design: Blanc.ag Design e Conteúdo
Maquiagem foto: Juliane Lis Siebert
Vídeos: Alan Raffo
Coordenação Financeira: Rubens Neves – Operativ Consultoria
Captação de Recursos: Meire Abe

“PROJETO REALIZADO COM O APOIO DO PROGRAMA DE APOIO E INCENTIVO À CULTURA – FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA E DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA”

Realização:
A Armadilha
Parceria:
Museu Oscar Niemeyer (MON)
Incentivo:
Instituto Joanir Zonta – Empresa mantenedora: Condor, EBANX, CEDIP
Incentivo: Lei de Incentivo à Cultura, Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba

Sobre A Armadilha:
A Armadilha, fundada e dirigida por Diego Fortes, atua há 17 anos e é conhecida por apresentar propostas fundamentadas num permanente processo de pesquisa e criação em dramaturgia, e pela por reunir em suas produções teatrais, refinamento conceitual,   compreensão e a acessibilidade de diversos públicos.

Alguns dos trabalhos d´A Armadilha: Bolacha Maria (2008), Jornal da Guerra Contra os Taedos (2009), Duas da Manhã (2012) trouxeram autores até então inéditos no teatro no Brasil e foram muito bem recebidos pelo público e pela crítica.  A Armadilha também tem um trabalho focado na dramaturgia original, os espetáculos Café Andaluz (2005) e Os Leões (2006) foram escritos por Diego Fortes sob pseudônimos. Os Leões chegou a ser considerado pela crítica nacional como o grande destaque do Festival de Teatro de Curitiba em 2007. Foi encenado em São Paulo, a convite do SESC no Projeto Primeiro Sinal, em Salvador, no l Festival Nacional de Teatro da Bahia – 2007 na Mostra Nacional e em Brasília, na Caixa Cultural e abriu o XVI Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga em 2009. Além dos trabalhos próprios, A Armadilha organizou junto com outras companhias as 3 primeiras edições da Mostra Novos Repertórios, evento especial do Festival de Curitiba onde são exibidas peças e leituras de companhias de teatro contemporâneo. Em 2011, organizou a Mostra Outros Lugares – teatro de novos autores, que reúne peças com textos originais e inéditos. Com o objetivo de promover a formação de plateia em teatro, com bastante frequência, promove apresentações com ingressos gratuitos nos espetáculos concebidos e distribuídos com verbas públicas, acreditando ser uma medida necessária e democrática de acesso à cultura. Por isso, a pesquisa artística está direcionada a obras de alta qualidade e reflexão artística, sem perder de vista a comunicação com o público, mesmo que seja a primeira oportunidade deste público de entrar em um teatro.

O2 FILMES PROCURA ATORES NEGROS

imagem do site da 02 filmes

02 Filmes procura atores negros para série. O processo envolve gravação de cenas (que podem ser gravadas com celular) e devem ser enviadas até o dia 31 de março.

“Um dos temas centrais da série é o racismo ou o preconceito que um jovem negro talentoso tem que enfrentar para encontrar seu lugar na sociedade. Claro que para este papel precisamos especialmente de jovens atores negros. Portanto, se você tem entre 17 e 32 anos a bola está quicando.”

Confira todos os detalhes aqui

TESTE DE ELENCO

Chamada para teste de elenco para o nosso curta-metragem Brasil x Holanda (dir. Caroline Biagi).

Para quem tiver interesse, enviar os dados através do formulário  aqui

Sobre o filme
1994. Marina tem 13 anos e viaja para o casamento da irmã, que acontece no mesmo dia do jogo das quartas de final da Copa do Mundo, Brasil x Holanda. Para alguns, o melhor jogo daquela Copa. Para Marina, o dia em que sua idade parou de importar.

grafoaudiovisual.com (produtora de Curitiba)

fonte